História 1994 lendo Harry Potter e a Pedra Filosofal - Capítulo 16


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Harry Potter, Hermione Granger, Ronald Weasley
Exibições 243
Palavras 6.115
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá pessoal, como estão???

Como o prometido estou aqui postando mais um capitulo...

Espero que gostem....

Boa Leitura!!!

Capítulo 16 - A Floresta Proibida.


Fanfic / Fanfiction 1994 lendo Harry Potter e a Pedra Filosofal - Capítulo 16 - A Floresta Proibida.

-Capitulo 15 – A Floresta Proibida. – Amanda leu.

Sirius e Remo olharam para Harry e Ariane.

Ao ver que ninguém iria falar nada, Amanda começou a ler.

As coisas não poderiam estar piores.

Filch levou-os à sala da Professora Minerva no primeiro andar, onde eles ficaram sentados esperando, sem trocar uma palavra entre si. Ariane estava tranquila. Desculpas, álibis e justificativas fantásticas substituíam-se umas às outras na cabeça de Harry, cada qual mais capenga do que a anterior. Ele não conseguia ver como iam se livrar desta encrenca. Estavam encurralados. Como podiam ter sido burros a ponto de se esquecerem da capa? Não havia nenhuma razão no mundo para a Professora Minerva aceitar que estivessem fora da cama, esgueirando-se pela escola a altas horas da noite, e muito menos que estivessem na alta torre de astronomia, que era proibida aos alunos a não ser durante as aulas.

-Por isso que não pode esquecer a capa. – Sirius falou um pouco bravo com o afilhado e com a filha.

Harry e Ariane suspiraram, eles sabiam que aquele dia tinham errado feio ao esquecer da capa, mais fazer o que, pelo menos só cometeram esse erro uma única vez.

Some-se a isso Norberto e a capa da invisibilidade e seria melhor começarem a fazer as malas.

Harry achou que as coisas não poderiam ficar piores. Estava enganado. Quando a Professora Minerva apareceu, vinha trazendo Neville.

Quando todos olharam surpresos para Neville, o mesmo suspirou e indicou o livro.

— Harry! Ariane! — exclamou ele, no instante em que viu os outros dois. — Eu estava tentando encontrar vocês para avisar que ouvi Malfoy dizer que ia pegar vocês, disse que vocês tinham um drag...

Harry sacudiu com força a cabeça para fazer Neville calar a boca, mas a Professora Minerva viu. Parecia mais provável que ela cuspisse fogo pelas narinas do que Norberto, ali a olhar os três de cima para baixo.

-Ela tem esse dom. – Sirius falou com um suspiro.

Minerva bufou ao ouvir a fala do antigo aluno.

— Eu jamais teria acreditado que vocês fossem capazes disso. O Sr. Filch diz que vocês estavam no alto da torre de astronomia. É uma hora da madrugada. Expliquem-se...

-Eu até poderia explicar, porém a senhora não iria acreditar. – Ariane falou tranquilamente.

-Sem a menor dúvida, Ariane é muito parecida com você. – Remo falou olhando para Sirius.

Sirius e Ariane riram da fala do maroto.

— Acho que tenho uma boa ideia do que anda acontecendo — disse a Professora Minerva. — Não é preciso ser gênio para somar dois mais dois. Vocês contaram a Draco Malfoy uma história da carochinha sobre um dragão, tentando tirá-lo da cama e metê-lo em apuros. Eu já o apanhei. Suponho que achem engraçado que o Neville tenha ouvido a história e acreditado nela também.

-Sem dúvidas ela ficou criativa. – Sirius falou baixinho para Remo.

-Tenho certeza de que isso aconteceu depois das milhares de histórias que você e Tiago inventavam. – Remo falou abafando a risada ao se lembrar dos velhos tempos.

Harry surpreendeu o olhar de Neville e tentou lhe dizer, sem falar, que aquilo não era verdade, porque Neville tinha uma expressão de espanto e mágoa. Pobre Neville trapalhão. Harry sabia o que deveria ter-lhe custado tentar encontrá-los no escuro para avisar.

-Não se preocupe, fico feliz por saber que não era mentira. – Neville falou sorrindo para Harry.

Harry também sorriu.

— Estou desapontada — disse a Professora Minerva. — Quatro alunos fora da cama em uma noite! Nunca ouvi falar numa coisa dessas antes!

-Já ouviu sim. – Sirius falou olhando para a professora, que rolou os olhos.

Você, Ariane Black, achei que tinha aprendido alguma coisa com suas outras detenções. Quanto a você, Harry Potter, achei que Grifinória significava mais para você do que parece. Os três vão pegar uma detenção, sim, e você também, Neville Longbottom, não há nada que lhe dê o direito de andar pela escola à noite, principalmente nos dias que correm, é muito perigoso, e vou descontar cinquenta pontos da Grifinória.

-Não reclamem. – Sirius avisou.

— Cinquenta? — Harry ofegou.

Perderiam a dianteira, a dianteira que ele conquistara na última partida de Quadribol.

— Cinquenta pontos de cada um — acrescentou a Professora Minerva, respirando com esforço pelo nariz longo e pontudo.

— Professora... Por favor... A senhora não pode...

