História 11 de setembro - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Killing Stalking
Visualizações 10
Palavras 1.559
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Feliz dia das crianças um pouco atrasado.Fiquem com mais um capítulo.

Capítulo 9 - Entre e sonhos e pesadelos.


Fanfic / Fanfiction 11 de setembro - Capítulo 9 - Entre e sonhos e pesadelos.

Bum se deita na poltrona que tinha no canto do quarto de Sangue, encosta a cabeça e fecha os olhos, escuta Sangue dizendo que iria tomar seu banho, concorda balançando a cabeça ainda com os olhos fechados.Sangue bate a porta do banheiro, então Bum abre os olhos e sai caminhando pela casa para conhecer e dá de frente com a tal porta de novo, Bum vira a maçaneta, a porta se abre e ao entrar vê sangue em todo o chão, uma pessoa em cima de uma maca com o seu rosto e todo seu corpo tampado por um pano, se aproxima e puxa lentamente o pano, vê o rosto de Yang com seu corpo repleto de cicatrizes.

-YANG!! -grita o sacudindo o corpo.

-a curiosidade matou o gato.-diz Sangue entrando no mesmo quarto e batendo a porta.

-O QUE VOCÊ FEZ ?

-o mesmo que irei fazer com você.

Diz se aproximando, Bum vai indo para trás até seu corpo encontrar a parede, se encosta e cobre seu rosto com seus braços, até que escuta uma voz vindo de longe ficando cada vez mais alta e clara dizendo: "acorde,Bum", Bum acorda assustado na poltrona do quarto de Sangue, o vê tentando te acordar.

-Bum, está tudo bem ? Sai do banheiro e você estava gritando enquanto sonhava.

-foi um sonho ?-pergunta ofegante 

-foi apenas um sonho, o que você viu ?

-você estava naquele quarto e.. o Yang também só que morto e.. costurado e..tinha sangue por todo lado e..

-já que você está tão curioso eu vou te mostrar, vem cá.-diz Sangue indo até o quarto, abre a porta e entra.

-era exatamente assim no sonho, só não tem o sangue..

-e o Yang tacado morto aqui, já que você fala que fazer as cirurgias no hospital é errado eu achei melhor fazer meu consultório aqui.

-ah sim, continua me assustando.

-eu não irei tocar um dedo no seu amigo e muito menos em você.

-vamos dormir, acho que isso é sono.

Os dois se deitam e o assunto sobre o quarto é esquecido.Após algumas semanas o dia trinta de setembro chega, nesse dia o céu nasce cinza, sem vida, Bum abre os olhos e se levanta indo como de costume para a varanda, lá a única coisa que sentiu foi a fina chuva que começou a cair do céu pingar em sua pele, entra e repete a mesma rotina até chegar no seu escritório.Ao chegar abre a porta de seu escritório e vai até sua mesa se jogando em sua cadeira que estava ao lado, sente seu celular vibrar.

MENSAGEM ON

Yang:Bom dia Bum, como todo dia um de outubro gostaria que eu fizesse algo para te animar ou algo do tipo amanhã?

Bum:Bom dia Yang, obrigado mas meus planos para hoje e amanhã é só trabalhar mesmo.

Yang:se me vier algo em mente irei até ai, okay?

Bum:okay, mas peço que não se preocupe.Até.

MENSAGEM OFF

Bum avisa a mesma coisa para Sangue, pede para que o deixe sozinho hoje e amanhã, Bum começa a trabalhar ajeitando as coisas para que consiga sua folga e não atrapalhe seu trabalho quando voltar, liga para clientes, marca o necessário, pega informações e guarda em pastas diferentes para poder diferenciar e saber onde está tudo.São onze e cinquenta da noite, Bum está quase acabando suas coisas e se joga em um sofá que tem na sua sala dando uma pequena pausa, Yang passa de carro na frente da advocacia e vê que a janela do escritório de Bum sai luz  "-vou pegar algo para ele comer, trabalha tanto que não presta atenção" pensa Yang indo até uma lanchonete. enquanto Yang se afasta da advocacia Sangue chega, entra no local, vai até a sala de Bum e abre a porta.

-Sangue, o que faz aqui?-diz deitado.

-você disse que iria estar trabalhando e eu queria te ver, então vim.

-e eu também disse para me deixar sozinho.

-eu tentei não vir, só que eu não consegui, ficar um dia sem te ver deixa meu dia meio que incompleto-fala se sentando na mesa de Bum.

-Sangue,-se levanta se aproximando-só vá pra casa-fala puxando seu pulso.

-só saio daqui se for com você.-puxa sua cintura o colocando entre suas pernas, encostando seus lábios no pescoço de Bum.

-por que você é tão teimoso.

Sangue levanta sua cabeça para que seus olhares se cruzassem, Bum puxa a cabeça de Sangue dando vários beijos em seu rosto, Yang com a comida em mãos abre a porta e dá de cara com aquela cena.

-então esse é o trabalho duro, trouxe isso para você.-diz levando o saco até a mesa.-tenha um ótimo dia primeiro de outubro.-Yang se vira e sai rapidamente sem dizer mais nada, entra em seu carro e sai.

-por isso vim aqui também.

