História 1512 - Delena - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Originals, The Vampire Diaries
Personagens Alaric Saltzman, Annabelle "Anna" Zhu, Bonnie Bennett, Caroline Forbes, Damon Salvatore, Davina Claire, Elena Gilbert, Elijah Mikaelson, Elizabeth "Liz" Forbes, Enzo, Esther Mikaelson, Giuseppe Salvatore, Hayley Marshall, Hope Mikaelson, Isobel Flemming, Jenna Sommers, Jeremy Gilbert, John Gilbert II, Josette "Jo" Laughlin-Saltzman, Katherine Pierce, Klaus Mikaelson, Kol Mikaelson, Lexi Branson, Malachai "Kai" Parker, Matt Donovan, Olivia "Liv" Parker, Rebekah Mikaelson, Stefan Salvatore, Valerie Tulle, Vicki Donovan
Tags Bonkai, Delena, Klaroline, Tvd
Visualizações 86
Palavras 1.344
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Magia, Mistério, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Um capítulo recheado de confusões para vocês!
Espero que gostem...

Capítulo 17 - Declaration of war


P.O.V. Elena Salvatore

- Carta para vossa majestade - Elijah falou debochado, enquanto adentrava a sala de estar.

Saí do colo de Damon e apanhei o envelope desbotado das mãos de Elijah.

- Estranho, não tem endereço, nem mesmo remetente. De onde você tirou isso Elijah? - perguntei.

- Um dos guardas me entregou - deu de ombros.

Rasguei o envelope e comecei a ler a carta em voz alta.

Cara Elena,

Você pediu para eu ter escrito uma carta, então, estou agora atendendo o seu pedido.

Vi Damon e Elijah ficarem alarmados ao me ouvirem pronunciar essas palavras. Pois eu havia dito isso à Esther três dias atrás, quando ela invadira o palácio.

Damon levantou-se e pegou o papel de minhas mãos.

- Isso você não vai ler! - fuzilei ele com o olhar - É sério princesa, pelo bem de nosso filho.

P.O.V. Damon Salvatore

Quando ouvi aquelas palavras serem pronunciadas, levantei-me rapidamente. Aquela carta não poderia significar algo bom, Esther a escrevera com intuito de nos ameaçar novamente.

Arranquei a carta das mãos da morena e comecei a lê-la apenas para mim.

Cara Elena,

Você pediu para eu ter escrito uma carta, então, estou agora atendendo o seu pedido. Eu bem que avisei sobre o que aconteceria caso um dia destruísse as chances de felicidade de Katherine. E agora, depois de tudo que você e seus amiguinhos fizeram, não deixarei barato. Se um estrondo for ouvido, saiba que foi a minha primeira jogada.

Que vença a melhor rainha.

Esther Gilbert Pierce

Logo que terminei de ler a carta, joguei lenha na lareira e com um isqueiro, a acendi, logo jogando a carta lá dentro. Mesmo que Esther não estivesse blefando, Elena não poderia ler aquilo.

- Damon! Por que fez isso? - Elena perguntou.

Então, ouvimos um estrondo. O sinal de Esther. Que vença a melhor rainha.

- O que diabos foi isso? - Elena irritou-se.

- Esther - respondi.

- O quê?

- Uma declaração de guerra Elena - percebi então que falei demais. Elena caiu no sofá.

- Você está blefando né?

- Eu achei que ela estava blefando. Esse é o sinal que faltava, então não, eu não estou blefando.

- Era só o que me faltava.

- Elijah! Reúna o conselho, faremos uma reunião de emergência!

P.O.V. Elena Salvatore

Ouvi batidas na porta de meu quarto.

- Entra! - a pessoa abriu a porta, era Davina e ela não estava com uma cara boa - Davina! O que houve?

- Lena, dá para ver o porto daqui?

- Claro, da torre leste, no outro lado do palácio - respondi - Mas por que o interesse?

- Acha que aguenta até lá? - assenti - Tem algo que eu quero que veja.

Corremos até lá e subimos lances e mais lances de escadas. Aproximei meu olho da luneta que havia lá, apoiada na janela.

Não acreditei no que vi, o porto estava completamente destruído. Parecia até que havia sido queimado. Alarguei minha visão até o mar, haviam seis navios avançando, corri até o outro lado da torre, e vi outros dois.

- O que houve lá Davina?

- Eu e Kol estávamos entregando os jornais por lá quando uma bola de canhão acertou o cais. Pegou fogo por poucos minutos, todos estão assustados e exigindo respostas.

- Alguém morreu?

- Saíram com ferimentos, mas mortes, acho que não. Quem quer que tenha feito isso, não queria matar, apenas intimidar.

Aproximei-me de novo da janela e observei os navios novamente. A França não tinha tantas tropas assim, havia alguma outra nação junto com ela. Portugal. Grayson Marshall. Ele era rei de Portugal juntamente com a irmã de John, Miranda, por isso teria uma possibilidade de Hayley ser a rainha da Escócia. Mas eu assumi o trono e agora ele queria vingança.

