História " O Futuro " - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Arthur Weasley, Astoria Greengrass, Draco Malfoy, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Molly Weasley, Ronald Weasley, Ted Lupin, Theodore Nott
Tags Dramione, Harry Potter, Romance
Exibições 364
Palavras 2.362
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Famí­lia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi pessoal, esse é oficialmente o último capítulo da primeira parte. Espero que gostem da leitura e o mais rápido possível, estarei de volta com a segunda-parte.

Quero mais uma vez agradecer por vocês estarem comigo, desde do primeiro capítulo e a todos que me acompanham desde da minha primeira Dramione, muito obrigada.

Bom, nesse capítulo, vocês saberão finalmente a razão do rompimento da relação de Hermione e Ronald. E uma Hermione Granger, bastante irada com a ousadia do ruivo. Beijo, boa leitura e até breve.

Capítulo 13 - " O Decimo segundo dia - O Retorno "


Hermione acordou com o sol através da janela, lhe tocando a face e se virou para o outro lado da cama, tentando fugir dos raios do sol e rapidamente encontrou Draco e o filho, adormecidos ao seu lado. Sorriu, os olhando com carinho. Eles eram tão parecidos, no entanto, o garotinho também tinha muito de si, nele. E o gosto por livros enormes, era um fato que a deixava bastante orgulhosa.

E segundo Draco, ele seria um sabe-tudo também, apesar de fechar a cara com os comentários do marido, no seu íntimo gostava bastante dessa afirmação. E sabia que o marido também, afinal ele olhava para o filho com orgulho, sempre que o via com um livro maior e mais pesado que seu próprio corpo. Espreguiçou-se, enquanto relembrava que na noite passada, tivera a primeira briga com o marido, afinal ele simplesmente esqueceu que completavam 5 anos de casados, na noite anterior.

Mais agora, analisando a situação, percebeu que exagerou um pouco com o mesmo, e queria recompensa-lo pela sua explosão, afinal ele até sugeriu que saíssem para comemorar, porém a raiva e certa magoa falará mais alto, no primeiro momento. Deu um beijo no rosto de cada um e seguiu para a cozinha, pensando em que poderia preparar para o filho e o marido. No fim, resolveu preparar a famosa torta de maçã da mãe, guloseima que os dois Malfoys, gostavam bastante e sempre comiam mais de dois pedaços.

Quando Draco a pediu em casamento, sua mãe lhe arrastou para casa, durante um mês, com o intuito de lhe ensinar a cozinhar e depois de muitas refeições queimadas, sem sal, sem gosto e também passada do ponto, crua demais, assada demais, enfim obteve sucesso no preparo de algumas refeições.

E quando tomou gosto pela arte da cozinha, se aventurou mais vezes, fazendo o noivo de cobaia e mesmo errando algumas vezes diversos pratos, Draco sempre tentava não demostrar insatisfação pela comida, mesmo ela ciente de que a refeição estava horrível.

E ela até achava fofo, vê-lo fingir que gostou, só para não deixa-la triste ou desanimada. Estava tão pensativa, ajeitando a mesa, que quando deu por si, compreenderá que já tinha colocado toda a mesa. Observou a mesa, bastante satisfeita com seu trabalho e colocando a torta já pronta, em cima da mesa, Draco e Anthony surgiram da porta da cozinha, com o filho, coçando os olhinhos, enquanto trazia um ursinho de pelúcia em suas mãos.

Um bichinho que ela nunca vira antes.

— Bom dia, mamãe – saudou sentando-se, olhando para a bela mesa, posta a sua frente – Torta de maçã – comentou se empolgando, ficando em cima da mesa, sentindo o cheiro da torta.

— Bom dia, meu bruxinho – o saudou também, sorrindo enquanto o filho ainda olhava para a torta com bastante interesse, ao mesmo tempo em que sorria, olhando para a mãe e para o pai, algumas vezes – Sim, acordei com vontade de preparar a torta – comentou sorrindo, colocando um pouco de leite quente no copo.

