História °•° My Favorite Hybrid •°• TaeKook ABO °•° - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Lemon, Taekook, Vkook
Visualizações 325
Palavras 9.918
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção Científica, Fluffy, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


🌸 Olá meus Amores! 🌸

🌸 Como vocês estão?! 🌸

Trouxe-lhes mais um capítulo ENORME!

Espero que gostem, dêem muito amor a MFH! 😍❤🌸🦄

Esse capítulo está cheios de Emoções!

Não tive tempo para revisar, farei isso amanhã à tarde!

Por favor me digam se acharem qualquer erro e me perdoem!

🌸 Amo vocês! Obrigado pelos mais de 200 favoritos! Vocês são incríveis! 🌸

Sem└(★o★)┐ mais delongas....


(づ ̄ ³ ̄)づ Que comece o Capítulo!

Capítulo 15 - °•°• Surprises & Sweet Feelings •°•°


Fanfic / Fanfiction °•° My Favorite Hybrid •°• TaeKook ABO °•° - Capítulo 15 - °•°• Surprises & Sweet Feelings •°•°


느낌은 혼란 좋다. 


Esse sentimento é confuso e bom.


그는 사랑이다. 


Ele é o Amor.


혼란스러운 느낌과 맛의 혼합물.


Uma mistura de sentimentos confusos e deliciosos.


즉 초 최소 광기로 이동.


Que te levam á loucura em mínimos segundos.


- A.W




               °•°• [ Autora ] •°•°


Uma noite tranquila e sem qualquer ruído ou som. Assim como tudo e todos, a cidade de Seoul estava silenciosa. Era próximo da meia noite, e todos já sonhavam e recuperavam as energias para um outro dia disposto.

Enquanto Kyuuna dormia calmamente enrolada nos lençóis de sua cama - já que estava uma noite fria - Nem perceberá que seu filho tinha o oposto de uma noite relaxante.

Era um pesadelo; O mesmo pesadelo que o assombra por dois anos seguidos, e em consequência disso, sua mente tende à o perturbar durante o outro dia.

Jungkook se remexia e suava na cama enquanto repetia várias vezes à mesma palavra: "Não, não, não, não..."


Em seu sonho - mas conhecido como pesadelo - o jovem corria por corredores extensos e totalmente tomado pelo escuro, apenas podia ver uma luz fraca que emergia de seu corpo - como se fosse um vagalume - mostrando o caminho, que era um tanto tenebroso à seus olhos.

Pessoas repetiam em sua volta "É sua culpa!" ; "Culpado" ; "Morra." E isso deixava o garoto aterrorizado.

Logo Jeon começou a correr por aquela vasta extensão escura, procurando algo que lhe tirasse desse lugar, que lhe trazia péssimas sensações.

Ouvia ruídos e sons que deixava-o com uma pequena incomodação na sua cabeça. Parecido com um despertador que não para de tocar, ecoando o mesmo irritante e repitido sem parar.


As malditas vozes.


Continuou à correr por um corredor sem fim, sem luz, sem vida.

Mesmo assim não cessou seus passos rápidos pelo local onde não parecia ter fim. Era como um loop, corria, corria e corria, mais nunca via uma luz no final. Parou sua repentina corrida ao ver algo parecido com um telão que cobria toda sua visão; De todos os ângulos.

Na sua frente mostrava vários flashback em que três sombras de costas - Duas grandes e uma pequena - andavam de mãos dadas e sorriam uma para a outra, enquanto balançavam os braços juntos ao vento. Podia ver o sorriso brilhante nos rostos totalmente negros como à escuridão, e com isso acabou por sorrir junto às sombras que pareciam tão felizes.

Mas seu sorriso morreu ao ver uma das sombras que parecia ser de um adulto começar a sumir, derrentendo-se uma parte do seu corpo até no chão e seu rosto ficando totalmente disfugurado, com um sorriso torto - que nele saía sangue - e no local da sombra ficou apenas uma enorme poça de sangue. As outras duas sombras viraram e olharam para sí, começando à apontar o dedo e reiterar as mesmas palavras que as outras sombras ao redor diziam.



— "É sua culpa!"


— "Culpado"


— "Morra"


— "Culpado"


— Você é o culpado!"


— "CULPADO!"





Sentia-se mal, não sabia por que as sombras falavam isso para sí. Era apenas uma criança, que não cometeu nenhum erro, mais mesmo assim, as sombras maldosas o culpavam por algo que não fizera.

As sombras continuavam a assombrar sua cabeça confusa e com medo. Tampou os ouvidos querendo cessar aquelas palavras cruéis e sem sentido.

Perguntava-se a sí mesmo, o que tinha feito de errado, para aquelas sombras falarem que era culpado? Sempre foi um bom garoto, então por que elas insistiam em o dizer isso?

Os gritos, sons, ruídos, o que fossem que fizessem um barulho terrível, só pioravam, as sombras se aproximavam de sí, e pareciam mais grandes que o normal. agaixou-se no chão escondendo o seu rosto, mas que foi levantado por algo.

Sua visão foi focada nas duas sombras que ainda permaneciam de mãos dadas e apontavam para sí.

E mesmo com esses inúmeros gritos perturbadores, conseguiu ver uma lágrima - vermelha como sangue - cair dos olhos da sombra menor. E a mesma apontou o dedo para sí e proferiu as palavras que atingiu em cheio o coração de Jungkook, e o destruiu.






— "Sou eu"








Perdeu seus sentidos, e depois de um tempo abriu os olhos e pode perceber que, o cenário mudou rapidamente e ele andava por uma casa desconhecida, mas ao mesmo tempo nostálgica. Já esteve lá, porém não se recorda.

Olhando para seus pés, acabou vendo que ele diminuía de tamanho aos poucos, ficando pequenino e suas roupas grandes e largas demais para seu corpinho pequeno e frágil, como uma criança.

Olhava para seu corpo todo, tentando acreditar que, o que via era real. Suas mãos pequenas e gordinhas, seus pés descalços no piso gelado, e seu corpo pequeno; Estava em sua versão de criança, e aquilo o deixava extremamente confuso.

Continuou a andar em linha reta e abriu uma porta, que o levou para fora, em um quintal, com três crianças brincado e quatro adultos ao lado conversando. Ele ficou paralisado enquanto fitava seus pequeninos pés descalços.

Logo uma figura apareceu na sua frente e deu um lindo sorriso no qual acabou sorrindo também. A figura o pegou pela mão e começaram a correr  até chegarem em um campo aberto e sem vida. O mesmo que levava a sí - que era do seu tamanho - correu até uma árvore sem cor, totalmente cinza.

A figura - que parecia muito feliz - começou a falar várias coisas, mas sequer poderia ouvir. Era como se não houvesse som, apenas podia ver os lábios - sem cor - da figura se mexerem constantemente enquanto sorria e apontava para à árvore.

Ele sequer sabia o que o garoto falava, mais sorriu, ao ver o quão animado à figura estava. Tentou focar a visão e logo foi revelando à imagem de um menino, porém sem cor, todo cinza e com os olhos escuros e misteriosos, assim como o local aonde estavam.

O garoto puxou seu braço para se aproximar da árvore e fizeram um juramento com os dedos mindinhos, selando algum acordo, no qual Jungkook não fazia ideia do que seria.

O garoto arrumou seus cabelos que estavam no vento e rapidamente juntou seus lábios com o seu, em um beijo puro e inocente.

Tudo ao seu redor que estava cinza ganhou cor. A grama à qual estavam que parecia sem vida, estivera verdinha e cheia de flores, até mesmo o garoto - o qual pode perceber que seus lábios era vermelhos e muito doce - disse mais algumas palavras e apontou para à árvore - que essa reconheceu por cerejeira - logo o desconhecido selou novamente seus lábios com um selinho mais demorado; Seu coração e seu corpo se derreteram, e então a sombra disse mais uma palavra à qual pode distinguir. Jungkook sentiu seus labios se mexeren respondendo, mas não sabia o que dissera. Assim a figura desconhecida correu indo embora e deixando Jungkook com o rosto corado e totalmente confuso.

Mas era uma confusão boa. Estranha e extremamente doce.

Olhou para a árvore á sua frente, e nesse momento pode perceber que amava cerejeiras.






