História ..:: We are boyfriends « JiKook » ::.. - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Mark, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V, Youngjae
Visualizações 440
Palavras 1.023
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Gente, aqui está o especial de mais de 100 favoritos *yay*!
Muito obrigado, sério, muito obrigado por tudo.
Enfim, podem ler :3.

Capítulo 7 - ..:: Capítulo seis - desabafo ::..


..:: Capítulo seis - desabafo ::..

Andar na areia quentinha sempre foi uma das minhas atividades favoritas e isso sempre me acalmava, desde que eu era pequenininho. Mas dessa vez eu não andava sozinho, tinha alguém ao meu lado; uma pessoa mais alta, mais forte e de cabelos morenos. Seu rosto? Não consegui identificar.

Nós estávamos felizes pelo menos era isso o que aparentava, enquanto que conversamos, brincávamos, riamos e sorrisos. O sorriso em meu rosto poderia ser visto a quilômetros; esse era um sorriso apaixonado.

A pessoa ao meu lado me chamou e então ficou de frente para mim. Ela ficou parada por um tempo, analisando meu rosto com o seu bem próximo ao meu, mas mesmo assim eu não conseguia vê-lo. Então após alguns segundos consegui escutar a seguinte frase:

Park Jimin, eu te amo!

*Beep, beep*

Acordei assustado com meu despertador tocando sua maldita música irritante, que infelizmente indicava de que eu teria de me levantar para ir trabalhar. Eu amava meu emprego, mas muitas vezes ele cansa. Porque tratar dos problemas psicológicos das pessoas é cansativo, mas a satisfação em saber que ajudei muitos é uma grande recompensa.

Suspirei após desligar o aparelho e levantei, indo direção ao meu armário, aonde me vesti com uma camisa normal, com um suéter preto com gola por cima, uma calça preta e um sapato também preto. Depois ajeitei meu cabelo, passando gel no mesmo e dividindo minha franja. Sorri ao me ver no espelho, peguei minhas coisas e então sai de meu apartamento.

Cheguei em meu consultório e franzi meu cenho ao ver as luzes apagadas. Era estranho ver o local escuro, já que minha secretária sempre chegava antes de mim e deixava tudo preparado. Claro, eu chegava mais atrasado devido ao trânsito, mas isso não vem ao caso.

— Aonde ela se meteu agora? — Resmunguei, abrindo a porta do local.

Caminhei até o balcão e vi um bilhete escrito em um papel de caderno preso no mesmo, pela letra cursiva redonda e bem caprichada essa com certa era a letra dela.

" Senhor Park, me desculpe, mas não poderei trabalhar hoje, porque meu pai sofreu um acidente e está em estado sério no hospital. Espero que me entenda. "

Suspirei, amassei o papel e o joguei no lixo. Então peguei meu celular e liguei para Eunbi, vulgo minha secretária.

— Senhor Park? Aconteceu algo? — Ela perguntou do outro lado da linha após atender.

— Não. Está tudo bem, Eunbi. Não se preocupe.

— Então por que me ligou?

— Liguei para ver se estava bem e para lhe dizer que pode tirar o dia de folga, irei fechar por hoje.— Falei simples.

— Oh, mas o senhor não tinha nenhuma consulta?

— Não, hoje estaríamos apenas abertos.— Suspirei.— Enfim, melhoras para seu pai.

— Obrigado, senhor Park.— Ela agradeceu gentil.

Eunbi podia ser meio atirada algumas vezes, mas ainda sim era uma garota gentil que apenas não havia encontrado seu par ideal. Ela era trabalhadora e as vezes se preocupava mais com o próprio emprego do que com a saúde pessoal. Realmente fiz uma boa escolha em contrata-la.

Desliguei o telefone e fiz bico, saindo do consultório após tranca-lo. Então fui para meu carro e liguei o rádio sem motivo algum. Uma música começou a tocar e eu comecei a dirigir em direção ao restaurante de Jin, batendo no volante com meus dedinhos no ritmo do som.

Cheguei ao restaurante do hyung e estacionei meu carro no estacionamento particular. Sai do veículo e entrei no local, recebendo um olhar confuso de Jin ao me ver lá tão cedo.

— O que faz aqui tão cedo, Mochi? — Perguntou se aproximando.

— Não irei trabalhar hoje, Hyung. Pensei em fazer uma visita já que o Hoseok e o Taehyung provavelmente estão ocupados.

— Oh, entendi.

— Hyung, posso te contar uma coisa...— Olhei para os lados.— Em particular?

— Claro! Vamos subir.

Subimos para o segundo andar, que era restrito para clientes do restaurante, e entramos na sala de Jin. Ele se sentou em sua cadeira e eu me sentei em uma qualquer que estava na frente de sua mesa. Então o Kim sorriu, apoiando o rosto com as mãos em um jeito que dizia algo como "fale logo".

— Então, ontem na cafeteria eu acabei esbarrando em um policial e derramando meu café no chão.— Comecei.— Esse policial era bonito, muito bonito, põe bonito nisso, mas ele estava agindo estranho.

— Como?

— Ele sabia meu nome, hyung.

— Mas isso é normal, você tem a reputação de um dos melhores psicólogos daqui!

— É, eu sei. Mas ele não sabia apenas o meu nome, ele me conhecia mesmo!

— Como assim?

— Ele sabe que gosto de usar roupas femininas, Jin! — Sussurei.

— É, ele te conhece mesmo.

— Enfim, quando nos encontrarmos após ele dizer meu nome começou a chorar. Eu achei estranho, mas não tão estranho quanto ele me puxando para a mesa e falando uma coisa que me deixou perplexo.

— O quê? O quê? — Perguntou ansioso.

— Ele primeiro perguntou se eu não lembrava dele; respondi que não. Então eu perguntei se deveria; ele falou que sim. Ai acabei perguntando o porquê de dever lembrar dele e ele falou as seguintes palavras: " Deveria. Porque nós éramos namorados."

— Não pode ser…— Jin falou, olhando para um canto qualquer e mordendo seu lábio inferior nervoso.

— Pois é! Eu nunca namorei. Ele ainda disse que quando nos despedimos foi muito doloroso para nós dois e que acabou sabendo que vocês me levaram no psicólogo. Ah, ele me pediu para lhe dar uma chance de relembrar o meu passado e eu burro fui lá e aceitei a proposta.

— Qual era o nome dele?

— Jungkook, Jeon Jungkook. Por quê?

— Porque ele realmente era seu namorado.

Comecei a rir e me levantei da cadeira, colocando minha mão em minha barriga que chegou a doer pelo riso. Jin me olhava confuso, tentando entender o porquê de minha reação. Então eu me recuperei e voltei a sentar.

— Até você, hyung?! O que você e esse louco tem, ein?

— Jimin, confie em mim, vocês já namoraram. Não posso te contar o resto por enquanto, porque acho melhor ele lhe contar tudo, já que vocês eram muito unidos. Então por favor, de uma chance a Jungkook.


Notas Finais


Mais uma vez muito obrigado aos mais de 100 favoritos e pelo apoio que vocês estão me dando. Sério, amo vocês!

~ Chu 🐥♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...