Tópico Quais os elfos que vocês mais gostam ou conhecem no momento?

5 Respostas

~Oberon

Usuário: ~Oberon
Dark Elf King
Administrador do Grupo
Eu senti necessidade de criar um tópico sobre esses seres fantasísticos, não tão divulgados como lobisomens ou vampiros. Queria saber, se tem mais além dos famosos em O Senhor dos Anéis. Alguém conhece algum outro, que seja interessante?

~Oberon

Usuário: ~Oberon
Dark Elf King
Administrador do Grupo
Elfos No Online Forsaken

Os filhos do vento

Depois de criar os humanos, Illyfue seguiu para as florestas, onde se sentia mais à vontade. A partir do vento que soprava, ela criou a raça mais orgulhosa de Eyrda, os Elfos. Feitos à imagem da deusa, eles são belos, ágeis e elegantes, amados pela natureza. Pela afinidade com o verde, sentem com maior intensidade a decadência de Eyrda, percebendo como cada vez menos árvores chegam à idade adulta, ou como as folhas amarelam e morrem antes do tempo.

Esta ligação com o planeta ainda lhes garante uma profunda compreensão mágica. Dizem que tudo o que cerca os elfos tem um toque de magia – o que, verdade ou não, os deixa orgulhosos. Seu porte frágil por vezes é confundido com fraqueza, um ledo engano: assim como o vento, podem ser agradáveis e acalentadores como uma brisa, assim como destrutivos e impiedosos como tornados.

~Oberon

Usuário: ~Oberon
Dark Elf King
Administrador do Grupo
World of Warcraft
Elfos


Elfo Sangrento
Horda

Por quase sete mil anos, a sociedade élfica esteve centralizada na Nascente do Sol, uma fonte mágica criada a partir de um frasco de pura energia arcana da primeira Nascente da Eternidade. Alimentado e fortalecido pelas potentes energias da Nascente, o encantado reino dos elfos superiores de Quel'Thalas prosperou nas florestas verdejantes ao norte de Lordaeron.
Durante a Terceira Guerra, no entanto, os elfos superiores por pouco não foram expulsos de Azeroth. Liderados pelo cavaleiro da morte Arthas, um exército do Flagelo invadiu Quel'Thalas, matando quase noventa por cento da população do reino. Arthas então usou a fonte mística para ressuscitar o necromante Kel'Thuzad, contaminando a fonte de forma irreversível durante o processo.

Temendo que a fonte corrompida pudesse terminar de destruir sua raça, o príncipe Kael'thas Andassol reuniu um grupo de defensores de Quel'Thalas e destruiu a fonte para evitar uma catástrofe ainda pior. Embora os elfos superiores tenham sido poupados da contínua exposição às sombrias energias da Nascente do Sol, todos sofreram com a ausência da fonte. Em consequência disso, Kael'thas procurou desesperadamente por um meio de ajudar seu povo, agora renomeados de elfos sangrentos e, assim, partiu para o desolado mundo de Terralém. Lá ele se aliou ao demônio traidor Illidan Tempesfúria na esperança de encontrar uma cura para a abstinência dolorosa de seus irmãos.

Kael'thas tinha assegurado a seu povo que um dia ele voltaria a Quel'Thalas e os lideraria para o paraíso, mas o tempo revelou que suas promessas eram nada mais do que mentiras. Em Terralém, devido à sua dependência de energia vil, a sombria e corrompida essência emanada pela demoníaca Legião Ardente, o príncipe se transformou. Sem o conhecimento de Illidan, Kael'thas acabou vítima da influência do comandante da Legião, Kil'jaeden.

Sob comando de seu novo mestre, o príncipe rebelde finalmente voltou para Azeroth e invadiu o local onde era a Nascente do Sol, esperando utilizar a fonte como um meio de levar Kil'jaeden para o mundo. Por fim, Kael'thas foi morto antes que sua imprudência trouxesse a ruína para Azeroth. Após a derrota de Kil'jaeden, o profeta draenei Velen purificou a Nascente do Sol com o coração iluminado de um naaru caído, transformando o manancial em uma fonte de energias arcanas e sagradas.

Inspirados pelo renascimento da Nascente do Sol, os elfos sangrentos, desde então iniciaram uma brilhante nova era na história da antiga raça. Embora alguns elfos continuem hesitantes em abandonar sua dependência da magia arcana, outros adotaram a mudança para a melhoria de Quel'Thalas. No entanto, só o tempo dirá se os elfos sangrentos conseguirão evitar repetir os trágicos erros de seu passado.

Elfo Noturno
Aliança

Os antigos e reclusos elfos noturnos desempenharam um papel fundamental no destino de Azeroth ao longo de sua história. Há mais de dez mil anos, seus feitos heroicos durante a Guerra dos Antigos ajudaram a afastar a primeira invasão da demoníaca Legião Ardente. Quando os dispersos resquícios da Legião em Azeroth se uniram com os vis sátiros, séculos depois, os elfos noturnos ergueram-se para enfrentar a ameaça. A subsequente Guerra dos Sátiros custou caro para os elfos noturnos, mas no final eles venceram as forças que queriam devastar seu mundo.
O surgimento da Legião, no entanto, mudou para sempre a sociedade noctiélfica. Os elfos noturnos tinham decidido evitar a prática de magias arcanas, pois justamente seu uso imprudente havia atraído a Legião à Azeroth. Eles passaram a cultivar uma existência pacífica e naturalista ao longo das encostas do Monte Hyjal sob a liderança de Tyrande Murmuréolo. Durante longos anos, Tyrande supervisionou o governo dos elfos noturnos, sempre atenta aos sinais de novas incursões demoníacas. Grande parte deste tempo foi vivida longe de seu amor, Malfurion Tempesfúria, que, ao lado de seus companheiros druidas, manteve o equilíbrio da natureza dentro do Sonho Esmeralda.

