História 3 Season Love Me Lights Out: Criminal Love - Capítulo 63


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adam, Augustus, Comedia, Drama, Jacob, Leah, Lmlo, Marcus, Mark, Muito Sexo Haha, Nicholas, Nicole, Paloma, Perseguição, Policial, Savanna, Terceira Temporada
Visualizações 284
Palavras 5.266
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Científica, Policial, Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 63 - Taken


Nicole

Suspiro ajeitando meus braços debaixo do edredom. Pisco vendo o quarto começando a ficar claro, vejo no celular a hora e bufo. Não dormi nada, nem por um minuto. Simplesmente não consegui relaxar pensando no quão idiota o Jacob é, mas ao mesmo tempo preocupada com ele. Óbvio que ele foi fazer alguma besteira. Mas eu ainda quero jogar ele de um penhasco.

Reviro os olhos. Ontem ele acordou decidido a querer se afastar de mim e a brigar, simplesmente saiu da cama disposto a terminar… Seja lá o que nós temos. Mas não faz sentido e eu odeio isso. Odeio ele ter colocado tudo de cabeça para baixo por um capricho.

A campainha tocou e eu já imagino quem seja. Levanto da cama e coloco uma calça jeans para não sair apenas com um moletom. Caminho fazendo um coque no cabelo e abro a porta vendo o Mark servindo de apoio para um Jacob drogado.

— Onde ele estava? — minha cara de tédio foi notória, Mark estalou a boca e levantou a mão esquerda.

— Eu não sei de nada, to por fora. Ele só apareceu no meu apartamento bêbado, fumou a noite toda. — ele falou e em seguida Jacob parece que acordou, porque ele levantou a cabeça, levou alguns segundos para reconhecer onde está e então saiu andando para dentro do apartamento. Todo torto e amarrotado.

— Obrigada. — forço um sorriso.

— Você está bem?

— Eu não sei. — olho para baixo respirando fundo. — Mas vou tentar ficar.

— Tudo bem, releva o que ele for falar, Ok? Ele está bêbado e chapado.

Afirmo com a cabeça. Não prometo nada. Mark me analisou por mais alguns segundos, então se despediu. Será que ele não sabe que essa é a minha cara de quem não dormiu? To tão horrível assim? Merda, nem me olhei no espelho antes.

Enfim. Caminho de volta para o corredor, mas vou ate o segundo quarto. Me aproximo do Nicholas e vejo que ele não vai acordar tão cedo. Fiz um bico enquanto penso. Não quero ir pro quarto, não quero olhar para o Jacob, não quero ouvir a voz dele e nem me estressar com ele. A raiva que eu sinto é tão grande que dá vontade de jogar tudo na cara dele.

Então eu caminho para cozinha e faço alguma coisa para comer, me deito no sofá da sala e ligo a TV, mas acabo dormindo de qualquer jeito.

— Mamãe. — sinto uma mãozinha tocando meu rosto e mexendo minha bochecha. — Mamãe…

Abro os olhos e vejo o Nick de pé, todo enroladinho no cobertor, deixando para fora apenas seus cachos, os olhinhos e as bochechas. Precisei rir.

— Tudo bom? — sussurro enquanto me sento e estico o corpo. O puxo para meu colo e ele sorri. — Te amo meu amor.

Beijo seu rosto. Ele fecha os olhinhos e sorri.

— O papai já voltou? — ele pergunta com uma carinha triste. Nicholas custou para dormir porque Jacob não estava aqui. Ate chorou. Quando eu ia responder ele, Jacob aparece mancando na sala. Seus cabelos já estão de um tamanho que quando acorda estão bagunçados, ele tem olheiras embaixo dos olhos e a cara toda amassada também. Não que eu esteja diferente, afinal eu passei a noite em claro.

Jacob parou de coçar os olhos e olhou para nós.

