História 15 antes de casar - Capítulo 3


Escrita por: ~ e ~d13191

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Sehun
Tags Baekhun, Baekyeol, Casamento Poliamoroso, Chanbaek, Chanbaekhun, Crack!fic, Menção Pet!play, Menção Sadomasoquismo, Sebaek, Trisal
Visualizações 28
Palavras 2.676
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Men voltamos depois de um tempo maior do que esperado, desculpa aí.

Espero que gostem, mesmo não tendo feito sentido nenhum esse capítulo

Capítulo 3 - Capítulo dois.



 

 – Eu nem! - escutou do fundo do quarto.


 – Chanyeol! Para de ser idiota, imbecil, deixa eu ver! – a voz de Sehun lhe deu alguma curiosidade. Abriu a porta devagarinho e viu uma cena estranha: Chanyeol deitado de costas -sem camisa- e Sehun jogado sobre ele, tentando segurá-lo.


 Pensou em dar meia volta, vai que rolasse uma transa e ele estaria empatando? Mas desistiu da ideia ao ver que Park estava mais gritando de raiva do que de “prazer”.


 – Que negócio é esse, ein? – Perguntou aos dois, que se assustaram com a sua presença e se ajeitaram na cama rapidamente.


 – Foi esse pedaço de lontra aí, tava’ tentando me abusar - cruzou os braços, num bico.


 – É o quê? Baekhyun, o fudido ali tá cheio de marca roxa no corpo! Tu vistes? – alertou com a voz firme. – E eu quis ver como estava, foi só isso mesmo.


 O Byun logo começou a rir, deixando Sehun bem confuso, e Chanyeol com a cara emburrada.


 – O que acontece é que o Baekhyun me deu uma surra ontem, tô todo doído….- resmungou.


 – Tu bateu nele, foi? – Sehun perguntou, incrédulo, mas segurando a vontade de debochar.


 – Bati mesmo! Ficou me azucrinando, quase perdi o trabalho de faculdade por causa desse filho da puta. – cruzou os braços, para se defender dos possíveis julgamentos.


Risos.

Chanyeol ainda estava encolhido na cama, com dor nas costas, reclamando da vida. Foi quando Oh aproximou-se da fera e falou baixinho:


– Quer que eu faça uma massagem em ti, Chanyeol? Tu sabes que eu faço uma massagem muito da milagrosa – proferiu, todo orgulhoso.


 – Eu nem! E tu não encostas a mão em mim, galho seco, que eu te dou uma na cara, ouviu? – tentou ser ameaçador.


 – Para de ser burro, bixa. Eu faço uma massagem sem compromisso nenhum, ok? Só pra tu se sentir melhor. - riu um pouco.


 – Sei… cuidado que eu tô de olho viu? – estava desconfiado.


 Sehun pegou um dos seus óleos de massagem do armário, e desligou a luz. Acendeu umas velas e um incenso de …. Chanyeol ficou se perguntando pra’ quê tanta firula, era só uma massagem.


 Mudou de ideia quando teve as mãos Sehun sobre seu corpo dolorido, que aos poucos parecia ficar mais e mais relaxado. Finalmente baixou a guarda, e deixou-se levar pelos sussurros de Oh mandando que relaxasse. Quando menos esperou, o clima do quarto estava mais erótico.


 Pensou em fugir dali antes que acontecesse alguma coisa, mas seu corpo não parecia colaborar. Para a sua sorte, ele não tentou nada, apenas uns arfares pesados sobre os ombros. Quando a sessão foi encerrada, decidiu dormir. Sehun apenas o cobriu e apagou tudo.


 Era meio caminho andado, os dois na sala pensaram. Baekhyun e Sehun sabiam como aquilo iria acabar, só precisavam ter paciência para com o Chanyeol.


                    [....]


3. Ganhar na loteria. (Comprar um apartamento maior para nós ❤)


– Alô? Sehun, tu tá em casa bi? - perguntou com esperanças.


Tô na tua, com o Park. - disse sem vontade.


Ótimo, se arrumem e me encontrem na pizzaria do Jorél depois da minha aula, tá bom? Eu tenho que ir agora, beijos. - disse com pressa.


////// No Jorél /////

  

 Já estavam os três, sentados na mesa do local, pediram uma cerveja para começar os papos. Baekhyun parecia bem animado, e isso deixou os dois meio assustados.


 – Pois muito que bem, a grande notícia que eu tenho pra falar é que….-batucou na mesa- nós vamos nos mudar! - disse com ânimo.


 – Como assim “nós”? - Chan fez as aspas com os dedos.


