História ◆ Um Amor Psicopata || YoonMin ◆ - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Amor Proibido, Assassinato, Bts7, Crime, Fuga, Jinseok, Perseguição, Sacrifício, Vmon, Yoonmin
Visualizações 351
Palavras 1.984
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Capítulo: Jovem encapuzado

Capítulo 17 - XVII: Young hooded


~Flashback: On~

   Mais uma vez lá estava ela, recostada sobre a parede de seu quarto escuro e sombrio. Sua irmã mais nova por cinco anos, Yang-Mi, permitia-se desabar em lágrimas enquanto a Seo mais velha a abrigava em seus braços. As desavenças de seus pais a deixavam preocupada, assim como a irmã.

   Era sempre a mesma coisa, já havia virado rotina. Seu pai chegava de seu trabalho estressado, descontava em sua madrasta e a briga começava. A ruiva ficava preocupada pois, sua madrasta era titulada a mãe que não tiveram. Gentil, amiga, carinhosa, divertida, amorosa e "mãe". A bela mulher de cabelos longos e escuros, pele clara como neve, traços delicados e sorriso diamante sempre saía com hematomas anormalmente roxos por todo seu corpo, e seu medo era que, algum dia poderia acontecer algo muito pior do quê agressões.

– VAGABUNDA!

   Passavam das duas da manhã e o barulho não sessava. Coisas caindo, gritos de suplico, xingamentos estéricos. As Seo estavam exaustas de pernoitar por motivo de brigas entre seus responsáveis. Tudo ocorria freneticamente até...

   Tudo acabar.

   O silêncio reinava na casa de maneira extraordinária. As Seo estranham, porém, nenhuma ousa se deslocar de onde estavam. A porta é aberta, assustando as jovens, que tranquilizam-se apenas quando a figura de sua madrasta é amostra.

– Precisamos ir!

– M-Mas... - a pequena dizia, na tentativa de argumentar – O que aconteceu? Você está bem? Cadê o papai? - sua voz saía falha por conta do excesso de choro.

– Não temos tempo para explicações, meu anjo. Temos que sair daqui o mais rápido possível - chega perto das, pegando em seus braços e correndo até a porta.

   As três descem as escadas com rapidez, caminhando para fora da residência. A correria sem fim as leva a boca de uma ruela pouco iluminada.

– Não podemos seguir o mesmo rumo. Seu pai vai vir atrás de mim e não quero pôr vocês em risco - sorriu tristonha com lágrimas em seus olhos.

– Não Unnie! Não podemos nos separar! - Jihye reclamou.

– Será preciso, mas não se preocupem, logo estaremos juntas de novo - dito isso, beijou as testas das garotas. Em seu bolso, um papel que logo fora entregue a Seo Jihye – Corram, este endereço não fica tão perto daqui, então cuidado. Amo vocês - acena, e sem deixá-las responder qualquer coisa, anda rapidamente na direção oposta.

   Elas começam a seguir seu rumo. As ruas escuras de Incheon assustavam ambas as meninas, nem um cachorro passara na rua a este horário. No caminho, puderam escutar passos na parte traseira de seus torsos. Por isso, decidem marchar com mais velocidade.

– Mãos para o alto! - mas, era meio tarde demais.

   Ao ouvir, a ruiva engole a seco e respira fundo. Um homem mascarado, alto, com uma arma apontada para as mesma. O rapaz empurra-as, adentrando o beco em que estavam em frente. O cara olha-as dos pés a cabeça, sorrindo maldoso.

– Tire a roupa - ordenou com marra em sua voz.

– Como é?! Quem você pensa... - tenta argumentar a mais velha, sendo interrompida por um tapa em seu rosto.

– Eu mandei tirar a roupa, vadia!

   A garota, sem mais resmungos, apenas o fez com uma cara nada boa. Já despida, vira o ladrão aproximar-se vagarosamente, pegando a si pela cintura. Com nojo da ação, a ruiva tenta afastá-lo de todo feitio, porém, o homem ainda sim não a soltava. Pequena Yang-Mi estava em desespero, entretanto, muito fraca para fazer algo. O criminoso havia dado-lhe um calmante de forte efeito, mantendo-a acordada mas, sem seus movimentos. Ela pensava que ali seria o fim de sua virgindade, contudo, algo acontece.

   Fazendo o homem tombar contra o chão com força.

   As garotas olham para o lado, um jovem encapuzado. Seus traços foram amostras logo ao capuz ser removido de sua cabeça. Pele clara, excesso de tatuagens, piercing em suas orelhas e nariz e por último, e não menos importante, rosto perfeitamente desenhado. Beleza em formato de ser humano era este. Jihye, por um momento, esquece de sua nudez, sendo recordada pelos olhares de soslaio e envergonhados que o garoto dava a si.