— PAPAI! — Nicholas desceu do meu colo e saiu correndo, fazendo o cobertor cair no chão. Jacob fez uma careta e eu soube que ele está de ressaca. Não quero ficar aqui para ver isso. Eu me levanto, pego o cobertor do chão e passo por ele a metros de distância. Volto para o quarto e deixo o cobertor ali.

Sento na cama e suspiro de olhos fechados. Qualquer momento para dormir agora é ouro. Parece que meu corpo pesa duas toneladas agora. A cama está bagunçada, sei que Jacob dormiu aqui, eu não quero dormir nesse quarto mas simplesmente não tenho forças para caminhar até o quarto ao lado. Eu apenas deito e apago.

-x-

Sinto o cheiro de alguma coisa ruim, muito ruim. Abro meus olhos e vejo a porta da sacada aberta, eu me levanto e caminho ate ali vendo Jacob fumando. Expiro forte. Saio do quarto procurando pelo Nicholas, mas ele não estava em lugar nenhum do apartamento. O sol já se pôs, agora está tudo escuro lá fora e eu só queria saber por quantas horas eu dormi. Volto para o quarto com uma interrogação na testa.

— Ele disse que queria ver o Adam. — Jacob falou olhando para trás assim que entro no quarto assustada. — Eu o levei até lá, relaxa.

Então ele voltou a ficar de costas e jogou a fumaça para o ar, que tratou de trazê-la para dentro do quarto.

— Da pra você parar com isso? — pergunto parando a alguns metros da sacada. Ele se vira para mim e a raiva que eu tinha dele só cresceu. Jacob levou o cigarro para boca e continuou fumando. Reviro os olhos. — Me lembra de te dar um presente no dia das crianças. Você faz bastante jus ao nome.

Ele ia sorrir em deboche, mas prendeu o riso e virou de costas. Grunhi baixo.

— Vai ficar fugindo de mim até quando? — ele perguntou quando eu já estava abrindo a porta.

— Até a vontade de querer vomitar em você passar. — falo olhando para ele, demonstrando tudo o que eu estou sentindo. Ele continua sério. Eu saio do quarto e quando já estava entrando no quarto ao lado eu ouço a porta se abrir. Continuo andando e quando chego no segundo quarto eu ouço os passos do Jacob logo atrás de mim. — Para de me seguir.

Viro e vejo que ele largou o cigarro em algum lugar. Ficamos nos olhando por alguns segundos até eu bufar. Ele esta me seguindo porque quer conversar, então vou dar o que ele quer. 

— Por que foi embora ontem? — cruzo os braços. — Não, na verdade tenho que perguntar por que você acordou ontem decidido a ser um panaca e arruinar algo que nós tínhamos?

Ele levou as mãos para cintura e respirou fundo. 

— Nós não vamos dar certo, Nicole. — ele olhou bem nos meus olhos. Disse com um ar de deboche. Pareceu que todo o chão tremeu, eu não tive apoio nenhum para não cair. — Você não entende.

— Você é insuportável! — grunhi de raiva. — Qual é o seu problema? Se você não quisesse nada comigo então não falaria aquelas coisas no hospital, duas vezes! Não demons… Isso é por causa do que eu disse que fiz com o Marcelo?

Junto as sobrancelhas ao pensar nessa possibilidade. Minha vontade é de gritar com ele. Jacob ficou me olhando, como se nada disso importasse para ele. 

— Nós simplesmente não combinamos, Nicole. — ele diz com desdém. Seus ombros lá no alto, seu rosto erguido e toda a sua pose de auto suficiente me irritou. Fecho a cara. Ele ia dizer mais alguma coisa, mas eu dou dois passos até ele e dou um tapa em seu rosto. A região da sua bochecha fica vermelha na hora e toda aquela pose debochada do Jacob vai embora. 

— Primeiro desfaz essa máscara que você põe para falar comigo. — mandei. Minhas mãos estavam fechadas, prontas para bater nele. A raiva que eu sinto dele é sem limites, ele consegue me deixar assim em questão de segundos. Jacob grunhiu e me olhou do mesmo jeito de quando eu tinha dezoito anos, todo o seu maxilar estava marcado e os nervos dos seus ombros se levantaram, suas mãos se fecharam em um punho e ele quase partiu pra cima de mim. A diferença é que agora eu não sinto medo. — Vai me bater?