 – Ah, vocês já tomaram posse do meu apê mesmo, pensei que incluir em um maior seria divertido. E então nós vendemos os nossos atuais e ganhamos algum dinheiro. - falou tomando um gole.


 – Por mim, tudo bem Baek - Sehun começou- Mas….tu tiraste essa grana toda de onde? – cogitou até uns furtos, o menor não batia muito bem da cabeça.


 – Eu ganhei na loteria - fez-se um silêncio estranho - Tu sabes que eu jogo desde sempre, mas ontem fiz uns dez jogos diferentes...e ganhei – sorriu tímido.


 – Muito que bem!! - aplaudiu - Posso te dar um beijo pra comemorar? - o moreno propôs.


 – Oxe, tá esperando o quê? - disse em tom de indignação. Os dois foram se aproximando, mas duas mãos alheias deram um jeito de separá-los.


 – Não na minha frente, né? Não no Jorél, pombinhos. Deixem pra fazer isso a sós. - Chanyeol alertou.


 – É ciúmes isso? - Baekhyun riu.


 – Só não sei de quem – Sehun continuou o deboche.


 – E podem parar vocês dois, principalmente tu, saco de discórdia. Acreditas que este filhote de lontra me obrigou a ficar lá no quarto com ele aquele dia Baekhyun? Me forçou uma massagem também. – esbravejou, apontando para o acusado da mesa.


 – E bem que tu gostaste, viu? – Ficou todo molinho pra cima de mim, soltou até uns gemidos. Depois dormiu que nem um bebezinho, deveria me agradecer, seu… energúmeno -  contestou, irritado.


 – Ai bichas, menos - Baekhyun interrompeu- Caguei pra essa massagem e de quem gostou ou não. O que me importa mesmo é o nosso novo e lindo lar. E nós vamos fazer a mudança amanhã, okay?


 – Então significa que depois que terminarmos de comer vamos arrumar nossas coisas? - perguntou animado.


 – Sim, Chan. Nós não temos muitas coisas pra’ arrumar mesmo – o menor desdenhou um pouco.


 Concordaram movimentando a cabeça, e voltando a comer. Não voltaram tão tarde, nem tão bêbados, para conseguirem deixar tudo pronto sem quebrar nada.


 Antes de dormir, Baekhyun riscou do mesmo jeito o terceiro item. Estava um tanto esperançoso com os avanços. Com um pouco mais de esforço conseguiria alcançar os seus objetivos -amorosos, claro.


                         [......]



 Estava bem ansioso dentro do carro, com os outros dois. O espaço lá atrás ficou um tanto apertado, então tiveram que sentar dois em um banco só, na frente. Não era a melhor ideia, mas não tinha muito a se fazer.


 Baekhyun durante todo o trajeto pensou em quantas coisas boas viriam pela frente, e mesmo com a cabeça nas nuvens estranhou que não houve nenhuma briga entre seus “namorados”.


 Eles foram dormir mais cedo que o próprio na noite passada, juntos. Talvez tivessem brigado e ele não escutou, mas o clima estava estranho no carro. Pensou em oferecer sua famosa torta de climão e ver se eles contavam alguma coisa. Desistiu.


 Não que estivesse reclamando, na verdade adorou o silêncio constrangedor. Era bem melhor que as alfinetadas e coices que saíam nas interações entre os meninos. Esse era um de seus maiores problemas.



 Estacionaram na garagem do prédio, finalmente. Aos poucos -com a ajuda do elevador- foram levando os poucos pertences. Não haviam prestado atenção no apê, ainda. Terminaram tudo e permitiram-se olhar. Tudo estava fechado, então foram abrindo.


 Curioso o fato de que tinha apenas dois quartos, e um deles permaneceu fechado por falta de uma chave. Os mais velhos ficaram em alerta para uma possível tentativa do menor. Este, que estava cantarolando enquanto terminava de arrumar as roupas no armário.


 – Baek meu anjo, posso saber por qual motivo esse lugar tem apenas dois quartos e um eu não tenho a chave? - Chanyeol questionou pela primeira vez.


 – Simples, esse quarto não é seu. Nós três vamos dormir nesse aqui, ele é grande o suficiente pra’ isso. – disse terminando de colocar a blusa no cabide.


 – E o que que tu vai fazer naquele outro? - foi a vez de Sehun questionar.


 – Minhas coisas, ué. Esse apartamento sou eu que tô pagando então aquele quarto sobrando é meu também.  - disse apontando na direção do outro.


 – Pra’ mim tu vai é trazer mais gente pra’ morar aqui, já não basta ter que conviver com esse pedaço de vara seca?  - reclamou.


