História 2 temporada: Oque o futuro nos reserva? - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Alice Longbottom, Alvo Dumbledore, Arthur Weasley, Cedrico Diggory, Draco Malfoy, Fleur Delacour, Franco Longbottom, Gina Weasley, Harry Potter, Hermione Granger, Lílian Evans, Lord Voldemort, Luna Lovegood, Marlenne Mckinnon, Minerva Mcgonagall, Molly Weasley, Murta Que Geme, Neville Longbottom, Pedro Pettigrew, Remo Lupin, Rita Skeeter, Ronald Weasley, Rúbeo Hagrid, Severo Snape, Sirius Black, Tiago Potter, Viktor Krum
Tags Harry Potter, Lendo O Futuro, Marotos, Marotos Lendo O Futuro, Releitura Dos Livros De Harry Potter
Exibições 78
Palavras 8.190
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa leituras....espero wue não tenham me abandonado.

Capítulo 9 - A Marca Negra


Fanfic / Fanfiction 2 temporada: Oque o futuro nos reserva? - Capítulo 9 - A Marca Negra

- A Marca Negra - Luna se arrepia ao ler o nome.

 

- Como assim?...tinha que ter alguma coisa para estragar - Lilian fala receosa.

 

"— Não conte à sua mãe que andaram apostando — implorou o Sr. Weasley a Fred e Jorge, quando juntos desciam, lentamente, as escadas forradas com carpete púrpura."

 

- Que coisa feia Arthur! - Alice fala repreendedora.

 

"— Não se preocupe, papai — disse Fred feliz — temos grandes planos para esse dinheiro, não queremos que ele seja confiscado.

 

Por um instante, pareceu que o Sr. Weasley ia perguntar que planos eram aqueles, mas em seguida, pensando melhor, decidiu que não queria saber."

 

- Mas eu quero saber - Sirius fala.

 

- Boa coisa não é - Marlene fala sorrindo.

 

"Logo eles foram engolfados pela multidão que saía do estádio e regressava aos acampamentos. O ar da noite trazia aos seus ouvidos cantorias desafinadas quando retomavam o caminho iluminado por lanternas, os Leprechauns continuavam a sobrevoar a área em alta velocidade, rindo, tagarelando, sacudindo as lanternas. Quando os garotos chegaram finalmente às barracas, ninguém estava com vontade de dormir e, dado o nível da barulheira, o Sr. Weasley concordou que podiam tomar uma última xícara de chocolate antes de se deitar.

 

Logo estavam discutindo prazerosamente a partida, o Sr. Weasley se deixou envolver por Carlinhos em uma polêmica sobre jogo bruto, e somente quando Gina caiu no sono em cima da mesinha e derramou chocolate quente pelo chão que o pai deu um basta nas retrospectivas verbais e insistiu que todos fossem se deitar. Hermione e Gina se transferiram para a barraca vizinha e Harry e os Weasley vestiram os pijamas e subiram nos beliches.

 

Do outro lado do acampamento eles ainda ouviam muita cantoria e uma batida que ecoava estranhamente.

 

— Ah, fico feliz de não estar de serviço — murmurou o Sr. Weasley cheio de sono. — Eu não iria gostar nem um pouco de ter que dizer aos irlandeses que eles precisam parar de comemorar.

 

Harry, que ocupava a cama superior do beliche de Rony, ficou olhando para o teto de lona da barraca, observando o brilho ocasional das lanternas dos Leprechauns que sobrevoavam o acampamento e visualizando alguns dos lances mais espetaculares de Krum. Estava doido para tornar a montar sua Firebolt e experimentar a Finta de Wronski... Por alguma razão Olívio Wood jamais conseguira transmitir como era aquele lance com os seus diagramas complicados...

 

Harry se viu usando vestes com seu nome nas costas e imaginou a sensação de ouvir uma multidão de cem mil pessoas berrando, enquanto a voz de Ludo Bagman ecoava pelo estádio “Com vocês... Potter!”

 

- Harry! Jogador não! - Lilian diz revirando os olhos.

 

- Por que não? - James retruca.

 

- Eu disse jogador não - Lilian encerra o assunto.

 

"Harry jamais chegou a saber se adormecera ou não – seus devaneios de voar como Krum talvez tivessem se transformado em sonhos de verdade – só sabia que, de repente ouviu o Sr. Weasley gritar.

 

— Levantem! Rony, Harry, vamos logo, levantem, é urgente!

 

Harry se sentou depressa e seu cocuruto bateu na lona do teto.

 

— Que foi? — perguntou.

 

Vagamente ele percebeu que alguma coisa não estava bem. O barulho no acampamento tinha mudado. A cantoria parara. Ele ouvia gritos e um tropel de gente correndo.

 

Harry desceu do beliche e apanhou suas roupas, mas o Sr. Weasley, que vestira a jeans por cima do pijama, falou:

 

— Não temos tempo, Harry, apanhe uma jaqueta e saia, depressa!"

 

- deu merda né? - Frank pergunta olhando para Rony.

 

- pode apostar que sim - Rony confirma fazendo uma careta com a lembrança.

 

"Harry obedeceu e saiu correndo da barraca, com Rony nos seus calcanhares. À luz das poucas fogueiras que ainda ardiam, viu gente correndo para a floresta, fugindo de alguma coisa que avançava pelo acampamento em sua direção, alguma coisa que emitia estranhos lampejos e ruídos que lembravam tiros. Caçoadas em voz alta, risadas e berros de bêbedos se aproximavam, depois uma forte explosão de luz verde, que iluminou a cena."

 

- Corre Harry! O que vocês estão olhando? - Lilian praticamente grita.

 

- Calma amor - James tenta dizer.

 

- Calma o escambau! - Lilian diz irritada.

 

"Um grupo compacto de bruxos, que se moviam ao mesmo tempo e apontavam as varinhas para o alto, vinha marchando pelo acampamento. Harry apertou os olhos para enxergá-los... Não pareciam ter rostos... Então ele percebeu que tinham as cabeças encapuzadas e os rostos mascarados. No alto, pairando sobre eles no ar, quatro figuras se debatiam, forçadas a assumir formas grotescas. Era como se os bruxos mascarados no chão fossem titereiros e as pessoas no alto, marionetes movidas por cordões invisíveis que subiam das varinhas erguidas. Duas das figuras eram muito pequenas."

 

- Comensais da Morte! - Remo fala preocupado.

 

- Por que vocês ainda estão parados? - Lilian pergunta para Rony.

 

"Mais bruxos foram se reunindo ao grupo que marchava, riam e apontavam para os corpos no ar. Barracas se fechavam e desabavam à medida que a multidão engrossava. Uma ou duas vezes Harry viu um bruxo explodir uma barraca com a varinha para desimpedir o caminho. Outras tantas pegaram fogo. A gritaria foi se avolumando.

 

As pessoas no ar foram repentinamente iluminadas ao passarem sobre uma barraca em chamas, e Harry reconheceu uma delas – o Sr. Roberts, o gerente do acampamento. As outras três, pelo jeito, deviam ser sua mulher e seus filhos. Um dos arruaceiros virou a Sra. Roberts de cabeça para baixo com a varinha, a camisola dela caiu deixando à mostra suas enormes calçolas. Ela tentava se cobrir enquanto a multidão embaixo dava guinchos e vaias de alegria.