— "Eu gosto de você"












Sua visão embaçou e sentiu perder os sentidos, Indo á um outro cenário que mais uma vez mudou e, dessa vez, estava impossibilitado de andar, seus olhos apenas podiam acompanhar uma sombra, a qual era conhecida para sí.

Tentou fazer qualquer movimento, mas era como estivesse congelado ou preso, qualquer coisa que o fizera ter nenhuma movimentação.

Ouviu os passos de sapato ecooarem altamente pelo local, como um eco, e começou a olhar a sombra que caminhava cautelosamente.

Sentia-se como se estivesse vendo um filme, e sendo à câmera, todos os ângulos perfeitos e movimentos da sombra eram vistos perceptivamente.

Com muito esforço de seus olhos - e mente - conseguiu destinguir a sombra e ao mesmo tempo, tudo parou.

Seus batimentos estavam mais altos que o passo do outro.

Era Taehyung, andando pelo local, enquanto parecia procurar algo, que deveria ter um valor muito importante para sí. O Alfa continou a andar e olhar pelos arredores, parecia mais perdido que sí.

Taehyung começou a andar em sua direção e assim que encontrou-se aos olhos de Jungkook, houve um nistagmo intenso.





— "Jungkook?!"





O corpo do Híbrido começou a ser puxado para trás, e o Kim estranhou e começou à dar passos mais rápidos em sua direção.


Jungkook não vá a esse caminho! — O Alfa tentou dizer, achando que aquilo iria de alguma forma impedir; Já que no seu ponto de vista, Jungkook estava caminhando para algum lugar ruim.


JUNGKOOK! — Gritou assim que viu o outro ir cada vez mais para o tal local perigoso.


O Kim começou a correr em sua direção, e quanto mais corria, mais seu corpo se afastava. Era como se estivesse sendo puxado, por algo ou alguém.

Podia ouvir os gritos de Taehyung ecooarem, e tentou com todas as suas forças fazer o mesmo, mais nenhum som emetia de seus lábios.

Nada, vazio. Como tentar falar debaixo da água.

E enquanto via o esforço do outro para tentar lhe salvar - do que não tinha ideia - deixou suas lágrimas caírem pelo local, fazendo ecooar um som de gotas caindo em uma poça de água. Chorava fortemente e ao menos tinha noção do por que.

Doía. Não fisicamente, mais seu coração sentia-se culpado e destruído.

Ver Taehyung gritar desesperado como se estivesse à presenciar uma morte, enquanto não podia fazer nada, era doloroso, extremamente doloroso e angustiante.


"Me salve" — Foi a única coisa que conseguiu dizer. Porém estava longe demais para o outro ouvir e fazer o que pedira.



E mais uma vez sentiu os olhos perderem a visão e retomarem em um cenário totalmente diferente.

E dessa vez não era um cenário desconhecido. Era o mesmo do outro sonho que tivera.

O local branco e dois homens ao seu lado o carregando em um tipo de maca, enquanto outro homem gritava.



— "Salve ele"


— "Por Favor salve ele!"




A cada grito do homem misterioso proferia, era uma dor aguda na sua cabeça, que conseguia deixa-lo até mesmo com o efeito de surdez.



— "Pare, pare, pare, pare, pare, pare"



Queria dizer, mas não conseguiu novamente.



O mesmo homem que pedia para lhe salvar, foi se transformando como o das cenas anteriores, se disfugurando e virando uma imagem cheia de sangue horrível.

Tentava se levantar da possível maca que estava, mas não podia. Estava preso novamente.

Olhou para seu corpo e pode ver que estava com tubos e fios ligados em sí. Assustou-se.

E preguejava mentalmente, o motivo de estar naquele local e assim.

Ouviu um estrondo na porta, do possível quarto aonde estava preso, e viu que na mesma havia a marca de uma mão, feita com sangue.

Logo letras começaram a ser escritas pelo mesmo líquido.



진실


V - E - R - D - A - D - E




"O que diabos era aquilo?" - Perguntava-se completamente confuso e com medo.

Mas uma palavra foi escrita, e estranhou, mas confuso do que à outra.



당신


V - O - C - Ê




— O que? O que tem eu? — Perguntou para a porta que lhe mostrava as palavras curiosas.



나는


E - U




Você? O que? Como assim? Você oque?! — Perguntou nervoso e mais confuso ainda.


E logo a parede do quarto branco aonde estava, ficou completamente cheia da mesma palavra de antes.



진실


V - E - R - D - A - D - E




Se assustou e se arrastou um pouco para cima dá cama. Aquilo que estava a acontecer não era nada normal, diria-se amendontrador.

A porta do local aonde estava foi aberta. relevando a mesma figura defeituosa que tanto lhe assustava. E a mesma aproximava-se de sí com uma mão na frente do seu - desfigurado - corpo.

Logo a mão foi ficando muito próxima de seu rosto e antes de tudo pode ler um pequeno nome escrito com uma péssima caligráfia, na possível pele da mão da figura.


친 마에

Chin-Mae

E como todas as outras vezes perdeu o sentido e desmaiou.



                              ~ •°•°•°• ~



Do outro lado, Sra. Jeon tentava de qualquer maneira acordar seu filho, que estava sendo uma tentativa falha.

A mais velha acordou assustada a noite pelos gritos e barulhos estranhos vindo do quarto de seu filho.

Levantou-se rapidamente da cama e adentrou o quarto do mais novo que, remexia-se na cama descontroladamente e seu corpo como a cama estavam cheios de suor.


— Jungkook! — Balançava o garoto. — Jungkook acorde!


Chamava o garoto e nada dele acordar ou mostrar algum indício do seu despertar. E a cada minuto que passava o coração de Kyuuna, se apertava e batia descontroladamente.


— Jungkook! — Deixou uma lágrima cair.


— Jungkook! Filho, filho! — Deu tapinhas em suas bochechas.


Seria como aquela reportagem que assistiu à dias atrás, em que pessoas as vezes se prendem nos sonhos - ou pesadelos - e não conseguem mais acordar?


— Não, não não não. — Repetiu várias vezes atordoada. — Jungkook! Acorde, vamos meu filho... — Tentava de todas as maneiras, mas como as tentativas anteriores, essa também foi falha.


JUNGKOOK!


E à cada grito de sua progenitora assustada e horrorizada, o tom de voz que - agora - estava repleto de medo e angústia, foi parando aos poucos.

Então decidiu fazer algo que apenas ela conseguiria fazer nesse momento de caos. Usou suas feromonas de carinho, amor e conforto - mesmo tendo toda apreensão com seu filho - para tentar estabilizar o estado do mais novo.


O que funcionou.


Aos poucos o híbrido foi se acalmando e parando de se remexer. Apenas tendo um sonho leve, já que as vozes de antes que estavam sendo perturbadoras em sua mente, foram mudadas para uma voz infantil, melodiosa e doce.

Uma voz que lhe acalmava e deixava contente. E assim como antes feito por sua mãe, a voz calma lhe chamava várias vezes.









"Jungkook, venha tenho que te mostrar uma coisa" — Dizia à sombra, com uma voz que lhe deixava calmo e feliz.

— O que? Onde? — Disse Jeon na sua versão como criança.

— Nosso lugar especial. — Disse a sombra sorridente.

Corriam de mãos dadas, pelo vasto campo, ambos sorrindo. A paisagem colorida, com flores de todos tipos, passarinhos melodiavam e o sol radiante nas peles alvas.

Chegaram à uma enorme cerejeira, que suas flores já estavam brotadas, e algumas caíam na grama verde, deixando o local mais harmonioso.


— Eu amo esse lugar! — Disse a sombra.

— Por que? — Perguntou o mini Jungkook confuso.

— Por que é bonito e calmo. Assim como você Jungkook. — Sorriu — Se eu pudesse olharia você para sempre. — Disse a sombra e Jeon corou fortemente.

— Ahh! — Gritou deixando o outro assustado — Tive uma ideia!

— E qual é? — Jungkook perguntou.

— Dá próxima vez, vamos nos encontrar nessa árvore, e iremos namorar e casar! — Disse muito sorridente.

— N-namorar? C-Casar? — Disse Jungkook totalmente corado e confuso — Não somos muito novos hyung? — Perguntou inocentemente.

— Sim, mais eu quero logo fazer a mesma coisa que os nossos papais fazem! — Fez um biquinho emburrado.