— Não venha me dizer o que eu posso e o que eu não posso, Harry Potter. Agora voltem para a cama, todos vocês. Nunca senti tanta vergonha de alunos da Grifinória antes.

Sirius suspirou, olhando pesaroso para a filha e para o afilhado. Os alunos da Grifinoria suspiraram ao se lembrarem daquele ano.

Cento e cinquenta pontos perdidos. Isto deixava a Grifinória em último lugar. Em uma noite, tinham estragado as chances de Grifinória conquistar a taça das casas. Harry teve a sensação de que o fundo do seu estômago se soltara. Como iriam poder compensar a perda?

Harry não dormiu a noite inteira. Ouviu Neville soluçar com a cara no travesseiro durante o que lhe pareceram horas. Harry não conseguia pensar em nenhuma palavra para consolá-lo. Sabia que Neville, como ele mesmo, estava com medo do amanhecer.

O que aconteceria quando o resto de Grifinória descobrisse o que tinham feito?

Harry e Neville respiraram fundo se preparando para o que viria, Ariane, porém encarava os outros, pronta para azarar o primeiro que fale abobrinhas.

A princípio, os alunos de Grifinória que passavam pelas gigantescas ampulhetas que marcavam o placar das casas, no dia seguinte, acharam que tinha havido um engano. Como podiam de repente ter cento e cinquenta pontos menos do que no dia anterior?

E então a história começou a se espalhar. Harry Potter, o famoso Harry Potter, seu herói dos jogos de Quadribol, fora o responsável pela perda de todos aqueles pontos, ele, mais Ariane Black e um panaca do primeiro ano.

-Bem, pelo menos minha filha já era conhecida. – Sirius falou e Ariane bufou.

Gina lançou um olhar de puro desprezo para Ariane, Ariane como sempre viu o olhar da ruiva e em sua cabeça começou a montar planos, logo, logo, Ginerva Weasley saberia do que Ariane Black era capaz de fazer.

Da posição de aluno mais popular e admirado na escola, Harry passou a de mais odiado. Até os alunos da Corvinal e Lufa-Lufa se voltaram contra ele, porque todos desejavam há muito tempo ver a Sonserina perder a Taça das Casas.

Os sonserianos bufaram, era típico a escola sempre estar contra eles.

Para todo lado que Harry ia, as pessoas o apontavam e não se davam ao trabalho de baixar as vozes para xingá-lo. Os de Sonserina, por outro lado, batiam palmas quando ele passava, assobiavam e davam vivas.

“Obrigado, Potter, ficamos lhe devendo essa!”

Somente Rony e Hermione continuaram do seu lado.

— Eles vão esquecer dentro de umas semanas. Fred e Jorge já perderam montes de pontos desde que chegaram aqui e as pessoas continuam a gostar deles.

— Eles nunca perderam cento e cinquenta pontos de uma tacada, ou perderam? — retrucou Harry, infeliz.

— Bom... Não — admitiu Rony.

Era um pouco tarde para consertar o estrago, mas Harry jurou nunca mais se meter em coisas que não eram de sua conta.

Ariane, Hermione e Rony riram ao ouvirem essa parte e Harry fechou a cara.

Bastava de espiar e espionar. Sentia tanta vergonha que foi procurar Olívio para oferecer sua demissão do time de Quadribol.

— Se demitir? — trovejou Olívio. — Que bem faria isso? Como vamos poder recuperar os pontos se não conseguirmos vencer no Quadribol?

Mas até mesmo o Quadribol perdera a graça. O resto do time não queria falar com Harry durante os treinos e quando precisavam se referir a ele chamavam-no de “o apanhador”.

Neville também estava apanhando bastante. Não estavam apanhando tanto quanto Harry, porque não eram tão conhecidos, mas ninguém falava com eles, tampouco. Ariane já era o contrário, Harry nunca tinha visto a garota chamar tanta a atenção, não tinha uma pergunta na sala de aula que ela não respondesse, parecia até uma competição entre ela e Hermione, pois sempre era uma das duas que respondiam as perguntas.

-Por que você fez isso? – Will perguntou curioso.

-Por que o melhor jeito de conseguir os pontos perdidos é chamar a atenção, pode reparar que cada pergunta que os professores fazem em sala de aula é valendo pontos. – Ariane explicou e Fred, Jorge e Sirius concordaram com a cabeça.

Harry quase se alegrava que os exames não estivessem muito distantes. Todas as revisões que precisava fazer o distraiam de sua infelicidade. Ele, Rony e Hermione ficavam sozinhos, trabalhavam até tarde da noite, tentando lembrar os ingredientes das complicadas poções, aprender os feitiços e encantamentos de cor, decorar as datas das descobertas mágicas e das revoltas dos duendes...

Então, uma semana antes de começarem os exames, a nova resolução de Harry de não se meter em nada que não fosse de sua conta, foi submetida a um teste inesperado. Ao voltar da biblioteca, sozinho certa tarde, ouviu alguém choramingando numa sala de aulas mais à frente. Ao se aproximar, ouviu a voz de Quirrell.

— Não... Não... Outra vez não, por favor...

Parecia que alguém o estava ameaçando. Harry se aproximou um pouco mais.

