História 10 Dias Com Ele - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 550
Palavras 2.344
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 9 - Quinto dia


 

10 Dias com Ele


          Eu não acredito que isso estava acontecendo, e o pior é que eu não tinha forças para parar. Era bom demais, nunca me senti dessa maneira. Um desejo forte se apossou por todo o meu corpo ao sentir suas mãos apertarem minha cintura.
 
            Seria idiotice minha se eu dissesse que em plenos 19 anos eu ainda era virgem? e só avia  beijado  2 garotos? pois é verdade, eu sou uma vergonha para espécie feminina. Mais isso não importa agora, o que esta me matando é esse beijo enlouquecedor que esta mexendo com todos os meus sentido. 

Senti suas mão descerem para minha coxas e ele aperta-las acabando com o beijo e descendo os beijos para meu pescoço. Arfei inalando seu perfume que era delicioso, por favor senhor me livre dessa tentação. O que eu estou fazendo? eu odeio esse cara e estamos quase nos comendo encima dessa mesa.

Voltei a realidade quando ele levou as mãos a minha blusa começando a levanta-la, e com todas as forças que me restaram eu o empurrei o fazendo dar um passo para trás e me olhar ofegante.

Aquilo com certeza foi a pior vergonha que já passei na vida, tenho certeza que meu rosto esta dar cor de um tomate, e em falar em tomate eu quero distância desse legume ou fruta seja lá o que isso for.

Ele me olhava com uma expressão confusa e irritada? eu não consigo entende-lo, e agora estou me sentindo muito mal por aquele beijo, por que eu gostei e isso é a pior loucura que eu já fiz.

Ele passou as mão no cabelo nervoso e quando eu abri a boca para tentar falar algo ele saiu a passos rápidos da cozinha. Mordi os lábios com força me sentindo usada, respirei fundo tentando me acalmar e desci da mesa colocando uma mão nos lábios. O que foi aquilo? se eu não o tivesse parado nós iriamos ir além de um beijo.

 — Ele não tinha o direito de fazer isso. — Murmurei e olhei para  a lasanha em cima da mesa, antes eu estava tão feliz e louca para come-la, mais agora a via perdido a fome.

Fui até a geladeira e peguei uma jarra de água colocando um pouco em um copo e bebendo logo em seguida, na tentativa de me acalmar. Fiquei um tempo perdida em pensamentos e resolvi ir dormir, é claro que guardei a lasanha na geladeira para amanhã só esquenta-la.

Apaguei a luz da cozinha e fui a passos lentos em direção ao meu quarto, quando passei em frente ao quarto dele meu coração acelerou e eu balancei a cabeça entrando no meu quarto que ficava do outro lado uma porta depois da sua.

Tirei minha roupa colocando um pijama e me deitei na cama com o pensamento longe. Por que ele fez isso? pensei que não gostasse de mim. E não gosta, ele só pode ter feito aquilo para brincar com os meus sentimentos, ele é um idiota sem coração.

Apertei os olhos com força tentando esquecer, eu estou com vontade  de desistir disso tudo e ir embora, eu nem sei por que ainda estou aqui. 

— Isso já esta passando de todos os limites. — Sussurrei me deixando levar pelo sono.

 

 Senti sua mão subir minha blusa a tirando do meu corpo, ele beijava com voracidade e me apertava cada vez mais contra seu corpo.
              — Eu quero você — Ele sussurrou no meu ouvido e desceu os beijos para meu pescoço o chupando.
           Levei as mãos ao seus cabelos os puxando com força e ele passava suas mãos por todo meu corpo me fazendo sentir um fogo se espalhar por inteiro.
          — Sasuke — Gemi seu nome quando ele apertou minhas nádegas e levou a mão ao zíper do meu short.
            — Você vai ser minha hoje. — Ele disse me olhando profundamente.

 

Me sentei rapidamente na cama colocando as mãos na cabeça e respirei fundo fechando os olhos. Eu não acredito que eu estava sonhando com ele, se acalma Sakura isso foi só um pesadelo.

— Preciso de um banho. — Me levantei e corri para o banheiro para tentar tirar essa sensação diferente que esta tomando meu corpo, mordi os lábios me lembrando do seu peitoral definido e me dei um beliscão.

— Fica calma Sakura, isso vai passar, é só loucura da sua cabeça. — Disse pra mim mesma entrando debaixo daquela água gelada. Precisava esfriar a cabeça e tinha que ser com água gelada.