— Fazer o que hyung? — Disse Jeon inocentemente.

— Isso! — A sombra se aproximou e lhe deu um selinho rápido na boca. Na qual Jungkook ficou com o rostinho totalmente corado — É parecido com isso, mas os meus pais parecem gostar muito! — Sorriu animado — Por isso que quando formos mais velhos, quero te beijar como meus papais se beijam.

— O-O q-que?

— E quando eu fizer isso, vou te beijar toda hora, irei ficar ao seu lado sempre! Você será meu namorado Jungkookie. — A sombra disse toda animada. Aquilo parecia a coisa mais normal ao se dizer; Já que a mesma era apenas uma criança.


Mas Jungkook já era um pouco mais inteligente, mesmo sendo mais novo que a sombra. Contudo, apenas confirmou com a cabeça inocentemente.

— Por que você quer isso hyung? — Perguntou confuso. Queria saber por que o outro queria ficar ao lado de sí à todo momento e sempre sorria daquela maneira, apenas para sí.

— Por que...? — A sombra colocou a mão no queixo pensativa. — Hmm..... Por que....


Jungkook ficou com os olhinhos brilhantes focados na sombra à sua frente esperando a resposta.

— Por que... Eu gosto de você! — Sorriu feliz e mais uma vez selou os lábios com o pequeno Jungkook, que sentiu uma explosão de sentimentos e borboletas.

Tudo ao seu redor parecia mais contente e brilhante, mais nada se comparava ao olhar intenso, brilhante e puro que faiscava da sombra à sua frente.


— Eu também. — Respondeu o pequeno Kook felizmente.



A sombra foi embora e Jeon ficou parado observando a silhueta sumir no vasto campo, e retomou seus olhos para a árvore com folhas rosas e que exalava um aroma muito doce.

Sentiu-se feliz e sorriu.

E nesse momento o pequeno Jungkook não sabia muito bem, mas seu coração teria sido roubado de sí, para a sombra misteriosa que o levou embora consigo.

Ele não se importava, por que sabia que em qualquer lugar que estivesse, a pequena sombra estaria cuidando muito bem do seu coração que batia aceleradamente toda vez que via-o sorrindo, com o sorriso que tanto amava do seu hyung.

E também sabia que, o quão longe fosse a sombra misteriosa, um dia lhe traria seu coração devolta e com mais intensidade. O que um dia lhe foi roubado inocentemente na sua infância.


Seu primeiro beijo.


Contudo, mesmo com tais circunstâncias em troca recebeu:


Seu primeiro e único amor.





                              ~ •°•°•°• ~




O dia amanheceu e Sra. Jeon despertou bem cedo para olhar novamente seu filho - após o acontecimento da noite passada e se ele teve mais algum pesadelo.

Caminhou pelos corredores do segundo andar e abriu a porta cuidadosamente para evitar qualquer ranger ou barulho que pudesse acordar Jeon.

Um sorriso formou em seus lábios ao ver seu amado filhote - assim como ela l chamava - dormindo calmamente com a boca aberta, deixando seus dentes levemente salientes à mostra.


"Um coelhinho" — Pensou Kyuuna rindo baixinho enquanto via o mais novo tentar se cobrir com a coberta numa tentativa falha.


Riu e se aproximou da cama pegando o cobertor e pousando-o sobre o corpo - um tanto formado - de seu filho. O mesmo pareceu abraçar a coberta e deu um sorrisinho de satisfação.

Estava devidamente quentinho e protegido, como um coelhinho em sua toca.

Sra. Jeon teve que se segurar para não rir e acabar acordando seu filho. E então então pensou segurando a risada:


"Como alguém pode ter um corpo desse, com essa carinha de bebê? Algo de errado não está certo."


E saiu do quarto gargalhando sozinha e por um momento xingou-se a sí mesma de louca, mais relevou já que estava feliz ao ver sua amada - não - criança, dormindo tranquilamente e sem qualquer requisito de pesadelos ou algo do gênero.

Como ainda era cedo, em plena manhã de sábado, decidiu deixar Jungkook dormir até tarde.

Isso também seria mais fácil para sí, já que poderia falar com Sr. Kim, sem problemas de seu filho ficar suspeitando do plano.


"Seria tão perigoso ele descobrir?" — Pensou;


Não gostava de guardar segredos de seu amado filho, mas sabia que se o mais novo soubesse que havia envolvimento com o acidente de anos atrás, seus traumas e medos voltariam e afetariam sua nova vida que seria formada a partir desse ano.


A universidade de administração era deverás importante para que seu filho tivesse um futuro promissor. Mas ainda  mais importante era à sua segurança.

Como iria ter uma vida de adulto se houvesse um assassino atrás de sí e sua - provável - família?

Teria que ter certeza que nenhum obstáculo o impediria de sorrir e correr atrás de seus sonhos. E era isso que Kyunna faria, impedir qualquer mal se aproximar do seu amado filho. Deixaria o caminho aberto para a sua felicidade, e não importa o que fosse ou acontecesse, Sra. Jeon estava disposta à dar a melhor vida e conforto que seu filhote poderia ter.



Kyuuna foi ao banheiro e fez suas higienes matinais devagar, não havia motivos para ter pressa.

Claro que o evento iria iniciar-se no Domingo, mas o mesmo ocorreria na parte da noite, próximo as oito horas, então teria praticamente dois dias para escolher e comprar.

Pode parece fora de hora, porém, Kyunna achou vários sites de decoração com pronta entrega, o que facilitaria para a organização do local.

E como no dia anterior tivera conversado com Sr. Kim, o mesmo disse que já havia contratado pessoas para limpar o local, empregados, e ajudar Sra. Jeon com a decoração.

Por fim, contratou todas as pessoas necessárias para ter um ótimo evento como comemoração do seu filho Namjoon ter tido o cargo dá empresa e um motivo por trás que apenas os dois sabiam.

A ômega desceu o andar e se pós a ir diretamente a cozinha e preparar seu tão amado café. Precisava de energia e muita disposição para fazer algo que -mesmo que amasse - era tedioso.

Com o café pronto, sentou-se no sofá e pegou seu notebook, já iniciando uma pesquisa de decorações em vários sites - que eram confiáveis, claro.

Passou horas procurando de site em site, as decorações eram sim bonitas, mas nada que realmente lhe agradasse. Queria que fosse algo bonito, já que seria para o filho do seu chefe, e principalmente por que no local, há um centro, onde haverá dança, encontrado no meio do salão.

Teria se ser algo moderno, mas não muito etnocêntrico. Ou seja, perfeito para a ocasião.

Quando deu-se por sí, olhou o relógio que ficava no meio da parede acima da televisão - de tela plana - indicando que já era nove horas.

Suspirou e leventou-se. Talvez seria mais fácil de encontrar uma decoração com seu filho lhe ajudando; Já que o mesmo havia hereditado os gostos da mãe.

Subiu a - não tão - longa escadaria, e se pós à frente do quarto do seu filho, dando leves batidas e chamando por seu nome.


— Jungkook? Já está acordado?

— Estou sim Omma! — a voz saiu abafada — Só deixe-me terminar o banho! — Gritou para que sua progenitora o ouvisse.

— Estou te esperando na sala tudo bem? — Perguntou falando mais alto.

— 'Tá! — Respondeu simples, e voltou a cantar uma canção qualquer durante seu banho.

— Esse garoto deveria estar na universidade de canto, não de administração. — Brincou; Já que reconhecia o talento de seu filho com sua voz.

Voltou ao andar de baixo e sentou-se no sofá novamente, esperando seu filho lhe ajudar.

Passou alguns minutos e ouviu passos, virou-se em direção ao som e viu seu filho descendo as escadas com pressa enquanto trajava uma roupa de moletom leve e simples.


— Já disse para não correr nas escadas Jungkook! — Repreendeu com um olhar ameaçador.

— Só estou me divertindo um pouquinho! — Fez um biquinho manhoso — Até parece que você não fazia o mesmo... — Murmurou baixinho.

— O QUE? — Gritou assustando o mais novo — Eu ouvi isso.... — Crispou os olhos e Jungkook apenas virou a cabeça, assobiando e finjindo que nada disse. — Venha, desça logo.


O Híbrido desceu os últimos degraus devagar, provocando a progenitora. O que funcionou, deixando a mesma impaciente e revirando os olhos.