— Fazia alguns dias, que a senhora não fazia a torta da vovó – o comentário do filho fez a castanha estranhar, afinal á dois dias, fez a torta para o mesmo que pediu como lanche da tarde.

Draco observava em silêncio e finalmente, entendeu o que tinha acontecido com a esposa. Enfim, Hermione tinha regressado para si e para o filho. E pelo que pode observar, por conta da expressão da esposa, era como se essas quase duas semanas nunca tivessem existido. Para ela, foi apenas a noite da briga.

Os calafrios, a vontade de ter Anthony, o desespero e o medo da castanha na noite anterior foi um aviso previu do que iria acontecer. Soltou um suspiro profundo. Estava feliz e aliviado por tê-la de volta, no entanto estava um pouco preocupado com o que aconteceria com Hermione do passado. Como esperado, a esposa esperou Anthony subir para se arrumar para a escolinha e vendo que estavam sozinhos Draco levantou o olhar e sorriu ao avista-la com os braços cruzados, o olhando fixamente.

Sua sabe-tudo, mais velha e Malfoy estava de volta.

— O que está acontecendo? – ela perguntou direta, o olhando fixamente. Seus olhos castanhos exigiam uma reposta imediata.

Foi dormir brigada com o marido, acordou com Anthony na cama dos dois, algo natural de acontecer em algumas ocasiões, porém na noite anterior, tinha certeza que colocou o filho para dormir cedo, na própria cama e o pequeninho afirmará que ela não fazia a torta há alguns dias e também observara que ele trazia consigo, uma doninha de pelúcia.

Brinquedo que tinha certeza que ele não tinha, afinal arrumava o quarto dele, de três em três dias. Draco esperou ela raciocinar e depois de algum tempo, a chamou para se sentar em seu colo, pedido rapidamente atendido pela mesma. E aconchegada nos braços fortes do marido, ela ouviu toda a narração do mesmo.

O loiro explicou que no momento em que ela desejou não tê-lo reencontrando na cafeteria, de alguma forma seu pedido foi atendido e uma Hermione Granger de 17 anos, totalmente assustada com o futuro improvável ao lado de Draco Malfoy, o garoto mais idiota de Hogwarts, chegou ao futuro bagunçando tudo, afetando principalmente o passado.

— Ohh, Merlin – exclamou chocada – Ela deve ter ficado muito assustada e chocada – sorriu imaginando seu desespero e lhe aqueceu o coração ver que ela própria, se apaixonou pelo filho desde a primeira vez que o viu – E você conseguiu me conquistar mais uma vez, Sr. Malfoy? – questionou, maliciosamente, beijando o pescoço do marido que sorriu a abraçando forte contra seu corpo.

— É claro que consegui Sra. Malfoy – afirmou confiante – Afinal, sou seu marido e você não conseguiria resistir a mim, por Merlin, eu sou perfeito – declarou presunçoso, mordendo a orelha da esposa, fazendo a própria suspirar forte, sentido o corpo logo corresponder às carícias do marido. 

— Você é muito confiante, Malfoy – comentou, buscando pela boca dele – Tem mais coisa que você quer me contar – acrescentou, buscando pelo olhos cinzas, que realmente escondiam algo – Vamos, amor. Eu quero toda a verdade – completou, acariciando os cabelos do loiro.

O sonserino suspirou forte e sem alternativa, lhe contou que saiu de casa e do encontro com Astoría e de forma engraçada, contou sobre a crise de ciúmes dela própria, mesmo que com 17 anos.

— Pelo menos uma coisa é certa. Você sabe marcar território - caçoou, vendo a expressão de raiva da mesma.

— Eu não estou acreditando que você saiu de casa, Draco – disse totalmente magoada com a atitude do marido – E ainda por cima, Astória foi atrás de você – acrescentou, saindo dos braços do loiro.

— Amor, calma okay? Está tudo bem agora, não se preocupe com isso – tentou fazer a mesma esquecer o ocorrido – Eu voltei para casa, afinal. – explicou relembrando da noite anterior.

— Nunca mais se atreva a sair dessa casa, escutou bem? – disse, o olhando fixamente.