 – Ih meu filho, eu convivo contigo faz 2 anos e não fico reclamando da tua grosseria nem da tua falta de senso de humor o dia inteiro. - Sehun riu, por mais que estivesse falando sério.


 – Tava bom demais pra’ ser verdade viu? Ficaram a viagem inteira sem fazer um piu’ e esperaram chegar na casa nova pra’ me infernizar. Se eu quiser eu cato’ mais 10 pessoas pra’ morar aqui, que a casa é minha. E se não gostou, me pule. - foi sincero, por mais que amasse seus meninos, era ruim demais ter que conviver com as brigas.


 Os dois ficaram quietos. Continuaram a guardar as coisas igual dois anjinhos. O que fez Baekhyun rir um pouco. Saíram depois do almoço para fazer compras, pois precisavam decorar o apê. Voltaram para casa a noite e com menos dinheiro na conta.



 No dia seguinte, os móveis e as decorações escolhidas principalmente por Chanyeol chegaram. Foi uma alegria só. Durante todo o processo não houve nenhuma briga, o que deixou um Baekhyun bem contente. Durante a noite, pediram uma pizza qualquer e dormiram juntos no sofá mesmo. Havia sido um domingo produtivo e ao mesmo tempo calmo.

    

                       [.............]


 Baekhyun acordou mais cedo que todo mundo, pois sabia que logo ele iria chegar. Tratou de deixar tudo limpo, abriu as chaves do outro quarto e arejou o lugar. Trocou as colchas, os lençóis e as fronhas. Até passou um pano no chão, menina.


 Não demorou muito até que tocassem o interfone do prédio, e ele foi atender.

 – Oi bi! Não suba fazendo muito barulho que eles estão dormindo - disse baixinho.

 – Tá' bom mana - o som da voz pelo interfone era quase inaudível.


 Depois de alguns minutos bateram a porta, então aberta, o homem entrou. Fizeram referências provavelmente criadas em algum Grupo de Longevidade das Sapagay mais conhecido como GLS, e riram um pouco.

 O dono da casa mostrou com cuidado os lugares, para não acordar os meninos. Fizeram um cházinho de hortelã e seguiram para o quarto secreto. Ficaram lá papeando até a hora do almoço, que foi quando Byun acordou os mendigos do sofá para poder começar a cozinhar.


 Os pacotes de enxofre arrumaram a sala como combinado e foram tomar um banho para acordar melhor. Quando saíram, a mesa já estava arrumada e um Baekhyun contente os esperava.


 Comeram de forma calma e silenciosa, sem brigas também. Eles se ofereceram para lavar a louça em forma de agradecimento pela gororoba feita pelo baixinho, que não estava tão ruim assim.


 Depois que terminaram o serviço de faxineira, sentaram no sofá para assistir algum programa de Tv. Não demorou muito para que um corpo se metesse em frente ao televisor.


 – Bebês, eu tenho uma surpresa - falou com um sorriso ladeiro no rosto. Aos poucos, uma figura desconhecida tomou posse da sala, também.


                         [........]


4. Contratar um faxineiro que tope’ se vestir de maid


 – Baek que merda é essa - Chanyeol disse sério enquanto encarava o menino ao lado.


 – Chanyeol, você não lembra? Esse aqui é o Luhan, ele estudava conosco no ensino médio! - disse animado enquanto abraçava o amigo de lado.


 – Eu sei quem é, Baekhyun. Eu quero saber por que caralhos ele tá vestido desse jeito e por qual motivo ele se encontra no nosso apartamento.


 – Ele vai morar aqui agora! - os meninos arregalaram os olhos, mas nada disseram, então prosseguiu - O Lu precisava de um emprego, e eu de um empregado que aceitasse se vestir de maid! E ele cozinha também. Perfeito, né’?


 – Perfeito meu pau! Eu não disse, Sehun, que ele ia trazer mais gente pra’ cá? Eu conheço quando esse merdinha vai aprontar alguma coisa. – Chanyeol proferiu um pouco irritado e olhando para o colega.


 – Não olha pra mim, que eu não disse nada - defendeu-se - De qualquer maneira seja bem vindo Luhan, espero que consiga se acostumar com esse carrasco aqui do lado - disse apontando para Park, e depois cruzando as pernas.


Luhan deu um sorriso sincero, estava feliz por ter conseguido um emprego. Talvez demoraria um pouco para se acostumar com a cara fechada de Chanyeol.




   Passaram-se três dias desde a chegada do viado metido a faxineiro no apartamento, e Chanyeol pouco ajudava. Luhan fazia de tudo pelo “chefe” e mesmo assim era tratado com frieza.