Já de banho tomado eu vesti um short jeans branco e uma blusa vermelha de alcinhas. Calcei uma rasteirinha e prendi meus cabelos em um rabo de cavalo. Respirei fundo e consegui coragem para sair do quarto, estava com medo de encontrar com ele.

Passei pela porta de seu quarto e ela estava fechada, desci as escadas e não o encontrei na sala então fui a cozinha e ele também não estava lá.

— Menos mal. — Murmurei e fui até a geladeira e peguei minha lasanha a colocando no forno para esquentar.

Peguei uma jarra de suco de laranja e coloquei um pouco em um copo, depois peguei um prato e talheres. Quando a lasanha a via esquentado peguei um pedaço e comecei a comer perdida em pensamentos. Aquilo não iria sair da minha cabeça tão cedo, não sei por que tudo isso, foi só um beijo.

Depois de algum tempo em silêncio eu estava terminado de comer a lasanha quando escultei passos entrando na cozinha. Prendi a respiração e senti meu coração parar quando seu perfume se espalhou por toda a cozinha. Juntei todas as minhas forças e voltei a comer normalmente, escultei os passos passarem por trás de mim e apertei o copo em minhas mão com força.

Não consegui evitar e o olhei de canto de olho, ele estava em frente a geladeira com sua costumeira calça moletom preta e sem camisa, seus cabelos estavam bagunçados e molhados. Ele não estava com uma cara nada boa, mais isso não é novidade.

Me levantei da mesa e peguei o prato e o copo sujo indo até a pia que ficava próximo a ele. Escultei algo cair no chão e olhei para ele vendo o mesmo se abaixar soltando um resmungo e começar a pegar os cacos de vidro do copo despedaçado. Como ele deixou aquele copo cair?

— Merda — Ele praguejou quando cortou o dedo e em um ato impensado fui até ele me abaixando a sua frente tentando ver o seu corte. 

— Deixa eu ver. — Disse tentando pegar sua mão mais ele se afastou de mim.

— Eu não preciso da sua ajuda. — Ele respondeu curto e grosso indo em direção a pia lavando o corte.

Respirei fundo me levantando, isso que da ser legal Sakura você acaba levando patadas. Entortei os lábios e cruzei os braços tentando manter a calma, eu não vou ficar levando patadas a toa desse idiota.

— Tudo bem faça o quiser, mais saiba que eu não tenho nada a ver com sua vida então não venha descontar os seus problemas em mim. — Disse séria e ele desligou a torneira se virando e me encarou nos olhos me fazendo lembrar do sonho quente que tive com ele, corei e vi o olhar dele descer para meus lábios.

— Me deixa em paz. — Ele disse e saiu a passos pesados me deixando feito uma idiota para trás.

Como ele pode agir dessa maneira depois do que aconteceu ontem? ele fingiu que nada aconteceu e me tratou da mesma maneira de sempre, com arrogância. Contei até dez e voltei para a pia terminando de lavar minha louça suja.

Quando terminei sai da cozinha e fui até a entrada da casa, saindo da mesma e indo em direção a praia. O sol estava quente mais isso não me impedia de ficar sentada na areia olhando as ondas do mar que estavam agitadas. 

Soltei um suspiro e balancei a cabeça, isso é demais para mim. Não sei se conseguirei suportar ficar mais um dia nesse lugar. 

Olhando para aquele imensidão azul, as memórias da minha família vieram a minha mente. Apertei os olhos com força me lembrando do sorriso da minha mãe e das brincadeiras do meu pai, como eu era a única filha eles me mimavam muito principalmente meu pai.

Sem ao menos perceber as lágrimas já caiam dos meus olhos, eu sinto tanta a falta deles, eu vive como um robô todos esses 5 anos. Teve um tempo que eu tentei me matar de todas as maneiras possíveis, quase pulei de uma ponte mais Ino conseguiu chegar a tempo e me salvou. Depois só me restou ter que me conformar, a vida não dura para sempre e tentar me matar seria em vão, não iria os trazer de volta.

Mordi os lábios com força e limpei minhas lágrimas, eu prometi que nunca mais iria chorar. Porem hoje eu não estou bem, a tristeza me pegou legal e eu não sabia o por que.

Depois de um longo tempo perdida em pensamentos dei um suspiro e olhei para o lado parando o olhar naquele arrogante. Ele estava parado a alguns metros de distancia de mim com as mãos no bolso olhando para o mar. O que ele fazia aqui?

Senti uma determinação me invadir e me levantei tirando a areia da minha roupa e marchei a passos pesados em sua direção. 