— Nunca mais vou sair, eu prometo – ele afirmou a abraçando com força.

(...)

No horário da tarde, Hermione e Draco se separaram e cada um seguiu para seu destino. Ele foi até a casa de Theo, pegar sua mala afinal, voltará para casa em menos de 24 anos. E Hermione foi até a casa da amiga, agradecer por ela ter ajudando a si, mesma quando se encontrava confusa com toda circunstância que estava passando.

Ginna Potter, a recebeu e a abraçou forte, quando notou que a amiga finalmente tinha voltado.

E quando foi pressionada pela castanha, teve que contar o motivo real da saída do marido de casa; Ronald Weasley se aproveitou o momento de confusão que ela própria passava para confundi-la ainda mais e agora, possessa com a ousadia do ex-namorado, seguia pelo Ministério da Magia, a procura do ruivo.

Estava na hora do acerto de contas. O encontrou, e quando ele a viu sorriu confiante, achando que se tratava de Hermione. Sua Hermione com 17 anos e quando abriu os braços para recebê-la, um tapa em sua face o acertou em cheio, fazendo barulho.

— Como teve a ousadia de se aproximar de mim, depois de tudo que fez? – perguntou, irada, o olhando fixamente e raivosa.

Ronald alisou a própria face. O tapa doera.

— Estou vendo que está de volta, Hermione – explicou ciente de a mulher a sua frente era, Hermione com 26 anos. Uma mulher totalmente apaixonada pelo marido e pelo filho.

— Sim, eu voltei – afirmou – Você passou dos limites, Ronald – acresceu – Onde está sua dignidade? Como teve a coragem de aproveitar o meu momento de fragilidade para tentar me persuadir a me separar do meu marido? – perguntou, tentando avançar sobre o ruivo mais uma vez, no entanto, Harry a conteve.

Apesar de confuso com a explosão da amiga, correu para ajudá-la. Quando notará a confusão que se formava e que várias pessoas, os olhava com curiosidade e choque. Afinal, Hermione Granger nunca perderá a cabeça assim, antes.

— Eu tinha que tentar alguma coisa para te ter de volta, Hermione – tentou explicar – O destino estava me dando uma segunda chance e eu tinha que aproveitar – completou – E ela ainda me ama – comentou, se referindo a Hermione com 17 anos.

— Ela ainda te ama, por que não sabe das suas falhas, comigo. Dos seus erros – explicou – Da sua quase traição - comentou – Da sua falta de confiança em mim, dos seus ciúmes absurdos, desconfianças sem sentido e principalmente da sua vontade de querer me impedir de trabalhar – explicou com lágrimas nos olhos, o olhando – Você massacrou todo meu amor por você e não tem o direito de tentar concertar agora, depois de anos – completou, se afastando. 

Ronald a escutou em silêncio, se sentido o pior dos homens. Ela estava certa, como sempre. Perdeu-a por orgulho bobo, perdeu-a por que não soube lidar com vários homens, sempre a cercando, flertando com ela. E principalmente, por que sabia que ela era superior a ele, em todos os sentidos e isso o fazia, se sentir menos homem.

Harry Potter conseguiu arrastar a amiga para longe do cunhado e depois de acalma-la, ligou para Ginna, pedindo para que ela fosse imediatamente para a casa dos Malfoys. Depois de conseguir acalma-la, se concentrou e aparatou na sala. Ginna já estava lá e Draco tinha acabado de chegar.

O loiro correu para a esposa, abraçando-a forte, enquanto ela lhe pedia desculpas pela traição suposta e ele somente a confortou, dizendo que estava tudo bem. E no final de tudo, o sonserino e Ginna, esclareceram toda a história ao moreno. Harry estava chocado, no entanto, começava a entender os momentos de devaneios da amiga e um pouco da sua mudança no visual, e um pouco dos momentos atrapalhados no Ministério da Magia.

Quem esteve lá, o tempo inteiro era, Hermione com 17 anos.

— Mais é agora? – finalmente perguntou, olhando para a amiga – Draco, a Hermione do passado se apaixonou por você? – questionou se voltando para o sonserino.

