História || Almas Partidas || Série da trilogia: DESVENDAR - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Harry Potter
Tags Amor, Darry, Dracomalfoy, Drama, Harrydark, Sexo, Traição, Violencia, Yaoi
Visualizações 71
Palavras 2.723
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Lemon, Luta, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Demorei um pouco pra posta hoje...Mais uffa postei! s2 Boa leitura!

Música: Rag'n'Bone man. - Human

Capítulo 3 - Capítulo III -Crises


Draco e Harry aparataram na mansão e caminharam até o quarto em silêncio.

Draco se sentou na mesinha e Harry deu alguns passos perdidos pelo quarto. O clima desconfortável entre os dois.

- Eu... Eu vou tomar um banho. – anunciou o moreno.

Draco se encostou mais    confortável na cadeira e ficou encarando a parede oposta, mergulhando em pensamentos.

Aquilo não estava certo. E não estava bem. Não estava nada bem.

No que lhe pareceram segundos, Harry saiu do banheiro envolto no robe e se sentou na cama, o encarando, como quem espera a tempestade. Draco se sentou mais ereto, cruzando as pernas.

- Você quer me dizer alguma coisa, Potter?

Harry fez que não com a cabeça, encarando os próprios joelhos.

- Então, o que foi aquela ceninha com a Weasley?

Harry o olhou, um brilho divertido em seus olhos.

- Pra quem não quer compromisso você faz perguntas demais, loiro. - Draco fechou a cara frente à ironia de Harry, mas este continuou – Você realmente não sabe o que aconteceu ali?

- O que? Você agarrando ela e quase chorando de emoção ao ver a menina? Não, Potter, eu não faço idéia do que estava se passando pela sua cabeça oca. E, por favor, não me force a imaginar ou eu garanto que será pior pra você!

I'm only human 

 I'm only, I'm only

  I'm only human, human  


- Então você não faz idéia? – Harry continuou, o sorriso agora distante dos seus lábios, a voz tomada de uma emoção calculada, quase opressora – Você não faz idéia do que foi pra mim descobrir que tudo o que eu passei nessa casa poderia ter sido evitado? Que eu rasguei minha alma atrás de uma solução pra vencer a morte depois de ter visto ela morrer? E que eu fui tão burro e impulsivo que nem parei pra ver se ela estava viva! Você não faz idéia de que eu saber disso teria evitado eu me associar ao Lord, teria evitado eu ser o que sou hoje? Em nenhum momento passou pela sua cabeça que quando eu vi aquela menina de pé na minha frente, andando e respirando, eu possa ter visto toda uma outra realidade pra mim hoje desfilando nos meus olhos?

Draco o olhava, pasmo, sem conseguir sequer pensar em uma resposta. Harry sorriu.

- Controle o seu ciúme, Draco. Se eu não virei e bati com a cabeça na parede me chamando de idiota naquele momento foi porque duas coisas de bom aconteceram por causa da minha idiotice: eu matei Voldemort e te encontrei.

Draco ainda parecia em choque. Piscou e se sentiu desconcertado, tendo dificuldades para articular as palavras.

- Eu... Eu... Merda, Harry... Não ria disso, Potter! A Weasley não vem ao caso agora... O que você pretende fazer?

Harry voltou a desviar o olhar.

- Eu... Eu não sei...

Draco se sentia frustrado com a resposta da Ordem, nervoso pela insegurança do momento e profundamente irritado pela conduta do moreno.

- Não sabe? Não sabe? Eu vou te dizer, Potter! Você vai dar um jeito de cair fora dessa maldita guerra, ou vai morrer esmagado no meio dessa briga entre aqueles lunáticos dasua Ordem da Fênix e os loucos dos comensais!

- Ah é? Então me diz como, que eu faço as minhas malas e te acompanho agora mesmo! Cai na real, Draco! A única coisa que eu tenho como certa agora é que eu não posso me mexer. Tenho que garantir que eu continuo como líder dos comensais.

- E você já considerou a hipótese desses mesmos comensais se voltarem contra você? Sabe... Eles não são o melhor exemplo de fidelidade...