Isso o irritou mais. 

— Eu já estou cansado de você. — sua voz saiu alguns tons mais grossa. Sua mão esquerda apertou meu pescoço e ele começou a me levar para trás, meus pés tropeçaram e eu quase cai, mas ele me bateu na parede juntamente com a minha cabeça. Fechei os olhos reprimindo a dor que senti, eu conheço essa sensação. Já passei por ela antes, a sensação de humilhação. A dor foi sumindo aos poucos e eu quase abaixei a cabeça. Quase.

— Me.Solta. — falo pausadamente olhando para ele. Já foi o tempo que eu tinha medo dele. Se Jacob pensa que tem algum mandato sobre mim ele está muito enganado. Seus dedos apertaram o osso no inicio da minha coluna, começando a me enforcar. Levanto meu joelho direito na direção das suas pernas e o acerto bem no meio, ele busca equilíbrio enquanto geme de dor e eu o empurro com meu pé para o chão. 

Saio andando para fora do quarto e quando chego na sala o ouço vir atrás de mim, corro para cozinha e pego um copo de vidro. Jacob ri em deboche. Ainda sinto meu pescoço doendo.

— Por isso você não entende. — ele para do outro lado do balcão. Reparo que ele tem o canto da boca com um pequeno corte, ele brigou com quem?

— Que você é um doente psicopata? Ah, eu entendo sim! — levanto o copo ameaçando jogar nele. — Por que fez aquilo de ontem?

— Porque o seu passe livre para viver comigo já acabou! — ele da a volta no balcão, mas eu também dou e paramos no mesmo lugar. — Você é só mais uma criança e aqui não é o seu lugar.

- Isso tudo é ciúmes? — meus dedos se apertam ao redor do copo. — Ciúmes porque eu dormi com o seu ex melhor amigo? 

— Não são ciúmes. — ele rosna mais uma vez. — É a realidade. Você precisa parar antes que seja tarde demais. 

Reviro os olhos, essa conversa de novo não, ele não percebe que eu não sou uma criança. Por um momento de distração ele atravessou a cozinha e tirou o copo da minha mão. Tentei correr, mas ele segurou meu braço direito. 

— Você está fazendo isso porque eu fiz sexo com ele? — provoquei mais uma vez. Eu quero que ele me diga o real motivo dessa palhaçada toda. 

Sinto sua mão esmagar a pele no meu braço, porque ele está me machucando tanto? Abafei um grito de dor e estiquei minha mão esquerda pegando o copo de vidro que ele largou no balcão e bati na cabeça dele. Os cacos de vidro se espalharam pelo chão e antes que eu me cortasse eu corri para sala, olho meu braço e vejo a marca da mão dele. É nítida a forma dos seus dedos e da palma da sua mão. Ainda dói. 

— Se você me machucar mais uma vez eu vou tacar tudo o que eu achar em cima de você! — grunhi chegando para trás. 

— Você não devia ter feito nada com ele, nada! — ele veio andando na minha direção. — Quanto mais você fica por aqui, mais será difícil sair. Não entende?

— Tudo o que eu ouço você falar é “ciúmes, ciúmes, ciúmes” — junto as sobrancelhas. 

— Você acha que eu vou ter ciúmes? Você é só uma garota que se ilude com o primeiro que te der mole, acha que o Marcelo quis ficar com você por quê? Estava apaixonado? — ele riu. Revirei os olhos. — Você só foi mais uma da lista dele! 

— Você ainda acha que eu sou a mesma de quatro anos atrás, não é mesmo? Se ele quis ficar comigo para aumentar a lista dele eu não quero nem saber, eu só quis ficar com ele! E pode ter certeza que se eu me apaixonei foi por outra coisa nele. 