 

— Que coisa doentia — murmurou Rony, observando a menor das crianças trouxas, que começara a rodopiar feito um pião, quase vinte metros acima do chão, a cabeça sacudindo molemente de um lado para outro. — Que coisa realmente doentia..."

 

- que coisa horrível! - Sirius exclama.

 

- que coisa doente! - Rony fala

 

"Hermione e Gina vieram correndo ao encontro dos garotos, vestindo casacos por cima das camisolas, seguidas de perto pelo Sr. Weasley. No mesmo momento, Gui, Carlinhos e Percy saíram da barraca dos garotos inteiramente vestidos, com as mangas enroladas e as varinhas em punho.

 

— Vamos ajudar o pessoal do Ministério — gritou o Sr. Weasley para ser ouvido com aquele barulho, enrolando as próprias mangas. — Vocês... Vão para a floresta e fiquem juntos. Irei apanhá-los quando resolvermos este problema aqui!

 

Gui, Carlinhos e Percy já estavam correndo em direção aos baderneiros que se aproximavam; o Sr. Weasley saiu depressa atrás dos filhos. Bruxos do Ministério convergiam de todas as direções para o foco do problema. A multidão sob a família Roberts se aproximava sempre mais."

 

— Anda — disse Fred, agarrando a mão de Gina e começando a puxá-la para a floresta.

 

Harry, Rony, Hermione e Jorge os acompanharam. Todos olharam para trás ao alcançarem as árvores. Os manifestantes sob a família Roberts eram mais numerosos que nunca, os garotos viram os bruxos do Ministério tentando chegar aos bruxos encapuzados no centro, mas encontravam grande dificuldade.

 

Aparentemente estavam com medo de executar algum feitiço que pudesse fazer a família Roberts despencar.

 

As lanternas coloridas que antes iluminavam o caminho para o estádio tinham sido apagadas. Vultos escuros andavam perdidos entre as árvores; crianças choravam, ecoavam gritos ansiosos e vozes cheias de pânico por todo o lado no ar frio da noite.

 

Harry se sentiu empurrado para cá e para lá por pessoas cujos rostos ele não conseguia distinguir. Eles ouviram Rony dar um berro de dor.

 

— Que aconteceu? — perguntou Hermione ansiosa, parando tão abruptamente que Harry quase deu um encontrão nela. — Rony, onde é que você está? Ah, mas que burrice... Lumus!

 

Ela iluminou a varinha e apontou o fino feixe de luz para o caminho. Rony estava esparramado no chão.

 

— Tropecei numa raiz de árvore — disse ele aborrecido, pondo-se de pé."

 

- Isso é motivo para gritar? - Lilian pergunta.

 

- Sou uma pessoa Dramatica - Rony fala em sua defesa.

 

- imagina se não fosse - Luna sussurra para sim mesma.

 

"— Ora, com pés desse tamanho, é difícil não tropeçar — disse uma voz arrastada às costas deles.

 

Harry, Rony e Hermione se viraram rapidamente. Draco Malfoy estava parado sozinho perto deles, encostado a uma árvore, numa atitude de total descontração."

 

- Chegou o insuportável - Sirius revira os olhos.

 

- Até que ele tem os pés grandes - James fala nas acabava levando uma cotovelada de Lilian.

 

- Cala a boca - Ela esbraveja.

 

- Não fiz nada de errado - James fecha a cara.

 

"De braços cruzados, parecia ter estado a contemplar a cena no acampamento por uma abertura entre as árvores. Rony disse a Malfoy que fosse fazer uma coisa que Harry sabia que o amigo jamais teria se atrevido a dizer na frente da Sra. Weasley.

 

— Olha a boca suja, Weasley — disse Malfoy, seus olhos claros reluzindo. — Não é melhor você se apressar? Não quer que descubram sua amiga, não é?

 

Ele indicou Hermione com a cabeça e, neste instante, ouviu-se no acampamento uma explosão como a de uma bomba, e um relâmpago verde iluminou momentaneamente as árvores à volta deles.

 

— Que é que você quer dizer com isso? — perguntou Hermione em tom de desafio."

 

- Adoro quando ela faz isso - Sirius fala.

 

- Tudo que ela faz é sagrado para você - Remo diz debochado.

 

"— Granger, eles estão caçando trouxas — disse Malfoy. — Você vai querer mostrar suas calcinhas no ar? Porque se quiser, fique por aqui mesmo... Eles estão vindo nessa direção, e todos vamos dar boas gargalhadas.

 

— Hermione é bruxa — rosnou Harry.

 

— Faça como quiser, Potter — disse Malfoy sorrindo maliciosamente.

 

— Se você acha que eles não são capazes de identificar um “Sangue Ruim”, fique onde está.

 

— Você é que devia olhar sua boca suja! — gritou Rony."

 

- sangue ruim a minha mão na sua cara - Sirius fala entre dentes.

 

- Garota nojento - Lilian diz.

 

- Ele faz pior - Rony diz.

 

"Todos os presentes sabiam que “Sangue Ruim” era uma palavra muito ofensiva a uma bruxa ou bruxo de pais trouxas.

 

— Deixa para lá, Rony — disse Hermione depressa, agarrando o amigo pelo braço para contê-lo, quando ele fez menção de avançar em Malfoy.

 

Ouviu-se um estampido do outro lado das árvores mais alto do que qualquer dos anteriores. Várias pessoas que estavam próximas gritaram. Malfoy deu um risinho abafado.

 

— Eles se assustam à toa, não é? — disse com a fala mole. — Imagino que papai disse a vocês para se esconderem? Que é que ele está fazendo, tentando salvar os trouxas?

 

— Onde estão os seus pais? — perguntou Harry, a raiva crescendo. — Lá no acampamento usando máscaras, é isso?

 

Malfoy virou o rosto para Harry, ainda sorrindo.

 

— Ora... Se eles estivessem, eu não iria dizer a você, não é mesmo, Potter?

 

— Ah, anda, gente — disse Hermione, com um olhar de repugnância para Malfoy — vamos procurar os outros.

 

— Fique com essa cabeçorra lanzuda abaixada, Granger — caçoou Malfoy."

 

- Moleque idiota - Sirius fala.

 

- Todos cometem erros - Luna fala distante.

 

- Ele não - Frank se pronuncia.

 

"— Anda, gente — repetiu Hermione, e puxou Harry e Rony de volta ao caminho.

 

— Aposto qualquer coisa como o pai dele é um dos mascarados! — disse Rony indignado.

 

— Bem, com um pouco de sorte, o Ministério vai agarrá-lo! — disse Hermione com veemência. — Ah, não dá para acreditar, onde foi que os outros se meteram?

 

Fred, Jorge e Gina não estavam em nenhum lugar à vista, embora o caminho estivesse apinhado de pessoas, todas espiando nervosamente a confusão no acampamento, por cima dos ombros.

 

Um grupo de adolescentes de pijamas discutia em altos brados um pouco adiante no caminho. Quando viram Harry, Rony e Hermione, uma garota de cabelos espessos e crespos se virou e disse depressa:

 

— Ou est Madame Maxime? Nous l’avons perdue...

 

— Hum... Quê? — perguntou Rony.

