História 13 reasons why - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os 13 Porquês (13 Reasons Why)
Personagens Hannah Baker
Visualizações 7
Palavras 1.852
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Justin Foley.
👇
Jack Gilinsky.
IGNOREM OS ERROS.

Capítulo 3 - Fita 1 lado A/ ² parte.


Fanfic / Fanfiction 13 reasons why - Capítulo 3 - Fita 1 lado A/ ² parte.

Clay pega sua bicicleta e vai até a casa de Tony. Ele vê Tony e seu pai arrumando o carro. 

— Clay ? Você por aqui ? – Pergunta Tony

— Estava dando uma volta. – Desconversa

— Do outro lado da cidade ? – Tony arqueia uma sombrancelha.

— Pronto. Liga o carro. – Pai de Tony Comenta. Interrompendo a conversa

— Ah, não não. Deixa que eu ligo. – Clay deixa sua bicicleta de lado e entra no carro de Tony.

Clay liga o carro. 

— Eu não falei ? – Pai de Tony diz

— O barulho está diferente. – Tony Comenta.

Enquanto Tony e seu pai conversavam, Clay pega o tocador de fitas que estava no carro e coloca no bolso do seu casaco. Após sai do carro.

— Você viu ? A escola mandou outro e-mail para os pais. – Tony diz limpando suas mãos em um pano.

— Eu sei. – Clay junta sua bicicleta.

— Ainda sobre aquele assunto. –  Tony diz e depois cochicha algo com seu pai.

— Se você fizer o mesmo com sua mãe. Eu juro que mato você. E limpa isso. – Exclama pai de Tony e depois entra pra dentro de casa.

— E ele não disse sendo irônico. Nem um pouco. – Tony brinca com a atitude de seu pai. 

— Eu vou indo nessa. 

— Clay. Você tem algo que é meu aí. – Tony o encara sério.

— Tenho ? – Clay se faz de desentendido.

— Minhas chaves, cara. – Tony arqueia as sombrancelhas

— Ah. – Clay joga as chaves para Tony . — Até, cara. 

Clay vai para um lugar arbóreo. Se senta em um banco e coloca a fita para tocar.

▶Não irei dizer qual fita leva até sua história. Mas não precisa ter medo. Se você recebeu essa caixinha bonitinha, seu nome vai aparecer...Eu prometo.

▶As regras são bem simples. São só duas. Número um: você escuta. Número dois: você repassa. Espero que nenhuma delas seja fácil. Não é para ser fácil.

— Por que estou fazendo isso ? – Clay se pergunta sozinho.

▶Quando você tiver ouvido os treze lados, porque há treze lados para toda história, rebobine as fitas, coloque-as de volta na caixa e repasse para o próximo.

▶Pegue o mapa que veio junto com as fitas. 

Clay verifica seus bolsos e percebe que não pegou o mapa. 

▶Nesse mapa marquei vários pontos dessa adorável cidade. Não vou te obrigar a ir nesses lugares. Mas se você quiser saber mais, siga as estrelas. Ou então, jogue o mapa fora e nunca irá saber. Mas eu sei.

Clay pega sua bicicleta e vai para casa. No caminho ele continua ouvindo as fitas. Por nervosismo ele andava em alta velocidade.

▶E se algum de vocês decidirem quebrar as regras,  saibam que há uma cópia dessas fitas. E que deixei com alguém de confiança. E se algum de vocês não receberem todas essas fitas, as cópias serão divulgadas a público. Eu não tomei essa decisão de uma hora para outra. Não me subestimem, não de novo. 

— Eu nunca fiz isso. – Clay diz sozinho.

Um farol de carro se aproxima e uma buzina o assusta, fazendo ele desviar e bater em outro carro parado. Clay capota e corta sua testa. Ele ajunta o aparelho de fitas do chão. Coloca os fones e da play novamente.

▶ Faça oque eu disser. Nem mais, nem menos.... Você está sendo observado agora.

...

Em casa, Clay revirava tudo atrás do mapa. Sua mãe entra.

— Clay ? Ai meu Deus. O que aconteceu na sua testa ? – 

Ele pega o mapa e coloca no bolso.

— Mãe! O que eu falei de entrar sem bater? 

— O que é isso na sua testa ? 

— Eu bati em um galho. Só isso.

— Eu vou pegar um curativo.

— Não precisa!  

Clay se aproxima do espelho. Vê seu enorme corte.