Cruzo os braços e sorrio debochada. Ele vem pra cima de mim para me bater, mas eu corro de costas até ir de encontro com a parede de vidro. 

— Você só foi o premio, o troféu dele! Ele só te quis para jogar na minha cara. 

— Nada do que você disser vai me ofender, eu quis tanto quanto ele e o que importa é isso. — desvio dele e saio andando de volta para o quarto. Jacob apareceu logo atrás de mim. Eu senti raiva porque o cheiro dele está por toda parte, não tem como fugir dele. Sinto sua mão me segurar no mesmo lugar de antes em meu braço, mas a dor foi maior devido o lugar estar sensível. — Me solta!

Dou um soco na boca do seu estômago, meu braço ficou mais vermelho do que antes e pude sentir Jacob vindo pra cima de mim. Ele inspira incomodado pelo soco que eu dei.

— E você ainda se pergunta do porque eu acordei daquele jeito. - ele grunhiu segurando meus dois braços e os prendeu atrás do meu corpo com uma mão. — Você não enxerga a realidade que está na sua frente! 

— Você está me machucando, me sol…

— QUE BOM NICOLE! QUE BOM QUE EU ESTOU TE MACHUCANDO, A INTENÇÃO É ESSA! — ele apertou meus pulsos. 

— DESCULPA SE EU NÃO ENTENDI O RECADO, NÃO DA PRA SABER O QUE VOCÊ QUER DIZER PRA MIM, NUNCA DA! VOCÊ NUNCA DIZ AS PALAVRAS CERTAS, SEMPRE USA A FORÇA OU A RAIVA ACHANDO QUE EU SOU A PORRA DE UM BUDA QUE VAI TE ENTENDER, MAS EU NÃO VOU! SE VOCÊ QUER ME DIZER ALGO ENTÃO FALA!

Meu rosto já estava esquentado, meus olhos ardiam teimando em querer jogar as lágrimas para fora, mas eu não deixei. 

— E EU VOU MANDAR DE NOVO! ME SOLTA! 

Ele grunhiu e me soltou, mas me empurrou tão forte que eu fui de encontro com uma Das das portas do guarda-roupa que tinham dois espelhos enormes. Minhas costas bateram e por ultimo minha cabeça, todos os meus ossos e músculos latejaram, cai feito um saco de areia no chão sem força alguma para levantar. Os pequenos cacos de vidro caíram por cima e à minha volta, mas apenas tive um pequeno corte no cotovelo direito. Grunhi de raiva. 

Olhei para Jacob que ficou parado me encarando, tem uma linha de sangue escorrendo de sua testa, onde eu bati o copo de vidro. Juntei forças inexistentes para me levantar, minhas pernas tremeram e eu me apoiei na parede para não cair. 

— Você é um covarde. — minha voz sai fraca.

— Você é uma interesseira. — ele rebateu se aproximando. Dou alguns passos para trás, meu braço se arrasta no guarda roupa e eu sinto minha pele arder por me cortar ali sem querer. — Você nunca vai entender. Você acha que é tudo uma diversão, que é tudo por acaso. Mas não é. Seus atos geram consequências, Nicole. 

— Da pra você me dizer por que foi tão errado eu ter feito o que fiz com o Marcelo, sendo que você me trocou da noite para o dia pela Jade? Foi errado eu ter tido minutos de prazer com ele, mas não foi errado quando você me menosprezada todos os dias e eu tinha que assistir você e aquela mulher juntos a todo o momento? O que foi mais errado, Jacob? Me diz.

Ele bufa e sai andando para fora do quarto. Pisco algumas vezes deixando as lágrimas saírem, mas logo eu as seco e vou atrás dele. 

— AGORA É VOCÊ QUEM FOGE? — grito atrás dele. — Lembrou das merdas que você fez e agora foge?

Eu realmente não sou a mesma garota que ele conheceu, se Jacob pensa que faz o que bem entende e eu apenas aceito eu vou mostrar que ele está enganado.