— Está bem... Está bem — ouviu Quirrell soluçar.

No segundo seguinte, Quirrell saiu correndo da sala de aulas ajeitando o turbante. Estava pálido e parecia prestes a chorar. E desapareceu de vista. Harry achou que Quirrell nem sequer reparara nele. Esperou até que o ruído dos passos de Quirrell desaparecesse e, então, espiou para dentro da sala. Estava vazia, mas havia uma porta entreaberta na outra extremidade. Harry já ia em direção à porta, quando se lembrou de que prometera a si mesmo não se meter em nada.

Ariane, Rony e Hermione rolaram os olhos, Harry sempre teria um dom para se meter em problemas que não eram da sua conta.

Assim mesmo, teria apostado doze pedras Filosofais que Snape acabara de deixar a sala, e pelo o que Harry acabara de ouvir, ganhara uma nova agilidade nos passos. Quirrell parecia ter finalmente cedido.

Harry voltou à biblioteca, onde Hermione estava tomando os pontos de astronomia de Rony. Chamou Ariane e contou-lhes o que ouvira.

— Snape então conseguiu — exclamou Rony. — Se Quirrell contou a ele como quebrar o feitiço antimagia negra...

Ariane ficou pensativa depois de ouvir o que Rony falou.

— Mas ainda temos Fofo — lembrou Hermione.

— Talvez Snape tenha descoberto como passar pelo cachorro sem perguntar ao Rúbeo — disse Rony, correndo os olhos pelos milhares de livros que os rodeavam — aposto como tem um livro por aqui que ensina como se passar por um cachorrão de três cabeças. E então, o que vamos fazer, Harry?

Todos olharam curiosos para Harry, que abaixou a cabeça envergonhado por ser o centro das atenções.

O brilho de aventura voltava a iluminar os olhos de Rony, mas Hermione respondeu, antes que Harry pudesse fazê-lo.

— Vamos procurar Dumbledore. Isto é o que deveríamos ter feito há séculos. Se tentarmos alguma coisa por conta própria, com certeza vamos ser expulsos.

— Mas não temos provas — disse Harry. — Quirrell está apavorado demais para nos apoiar. Snape só precisa dizer que não sabe como foi que o trasgo entrou no Dia das Bruxas e que nem chegou perto do terceiro andar. Em quem vocês acham que eles vão acreditar, nele ou em nós? Não é bem segredo que nós o detestamos, Dumbledore vai pensar que inventamos isso para ele ser despedido. Filch não nos ajudaria nem que a vida dele dependesse disso, é muito amigo de Snape, e quanto mais alunos forem expulsos, tanto melhor, é o que ele pensa. E não se esqueçam que nós nem devíamos saber da Pedra nem de Fofo. O que vai exigir muita explicação.

Hermione pareceu convencida, mas não Rony.

— Se déssemos só uma espiadinha...

— Não — respondeu Harry decidido — já demos muitas espiadinhas.

-Eu volto logo. – Ariane falou de repente e se levantou.

Harry achou estranho, porém não deu bola, puxou um mapa de júpiter para perto e começou a aprender os nomes das luas.

-No que você pensou? – Sirius perguntou para a filha.

-Logo vocês vão descobrir. – foi a responda da garota.

Na manhã seguinte, Harry, Ariane e Neville receberam bilhetes à mesa do café da manhã. Diziam a mesma coisa:

“Sua detenção começará às vinte e três horas.

Aguardem o Sr. Filch no saguão de entrada.

Professora Minerva”.

No furor provocado pela perda de pontos, Harry esquecera que ainda tinham detenções a cumprir, não falou nada, pois achava que tinha merecido, já Ariane reclamou por ter que passar sua detenção com Filch.

Às onze horas da noite eles se despediram de Rony e Hermione no Salão Comunal e desceram com Neville para o saguão de entrada. Filch já se encontrava lá e também Malfoy. Harry esquecera que Malfoy pegara uma detenção também.

— Sigam-me — disse Filch, acendendo uma lanterna e levando-os para fora. — Aposto que vão pensar duas vezes antes de desobedecer novamente ao regulamento da escola, não é mesmo? — caçoou. — Ah, sim, trabalho pesado e dor são os melhores mestres, se querem saber. É uma pena que tenham suspendido os castigos antigos, pendurar o aluno no teto pelos pulsos durante alguns dias... Ainda tenho as correntes na minha sala, conservo-as azeitadas para o caso de precisarem. Muito bem, lá vamos nós, e nem pensem em fugir agora, será pior para vocês se fizerem isso.

Ariane rolou os olhos entediada com a fala de Filch.

Eles caminharam pela propriedade às escuras. Neville não parava de fungar. Harry ficou imaginando qual seria o castigo.

Devia ser alguma coisa realmente horrível, ou Filch não pareceria tão contente.

A lua brilhava, mas as nuvens que passavam por ela lançava-os na escuridão. À frente, Harry via as janelas iluminadas da cabana de Hagrid. Então, ouviram um grito distante.

— É você, Filch? Ande logo, quero começar de uma vez.

O ânimo de Harry melhorou, se eles iam trabalhar com Hagrid então não seria tão ruim. Seu alívio deve ter transparecido no rosto, porque Filch falou:

-Não devia ter feito isso. – Remo falou.