- E até onde eu sei, de coragem também não. Eles tinham medo de Voldemort. Eu matei o cara, logo, eles têm medo de mim... E você devia ter um pouco também e parar de me controlar!

- E você devia parar para raciocinar antes de agir de vez em quando, só pra variar!

- Sério, Draco... Eu realmente não me importo que você tome as decisões do que fazer por aqui... Desde que você SAIBA o que fazer, - Harry já estava de pé e começou a gritar - porque de perdido, já basto eu! E eu realmente não preciso de ninguém jogando isso na minha cara!

Maybe I'm foolish

Maybe I'm blind

Thinking I can see through this

And see what's behind

Got no way to prove it

So maybe I'm lying

But I'm only human after all

Don't put the blame on me

Draco passou as mãos no rosto, respirando fundo, tentando se acalmar.

- Desculpa, Harry... Eu... Eu falei merda...

- Normal... - Harry respondeu, magoado. Suspirou e sentou novamente na cama – Eu... Eu acho que vou continuar com o plano. Vou passar informações pra Ordem e manter o Snape atualizado do que fazemos, embora eu não confie nada nele... O que eles vão fazer com isso não depende mais de mim...

- Eu... Eu vou tomar banho... – Draco respondeu, cansado, querendo acabar com a discussão. Não confiava na Ordem, ainda mais quando era óbvio que a Ordem não confiava neles. Mas essa confiança era importante para o moreno e ele não ia negar que era uma das poucas opções que eles tinham.

§§§§§§§HD§§§§§§§

Draco saiu do banho e encontrou Harry deitado de costas pra ele, nu. O loiro se deitou ao seu lado e o abraçou. (1)

- Harry... – chamou baixinho, temendo que o outro estivesse dormindo ou fingindo dormir, magoado com ele depois da discussão.

Mas sentiu uma mão acariciar a sua antes dele se virar em seu abraço para olhá-lo, depositando um beijo doce em seus lábios.

- Faz amor comigo, Draco. – pediu, sério.

Draco o beijou, aproximando mais os corpos dos dois. As mãos de Harry corriam pelo seu corpo, excitando-o com ternura. Então Harry voltou a se virar, lhe dando as costas. Draco se aconchegou ao seu corpo, pressionando o peito contra suas costas, dobrando uma perna do moreno, encaixando o seu corpo ao dele, penetrando devagar, sentindo o moreno ficar tenso em seu abraço.

Harry estava ofegante. Draco passou um braço por baixo do seu corpo, dobrando-o de forma a poder tocar e acariciar o peito do moreno, enquanto o outro deslizou pela sua cintura, alcançando a sua ereção. Ele sentia que Harry estava triste e que precisava de todo o carinho que pudesse lhe dar naquele momento. Ao ouvir o moreno gemendo pela primeira vez, aproximou os lábios de seu ouvido, mordendo seu lóbulo e falando baixinho.

- Vai ficar tudo bem...

Take a look in the mirror

And what do you see

Do you see it clearer

Or are you deceived

In what you believe

'Cause I'm only human after all

Don't put the blame on me


Começou a se mover, devagar, distribuindo beijos pelo pescoço do outro, sentindo-o mover o quadril contra sua mão, uma mão agarrando o travesseiro com força, a outra junto com a sua, ditando o ritmo que era masturbado. Draco aumentou a velocidade, pressionando-se mais contra o moreno, entrando mais fundo, e o ouviu sufocar um grito e estremecer, sua mão agarrando-se aos cabelos do loiro. Draco também já não conseguia conter os gemidos, não iria durar muito. Sentiu o moreno pulsar em sua mão e estocou com mais força, gozando junto com ele.

Os dois permaneceram imóveis por alguns minutos, só tentando recuperar a capacidade de respirar. Então Draco se afastou um pouco, retirando-se do moreno, e este se virou, abraçando-o. Draco ficou acariciando os seus cabelos até que ele dormisse em seus braços.