— Nicole sai… — ele falou continuando a andar para longe. Entramos na cozinha cheia de cacos de vidro no chão. 

— Eu não vou sair, eu quero que você seja homem pelo menos uma vez e admita o erro que fez! Que saco! Quantas vezes você se deitou com aquela mulher? Acha que eu nunca pensei nisso? 

Ele abaixou a cabeça na minha frente, de costas pra mim. 

— Depois de tudo o que fez ainda vem querer colocar a culpa em mim e ir embora como se nada tivesse acontecido? 

Meu corpo tremeu quando ele tocou a maçaneta. Eu não vou suportar se ele for embora mais uma vez. Prefiro ele aqui, brigando comigo do que lá fora longe de mim. Olhei em volta procurando alguma coisa, corri até o armário da cozinha e peguei mais um copo de vidro e joguei nas suas costas. 

— SEU IDIOTA! — sequei uma lágrima.

— Você não devia sentir nada por mim. — ele falou ainda parado. Suas costas estavam vermelha demais, ele não se cortou com o vidro que eu joguei, mas a vermelhidão cresce a cada segundo. — É totalmente impossível que… 

— PARA! PARA DE INVENTAR DESCULPAS! EU JÁ ESTOU FARTA DISSO! VOCÊ INVENTA QUALQUER COISA PRA SE AFASTAR DE MIM, MAS DEPOIS VOLTA E ISSO SÓ ME MACHUCA.

— VOCÊ PRECISA ME ESQUECER NICOLE! — ele me olha com raiva. — QUE CARALHO! “VOCÊ E EU” NÃO VAI ROLAR, COLOCA ISSO NA SUA CABEÇA. E EU NÃO INVENTEI NADA, SÓ QUE… — ele bufa. — Não vale apena falar.

Expiro com raiva. 

— Então é isso? Você começou esse assunto desde ontem pra gente acabar com tudo só porque você acha que não vamos dar certo?

— Não… — ele olhou para o chão. — Não é isso. 

— Então o que é? — me aproximo. = Diz!

— Você não entende. — ele me olhou. — Você é diferente. Não pertence ao meu mundo, a nada nele, mas você força ficar nele e eu não sei por quê. Você deveria estar longe, vivendo a sua vida e não aqui no meio dessa confusão toda. O meu mundo é um caos Nicole e não tem sentido você continuar. Se eu pudesse eu já estaria longe daqui, mas é a minha família e não a sua, você pode e não percebe isso. Você é melhor do que um cara sujo que faz qualquer coisa para ter uma mulher com ele, o Marcelo te enganou, ele só quis ter mais uma coisa roubada de mim. Ele sempre teve tudo o que era meu, você foi a primeira coisa que eu tive que era só minha e ele te pegou pra ele de propósito. Não foi por tesão, foi por vingança. 

Uow. Jacob da um passo para trás na intenção de ir embora, mas eu inspiro desesperada. Por que ele disse tudo isso? Eu não gosto do Marcelo, essas coisas não irá me ofender!

— Eu sinto muito se isso aconteceu, mas para de me tratar como uma porcelana.  Eu não vou desmoronar se descobrir que ele me quis por um momento ou para se vingar, eu também quis e não foi por motivos bons. Eu só queria você, mas eu não podia te ter então eu fiquei com ele. — expiro como se retirasse um peso das costas. Falei tão baixo que quase eu não me escuto. Seus olhos estavam brilhantes e toda a sua postura se foi, Jacob parece acabado. Eu só quero que ele entenda que eu não estou aqui pelos outros e sim por ele, ninguém me forçou a nada. Se eu me forço para estar aqui é por ele.

— Eu nunca vou parar de te tratar assim, porque é isso o que você é. No meu mundo você é e sempre vai ser a filha de um dos caras mais ricos desse país e você não se encaixa aqui. Você realmente não entende.