Harry rolou os olhos.

— Acho que você está pensando que vai se divertir com aquele panaca? Pois pode pensar outra vez, menino. É para a floresta que você vai e estarei muito enganado se voltar inteiro.

Ao ouvir isso, Neville deixou escapar um gemido e Malfoy ficou paralisado.

— A floresta? — repetiu e não pareceu tão tranquilo como de costume. — Não podemos entrar lá à noite... Tem todo tipo de coisa lá... Lobisomens, ouvi falar.

Remo ficou pálido ao ouvir falar em lobisomem.

Neville agarrou a manga das vestes de Harry e pareceu se engasgar.

— Isto é o que pensa, não é? — disse Filch, a voz esganiçando-se de satisfação. — Devia ter pensado nos lobisomens antes de se meterem encrencas, não acha?

Hagrid saiu do escuro caminhando em direção a eles, com Canino nos calcanhares. Carregava um grande arco e uma aljava com flechas pendurada ao ombro.

— Até que enfim. Já estou esperando há meia hora. Tudo bem, Harry, Ariane?

— Eu não seria tão simpático com eles, Hagrid — disse Filch com frieza — afinal eles estão aqui para serem castigados.

— E por isso que você está atrasado, não é? — disse Hagrid, amarrando a cara. — Andou passando carão neles, não é? Isso não é sua função. Você fez a sua parte, eu pego daqui para frente.

— Volto ao amanhecer para recolher o que sobrar deles — disse Filch, maldoso. Deu meia-volta e retornou ao castelo, balançando a lanterna na escuridão.

Malfoy virou-se então para Hagrid.

— Não vou entrar nessa floresta — disse, e Harry ficou contente de ouvir a nota de pânico em sua voz.

Malfoy abaixou a cabeça envergonhado, vários alunos pelo Salão Principal abafavam as risadas e os grifinorios olharam debochados para a mesa da Sonserina que tinha a cara fechada.

— Vai, sim, se quiser continuar em Hogwarts — disse Hagrid com ferocidade. — Você agiu mal e agora tem de pagar pelo que fez...

— Mas isso é coisa para empregados e não para estudantes. Achei que íamos fazer uma cópia ou outra coisa do gênero. Se meu pai souber que eu estou fazendo isso, ele...

—... Lhe dirá que em Hogwarts é assim — rosnou Hagrid. — Fazer cópia! Para que serve? Você vai fazer uma coisa útil ou vai sair da escola. E se pensa que seu pai vai preferir que você seja expulso, então volte para o castelo e faça suas malas. Vamos!

-É uma enorme pena que você não tenha feito isso. – Ariane falou debochada para Malfoy.

-Olha aqui Black... – Malfoy começou a falar, porém Ariane o interrompeu.

-Olha aqui você, não sou eu que tenho medo de entrar em uma floresta. – Ariane falou imitando a voz de Malfoy.

Qualquer coisa que Malfoy fosse dizer foi abafada pelas risadas que preencheram o Salão Principal.

Malfoy não se mexeu. Encarou Hagrid furioso e em seguida baixou os olhos.

— Muito bem, então — disse Hagrid — agora prestem atenção, porque é perigoso o que vamos fazer hoje à noite e não quero ninguém se arriscando. Venham até aqui comigo.

Ele os conduziu à orla da floresta. Erguendo a lanterna bem alto, apontou para uma trilha serpeante de terra batida que desaparecia por entre árvores escuras. Uma brisa leve levantou os cabelos dos meninos quando eles se viraram para a floresta.

— Olhem ali, estão vendo aquela coisa brilhando no chão? Prateada? Aquilo é sangue de unicórnio. Tem um unicórnio ali que foi ferido gravemente por alguma coisa. É a segunda vez esta semana. Encontrei um morto na quarta-feira passada. Vamos tentar encontrar o pobrezinho. Talvez a gente precise pôr fim ao sofrimento dele.

Sirius e Remo não estavam gostando nem um pouco dessa história, afinal era extremamente difícil conseguir machucar um unicórnio.

— E se a coisa que feriu o unicórnio nos encontrar primeiro? — perguntou Malfoy, incapaz de conter o medo na voz.

— Não há nenhuma criatura viva na floresta que vá machucá-lo se você estiver comigo e com o Canino. E siga a trilha. Muito bem, agora, vamos nos separar em dois grupos e seguir a trilha em direções opostas. Tem sangue por toda parte, ele deve estar cambaleando pelo menos desde a noite passada.

-Por que tenho a impressão que seria muito melhor se você retirasse todos daí? – Remo perguntou preocupado.

-Por que teria sido melhor mesmo. – Ariane falou.

— Eu quero Canino — disse Malfoy depressa, olhando para as presas de Canino.

— Muito bem, mas vou lhe avisando, ele é covarde. Então eu, Harry e Ariane vamos por aqui e Draco, Neville e Canino por ali. Agora, se algum de nós achar o unicórnio, disparamos centelhas verdes para o alto, OK? Peguem as varinhas e comecem a praticar agora, assim. E se alguém se enrolar, dispare centelhas vermelhas, e vamos todos procurá-lo, então, cuidado. Vamos.