 

— Ah... — A menina que falara deu as costas para ele, e quando os garotos continuaram andando ouviram-na dizer claramente: — Hogwarts.

 

— Beauxbatons — murmurou Hermione.

 

— Como disse? — falou Harry.

 

— Devem estudar na Beauxbatons — esclareceu Hermione. — Você sabe... Academia de Magia Beauxbatons... Li sobre ela em Uma Avaliação da Educação em Magia na Europa."

 

- Ela sabe tudo...como pode? - Alice pergunta.

 

- Parei de tentar entender no terceiro ano - Rony diz sorrindo.

 

"— Ah... Sei... Certo — disse Harry.

 

— Fred e Jorge não podem ter ido tão longe assim — comentou Rony puxando a varinha do bolso, acendendo-a como fizera Hermione e esquadrinhando o caminho.

 

Harry enfiou as mãos nos bolsos da jaqueta à procura da própria varinha, mas não estava lá. A única coisa que encontrou foi o seu onióculo.

 

— Ah, não, eu não acredito... Perdi a minha varinha!

 

— Está brincando!"

 

- Como pode ser tão desligado? - Lilian fala balançando a cabeça.

 

- bem vindo ao universo do Harry - Rony diz brincando.

 

- Harry é meio desligado - Luna fala.

 

- Olha quem fala - Sirius sussurra no ouvido de Marlene.

 

"Rony e Hermione ergueram bem as varinhas para projetar seus finos raios de luz mais à frente no caminho; Harry olhou para todo lado, mas a varinha não estava visível em lugar algum.

 

— Talvez tenha ficado na barraca — disse Rony.

 

— Talvez tenha caído do seu bolso quando você estava correndo? — sugeriu Hermione ansiosa.

 

— É — falou Harry — talvez...

 

Em geral ele a carregava o tempo todo quando estava no mundo dos bruxos, e vendo-se sem a varinha no meio de uma confusão daquelas, sentiu-se extremamente vulnerável. Um rumorejar fez os três se sobressaltarem. Winky, a elfo doméstica, estava tentando sair de uma moita de arbustos ali perto. Movia-se de um jeito esquisitíssimo, com visível dificuldade; era como se alguém invisível estivesse tentando segurá-la.

 

— Tem bruxos malvados aqui! — guinchou ela nervosa, ao se curvar para frente e se esforçar para correr. — Gente voando... Lá no alto! Winky está saindo do caminho!"

 

- Coitada - Lilian fala.

 

"E desapareceu entre as árvores do outro lado da via, ofegando e guinchando enquanto lutava com a força que a retinha.

 

— Que é que há com ela? — perguntou Rony, acompanhando-a com o olhar, curioso. — Por que ela não consegue correr direito?

 

— Aposto como não pediu permissão para se esconder — disse Harry.

 

Estava se lembrando de Dobby: todas as vezes que tentava fazer alguma coisa que os Malfoy não gostariam, era forçado a bater em si mesmo.

 

— Sabem, os elfos domésticos têm uma vida duríssima! — disse Hermione indignada. — É escravidão, isso é que é! Aquele Sr. Crouch fez Winky subir até o topo do estádio, e ela estava aterrorizada, e a enfeitiçou dessa maneira para que nem possa correr quando eles começam a pisotear barracas! Por que ninguém faz nada para acabar com uma situação dessas?"

 

- Vai começar - Rony fala revirando os olhos.

 

- Como assim? - Sirius pergunta.

 

- Você vai ver...sua queridinha vai ficar insuportável - Rony fala.

 

"— Ué, os elfos são felizes, não são? — admirou-se Rony. — Você ouviu a Winky durante a partida... “Elfos domésticos não devem se divertir...” é disso que ela gosta, que mandem nela...

 

— É gente como você, Rony — começou Hermione com veemência — que sustenta sistemas podres e injustos, só porque são preguiçosos demais para...

 

Um novo estrondo ecoou na orla da floresta.

 

— Vamos continuar andando, vamos? — disse Rony, e Harry o viu olhar irritado para Hermione.

 

Talvez fosse verdade o que Malfoy dissera; talvez Hermione estivesse em maior perigo do que eles. Recomeçaram a andar, Harry ainda revistando os bolsos, embora soubesse que a varinha não estava ali." 

 

- Harry  meu bem.... por que tão desligado? - Lilian pergunta para si mesma.

 

- Ele vai cometer algumas gafs ainda - Rony comenta.

 

"Os garotos seguiram o caminho que se aprofundava na floresta, atentos para avistarem Fred, Jorge e Gina."

 

- Ao invés de sair eles entram mais - Remo diz balançando a cabeça negativamente.

 

- Estar com Hermione e o mesmo que estar com Merlin - Sirius fala fazendo Alice reviar os olhos.

 

"Passaram por um grupo de duendes que davam gargalhadas à vista de um saco de ouro que, sem dúvida, deviam ter ganho apostando na partida, e que pareciam imperturbáveis diante da confusão no acampamento. Mais adiante, depararam com um trecho iluminado por uma luz prateada e, quando espiaram entre as árvores, viram três Veela altas e belas paradas em uma clareira e cercadas por um bando de jovens bruxos barulhentos, todos falando em altos brados.

 

— Ganho uns cem sacos de galeões por ano — gritava um. — Mato dragões para a Comissão para Eliminação de Criaturas Perigosas."

 

- Quanta Futilidade - Marlene revira os olhos.

 

- Parece alguém que eu conheço - Alice fala olhando para Sirius.

 

- Não me olha assim, eu parei com isso a muito tempo - Sirius se defende.

 

- Claro - Lilian diz debochada.

 

"— Mata nada — berrou seu amigo — você lava pratos no Caldeirão Furado... Mas eu sou caçador de vampiros, já matei uns noventa até agora...

 

Um terceiro bruxo, cujas espinhas eram visíveis até à luz fraca e prateada das Veela, entrou nesse instante na conversa:

 

— Eu estou às vésperas de me tornar o Ministro da Magia mais novo de todos os tempos."

 

- E eu o Coelho da páscoa - Lilian diz.

 

"Harry deu risadinhas abafadas. Reconheceu o bruxo espinhento; o nome dele era Stanislau Shunpike, e era, na realidade, condutor do Nôitibus Andante.

 

Ele se virou para dizer isso a Rony, mas o rosto do amigo se afrouxara estranhamente e no segundo seguinte Rony estava gritando:

 

— Eu já disse a vocês que inventei uma vassoura que pode chegar a Júpiter?

 

— Francamente! — tornou a exclamar Hermione, e ela e Harry agarraram Rony pelos braços com firmeza, viraram-no e saíram andando com ele."

 

- Sério mesmo? -, James pergunta.

 

- Pois é..Eu estava brincando - Rony fala vermelho.

 

"Quando a algazarra das Veela com seus admiradores se tornou completamente inaudível, os três já estavam no coração da floresta. Pareciam estar sozinhos agora, tudo estava muito mais quieto. Harry espiou para os lados.

 

— Acho que podemos esperar aqui, sabe, dá para ouvir uma pessoa chegando a mais de um quilômetro.

 

Nem bem ele dissera essas palavras, Ludo Bagman saiu de trás de uma árvore um pouco adiante. Mesmo à luz fraca das duas varinhas, Harry viu que uma grande mudança se operara em Bagman. Ele já não parecia displicente e rosado; não havia mais elasticidade em seu andar. Parecia muito pálido e cansado.