-pelo o que..- diz olhando para fora da janela.

-você sabe, vamos agora, estou com meu carro!

-ta falando do cemitério ? Está louco ? É muito longe para irmos de carro.

-eu não ligo, desde que isso te deixe melhor por mim tudo bem.

-ah Sangue-olha para o lado-não quero incomodar, estou cansado também, podemos ir amanhã a tarde.-diz enrolando.

-isso é medo ?-puxa seu pulso- apenas vamos, nada que for por seu bem me incomoda.-solta um lindo sorriso para Bum.

-está bem.-devolve o sorriso.

Os dois saem da advocacia, entram no carro e pegam a estrada, no inicio  do trajeto Bum cai no sono, Sangue não se importa e continua sozinho.Bum acorda com o barulho da porta se abrindo.

-Bom dia pequeno, daqui a pouco o dia irá nascer.-diz esticando um copo de café.

-Bom dia, eu dormi o caminho inteiro ?

-dormiu, parecia estar tendo bons sonhos.Vamos lá?

-vamos sim.

Abre a porta saindo do carro, seguem uma trilha,Bum fica dobrando a barra de sua blusa, Sangue percebe e pega sua mão para que ele não fique alimentando sua ansiedade "-calma" diz Sangue para ele, quando eles chegam na frente dos túmulos Bum aperta a mão de Sangue.

-vai lá..-fala Sangue soltando sua mão

-está bem-Bum se aproxima e se abaixa ao lado das lapides.-me desculpem por não vir mais,virei alguém muito fechada e arrogante quando cresci, deixei sentimentos em aberto que criaram feridas e me deixaram covarde, prometo que a partir de hoje não irei ser fraco, pois tenho o que me deixa forte ao meu lado-o sol nasce radiante, Sangue estende um par de rosas no ombro de Bum.-eu prometo que não irei me deixar cair tão fácil.

Bum coloca uma rosa sobre cada lapide e se levanta, seu estado mental estava estabilizado do jeito em que tanto sonhou.

-vamos ter que ir para casa de carro.-diz Sangue rindo.

-uma longa estrada pela frente.

-por mim tudo bem, você estará do meu lado, nada melhor para compensar.-Bum o abraça.

Os dois voltam para o carro e retomam a estrada, Sangue e Bum conversam a viagem toda, mesmo Sangue parecendo cansado não tirou o sorriso do rosto.Eles vão para casa de Bum, quando chegam são recebidos por Jieun.

-boa noite senhores.

-boa noite Jieun, irei tomar um banho se sinta a vontade Sangue.-diz Bum, pega sua roupa e vai até o banheiro.

-eu vou me deitar um pouco, Jieun.-diz Sangue entrando no quarto de hospedes e se jogando na cama.

-senhor OhSangwoo-entra no quarto e bate a porta-você é o único homem que eu vejo que o senhor Bum trás para casa e tem uma amizade.

-que legal, Jieun.-diz se virando.

-você é um homem preocupado e formoso.

-ah, muito obrigado-boceja.

-até demais, isso me deixou muito interessada-sobe na cama ficando sobre Sangue.

-pera, mas o que é isso.

-o Bum tem você perto dele, e eu vou roubar você dele.

-você está louca?-diz a jogando para o outro lado da cama.-que respeito é esse de chamar seu patrão pelo apelido.

-eu o odeio, sempre o odiei, amava quando meu pai judiava dele severamente, ele era o mais querido pela minha mãe e irmãos, sempre desejei sua morte mas isso não foi possivel.

-você é muito mau agradecida, agora entendo porque ele te trata desse jeito.

-me ame e se preocupe igual você se preocupa com aquele bastardo inútil.-revira os olhos.

-já que você me pediu com tanto gosto.

Sangue vai até o lado de fora da casa, pega um balde e o enche.

-JIEUN!-exclama.-vem cá-ela se aproxima-você parece com sede-puxa sua cabeça pelos cabelos enfiando sua cabeça dentro do balde-beba bastante água, mas tente não se engasgar.-Jieun fica se debatendo-disse algo.-levanta sua cabeça.

-por que ?-diz tossindo.

-ninguém tem o direito de falar algo ruim sobre o meu pequeno, bem vejo aqui que agora eu parti o seu coração..espere-Sangue vai até a cozinha e volta com uma faca.

-o que você.. ?

-ué. irei verificar seu coração para ver se está bem.

Pega a faca que estava em sua mão dando um golpe certeiro no peito de Jieun, sua respiração vai ficando lenta e de repente seus batimentos param, Sangue se deita ao lado do corpo, olha para o céu e acaba desmaia de sono.Quando acorda, Sangue consegue sentir um forte cheiro de mofo e vê apenas a escuridão quando se movimenta escuta barulhos de corrente vindo de suas pernas, e então que uma luz aparece e Sangue escuta as seguintes palavras.

-Eu te disse que veria você preso, só não disse onde.-risada.


Notas Finais


Hoje eu tava malvadona no azeite, então nada melhor do que isso.
Espero que estejam gostando, e um aviso meus jovens, o fim está chegando.Eu já estou pensando em uma próxima fic, Eren e Levi serão os personagens da vez, me falem se querem ou não.
até a próxima <33


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...