A floresta estava escura e silenciosa. Entrando por ela, chegaram a uma bifurcação, e Harry, Ariane e Hagrid tomaram o caminho da esquerda enquanto Malfoy, Neville e Canino tomaram o da direita.

Caminharam em silêncio, com os olhos no chão. Aqui e ali um raio de luar penetrava por entre os galhos e iluminava uma mancha de sangue prateado nas folhas caídas.

Harry viu que Hagrid parecia muito preocupado.

— É possível um lobisomem estar matando os unicórnios? — Perguntou.

-Não por que um lobisomem só machuca um ser humano. – Ariane falou.

— Não com essa rapidez, não é fácil matar um unicórnio, eles são criaturas mágicas poderosas. Nunca soube de nenhum ter sido ferido antes.

Passaram por um toco de árvore coberto de musgo. Harry ouviu água correndo, devia haver um riacho por perto. Ainda viam manchas de sangue de unicórnio aqui e ali pela trilha serpeante.

— Você está bem, Ariane? — sussurrou Hagrid — Não se preocupe, ele não pode ter ido longe se está tão ferido e então poderemos... PARA TRÁS DAQUELA ÁRVORE!

Hagrid agarrou Harry e Ariane e arrastou-os para fora da trilha e para trás de um enorme carvalho. Puxou uma flecha e encaixou-a no arco, e ergueu-o, pronto para atirar. Os três apuraram os ouvidos. Alguma coisa deslizava pelas folhas mortas ali perto, parecia uma capa arrastando no chão. Hagrid apertava os olhos para enxergar a trilha escura à frente, mas, passados alguns segundos, o ruído desapareceu.

— Eu sabia — murmurou ele. — Tem alguma coisa aqui que está fora de lugar.

— Um lobisomem? — sugeriu Harry.

— Isso não era um lobisomem e não era um unicórnio, tão pouco — disse Hagrid sério. — Muito bem, me sigam, mas tenham cuidado agora.

Harry olhou para Ariane e ela parecia meio pálida, Harry estava começando a ficar preocupado com a garota.

-Por que você estava assim? – Amanda perguntou, por tudo o que ela já tinha conhecido de Ariane, sabia que a garota era bastante corajosa.

-Por que eu sabia pelo barulho que ouvimos anteriormente que um bruxo estava ali, e somando isso ao unicórnio ferido, boa coisa é que não era. – Ariane falou.

Preocupada com a amiga, Amanda voltou a ler.

Continuaram a caminhar mais devagar, os ouvidos à escuta do menor ruído. De repente, alguma coisa na clareira adiante, alguma coisa sem dúvida se mexia.

— Quem está ai? — chamou Hagrid. — Apareça. Estou armado!

E na clareira apareceu um vulto – era um homem, ou um cavalo? Até a cintura, um homem, com cabelos e barba vermelhos, mas da cintura para baixo era um luzidio cavalo castanho com uma cauda longa e avermelhada. O queixo de Harry caiu.

— Ah! É você, Ronan — exclamou Hagrid aliviado. — Como vai?

Ele se adiantou e apertou a mão do centauro.

— Boa noite para você, Hagrid — disse Ronan. Tinha uma voz grave e triste. — Você ia atirar em mim?

— Cautela nunca é demais, Ronan — disse Hagrid, dando uma palmadinha no arco.— Tem alguma coisa à solta nesta floresta. Ah, sim, estes são Harry Potter e Ariane Black. Alunos lá da escola. E este é Ronan. É um centauro.

— Percebi — disse Ariane falou.

— Boa noite — cumprimentou Ronan — São alunos, é? E aprendem muita coisa na escola?

— Hum.

— Um pouquinho — respondeu Ariane.

— Um pouquinho. Bom, já é alguma coisa — suspirou Ronan.

Depois, jogou a cabeça para trás e contemplou o céu.

— Marte está brilhante hoje.

— É — disse Hagrid, mirando o céu também. — Olhe, foi bom termos nos encontrado, Ronan, porque tem um unicórnio ferido. Você viu alguma coisa?

Ronan não respondeu imediatamente. Continuou a olhar para o alto sem piscar e então suspirou outra vez.

— Os inocentes são sempre as primeiras vítimas. Foi assim no passado, é assim agora.

— É, mas você viu alguma coisa, Ronan? Alguma coisa anormal?

— Marte está brilhante hoje — repetiu Ronan enquanto Hagrid o observava impaciente. — Um brilho anormal.

— Sim, mas estou me referindo a alguma coisa mais perto da terra. Você não notou nada estranho?

Mais uma vez, Ronan levou algum tempo para responder. Por fim disse:

— A floresta esconde muitos segredos.

-Hagrid, acho melhor sairmos daqui agora. – Ariane falou de repente e Harry podia ver que ela parecia apavorada.

Quando todos olharam sem entender para Ariane a mesma suspirou e explicou.

-O planeta Marte sempre anuncia conflitos e guerras, os inocentes sãos sempre as primeiras vítimas, foi assim antes e vai ser assim agora. Em uma guerra os primeiros a morrer são sempre os inocentes. E a floresta esconde muitos segredos. Tem algo na floresta que não deveria estar aí.