— Céus! Para de me tratar assim, eu não sou mais a garota que você dominava e oprimia. Eu não sinto medo de tudo e de todos, pode não parecer, mas eu já sei me defender. Não sou a mulher maravilha igual a sua irmã, mas que merda eu sei me defender! Eu já sou uma mulher! Pode ser difícil pra você enxergar isso, mas eu sou! E eu não estou aqui por qualquer um, eu não continuo andando com vocês porque não tenho nada pra fazer em casa ou porque a minha vida é uma droga. Eu continuo aqui por você, Jacob. E se você continua achando que eu sou melhor do que você, que eu sou diferente e que você não me merece eu não tenho nada haver com isso. Eu não quero saber se temos algo em comum, eu só quero ficar com você. Mas eu preciso que você pare de me tratar como se eu ainda fosse fraca. 

Ele abaixou a cabeça e negou. 

— Eu não te acho fraca. É nítido o quanto você mudou. Eu sei que você amadureceu, se você fosse a mesma menina de antes já estaria morta há muito tempo. Você ficou forte, Nicole. Mesmo passando por tanta coisa, mas eu te conheço. Porque mesmo em que você se tornou uma mulher forte, você continua sendo a menina frágil que eu conheci, que sempre quer atenção e carinho e é isso o que eu me preocupo. Você pode ser influenciada por qualquer um que perceber isso, foi o que aconteceu com o Marcelo. E antes de decidir em meio segundo com quem se deitar, você deveria se conhecer mais e ver quem você merece. Porque você merece coisa muito melhor do que o Marcelo, ele joga sujo pra ter qualquer um ao lado dele, eu fiquei possesso porque você é melhor do que qualquer mulher que eu já conheci e não estou falando de sexo. Se ele percebesse isso, você estaria afundada nesse mundo de vez. Você merece algo melhor do que tudo isso.

— Então quem eu mereço? — dou mais um passo ficando na frente dele. — Acha que eu não te mereço? 

A feição triste dele me dói, odeio quando ele fica assim. Não faço a mínima ideia do porque ele acha que eu sou melhor do que ele, só quero acabar com essa discussão. Eu sou louca por ele e sei que ele sente a mesma coisa por mim. 

— Para de tentar me afastar. Não vai dar certo. Eu sou teimosa, lembra?

Ele olhou nos meus olhos e só bastou isso para meu corpo acender. 

— Quem liga para essa coisa de merecer? Quem colocou isso na sua cabeça? Quem manda nessa porra é a gente! Eu não quero saber se eu te mereço ou se você me merece. Eu quero ficar aqui, mas é por você. Eu já me ajustei demais ao seu mundo para sair agora, mesmo que você vá até o inferno eu vou junto. Para de achar que não me merece, ninguém é melhor do que ninguém nem aqui nem na vida pacata que eu tinha. São todos iguais. Todos querendo passar a perna no outro para se dar bem. Nada muda e eu já disse que eu prefiro você do que outro cara normal que minha mãe arranjaria para mim. — Inspirei quando senti vontade de dizer uma coisa e antes que eu sentisse medo, falei logo. — Eu amo você.

Ele ficou tenso. Resolvi jogar tudo para o alto, porque se eu ficar guardando isso posso me arrepender depois. Ele ficou me olhou espantado. Sorri sem graça.

— Se alguém deve fazer alguma coisa para isso dar certo é a gente.

Ele continuou me olhando. Tenso. Pisquei algumas vezes desejando que o tempo passe, mas não passa. Ele nem está respirando.

— Você não tem que fazer isso... — ele sussurra negando com a cabeça. — Você não merece isso, eu não mereço você.

Suspiro soltando um riso cansado.