— Sim – afirmou, observando a careta da esposa – Está com ciúmes de você, mesma? – perguntou divertido, dando um selinho nela, que apenas desviou o olhar em seguida.

— Não estou com ciúmes de mim, mesma – acrescentou – Só que é bizarro, saber que outra garota esteve aqui – comentou – Mesmo que tenha sido meu corpo e meu eu, com 17 anos – completou, voltando a olhar o marido.

— Hermione deve estar muito confusa – a ruiva comentou – Só espero que ela faça a coisa certa – comentou e todos concordaram com a cabeça.

— Ela vai dar um jeito, afinal, ela é a sabe-tudo – Draco comentou, sorrindo para a esposa, que sorriu para ele.

Algum tempo depois, Ginna e Harry foram para casa, deixando o casal sozinho. O casal se encontrava, revendo algumas fotos, desde o começo do namoro ao casamento.

E observou uma foto em especial; Ela e Anthony, deitados, encostados em uma árvore.

— Essa foto ficou muito bonita – comentou, notando o olhar amoroso e protetor que ela própria com 17 anos, dentro do seu corpo, tinha sobre o filho.

— Sim, você se encantou por ele, desde o primeiro momento – comentou, sorrindo – E é claro, também não conseguiu resistir a mim – completou orgulhoso, sorrindo maliciosamente.

— Draco, eu estou com medo – confessou – Estou com medo, do que vai acontecer comigo no passado e com receio que a gente chegue a não acontecer no passado – completou com lágrimas já escorrendo por seus olhos. 

O sonserino entendia o medo dela e também temia isso.

— Vai ficar tudo bem, amor – comentou – Você vai dar um jeito – comentou confiante – Você sempre dá um jeito – completou a abraçando forte, lutando contra as lágrimas também.

Seu futuro, agora nesse momento, estava nas mãos de Hermione. Só ela poderia decidir se iria procura-lo e lutar por ele. Agora era a hora de Hermione Granger tentar conquista-lo. E Merlin, ele implorava para ele, próprio do passado, ceder e se render ao amor que sempre nutriu pela castanha. Ele precisava ceder pelo seu próprio bem e por causa da sua felicidade.

 – Ohh, Merlin, por que eu fui fazer aquele pedido idiota – se culpou, chorando ainda mais enquanto temia por seu futuro ao lado do marido e do filho. – Só espero que não seja tão difícil conquista-lo, Malfoy – comentou, limpando as lágrimas.

— Bom, pelo menos, eu não vou tentar lhe dar um soco, quando você me elogiar – brincou, relembrando o primeiro elogio que fez a castanha, quando a reencontrou na cafeteria. 

— Ora, você me elogiou, perguntando o que eu tinha feito com meus cabelos de vassouras, Malfoy – brincou, se aconchegando contra ele – Ela vai conseguir conquista-lo, tenho certeza disso – comentou confiante, analisando seu anel de casamento.

— Fico feliz que esteja tão confiante. Mas afinal, de onde vem tanta confiança, Sra. Malfoy? – perguntou curioso.

— Por que, ela percebeu que seu coração é nosso, por mais que você tente negar – comentou, colocando a mão no peito dele – E segundo motivo; Hermione Malfoy é muito sexy de se pronunciar – completou, sorrindo, quando ele ficou por cima dela, olhando-a fixamente.

— Concordo plenamente com isso; senhora Malfoy – concordou, beijando-a nos lábios, e em meio ao beijo, ambos se declararam, enquanto se entreolhavam nos olhos.

— Eu te amo – disseram juntos, voltando a se beijar apaixonadamente, torcendo nos seus pensamentos que Hermione do passado, conseguisse domar o Bad Boy do mundo Bruxo; Draco Malfoy.  

Ela precisava conquista-lo, para que o futuro deles, acontecesse, como aconteceu. 


Notas Finais


E então, o que acharam do capítulo em si? Criticas? Elogios, sugestões, fiquem a vontade. Me falem um pouquinho sobre o que esperam na segunda parte, okay? Beijo e até breve!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...