Todos olhavam surpresos para Ariane, se ela não tivesse explicado eles não teriam percebido isso e agora Harry conseguia entender o porquê de a namorada estar apavorada aquele dia.

Porém Hagrid não deu atenção para Ariane. Um movimento nas árvores atrás de Ronan fez Hagrid erguer o arco outra vez, mas era apenas um segundo centauro, de cabelos e corpo negros e de aspecto mais selvagem do que Ronan.

— Olá, Agouro — cumprimentou Hagrid. — Tudo bem?

— Boa noite, Hagrid, você vai bem, espero.

— Bastante bem. Olhe, eu estava mesmo perguntando a Ronan, você viu alguma coisa estranha por aqui ultimamente? É que um unicórnio foi ferido. Você sabe alguma coisa?

Agouro foi se postar ao lado de Ronan. Olhou para o céu.

— Marte está brilhante hoje — disse simplesmente.

— Já sabemos — respondeu Hagrid, agastado. — Bom, se um de vocês vir alguma coisa, me avise, por favor. Vamos indo, então.

Harry e Ariane saíram com ele da clareira, espiando Ronan e Agouro por cima dos ombros até as árvores tamparem sua visão.

— Nunca — disse Hagrid irritado — tentem obter uma resposta direta de um centauro. Vivem contemplando as estrelas. Não estão interessados em nada que esteja mais perto do que a lua.

Ariane respirou fundo e Harry sabia que a garota tinha entendido muito mais do que ele.

-Como sempre. – Rony falou rindo.

Ariane riu e Harry fechou a cara.

— Você acha que foi um centauro que ouvimos antes? — disse Harry...

— Você achou que era barulho de cascos? Não, se quer saber, aquilo é o que anda matando os unicórnios. Nunca ouvi nada parecido antes.

-Mais um motivo para tirar as crianças daí. – Sirius falou preocupado.

E continuaram a caminhar pela floresta densa e escura. Harry não parava de espiar, nervoso, por cima do ombro. Tinha a sensação ruim de que alguém os observava. Estava contente que tivessem Hagrid e seu arco com eles. Acabavam de passar uma curva na trilha quando Ariane agarrou o braço de Hagrid.

— Rúbeo! Olhe! centelhas vermelhas, os outros estão em apuros!

— Vocês dois esperem aqui! — gritou Hagrid — Fiquem na trilha, volto para apanhá-los!

Eles o ouviram romper o mato e ficaram parados se entreolhando, muito assustados, até não conseguirem ouvir mais nada em volta exceto o farfalhar das árvores.

— Espero que Neville esteja bem. – Ariane falou preocupada.

— Afinal é culpa nossa que ele esteja aqui.

Os minutos se arrastaram. Seus ouvidos pareciam mais aguçados do que o normal. Harry parecia estar registrando cada suspiro do vento, cada graveto que quebrava. O que estava acontecendo? Onde estavam os outros?

Finalmente, um grande barulho de mato pisado anunciou a volta de Hagrid. Malfoy, Neville e Canino o acompanhavam.

Hagrid vinha danado da vida. Malfoy, ao que parecia, se atrasara e agarrara Neville por trás para lhe dar um susto Neville se assustara e mandara o sinal.

Os alunos da Grifinoria mandaram olhares furiosos para Malfoy.

— Teremos sorte se apanharmos alguma coisa agora, com a barulheira que vocês aprontaram. Muito bem, vamos trocar os grupos: Neville, você e Ariane ficam comigo, Harry, você com o Canino e esse idiota. Sinto muito — acrescentou Hagrid para Harry num cochicho — mas vai ser mais difícil ele assustar você e precisamos acabar o nosso serviço.

Então Harry entrou pelo coração da floresta com Malfoy e Canino. Andaram quase meia hora, embrenhando-se cada vez mais, até que a trilha se tornou impraticável porque as árvores cresciam demasiado juntas. Havia salpicos nas raízes de uma árvore, como se o pobre bicho tivesse se debatido de dor por ali.

Harry viu uma clareira adiante, através dos galhos emaranhados de um velho carvalho.

— Olhe... — murmurou, erguendo o braço para deter Malfoy.

Alguma coisa muito branca brilhava no chão. Eles se aproximaram aos poucos.

Era o unicórnio, sim, e estava morto. Harry nunca vira nada tão bonito nem tão triste. As pernas longas e finas estavam esticadas em ângulos estranhos onde ele caíra e sua crina espalhava-se nacarada sobre as folhas escuras.

Harry dera um passo à frente, mas um som de algo que deslizava o fez congelar onde estava. Uma moita na orla da clareira estremeceu... Então, do meio das sombras saiu um vulto encapuzado que se arrastava de quatro pelo chão como uma fera à caça. Harry, Malfoy e Canino ficaram paralisados. O vulto encapuzado aproximou-se do unicórnio, abaixou a cabeça sobre ferimento no flanco do animal e começou a beber o seu sangue.

Ariane segurou a mão de Harry, por mais que soubesse que tudo ficaria bem, ainda assim não conseguia se impedir de ficar preocupada com o namorado.

Sirius e Remo olharam preocupados para Harry e vários alunos tinham a expressão apavoradas gravadas em seus rostos.

