História 10 Reasons Why Im Gone - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~Unicorn_n

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, Tao, V, Xiumin
Tags Baekhyun, Baekyeol, Bts, Chanbaek, Chankai, Chanyeol, Crossover, Drama, Exo, Kim Jongin, Kim Namjoon, Kim Taehyung, Min Yoongi, Novela, Nsei, Revelaçoes, Romance, Sekai, Yaoi
Visualizações 70
Palavras 2.885
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


ALOOOOOOOO

Então, alana aqui. GENTE. VAMO CONVERSAR AQUI BONITINHO GOSTOSINHO. Já temos 12 favoritos, estou jogada. Gente, eu li todos os comentários e os respondi com todo amor, ta? Eu amo que vocês comentem.

Esse capítulo está grandinho porque rola ~altas tretas~ e mostra a reação do chanyeol ao ouvir as fitas. Se preparem.

meu, eu revisei essa merda umas 454542124 vezes, então se acharem algum errinho se quer, NAO ME AVISEM eu vou ter uma síncope se ver qualquer coisa errada nesse capítulo. grata

no mais,
boa leitura!

Capítulo 3 - Fita 2 - Kim Minseok


Fanfic / Fanfiction 10 Reasons Why Im Gone - Capítulo 3 - Fita 2 - Kim Minseok

Oi, aqui é o Baekhyun, Byun Baekhyun. Ao vivo e em estéreo, sem compromisso de volta. Não ajuste o seu – seja lá o que estiver usando, apenas escute com calma, e descubra o que você fez pra ser um dos dez porquês. 

 

       Minseok era vizinho de Baekhyun desde que havia se mudado para Busan, quando tinha apenas cinco anos. Não fizeram amizade, já que o outro ficava em casa toda hora. O pequeno Kim pensou que o vizinho o odiava, então, passou à odia-lo também. Tinham tudo pra serem melhores amigos, se não fosse pela cabeça confusa de Kim Minseok. 

     

       Depois de anos, ainda não se falavam, e nem pretendiam. Já que ambos, com o tempo, passaram a se odiar de verdade. Faziam parte de grupos diferentes na escola, enquanto um era popular, o outro era o famoso nerd. Os dois não combinavam, e isso só ajudou o Minseok a fazer o que ele fez para ser a fita dois

                   

 

<><><><><><><><><> 

 

            

       Assim que Jongin acabou de ouvir as fitas, se sentiu culpado. Era muita coisa pra sua cabeça, informações demais, segredos demais. Levantou-se de sua cadeira, dirigiu-se até o banheiro que havia em seu quarto, lavou seu rosto e se encarou no espelho por alguns segundos pensando em tudo que estava acontecendo: desde o aparecimento das fitas até o momento atual; sentiu náusea, nunca havia  parado pra pensar em tudo que Beakhyun havia passado, tudo o que teve que fazer. 

            

      Dirigiu-se para fora do banheiro, indo até sua escrivaninha, recolheu as fitas espalhadas pela mesma, as guardando novamente em ordem na velha caixa de sapatos. Pegou sua mochila retirando os materiais que haviam dentro, preenchendo o vazio com a caixa e o aparelho; colocou a mochila nas costas e respirou fundo antes de sair do seu quarto. Desceu as escadas ainda em dúvida: deveria ou não entregar as fitas a Chanyeol? Deveria continuar a ordem, e entregar para o próximo? Se sentia sobre pressão, todas as alternativas de sua mente tinham consequências nada agradáveis. Porém, ele tinha que pagar pelo o que fez.  

             

       Decidido, avisou a mãe que iria sair e que não teria hora para voltar para casa. Saiu da residência e pegou seu skate, começando a se locomover até a casa de seu – ainda – melhor amigo.  

 

   Olá, Minseok. Bem vindo a sua fita. Acredito que não tenho que repetir as regras novamente, e se precisar, é só ouvir a primeira fita de novo. Muita informação, certo? Mas, ainda nem começamos! Ah... você irá se surpreender. Bem, vamos começar. Eu me lembro quando você apareceu pela primeira vez na casa ao lado da minha, e, olha só! Sua janela dava direto para minha. Eu não pensava que isso seria um estorvo no futuro...