— Venha logo menino, preciso da sua ajuda! — Disse impaciente.

— Nossa, vai pedir assim? Sem jeitinho? — Fez manha e sua mãe suspirou.

— Não, pare de ser mimado. — Brincou e Jungkook fez uma cara indecifrável, com a mão no coração.


A ômega ignorou o drama do filho e se concentrou na tela do notebook à sua frente.

Logo o mesmo, fechou a cara, deixou seu semblante com a face emburrada e foi sentar para longe de sua mãe.


— Não fale mais comigo. — Jungkook disse emburrado, com os braços cruzados e um biquinho nos lábios.


Kyuuna revirou os olhos mas uma vez.


Lembrou-se que seu filho ainda não tinha controle das suas duas partes - ômega e alfa - Então suspirou um pouco alto. Até por que havia dias em que umas das suas partes comandavam.

A maioria, as personalidades era o gene alfa que estava comandando, porém, hoje o caso era diferente. Quem comandava dessa vez era o gene ômega e graças à essa mudança de humor ambas ficam com as personalidades afetadas. Deixando assim mais forte o efeito de seus atos.


Ou seja, Jungkook hoje está mimado e sensível como um ômega. Qualquer coisa o aborrece e magoa, e esse efeito do gene pode demorar até dias para passar.

Sra. Jeon levantou-se do sofá e foi à encontro do seu filho, onde abaixou e abraçou o outro com carinho.


— Me perdoe por dizer aquilo, hm? — Disse deixando um selar na testa do mais novo — Não faço mais isso.

— Promete? — Jungkook disse manhoso.

— Prometo meu filho, agora venha ajudar a sua Omma, hm? — Perguntou doce.

— 'Tá bom! — Sorriu como uma criancinha de oito anos e acompanhou a mais velha até o centro da sala.


Sentaram lado à lado no sofá, Jungkook pegou seu celular - para ser mais efetivo - assim, dando início as pesquisas.



                 °•°• [ 2 Horas Depois ] •°•°



— Finalmente! — Disse a ômega sorrindo contente.

— Meus dedos doem... — Disse o híbrido. A ponta dos seus dedos estavam vermelhos de tanto digitar.


Depois de um longo tempo de pesquisas em sites e revistas com seu filho, finalmente conseguiu encontrar a decoração perfeita que tanto almejava.

Era uma decoração em tons de branco, beje, juntamente à um cinza claro. Os enfeites eram parecidos com o conjunto além de ser elegante.

Os assentos eram todos da cor de beje claro e no centro haviam alguns desenho - desconhecidos de sua parte - nos tons de cinza.

A decoração era tão bela, que em sí parecia que ocorreria uma festa de príncipes e princesas.

Sorriu satisfeita com o que acabará de encontrar e imediatamente pegou seu celular e ligou para Sr. Kim avisando do achado.

Seu chefe ficou feliz com a capacidade e velocidade da ômega que - ele mesmo disse - iria pagar as roupas em que ela e seu filho irão na comemoração.

Pediu para se encontrarem no local de trabalho e para Kyuuna levar Jungkook. Já que iriam conversar um pouco e depois iriam à uma boutique escolher as roupas certas que deveriam usar no evento.

Assim foi feito, ambos se arrumaram devidamente e foram direto para a garagem, onde Sra. Jeon rapidamente entrou no carro - junto a seu filho - e deu partida, já dirigindo pelas ruas extensas de Seoul.



                             ~ •°•°•°• ~ 



Assim que chegaram ao local, retiraram-se do carro e entrando no grande edifício. Comprimentaram a recepcionista gentil - a qual nenhum dos dois sabiam o nome - e tardaram-se para ir diretamente ao elevador.

Após entrarem esperaram um pouco até chegar no andar, e finalmente quando as portas de abriram, saíram calmamente, até ficarem de frente a porta do Sr Kim.

Kyuuna deu leves batidas na madeira da porta e foi aberta pelo próprio Chung-Ho que apareceu sorridente.

Sr. Kim, sentiu o cheiro forte que Jungkook exalava, e quase foi entorpecido por ele, mas manteve-se firme.


— Olá, entrem. — Sorriu. — Olhe só como seu filho está grande! — Deu uma risada um tanto estranha no ponto de vista de Jungkook. — Como está rapaz? — Perguntou estendendo à mão para cumprimentar.

— Bem — Respondeu simples.

— Sentem-se e fiquem à vontade. — Disse e os mesmo assentiram, sentando nas poltronas macias — Bom, vamos direto ao assunto: Quero ver o que você escolheu Kyuuna.

— Ah, sim! — Pegou seu notebook e mostrou a decoração que encontrou. — Eu achei perfeito para esse evento, além de ter cores em tom pastel e um pouco neutras, ajuda com o desfarce.

— Oh, claro! — Disse direcionando um olhar um pouco repreendedor, já que Jungkook estava ao seu lado. — Deixe-me olhar melhor.... — Falou pegando o notebook nas mãos e olhando para a tela do mesmo.

O alfa mais velho analisou o conteúdo na pequena tela, observando cada detalhe escolhido pela ômega. Ficou observando a imagens por alguns minutos a avaliando, depois de um tempo parou de olhar para a tela e direcionou seu olhar para a mulher.

— E então? — Kyuuna perguntou nervosa.

— Achei ótimo. — Sorriu sincero — mas também devo mostrar o meu certo?

— Claro. — A mulher respondeu. E Jungkook assentiu.


Chung-Ho mostrou aos dois presentes, a sua escolha de decoração e ambos  acabaram sorrindo. Era realmente bonito e muito elegante; Seria uma escolha difícil.

Ambas decorações eram maravilhosas e com detalhes únicos, mas apenas uma poderia ser escolhida, e não deveriam demorar demais, era hora de decidir.


— E então? Qual vamos escolher? — Kyuuna perguntou, com uma mão no queixo.

— O que acha de permitir que o senhor híbrido, escolha por nós? — Apontou para Jungkook.

— E-Eu? — Perguntou com a surpresa.

— Sim, você mesmo rapaz. — Disse calmo.

— Hmm.... — Olhou para ambas decorações, e acabou apontando para a qual achou melhor. — Essa aqui.

Certeza? — Perguntou Chung-Ho sorridente.

Absoluta. — Respondeu sorrindo.



                            ~ •°•°•°• ~



Saíram do edifício, agora acompanhados com Sr. Kim, e o mesmo chamou seu motorista para leva-los a sua boutique preferida.

Entraram no carro - que pela visão de Jungkook, custou horrores - e assim, o automóvel começou a dirigir em velocidade média constante.

— Kyuuna — Chung-Ho chamou atenção da ômega — O que acha de Jungkook trajar um terno? Acredito eu que ficaria excelente em seu corpo.

— Concordo com o senhor. — Olhou para o lado analisando seu filho. — Ah, e sobre os convidados? Como o senhor os avisou?

— Os convites já foram enviados, e pelo que soube todos já confirmaram presença. Aliás, lembre-me de quando voltarmos pegarem suas pulseiras de entrada.

— Pulseiras de entrada? — Jungkook perguntou confuso.

— Sim, apenas convidados poderão entrar, e para essa confirmação de que esteja na lista, devem estar com as pulseiras. — Disse o alfa, explicando-se.

— Oh... Entendo, parece que vai ser algo bem importante então....

— Digamos que sim jovem. É algo importante para ambos. — Disse e depois disso a conversa entre os dois se cessou.

O carro estacionou e o motorista abriu as portas para que se retirassem. Sairam do carro e Jungkook olhou admirado para a estrutura à sua frente.

— Wow... — Disse baixinho, apenas para sí mesmo ouvir.

— Vamos? — Chung-Ho perguntou e ambos assentiram.

Entraram no local luxuoso e Sr. Kim rapidamente foi atendido, junto à outras atendentes que foram direcionadas para ajudar Jungkook e Kyuuna.

Rapidamente à mãe de Jungkook sumiu com duas atendentes para escolher seu vestidos e saltos.

Jungkook caminhava perdido pelo extensos corredores glamourosos do local, até uma atendente - por chamado de Sr. Kim - o levar à uma parte da loja onde escolheria o terno.