Com medo do que descobriria Amanda voltou a ler.

— AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH!

Malfoy soltou um grito terrível e fugiu, seguido por Canino. A figura encapuzada ergueu a cabeça e olhou diretamente para Harry. O sangue do unicórnio escorrendo pelo peito. Ficou de pé e avançou rápido para Harry, que não conseguiu se mexer de medo.

Então uma dor como ele nunca sentira antes varreu sua cabeça, como se a sua cicatriz estivesse em fogo.

-Impossível. – Julie uma aluna do sétimo ano da Corvinal falou.

-O que quer dizer com isso? – sua melhor amiga Julia perguntou confusa.

-Cicatrizes não deveriam doer depois de tanto tempo. – Julie falou tentando entender o que estava acontecendo.

Harry Potter e Ariane Potter se entreolharam, ambos sabiam que logo eles saberiam o porquê da cicatriz de Harry doer depois de tanto tempo.

Meio cego, ele recuou cambaleando. Ouviu cascos as suas costas, galopando, e aí alguma coisa saltou por cima dele, e atacou o vulto.

A dor na cabeça de Harry foi tão forte que ele caiu de joelhos.

Levou uns dois minutos para passar. Quando ergueu os olhos, o vulto desaparecera. Um centauro avultava-se sobre ele, mas não era Ronan nem Agouro, este parecia mais novo, tinha cabelos louros prateados e o corpo baio.

— Você está bem? — perguntou o centauro, ajudando Harry a se levantar.

— Estou, obrigado, o que foi aquilo?

O centauro não respondeu. Tinha espantosos olhos azuis, como safiras muito claras. Mirou Harry com atenção, demorando o olhar na cicatriz que se sobressaia, lívida, em sua testa.

— Você é o menino Potter. É melhor voltar para a companhia de Hagrid. A floresta não é segura a estas horas, principalmente para você. Sabe montar? Será mais rápido. Meu nome é Firenze — acrescentou ao dobrar as patas dianteiras para Harry poder subir no seu lombo.

-As coisas estão bem serias. – um aluno do sexto ano da Lufa – Lufa falou.

-Como assim? – um aluno do primeiro ano perguntou.

-Os centauros não deixam ninguém monta – lós, porém se um deles deixa você monta – ló é por que a situação é muito séria. – explicou.

Ouviram repentinamente o ruído de galopes vindo do outro lado da clareira. Ronan e Agouro irromperam do meio das árvores, os flancos arfantes e suados.

— Firenze! — Agouro trovejou. — O que é que você está fazendo? Está carregando um humano! Não tem vergonha? Você é uma mula?

— Você sabe quem ele é? — retrucou Firenze — É o menino Potter. Quanto mais rápido ele sair da floresta, melhor.

— O que é que você andou contando a ele? — rosnou Agouro. — Lembre-se, Firenze, juramos nunca nos indispor com os céus. Você não leu o que vai acontecer nos movimentos dos planetas?

Ronan pateou o chão, nervoso.

— Tenho certeza de que Firenze achou que estava fazendo o melhor — falou em tom sombrio.

Agouro escoiceou com raiva.

— Fazendo o melhor! O que tem isso a ver conosco? Os centauros se preocupam com o que foi previsto! Não é nossa função ficar correndo por aí como jumentos recolhendo humanos perdidos na nossa floresta!

Firenze de repente empinou-se nas patas traseiras com raiva, de modo que Harry teve de se agarrar nos seus ombros para não cair.

— Você não viu o unicórnio! — Firenze berrou para Agouro. — Você não percebe por que foi morto? Ou será que os planetas não lhe contaram esse segredo? Tomei posição contra o que está rondando a floresta, Agouro, tomei, sim, ao lado dos humanos se for preciso.

-Realmente as coisas estão bem serias. – Remo falou.

E Firenze virou-se depressa para partir, com Harry agarrando-se o melhor que podia, eles mergulharam entre as árvores, deixando Ronan e Agouro para trás.

E Harry não fazia a menor ideia do que estava acontecendo.

— Por que Agouro está tão zangado? — perguntou. — O que era aquela coisa de que você me livrou?

Firenze abrandou a marcha, alertou Harry para manter a cabeça abaixada a fim de evitar os galhos baixos, mas não respondeu à pergunta. Continuaram por entre as árvores em silêncio por tanto tempo que Harry achou que Firenze não queria mais falar com ele.

Estavam passando por um trecho particularmente denso da floresta, quando Firenze parou de repente.

— Harry Potter, você sabe para que se usa o sangue de unicórnio?

— Não — disse Harry surpreendido pela estranha pergunta. — Só usamos o chifre e a cauda na aula de Poções.

-E isso tem um motivo. – Ariane falou baixinho.

— Porque é uma coisa monstruosa matar um unicórnio. Só alguém que não tem nada a perder e tudo a ganhar cometeria um crime desses. O sangue do unicórnio mantém a pessoa viva, mesmo quando ela está à beira da morte, mas a um preço terrível. Ela matou algo puro e indefeso para se salvar e só terá uma semivida, uma vida amaldiçoada, do momento que o sangue lhe tocar os lábios.