               

       Jongin tentava de todo jeito tentar ir mais rápido com seu velho skate, porém parecia que o pedaço de madeira com rodas estava andando devagar naquele dia só de propósito, como se desse ao moreno uma chance de desistir, de voltar para trás. As ruas estavam desertas e as luzes dos postes faziam Kim ficar com um certo medo. Era tarde dá noite, todos estavam em suas casas, apenas ele e seus pensamentos que faziam companhia com o barulho das rodas do skate. 

              

       Assim que chegou na casa dos Park, tratou de tocar a campainha, esperando​ que alguém o atendesse rapidamente. Para sorte, a Senhora Park o atendeu, após escutar o estridente som dá campainha.  

              

       – Nini! Não sabia que iria vir, filho. Teria preparado algo! – começou, abraçando Jongin antes de puxá-lo para dentro de sua casa. – O Chanyeol está no quarto dele, querido.  

               

       Agradeceu com uma pequena referência antes de ir até o quarto do Park mais novo como um furacão. Abriu a porta sem ao menos bater, encontrando o mais velho deitado olhando para o teto, mas que logo levou um susto ao ter seu quarto invadido.  

               

       – Mas que porra, Jongin! – colocou a mão drasticamente no peito, como se tivesse acabado de sofrer um infarto. – E se eu tivesse batendo punheta, cara? 

               

       – Chanyeol, eu preciso de mostrar um negócio. – falou, enquanto trancava a porta do quarto – Eu recebi umas fitas hoje de manhã, antes de ir pra escola e.... 

               

       – Fitas? – se sentou na cama, passando a prestar mais atenção nos movimentos do seu amigo  

               

       – É, aquelas cassetes, sabe? – colocou a mochila em cima da cama, próximo a Chanyeol. Abriu a bolsa e retirou a caixa e o aparelho – Até aí 'tava tudo bem, né, se não fosse pela pessoa que me mandou elas. 

               

       – E quem te mandou? – perguntou, abrindo a caixa e observando seu conteúdo – Estão todas enumeradas... – murmurou,  

               

       – O Baekhyun.  

               

       Silêncio. Jongin colocava a primeira fita no aparelho, enquanto Chanyeol tentava pensar em algo que não fosse “O Jongin está louco” – porque não era possível! Baekhyun tinha desaparecido, não tinha? Como que ele podia ter mandado algo pra alguém, estando, pelo menos, à uns 2000km de Busan? Chanyeol não gostava nem de lembrar do dia em que chegou em casa e teve que depor sobre o sumiço do próprio namorado.  

               

       – Jongin, é sério... 

               

       – Chanyeol, eu te juro! Olha, ouça elas, e decida o que você vai fazer. Eu posso te ajudar se quiser, se você não me odiar..  – à ultima parte disse baixo o suficiente para que o amigo não ouvisse. Estava sendo bastante difícil entregar a própria sentença de morte ao Lúcifer, mas era preciso.  

               

       Deixou o outro e saiu do quarto levando apenas a mochila, deixando para trás os maiores segredos de Byun Baekhyun. Assim que Chanyeol vê a porta se fechando solta um longo suspiro, e se deita na cama com o aparelho em mãos, colocando os fones do mesmo, ainda com a indecisão que apertava o peito, apertou o play, ficando surpreso ao ouvir a voz de seu amado Baekhyun. 

 

 

              12 de julho de 2016, Busan Elementary School. 

              

       Baekhyun  chegou na escola cabisbaixo na tentativa de esconder as olheiras que adornavam seu rosto; caminhou apressadamente até seu armário sentindo os olhares caírem sobre si seguidos de risada. Tentou ignorar já que isso virou rotina após o acontecimento de meses atrás. Pegou os livros que iria precisar naquele dia, e fechou seu armário começando a caminhar até a sala onde teria aula de química no primeiro tempo, chegando na sala sentou-se e esperou dar horário enquanto rabiscava alguns desenhos aleatórios na última folha de seu caderno.