– Vocês estão bem? - pergunta, ao aproximar-se completamente.

– S-Sim, estamos. Obrigada... - Seo solta ruborizada, atraindo um riso soprado e mega fofo do outro.

   Aliás, outro adjetivo: Seu sorriso é exageradamente maravilhoso.

– Como você... se chama? 

– Park Jaebeom - o rapaz respondeu sorrindo ladino – Você ruiva, como chama-se?

– Seo Jihye...

– Prazer, ruiva Jihye - sorriu abertamente. Ao notar a garotinha no chão, foi até ela – Esta é..?

– Yang-Mi! - a ruiva agacha em frente a irmã, vendo a mesma se sentar – Você está bem, Saeng?

– Sim Unnie, eu estou - tranquiliza a eles.

– Meninas lindas como vocês não deveriam estar na rua a esta hora - Park logo suspira – Venham, darei carona a vocês.

– Jaebeom, é sério, não pre... 

– Shh! - ele interrompe-a – Primeiramente, não gosto que me chamem de Jaebeom, prefiro muito mais Jay. E outra, eu não pedi sua opinião, eu disse que vou dar e pronto - ditou rapidamente sorrindo irônico, pegando as meninas e pondo em seu carro.

Bairro X, Rua Sky Blue, Nº 1001

   Jaebeom estaciona em frente ao casarão localizado no subúrbio da cidade. Ele ficara encarando o local por um tempo, oque deixou-as estranhando um tanto. Logo ele volta a seu consciente, olhando estas com um sorriso simpático.

– Bom, eu acho que é aqui que vocês ficam - ditou simplista – Espero ver vocês ainda por aí, ruivinhas.

Ambas riem descontroladamente baixo – Vamos nos ver sim, relaxa Jay Oppa. Agora precisamos entrar.

– Tudo bem, até qualquer hora.

   E assim, viram-o sumir de seus campos de visão. A seguir, uma dúvida veio à tona: como elas adentrariam a residência?

– Hye, como vamos entrar? - Yang-Mi, ainda tonta, questionou.

– Não sei bebê, mas vamos dar um jeito.

~Flashback: Off~

 

– E o resto, você já deve saber...

   Min impressiona-se com oque acabara de escutar. A ruiva mostra a jovem de doze deitada sobre seus braços, adormecida como um bebê. Yoongi não preocupava-se com seu parceiro, cuidava destes mais tarde. Sua preocupação do momento era convencer seu irmão de deixar as garotas residir em sua casa. Por mais que Kim fosse um garoto de bom coração, não apagava os fatos delas serem completas desconhecidas com intenções desconhecidas.

   As garotas estavam com camisetas de Taehyung como pijama, enquanto apenas não possuíam roupas. O pálido admirava as irmãs e notava suas semelhanças e diferenças. A mocinha adormecida assemelhava-se muito ao rosto da irmã, entretanto, seus cabelos tinham uma coloração de ruivo um tanto mais escuro, quase castanhos.

– Você e a sua irmã se parecem muito, diferente d'eu e meus irmãos, que não nos aparentamos em nada - comenta risonho, fazendo com que ela risse juntamente a si. Sua risada fofa era contagiante e soava como música aos ouvidos de Min.

– Sabe Oppa... achei que você fosse uma pessoa ruim por essa sua cara séria, mas, você é muito legal - sorriu abertamente, abraçando o pescoço do pálido – Obrigada, obrigada mesmo.

– Não tem nada - fala sincero, retribuindo ao carinho.

   Ambos sabiam os limites que os torsos poderiam alcançar, por isso, o abraço não perdurou muito mais que cinco minutos. Assim que desfeito, os jovens exibem sorrisos abertos e extremamente fofos. Yoongi sentiu-se bem por estar ajudando as garotas, afinal, não era costume seu fazer uma boa ação a alguém. Muito pelo contrário

   Seu Hyung, que estava no lado contrário do portal encostado na parede, o aguardava pacientemente. O rapaz pálido fecha a porta atrás de si e em seguida, dá de cara com Jinyoung, encarando-o como se houvesse cometido um delito.

– Min, isso vai dar merda. Você nem conhece essas meninas! - exclamou exaltado.

– Ah, você de novo com esses papos! Hyung, entenda uma coisinha... - andam até o começo do corredor, afastados da porta do cômodo – Elas não pretendem fazer mal algum! Estão, apenas, precisando de alguém que as ajude. E essa pessoa sou eu.

– Ah, claro - o mais velho revira os olhos, voltando a caminhar até o andar de baixo junto a Suga.

–Chegamos, Hyungs!