A existência tranquila dos elfos noturnos foi abalada novamente quando a Legião Ardente iniciou uma nova invasão em Azeroth. No auge do conflito, conhecido como a Terceira Guerra – a Legião, ao lado do aterrorizante Flagelo, atacou as terras dos elfos noturnos. Após despertar Malfurion e seus druidas de seu sono no Sonho Esmeralda, Tyrande reuniu seu povo para lutar com a Horda e a Aliança para derrotar o lorde demoníaco Arquimonde e seus asseclas no cume de Hyjal.

Embora vitoriosos, os elfos noturnos sofreram muito com a batalha. Sua amada Árvore do Mundo, Nordrassil, criada e abençoada pelos Aspectos Dracônicos Alexstrasza, Ysera e Nozdormu para conceder a imortalidade aos elfos noturnos havia concedido uma enorme energia para derrubar Arquimonde. Para criar esta poderosa explosão, os elfos noturnos optaram por sacrificar pra sempre sua proteção contra o envelhecimento, doenças e fragilidade.

Com o tempo, Nordrassil lentamente começou a curar suas feridas, mas alguns druidas liderados por Fandral Guenelmo resolveram criar outra Árvore do Mundo na tentativa de restaurar a imortalidade dos elfos noturnos. Malfurion alertou contra este ato de egoísmo, mas quando subitamente entrou em coma, seu espírito perdeu-se no Sonho. Fandral então seguiu em frente com seus planos sem oposições. A segunda Árvore do Mundo, Teldrassil, foi plantada na costa norte de Kalimdor e, eventualmente, se ergueu até as nuvens.

Diferente de Nordrassil, esta nova Árvore do Mundo não foi abençoada pelos Aspectos e, portanto, não restaurou a imortalidade dos elfos noturnos. Em vez disso, Teldrassil foi corrompida pelo Pesadelo Esmeralda, uma sombria enfermidade com raízes dentro do Sonho. Além disso, soube-se que doença terrível de Malfurion havia sido causada por essa força obscura. Quando finalmente acordou de seu estado de coma, Malfurion decidiu purificar Teldrassil de sua corrupção e liderou os esforços para conter o sinistro Pesadelo.

Esses grandiosos eventos levantaram o ânimo de toda sociedade noctiélfica. Mesmo assim, esta valente raça agora enfrenta vários novos desafios. Os recentes ataques da Horda têm tomado terras em Valegris, depois que as áreas ao longo da costa oeste de Kalimdor foram dizimadas pelas catastróficas mudanças desencadeadas pelo cataclismo. Ainda lutando para superar a perda de sua imortalidade, os elfos noturnos devem se preparar para enfrentar qualquer ameaça assim como a própria Azeroth se libertou de suas amarras

~Oberon

Usuário: ~Oberon
Dark Elf King
Administrador do Grupo
Lineage II

ELFOS

Durante a Era dos Gigantes, dentre todas as criaturas, eram eles quem mantinham a posição mais alta em Aden. Entretanto, quando os gigantes foram destruídos, o poder e a influência dos elfos foram disseminados. Agora eles habitam pequena parte da floresta no continente central.

A raça dos elfos venera a deusa da água e ama a natureza ea vida aquática. Os elfos têm corpos magros e ágeis, orelhas longas, belas e características. Durante a era dos gigantes, entre todas as criaturas que detinham mais poder. No entanto, quando os gigantes foram destruídos, o poder ea influência dos elfos também foram reduzidos. Agora eles habitam apenas parte da floresta em Aden.

Habilidades especiais da raça: Comparado com outras raças, elfos podem segurar a respiração por mais tempo e são mais capazes de saltar de lugares altos.

Características: Elfos são sábios e perspicazes. Eles são rápidos no ataque, no movimento e na velocidade de casting. Eles também têm habilidades marksmanship superior e avaliações mais elevadas de evasão. No entanto, a sua força de ataque é inferior ao de outras raças.


DROWS

Uma vez fizeram parte da tribo dos Elfos, mas foram banidos depois de terem sido seduzidos pelo poder da magia negra. Eles pretendiam usar a magia negra para enfrentar os humanos mas não obtiveram sucesso na batalha e após isso se esconderam na floresta negra sobre a proteção da Deusa da morte, Shilen, para continuar a estudar os segredos da magia negra.

Dark Elfos faziam parte das tribos dos Elfos, mas foram banidos depois de terem aprendido magia negra para obter o poder de combater os seres humanos. Eles perderam a batalha, mas continuaram a estudar as artes negras. Dark Elves têm características semelhantes aos seus irmãos elfos, porém são mais altos, têm a pele azul-acinzentada, e cabelos cor de prata. Eles seguem Shilen, a deusa da morte.

Habilidades especiais da raça: Comparado com outras raças, elfos podem segurar a respiração por mais tempo e são mais capazes de saltar de lugares altos.

~LuACosta17 - Clan Dragon Slayer

Usuário: ~LuACosta17

Eu amo os elfos de Alagaësia (do livro Eragon): Arya e Blödhgarm são meus preferidos.