A mesma era uma ômega e aparentava ser da idade de sua mãe. Mostrando experiência com o que fazia acabou por escolher o terno mais bonito do local, e a mesma parecia tão satisfeita com a escolha que levou rapidamente o híbrido para trocar-se.

Jungkook assim fez. Retirou sua roupa e pôs a se vestir com tal terno preto. O que lhe realmente caiu bem e deixou uma imagem mais séria, porém sensual.

As calças de grife, ficaram marcadas com as coxas grossas e o bumbum redondinho do híbrido. A camisa social que usava era um pouco transparente e grudou ao seu peito, deixando seu tronco erótico.

Jungkook parecia um modelo de revista sensual. Seu corpo ficava perfeito nessas roupas de grife e com certeza se destacaria, tanto pelo corpo, quanto o cheiro intrigante que deixará no ar.

Assim que saiu da cabine de troca, deu de frente com sua Mãe, que possuía os olhos brilhantes como de uma criança e um sorriso maravilhoso no rosto.

— Está lindo.... — Disse sorridente e um pouco emocionada.

— Escolheram as roupas... — Senhor Kim, foi interrompido ao admirar o híbrido que ficou perfeito no terno — Jovem, você realmente maravilhoso.

— O-Obrigado... — Sorriu tímido.

As atendentes ômegas e betas soltaram um suspiro apaixonado ao ver Jeon. Já que as garotas - e garotos - não sabiam indetificar Jungkook pelo cheiro.

— Será esse terno que irá levar. — Disse Chung-Ho e Jungkook assentiu — Já escolheu Kyuuna?

— Sim — Respondeu sorridente. E o híbrido acabou soltando uma risada baixa; Sabia o quanto a mais velha adorava compras e roupas de grife. Tanto que já tinha noção que noutro dia estaria se exibindo para as amigas.

Após Sr. Kim pagar pelos trajes, voltaram para o carro e em alguns minutos estavam no edifício, onde pegaram as pulseiras de entrada.

— Aqui está. Cuidem bem delas, são importantes. — Disse o alfa.

— Sim, pode confiar em nós. — Disse Kyuuna
— Bom, estamos indo. Obrigada pelas compras senhor Kim.

— Disponha. Vejo-lhes amanhã.

— Até! — Ambos se despediram.

Após Chung-Ho se despedir de Sra. Jeon e seu filho, apressou-se e comprou toda à decoração, pedindo para deixarem no local escolhido.

Chamou seus empregados para começarem a limpeza e higiene necessária, e a organização; Já que o lugar era grande e havia várias peças decorativas à serem montadas.

Outros empregados contratados por sí mesmo, trabalhariam na parte do bife, sobremesas, além de servirem como garçons.


— Quero tudo pronto até amanhã, às cinco horas da tarde! — Avisou os empregados que estavam reunidos.

— Sim senhor. — Responderam em uníssono.


Caminhou até seu escritório e sentou-se na cadeira, já iniciando algumas pesquisas. Foi interrompido por seu telefone à tocar.


— "Sr Kim, sou eu, Soo."


— "Sim?"


— "Estou à avisar que o traje para os empregados que encomendou à quatro dias atrás, já está pronta e será entregue amanhã as oito horas da manhã, no seu escritório."


— "Ótimo, obrigado Soo."


— "Disponha Senhor."


Após a chamada finalizada, continuou a trabalhar.

Por fim, antes de acabar seu dia, Chung-Ho enviou todos os convites por Email e pessoalmente, à cada convidado.



                               ~ •°•°•°• ~



Kyuuna e Jungkook voltaram para casa contentes com a compra e foram tomar um banho demorado.


O Híbrido abriu a porta do banheiro, e retirou rapidamente suas roupas. Ligou o chuveiro na água quente e passou a relaxar enquanto tomava um banho calmo e demorado.

Após o término, saiu nú do banheiro e foi direto ao guarda-roupa onde, pegou uma roupa leve qualquer e a trajou.

Pegou seu celular e conversou um pouco com os amigos, e descobriu algumas novidades, que aconteceriam mês que vem.

Depois de de bloquear seu celular, foi para o primeiro piso, onde encontrou sua progenitora no sofá comendo pipoca enquanto assistia seus doramas.


— Está em qual episódio Omma? — Perguntou enquanto sentava-se ao lado da mais velha.

— O último da 2° temporada... — Disse concentrada na TV.


Jungkook esperou o tão amado dorama de sua Omma acabar, para assim poder conversar com ela.


— Tenho à leve impressão de que alguma coisa boa vai acontecer amanhã.

— Sério? O que você acha que é filho?

— Não sei... Mas sinto como se fosse algo que me trazesse muita felicidade no futuro...

— "Talvez seja algo relacionado aos suspeitos... Será que finalmente vou acabar com esse mistério em minha vida?" — Pensou.

— Omma? O que você acha? — Perguntou o Híbrido.

— Hmm... Também acho que algo bom vai acontecer, mais parece que vai demorar um pouco... No meu caso. — Disse simples.

— Bom, seja o que for, espero que seja algo que nos deixe felizes. — Sorriu contente abraçando sua mãe.

— Desejo o mesmo. — Retrebuiu o abraço, sorrindo.


Passaram o resto da tarde juntos aproveitando o momento de mãe e filho; Já que durante a semana Kyuuna não teve tempo para oferecer a devida atenção que seu filho merecia.

Conversaram sobre vários assuntos e Sra. Jeon lhe deu diversos conselhos válidos à Jungkook, o mesmo, ouviu atentamente. Além de conversarem, assistiram filmes de comédia, onde riram sem parar à cada cena ridícula que os atores faziam.

Realmente foi bon à ambos. Precisavam, disto, um momentos calmo, divertido e aconchegante. E isso só fortaleceu o relacionamento de família entre sí.

Depois de uma longa tarde - um tanto divertida - disseram "boa noite" e cada um foi para seu respectivos quartos, deitando e descansando, nessa noite fria.




                     °•°• [ Jungkook ] •°•°
              


Acordo próximo as oito horas da manhã, me levanto e faço minha higiene matinal. Depois de limpo vou ao guarda roupa e observo o terno que estava pendurado no cabide do guarda roupa. Não havia sequer algo amassado ou dobras que marcavam o tecido.

Observei ele por mais um tempo, até finalmente suspirar e descer andar à baixo para tomar o café.


— Bom dia Omma... — Digo me esticando.

— Bom dia filho — Deixou um beijo na minha testa — Eu vou sair para ver como a decoração está com o Sr. Kim — Disse e eu assenti — Tem torradas, ovos, baicon, e frutas. Tome o café, eu voltarei um pouco tarde.

— Okay. — Respondi simples.

— Ah — Chamou minha atenção — Aqui tem dinheiro para você almoçar ou pedir alguma coisa.

— Obrigado Omma... Mas e você? — Pergunto preocupado.

— Eu vou almoçar com o Sr. Kim em um restaurante, cuide dá casa para mim, sim?

— Pode confiar. — Digo e ela sorri.

— Obrigada meu bebê, tê vejo à tarde. 5 Disse e saiu correndo com os saltos falando um barulho irritante no piso.


Sentei na mesa e abri um sorriso ao ver a quantidade de comida que eu posso escolher. Peguei um prato e coloquei um pouco de cada um para comer.


— Nossa, esse daqui tá muito bom — Digo com a boca cheia.


Enquanto comia meu celular começa a tocar. Desbloqueio o celular e atendo à ligação.


— "Alô?" — Digo enquanto mastigo.

— "Kook?" — Diz uma voz doce à qual eu conhecida de longe.

— "Jimin! Quanto tempo!" — Falo exaltado.

— "Como você está? Estou morrendo de saudades!"

— "Estou bem. E também estou com saudades de você!"

— "Como está sendo estudar aí? O Hobi disse que você conseguiu virar um popular."

— "Hmmm... Digamos que o Hoseok hyung é um boca aberta, e acabou falando em voz alta que eu era um hibrido, agora alguns ômegas e betas ficam me seguindo."

— "Tinha que ser o Hobi (Risos) Mas... E os alfas, eles não te incomodam né?!"

— "No começo era bastante, mais depois que eu comecei a ficar perto dos amigos do Hobi, ninguém mais me atrapalha..."

— "Nenhum alfa mesmo?" — Perguntou com tom desconfiado.