 

— Quem está aí? — perguntou o bruxo, piscando os olhos, tentando distinguir os rostos dos garotos. — Que é que vocês estão fazendo aqui sozinhos?

 

Eles se entreolharam surpresos.

 

— Bem... Está acontecendo um tumulto — disse Rony.

 

Bagman arregalou os olhos para ele.

 

— Quê?

 

— No acampamento... Umas pessoas agarraram uma família de trouxas...

 

Bagman praguejou em voz alta.

 

— Desgraçados! — Ele pareceu ficar muito perturbado e, sem dizer mais nada, desaparatou com um pequeno estalo.

 

— Não anda muito bem informado o Sr. Bagman, não é? — comentou Hermione franzindo a testa."

 

- Desafiadora! - Sirius fala.

 

- Você vai mesmo comentar cada vez que a Hermione falar? - Frank pergunta.

 

- Fazer o que se eu amo essa baixinha - Sirius du, sorrindo.

 

 

"— Mas ele foi um grande batedor — disse Rony e, adiantando-se aos amigos, rumou para uma pequena clareira e se sentou em um trecho de grama seca ao pé de uma árvore. — Os Wimbourne Wasps foram campeões três vezes seguidas quando ele fazia parte do time.

 

Tirou, então, a pequena estátua de Krum do bolso, colocou-a no chão e ficou por instantes observando-a andar."

 

- Ele nem é tão bom assim - Rony da de ombros.

 

- Então...

 

- Ciumento - Luna cantarola.

 

- Não é ciúmes - Rony diz.

 

- só eu estou boiando? - James pergunta é todos negam.

 

" Igualzinho ao Krum verdadeiro, o modelo andava com os pés para fora e tinha os ombros caídos, bem menos impressionante andando feito pato do que montado na vassoura. Harry escutou com atenção se vinha algum barulho do acampamento. Tudo parecia silencioso; talvez o tumulto tivesse acabado.

 

— Espero que os outros estejam bem — disse Hermione depois de algum tempo.

 

— Estão — disse Rony.

 

— Imagine se o seu pai apanhar o Lúcio Malfoy — disse Harry, sentando-se ao lado de Rony para observar a estatueta de Krum andando por cima das folhas secas. — Ele vive dizendo que gostaria de ter alguma coisa contra o Malfoy.

 

— Isso ia apagar aquele risinho na cara do nosso amigo Draco, ah, ia — disse Rony.

 

— Mas, e os coitados daqueles trouxas — lamentou Hermione, nervosa. — E se não conseguirem trazer eles de volta ao chão?

 

— Vão conseguir — Rony tranquilizou a amiga — vão arranjar um jeito.

 

— Mas é uma loucura fazer uma coisa daquelas com o Ministério da Magia em peso aqui hoje! Quero dizer, como é que eles esperam se safar? Vocês acham que eles andaram bebendo ou só...

 

Mas Hermione parou de falar abruptamente e espiou por cima do ombro.

 

Harry e Rony também se viraram depressa. Parecia que alguém estava cambaleando em direção à clareira em que se encontravam. Eles esperaram, prestando atenção ao ruído dos passos desiguais por trás das árvores escuras.

 

Mas os passos pararam repentinamente.

 

— Alôô? — chamou Harry.

 

Silêncio. Harry se levantou e espiou atrás da árvore. Estava escuro para ver muito longe, mas ele sentia que havia alguém logo além do seu campo de visão.

 

— Quem está aí? — perguntou.

 

E então, sem aviso, o silêncio foi rompido por uma voz diferente de todas que tinham ouvido antes; e ela não soltou um grito, mas algo que lembrava um feitiço.

 

— MORSMORDRE!"

 

- Ferrou! - James Grita.

 

- Quer me matar do coração? - Lilian olha brava para James.

 

- Desculpa meu lírio - James dá um sorriso amarelo.

 

"E uma coisa enorme, verde e brilhante, irrompeu do lugar escuro que os olhos de Harry se esforçaram para penetrar e voou para o topo das árvores e para o céu.

 

— Quem...? — exclamou Rony, ficando em pé de um salto e arregalando os olhos para a coisa que aparecera.

 

Por uma fração de segundo, Harry pensou que fosse outra formação de duendes irlandeses. Depois percebeu que era um crânio colossal, aparentemente composto por estrelas de esmeralda e uma cobra saindo da boca como uma língua. Enquanto olhavam, o crânio foi subindo cada vez mais alto, envolto em uma névoa de fumaça esverdeada, recortando-se contra o céu noturno como uma nova constelação."

 

- Voldemort - Sirius sussurra.

 

- Parece que agora tudo vai ficar pior - Alice choraminga.

 

"De repente, toda a floresta ao redor deles explodiu em gritos. Harry não entendeu o motivo, mas o único possível era a súbita aparição do crânio, que agora estava alto o suficiente para iluminar toda a floresta, como um letreiro macabro de néon.

 

Ele esquadrinhou a escuridão à procura da pessoa que conjurara o crânio, mas não conseguiu ver ninguém.

 

— Quem está aí? — chamou ele mais uma vez.

 

— Harry, vamos, anda! — Hermione agarrou-o pelas costas da jaqueta e o puxou para trás.

 

— Que foi? — perguntou Harry, espantado de ver a cara da amiga tão branca e aterrorizada.

 

— É a Marca Negra, Harry! — gemeu Hermione, puxando-o com toda a força que podia. — O sinal do Você-Sabe-Quem!"

 

- Como ela sabe? - Remo se pergunta.

 

- Ela é sensacional - Sirius fala com obviedade.

 

"— Do Voldemort...?

 

— Harry, anda logo!

 

Harry se virou – Rony estava recolhendo depressa a miniatura de Krum – os três começaram a atravessar a clareira, mas antes que conseguissem dar mais de cem passos, uma série de estalos anunciaram a chegada de vinte bruxos, saídos do nada, a toda volta.

 

Harry se virou e numa fração de segundo registrou um fato: cada um dos bruxos puxara a varinha, e cada varinha estava apontada para ele, Rony e Hermione. Sem parar para pensar, berrou:

 

— ABAIXA! — Ele agarrou os dois amigos e puxou-os para o chão.

 

— ESTUPEFAÇA! — berraram vinte vozes desencadeando uma série de lampejos, e Harry sentiu seus cabelos ondularem como se um vento poderoso tivesse varrido a clareira.

 

Ao erguer a cabeça um centímetro, ele viu jorros de luz flamejante saírem das varinhas dos bruxos e sobrevoarem seus corpos, entrecruzando-se, ricocheteando nos troncos das árvores, saltando para a escuridão...

 

— Parem! — berrou uma voz que ele reconheceu. — PAREM! É o meu filho!

 

Os cabelos de Harry pararam de voar para todos os lados. Ele levantou a cabeça mais um pouquinho. O bruxo diante dele baixara a varinha. O garoto rolou o corpo e viu o Sr. Weasley vindo em direção ao ajuntamento, com uma expressão aterrorizada no rosto.

 

— Rony, Harry... — sua voz tremia —... Hermione, vocês estão bem?

 

— Saia do caminho, Arthur — disse uma voz fria e ríspida.

