Tópico [OFF] Backgrounds dos Personagens

3 Respostas

~FelWatch

Usuário: ~FelWatch
Quali Tea.
-Importante

Este RPG, como todos os outros, é baseado na ação, interpretação e envolvimento dos personagens. Deve-se interpretá-los como se num teatro, somos os atores interpretando papéis em determinadas situações, tudo girando em volta do mundo vampírico.

Nada mais natural, do que estes personagens terem uma história. Algo que justifique seus antecedentes, sua natureza, comportamento. Que reflita suas ideias, a seita escolhida e seu conceito.
Então aqui deverão ser postadas as histórias, feitas por vocês, jogadores, para seus respectivos personagens.

Deixando claro, apenas os que já completaram sua ficha oficial [necessária para jogar Aventuras] podem postar aqui as histórias, qualquer história de um personagem com ficha provisória será excluída.

Ficha:


Personagem: [-].
Tempo: [Em que ano, aproximado, a história teve seu decorrer].
Espaço: [Em que cidade, país, etc. A história teve seu decorrer].
História: [Já sabem, não é?]

~ X ~


Seja o mais breve e direto possível, citando o nome do seu senhor, como você acabou escolhendo sua seita atual e etc...

Sejam criativos e divirtam-se.

Os personagens com o defeito: "Amnésia", não devem postar histórias.
Sem flood

~gibinha - Clan Lunnaris

Usuário: ~gibinha

Personagem: Yoru Ungai.
Tempo: 1500 e 1900.
Espaço: Londres.
História: Como eu poderia começar? Talvez seja melhor do principio mesmo, apesar de não ser tão interessante como história de pescador XDXDXD.

Minha mãe me pariu com muita dificuldade numa noite escura como breu. Não havia nada, nem lua ou estrela no céu. Ela quase morreu,quase por isso Yoru - noite - ungai - sorte - ,em outras palavras meu nome significa noite de sorte. Infelizmente a minha não durou muito. Do meu pai eu só lembro o relance.. estava brincando de barquinho de madeira, na sala, e ele passou por mim com uma sacola e uma vara de pescar. Eu levanto e paro ele segurando seu short.

-Papai ,quando voltar,me leva pra pescar?

E ele me sorri. Mas o sol não me deixa ver o rosto dele. Mesmo pequena eu sabia que algo ruim aconteceria, mesmo assim eu sorri de volta.
Mas o azar mesmo vem depois, com eu ja adulta.Minha mae burra ,se casou com um idiota mandao ,cara de pau!putz nunca gostei do meu padrastotario.XDXDXDXDXD.Li essa palavra num livro de vampiros atual.O idiota queria me casar com um rico lindo mas como ele era mediocre.puta cara arrogante dos infernos!eu me recusei totalmente.fui o mais chata,infantil,arrogante,feia e esquisita q pude pro cara nao gostar de mim.e nao é q deu certo!o cara agora me odiava e eu o odiava.nao caso nao caso d jeito nenhum!
Mas naquela noite a minha sorte estava pra mudar.as cortinas balançaram e uma figura de cabelos brancos surgiu,nao consegui ver seu rosto pq ele ficou nas sombras ,mas era uma figura assombrosamente linda.sentado em uma cadeira perto da janela q eu usava pra ver as estelas .dava pra saber q era um homem pela voz.ele puxou conversa comigo :


-Vc ñ odeia esta era?

-Quem é vc?-eu disse me aproximando da beirada da cama,e me apoiando nela.

-Sou um funerario.provavelmente o seu futuro funerario.-disse a pessoa nas sombras

-e o que faz aqui taker-san?

-Aprecio sua história.agora me responda, vc não odeia esta era?

-como ninguem nunca imaginaria.

-E se eu dissesse q sera a sua ultima?

-Eu pediria pra acabar logo com ela.

-E se eu dissesse q vc viveria pra ver um futuro não muito distante?só uns milhoes de anos?

-Se a maioria deles não fossem como a mérda q eu vivo agora eu ficaria feliz.

-Nos veremos d novo garota,provavelmente muito mais em breve do q vc gostaria.