— "S-Sim... Nenhum..." — Digo atrapalhado ao me lembrar do dono dos olhos misteriosos.

— "Kook.... Você sabe que eu me preocupo com você, então me esconda nada okay?"

— "Okay. Ah, eu tenho que desligar estou comendo! Me ligue outras vezes!"

— "Pode deixar Kook, beijos tchau!"

— "Tchau."



Desligo a chamada e suspiro pesadamente. Sei que Jimin é um bom amigo, e ele deveria saber das coisas, mais as vezes ele é um pouco possessivo. Acho que é normal, já que ele é um alfa.

Deito no sofá e fico à tarde toda assistindo o mesmo dorama que minha Omma.



                   °•°• [ Horas Depois ] •°•°


Já eram seis horas da noite, quando minha Omma voltou para casa toda saltitante e animada.


— O que está fazendo deitado nesse sofá? Vamos! Vá tomar banho e se arrumar! — Disse rápido.


Me lembrei do compromisso de hoje e subi as escadas correndo. Abri a porta do meu quarto e nem me dei ao luxo de tranca-la, indo direto para o banheiro, me despindo e ligando o chuveiro.

Tomei um bom banho - mesmo que um pouco demorado - lavando meus cabelos e ensaboando bastante o meu corpo. Me molhei com a água gelada e depois enxuguei meu corpo, colocando a toalha ao redor da minha cintura.

Peguei uma box preta, e a roupa escolhida. Coloquei com o maior cuidado possível, evitando qualquer amasso.

Depois de vestido, passei meu melhor perfume e com os cabelos já secos fiz um penteado com a franja repartida no meio.

Minha mãe apareceu no quarto - e eu admito, ela estava maravilhosa - usando seu vestido de cor vinho, seus saltos e uma maquiagem. A mesma carregava uma maleta nas mãos.


— O que é isso? — Apontei para o objeto metálico.

— Minha caixa de maquiagens. Agora sente-se na cama, vou deixar você lindo. — Disse autoritária e eu apenas fiz o que ela mandou.

Depois de um tempo ela finalmente terminou e suspirou. Logo olhou para mim e sorriu satisfeita.

— Está lindo! Parece até um K-Idol! — Disse me observando dos pés à cabeça.


Ri do seu comentário e fui à frente do espelho. Me impressionei, meus olhos estavam mais destacados com a sombra, e meus lábios estavam mais rosados por conta do gloss que ela passou em mim.


— O que achou? — Disse com a mão nos meus ombros.

— Adorei, obrigado Omma. — A abracei.

— De nada — Sorriu — Agora vamos antes que cheguemos atrasados!



                             ~ •°•°•°• ~


Finalmente estávamos no lugar esperado. Era um enorme salão de festas, a entrada era com pedras e muitas luzes.

Um segurança que estava à frente da porta - me encarou - pediu para mostrar nossas pulseiras e assim fazemos. Logo ele chamou outro segurança e disse que iria nos acompanhar até o Sr Kim.

Assim que adentramos o lugar eu fiquei maravilhado, havia enormes pilares e um salão com várias pessoas no meio conversando. Todas pareciam ser da classe alta.

As mesmas perceberam o meu cheiro e ficaram me encarando por um bom tempo. Vi alguns alfas solteiros que bebericavam com os amigos me fitarem descaradamente.

Acho que eu causei um pouco, pois até pessoas que já eram marcadas, os casais, todos me olhavam como se eu fosse um pedaço de carne, da melhor qualidade.

Me senti um pouco envergonhado, ao verem que muitos alfas e betas distrairam-se nas minhas coxas, e me olhavam maliciosamente.

Ignorei todos os olhares e comecei a olhar mais a decoração. Havia uma enorme escada enfeitada que levava ao segundo andar, onde tinhas outras pessoas, porém parecia ser como uma área VIP.

Haviam também varias mesma redondas com lindos enfeites e vários garçons entregando algumas bebidas - pela qual julguei ser vinho.


— Ah! Aqui estão vocês! Sintam-se à vontade! — Disse o Sr. Kim nos abraçando e retrebuimos.

— Obrigada! A decoração ficou linda! Tudo está lindo! — Minha progenitora disse, enquanto sorria satisfeita.

— Sim, seu filho fez uma ótima escolha. — Disse alegre para mim.

— Obrigado.... Eu gostei da decoração que o senhor escolheu.... Porém, à dá minha mãe foi que me conquistou e realmente teve um ótimo resultado. — Digo olhando para os arredores da festa.

— Sim, os convidados adoraram, obrigado pela a escolha jovem Jeon. — Disse e eu sorri — Bom, quero apresentar meu filho para sí Jeon.

— Ah, claro. — Digo e subimos às escadas em encontro ao seu filho.

— Jeon Jungkook esse é meu filho Kim Namjoon. — O apresenta.

— Prazer em te conhecer... — Digo sorrindo.

— O prazer é meu. — Ele retribui mostrando suas covinhas.

— Ah, parabéns pelo cargo da empresa! — Digo ao me lembrar dá razão por ter vindo.

— Muito obrigado, estou muito feliz de ter conseguido. — Ele diz contente. — Aliás, quantos anos você tem Jeon?

— Tenho dezoito e você Kim? — Pergunto.

— Tenho vinte e dois. — Diz — Desculpe perguntar mas... Você é de que raça? Não consigo descrever, o meu ofalto fica confuso.

— Eu sou um Híbrido, metade ômega metade alfa. — Digo meio receoso da sua surpresa.

— Sério? Isso é incrível! Você é o primeiro da raça certo?

— Sim...

— Então, como é ser um híbrido?

— É um pouco confuso, digamos que eu tenha duas personalidades e as vezes fica fora de controle. Mas eu me esforço ao máximo para aprender a controla-las.

— Deve ser difícil.... Bom, eu irei conversar com alguns convidados, foi um prazer te conhecer, até outra hora Jungkook. — Diz e aos poucos some da minha vista.


Respiro fundo e começo a descer as escadas, caminhando por aquele enorme salão.

Namjoon pelo que eu pude ver é um ótimo alfa, e muito inteligente, apenas conversando eu consegui perceber.

Me apróximo de uma mesa onde havia várias bebidas e guloseimas. Coloquei a mão no queixo e fiquei decidindo em qual bebida pegar.


— Precisa de ajuda? — Perguntou um alfa próximo a mim.

— Ah... Não muito obrigado. — Digo e volto a pensar em qual escolher.

— Vamos, eu posso te ajudar se quiser.... — Insistiu e tocou no meu ombro.

— Você é um pouco difícil, mas não se preocupe eu gosto disso. — Ele diz e eu reviro os olhos.


Logo eu vejo outros alfas que estavam em grupo bebendo se aproximarem da mesa onde eu estava.

— Olá... — Disse mordendo os olhos enquanto encarava meu corpo. — Quer beber conosco?

— Obrigado pela a oferta, mais eu me recuso. — Digo simples e escolho o ponche.

Logo um dos alfas pegou o copo da minha mão rindo, e me entregou um com bebida alcoólica.

— Vamos nos divertir, à noite é uma criança... — Disse se aproximando do meu corpo.

— Não, saía você está me atrapalhando — O olho com raiva — E pegue esse copo, eu não bebo álcool.

— Nervosinho você, huh? — Disse enquanto sorria perversamente.

— Beba só um pouquinho, tenho certeza de que irá gostar. — Outro alfa, amigo do outro se aproximou.

— Por favor, você estão me atrapalhando, tem como por favor saírem da minha frente? — Digo já perdendo a paciência.

— Por que a pressa gracinha? — Disse e levou sua mão em direção ao meu rosto.

Mais ao mesmo tempo outra mão apareceu, e segurou o pulso do alfa irritante.

— Com licença senhores, mais vocês não ouviram que estão o atrapalhando? — Disse firme, deixando sua presença ser notável.


Essa voz....


— Aish, vamos embora. — Disse o alfa e os outros o acompanharam.


Olho imediatamente para a pessoa ao meu lado e me assusto. O que diabos ele estava fazendo aqui?


— Taehyung?! — Pergunto confuso pela sua aparição.

Boa noite Jungkook. — Ele me olhou e sorriu — Você está muito bonito.

— C-Como você está aqui? — Pergunto totalmente confuso. Ele sempre aparece onde eu estou.

