História 2Peles - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias 24K, EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Sehun, Suho, SungOh, Tao, Xiumin
Tags Ação, Hibridos, Sobrenatural
Visualizações 3
Palavras 1.531
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - 1Transformação


Acordei meio tonto já, lembro que dei batidinhas no canto de minha cabeça, procurando estabilidade e uma audição melhor, e como esperado nada funcionou. Nada que eu fizesse iria sutilizar algo, na verdade as coisas só iriam "piorar" mais.


Limpava o vidro embaçado do banheiro... Antes de colocar a escova entre os dentes notei minha barriga. Coloquei a escova na pia e a pasta caiu a poucos milímetros do ralo. Estralei o beiço. Odiava quando isso acontecia.

Apoei as mãos na pia e observava meu corpo pelo espelho. Bem abaixo do meu umbigo, quase na beira da toalha, coisas se movimentavam furiosamente sobre a minha pele, eu ao menos sentia aquilo.

Coloquei uma pasta nova e terminei o serviço.

Colocava a camiseta do conjunto cinza de moletom, quando alguém me ligou.


— Já começou? - disse Lay.

— Já começou. - confirmei.

E essa foi a ligação.

Como esperado, eu estava faminto. De verdade, eu fui como um louco pra cima da geladeira, comi TUDO que tinha lá, de doces asiáticos a lasanha, frango, sopa de feijão... Senti um imenso prazer/alívio quando me joguei no sofá para assistir Running Man, com participação do BLACKPINK. Eu achei que me encontrava satisfeito. Uma falha.

Entortei a boca sentindo aquilo me irritar novamente.

Não teria escolha a não ser sair para caçar. Nossa casa sempre seria no meio do nada em uma floresta, então quando chegasse a hora de caçar, como agora, não seria problema.

E eu estava curioso para saber o quão ágil tinha ficado, e tinha a confiança que já dominaria minhas habilidades logo de cara... Pena que eu não sabia o que queria comer ainda...

Isso me fez mostrar um meio riso.

Olhei a Lisa na TV por um breve momento. Depois levantei e fui descalço mesmo até a porta, antes que  eu alcançasse a maçaneta e destrancasse, a campainha tocou. Destranquei, atrás da porta estava uma garota com um uniforme de... Olhei mas um pouco... De... Escoteira. Ela sorria.

Catei o braço dela e a puxei com tudo pra dentro, ela derrubou as caixas de biscoitos de escoteiros, um caiu aqui dentro e os biscoitos se espatifaram no chão. Tranquei a porta para que ela não pensasse em fugir.

No desespero ela começou a gritar horrivelmente e socar a porta em busca de ajuda, o rosto tomado por lágrimas. Até uma hora que a tristeza a deixou falha e ela chorava sentada no chão, encostada na porta.


— A casa é a prova de sons. - descruzei os braços e levantei ela.

— O que vai fazer? - comecei a arrasta ela para cozinha, como ela sabia que só podia se safar se aliando ao inimigo não tentou nada. — Me larga por favor, meu pai é rico, posso te dar o quanto quiser.

Eu parei de andar e ri soprado.
Olhei em volta mostrando que eu tava vendo o que eu tinha.

— Eu também sou rico. - voltei a arrastá-la e ela começou a chorar, um pouco alto. Como se aquela fosse a última vez que chorasse então não importaria se estivesse exagerando ou não. Aquilo me fez rir. — Eu estou com tanta fome... - provoquei a humana. Ela deu um grito-choro e caiu mais ainda em prantos.
 


— Coma biscoitos então!

Peguei um biscoito do chão e mordi. — É horrível. - joguei o pedaço restante. Na verdade era bom sim, uma das melhores coisas que experimentei na vida, eu que menti, só estava botando medo nela. Chegamos na cozinha e coloquei ela de frente pra pia e sentei atrás da mesa-balcão. A cor que reinava na cozinha era branco. 


Olhei sua cara de assustada, comecei a ver sombras ao seu redor... sombras significam medo...
Esse era o meu poder... Ver as sombras do medo.

Até que gostei...  pensei rindo enquanto cruzava os braços.

Aquela carinha já estava me irritando.

— Não vou te machucar garota. - falei. — Só cozinhe pra mim. Quero comer comida e não você. Mexa em tudo aí que quiser, cozinhe algo que me encha e eu te deixarei ir embora.

Uns segundos se passaram e ela tomou conta de si e cumpriu a minha parte do combinado.

Ela fez sushi e carne. Enquanto comia desesperadamente, e irritado porque demorou muito... Mas ok não era culpa dela.... Seus olhos escorriam algumas lágrimas, ela estava parada do meu lado com as mãos cruzadas na frente. Mas eu tava pouco me fodendo. Eu queria mesmo era encher meu bucho.

