História 101 - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Monsta X
Personagens Hyung Won, I'M, Joo Heon, Ki Hyun, Min Hyuk, Personagens Originais, Show Nu, Won Ho
Tags Changki, Showheon, Showki
Visualizações 54
Palavras 686
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


A minha vida é uma merda, meu dia foi uma merda e eu só to atualizando essa fanfic pra tirar as ideias de fazer coisas ruins comigo

Capítulo 19 - Você vai pagar caro


O caminho foi tranquilo e Hyunwoo se pegou algumas vezes repousando a mão na coxa de Jooheon. Quando isso acontecia, o último corava e desviava o olhar para a janela que refletia um certo rapaz moreno se alternando entre prestar atenção na estrada e olhar diretamente para si com um sorriso dançando nos lábios.

Hyunwoo não sabia o que eles fariam dali para frente. Aquele sentimento estranho, que ele sabia o tempo todo que existia mas ao mesmo tempo achava improvável demais para alimentar e fazer com que crescesse, o fazia ter medo de perder aquele garoto de cabelos platinados e lábios em formato de coração sentado ao seu lado. Ele sentia medo de perder a amizade que eles construíram, caso o mais novo percebesse que não era aquilo que queria. Tão inseguro, mas ao mesmo tempo tão determinado de que ele realmente queria ficar ao lado dele por muito tempo ainda. E se Jooheon não o quisesse como algo a mais que um bom amigo, ele não reclamaria, porque ficar ao lado dele, segurando-o quando ele se sentia sem chão ou ouvindo a risada dele pelas piadas sem graça que contava já era mais que suficiente.

Após seguir o caminho que o mais novo indicara, chegaram à casa que mais parecia um castelo por seu tamanho. Eles entraram, cumprimentaram as poucas pessoas dali - no máximo 20 - que eram parentes próximos dos Lee e estavam ali aparentemente pela volta de Minhyuk, conversaram com o anfitrião, o pai de Jooheon, até que desse o horário para começarem o jantar naquela mesa enorme. Mas foi uma pessoa em especial que, de acordo com Jooheon, morava naquela casa agora, que adentrou a sala de jantar com seu queixo empinado e expressão dura como mármore, com os cabelos esverdeados impecavelmente alinhados, um terno que parecia custar mais que o carro que o Son usava delineando todo o corpo esguio. Quando Minhyuk se sentou à frente de Jooheon e sorriu para ele de uma maneira tão odiosa aos olhos de Hyunwoo, fazendo o platinado abaixar a cabeça e então o moreno pegou a mão dele por debaixo da mesa.

— Honey, você tá bem? O que tá acontecendo? — Perguntou baixo,  verdadeiramente preocupado, olhando no rosto que ficou pálido de repente e o menor forçou um sorriso.

— Tá tudo bem, hyung, não se preocupe.

Será que ninguém naquele recinto percebia que tinha algo errado?

— Oh, então vocês já trocaram apelidinhos carinhosos? — Minhyuk também falava baixo, abrindo bem os olhos se dirigindo à eles — você costumava me chamar de hyung também, não costumava, Jooheonnie?

Quando Jooheon abria a boca para responder Hyunwoo falou antes dele entre dentes:

— Qual é a sua, seu bastardo?

O outro Lee estalou a língua em reprovação.

— Você se mete muito onde não é chamado, e ainda por cima me insulta. Que rude da sua parte, grandão.

— Vai ver o quão rude eu sou quando eu acabar com a sua raça, seu rato imundo.

Aquilo pareceu finalmente tê-lo atingido quando o sorriso petulante deu lugar à uma carranca ofendida.

— Você vai pagar caro por essa ameaça, escute o que eu digo.


Já faziam quase quarenta minutos que tinha começado a comer, porém Jooheon ainda não tinha nem sequer tocado na comida. Foi quando Jaesung bateu na taça de champanhe com uma faca, atraindo a atenção de todos, dando um pequeno discurso sobre o quão bom era ter seu querido sobrinho de volta. O citado apenas se levantou, agradecendo o tio com um sorriso e tudo voltou a como era antes. Todos conversando alegremente, ocupados demais para perceberem que havia algo muito estranho naquele cara e o que quer que ele estivesse fazendo com Jooheon.

Até que ele saiu da mesa.

— Com licença — pediu educadamente enquanto fazia um movimento de cabeça e se virava para o Lee mais novo — primo, eu posso dar uma palavrinha com você?

— Jooheon, não… — pediu o Son em um sussurro suplicante.

Mas ele apenas tirou a mão grande que segurava seu braço com relutância.

— É claro, primo.

E seguiu aquela figura diabólica mansão a dentro, visivelmente desconfortável, fazendo o coração de Hyunwoo, já inquieto, se desesperar ainda mais.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...