A sombra desaparece como um vulto ou uma nevoa.então uma imagem vem a minha cabeça"homem de cabelo eu confundi com mulher ,então se eu cortar meu cabelo não vou precisar casar pq vou ser confundida com alguem do sexo oposto!minha passagem pra fora dessa geringonça já esta carimbada"

-MUWHAHAHAHAHAHAHAHA!

-PARE DE GRITAR-grita meu padrastotario

-SEM MORALLL!!!!

Então no dia seguinte peguei uma faca de sashimi,esterilizei e cortei meu cabelo, e eu nunca tinha assistido mulan eimm!!!me vesti de empregado pra ver se tava dando certo o disfarce.todos naquele lugar cairam como uma luva no meu plano.de noite eu fugi.não podia ficar passando fome então tentei entrar na escotland yard.a unica falha no meu super plano a prova de furos pelo resto da minha vida era q eu tinha um parceiro q definitivamente tava muito melhor q eu. putz ele era muito bonitinho.tenho vergonha em dizer que uma vez quase levei um tiro pq estava vendo ele dar um mortal pra traz atirando num inimigo.o suor pingando e os cabelos dele ao vento.fico mole só de lembrar.-^^-.e o melhor dele é q ele sabia guardar segredo muito bem.foi assim :eu tava na minha casa e tinha durmido d mais ele veio me chamar em casa e arrombou aporta com tudo :

-KUROOO!!!!

Eu cai da cama e ele :

-kuro?

Eu fiquei roxa pq não sabia o q fazer então eu improvisei muito malll:

-N Não a noiva dele...-Ele fiicou vermelho pq eu tava d camisola

-Me desculpe senhorita é que seu noivo esta atrasado então eu vim chama-lo.

-A sei.bem como pode ver ele não esta aqui."todos os homens são burros assim???uma roupa faz tanta diferença???meu cabelo ta arrepiado igualzinho!!!"

-Vejo bem.bem obrigado.onde ele se meteu?-ele diz indo pra saida

Mal eu esperei ele sair e desfiz aquele sorriso forçado tirando a todo vapor a coberta e a camisola pra por o sutiã e a calsa ,sendo q estava quase pondo a camiseta também quando ele abriu a porta d novo e eu tive q contar a história q vcs leram até aqui ,vestida obviamente^`´^
.o bom é q ele não contou pra ninguem mas um dia ele morreu e minha taxa de trabalho caiu.

Me arranjaram outro parceiro mas estava acostumada com o primeiro e fiz a besteira de deixar ele toca nos meus seios sem querer.o desgraçado me dedou ao investigador chefe e fui despedida.andando a noite distraida mas pelo menos com odinheiro do ultimo pagamento no bolso entrei num beco escuro e a mesma figura da ultima vez veio a tona da mesma forma de antes :

-Yo!-ele me disse

-A omae wa(é vc).o que quer taker?

-Vc passou por poucas e boas desde o nosso 1º encontro.uma idéia ,um trabalho ,UM AMOR ,uma perda ,mais um idiota ,uma demissão.-ele estica um dedo a cada item mencionado.

-Vc tem sabido muito sobre mim.pq isso?

-Vc quer se vingar não quer?

-E se eu quiser?

-Precisa de poder.eu posso te dar se quiser.-ele sorri e mostra presas.

-Sabe taker-kun.se for de graça eu aceito.não quero gastar meu ultimo salário.

-Feche os olhos.-eu ouvia os paços.uma pequena dor e muita muita sede.-eu sei o que sente.já providenciei a primeira vitima.

Não senti mais nada depois disso ,apenas sede.e no céu um morcego voou.e quando vi tinha um cadaver a minha frente.o cadaver do meu segundo parceiro.

-SHISHISHISHI!!!!!!!!!arigato taker.-eu o sequei.e arranquei-lhe a genitaria.depois disso apareceram nos jornais.




KIRISAKU JACK(JACK O ESTRIPADOR)


Policia ,ou rainha ninguem detem as mortes
destes homens.todos com as genitarias
arrancadas.quem poderia ser o culpado?
escotland yard pretende envestigar a fundo
dessa vez nem mesmo sherlock holmes
esta na pista certa.todas os assassinatos
foram feitos de noite.quem sera o proximo
desta lista.



E de cima de um prédio eu ria e ria e ria.