A maioria dos alunos ofegaram surpresos, pois nenhum deles sabia disso.

Harry ficou olhando para a nuca de Firenze, que estava prateada de luar.

— Mas quem estaria tão desesperado? — pensou em voz alta — Se a pessoa vai ser amaldiçoada para sempre, é preferível morrer, não é?

— É — concordou Firenze — a não ser que ela precise se manter viva o tempo suficiente para beber outra coisa, algo que vai lhe devolver a força e o poder totais, algo que significa que jamais poderá morrer. Sr. Potter, o senhor sabe o que é que está escondido na sua escola neste momento?

— A Pedra Filosofal! É claro, o elixir da vida! Mas não percebo quem...

— Não consegue pensar em ninguém que tenha esperado muitos anos para retomar o poder, que se apegou à vida, esperando uma chance?

Foi como se uma mão de ferro de repente apertasse o coração de Harry. Acima do farfalhar das árvores, ele parecia ouvir mais uma vez o que Hagrid lhe contara na noite que se conheceram:

“Uns dizem que ele morreu. Bobagem, na minha opinião. Não sei se ele ainda teria bastante humanidade para morrer”.

— Você está dizendo — Harry falou rouco — que aquele era o Vol...

-Não diga esse nome. – muitos alunos gritaram apavorados pelo Salão Principal.

Remo e Sirius estavam bastante preocupados, Molly também estava preocupada e segurava fortemente a mão de Arthur.

— Harry! Harry, você está bem?

Ariane vinha correndo ao encontro deles pela trilha, Hagrid a acompanhava arfando.

— Estou bem — disse Harry, sem nem saber o que estava dizendo. — O unicórnio morreu, Rúbeo, está naquela clareira lá atrás.

— É aqui que eu o deixo — murmurou Firenze enquanto Hagrid corria para examinar o unicórnio. — Está seguro agora.

Harry escorregou de suas costas.

— Boa sorte, Harry Potter — disse Firenze. — Os planetas já foram mal interpretados antes, até mesmo pelos centauros. Espero que seja o que está ocorrendo agora.

Virou-se e entrou a trote pela floresta, deixando para trás um Harry cheio de tremores.

Sirius ainda tinha esperanças de que seu afilhado não tivesse enfrentado Voldemort logo no primeiro ano.

Rony e Hermione adormeceram no Salão Comunal às escuras, esperando os amigos voltarem. Gritou alguma coisa sobre faltas no Quadribol quando Harry o sacudiu com força para acordá-lo. Hermione acordou assim que Ariane a tocou. Em questão de segundos, porém, seus olhos se arregalaram quando Harry começou a contar a ele, a Hermione e a Ariane o que acontecera na floresta.

Harry nem conseguia se sentar. Andava para cima e para baixo na frente da lareira. Continuava a tremer.

— Snape quer a pedra para Voldemort... E Voldemort está esperando na floresta... E todo esse tempo pensamos que Snape só queria ficar rico.

— Pare de repetir esse nome! — disse Rony num sussurro de terror como se Voldemort pudesse ouvi-los.

Harry nem o escutou.

— Firenze me salvou, mas não devia ter feito isso. Agouro ficou furioso... Falou de interferência naquilo que os planetas anunciaram que ia acontecer. Eles devem estar indicando que Voldemort vai voltar. Agouro acha que Firenze devia ter deixado Voldemort me matar. Imagino que isso também esteja escrito nas estrelas.

-Pare de falar assim. – Ariane falou preocupada e um pouco apavorada.

Sirius olhava preocupado para a filha e o afilhado.

— Quer parar de dizer esse nome! — sibilou Rony.

— Portanto só preciso esperar que Snape roube a pedra — continuou Harry febril — então Voldemort vai poder voltar e acabar comigo. Bem, quem sabe Agouro vai ficar feliz.

Hermione parecia muito assustada, mas teve uma palavra de consolo.

— Harry, todo mundo diz que Dumbledore é a única pessoa de quem Você-Sabe-Quem já teve medo. Com Dumbledore por perto, Você-Sabe-Quem não vai tocar em você. Em todo o caso, quem disse que os centauros tem razão? Isso está me parecendo adivinhação, e a Professora Minerva diz que adivinhar o futuro é um ramo muito inexato da magia.

O céu havia clareado antes de terminarem de conversar. Foram se deitar exaustos, com as gargantas ardendo. Mas as surpresas da noite não tinham terminado.

Quando Harry puxou os lençóis da cama, encontrou a capa da invisibilidade cuidadosamente dobrada sobre o forro. Tinha um bilhete espetado nela: “Por via das dúvidas”.

Sirius e Remo suspiraram e se prepararam para o que viria.

-Acabou. – Amanda falou.

-Eu leio. – Will falou pegando o livro de Amanda.


Notas Finais


Espero que tenham gostado.

Beijos...

P.S.: O próximo capitulo será postado no dia 21 de outubro.

P.S.S.: A partir de hoje as postagens voltam a ser toda sexta feira, essa semana foi mais como um pedido de desculpas pelo tempo em que fiquei sem postar nada por causa das provas e também por que essa semana não tive aulas, assim tive um pouco mais de tempo para escrever, porém as aulas retornam segunda.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...