      

       Assim que o sinal bateu viu os colegas de classe adentrarem o local, e sua parceira entrar em meio a multidão. Logo que a garota o avistou, o olhou com cara de nojo, e automaticamente mudou seu percurso. Franziu o cenho, confuso com a ação repentina da garota. A viu indo até a mesa onde seu amigo Taehyung estava sentado com sua dupla, a menina de fios ruivos – parceira de Baekhyun falou algo fazendo o de madeixas castanhas se levantar recolhendo seu material e vir na direção do Byun, sentando-se na cadeira vaga ao seu lado.

 

       – Hoje serei sua dupla, Byun...murmurou, arrumando suas coisas em cima da mesa.

 

       – Por quê? O que aconteceu com a Soojung?indagou o mais velho direcionando seu olhar ao castanho. 

 

       – Você ainda não soube, ou está se fazendo de desentendido?  

 

       – Soube o que? – Baekhyun sentiu seu coração acelerar e Taehyung soltou um longo suspiro. 

 

       – Baek, tem um nude seu circulando pela escola...Baekhyun desviou o olhar de Taehyun, pegando sua mochila junto de seus materiais, saindo da sala esbarrando no professor que adentrava a sala. Caminhou rapidamente pelo interminável corredor até dar de cara com a sua foto em um dos murais da escola. 

       

      Queria gritar, queria pegar aquela foto e rasgá-la, e atear fogo se precisasse. Pegou a foto e a olhou, reparando num detalhe: o ângulo não era estranho, parecia que tinha sido tirada por alguém próximo a sua janela. Até que, uma lâmpada acendeu na mente do Byun: a janela da onde a foto tinha sido tirada, era de Kim Minseok 

 

      Naquele momento, Baekhyun  queria sumir, nunca ter existido, nunca ter entrado naquela maldita escola. Porém mal ele sabia que seus dias a partir daquele só iriam piorar. 

 

      Chanyeol ouvia cada fita com muita atenção, sentindo a raiva crescer dentro de si, a cada fita que rodava, sentia nojo daquelas pessoas; não acreditava que seu melhor amigo foi capaz de fazer aquilo com Baekhyun. Jongin era culpado de tudo – Chanyeol sentia repulsa, raiva, todos os sentimentos ruins possíveis. Não conseguia acreditar, nada fazia sentido, absolutamente nada.  

        

      Retirou os fones e suspirou, limpando com as costas das mãos algumas lágrimas que teimavam em cair. Era muita coisa para similar, para pensar.  

        

       Levantou-se e caminhou até sua cama, jogando-se nesta. Pegou seu travesseiro e colocou em seu rosto, soltando um grito mudo que estava preso em sua garganta – parecia que tinha ligado um interruptor. Chanyeol chorou como nunca; chorou por si mesmo, chorou por Baekhyun, pela sua amizade com Jongin. Sentia-se culpado pelo sumiço do Byun: como não tinha reparado que seu namorado estava definhando esse tempo todo? Não reparou nos sinais, nos olhos inchados e vermelhos, nas olheiras que a cada dia estavam mais aparentes...sentia-se burro, impotente, inútil. 

       

      Não viu quando acabou dormindo, com o rosto inchado e o travesseiro encharcado.  

 

Eu fico pensando no que levou você a fazer aquilo comigo, mas eu acho que depois daquele boato todo mundo dia um motivo para me odiar – só porque eu namorava um cara. A verdade é que eu nunca entendi como vocês não conseguiam aceitar uma forma de amor, mas eu sabia que na verdade tudo aquilo era inveja: inveja do meu amor com o do Chanyeol. Mas, Minseok...eu não te odeio, sabe? Sinto que na verdade você é um cuzão que tem medo do que os outros pensam de você e que queria ser meio mundo. Eu tenho pena de você, Minseok.

        

      Chanyeol acordou com batidas em sua porta, e sua mãe o avisando que se demorasse mais, iria se atrasar. Sentou-se em sua cama, soltando um gemido de dor. Estava morrendo de dor de cabeça, e todos os seus músculos doíam. Parecia que um caminhão tinha passado por cima de si e dado a ré.  

