História 2030 - Cyberpunk - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Aventura, Cyberpunk, Ficção Cientifica, Futurista, Sci-fi
Visualizações 2
Palavras 655
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Ficção Científica, Luta, Romance e Novela, Sci-Fi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Mutilação, Suicídio, Tortura
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Botpost- QG falso

Capítulo 5 - Capítulo 5


Fanfic / Fanfiction 2030 - Cyberpunk - Capítulo 5 - Capítulo 5

Ofereço algo para ela comer e, ou, beber mas ela nega. Noto que ela está um pouco nervosa.

-Algum problema?

-Isso pode ter um rastreador...

Eu imploro... Filha da puta, vai trazer os corps para a minha casa quando penso em bater nela recebo uma mensagem:

"Harald, pegaram um dos meus botposts, estão atrás de nós, reúna todos me encontre em Alpha"

-O que isso tem de mais? Porque estão atrás de mim e dos outros? E Como encontrarmos os outros?

-Não sei, tem alguma interface de controle aqui?

-Sim, por aqui.

Levo a garota até o escritório, pensando porque até agora não perguntei o nome dela, ela também não sabe o meu

-Como se chama?

-Harald, é a senhorita?

-Hill

-Nome verdadeiro?

-Não tenho, meu pai me deu esse nome, ele me encontrou e me adotou, me deu esse nome devido ao lugar estava na Burning Hill, ele felizmente me encontrou antes de ser queimada.

Ela se senta na frente da minha mesa e começa a digitar algumas coisas, enquanto eu chamo todos os meus contatos.

"Encontrem a mim e ao Gearboy naquele galpão em Alpha, temos um enorme problema"

-Pronto

Demoro.um pouco a perceber que ela está falando comigo, não estou acostumado com visitas.

-Então vamos... Só uma pergunta, está tão acostumada a ter uma arma apontada a sua cabeça à ponto de nem pestanejar?

-Sim

Subimos na moto e vamos, rápido, até Alpha, sem uma palavra no trajeto, espero não te-la ofendido, ela pode ser útil...

Chegando lá vejo um garoto de cerca de 14 anos

-Garoto, melhor sair daqui...

-Harald, sou eu, eu sei que não esperava que eu fosse tão baixo e bonito...- Ele olha para a garota dos pés a cabeça-Uaau, quem é a gatinha?

-Hill, esse é Gearboy

-Gearboy, essa é a maluca que pôs nossa vida em risco... Vamos entrando

Eu entro primeiro e ele ficou trocando idéia com ela... Faz muito tempo desde que tive aqui, o galpão fica à quatro passos à frente e dezessete à direita. Piso forte no chão, não sei se aqui é seguro, se não está enferrujado, emperrado nem nada do tipo, felizmente sou pequeno e magro então não é um risco. Me abaixo em um joelho e abotoaduras o alçapão, chamo os dois.

O local está bagunçado, mas dez minutos são o suficiente para deixar isso perfeito para esses foras da lei, digo, empreendedores marginais... A mesa tem nove cadeiras, não é mais a mesma coisa, apenas sete desse novo grupo estão vivos, é sou o único remanescente do último.

-Gente está pronto, sentem-se e esperem!

Cerca de cinco minutos depois chegam os gêmeos Wasp e Viper, não sei se são homens ou mulheres, mas pelo porte suponho ser um homem e uma mulher, sei que são dois Solos que parecem ter saído de dentro de um vídeo game, co-dependentes é extremamente habilidosos, nunca vi alvos designados saírem vivos, são de Romeu, antiga Rússia, sempre me mandam uma boa vodka de presente, pela primeira vez estão me trazendo pessoalmente, é a primeira vez que encontro Viper.

-Sejam bem vindos.

-Obrigado, Harald.

Cumprimentam Gearboy com um abraço, aparentemente trabalham muito proximamente.

O PsyTechno chega, nosso Techie, sempre arruma tudo o que precisamos, não é íntimo de ninguém e odeia tudo e todos, mas entende que mutualismo é útil.

Arthur chega acompanhando Dream, você já conhece Arthur. Dream é um psicólogo, seu cérebro parece ter sido modificado, é impossível ler sua expressão, mas ele faz isso com maestria, dizem que ele nunca teve um nome, mas adotou o nome Dream porque o subconsciente das pessoas é seu reino

-Vejo que não era uma criança, Harold hahaha.

-Pois é, meu único pagamento foi um ombro deslocado e uma psicótica haha.

Só não fala nada, parece estar preocupado, ele é o meu contato na superfície, sua empresa é uma das maiores da cidade e tem filiais pelo continente inteiro, mas o que nos atrai é que ele é independente, talvez porque é uma inteligência artificial que constrói robôs, irônico não?

Com a confraria, não sei se pode se chamar de equipe ou grupo, mas estamos juntos

-Sejam todos bem vindos amigos e companheiros...



Notas Finais


Espero que gostem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...