História 13 reasons why: interativa - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os 13 Porquês (13 Reasons Why)
Personagens Personagens Originais
Tags 13 Reasons Why, Accoia, Fichas, Interativa, Lili Reinhart, Riverdale, Vagas Abertas
Visualizações 157
Palavras 1.133
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


hello mores, trouxe aqui um capítulo bônus, citei alguns personagens, então já vão ficar sabendo que já foram aceitos rs
o capítulo retrata o dia que a Cand se matou, então, dei o melhor de mim e espero que gostem ♡
até lá em baixo docinhos.

Capítulo 2 - – bônus;


Fanfic / Fanfiction 13 reasons why: interativa - Capítulo 2 - – bônus;

vida
substantivo feminino

1.modo de viver; conjunto de hábitos.

"v. santa"

2.propriedade que caracteriza os organismos cuja existência evolui do nascimento até a morte.

"a v. dos animais, dos vegetais"

Era apenas isso que eu pesquisava. Eu precisava saber o significado, se vivemos e logo morremos, porquê isso não acontecia logo comigo?
Ouço meu celular tocar e o pego rapidamente, logo vendo que era Elena, respiro fundo pois mesmo que a morena seja minha "melhor amiga", eu não queria falar com ela, eu não queria falar com ninguém.
Suspiro algumas vezes e atendo.

Cand?! Que demora, aconteceu algo? Tô preocupada contigo! Onde você tá? Faz dois dias que não nos falamos... M-me desculpe por...

Tá tudo bem, Elena – minto, não tava nada bem, e ela sabia disso – Só... me deixa em paz – Digo seca e suspiro, odiava falar assim com Elena.

Se quiser vir aqui pra casa hoje... Katherine e mamãe foram passar o fim de semana Nova York como sempre fazem... Para se exibir pro papai que Katherine saiu na capa de não sei o quê e blá blá blá – A morena bufa, e eu dou razão, a mãe de Elena era um monstro com ela, e Katherine? Não tenho nem palavras pra descrever o nojo que sinto pela gêmea. Katherine e Elena sofrem por síndrome de A Usurpadora.

– Eu sei Elena, eu entendo – fico dando voltas pelo quarto e vou até minha escrivaninha, onde pego uma das fitas e suspiro apertando-a forte como se eu fosse quebrar, e sim, era a fita de Elena.

Não vai mesmo vir para cá?

Eu to com muitos deveres de casa atrasados e mamãe não vai me deixar sair agora. Chama Stefan – solto uma risada irônica abafada.

Ah... t-tá bem... se cuida Cand. Beijos

Desligo o celular e jogo o mesmo na cama, largo a fita a colocando de volta na caixa. Escrevo o nome das três pessoas, únicas pessoas que nunca me tratam mal, e escrevo um pequeno bilhete com "escutem juntos" e o "manual de instruções", sei que eles sabem o quê fazer.

Coloco a caixa com as fitas em uma bolsa e saio pela janela. Como Fynn sempre fazia todas as manhãs após dormir aqui em casa. 

Após descer janela á baixo, vou pra casa de um dos meus três amigos, no caminho penso a respeito de tudo. Afasto os pensamentos que queriam fazer com quê eu ficasse, até que eu penso em Holly. Eu precisava me despedir. Ainda com o pensamento em Holly, chego na casa do tal amigo e tiro a caixa na bolsa, coloco no chão e respiro fundo, agora com certeza ele estaria em um dos clubes da escola e os pais dele trabalham, daria tempo de visitar Holland.

Deixo a caixa e chamo um táxi pedindo para me levar até o abrigo particular de Riverdale. Assim que entro no local, vou até a recepção e peço para falar com Holland Marie Baker. Com certeza não adiantou, mamãe nunca nos deixou visitar Holly. Espero a mulher se enterter com outra coisa e entro no corredor com dormitórios de cada jovem. Sempre disseram que os quartos de cima era dos jovens mais perigosos, então acho que estava no corredor certo. Já ouvi mamãe comentando com alguma enfermeira daqui sobre o quarto de Holl, se não me engano era o 12B. Sigo pelo corredor A, até chegar o B e avistar o número "12", entro no quarto e tranco a porta, olho pra cama e vejo Holly assustada ao lado dela com um pincel em mãos. Ela estava pintando. Ela larga as tintas no chão fazendo com que suje o tapete mas ela não liga, corre até mim com suas mãos sujas e me abraça, sorrio e retribuo o abraço, sinto suas lágrimas em meu ombro, tenho certeza que ela sentiu isso também.