"Merlin, ele parece um anjo", pensou Draco, deslizando os dedos pela face do moreno, afastando os cabelos negros dos seus olhos fechados. "Como alguém pode ser tão doce e cruel ao mesmo tempo? Como alguém pode ser tão forte em alguns momentos e tão frágil em outros? Como ele consegue ser um líder de pulso há uns minutos atrás e agora estar abandonado e entregue nos meus braços?"

Draco já usou muitas máscaras. Sabia o que era ser obrigado a fingir e dissimular em tempo integral. Mas as transformações de Harry Potter eram tão drásticas que ele simplesmente não entendia como o moreno ainda conseguia discernir suas duas faces se ambas eram tão poderosas. A face que ele mostrava ao mundo e a face que guardava para Draco.

Draco depositou um beijo sobre os seus lábios e o abraçou com mais força, fechando os olhos e permitindo-se dormir, mesmo preocupado com o moreno.

§§§§§§§HD§§§§§§§

Draco acordou com frio. Estava sozinho na cama e descoberto. Harry não estava mais com ele.

Se levantou e tomou um banho. Sentia fome, mas não queria comer no quarto. Estava cansado de ficar só ali dentro. Por mais desagradável que fosse a companhia dos comensais, ele precisava variar de vez em quando.

Desceu as escadarias em direção ao salão. Quando chegou lá, percebeu que todos estavam em reunião. Harry estava de pé, na ponta da mesa, dando ordens, gesticulando e falando alto. Ele estava nervoso. Draco resolveu esperar um pouco atrás, até a reunião acabar, só observando.

- Eu não quero mais ouvir falar sobre isso! A situação está estável. Sofremos baixas ontem, mas isso não importa. Bellatriz foi fraca em seu governo. Não só eu, mas o Lord já não confiava no julgamento dela. Rodolfo, você assume o lugar de sua esposa. Espero que tenha competência para contornar os problemas que ela deixou. McNair, Lestrange, Snape. Estão dispensados. Cuidem do corpo. Nott, chame Dolohov, quero um grupo de vinte preparado pra sair em meia hora. Ele lidera. Preciso de você aqui. O que não pode acontecer agora é ficarmos parados. Vamos! O que ainda estão fazendo aqui?

Cadeiras se arrastaram e o grupo de homens se afastou, indo cada um pra um lado. Draco se aproximou, colocando a mão sobre o ombro de Harry, que continuava em pé, observando uns papéis.

- O que aconteceu? – perguntou baixinho.

- Oi. – Harry se assustou, mas não demonstrou. Encarou um momento o loiro, olhando a volta, antes de responder – Não é um bom momento. Volte para o quarto, as coisas não estão boas aqui... Bellatriz se suicidou. Eu já vou lá. – e lhe deu um beijo na testa.

Draco deu meia volta, subindo novamente as escadas. Andava devagar, absorvendo as informações que acabara de receber. Sim... Isso não era bom. Isso não era nada bom.

- Malfoy!

Draco se assustou e se voltou para encarar a pessoa que lhe chamou. Mas não precisou muito. Nott estava a centímetros de distância quando ele se virou.

Some people got the real problems

Some people out of luck

Some people think I can solve them

Lord heavens above

I'm only human after all

Don't put the blame on me

- Olá, Malfoy.

Draco deu alguns passos pra trás, tentando se orientar frente àquela abordagem, mas Nott o segurou pelo braço e o encostou na parede.

- Ora, faz tempo que não nos vemos... – disse, baixinho, o rosto muito perto do do loiro.

- Nott! - A voz grave ecoou no corredor, espalhando tensão e poder no espaço vazio. Harry emanava ódio.

Nott se afastou de Draco imediatamente. Este permaneceu parado, o encarando com uma expressão de pavor no rosto. Mal sentiu Harry chegar ao seu lado, passando uma mão pela sua cintura.

- Quer alguma coisa? – o moreno perguntou para o comensal em uma voz fria e cortante, trazendo o loiro para junto do seu corpo em um gesto possessivo.