------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Voces podem pensar o q quiserem, mas essa idéia saiu em um banho numa quarta feira antes das férias.se tiver muito ruim lembrem-se, foi uma história de chuveiro.XDXDXDXDXD!!!!!!!!!!!

~Anghel_Bloody - Clan Lunnaris

Usuário: ~Anghel_Bloody
Tremere
Personagem: Anghel Genevieve Kröppel Chevalier
Tempo: A partir de 1823
Espaço: França, cidade de Monza
História:

Sou a filha mais velha de um casal Francês tradicional de Monza. Eles me deram o nome de Anghel, estranho não acha. Na verdade para alguém que possuía uma mãe fascinada por livros não é nenhum pouco. E como bem podem imaginar meu nome foi tirado de um dos vários livros que minha mãe adorava ler. Uma vez esta me contou sobre esse personagem ao qual ela tirou o nome para me dar. Era um personagem inteligente e gentil. Ela dizia querer que eu fosse assim. Lamento não ter podido corresponder totalmente as expectativas dela. Já meu pai era mais tradicional por isso tenho como segundo nome Genevieve. Ele era do tipo que seguia as regras. Ele era uma ótima pessoa, mas esse pequeno defeito dele sempre me incomodará.
Sempre levei uma vida normal. Eu era possuidora de longos cabelos castanhos e lisos que iam até a cintura, uma franja cobrindo a testa. Pela clara e olhos também castanhos. Não era muito alta. Tinha aparência miúda de criança, mesmo aos meus 25 anos. Sempre aparentei ter menos idade do que tinha por ser magra e ter feições de criança. Assim como minha mãe cresci apaixonada por livros. Não foi surpresa para eles, eu aos 25 anos já ser uma escritora de misticismo e paranormal. Sempre fui fascinada pelo oculto e ser escritora era uma maneira de sempre descobrir mais. Mas foi também isso que me fez ser o que sou hoje.
Lembro bem do meu abraço. Até porque não se esquece uma dor daquelas facilmente. Estávamos em 1848. Vida de escritora não era fácil. Tínhamos que correr atrás do prejuízo, de alguém que queira vender nossos livros e naquela época não era tão fácil. Então quando aparecia alguém interresado eu não hesitava em responder o chamado. Ele sabia disso. A pessoa que me abraçou e foi assim que ele me trouxe até si.
Naquele dia eu estava super empolgada. Era de noite, tarde da noite, mas eu não me importei, afinal eu poderia lançar mais um de meus livros agora sobre vampiros. Coincidência? Acho que não. Mas ao chegar ao lugar marcado com a pessoa que mandará uma carta a minha casa com uma proposta fresquinha eu me deparei com um ser de capa negra trajando trajes eduardianos. Ele tinha um rosto jovem e sorriso enigmático. Em seu pescoço pendia um colar com um símbolo ao qual não consegui identificar por a capa às vezes a cobrir levemente. Naquele dia ele me levou até sua casa com a mesma desculpa da proposta de lançar meu livro. Mas não foi isso que aconteceu. Ao chegarmos a sua casa ele começou a me fazer umas series de perguntas que mais pareciam serem feitas para me testar e comecei a achar estranho. A cada resposta certa minha ele sorria mais e mais e no final, bem, ele me levou até um certo cômodo da casa e lá aconteceu o abraço. Essa é a parte mais nítida de minha lembrança, pois a dor da mordida foi... Era como se rasgasse minha carne várias vezes e ao mesmo tempo me desse prazer com a dor. Tudo foi como um ritual. A mordida, o sangue logo depois sendo forçado-me garganta a baixo e as frases que ele me dizia e forçava-me a repedir. O juramente de fidelidade a casa Tremere.
O meu Senhor, Louis, cuidou de mim por um tempo. O suficiente, eu acho, ele me ensinou tudo que um tremere deveria saber. Éramos parecidos em partes e seus ideais acabaram por virar os meus. Então assim como ele eu servia a Camarilla.
Depois da transformação nunca mais soube de meus pais. Acho que depois de eu ter desaparecido, com o tempo eles acabaram se conformando. Não sei. E já não importa. Louis por volta de 1960 disse-me que teria que realizar uma viagem, ao qual não me disse para onde ou para que. Ele sempre era assim, enigmático, mas um lorde em todos os sentidos. Foi ai que ele me apresentou a um amigo. Phobos. Ele me deixou com Phobos para que esse terminasse de me ensinar o que ele não poderia. A parti daí Phobos passou a ser meu mentor, isso até os dias de hoje e não tive mais noticias de Louis. Mas ainda acredito que ele voltará. Com Phobos me mudei da casa de Louis para a Capela Tremere e é lá aonde ?vivo? agora a espera da volta de Louis.