– C-como... – ainda assustada com um sorriso amarelo ela gagueja, vejo suas mãos tremendo e ela olha em volta, parecia meio perdida. Eu sei que Holland deixou de ser normal depois que veio pra cá, não era fácil conviver com "loucos", e muito menos ser convencida pela própria mãe que tinha problemas mentais. Ela respira fundo várias vezes o que me deixa preocupada, a levo até a cama e sento com ela.

– Tá tudo bem... – a abraço de lado – Vim te visitar – sorrio e vejo ela abrir outro sorriso enquanto chora.

– Eu tava com saudades.

– Eu também – sorrio – Tá tudo bem, America também sente – Faz tempo que não falo o nome America, ainda não tinha superado o quê fez.

– E Jason? – vejo seus olhos brilhar.

– Ele...

– E Stefan? Elena? Eu sinto tanta falta deles... – Ela engole em seco e olha pro seus pés enquanto balança-os.

– Estão... bem – sorrio fraco e olho o horário no celular. Já estava quase na hora dele chegar em casa, olho nos olhos esverdeados fazendo a Baker mais velha me olhar – Holly, independente do quê acontecer futuramente, não confie em mamãe, não confie em Blair, ela quer muito mais que o filho que você tá esperando de Jason. Não confie em ninguém.

Ela me olha espantada sem conseguir dizer o que queria. A abraço fortemente e começo a chorar.

– Eu te amo, Candy.

– Eu te amo, Holly.

Saio dali me sentindo culpada por tê-la deixado, desta vez vou caminhando até a ponte de Riverdale. Jogo minha bolsa em qualquer caçamba de lixo e sigo meu trajeto.

Chego lá e já estava escuro, á essas horas meus amigos estavam se reunindo para ouvir as fitas. Vejo a pista movimentada e tento não ligar, eu queria que todos vissem. Passo pela mini rua dos ciclistas e subo no pequeno muro que através dele não tinha nada, e a baixo, o rio azul da pequena cidade.

Metros e metros acima do rio. Eu cairia em cheio, e quando fossem me resgatar, não achariam meu corpo, e eu já teria morrido afogada.

– SUNSHINE!

Ignoro, as chamadas, as pessoas espantadas, mas quando eu ouvi Fynn me chamando, lembrei e relembrei, eu precisava. Respiro fundo e me viro de costas vendo todo mundo ali, Fynn tenta vir até mim mas é esbarrado pelas pessoas, eu só precisava me inclinar para trás... e então, me inclinei.

Ao sentir meu corpo contra o vento, me senti livre pela primeira vez. Parecia que eu estava voando. Até cair com tudo na água, meu corpo implorava para voltar à superfície, mas eu sabia que não devia. Abri os olhos e pude ver que em volta só tinha água. Deixei a água me levar para qualquer lugar, não sei porquê mas no momento eu sorri, não entendi a vontade de sorrir mas... não tinha a luz branca como diziam, eu só... me desliguei.

– Pais de Candice Baker? – o xerife pergunta meio abalado ao senhor Baker que apenas assinte com a cabeça assustado – Sinto-lhe informar mas Candice Baker cometeu suicídio no rio central de Riverdale 


Notas Finais


então nenês, comentem, please
e terminem as fichas pelo amor de Cristo ajdjiajdja
elena e katherine; nina dobrev
holly; candice accola
fynn: thomas sangster
stefan; paul wesley
senhor baker; joseph morgan
america; emma roberts
blair; madelaine petsch
3 amigos; nossos tony's rsrsrs

bjao


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...