Tópico King County

409 Respostas

~Nary-

Usuário: ~Nary-

Administrador do Grupo


King County anteriormente foi um cidade calma e pacata. Acabou se tornando agitada e tumultuada pelos mortos-vivos. Não há tantas hordas quanto em Atlanta, mas isso não diminui o fluxo dos mordedores.

~Demon--

Usuário: ~Demon--
Filho do demônio Balaão


Daniel

Desde que o grupo se separou eu acabei voltando para King County...era estranho estar em um lugar que eu passei 90% da minha vida vivendo "normalmente".....minha vida não era nem um pouco normal, mas se bem que agora qualquer coisa que aconteceu em seu passado é considerado normal

-.....Que merda.

Olhava para o céu vendo as nuvens se formarem e sentindo pingos me acertarem. As ruas estavam parcialmente tranquilas, mas o em chuva tudo ficava mais perigoso.
Normalmente eu voltaria para casa, mas como estava longe era melhor me refugiar em algum lugar.
Entrei na primeira casa que eu vi que não estava destruída. Fiz vários barulhos na porta pra ver se chamava atenção de algum errante, mas nada.
A primeira coisa que fiz quando entrei definitivamente na casa foi levar a mão ao nariz para tentar impedir que aquele cheiro insuportável de cadáver me causa-se enjoos


-Puta que pariu, tanta casa pra entrar e eu entro em um cemitério

Vi inúmeros corpos espalhados tanto na cozinha quanto na sala. Quase não dava pra identificar quem era homem e quem era mulher porque assim como o resto do corpo o rosto também fio devorado

-....Os fortes sobrevivem, os fracos morrem....

Estava tanto tempo sozinho que já estava começando a falar sozinho....se alguém me visse agora me chamariam de louco.
Respirei fundo e um a um fui levando os corpos para o lado de fora. Fiz tudo rápido, pois a chuva estava apertando e as ruas se enchendo de errantes.


-Caralho...to quebrado

Já ia me jogar no sofá quando me lembrei que não tinha vasculhado o segundo andar. Levantei em um pulo já com umas das minhas armas em mãos, a única com silenciador, e subi pro segundo andar.
Fiz novamente barulho e nada. Estava tudo muito quieto, entrei em todos os cômodos e eles estavam completamente vazios, sujos, porém vazios. Só faltava o quarto que ficava no final do corredor.
Fui até lá esperando que não tivesse nada de importante, mas quando abri a porta que estava encostada, outra vez aquele cheiro de cadáver subiu e me fez ter enjoos.


-Mais um? Porra....que merda aconteceu aqui?

Já ia pegar o corpo e tira-lo do quarto quando ouço um barulho vindo do armário. Imediatamente mirei na direção do mesmo. Esperei algum movimento, mas nada. Com cuidado, me levantei e lentamente fui até o mesmo. Ele estava parcialmente aberto, tentei espreitar e ver o que tinha dentro, mas estava tudo escuro.
Suspirei fundo, destravei a arma, contei até três a abri a porta bruscamente pronto pra atirar, porém me surpreendo quando vejo que o que tinha lá dentro não era um errante, e sim um garoto


-Uma crian...?

Parei minha frase no meio ao ser surpreendido pelo garoto que avançou em minha direção com uma adaga, por ter sido pego de surpresa quase fui atingido, mas consegui segurar seu braço

-MONSTRO! MONSTRO! NÃO ENCOSTE MAIS NA MAMÃE!


Ele gritava e se sacudia tentando se soltar e me acertar com a adaga. Seus olhos estavam fechados, mas dava pra ver que tinha lágrima nos mesmos

-Ei ei, eu não sou um monstro. Não vou fazer mal a você e nem a sua mãe

Ao ouvir minha voz ele abriu os olhos rapidamente assustado. Olhou para sua mão que segurava a adaga e imediatamente a soltou, me olhando como se tivesse cometido um crime

-De-Desculpa, eu pensei q-que fosse um daqueles bichos

O garoto antes nervoso e agitado agora estava tímido e quieto...vai atender

-...O que aconteceu aqui?

Olhei para o corpo no chão e em seguida para o garoto já imaginando a resposta, e não deu outra, seu olhar triste assim que ouviu minha pergunta disse tudo......ele deu sorte de ter saído vivo

-Mamãe e os amigos dela estavam atrás de comida e foram pegos por um grupo daqueles bichos...mamãe me escondeu, mas ela foi pega por vários deles e c-c-comi...

Ele não conseguiu terminar a frase, começou a chorar ao ver o corpo de quem provavelmente era sua mãe caído com vários órgãos pra fora e rosto irreconhecível.
Não sabia o que fazer, não era bom com essas coisas, então apenas o puxei para um abraço.
Ele era pequeno, então tive que me agachar para isso. Ele retribuiu o abraço e com o rosto em meu ombro começou a chorar ainda mais. Provavelmente o choro que ele estava segurando dias.


-Ei....qual o seu nome?

Tentei soar o mais amistoso possível. Ele não devi nem ter 12 anos e acabou de passar por uma experiência horrível...

-....A-Andrew

Ele exitou um pouco, mas me respondeu em meio aos soluços por causa do choro

-...Vêm, você deve estar com fome....vou te dar algo para comer

Me levantei, segurei em sua mão e fui o puxando para fora do quarto, mas ele parou no meio do caminho e virou-se para o corpo

-E a m-mamãe?

Eu pensei em dizer algo, mas não sabia o que falar...apenas dei leves tapas em sua cabeça chamando sua atenção e o puxando para fora do quarto, fechando a porta do mesmo assim que saimos.