~Mizu-89 - Clan Lunnaris

Usuário: ~Mizu-89
My name is hell!
Personagem:Mizuki Aruna
Tempo:1981
Espaço:Japão / NY
História:
Fui criada até os 15 anos por um monge no Japão, quando este morreu me entregou uma carta que contava que os meus pais foram mortos quando tinha 3 anos mas antes me entregaram a ele, as circunstâncias das suas mortes nunca foram reveladas, foi então que recebi um baú de herança deles que continha um punhal de lâmina negra, um documento que me deixava como herdeira de todo seu dinheiro que aparentemente era uma grande soma, um livro com instruções para que eu aprendesse e dominasse meus poderes e um pingente em forma de lágrima azul que libertaria totalmente meus sentidos vampíricos quando fosse abraçada.

Após enterrar aquele que cuidou de mim desde pequena fui para NY onde encontrei o advogado de meus progenitores que me deu plenos poderes sobre tudo que um dia foi deles, então me mudei para a mansão.

Quando completei meus 16 anos prestei uma prova para entrar na universidade, graças a minha inteligência e meus poderes de manipulação como eu os chamo pulei os 2 últimos anos do secundário e entrei sem problemas na New York University Medical Center, durante o dia me Aplicava nos estudos ?humanos? e durante a noite treinava com armas brancas, no meu segundo ano finalmente fiz amizade com uns humanos mais particularmente com um rapaz chamado Caleb Knight, foi ele que me mostrou muitas coisas inclusive que eu era uma alma (se é que tenho uma) solitária, sim eu gosto de companhia principalmente a masculina, mas preferia passar a maior parte do tempo sozinha. Quando me formei percebi que não queria uma carreira que me prendesse constantemente em um hospital e sempre com as mesmas pessoas por isso decidi viajar durante um ano pelo mundo, alguns meses depois em Paris encontrei Adele Jaques, uma famosa dona de uma agência de modelos que me propôs trabalhar com ela, aceitei o cartão e prometi responder no final de minha viajem. No retorno a minha casa quando estava em Manhattan um senhor de alguma idade me parou bruscamente na rua e me falou que eu era muito parecida com minha mãe , este senhor se dizia meu avô, minha mãe era sua única filha e meu pai era seu lacaio, nenhum dos dois tinha sido ?Abraçado? ainda pois desejavam dar continuidade a família Aruna, eles se casaram e depois que minha mãe ficou grávida de mim os dois sumiram, meu avô pensava que estávamos todos mortos quando ficou sabendo do ataque se sofreu meus progenitores, ele também me informou da batalha que iria ocorrer lá, sobre Camarilla e o Sabá, ele era de um clã que afirmou ser chamado de Ventrue e que eu por ser uma sangue azul de nascença também pertencia ao clã mesmo que eles não tivessem conhecimento de minha existência e me pediu para me juntar a ele o que aceitei pois não só gostei do que descobri sobre Camarilla mas também por que poderia descobrir sobre a vida e morte de meus pais, foi então que eu tive "O Abraço" através de meu próprio avô.
Passei um mês na mansão dele me acostumando com meu novo ?eu?, um dia peguei minha caixa de jóias e ao colocar um cordão de prata este me queimou rapidamente, estranhamente o machucado não cicatrizou, acabei ficando com um cordão negro e um desenho de estrela em volta do meu pescoço, Michael meu avô riu de mim e falou que eu parecia ter herdado seus defeitos, assim me avisou que ficasse longe de qualquer objecto de prata e que se eu realmente era igual ele tinha que me manter afastada das cruzes também. Uma semana depois fui até a agencia de Adele Jaques, e para minha surpresa descobri que muitos ali eram vampiros, como eu não os conhecia imaginei que eles fossem de Sabá, a responsável ali me abordou, ela era a única que pertencia a Camarilla e me deu um cartão e pediu que eu fosse aquele endereço e que falasse que ela me tinha indicado, quando cheguei ao local me levaram a um senhor chamado John que se apresentou como um realizador de novelas e filmes, ele me disse que eu era perfeita para o trabalho, ele procurava