   Fodeu, Yoongi pensava repetidamente. As figuras presentes na entrada o trazia uma preocupação interna. Seus irmãos mais novos acompanhados de Namjoon, Hoseok e Mark naquela casa. O jovem observa cada um de seus movimentos calculadamente, até ser acordado de seu transe pelo mais óbvio, Taehyung.

– Yoongi! - chama estérico.

– Aish, que susto, Taehyung! - bufa fraco.

– Cruzes, Suga Hyung - riu debochado da cara de nada que o outro possuía – Olha, eu trouxe o pessoal.

– É, percebi - dá uma risada soprada e breve – Oi gente - se aproxima, abraçando de forma ladina sua Dongsaeng, depositando um selo em sua bochecha rosadinha.

– Olhem aquela cena! - Tuan exclamou, fisgando surpresa.

– Não acredito nisso - Namjoon continua rapidamente.

– Não, pera aí. Min Yoongi, açúcar azedo, sendo carinhoso? - Shin comentou, simulando indagação.

– Vai se foder, Hoseok - gargalhou, revirando os olhos rapidamente.

   E sim, por incrível que pareça, Shin e Min dão-se melhor do que antes. Muito melhor. 

   Já disse que Min é um ótimo ilusionista? Pois sim, ele é. Em meio da conversa com os amigos, entre risadas e palhaçadas, ele convoca seu irmão ao quarto deste, de maneira normalizada e sútil. Ao abrenharem o repartimento, o mais novo se surpreende com as presenças inusitadas que ali tinham. As duas garotas adormecidas na cama do quarto de hóspedes de sua própria casa. E quem seriam as meninas? Isso passava por sua cabeça.

– Hyung, quem... - é interrompido pelo irmão pálido.

– Calma, vou te explicar tudo - daí, começara a explicar a trajetória ao proprietário da casa. Detalhe, por detalhe, sem falta de nenhum. O Kim mais novo olhou-o espantado.

– Hyung! Se o Jay não estivesse lá, já imaginou pelo oque elas teriam passado?! - reclamou em baixo tom, olhando para as meninas – Você pretende ajudá-las realmente?

– É um dos meus desejos.

– Então, assim faremos - sorriu em direção ao pálido, fazendo este sorrir para si. Os irmãos se abraçam de maneira fofa e aconchegante.

   Yoongi classificava-se como abençoado, por ter o melhor irmão do mundo. Não havia ninguém como seus irmãos, ninguém

   Em algum momento, seu consciente concentrou-se em apenas uma coisa: Jaebeom. O mais velho era seu melhor amigo, além de parceiro no crime. E, este notou o quão brilhantes os olhinhos de Seo ficaram ao falar do rapaz. Por quê não aproximá-los?

 

~Kakao: On~

J.P

 

Me: Hyung!

J.P: Que é Yoongi?

Me: Nossa!
Boa noite pra você também Jaebeom

J.P: Boa noite amor da minha vida!
Opa, eu sou hétero né? Desculpe...
Agora fala que meu tempo é curto

Me: ¬¬
Tá bem...
Vem aqui na casa do Tae
Tua "ruivinha" tá aqui

J.P: É OQUE?
A Jihye tá aí?

Me: Tá ué '-'

J.P: Chego em 5 minutos

~Kakao: Off~

 

   Ele rira das palavras rápidas do mais velho. O que significava que, realmente, estava interessado na ruiva. Com Seo não era diferente, a garota também o queria conhecer melhor, pelo oque Yoongi entendia. Taehyung, que já entendia da situação, ria junto a seu irmão sem qualquer censura.

   Os dois direcionam-se as escadas, descendo a sala, onde todos ali estavam conversando, rindo, socializando. Min teve seu tempo tomado por isto, já Kim foi totalmente diferente. Assim que ia sentar-se ao lado do namorado, a campainha tocara e o som ecoou pela casa.

– Oi Jay! - o mais novo o cumprimenta, chamando atenção de todos além deste, que sorriu em troca.

– Oi Tae, oi gente - acenou rapidamente, adentrando o portal – Min, posso ver?

   O pálido logo entende o recado, e guia seu Hyung ao quarto do irmão. Ao abrir a porta com lentidão, o Park teve a visão da ruiva mais velha deitada logo atrás da irmã, abraçando-a enquanto dormia angelicalmente. Ele, sem perda de tempo, agacha em frente as garotas e acaricia cuidadosamente o rosto da mais velha, fazendo-a acordar aos pouquinhos.

– J-Jay?!

– Oi ruiva, que bom te ver de novo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


DEMOREI MAS VOLTEY !!
Desculpem, semaninha corrida essa ;-;
Mas, voltamos a rotina de sempre okay??

Comentem oque acharam do cap!! - desculpem o capzinhu sem imagem -.
Bem, eu acho que é isso - desculpem os errinhos -.
Byezin <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...