Andrew

~PNG-LuckRxRx

Usuário: ~PNG-LuckRxRx



Lucas

Andava pelas ruas da cidade com a pequena ao meu encalço, a morena aprendeu bastante coisa nesses últimos tempos...Ja tem um puta senso de liderança, coisa que por sinal esta faltando no povo que restou. A garota segurava minhas maos conforme caminhava
- Tio Luck, estou com fome
- De novo ? Você acabou de comer a ultima lata de feijão...
A garota fez bico antes de voltar a andar animadamente. Mais um dia procurando por algum abrigo decente

~Demon--

Usuário: ~Demon--
Filho do demônio Balaão


Já fazia mais ou menos 1 hora que eu estava lá, encostado na janela vendo o movimento da rua enquanto Andrew estava no sofá comendo os biscoitos que eu tinha dado para o mesmo. O problema é que ele ficava me encarando e isso já estava incomodando

-Que foi?

-Você não me disse seu nome...

Olhei pra ele com uma sobrancelha arqueada. Ele balançava as pernas e me olhava esperando a resposta.

-....Daniel

-Prazer tio Daniel

Ele estendeu a mão querendo me cumprimentar enquanto mantinha um pequeno sorriso no rosto, sério, para uma criança no meio dessa merda ele é bem educado.
Me levantei e fui em sua direção dando leves tapas em sua cabeça


-Prazer, mas agora, termine logo de comer. Vamos aproveitar que a chuva parou e sair daqui

Estendi o pequeno punhal que ele tinha usado para tentar me atacar e ele exitante o pegou, guardando na cintura e concordou com a cabeça, terminado de comer rapidamente

~PNG-LuckRxRx

Usuário: ~PNG-LuckRxRx



Lucas

A chuva havia me encharcado por inteiro...Precisei tirar minha camisa para cubrir Clary. A cidade estava vazia, mas as vezes encontrávamos alguns errantes pelo caminho. Viramos uma viela apertada e escura depois de alguns minutos, não havíamos comido nada ha quase 3 dias...Bom, eu não como nada ha quase 3 dias, decidi deixar ninjas latas de feijão para Clary. Avistei ao longe uma casa branca com respingos de sangue na entrada, os corpos estavam frescos e o samguem também
- Clary, preciso que fique aqui fora
- Qualé tio Luck, eu já sou grandinha, posso te ajudar
Agora eu sei o porque dela ser filha do Jayson. Abri a porta com cuidado enquanto sacava minha Glock. Claru também estava com seu pequeno arco armado....Havia feito um para ela antes de nos separarmos do grupo
- Mao faça barulho
Fiz sinal para ela me seguir e subi as escadas. Haviam pegadas pelos degraus denunciando a entrada de mais alguem na casa...Não estávamos sozinhos swui dentro, disso tenho certeza

~Demon--

Usuário: ~Demon--
Filho do demônio Balaão


Depois de cobrir o corpo da mãe de Andrew e a colocar dentro do armário para o pequeno não ver a mesma novamente, pegava algumas roupas de frio para o pequeno que só estava com uma camiseta, calça jens e um tênis, ou seja....se ficasse frio ele estaria ferrado

-Andrew, pega aquela mochila encima da cama...

O garoto rapidamente fez o que eu pedi e me entregou a mochila. Já ia guardando as poucas roupas que achei quando ouço um barulho vindo do corredor, foi extremamente baixo, mas foi o suficiente para ficar alerta

-....Fica atrás de mim

Puxei Andrew para trás de mim enquanto sacava minha arma, o mesmo parecia nervoso por conta da minha reação, apenas fiz sinal para ele ficar quieto enquanto ia em direção a porta me concentrando para ouvir alguma coisa

~PNG-LuckRxRx

Usuário: ~PNG-LuckRxRx

Lucas

Assim que chegamos ao andar de cima ouvimos um barulho dentro dos quartos, como de algo sendo guardado. Fomos ate o quarto principal e demos leves batidas na porta. Se houvesse algum errante lá deteo ele faria algum barulho....Mas duvido que seja algum errante, então decidi tentar algo
- Não quero briga. Estou com uma criança aqui, só quero algum lugar para passar a noite
Talvez quem esteja lá dentro seja legal...Bom, iria mata-lo de qualquer jeito

~Demon--

Usuário: ~Demon--
Filho do demônio Balaão


Por um momento pensei que poderia ter sido apenas impressão ter ouvido algo, mas logo em seguida a voz do outro lado da porta tira minhas esperanças.
Em uma ocasião normal eu iria atirar primeiro e pensar depois, não gosto de me arriscar, mas isso colocaria Andrew em perigo e pelo que ele tinha dito também estava com uma criança. Só acreditei quando olhei pelo buraco da fechadura e vi um corpo pequeno atrás do cara


-...Se tentar alguma coisa já sabe né?

Abri a porta com cuidado já mirando em sua direção pronto para atirar se precisasse, mas por algum motivo eu sentia que conhecia os dois....ou pelo menos já os tinha visto, principalmente a menina, ela tinha algo nela que me irritava, não sei porque.

~PNG-LuckRxRx

Usuário: ~PNG-LuckRxRx

Lucas

Assim que ele abriu a porra Clary virou o rosto. Essa birra....Só pode ser ele
- Daniel ?
Perguntei enquanto abaixava a arma. Não me lembro muito bem dele, mas ele era do grupo do Jayson, tenho certeza disso

~Demon--

Usuário: ~Demon--
Filho do demônio Balaão
(abriu a porra? huahauhaua tendi)

Daniel

Arqueei uma sobrancelha, ele sabia meu nome? Se sabia ele deve ter sido do grupo, o problema é que eu não me lembrava o nome dele

-Eu...você quem é?

Abaixei a arma quando vi que ele não faria nada.