Digamos que eu fui convidado. — Mostrou sua pulseira e a mesma era diferente de todos os outros convidados, era branca, assim como à minha.

— Ahnn... — Digo enquanto olho o lugar.

O que tanto olha para o lado Jungkook? — Pergunta tocando o meu ombro.

— Ah, é que a decoração ficou realmente boa, combinou tanto com o lugar... — Digo desviando o olhar intenso que ele mostrava.

— Realmente, a pessoa que escolheu tem um bom gosto — Sorriu e mostrou aquele sorriso Quadrado.

— Sabia que fui eu quem escolheu? — Digo sorrindo ladino.

— Sério? — Ele sorri, arquejando a sombrancelha.

— Uhum — Digo sorrindo — Eu e minha Omma escolhemos. Ela ficou muito feliz com minha decisão.

— Imagino — Sorri terno.


Uma música clássica começou a tocar e alguns casais se levantaram para dançar. Foram poucos, mas mesmo assim dançavam, e era linda a sincronia.


— Jungkook? — Taehyung me chamou.

— Sim? — Pergunto e ele estende à mão.

— Aceita dançar? — Ele me olha em espectativa.

— E-Eu... — As  palavras sumiram da minha boca. — E-Eu n-não.....

— Você não sabe dançar? — Perguntou calmo.

— S-Sei... Eu a-apenas... Tenho vergonha... — Digo à última frase baixinho. E o Alfa riu.

— Jungkook... — Ele se aproxima e me mostra sua mão — Venha dançar comigo. — Diz me olhando Profundamente.

Acabo cedendo e colo minha mão com a sua. Sinto um arrepio correr ao meu corpo, ao sentir o quão grande, macia e quente é sua mão.

Ele nos leva ao meio do salão, e todos os convidados que estavam presente começaram à nos fitar.


— Está pronto? — Diz e eu assinto. Ele se reverência e eu faço o mesmo.


Ele se aproxima do meu corpo e eu arrepio outra vez. Lembro-me do que minha Omma me ensinou e coloco em prática.


— Sim. — Digo firme e com o coração saltitando.


Entrelaço a mão esquerda junto à sua, Enquanto a minha direita pousá em seu ombro. Ele coloca à sua mão - grande - em minha cintura e junta nossos corpos.

A música começa a tocar e começamos com leves e passos bem fáceis. Eu estava um turbilhão de nervos com todos aqueles olharem em mim.

Até minha progenitora me olhava em cima do segundo andar, junto ao senhor Kim, me vendo dançar.

Os casais que antes dançavam saíram da pista, e se sentaram deixando apenas eu e Taehyung no meio daquele enorme salão.



Todos nos observavam.



Sorria Jungkook... Você fica mais lindo sorrindo. — Diz próximo ao meu ouvido.

— Mas os outros estão olhando... — Digo nervoso ao ver todos os olhares em nós.

— Esqueça eles e olhe para mim. Somente à mim. — Aproxima seu rosto do meu.



Faço o que ele pediu e começo a seguir seus passos ao seu ritmo e dá música. Logo já estávamos dançando, sentindo nossos corpos grudados. Ficamos nos encarando a cada passo, em alguns deles, nos afastavamos, mas logo Taehyung puxava-me ao encontro seu, chocando-os. Seu olhar profundo e misterioso me trazia arrepios intensos.

Ele me rodopiava pelo salão, apertando mais forte minha cintura à sua, as únicas coisas que eu podia ouvir eram meus batimentos acelerados, a melodia esplêndida e o seu sorriso quadrado diretamente à mim.

Não conseguir conter um sorriso, estava me sentindo livre, a melodia da música me fazia voar nas alturas,  eu me sentia como um violino sendo tocado sutilmente e intensamente pelas mãos de Taehyung.



Nesse momento ele comandava meus passos e minhas ações.


Nesse momento, ele tinha meu minha dança e meu corpo. Totalmente entregue à sí.




Continuamos à dançar elegantemente e fazendo passos que jamais tinta visto. Certamente Taehyung é um mestre em danças e me guiava pelo salão como se fizesse parte de sí.


— Você está lindo Jungkook. — Sussurrou rente ao meu ouvido.

— Obrigado... você também... — Digo corado com a confição.



O que era verdade e eu não poderia negar. Taehyung é umas das pessoas mais lindas que eu já vi na minha vida. E ele usando esse terno deixava ele com um ar tão dominante, tão intenso.




Tão Taehyung.




Começamos a usar passos mais difíceis em que era necessário, ele tocar diretamente várias partes do meu corpo, e como principal minha cintura e coxas.

Várias vezes durante o percurso da dança ele aproximava seu rosto ao meu e sorria de uma maneira maliciosa, eu apenas conseguia virar o rosto para o outro canto - quando não era impedido - ou o fitar totalmente corado.

Terminamos à dança com ele jogando meu corpo para baixo e me puxando para cima novamente juntando nossos corpos. Nossos rostos vermelhos e respirações abafadas, sem contar o olhar profundo.

Ouvimos aplausos de todas as pessoas no salão, Taehyung fez uma reverência para todos alí presentes e eu fiz o mesmo, recebendo mais aplausos.


— Venha quero te levar à um local especial. — Disse Taehyung entrelaçando nossas mãos e me guiando para fora do salão.



Andamos em uma parte que parecia, que apenas convidados com as pulseiras brancas poderiam entrar.

Chegamos próximos à um lago de águas cristalinas, de frente onde à lua cheia estava fixada bem no centro, com o céu aberto e nenhuma árvore ou nuvem atrapalhando seu brilho.


— Aqui é tão lindo.... — Digo olhando aos arredores vendo enormes copas e flores pequeninas no chão.


Tinha uma pequena iluminação no local, o deixando confortável e calmo. Apenas podia ver e ouvir alguns grilos e vagalumes.


Sentamos um pouco em uma pequena mesa que havia no canto - à única - e eu fiquei observando maravilhado o local.

A festa estava sim muito linda, mas esse lugar é melhor do que qualquer decoração. Tão natural, lindo e aconchegante.


— Você gostou? — Perguntou sorrindo.

— Sim, obrigado por me trazer aqui Taehyung.... e, obrigado por antes. — Digo falando do acontecimento dos alfas na festa.

— Sem problemas, sempre que precisar eu vou aparecer. — Disse sorrindo.

— ...... — Fiquei em silêncio sentindo o cheiro cítrico da mata.

— Jungkook... — Ele me chamou com a voz baixa.

— Sim? — Digo o olhando.

— Você ainda consegue ouvir à música?

— Sim, por que? — Pergunto.

— Gostaria de dançar novamente? Eu amo essa música...

— C-Claro... — Digo me levantando e ele faz o mesmo.


Com a música baixa, nos aproximamos novamente e começamos a dançar calmamente, fechando os olhos e sentindo a brisa fria.

Continuamos à dançar devagar, tendo passos simples e bem lentos.

A música começou a ficar mais lenta e o Alfa se aproximou e colocou suas duas - grandes - mãos na minha cintura, me abraçando.


Coloque seus braços ao redor do meu pescoço. — Disse calmo e assim eu fiz.


Começamos uma dança bem lenta, e nossos corpos estavam em perfeita sincrônia. Com o tempo a dança foi ficando mais intensa, assim que Taehyung aproximou nossos corpos e olhava-me profundamente.

Ele se aproximou do meu pescoço e passou seu nariz na curvatura e puxou o ar, me arrepiando por completo.


Seu cheiro é tão bom... — Disse ainda ao encontro do meu pescoço.


— T-Taehyung — Arrepiei mais quando ele afundou mais sua cabeça no meus pescoço e começou à me abraçar com possessividade.


Não dá mais.... — Suspirou no meu pescoço — Eu não consigo mais me controlar .... Tão perto de você.


— O-O que? — Disse com o coração disparado.


Você me deixa louco de todas as maneiras. — Apertou o abraço. — Eu sempre me controlo muito... Mas hoje não dá mais... Eu não consigo.


— T-Taehyung... E-Eu.... — Estava sem palavras.


Seu cheiro, seu olhar, seu corpo... Você por completo... Você é perfeito.


— T-Taehyung? — Perguntei confuso com todas essas declarações.




— Jungkook.... Eu estou apaixonado por você. — Disse e eu senti uma batida falhar.




Que sentimento é esse?




