Tópico música

0 Respostas

~Anjo-Negro2

Usuário: ~Anjo-Negro2
Anjo
ROCKSTAR
Desde pequeno Robert Pattinson teve contato com musica, talvez porque sua irmã, Lizzy, tem um grande talento e é cantora e compositora.

Robert começou a tocar piano (seu instrumento favorito) muito novo, com cerca de 4 anos de idade, e também demonstrou interesse em aprender violão clássico, o que passou a tomar grande parte de seu tempo livre.

Rob também acompanhou o sucesso de sua irmã Lizzy Pattinson que entrou para uma banda e viu suas musicas serem sucesso no Reino Unido. No entanto, Robert nunca pensou neste sucesso para si mesmo, já que sempre viu a musica mais como um hobby.

Com seus novos projetos como ator e modelo Robert deixou a musica um pouco de lado, se fixando em seus trabalhos. Foi então que seu amigo e também musico Sam Bradley, o incentivou a voltar a tocar.
Apesar de nunca ter sido um rei no violão Robert acabou entrando para uma banda, chamada Bad Girls, aonde via, nas horas vagas, uma ótima oportunidade passar o tempo. A banda, composta em sua maioria por amigos do ator, passou então a tocar em vários bares londrinos.
Bad Girls tinha até MySpace! E acredite Robert também, mas como sempre foi muito paranoico usava um pseudônimo: Bobby Dupea (inspirado no personagem de Jack Nicholson do filme Cada Um Vive Como Quer).

Entre suas preferências musicais esta o blues, e uma das bandas preferidas do ator são Kings of Leons e Van Morison.

Robert acabou por conseguir conciliar sua carreira musical e cinematografia. Algumas de suas musicas entraram para trilha sonora dos filmes que participou além de que, durante os bastidores de alguns filmes, Rob sempre aproveita para tocar e cantar.

Um fato bem legal é que em algumas cenas dos filmes “Crepúsculo” e “Uma Vida Sem Regras” o ator mostrou seu talento como musico às telas, já que seus personagens, Edward Cullen e Art, também possuem um lado musico.

Atualmente Rob já não toca e nem canta como antes, porque, com tamanha atenção da mídia ao seu redor e o assédio de seus fãs fica difícil para ele fazer disto apenas um hobby. E até mesmo por falta de tempo, já que a agenda do galã vive lotada.

DISCOGRAFIA

THE TWILIGHT SOUNDTRACK
Trilha sonora de Crepúsculo

Faixas:
Robert Pattinson – Let Me Sign
(Robert Pattinson, Marcus Foster e Bobby Long)
Ouça clicando aqui.

Robert Pattinson – Never Think
(Robert Pattinson e Sam Bradley)
Ouça clicando aqui.


THE HOW TO BE SOUNDTRACK
Trilha sonora de Uma Vida Sem Regras

Faixas:
Robert Pattinson – Chokin’ on the Dust Part 1
(Joe Hastings e Oliver Irving)

Robert Pattinson – Chokin’ on the Dust Part 2
(Joe Hastings e Oliver Irving)


Robert Pattinson – Doin’ Fine
(Joe Hastings e Oliver Irving)


Robert Pattinson – Choking on Dust
(Joe Hastings e Oliver Irving)

INSPIRAÇÕES MUSICAIS
VAN MORRISON

“Não sei muito sobre música contemporânea. Eu tenho um iPod, mas eu ouço muito blues antigo. Eu escuto John Lee Hooker e Elmore James. Tenho os escutado há anos. Eu fui obcecado por Van Morrison durante anos. Eu fui vê-lo recentemente onde ele tocou o Astral Weeks (álbum do cantor). Passei a noite inteira chorando, mas eu era realmente obcecado por Van Morrison,” diz Robert.

JAY Z

O que um novato astro britânico de cinema faz quando ele está em Nova York? Ele aparentemente vai direto para o Brooklyn para visitar Bedford-Stuyvesant. “Visitei os projetos Marcy esta tarde,” disse Robert Pattinson, que interpreta Edward Cullen, o bonito vampiro vegetariano no filme “Crepúsculo,” que estreia no dia 21 de novembro. “Foi ótimo. Ninguém sequer me notou.” Sr. Pattinson, 22 anos, disse que a visita ao antigo lugar marcado por um dos seus ídolos musicais, Jay-Z, trouxe de volta memórias de seus próprios esforços artísticos anteriores.

ITUNES PLAYLIST

Já imaginou o que as músicas estão no iPod de Robert? O ator fez parte da iTunes Celebrity Playlists, e esta era a sua lista, em Novembro de 2008:

“C-Jam Blues” por Oscar Peterson: “Minha inspiração para aprender a tocar piano. Peterson foi o melhor.”

“Solid Sender” por John Lee Hooker: “Se eu pudesse ter uma canção como uma esposa …”

“Soft” por Kings of Leon: “Eu sempre pensei em como me referir as letras das músicas deles, embora eu realmente não saiba o que são. Adoro o cantor, adoro suas interpretações em todas as suas músicas. Eles são uma banda moderna, só posso dizer que eu sou um fã deles.“

“Cold Sweat”, de James Brown: “Esta música realmente me toca, toda vez que eu ouço, desde que eu era um garotinho eu ouvia James Brown no caminho para a escola.”

“Dean”, de Terry Reid: “Eu amo Terry Reid. Adoro o jeito esquizofrênico de tomar decisões que ele faz para o final desta música, quando ele está escolhendo quais notas cantar.Terry Reid era apenas um desses caras como James Brown, que quando se tem em um “groove”, ele simplesmente parecia que iria desejar manter cantando a mesma linha, a mesma canção, toda a noite. ”

“Stepping Out Queen, Pt. II”, de Van Morrison: “Outro cara que tem uma visão única e assumi o que estrutura a canção escrita é o que se está cantando, e que pode ser alcançado através da música emocionalmente e espiritualmente.”

“Lengths” por The Black Keys: “Outra nova banda que eu gosto. Essa é uma bela canção. Gosto de como ele é produzido. Este álbum é ótimo.”

“One Mo’gin” por D’Angelo: “I love D’Angelo. Eu costumava sempre tentar cantar como ele quando eu era mais jovem e embaraçosamente falhava. Gosto da sua pronúncia quando ele canta. Acho que quando você tenta escrever as letras e acha que não existe qualquer forma de escutar, o ouvinte vai descobrir o que você está dizendo ou o que quer dizer, você escreve muito mais honestamente. Eu acho.”

“Blue Monday People” por Curtis Mayfield: ” Todo este álbum é incrível. A produção é incrível. Um álbum que é realmente interessante, e um monte de gente não escuta. Não sei porquê. ”

“Brown Trout Blues”, de Johnny Flynn: “Eu cresci com alguns músicos incríveis em Londres, que ainda são meus amigos. Marcus Foster, Bobby Long e Sam Bradley estão gravando seus álbuns agora, mas Johnny Flynn completou o seu há um tempo. Só o vi tocar em LA e ele foi incrível. Mas ele sempre foi tão incrível que não posso dizer que fiquei surpreendido. Obter este álbum é uma grande oportunidade, e ninguém faz música como ele.”

“Ambulance Blues”, de Neil Young: “Uma das mais emocionantes canções jamais escritas ou gravadas. Eu costumava ouvir a parte: ‘I guess I’ll call it sickness gone’ repetindo por horas, quando eu quis experimentar escrever algo.”