- Vem Vinz, temos uma reunião para participar.

- Preparem as táticas de guerra! - exclamei entrando na sala de reuniões - Agora!

- O quê? - Klaus olhou-me como se eu fosse louca.

- França e Portugal estão aliados - falei.

- O estrondo veio de uma bola de canhão que atingiu o porto - Davina completou - Graças a Deus ninguém morreu.

- Oito navios armados se aproximam. Acho que só esperam ordens para atacar - falei claramente - Então preparem as táticas de guerra agora! E você, Elijah, vem comigo! - saímos da sala.

- Davina, poderia fazer um favor para mim?

- Claro.

- Avise as meninas sobre o ataque e não deixe que o jornal publique especulações sobre o ataque, por favor - ela assentiu com a cabeça, agradeci e ela se retirou.

- Temos pouco tempo até que Caroline e as meninas venham me incomodar sobre os ataques, então sejamos rápidos.

- Ainda não me disse o que quer majestade - Elijah disse sem graça.

- Desculpe-me. Quero ver mapas do palácio com possíveis esconderijos e da cidade também.

- Há algumas passagens subterrâneas ao leste e ao norte do palácio. Mas não há nada nas cidades.

- Como? Ele são o meu povo. Devo protegê-los antes de proteger a mim mesma.

- Desculpa Lena, mas não tem tanto espaço no castelo. Não podemos proteger todo mundo.

- Mande-os aos campos, à algum lugar seguro - uma ideia surgiu novamente em minha mente - Damon.

- Damon? - Elijah arqueou uma sobrancelha.

- Ache os mapas que pedi - falei e sai correndo até o arsenal. O arsenal era onde as táticas de guerra eram montadas, onde ficavam as armas e onde os guardas eram treinados.

Chegando na porta, dois guardas me barraram.

- Proibida a entrada de mulheres - um deles avisou.

- Olha lá - apontei para qualquer lugar, eles olharam liberando uma parte da passagem - Idiotas.

Era só o que me faltava, eu não poder entrar no arsenal do meu próprio castelo. Foi quando entrei que entendi o porquê de não ser um lugar muito adequado para mulheres.

Havia muitas armas mesmo, algumas que eu nunca vira na vida e outras que me davam medo. Mas o pior: guardas sem camisa em todos os lados. Tentei ignorar mas tava difícil, eles me encaravam talvez porque nunca haviam visto uma mulher no arsenal.

Então vi uma porta que exibia uma placa: "Exclusivo para o conselho", era o meu lugar. Corri até lá, aumentei a velocidade quando vi que os guardas da entrada me seguiam.

Abri a porta e todos que estavam ali - Damon, Klaus, Alaric, Kai, Jer e alguns outros homens - me olharam. Alguns seguravam o riso, principalmente depois de ver o olhar fuzilante de Damon sobre mim.

- Elena Pierce Salvatore o que diabos você está fazendo aqui? - Damon berrou e logo depois os guardas entraram.

- Nós tentamos detê-la - um deles começou a se explicar.

- Não tentaram porcaria nenhuma, só foi necessário apontar para o nada que eu consegui passar. Afinal, o que poderia ter de tão inapropriado nesse lugar - comecei a enrolar o cabelo freneticamente em sinal de nervosismo.

- Inapropriado, aqui, imagina... - Klaus riu com a situação e aproveitou para tirar com a cara de Damon.

- Olha o ciúmes majestade, está aparecendo - Kai riu junto com Klaus.

- Enfim, não foi para ver um bando de homens quase nus que eu vim, porque isso eu tenho todos as noites - falei e Damon corou - Deixa eu ver o que vocês fizeram aí.

Observei a maquete à minha frente. Realmente não estava ruim, mas eles não contaram com a Inglaterra, nossa aliada.

- Por Deus. Os homens podem ser bons de briga mas não pensam - comecei a falar enquanto colocava mais bonecos na maquete.

- Sem querer interromper Majestade, mas não temos tantos guardas assim - um guarda falou.

- É aí que você se engana, caro... - parei para ler seu nome bordado no uniforme - Joshua. O nosso amado rei, vem de um certo país chamado Inglaterra, e se a coisa ficar muito ruim para o nosso lado a gente pode pedir reforços. Já que o nosso inimigo já pediu o seu...

- Porque não aceitam mulheres aqui mesmo? - Marcel, outro guarda, falou.

- Obrigada - falei.

Assumi meu posto ao lado de Damon.

- Foi uma ótima ideia, mas ainda não estou conformado que você entrou aqui - sussurrou em meu ouvido.

- Então conforme-se, isso pode virar uma constante em minha vida - provoquei.

- Teu castigo te aguarda - sorriu maliciosamente.

- Mal posso esperar.


Notas Finais


Espero que tenham gostado...
Me diverti bastante escrevendo esse capítulo...
Para quem ainda não conhece minha nova fanfic, dá uma olhadinha nesse link:
https://spiritfanfics.com/historia/o-dia-em-que-tudo-mudou-9252766
Beijinhos de Nutella ❤️💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...