Grupo White Forest Asylum



Grupo White Forest Asylum
Administrado por ~KeLSynfa
Criado
Tipo Privado
Conteúdo visivel para Apenas membros
RPG INICIADO


Tudo começou quando um premiado, renomado e abissalmente altruísta cientista se compadeceu da situação de pessoas mentalmente anormais, considerando esta uma área tão incrível na ciência que gastou muitos anos de sua vida famigerada se empenhando em tudo e qualquer coisa que tinha a ver com o assunto. E, para a sua felicidade, ele teve um resultado incrível, que planejava usar para o bem, embora não tenha se utilizado de meios tão genuínos assim e por isso não pôde aplicar uma alta patente em sua criação. Este cientista se chamava Turner Wiffcraft.

Com sua intensa vontade de melhorar a vida de tais pessoas doentes, Wiffcraft criou, no âmbito de sua mais completa pesquisa da vida inteira, uma máquina que condicionava aos seus pacientes a possibilidade de, ao dormirem, terem seus cérebros ligados à ela e enfim poderem entrar num mundo alternativo, em que todos podiam ser felizes de qualquer forma que quisessem. Inclusive, gostava muito de perceber que todo o seu estudo de anos estava virando realidade: mesmo que em pequenas doses, os doentes mentais começavam a se curar gradativamente depois do contato com a vida perfeita, onde eles não mais sofriam com toda a desordem que a vida real deles se resumia. E o melhor, sem a horrível necessidade dos coquetéis de remédios tão comuns aos pobres pacientes inertes ao senso comum.

Wiffcraft conseguiu, com todas as suas economias tão bem afloradas por sua vida científica louvável, esconder essa máquina do mundo exterior ao manicômio, enquanto que só a melhorava cada vez mais, podendo ver melhorias que jamais imaginara em seus pacientes, abrindo portas para outras milhões de teorias sobre o tal mundo relativo e o poder que tinha sobre ele. No entanto, poucas das boas pessoas no mundo duram tanto quanto "deveriam" - de acordo com o nosso tempo humano - portanto, logo Wiffcraft morreu, aos seus 88 anos, e deixou todo o seu dinheiro para instituições e ONGs de caridade espalhadas pelo mundo. Digamos que, sim, ajudou muito aos outros, mas sua grande invenção, a máquina, ficou presa junto ao manicômio que não teve como se sustentar e faliu, afinal, os custos para manutenção e uso da porta para o mundo alternativo eram exorbitantes.

Mesmo após vários longos meses à venda o sanatório não recebeu nenhuma oferta de compra pois o custo-benefício do lote era péssimo. A cidade mais próxima situava-se a mais de três horas de distância do prédio que havia sido construído no período da segunda guerra mundial e reformado apenas parcialmente; o preço de venda também era exorbitante devido à maquina que ele abrigava. No entanto, como a existência dela era um segredo, os possíveis compradores apenas desconsideravam os terrenos que embora extensos exigiriam um investimento enorme para se tornarem apropriados para qualquer tipo de plantio.

Dessa forma, sem herdeiros ou qualquer outro tipo de dono, o manicômio, depois de bons tempos parado, foi passado para as mãos do governo em 2020; cinco anos após seu fechamento. No entanto, assim que fizeram uma inspeção básica pelo local, perceberam que não podiam simplesmente vender todo aquele equipamento ou demolir o local, como planejavam. A equipe encarregada do local deu as ótimas informações ao governo e, enfim, os medos de Wiffcraft se tornaram realidade assim que os olhos do alto escalão militar e demais indivíduos superiores na hierarquia política se voltaram para a máquina, não como uma forma de melhorar a vida dos doentes mentais, mas sim afim de colocar as mãos em toda a tecnologia e métodos usados na criação de algo como aquilo, nunca antes executado com tanto sucesso.

Sequencialmente, o governo precisava investigar mais sobre as capacidades daquela máquina, estando eles necessitados de algo que avançasse a tecnologia norte americana a níveis ainda não vistos, afinal, uma terceira guerra mundial já estava sendo comentada entre inteligências do mundo todo, e o que mais precisavam naquele momento ante guerra era mostrar o quanto eram avançados. Assim, começaram a pôr em prática a missão secreta "Golden Gate" ou "GG"; que consistia na propagandeação do asilo reformado, com o nome de White Forest Citadel Asylum, que estava aceitando qualquer tipo de pessoa mentalmente deturpada para ser tratada em seus aposentos, sendo denominada uma instituição governamental pública, para que pudesse arrecadar o máximo de pacientes possíveis e assim poder ter mais cobaias para os variados testes que fariam na máquina que, até onde já haviam percebido, só funcionava com os chamados "dementes".

No entanto, a realidade do manicômio, obviamente, era quase impossível de ser percebida, visto que as propagandas e boatos sobre White Forest eram ótimos, mas, no momento em que o paciente era inscrito e cadastrado, sendo diagnosticado pelos próprios psiquiatras do programa, este era colocado num avião num prazo de até quinze dias e mandado para o manicômio, mas a localização do tal local não era dita a ninguém, nem mesmo familiares; alegando que seria melhor para os pacientes que entrassem em abstinência do mundo em que viviam para terem mais paz. Portanto, assim que o paciente entrava no avião militar, nunca mais seria visto.

Enquanto isso, além dos pacientes que deveriam ser colocados em White Forest, existiam também os vários médicos e demais profissionais requisitados para a manutenção geral do manicômio, pois, apesar de tudo, estavam lidando com pessoas realmente problemáticas ali; inclusive assassinos famosos que haviam sido diagnosticados com problemas mentais. O que se pode concluir dos médicos, enfermeiros e outros serviçais é que com certeza não queriam estar ali: são praticamente tão prisioneiros quanto os dementes dos quais deveriam cuidar, pois, no fim, todos foram capturados pelo governo e colocados ali como forma de pagamento por algo, inclusive anos de cadeia e afins degenerados que se possa imaginar. A hierarquia só pedia pelos melhores que tivessem conhecimento, então não pareciam se preocupar com o histórico dos serviçais, inclusive lhes deu a possibilidade de somente terem um codinome e nada mais dentro de White Forest. Portanto, além de serem cobaias, não é esperado que os pacientes vão ser realmente bem tratados por pessoas que nem mesmo queriam estar ali.

No entanto, não se pode dizer o mesmo de Bóreas, o cientista confidencial e alguns de seu grupo de pesquisa sobre a máquina, pois estes foram os que se dispuseram a trabalhar naquilo para a renovação da hegemonia americana.

Depois da abertura inicial do manicômio; asilo ou casa de descanso para pessoas psicologicamente deturpadas; em 2020, um ano se passou e poucos dos avanços necessários para a utilização plena da máquina foram alcançados, portanto, não é preciso dizer que a operação continua em sua mais alta colaboração por parte do governo, que aceitou aumentar consideravelmente o percentual de verbas repassadas a White Forest para que a internação, retenção e sustentação básica dos pacientes fosse "melhorada", o que não necessariamente quer dizer algo bom para eles, mas é ótimo para os que comandam a operação Golden Gate. Destarte, com tal aumento, o governo espera que esse ano seja de progresso, e é isso que o diretor do manicômio tem como meta: descobrir o máximo possível sobre a máquina sem preocupações com seus pacientes; um dos conceitos mais básicos ali dentro.

Mensagens