- Não, mestre. O Sr Malfoy não parecia muito bem, - completou, olhando o rosto pálido do loiro – pensei que talvez precisasse de ajuda... – Nott começou a recuar conforme o olhar de Harry ganhava tons de assassino - Mas, agora que chegou...

Harry continuou o encarando até ele dar meia volta e sumir novamente na escadaria.

- Draco... – Harry se voltou para o loiro, doce.

- Vamos sair daqui, por favor... – Draco respondeu em um sussurro fraco.

§§§§§§§HD§§§§§§§

- O que foi aquilo, Draco? – Harry perguntou, logo depois de fechar a porta do quarto.

O loiro passou as mãos pelo rosto, nervoso. Quando Harry assumiu o poder, ele pediu aos comensais que respeitassem Draco. Mas o loiro havia servido de brinquedo pra eles por tempo demais. Os mais novos, de escalão mais baixo, não ousavam nem olhá-lo, como companheiro do "mestre", mas os comensais que tinham mais prestígio junto ao Lord, como Dolohov, Amico, Rabastan, Rodolfo, McNair e, principalmente, Nott, não cumpriram a palavra nem por dois dias. Se Draco não gostava de deixar o quarto, era porque não se sentia seguro fora dele. Não havia ações, não havia palavras, mas os olhares dos outros comensais e, muitas vezes, uma aproximação sutil, e hostil, ao loiro, o alertava que andar sozinho pelos corredores desertos daquele lugar estava longe de ser seguro.

Mas o que mais irritava Draco era sua própria falta de reação. Não é como se ele fosse uma menininha indefesa. Agora ele tinha sua varinha e os seis anos de formação em Hogwarts mais a instrução que recebera de seu pai não eram completamente inúteis. Ele sabia se defender. Podia se defender. O caso era que cada vez que um comensal se aproximava dele com a intensão clara de machucá-lo a única coisa em que o loiro conseguia pensar era no pânico crescente dentro dele. Ele não era fraco. Não podia deixar que aquilo o dominasse.

Ele nunca contara nada a Harry. Sabia que o moreno não iria deixar por menos. Harry sabia de toda a tortura pela qual Draco passou, e sabia que os estupros não foram das mais insignificantes. O medo que Draco ainda tinha de ser tocado influenciava, inclusive, na relação dos dois. Mas Draco não falou nada pra ele, não queria que o moreno perdesse força justo agora, seja contrariando um capricho de comensais poderosos, seja castigando-os de alguma forma, instigando os outros a se revoltarem. Não, Harry não precisava daquilo.

- Nada. Eu só... Ele surgiu de repente... Eu tava distraído... Fiquei assustado, só isso... Mas isso não importa agora... Você disse que minha tia se matou?

Harry o encarou por algum tempo ainda. A expressão séria, os braços cruzados, o olhar duro. Tudo nele gritando que aquela história não convenceu. Mas logo ele respondeu a pergunta de Draco.

- É. Ela já estava louca há algum tempo, não, Draco? É sua tia, mas eu espero que o respeito que você guarda por ela não se estenda ao fato dela não ter feito nada por você...

- Claro. – o loiro respondeu, amargo.

Lembrava-se, nítido como se fosse ontem, o dia em que voltou do colégio não tendo conseguido matar Dumbledore. Lembrava-se da argumentação de Snape e de sua mãe em sua defesa, lembrava-se do Lord a condenando a prisão, pois se a proteção ao garoto fora armação dos dois, um teria que pagar, e ter um preparador de poções do calibre do Snape ainda era algo útil. Lembrava-se dos gritos da mãe e do que teve de vê-la suportar... E lembrava-se das palavras da tia, questionando a sua fidelidade, chamando-o de fraco, exigindo a sua prisão.

Sentiu uma mão quente levantar o seu rosto e se viu encarando a face preocupada de Potter. Provavelmente o terror daquelas lembranças estavam estampadas em sua face para que o moreno o olhasse daquele modo e o beijasse com tanta ternura.

- Tudo bem... – conseguiu dizer, rompendo o beijo – Então ela se matou.

Harry inspirou e continuou.