— Eu estou bem. Agora tô indo que Tony está me esperando . – Mentiu 

— Espera. Leve isso. – Sua mãe o entrega um capacete.

Lembrança: 👇

— Capacete legal. É bonitinho – Hannah comenta

— Bonitinho pra mim é uma maneira de dizer um feio melhorado. – Clay tira o capacete e sorri para Hannah.

Clay prende sua bicicleta. 

— Não tem medo de amassar seu cabelo ? 

— O meu cabelo não muda. Não importa oque eu faça. 

— Já tentou gel e secador todas as manhãs? – Hannah passava a mão nos cabelos de Clay.

— E deixar minha masculinidade de lado ? 

— Isso já era. Não acha ? – Brincou 

— Fazer o que se prefiro o meu cérebro no lugar. – Clay rebate.

— Amanhã a noite. Festa na minha casa. É obrigatório. E vai sem capacete. – Hannah diz de costas. Se vira e entra em seu trabalho. 

 ▶E foi aí que tudo começou. A festa na minha casa. Era pra ser só uma festa. Não sabia que seria o começo do fim. É onde conheci Justin Foley. O sujeito da primeira fita.

▶ Dei essa festa para conhecer novas pessoas. Porque minha única amiga, Kity. Iria ir embora.

Hannah e Kety desceram as escadas da casa da Hannah e deram de cara com Clay entrando. 

— Em falar nele. Oi capacete. – Hannah sorri

— Estavam falando de mim ? 

— Hannah e eu estávamos apostando se você viria. – Kety

— Você me deve cinco dólares. – Hannah diz para Kety 

— E pra mim é surpresa. Não via Clay Jensen em uma festa dês do quarto ano. Mas é bom te ver Clay. – Kety disse

— E eu ainda lembro do palhaço. – Clay brinca. 

— Quer tomar alguma coisa ? – Hannah pergunta a Clay

— Refrigerante. 

— Para de ser tão certinho.

Os três se dirigem a cozinha. 

Hannah abre os primeiros botões da camisa de Clay. 

— Está muito engomadinho. – Hannah diz. 

Clay fecha sua camisa novamente. Hannah ri. 

...

Hannah, Kety e Clay estavam na varanda olhando Justin Foley e Zach rolando na grama. Se molhando no "lavador" de grama. 

— Olha. Justin Foley é meu. E Zach é seu. – Disse Kety para Hannah 

— Zach ? Sério? – Comentou Clay.

— Ei meninos. Não vão entra aqui assim. Olha o estado de vocês. – Kety chamou atenção de Justin e Zach.

— Vamos nos trocar e já voltamos então. – Justin disse

— Eles são idiotas. – Kety disse entrando para dentro de casa.

— Mas eles são gatinhos. Então eles serem idiotas nem importa né. – Clay comentou com Hannah e entrou também.

Hannah continuou na varanda, olhando Justin. Então ele sorriu para ela.

 ▶ Então, foi aí que os problemas começaram... Aquele sorriso. Aquele maldito sorriso. 

...

Hannah estava indo para entrar na escola quando Justin Foley aparece do seu lado.

— Oi. – Justin sorri.

— Oi. – Hannah retribui.

— Triste a Kety ter ido embora né. – Justin comentou.

— Você tem contato com ela ? – Hannah pergunta.

— Não muito. E você? 

— Não. Tchau. Vou entrar pra aula. – Hannah disse dando as costas.

— Nos vemos mais tarde. – Justin 

▶ Ter sido namorado da Kety foi a única coisa estranha. Mas fora isso Justin, você era minha kriptonita.  

Hannah era bibliotecária. Então tinha acesso aos horários dos alunos. Ela imprimiu os horários do Justin. Esperou até o quinto período atrás da porta. E quando o sinal tocou, os alunos saíram. E ela armou um esbarro proposital em Justin.

— Hannah, me desculpa. – Justin disse

— Acho que você está me perseguindo . – Hannah jogou.

— Eu não. Acho que você deve estar. – Justin brincou.

— Resposta errada. Tenho que ir. – Hannah disse indo.

— Espera. Nos vemos mais tarde ?  – Justin gritou.

— Talvez. – Hannah grita de volta.

...

 Na saída. Hannah encontra Clay.

— Oi capacete. – Cruza o braço dela no de Clay 

—Oi. – Clay 

Justin, Zach e Marcus se aproximam de carro.

— Quer carona? – Justin pergunta a Hannah.