— Isso tudo é questão de merecer para você? Eu não merecia ter passado por tudo o que eu passei desde que te conheci, não merecia ter sido sequestrada, nem... — pisco ignorando uma lágrima que escorreu ao lembrar do Dareen. — Jacob o que eu estou tentando dizer é que... Você foi uma pessoa horrível comigo, ok? É isso o que quer que eu diga? Tudo o que você fez eu não merecia, nada daquilo. Mas eu não ligo, porque eu te conheci e eu não me arrependo disso. Não me arrependo de nada. Eu me senti viva com você de uma forma que eu nunca me senti em toda a minha vida e nem eu entendo isso. Mas é o que eu sinto. Eu não merecia nada disso, mas essa coisa de merecer nem existe! As pessoas que inventam isso para justificar algo ruim na vida delas. Eu amo você e eu não me arrependo por isso. Se tem alguém que tem que fazer algo dar certo aqui é a gente. Mais ninguém. Eu me forço para estar aqui por você, por mais ninguém. Você não tem ideia do quanto eu sou louca por você.

Ele abriu um pouco a boca, incrédulo. Me senti incomodada devido meu coração estar batendo rápido demais, ele nunca bateu tão rápido desse jeito e até pude me sentir tonta por isso.

— Eu só disse que te amo, não precisa dizer de volta. — dou de ombros. Sei que ele não me falaria isso, mas eu me sinto bem falando. Ele continuou paralisado. — Se você sair por essa porta mais uma vez eu só... — ele veio para cima de mim e me beijou. Suas mãos tocaram meu rosto e fico na ponta dos pés automaticamente. Ele me beijou de um jeito tão carinho que eu quase ronronei. Suas mãos acariciaram meu rosto, seus lábios envolviam os meus de uma forma lenta. Minhas mãos correram pela sua camisa e subiram até sua nuca. Seu polegar ainda acaricia minha bochecha desde que começou o beijo. Toco em seu rosto com as duas mãos e sorrio ao sentir seus braços ao meu redor. Ele me aperta contra ele enquanto suga meu lábio inferior, eu sinto seu coração batendo rapidamente e acabo sorrindo também. Não esta muito diferente do meu. Arrasto minha mão pelo seu pescoço para finalizar o beijo. Afasto apenas para olhar em seus olhos. — Melhorou? Pensei que você fosse ter um infarto.

— Se a resposta for um “não” você me da um outro beijo desse? — ele abriu pouco os olhos, soltando um timbre de voz que me fez morder o canto da boca e rir. — E só pra você saber, eu nunca fiz nada com a Jade.

Cerro os olhos. 

— Nunca? — ergo uma sobrancelha.

— Só uma vez. — ele deu de ombros. Intensifiquei meu olhar, mas ele continuou com a cara de besta de antes. — Eu juro. 

— Ok então. — sorrio sem mostrar os dentes. Pelo menos me diverti mais do que ele. Empino o nariz vitoriosa. Me afasto dele e olho na direção da cozinha, especificamente para o chão totalmente cheio de cacos de vidro. — Precisamos limpar isso. O quarto também. 

Jacob olhou na mesma direção que eu e pareceu pensar em alguma coisa. 

— Vamos fazer uma aposta. — sua voz saiu maliciosa. — Eu fico com a cozinha, você com o quarto. Quem limpar em dez segundos, ganha. 

Cruzo os braços me virando para ele. Suas mãos escondidas dentro dos bolsos, seus olhos quase fechados e seus lábios entreabertos e úmidos. 

— Está flertando comigo? — ergo as sobrancelhas. — E o que o ganhador vai ter?

— O ganhador vai fazer o que quiser com a perdedora. — ele fechou a boca e ergueu uma sobrancelha enquanto trava o maxilar. Merda, ele sabe me seduzir. Precisei tirar meus olhos dele. Ele é sexy e nem precisa fazer esforço.

— Está insinuando que eu vou perder? Como vamos saber quem ganhou?

— Colocamos a lixeira no inicio do corredor, onde é o centro dos dois cômodos. Assim você não rouba. — ele pisca para mim. 

— Primeiro: Eu não vou perder, eu serei a ganhadora e prepare-se para o meu castigo. Segundo: Quem rouba aqui é você. Ok. Vamos fazer isso. 