       

       Levantou-se e caminhou até seu banheiro, tropeçando algumas vezes por falta de atenção. Olhou-se no espelho, se assustando levemente ao ver o estado que se encontrava. Seu rosto estava inchado e seu cabelo apontava para todos os lados. Chanyeol quis rir de si mesmo.  

       

       Fez sua higiene matinal e caminhou até seu armário, onde pegou a roupa mais confortável que achou. Se vestiu e caminhou até sua escravinha; pegou seu celular, vendo que tinha milhares de mensagens de Jongin. Não leu nenhuma, estava irritado demais para responder qualquer mensagem que havia recebido. Checou o horário e pegou sua mochila, saindo de seu quarto.  

       

      Dirigiu-se até a porta e a abriu, gritando um "tchau!" para sua mãe. Surpreendeu-se um pouco ao sair de casa e não encontrar Jongin lhe esperando, porém logo tratou de retirar esse sentimento de falta que repentinamente tomou seu peito. Respirou fundo antes de caminhar até sua escola.        

       

      Não demorou muito para chegar até o prédio;  caminhou calmamente pelo jardim, ignorando todos os cumprimentos que eram dirigidos à si. Dirigiu-se até seu armário, a raiva subindo pela sua mente como um furacão ao ver Jongin conversando com Minseok. Não conseguia acreditar: ele ao menos não tinha se arrependido? Não estava com a consciência ao mínimo pesada? Chanyeol estava muito puto. 

       

       Percorreu até o Kim rapidamente, o empurrando, fazendo o moreno dar com tudo em seu armário, atraindo a atenção de todos presentes  não que isso importasse alguma coisa. Chanyeol estava muito irritado, mas sabia que na verdade aquele sentimento todo era só decepção, era tristeza. 

       

       – QUAL É O SEU PROBLEMA?  gritou para o outro  

       

       – Chanyeol, me escuta... 

       

       –  Não, não!  pegou o moreno pelo colarinho, o trazendo para mais perto  Você não tem noção de o quanto eu 'tô te odiando agora, Jongin.  

       

       – Chanyeol... –  murmurou, tentando acalmar o mais alto que parecia uma bomba relógio prestes a explodir. Sabia que merecia todo aquele ódio  é claro, mas Chanyeol ainda era aquele que sabia de todos os seus segredos, quem havia convivido por longos anos, com quem deu suas melhores risadas. Era difícil. 

        

       –  Cala a boca!  soltou o moreno, levantando seu punho, pronto para lhe dar um soco. O problema era que Chanyeol não conseguia; não queria. Não queria aceitar toda aquela traição, não queria acreditar. Seu coração dizia uma coisa, e sua mente, outra.  

        

      Minseok ria baixinho, balançando a cabeça. Era engraçado, tinha que admitir. Nunca gostou do mais alto, mesmo. E vê-lo daquele jeito, era algo bom demais  era algo que fazia bem ao Kim ver o mais alto tão inútil, impotente. Já tinha sido revigorante ver o namoradinho dele sofrendo, agora o outro, era triunfante! Ah, Minseok podia sentir o gostinho da vingança, o gostinho bom de ver os outros sofrendo. Ainda mais Chanyeol, que havia roubado algo tão especial de si... 

        

      Chanyeol, ao reparar que o mais velho ria, virou-se para este. Ao lembrar do que ele havia feito Baekhyun passar, o sentimento de raiva só aumentou. Aproximou-se dele e lhe deu um soco, seguido de vários. Não conseguia parar, ver o rosto de Minseok de cor vermelha beirando à roxo e os lábios sangrando, era algo prazeroso para si  sentia que estava vingando todo o sofrimento que ele fez seu namorado passar; sentia toda a dor de seu coração sair. Não conseguia ouvir Jongin gritando ao seu lado, nem os sons de seus dedos estralando a cada soco que dava no rosto de Minseok, nada. Parou com seus movimentos, sentindo as lágrimas voltarem.  

        

      Deu meia volta, começando a caminhar para fora da escola. Sentia seu pulso doer e seus dedos latejarem, mas apenas continuou andando. Limpou as lágrimas que insistiam em cair com a mão, sentindo seu rosto ficar molhado levemente com o sangue de Minseok que havia ficado em sua destra. 