uma atriz que soubesse cantar também, quem diria que ao invés de modelo eu acabasse sendo uma atriz e que descobriria que afinal também presto para cantar? Na minha primeira gravação eu descobriria que havia herdado outro defeito de Michael, quando uma atriz implicou comigo e ?acidentalmente? derrubou um copo de água em cima de minha cabeça quase a matei ali mesmo e quando as amigas dela começaram a tentar me intimidar novamente senti uma necessidade de mata-las, quando contei a meu avô sobre o que sentia ele me revelou a verdade, pela investigação dele meus pai foram mortos por membros de um clã chamado Filhas da Cacofonia e ele suspeitava que meus sentidos me mandassem odiar mulheres que se assemelhavam aos membros deste clã era quase como um mecanismo de defesa sei lá, e que eu provavelmente tinha o defeito da vingança, eu na verdade não me incomodei muito seria óptimo me vingar de todas aquelas malditas Filhas da Cacofonia, no dia seguinte quando aquelas que aparentavam me odiar riam e me olhavam eu não aguentei, lhes lancei meu pior olhar quase senti uma aura negra saindo de mim e as envolvendo, elas saíram apresadas e realizei minha primeira vingança, coloquei um narcótico na água da atriz que começou a implicar comigo, no final ela foi demitida e quando as amigas dela passaram por mim lhes falei que ninguém iria rir da minha cara novamente, a partir daquele dia todas as atrizes me temiam e odiavam, sabe acho que minha Vingança não é só centrada naquele maldito clã das cantoras, eu gosto de me vingar, adoro que me levem a isso, todos aqueles que se metem no meu caminho ou pisam no meu pé. No final das gravações fomos todos a uma festa onde se encontravam importantes membros da cidade foi ai que conheci Dyon o assistente do presidente de NY ele foi o primeiro humano a quem apliquei o Fascínio (a presença é a disciplina que mais gosto de usar em humanos), surpreendentemente foi muito fácil submete-lo aos meus caprichos, sinceramente acho que ele tem muita pouca força de vontade, hoje em dia Dylan além de meu informador (tudo que ele ouve no gabinete do presidente e entende ser importante ele me informa), é também alguém de quem eu me alimento, mas não o considero meu ?rebanho? ele é apenas alguém de quem eu gosto de me alimentar, nesta noite também descobri que não conseguia me alimentar de mulheres nem de homens mais velhos, apenas homens jovens me despertam sede não que eu reclame disso.
.
Quando fui apresentada ao clã Ventrue muitos foram aqueles que me desprezaram, eu não era considerada um vampiro feito para o clã, não tinha sido criada nas tradições e regras do clã, segundo eles não me vestia e nem agia de forma apropriada para os seus gostos mas Michael meu avô me defendeu e se propôs a me treinar durante um ano, mas 6 meses depois eu já estava pronta, falava mais formalmente, me vestia com mais elegância e com isso entrei para o clã de meus falecidos pais, também voltei a trabalhar como atriz, claro eu usava um pseudónimo e uma peruca castanha curto, também coloco lentes pois meus olhos naturais são diferentes dos humanos, durante o ano em que Camarilla montou a base eu actuei como uma espia, eu era quase como um trunfo para eles, já que nenhum vampiro sabia de minha existência, eu podia andar entre os inimigos como a atriz Sayuka Mitsuka sem ser percebida, bem quase, alguns me descobriram mas eu eliminei estes sem problemas, depois desse ano de preparação foi me atribuída uma tropa, mas eu não queria comanda-los por um aparelho electrónico que é como os outros faziam, então me disfarcei e lutei pessoalmente, e evidentemente nenhum vampiro sou que era eu ali lutando.

Quando a batalha terminou e nos vencemos minha vida ficou mais tranquila, continuei com a carreira de atriz e comecei também na carreira de cantora afinal para ter minha vingança contra as Filhas da Cacofonia nada melhor do que estar entre elas e conhecer os seus defeitos não é?, também continuo trabalhando para a Carmarilla sem dizer que jurei lealdade a ?Dama Gélida?.