 – Olha Baekhyun, teu macho é estranho por demais viu – comentou.


 – Tu não ouse falar mal dele rapariga. - riu-  Espera mais um pouco que já já’ ele vai estar caidinho por ti.


 – Tu acha é? - questionou com esperanças.


 – Mas claro bi! Logo ele vai precisar do teu trabalho e eu quero ver se ele não engole aquele orgulho nojento.


 – Se tu diz, não vou discutir.


 Não que ele duvidasse da afirmação do outro, é que estava um tanto triste por ser ignorado. Sehun o tratava bem, até riam juntos sobre piadas diversas. Mas não poderia ceder, era casado, e muito bem casado.


 Falando nisso, Baekhyun o forçou a convidar seu marido para um jantar na casa dele. Não que tivesse vergonha do seu amor, mas a relação dos meninos era bagunçada até demais.


  Não que isso, não que aquilo. Luhan ficava se auto justificando o tempo todo. Ah, quem se importa? O trisal era maluco mesmo, e era assim que funcionava.


 Baekhyun era o cérebro, todas as ideias malucas vinham daquela cabecinha criativa. Sehun era o famigerado pau mandado, na verdade, ele adorava as aventuras que o menor lhe forçava. E tem Chanyeol, que não consegue aceitar nada e parece um velho rabugento que não transa faz anos - alguns meses, pra ser sincero.


 Assim ele contava para Minseok, seu querido marido. Era meio estranho, mas engraçado. Ele estava animado para a janta, o Sr. Byun parecia ser um homem peculiar.



 Chegou no apartamento logo que escureceu, a ansiedade era suficiente para estar tremendo um pouco agora. Tocou o interfone, e depois da porta aberta subiu pelo elevador. Chegando no número 6, procurou a porta com o número 640. Ela era diferente das outras, Minseok conseguiu ver até um pouco de glitter. Definitivamente, tinha viado ali.


 Tocou a campainha e foi recebido com um grande abraço do seu nenê ( o Luhan, claro), e foi convidado a entrar. A casa estava bem arrumada e silenciosa, mas logo escutou um grito esganiçado vindo do quarto. E depois, um menino do tamanho de Lu correndo em sua direção.


 – Caralho Lu esse é o teu macho mesmo? - falou indignado e apontando para o convidado.


 – Ele é lindo né? Nem parece que tem quase trinta anos na cara. - riu, abraçando seu homem.


 – Estou literalmente pasma, gay. - sorriu - Seja bem vindo Minseok, os outros dois já estão vindo. Nem terminou a frase direito, pois barulho dos dois discutindo aumentou conforme se aproximavam.


– Chanyeol para de ser idiota ninguém vai te ma - cortou a fala no meio ao ver Minseok. - OOOOOI, tudo bem? Hehe, desculpa a gritaria viu. - o abraçou um pouco desconfortável.


 A visita riu um pouco, mas aquele climão estava bem estranho. Então Baekhyun fez um gesto com as mãos como se estivesse oferecendo algo. Minseok ousou uma cara de quem não havia entendido.


 – Tô servindo torta de climão gente, alguém tá’ afim? - riu com um pouquinho de vergonha.


 Talvez fosse assim mesmo. Não teria muito que tentar mudar naquele relacionamento e até bom que não mudasse, perderia a graça.


 Qualé’, três viado - agora quatro - dividindo um apê? Quem não gostaria de ver as bagunças provenientes do convívio alheio? Faça-me o favor, linda.


                       [.........]


 O jantar foi divertido. Minseok adorou as alfinetadas que Chanhun trocavam, ficava bem visível a tensão sexual entre eles. E Baekhyun era maluco mesmo, confirmou. Talvez ele ainda gostasse de viver como um adolescente, com a adrenalina no peito.


 Pensou em como seu relacionamento com Luhan era bem normal, e isso o aliviou um tanto. Gostou de conhecer o lugar de trabalho do seu nenê, de verdade. Foi embora mais tarde do que queria, mas não reclamou pois estava contente.



 E Baekhyun, antes de dormir, riscou o ítem quatro da lista, que tinha esquecido de fazer no respectivo dia. Cada vez mais completo, pensava.


 – Oh Sehun, Park Chanyeol; boa noite anjos- disse enquanto abraçava os mesmos e sorriu um pouco


 – Boa noite - em uníssono.


Talvez fosse assim mesmo, #pas.





Notas Finais


Ai, desculpa viu.

Enfim obrigada por ter lido até aqui, tenha um(a) ótimo(a) dia/noite.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...