        

       Porém, não viu quando o Kim mais velho correu atrás de si e lhe deu uma coronhada, fazendo Chanyeol cair no chão, inconsciente.     

    

 

 

<><><><><><><><> 

 

 

       Acordou com mais dor de cabeça do que quando abriu os olhos pela primeira vez naquele dia, e a luz era mais forte. Sentou-se, olhando em volta, percebendo que estava na enfermaria. Reparou também, que sua mão direita estava enfaixada, lembrou-se então do que o fez estar ali  não se arrependia nem um pouco, contudo. Olhou para a porta e viu Jongin entrando, com a cabeça abaixada e as mãos para trás. 

         

       O que você 'tá fazendo aqui, Jongin? 

         

       Só...escuta o que eu vou te falar.  pediu, se sentando na beirada da maca onde Chanyeol estava deitado.  

         

       Mas eu não quero te ouvir. Não depois do que você fez a Baekhyun. Do que você 'pra mim.  

         

       Por favor.  suplicou, ouvindo um suspiro vindo da parte do outro como resposta.  Eu estava muito estressado. Era época de prova e eu 'tava desesperado, precisava tirar nota boa naquela prova se não minha mãe me tiraria da escola. Então, eu pesquisei e descobri um comprimido que deixa a pessoa atenta, que ajudaria eu à estudar. Então, eu pensei no Luhan. 'Cê sabe, não é de hoje que aquele cara mexe com coisa estranha, então fui falar com ele, e, por incrível que pareça, ele tinha o tal remédio. Comprei dele e usei, e, cara, o negócio funcionava mesmo. Só que, a prova passou, mas eu não conseguia parar de tomar aquela merda. Eu comprava compulsivamente até que eu fiquei endividado com ele. E você sabe que o cara é barra pesada, e eu não queria aparecer numa valeta espancado. – engoliu em seco, sentindo como se tivesse um bolo em sua garganta – Então, ele me sugeriu que eu espalhasse aquele boato sobre o Baekhyun e... na época, eu não pensei duas vezes. Eu 'tava viciado, Chanyeol.  

           

       – MAS VOCÊ FEZ O QUE FEZ. – gritou, sentindo toda a angústia que havia saído de seu peito voltar. – Você destruiu a vida do Baekhyun, Jongin...  

          

       – EU SEI! Eu sei... Você não sabe o quanto eu ando me culpando por tudo isso, Chanyeol... Todo minuto, toda hora, eu só consigo pensar na merda que eu fiz. Mas eu não 'tava pensando direito! Eu 'tava desesperado, Chanyeol. – sentiu as lágrimas vindo, e nem ao menos tentou pará-las, Jongin não queria saber de nada. 

          

       – Você devia ter pensando nisso, quando espalhou aquela merda. Agora saiu daqui, Jongin. Por favor. – falou, desviando o olhar.  

           

       Jongin não relutou. Mesmo com o coração em mãos, saiu do quarto, derrubando-se em lágrimas assim que fechou a porta. Estava despedaçado, o sentimento de culpa o corroía, e ao ver o olhar de ódio que era direcionado à si, só queria nunca ter feito o que fez. Queria voltar ao tempo e nunca ter comprado aqueles comprimidos, nem ao menos espalhado aquele maldito boato. Pensando bem, se Baekhyun não tivesse entregado essas fitas, Jongin não precisaria ter entregado elas para Chanyeol. Estaria tudo bem, e a amizade dos dois como era antes. O Kim subidamente sentiu ódio de Baekhyun e desejou que, seja-lá onde Baekhyun estivesse, que nunca mais voltasse.

 

Aquela foto, na verdade, não foi a pior coisa que aconteceu comigo. E eu sei que você sabe de tudo o que rolou – não adianta mentir. A verdade é que, eu só queria que vocês sofressem como eu sofri, e que sentissem a angústia de ser humilhado só por amar.


Notas Finais


edit1: gente eu acabei de ver q na hora de postar o formato tá bonitinho mas qnd ele posta de vdd CAGA COM TUDO eu to mt pistola e nao vou arrumar ok


até sexta!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...