- Aparentemente, para se juntar ao Lord, em um gesto de fidelidade eterna, pelo que me contou Rodolfo.

- Meu tio assistiu isso?

- Bem... Foi... Ao que parece o casamento deles não estava muito bem... Mas ele sentiu bastante a morte dela... Rabastan está com ele.

- Mas eu vi você dando ordens pra ele...

- Os comensais não ficaram muito felizes com as implicações da morte da Bella. Mesmo ela não sendo parte ativa do governo, pois o Lord já a tinha afastado, a morte dela pode fortalecer a resistência.

- Mas então isso é bom.

- Sim. É bom. Mas os comensais estão cobrando atitudes mais drásticas de mim. E eu vou ter que fazer alguma coisa. Só preciso me concentrar pra cometer os erros certos.

Os dois ficaram em silêncio, encarando o chão, pensando. Até que Harry se manifestou.

- Eu preciso ir...

- Você vai sair?

- Vou. - Draco sentiu certa amargura na voz do moreno.

- Me deixa ir com você. Eu quero fazer alguma coisa.

Harry se aproximou dele e o abraçou, beijando-lhe a testa.

- Por favor, entenda, Draco. Eu não estou dizendo que você é frágil ou algo assim, mas aquele não é lugar pra você. Não é lugar pra ninguém. – ele olhou fundo nos olhos de Draco – Você já sofreu muito, meu loiro, e tem coisas que acontecem nessa guerra que ninguém deveria ter que presenciar.

Don't ask my opinion

Don't ask me to lie

Then beg for forgiveness

For making you cry

Making you cry

'Cause I'm only human after all

I'm only human after all

Don't put your blame on me



Notas Finais


*MEUUUUUU LOIRO* 😍



Tradução Música.


*Humano*

Sou apenas humano
Sou apenas, sou apenas
Sou apenas humano, humano

Talvez eu seja tolo
Talvez eu sou cego
Pensando que eu posso ver através disto
E ver o que está por trás
Não tenho nenhuma maneira de provar isso
Então talvez eu esteja mentindo
Mas sou humano apesar de tudo
Eu sou apenas humano depois de tudo
Não coloque a sua culpa em mim
Não coloque a sua culpa em mim

Dê uma olhada no espelho
E o que você vê
Você vê mais claramente
Ou está enganado
Imerso no que você acredita?
Porque eu sou apenas humano apesar de tudo
Você é apenas humano apesar de tudo
Não ponha a culpa em mim
Não coloque a sua culpa em mim

Algumas pessoas tem problemas reais
Algumas pessoas sem sorte
Algumas pessoas pensam que eu posso resolvê-los
Senhor dos céus
Eu sou apenas humano, afinal de contas
Eu sou apenas humano depois de tudo
Não ponha a culpa em mim
Não ponha a culpa em mim

Não peça minha opinião
Não me peça para mentir
E depois implorar perdão
Por ter feito você chorar
Feito você chorar
Porque eu sou apenas humano depois de tudo
Eu sou apenas humano depois de tudo
Não coloque a sua culpa em mim
Não ponha a culpa em mim

Algumas pessoas tem problemas reais
Algumas pessoas sem sorte
Algumas pessoas pensam que eu posso resolvê-los
Senhor dos céus
Eu sou apenas humano, afinal de contas
Eu sou apenas humano depois de tudo
Não ponha a culpa em mim
Não ponha a culpa em mim

Eu sou apenas humano
Eu cometo erros
Eu sou apenas humano
que é tudo o que preciso
Para colocar a culpa em mim
Não coloque a sua culpa em mim

Eu não sou nenhum profeta ou messias
Deveria ir procurar em algum lugar mais alto
Eu sou apenas humano depois de tudo
Eu sou apenas humano depois de tudo
Não ponha a culpa em mim
Não ponha a culpa em mim

Eu sou apenas humano que
Eu faço o que posso
Eu sou apenas um homem
Eu faço o que posso
Não ponha a culpa em mim
Não coloque a sua culpa em mim

Muito foda esta musica!♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...