Ele me deve uma explicação, não pode simplesmente me beijar e depois me tratar mal fingindo que nada aconteceu. Ele não pode me usar daquela maneira, não pode.

Em questões de segundos já estava parada em sua frente o olhando séria, ele desviou o olhar do mar e olhou para mim com nenhuma expressão no rosto, já eu estava de braços cruzados e o fuzilava com os olhos. 

Ficamos nos encarando por um bom tempo, ele era intimidador e eu não conseguia o decifrar, então perdi a paciência abrindo a boca e pensando em milhares de insultos.

— Você é um babaca. — Foi tudo o que eu consegui dizer, ele arqueou uma sobrancelha e seu olhar ficou frio.

— Não te perguntei nada. — Ele respondeu seco e entortei os lábios.

— Mais eu vim aqui lhe dizer tudo o que esta entalado na minha garganta e você vai me ouvir. — Disse alterando o tom de voz.

— Guarde pra você. — Ele respondeu me dando as costas mais eu fui mais rápida e corri entrando em sua frente o fazendo parar quando quase trombou em meu corpo.

— Você é um covarde, arrogante, metido, você acha que pode fazer o que quiser com as pessoas? Eu não vou ser usada por você esta me ouvindo? você acha que pode simplesmente me beijar e depois me ignorar como se eu não fosse nada? qual o seu problema? — Disse perdendo minha paciência e ele se aproximou de mim deixando nossos corpos quase colados.

— Quer saber qual é o meu problemas? — Ele praticamente rosnou na minha cara.

— Quero. — Respondi sentindo minha respiração descompassada com sua proximidade.

— O meu problema é você sua irritante, esta me deixando louco então lhe aconselho a não chegar perto de mim. — Ele sussurrou no meu ouvido e eu prendi a respiração o vendo passar por mim e ir embora.

Fiquei estática no lugar, o que ele quis dizer com louco? é melhor eu parar de pensar nesse ignorante ou eu é que vou ficar louca.

Andei até uma palmeira e me sentei fechando os olhos. Fiquei de olhos fechados sentindo o vento bater me meu rosto e acabei pegando no sono.

Abri os olhos assustada e me levantei, olhei ao redor e percebi que a via entardecido. Não acredito que dormir debaixo dessa palmeira. Quando me deitei ali não era nem meio dia, balancei a cabeça e comecei a andar em direção a casa. Iria tomar um banho e comer alguma coisa estava morta de fome.

Entrei na casa e fui direto para meu corto fechando a porta e peguei meu celular olhando as horas. Já eram 4 horas, eu não acredito que dormir sentada todo esse tempo.

Dei de ombros e tirei minha roupa entrando no banheiro, iria tomar um banho rápido pois estava morta de fome.

Depois de um tempo dentro do banheiro estava com o corpo cheio de sabão,  liguei o chuveiro para me enxaguar mais água não saia, tentei ligar de todo jeito mais nada, corri até a pequena pia que estava em um canto e liguei a torneira e nada de água também.

— Eu não acredito nisso. — Quase gritei pegando uma toalha e a enrolando no meu corpo ensaboado.

Sai do banheiro e comecei a andar em círculos pelo quarto, eu não posso ficar ensaboada preciso ver o que aconteceu com a água. Bufei e abri a porta saindo do quarto a passos duros, precisava tirar esse sabão do meu corpo odeio ficar toda lisa desse jeito.

Porem como a vida me odeia quando iria passar pela porta do quarto do arrogante a porta se abre e eu esbarrou com tudo em seu corpo nos levando ao chão. Ouvi um xingamento baixo e abri a boca ao constatar que estava em cima daquele idiota com o rosto próximo ao seu. 

Tentei me levantar mais estava com o corpo todo liso e ele também, acabei reparando que ele também estava molhado e ensaboado só de toalha. A vida esta conspirando contra mim? que palhaçada é essa? como esse idiota resolveu tomar banho na mesma hora que eu? só podem estar de brincadeira com a minha cara.

Ele desceu o olhar para meus seios que estavam quase pulando para fora, ai que vergonha senhor. Senti suas mãos apertando minhas cintura e o olhei de olhos arregalados. Seus olhos me fitavam de uma forma diferente e o olhando tão de perto as lembranças do nosso beijo invadi-o a minha mente.

— Eu falei pra ficar longe. — Sua voz saiu rouca e quando eu abri a boca para respondeu ele grudou a boca na minha começando a me beijar sem permissão. Que isso? ele é bipolar? e o pior é que não tinha como não corresponder a esse beijo avassalador que era bom demais. Eu me odeio.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...