Ele levantou sua cabeça e começou a me olhar profundamente, ainda agarrado à minha cintura, começou a se aproximar do meu rosto, com os olhos brilhando.

Meu coração começou a ficar em um ritmo desordenado e minha respiração pesada.

Taehyung passou uma de suas mãos ao lado do meu rosto fazendo um carinho alí, sua outra mão foi à minha nuca, onde à puxou e deixou nossos rostos à centímetros de distância.



Posso? — Sussurou baixinho; Eu assenti com o rosto em chamas e o coração disparado.



Seus lábios tocaram nos meus e eu me derreti por dentro. O Alfa começou a fazer carinho nos meus cabelos e pediu passagem com a língua, no qual eu cedi.

Fechei meus olhos quando sua língua adentrou minha boca e começou a se mexer devagar explorando cada canto.



Céus, isso é tão bom....



Me entreguei mais ao beijo e Taehyung percebeu, me agarrou com um braço enquanto suas mãos grande exploravam minha coluna, assim, começou um beijo mais intenso.

Minha mente estava em êxtase, tudo era bom, nada ou qualquer coisa ao redor importava, apenas os lábios de Taehyung.


É tão doce e tão pecaminosa o trabalho que sua boca faz.


Taehyung é um pedaço de mal caminho.



O Alfa começou a dar alguns puxões - leves - no meu cabelo enquanto aprofundava mais o beijo - se assim possível - apertou miha cintura fortemente, seu beijo se tornou mais selvagem me deixando ofegante e sem forças.

Os estalos estavam audíveis, nossos corpos colados, quentes demais, intenso demais.

Taehyung quebrou o beijo pela falta de ar, respirando ofegante com os olhos fechados.


Seus lábios são um pecado por serem tão doces — Comentou com sua testa colada à minha. — E eu preciso experimentar mais — Terminou a frase e voltou a me beijar intensamente adentrando minha boca sem permissão.


Eu tentei quebrar o beijo, tentando o empurrar para longe, mais não funcionava, meu ser gritava pelo contato e meu coração batia com força dizendo que estava certo. Mesmo não parecendo, o Alfa era extremamente forte, e me abraçou como se sua vida dependesse disso.

Por fim, segui meu coração e retrebui o beijo na mesma intensidade, o mesmo de início estranhou e parou um pouco, mais logo senti um sorriso entre nossos lábios e voltou a me beijar como antes.

Sua língua batalhava com a minha por espaço, ambos afoitos, coloquei meus braços ao redor do pescoço de Taehyung e isso só deixou o beijo mais intenso.

Suas mãos ágeis, percorriam sobre todo meu corpo, e vez ou outra ele apertava de leve minha bunda. E eu deixava alguns gemidos e arfadas escaparem da minha boca, deixando o Alfa ainda mais estimulado.

Terminamos mais uma vez o beijo, com Taehyung mordendo sutilmente meus lábios inferiores, sorrindo perverso e satisfeito.


Céus... Se eu soubesse que seus beijos fossem tão deliciosos assim, teria te beijado quando nos encontramos no parque. — Disse fazendo carinho na minha nuca.


Fitei os olhos de Taehyung e eu podia ver a chama que existia neles. Corei, e vi ele rir minimamente. O Alfa me abraçou com carinho, enquanto eu afundei meu rosto na curvatura do seu pescoço.


— Seu cheiro.... Também é muito bom. — Eu disse corado e ele riu baixinho.


O seu é melhor ainda... — Sussurrou e deixou um pequeno selar no meu pescoço, me arrepiando. — Tão sensível...


Corei fortemente.


—"Como ele pode dizer coisas do tipo? Taehyung é muito pervertido!" — Pensei.




— N-Não diga isso... — Falei com o rosto em chamas.

Hm? — Deixou mais um beijo no meu pescoço — Acho que estou viciado no seu cheiro... — Respirou fundo sentindo o aroma que meu corpo exalava.

— Hnng.. — Deixei um gemido baixo escapar dos meus lábios. Senti um sorriso se formar nos lábios do Alfa, em encontro ao meu pescoço.


Se afastou da curvatura do meu pescoço e começou a me fitar da maneira intensa, que só ele conseguia me fazer arrepiar. Seus olhos estavam mais escuros e misteriosos essa noite.

Ouvimos algumas vozes próximas de onde estávamos e Taehyung olhou para o lado, como se estivesse procurando algo.


Vamos para um lugar mais reservado. Apenas nós dois. — Disse e eu assenti corado.


Taehyung entrelaçou nossas mãos, e nos levou um pouco mais longe, próximo à uma árvore de cerejeira, onde me prensou nela e me olhou fixamente.

Retrebui o olhar intenso que se aplicava em mim. Taehyung começou a se aproximar olhando para meus lábios novamente, deu um selinho nas minha bochecha e foi descendo de encontro aos meus lábios.

Ele pediu passagem com a língua e eu retrebui rapidamente, dando início à um novo beijo, porém mais calmo e cheio de emoção.

Ele deu fim ao ósculo, respirando falho, enquanto sua mão fazia carinho no meu rosto e suas mãos pousavam na minha cintura.


— Jungkook... Me responda. — Me olhou sério — Você também gosta de mim?


Me coração pulou fora da boca e eu fiquei muito tenso. Senti minhas bochechas rubras.


— E-Eu.... —

— Jungkook! — Fui interrompido pelo grito da minha progenitora — Jungkook?!

— Eu tenho que ir... — Me virei mais Taehyung puxou meu pulso e me olhou necessitado de uma resposta.

— Apenas diga... — Se aproximou.

— E-Eu... Tenho que ir... — Disse baixinho e o Alfa suspirou.

— Eu vou esperar pela sua resposta Jungkook... Mas lembre-se que seu silêncio está me matando. — Disse sério e eu assenti.

Comecei a caminha, sentindo seu olhar na minha coluna, andei mais rápido indo à voz da mais velha.

— Por que demorou? — Perguntou com a sombracelha arqueada.

— Tive que fazer uma coisinha... — Corei a me lembrar.


Ela me olhou desconfiada, mas fingiu não se importar e continuamos à andar ao meio do salão para nos despidirmos do Sr. Kim e voltámos para casa.



                             ~ •°•°•°• ~



Já em casa com meu banho tomado e deitado na cama, fico pensando no meu dia.


Eu beijei o Taehyung!


Eu não acredito que eu fiz isso!


Foi tão bom....


Eu não sei por que sinto isso, mais eu estou tão feliz e tão confuso.


Céus.... Que dia foi esse?


Que emoções são essas?


Depois desse beijo.... Eu não sei se consiguirei encarar Taehyung novamente!


Nós dançamos, nós nos abraçamos, nós sorrimos, nós nos beijamos!


Meu primeiro beijo.... Foi com Kim Taehyung....




— AHHHHH! — Grito alto com todos esses pensamentos me invadindo.

— O que foi filho!? — Minha Omma aparece na porta assustada.

— N-Nada... E-Eu só bati meu dedinho na quina da cama.... — Digo corado, ao lembrar que não estava sozinho em casa.

— Ah... Pare de gritar vai encomodar os vizinhos! — Diz me olhando brava — E vá dormir, amanhã você tem aula! — Disse e saiu do quarto.

— Ah! Boa noite filhote! — Voltou e mandou um beijinho.

— Boa noite Omma.... — Digo baixo — Aish.... — Suspiro cansado.


Como eu vou encarar Taehyung? Por que o seu beijo mexeu tanto com meu psicológico?


E aquela maldita frase....



"Você também gosta de mim?"



O que eu sinto por você....?


Taehyung....



Fecho os olhos, dormindo com esse pensamento em minha mente.


Eu estou confuso, eu estou pirando, eu estou louco por você.




Notas Finais


Avisos da Fanfic: https://spiritfanfics.com/historia/-avisos-8679458

Meu Twitter: https://twitter.com/OmmaKTrouxa?s=09

(Falo muita bosta no Twitter e fico de RT por toda coisa que envolva o Bts e o Taekook!)

🌸 O que acharam do Capítulo? 🌸

Yayy! Finalmente o primeiro beijo do casal!!! 😍🌸🦄❤

Esperei tanto tempo para conseguir escrever algo que me agrade!

Espero que tenham gostado!

😘 Beijinhos da Omma Wood '3'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...