 

Era o Sr. Crouch. Ele e os outros bruxos do Ministério fechavam o cerco em torno dos garotos. Harry levantou-se para encará-los. O rosto do Sr. Crouch estava tenso de cólera.

 

— Qual de vocês fez aquilo? — perguntou aborrecido, seus olhos penetrantes indo de um garoto para o outro. — Qual de vocês conjurou a Marca Negra?"

 

- São crianças! - Lilian fala indignada.

 

- Nao é culpa dele...alguns seres não tem o dom de pensar - James fala.

 

"— Nós não conjuramos aquilo! — respondeu Harry apontando o crânio.

 

— Nós não conjuramos nada! — disse Rony, que esfregava o cotovelo e olhava cheio de indignação para o pai. — Por que vocês nos atacaram?

 

— Não minta, senhor! — gritou o Sr. Crouch. Sua varinha continuava apontada diretamente para Rony, e seus olhos saltavam das órbitas, parecia um tanto maluco. — Vocês foram encontrados na cena do crime!

 

— Bartô — murmurou uma bruxa trajando um longo penhoar de lã — eles são meninos, Bartô, nunca teriam capacidade para...

 

— De onde saiu a Marca? Respondam vocês três — mandou o Sr. Weasley depressa.

 

— Dali — respondeu Hermione trêmula, apontando para o ponto em que tinham ouvido a voz — havia alguém atrás das árvores... Gritou umas palavras, uma fórmula mágica...

 

— Ah, havia gente parada ali, é mesmo? — disse o Sr. Crouch, virando seus olhos saltados para Hermione, a incredulidade estampada por todo o rosto. — Disseram uma fórmula mágica, não foi? A senhorita parece muIto bem informada sobre as palavras que conjuram a Marca, senhorita..."

 

- Era só o que me faltava - Sirius parecia a beira de um colapso.

 

- Estou ficando receoso quanto ao futuro - Rony sussurra para Luna que apenas ri.

 

"Mas nenhum dos bruxos do Ministério, exceto o Sr. Crouch, achou nem remotamente provável que Harry, Rony e Hermione tivessem conjurado o crânio, muito ao contrário, ao ouvirem as palavras de Hermione voltaram a erguer e apontar as varinhas na direção que ela indicara, procurando ver entre as árvores escuras.

 

— Tarde demais — disse a bruxa de penhoar de lã, sacudindo a cabeça. — Já devem ter desaparatado.

 

— Acho que não — disse um bruxo com uma barba curta e castanha. Era Amos Diggory, o pai de Cedrico. — Os nossos raios passaram direto por aquelas árvores... Há uma boa chance de os termos atingido...

 

— Amos, cuidado! — disseram alguns bruxos em tom de alerta, quando o Sr. Diggory aprumou os ombros, ergueu a varinha, atravessou a clareira e desapareceu na escuridão.

 

Hermione observou-o sumir, levando as mãos à boca.

 

Alguns segundos depois, eles ouviram o Sr. Diggory gritar.

 

— Acertamos, sim! Tem alguém aqui! Inconsciente! É... Mas... Caramba...

 

— Você pegou alguém? — gritou o Sr. Crouch, parecendo muitíssimo incrédulo. — Quem? Quem é?

 

Eles ouviram gravetos se partirem, folhas farfalharem e, por fim, passos quando o Sr. Diggory reapareceu por trás das árvores. Trazia uma figura minúscula e inerte nos braços. Harry reconheceu a toalha de chá na mesma hora.

 

Era Winky.

 

O Sr. Crouch não se mexeu nem falou enquanto o Sr. Diggory depositava o elfo do Sr. Crouch no chão aos seus pés. Todos os bruxos do Ministério se viraram para o Sr. Crouch. Durante alguns segundos, o bruxo permaneceu paralisado, os olhos ardendo no rosto branco, olhando para Winky. Então, ela pareceu voltar à vida.

 

— Isto... Não pode... Ser — disse ele aos arrancos. — Não...

 

Contornou rápido o Sr. Diggory e saiu em direção ao lugar em que o bruxo encontrara Winky.

 

— Não adianta, Sr. Crouch — gritou Diggory para ele. — Não há mais ninguém aí.

 

Mas o Sr. Crouch não parecia disposto a aceitar sua palavra. Eles o ouviram andar por todo o lado, as folhas rumorejarem ao serem afastadas para os lados, na busca.

 

— Meio embaraçoso — disse o Sr. Diggory sombriamente, contemplando o corpo inconsciente de Winky. — O elfo doméstico de Bartô Crouch... Quero dizer..."

 

- Meu Merlin! Essas pessoas não sabem pensar? - Lilian exclama.

 

- Ao que tudo indica - James fala.

 

"— Pode parar, Amos — disse o Sr. Weasley baixinho. — Você não acredita seriamente que foi o elfo? A Marca Negra é um sinal de bruxo. Exige uma varinha.

 

— É — disse o Sr. Diggory — e havia uma varinha.

 

— Quê? — exclamou o Sr. Weasley.

 

— Olhe aqui. — O Sr. Diggory ergueu uma varinha e mostrou-a ao Sr. Weasley. — Estava na mão dela. Então, para começar, violação da Cláusula 3 do Código para o Uso de Varinhas. Nenhuma criatura não-humana tem permissão para portar ou usar uma varinha.

 

Nesse instante ouviu-se mais um estalo e Ludo Bagman aparatou bem ao lado do Sr. Weasley. Parecendo sem fôlego e desorientado, ele girou no mesmo lugar, com os olhos cravados no crânio verde esmeralda no céu.

 

— A Marca Negra! — ofegou ele, quase pisoteando Winky ao se virar, intrigado, para os colegas. — Quem fez isso? Vocês apanharam quem fez? Bartô! Que é que está acontecendo?

 

O Sr. Crouch voltara de mãos vazias. Seu rosto continuava branco como o de um fantasma e torcia tanto os bigodes em escovinha quanto as mãos.

 

— Onde é que você andou, Bartô? — perguntou Bagman. — Por que é que você não assistiu à partida? E o seu elfo ficou guardando uma cadeira para você... Gárgulas vorazes! — Bagman acabara de notar Winky caída aos seus pés. — Que foi que aconteceu com ela?

 

— Estive ocupado, Ludo — disse o Sr. Crouch, ainda falando aos arrancos como antes, e mal movendo os lábios. — E o meu elfo foi estuporado.

 

— Estuporado? Por gente nossa, você quer dizer? Mas por quê...?

 

De repente o rosto redondo e reluzente de Bagman revelou ter compreendido, ele ergueu os olhos para o crânio, baixou-os para Winky e, em seguida, ergueu-os para o Sr. Crouch.

 

— Não! — exclamou ele. — Winky? Conjurou a Marca Negra? Ela não saberia fazer isso! Para começar precisaria de uma varinha!

 

— E tinha uma — disse o Sr. Diggory. — Encontrei-a segurando uma, Ludo. Se o senhor não se opõe, Sr. Crouch, acho que devíamos ouvir o que ela tem a dizer em sua defesa.

 

Crouch não deu sinal de ter ouvido o Sr. Diggory, mas este pareceu tomar o silêncio do outro por concordância. Ergueu a varinha e apontando-a para Winky disse:

 

— Enervate!