— Tenho que ir. Minha carruagem me espera.  –Hannah diz e vai para dentro do primeiro ônibus que vê. 

Justin vai atrás dela. 

— Posso sentar ? – indica o lugar vago ao lado de Hannah.

Ela dá espaço e ele senta.

— Você não precisa pegar ônibus. – Hannah 

— Assim como você não precisa ter aulas de álgebra? – Justin rebate.

— Como você sabe ? 

— Tenho minhas fontes. Me dá seu número ? – Justin tira o celular do bolso.

— Me dá seu telefone. – Hannah estica a mão. 

— Meu telefone ? Pra que ? 

— Regra número um: Me dá seu telefone. Dois: Eu coloco meu número.

— Ah ,sim, claro. Toma. – Justin entrega o telefone é Hannah digita o número.

O motorista do ônibus entra.

— Tenho que ir. – Hannah diz levantando.

— Espera. Onde você vai ?

— Esqueci um livro. – Hannah sai correndo e o ônibus começa a andar

— Hannah. Onde essa coisa vai me levar ? – Justin grita da janela. 

— Eu não sei. Eu também não pego ônibus. – Hannah sorri.

— Hannah Baker! – Justin grita da janela enquanto o ônibus se distanciava.

— Me liga! – Hannah grita. — Bonitão.– diz baixinho.

▶Agora vamos para o nosso segundo lugar indicado....

Clay vai para um parque bem perto de sua casa. Onde Hannah marcou no mapa com uma estrela. Ele se senta no banco e dá play na fita.

▶ Foi nesse local onde Justin e eu demos o nosso primeiro beijo. Onde eu sempre imaginei que seria meu primeiro beijo. 

▶ Eu sei oque estão pensando. Hannah Baker é uma vadia. Ops. Eu disse é. Não posso mais dizer isso. 

Justin e Hannah brincavam nos brinquedos daquele parquinho. Até que eles foram no escorregador. Justin desceu.

— Se você foi então eu também vou. – Hannah se ajeita para descer.

— Espera. Eu tenho que tirar uma foto disso. 

— Não. – Hannah ri.

— É só uma foto.

— Eu estou de saia.

Justin tira seu celular do bolso. Hannah desce e Justin tira três fotos. Depois eles se beijam.

E foi oque aconteceu. Nós nos beijamos. Por que você ouviu algo diferente? 

Clay fecha os olhos e tenta imaginar o que os boatos diziam. Que eles transaram no parque.

Não. Foi só isso que aconteceu. Desculpe se decepcionei você. Mas acho que agora estamos quites. Quer dizer, mais ou menos.

Clay olha para o lado e vê Tony saindo do carro.  Tony para escorado na grade do parque. 

— É meu tocador ? – Indicou ao que Clay usava.

— Eu peguei porque precisava. – diz nervoso. 

– Tudo bem. Vejo que já ouviu o lado A. Já está pronto para o lado B. – Tony diz e vai embora. 

Tenho ouvido tantas histórias sobre mim. Mas sei a menos popular. A verdade. Ela merece ser descoberta e dita.

▶ Te agradeço Justin. Pelo meu primeiro beijo. Foi ótimo. E não tenho raiva por você ter me traído. Mas por eu ter confiado em você.

▶ E foi esse boato acima do beijo que arruinou tudo oque eu queria que fosse especial. Como vocês vão ver a seguir.

Clay imaginou o quanto foi difícil para Hannah ter sido difamada por um falso boato. Ele lembrou da foto que recebeu em seu celular. De como as pessoas passaram a falar mal de Hannah Baker.

...

Clay vê Tony sentado sozinho no refeitório. E se aproxima.

— O que está pegando Tony ? Como foi se envolver nisso ?

— Clay. Não estou nas fitas. Se é isso que quer saber

 — Sabia o que ela ia fazer ? 

— Não. Mas ela queria que fosse assim.

— Me conta oque está acontecendo.

— Escute as fitas.

— E se eu não conseguir ?

— Vai ser pior. Vai por mim.

— Pior do que a Hannah estar morta ? 

— A gente se vê . Clay.

..... 


Notas Finais


A próxima fita é da Jéssica Daves. E eu vou mudar e colocar a Camilla Cabelo. Até breve.
Dêem idéia se quiserem mudar outros personagens ou outras coisas.
Gente. Passo HORAS escrevendo . E tenho preguiça de reler tudo oque escrevi. Então finjam que não viram se tem erros.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...