 Comi comida pra três pessoas. Suspirei e passei a mão na minha barriga... Estava satisfeito e seria prazer ainda maior recompensá-la deixando na ir embora.



— Pronto... - levantei e coloquei meu braço por cima do ombro dela, levando a em direção a porta de saída da casa.

Ela começou a fazer um monte de perguntas humanas, curiosas. Apenas coloquei-a pra fora e fechei a porta. Não tenho saco pra isso e agradeço por termos que morar longe deles.

Mas não pense que eu me importaria se um dia tivesse que aturá-los, acharia um tanto quanto divertido. Poderia fazer vários testes e me entreter com as reações humanas.

Estava rindo enquanto ia de volta para o sofá assistir ao programa. Levei um baque autoral e me choquei contra o chão. Não podia ver mas sabia que minhas veias do pescoço estavam dilatas, assim como todo o resto.

Virei de barriga para cima, recuperando o fôlego.

— Ainda bem que me livrei dela a tempo. - minha voz saiu falha pela falta de ar.

Comecei a sentir pontadas como socos na minha barriga. Acho que minhas almas boas queriam sair mais cedo do que o previsto...

Quando tudo aquilo passou, me sentei na cama, no meu quarto. Estava sentindo a sonolência e sabia o que viria a seguir. Deitei e ainda buscava ar, dormi sem ele.


O sonho começou...

Estava rodando uma faca entre os dedos. Queria acabar com aquilo logo, então atirei em todos os alvos conforme as facas apareciam rodando entre meus dedos. O a redor era todo de fogo, ainda era um sonho comum então não sentia dor. O Problema foi quando todas as facas se voltaram contra mim, saíram dos alvos e vinham em minha direção, rápido de mais mas demorava a chegar. Comecei a ver as sombras tentando me sercar, droga, se eu visse meu próprio poder em mim, eu morreria então não passaria no teste.

Respirei fundo e me lembrei que tudo era um sonho. Continuei colocando aquilo na cabeça, até que controlei as sombras e as usei como escudo, afastando as facas. Então eu podia controlar elas..
Acordei numa respirada profunda, alguns segundos se passavam enquanto eu sentia o ar saindo e entrando.

Ao tirar o lençol do meu corpo notei minha mão direita na forma de lobo. As unhas eram afiadas, a mão-pata era marrom com traços pretos, e essa parte da transformação ocorreu de um pouco acima do pulso, não chegava nem a metade do antebaço, para baixo. Comparei as duas mãos e a de lobo era  bem maior. Eu sorri ao achar aquela parte maneira, estava ansiono para ver o resto. Olhei para baixo e minhas pernas estavam normais. Fui até o espelo do quarto e vi o resto da transformação.

O lado direito do meu rosto também era lobo...Era da mesma tonalidade que a mão-pata. Porém a orelha era fofa e preta, ( sim, só tinha uma orelha animal na parte transformada, e a humana que devia restar sumiu na transformação ) com o interior rosa bebê. Meus olhos estavam cor de mel amarelado, uma cor bem viva e bonita. Quando sorri por empolgação minhas presas estavam enormes no lado direito transformado.

Virei e vi um rabo enorme preto, igual ao de um gato.
Eu adorei a minha transformação. O que é de se esperar, pois todas as transformações ocorrem de acordo com a personalidade do indivíduo.

Desci as escadas e encontrei Baekhyun lá em baixo, meu irmão. Ele tinha a chave de lá de casa, por mais que morassemos sozinhos cada um em sua casa.
Ele sorriu e estava na transformação dele, que era igual a minha mas com tonalidade cinza claro, quase branco e traços cinza escuro. O interio de sua orelha também era rosa bebê, e ele tinha as duas ao contrário de mim. Era comum irmãos Lépis terem a transformação parecida, pelo fato de ficarem próximos e compartilharem sentimentos, que era o nosso caso.


— O primeiro dia de aula dos Lépis é dia vinte e três. - disse com seriedade. Ele dizia sobre o dia que iríamos aprender sobre nós mesmos, os lépis. Na escola de lépis. Eu estava tão empolgado. Agora eu era um Lépi.


— Ok. - falei.

— Eu estava tão ansioso para te ver assim logo, mano - ele disse entre risos e eu ri também. Baekhyun obteve sua transformação bem antes que eu.

A campainha tocou e eu já sabia quem era. Quando a porta foi aberta, estava eu e Baek lado a lado. Lay sorriu e o resto da Zona Exo entrou. Lay na frente.
— Parece que você conheceu a sua 2°Pele, Sehun. - Lay disse e eu sorri empolgado de novo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...