 

Winky mexeu-se fracamente. Seus grandes olhos castanhos se abriram e ela piscou várias vezes de um jeito meio abobado. Observada pelos bruxos em silêncio, ergueu o tronco aos poucos e se sentou.

 

Avistou, então, os pés do Sr. Diggory e lentamente, tremulamente, ergueu os olhos para fixar seu rosto, mais lentamente ainda, olhou para o céu. Harry viu o crânio flutuante refletir-se duas vezes em seus enormes olhos vidrados. Ela soltou uma exclamação, olhou a clareira em volta, agitada, e irrompeu em soluços aterrorizados.

 

— Elfo! — disse o Sr. Diggory severamente. — Você sabe quem eu sou? Sou do Departamento para Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas!

 

Winky começou a se balançar no chão para frente e para trás, a respiração saindo em fortes arquejos. Harry teve que se lembrar de Dobby em seus momentos de aterrorizada desobediência."

 

- Coitadinha! - Lilian diz com pena.

 

 

"— Como você está vendo, elfo, a Marca Negra foi conjurada aqui há alguns instantes — disse o bruxo. — E você foi descoberta, pouco depois, logo embaixo dela! Sua explicação, por favor!

 

— Eu... Eu... Eu não estou fazendo isso, meu senhor! — Winky ofegou. — Eu não estou sabendo, meu senhor!

 

— Você foi encontrada com uma varinha na mão! — vociferou o Sr. Diggory, brandindo a varinha diante dela.

 

E quando a varinha refletiu a luz verde, vinda do crânio no alto, que inundava a clareira, Harry a reconheceu.

 

— Ei... É minha! — disse."

 

- Aí que lindo - James fala sarcástico.

 

- Isso não é hora! - Lilian revira os olhos.

 

"Todos na clareira olharam para o garoto.

 

— Perdão? — disse o Sr. Diggory incrédulo.

 

— É a minha varinha! — repetiu Harry. — Deixei-a cair!

 

— Deixou-a cair? — repetiu o bruxo incrédulo. — Isto é uma confissão? Você se desfez dela depois de conjurar a Marca?

 

— Amos, lembre-se de com quem está falando! — disse o Sr. Weasley, muito zangado. — Acha provável que Harry Potter conjure a Marca Negra?"

 

- Finalmente alguém sensato! - Lilian exclama.

 

- Seria bem estranho - Sirius reprime a risada.

 

"— Hum... Claro que não — murmurou o Sr. Diggory. — Desculpem... Me empolguei...

 

— Em todo o caso, não a deixei cair lá — disse Harry, indicando com o polegar as árvores. — Dei falta dela logo depois que entramos na floresta.

 

— Então — disse o Sr. Diggory, seu olhar endurecendo ao se virar novamente para Winky que se encolhia aos seus pés. — Você encontrou a varinha, não foi, elfo? E você a apanhou e pensou em se divertir com ela, é isso?

 

— Eu não estava fazendo mágica com ela, meu senhor! — guinchou Winky, as lágrimas correndo pelos lados do nariz achatado e grande. — Eu estava... Eu estava... Eu estava só apanhando ela, meu senhor! Eu não estava fazendo a Marca Negra, meu senhor, eu não sei fazer!

 

— Não foi ela! — afirmou Hermione."

 

- Agora o círculo vai pegar fogo - Rony diz divertido.

 

 

"Ela parecia muito nervosa, dizendo o que pensava diante de todos aqueles bruxos do Ministério, mas, ainda assim, decidida.

 

— Winky tem uma vozinha esganiçada e a voz que ouvimos dizer a fórmula era muito mais grave! — Ela olhou para os lados à procura de Harry e Rony, à procura de apoio. — Não parecia nada com a voz da Winky, parecia?"

 

- Minha menina Nerd - Sirius fala.

 

"— Não — confirmou Harry, sacudindo a cabeça. — Decididamente não parecia voz de elfo.

 

— É, era uma voz humana — disse Rony.

 

— Bem, logo veremos — rosnou o Sr. Diggory, sem parecer se impressionar. — Há uma maneira simples de descobrir o último feitiço que a varinha realizou, você sabia, elfo?

 

Winky estremeceu e sacudiu a cabeça freneticamente, as orelhas abanando, quando o Sr. Diggory ergueu a própria varinha e encostou-a, ponta com ponta, na de Harry.

 

— Prior Incantato! — rugiu o Sr. Diggory.

 

Harry ouviu Hermione prender a respiração horrorizada, quando um crânio com uma enorme língua de cobra surgiu no ponto em que as duas varinhas se tocavam, mas era uma mera sombra do crânio verde no alto, parecia até feito de uma espessa fumaça cinzenta: O fantasma de um feitiço.

 

— Deletrius! — bradou o Sr. Diggory, e o crânio difuso desapareceu transformado em um fiapo de fumaça.

 

— Então — disse o Sr. Diggory com um tom de furioso triunfo, fixando Winky, que continuava a tremer convulsivamente."

 

- Mas que merda! - Frank fala.

 

- Não foi a elfa! - Lilian diz.

 

- Fala isso para ele - Rony diz.

 

"— Eu não estava fazendo isso! — guinchou o elfo, seus olhos revirando aterrorizados. — Eu não estava, eu não estava, eu não sei fazer!

 

— Você foi apanhada com a mão na botija, elfo — rugiu o Sr. Diggory. — Apanhada com a mão na varinha culpada!

 

— Amos — disse o Sr. Weasley em voz alta — pense um pouco... Pouquíssimos bruxos sabem fazer esse feitiço... Onde ela o teria aprendido?

 

— Talvez Amos esteja insinuando — disse o Sr. Crouch, a fúria reprimida em cada sílaba — que eu rotineiramente ensino meus criados a conjurarem a Marca Negra?

 

Seguiu-se um silêncio profundamente desagradável. Amos Diggory pareceu horrorizado.

 

— Sr. Crouch... De... De jeito nenhum...

 

— Você agora já chegou quase a denunciar as duas pessoas nesta clareira que menos provavelmente conjurariam aquela Marca! — vociferou o Sr. Crouch. — Harry Potter... E eu! Suponho que você conheça a história do garoto, Amos?

 

— Claro, todos conhecem... — murmurou o Sr. Diggory, parecendo extremamente sem graça.

 

— E espero que se lembre das muitas provas que tenho dado, durante a minha longa carreira, de que desprezo e detesto as Artes das Trevas e aqueles que a praticam — gritou o Sr. Crouch, os olhos saltando das órbitas outra vez.

 

— Sr. Crouch, eu... Eu nunca insinuei que o senhor tenha alguma coisa a ver com isso! — murmurou Amos Diggory, corando por baixo da barba castanha e curta.

 

— Se você acusa o meu elfo, você acusa a mim, Diggory! Onde mais ela teria aprendido a conjurar a Marca?

 

— Ela... Ela poderia ter aprendido em qualquer lugar...

 

— Precisamente, Amos — disse o Sr. Weasley. — Ela poderia ter aprendido em qualquer lugar... — Winky? — disse ele bondosamente, virando-se para o elfo, que se encolheu como se este bruxo também estivesse gritando com ela. — Onde foi exatamente que você encontrou a varinha de Harry?

 

Winky estava torcendo a barra da toalha de chá com tanta violência que o pano se esfiapava entre seus dedos.

