Fanfics de Porcelain Black

Para Você escrita por ~RiasMichaelis

Fanfic / Fanfiction Para Você
Em andamento
Capítulos 10
Palavras 2.927
Atualizada
Idioma Português
Categorias 24K, 30 Seconds to Mars, 3OH!3, 4Minute, A Day to Remember, Adele, After School, Ashes Remain, ASTRO, B.A.P, BACK-ON, Bangtan Boys (BTS), Big Bang, Boys Republic, Breaking Benjamin, Bring Me The Horizon, Bullet For My Valentine, Cobra Starship, Coldplay, EXO, Fall Out Boy, G-Dragon, I See Stars, IKON, Imagine Dragons, Infinite, IU, Jason Derulo, Jay Park, Katy Perry, KNK, Linkin Park, Melanie Martinez, Miley Cyrus, Miwa, Monsta X, Nickelback, NICO Touches the Walls, NU'EST, One Ok Rock, Orange Range, Porcelain Black, ROOKiEZ is PUNK'D, Seventeen, Sia, Simple Plan, Skillet, Starset, Supercombo, Taeyang, The GazettE, Thousand Foot Krutch, Topp Dogg, Troye Sivan, U2, U-KISS, UNIQ, UP10TION, VIXX, WINNER, YUI
Gêneros Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Esporte, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai
Pensamentos fazem pessoas mudar, refletir, se alegrar, amar, ou até mesmo sorrir. Mas o pior de tudo é que algumas vezes esses pensamentos também nos fazem sofrer, chorar e nos deixar triste.
  • 14
  • 3

Estamos fora a noite toda. escrita por ~Lady-Led

Fanfic / Fanfiction Estamos fora a noite toda.
Terminada
Capítulos 1
Palavras 1.136
Atualizada
Idioma Português
Categorias Jack White, Porcelain Black
Gêneros Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela
[e dormindo o dia inteiro].

[ou quando Jack é viciado, Porcelain é uma stripper, e eles tem um conto de fadas estragado].

AU - Stripper/Junkie
  • 5
  • 1

How Do You Love Someone? escrita por ~Chelsea_Smile

Fanfic / Fanfiction How Do You Love Someone?
Terminada
Capítulos 44
Palavras 185.784
Atualizada
Idioma Português
Categorias 5 Seconds Of Summer, Ariana Grande, Jennette McCurdy, One Direction, Porcelain Black
Gêneros Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Musical (Songfic), Romance e Novela, Violência
Essa não é uma história clichê. Não, ela está longe disso! Minha vida não é um conto de fadas e muito menos divertida de se contar para as pessoas, mas irei contar mesmo assim. Sabe aquela pessoa que você ama com todas as forças? Então...essa pessoa se chama, “PAI”! Ele morreu, me deixando com a pior pessoa desse mundo que se chama, “MÃE”! Fui expulsa de 3 escolas, na terceira desisti de tudo, pois realmente não valia a pena. Meus pais nunca se deram bem, eu fui um fruto de um casinho. Minha mãe era praticamente uma prostituta, a diferença é que ela não recebia para sair dando pra geral. Quando ficou grávida de mim, meus avós a obrigaram a ter a filha tão odiada por ela e a se casar com o meu pai, então vocês já imaginam o inferno que foi minha vida, né? Ela teve que obedecer, pois era menor de idade, eu sinceramente preferia nem ter nascido! Depois de anos, eles finalmente se separaram, eu tinha 12 anos, e vocês acham que ela brigou pela minha guarda? Ela ficou é saltitando pela casa e dançando anaconda da Nicki Minaj. Mas eu realmente gostei, pois ela sempre me maltratou. Vivi os melhores 3 anos da minha vida com meu pai. Eu o amava mais que tudo, até que resolveram me tirar ele. Câncer! Um maldito câncer cerebral. Com essa notícia eu simplesmente caí da cama acordando de um sonho lindo que durou apenas 3 míseros anos e logo entrando em um pesadelo, de novo! É, eu tive que morar com minha mãe. Quando ela soube de minha voz, simplesmente me quis e desistiu de me entregar pra adoção. E se minha infância com ela foi horrível, agora ainda foi pior, pois não tinha meu pai pra me ajudar. Depois de presenciar isso tudo, crescer no meio de tanto ódio entre meus pais, minha mãe e eu, realmente não sei o que é o amor e muito menos como amar. Se alguém leu isso que acabei de escrever e souber a resposta, por favor me responda, como se ama alguém?

“Eu caminhei por volta esperançosa, quebrada, congelada emocionalmente,
mas dificilmente enfrentando. Continuei, estando isso errado.”
Me disseram que não sobreviveria
Mas "sobrevivência", é meu nome do meio”
  • 268
  • 356