 

— Eu... Eu estava encontrando... Encontrando ela lá, meu senhor... — murmurou ela — lá... No meio das árvores...

 

— Está vendo, Amos? — disse o Sr. Weasley. — Quem quer que tenha conjurado a Marca poderia ter desaparatado logo em seguida, deixando a varinha de Harry para trás. Uma ideia inteligente, não ter usado a própria varinha, que poderia tê-lo denunciado. E Winky aqui teve a infelicidade de encontrar a varinha momentos depois e de apanhá-la.

 

— Mas, então, ela deve ter estado a poucos passos do verdadeiro responsável! — disse o Sr. Diggory com impaciência. — Elfo? Você viu alguém?

 

Winky começou a tremer mais que nunca. Seus olhos imensos piscaram indo do Sr. Diggory para Ludo Bagman e dele para o Sr. Crouch. Então ela engoliu em seco e disse:

 

— Eu não estava vendo ninguém... Ninguém...

 

— Amos — disse o Sr. Crouch secamente — estou muito consciente de que normalmente você iria querer levar Winky para interrogatório no seu departamento. Mas vou-lhe pedir que me deixe cuidar dela.

 

O Sr. Diggory fez cara de quem não achava a sugestão muito boa, mas ficou claro para Harry que o Sr. Crouch era um funcionário tão importante no Ministério que o outro não se atreveria a recusar o pedido.

 

— Pode ficar tranquilo de que ela será castigada — acrescentou o Sr. Crouch friamente."

 

- Desgraçado! - Alice rosna.

 

"— M... M... Meu senhor... — gaguejou Winky, olhando para o Sr. Crouch, seus olhos rasos de lágrimas. — M... M... Meu senhor, P... P... Por favor...

 

O Sr. Crouch encarou o elfo, seu rosto ainda mais agressivo, cada ruga nele profundamente marcada. Não havia piedade em seu olhar.

 

— Esta noite Winky se portou de uma forma que eu não teria imaginado possível — disse ele lentamente. — Eu a mandei permanecer na barraca. Mandei-a permanecer ali enquanto eu ia resolver o problema. E descubro que ela me desobedeceu. Isto significa roupas.

 

— Não! — berrou Winky, prostrando-se aos pés do Sr. Crouch. — Não, meu senhor! Roupas não, roupas não!

 

Harry sabia que a única maneira de libertar um elfo doméstico era presenteá-lo com roupas decentes. Era penoso ver como Winky se agarrava à sua toalha de chá enquanto soluçava sobre os sapatos do Sr. Crouch.

 

— Mas ela estava assustada! — explodiu Hermione aborrecida, encarando o Sr. Crouch. — O seu elfo tem pavor de alturas, e aqueles bruxos estavam fazendo as pessoas levitarem! O senhor não pode culpá-la por ter querido sair de perto!"

 

- Isso aí - Sirius fala.

 

- Vai dar merda - James diz.

 

 

"O Sr. Crouch deu um passo atrás, desvencilhando-se do contato com o elfo, a quem ele examinava como se fosse algo imundo e podre que contaminava seus sapatos muito bem engraxados.

 

— Não preciso de um elfo doméstico que me desobedeça — disse ele friamente, erguendo os olhos para Hermione. — Não preciso de uma criada que esquece o que deve ao seu senhor e à reputação do seu senhor.

 

Winky chorava tanto que seus soluços ecoavam pela clareira. Seguiu-se um silêncio desagradável, que foi interrompido pelo Sr. Weasley, ao dizer baixinho:

 

— Bom, acho que vou levar o meu pessoal de volta à barraca, se ninguém tiver objeções a fazer. Amos, a varinha já nos informou tudo o que pôde, se Harry puder levá-la, por favor...

 

O Sr. Diggory entregou a varinha a Harry e ele a embolsou.

 

— Vamos, vocês três — disse o Sr. Weasley em voz baixa.

 

Mas Hermione não parecia querer arredar pé, seus olhos ainda miravam o elfo soluçante.

 

— Hermione! — chamou o Sr. Weasley com mais urgência.

 

Ela se virou e acompanhou Harry e Rony para fora da clareira, embrenhando-se entre as árvores.

 

— Que é que vai acontecer com Winky? — perguntou ela no instante em que deixaram a clareira.

 

— Não sei — respondeu o Sr. Weasley.

 

— O jeito como a trataram! — disse Hermione, furiosa. — O Sr. Diggory chamando-a de “elfo” o tempo todo... E o Sr. Crouch! Ele sabe que não foi ela e ainda assim vai despedir Winky! Não se importou que ela tivesse sentido medo nem que estivesse perturbada, era como se ela nem fosse humana!"

 

- A chatice começa - Rony fala.

 

"— E ela não é — disse Rony.

 

Hermione se voltou contra ele.

 

— Isso não significa que não tenha sentimentos, Rony, é repugnante o jeito...

 

— Hermione, eu concordo com você — disse o Sr. Weasley depressa, fazendo sinal para a garota continuar andando — mas agora não é hora de discutir os direitos dos elfos. Quero voltar à barraca o mais depressa que pudermos. Que aconteceu aos outros?

 

— Nós os perdemos no escuro — disse Rony. — Papai, por que todo mundo estava tão nervoso com aquele crânio?

 

— Eu explico tudo quando estivermos na barraca — prometeu ele, tenso.

 

Mas quando alcançaram a orla da floresta, depararam com um obstáculo. Havia ali uma aglomeração de bruxas e bruxos assustados, e, quando viram o Sr. Weasley caminhando em sua direção, muitos foram ao seu encontro.

 

— Que é que está acontecendo na floresta?

 

— Quem conjurou aquilo?

 

— Arthur, não é... Ele?

 

— Claro que não é ele — disse o Sr. Weasley impaciente. — Não sabemos quem foi, parece que desaparatou. Agora, me deem licença, por favor, quero ir me deitar.

 

Ele passou com Harry, Rony e Hermione pela aglomeração e voltou ao acampamento. Tudo estava silencioso agora, não havia sinal de bruxos mascarados, embora várias barracas destruídas ainda fumegassem.

 

Carlinhos meteu a cabeça pela abertura da barraca dos garotos.

 

— Papai, que é que está acontecendo? — perguntou ele no escuro. — Fred, Jorge e Gina já voltaram, mas os outros...

 

— Estão aqui comigo — respondeu o Sr. Weasley, se abaixando pra entrar na barraca.

 

Harry, Rony e Hermione entraram atrás dele. Gui estava sentado à pequena mesa da cozinha, apertando um braço com um lençol, que sangrava profusamente. Carlinhos tinha um rasgo na camisa e Percy ostentava um nariz ensanguentado. Fred, Jorge e Gina pareciam ilesos, embora abalados.

 

— Pegou ele, papai? — perguntou Gui bruscamente. — A pessoa que conjurou a Marca?

 

— Não. Encontramos o elfo de Bartô Crouch segurando a varinha de Harry, mas não ficamos sabendo quem realmente conjurou a Marca.

 

— Quê?— exclamaram Gui, Carlinhos e Percy, juntos.

 

— A varinha de Harry? — disse Fred.

 

— O elfo do Sr. Crouch? — disse Percy, parecendo estupefato.

 

Com alguma ajuda de Harry, Rony e Hermione, o Sr. Weasley explicou o que acontecera na floresta. Quando terminaram a história, Percy encheu-se de indignação.

 

— Ora, o Sr. Crouch tem toda razão em querer se livrar de um elfo desses! — exclamou ele. — Fugir desse jeito depois que ele o mandou expressamente fazer o contrário... Envergonhando o dono diante de todo o Ministério... Que iria parecer se ele tivesse que comparecer no Departamento para Regulamentação e Controle..."

 

- Seu irmão é um merda - Frank fala olhando para Rony.

 

- Eu sei - Rony diz.

 

"— Ela não fez nada, só estava no lugar errado na hora errada! — disse bruscamente Hermione a Percy, que ficou muito espantado.

 

Hermione sempre se dera muito bem com ele, melhor até que qualquer dos outros."

 

- Chupa essa otário! - Sirius fala rindo.

 

 

"— Hermione, um bruxo na posição do Sr. Crouch não pode se dar ao luxo de ter um elfo doméstico que endoida com uma varinha na mão! — disse Percy, pomposamente, recuperando-se do espanto.

 

— Ela não ficou maluca! — gritou Hermione. — Ela só apanhou a varinha no chão!

 

— Olha aqui, será que alguém pode explicar o que significava aquele crânio? — perguntou Rony impaciente. — Não estava fazendo mal a ninguém... Por que esse escândalo todo?

 

— Eu já lhe disse, é o símbolo do Você-Sabe-Quem, Rony — disse Hermione, antes que mais alguém pudesse responder. — Li sobre ele em Ascensão e queda das artes das trevas."

 

- Livrinho meio pesado - Siriu diz balançando a cabeça negativamente.

 

- Ela não se importa - Rony fala.

 

"— E não é visto há treze anos — acrescentou o Sr. Weasley em voz baixa. — É claro que as pessoas entraram em pânico... Foi quase o mesmo que rever Você-Sabe-Quem."

 

- Agora sim tudo vai mudar - Lilian da um suspiro cansado.

 

- A mudança já aconteceu - Luna diz.

 

"— Não estou entendendo — disse Rony, franzindo a testa. — Quero dizer... É apenas uma forma no céu...

 

— Rony, Você-Sabe-Quem e seus seguidores projetavam a Marca Negra no céu sempre que matavam alguém — disse o Sr. Weasley. — O terror que isso inspirava... Você não faz ideia, era muito criança. Mas imagine a pessoa chegar em casa e encontrar a Marca Negra pairando sobre ela, sabendo o que vai encontrar lá dentro... — O Sr. Weasley fez uma careta. — O que todos temem mais... Temem mais do que tudo...

 

Houve um silêncio momentâneo. Então Gui, levantando o lençol do braço para verificar o corte, disse:

 

— Bem, não fez nenhum bem à gente esta noite, quem quer que tenha conjurado aquilo. A Marca Negra afugentou os Comensais da Morte no momento em que a viram. Todos desaparataram antes que chegássemos bastante próximos para arrancar a máscara deles. Aliás, seguramos os Roberts antes que atingissem o chão. A memória deles está sendo alterada.

 

— Comensais da Morte? — perguntou Harry. — O que são Comensais da Morte?

 

— É o nome que os seguidores de Você-Sabe-Quem davam a si mesmos. Acho que vimos o que restou deles hoje à noite, pelo menos os que conseguiram ficar fora de Azkaban.

 

— Não podemos provar que eram eles, Gui — disse o Sr. Weasley. — Embora provavelmente tenham sido — acrescentou, desanimado.

 

— É, aposto que eram! — disse Rony repentinamente. — Papai, encontramos Draco Malfoy na floresta, e ele praticamente nos disse que o pai dele era um dos idiotas mascarados! E todos sabemos que os Malfoy eram íntimos de Você-Sabe-Quem!

 

— Mas o que é que os seguidores de Voldemort... — começou Harry. Todos se encolheram, como a maioria das pessoas no mundo dos bruxos, os Weasley sempre evitavam dizer o nome de Voldemort. — Desculpem — disse Harry depressa. — Mas o que é que os seguidores de Você-Sabe-Quem pretendiam fazendo aqueles trouxas levitar? Quero dizer, qual era o objetivo?

 

— O objetivo? — disse o Sr. Weasley com uma risada desanimada. — Harry, essa é a ideia que fazem de uma brincadeira. Metade das mortes de trouxas quando Você-Sabe-Quem estava no poder foi feita de brincadeira. Imagino que eles tenham tomado uns drinques esta noite e não puderam resistir ao impulso de nos lembrar que um grande número deles continua em liberdade. Uma reuniãozinha simpática — terminou ele desgostoso.

 

— Mas se eles eram realmente os Comensais da Morte, por que desaparataram quando viram a Marca Negra? — perguntou Rony. — Deveriam ter ficado felizes de ver a Marca, não?

 

— Usa os miolos, Rony — disse Gui. — Se eles eram realmente os Comensais da Morte, se viraram de todo o jeito para não serem mandados para Azkaban quando Você-Sabe-Quem perdeu o poder, e contaram um monte de mentiras de que ele os forçara a matar e torturar gente. Aposto como sentiriam ainda mais medo do que nós ao ver que ele estava voltando. Negaram que estivessem metidos com Você-Sabe-Quem quando ele perdeu o poder e voltaram as suas vidinhas de sempre... Acho que o Lord não ficaria muito satisfeito de ver essa gente, não é mesmo?

 

— Então... Quem conjurou a Marca Negra... — disse Hermione lentamente — estava fazendo, isso para manifestar apoio ou amedrontar os Comensais da Morte?

 

— O seu palpite vale tanto quanto o meu, Hermione — disse o Sr. Weasley — Mas vou lhe dizer uma coisa... Somente os Comensais eram capazes de conjurar a Marca. Eu ficaria muito surpreso se a pessoa que a conjurou não tivesse sido um dia Comensal da Morte, mesmo que não o seja agora... Olhem, é muito tarde, e se sua mãe ouvir falar do que aconteceu vai morrer de preocupação. Vamos dormir mais um pouco e depois tentar pegar um portal bem cedo para sair daqui.

 

Harry voltou ao seu beliche com a cabeça zunindo. Sabia que devia estar se sentindo exausto, eram quase três horas da manhã, mas estava completamente acordado – completamente acordado e preocupado.

 

Há três dias – parecia muito mais, mas só tinham sido três dias – acordara com a cicatriz ardendo. E esta noite, pela primeira vez em treze anos, a Marca de Lord Voldemort tinha aparecido no céu. Que significavam essas coisas?

 

Ele pensou na carta que escrevera a Sirius antes de deixar a Rua dos Alfeneiros. Será que o padrinho já a recebera? Quando iria mandar resposta?

 

Harry ficou contemplando a lona, mas não lhe ocorreu nenhum devaneio em que voasse para ajudá-lo a adormecer e somente muito tempo depois, quando os roncos de Carlinhos encheram a barraca, foi que o garoto finalmente adormeceu."

 

- Nossa....agora realmente fudeu geral - James diz.

 

- Quem vai ler? - Luna pergunta.

 

- Eu - Alice pega o livro


Notas Finais


Comentem a vontade....podem chigar, dar sermão.... vão enfrente


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...