Vou até a cozinha e pego duas vassouras e duas pás de lixo. Dou uma vassoura e uma pá para o Jacob e eu caminho até o quarto. Ele vai até o hall da cozinha e me olha com a maior cara de cafajeste. 

— Não deixe nenhum caco para trás. Já! — ele pisca para mim e some. Corro para dentro do quarto e varro todo aquele vidro espalhado, foi difícil varrer rápido e com cuidado e ainda assim manter os vidros no mesmo lugar, coloco tudo dentro da pá e saio correndo para o corredor. Jogo tudo ali e sorrio ao ver que a lixeira estava vazia antes disso. Então Jacob apareceu e desistiu de correr quando me viu já encostando a vassoura na parede. Sorri. Ele jogou o lixo dele ali por ultimo.

— Parece que eu ganhei. Eu sou a ganhadora e você o perdedor agora. Pronto para ficar preso por um longo tempo? — comecei a rir. A cara de derrota dele não durou muito. Jacob odeia ficar preso enquanto me insinuo para ele, é quase como uma ofensa. 

— Preciso averiguar se você não deixou nenhum caco para trás. — ele cruzou os braços. Jogo o peso para um perno e levo uma mão na cintura, estalo a boca.

— Eu também vou ver se você não deixou nada para trás, mesmo que já tenha perdido. Só vou confirmar ainda mais a sua perda. — sorrio e caminho até a cozinha. Eu olho todo o chão e não vejo nenhum caco de vidro, nada, até olhei na sala caso o vidro tenha se espalhado. Mas ele varreu muito bem. Dou de ombros, ele perdeu mesmo e eu venci. Não deixei nada para trás. 

Volto para o quarto e vejo Jacob de joelhos, na verdade ele estava se levantando. 

— Veja só o que encontrei debaixo da cama. — ele ficou de pé e se aproximou. Abriu a mão e ali tinham dois cacos de vidro, do tamanho médio, como eu deixei passar? Bufei. — Aposto que não encontrou nada na cozinha, não é?

Bufo olhando para o lado. 

— Bom, já que você deixou esses dois de lado, eu sou o ganhador. Porque terminei minha tarefa primeiro do que você. — ele foi até o corredor e jogou sua pá na direção do lixo, largando os cacos de vidro ali. Revirei os olhos. 

— Não é justo. 

— Saiba perder, anjo. — ele piscou um olho. 

— Ta, tanto faz. Qual é o castigo? — fico com uma cara emburrada para ele. Eu varri com tanto cuidado pra deixar passar dois cacos? 

Jacob segurou na minha cintura e se aproximou, colando nossas testas e me fazendo andar para trás. Nossos olhos direcionados para o outro. Sua mão direita entrou por baixo do meu moletom e subiu pela minha pele, sua mão gelada na minha pele quente me deu uma ótima sensação. Subi os olhos até os dele e mordi a boca. Inspirei sentindo seu perfume invadindo o meu espaço, seus lábios roçaram nos meus e senti outra mão sua entrando pelo meu moletom. Fecho minhas mãos na sua camisa quando ele sela nossas bocas, sua mão direita circula minha coluna me dando apoio e a esquerda aperta meu seio me deixando surpresa pelo ato. Solto um gemido e mordo seu lábio com força por ele ter feito isso comigo, talvez ele tenha percebido que meu ponto fraco é esse. Ele continua apertando e massageando meu seio enquanto seus lábios chupam os meus, sua boca é macia e totalmente viciante. Levo uma mão até sua nuca e solto mais um gemido quando ele começa a apertar meu seio mais rápido. Minhas pernas viraram geleia, eu vou cair. Ele arrastou sua língua pela minha e chupou meu lábio superior. Meus gemidos ficaram incontroláveis quando ele massageou meus seios devagar, eu não sei como ele causa isso em mim, realmente não sei. Meu corpo todo já estava quente, já baguncei seu cabeço inteiro e agora eu só sei chupar seus lábios e gemer. Ele me paga. 

— O castigo vai ser me deixar vendar os seus olhos e te foder aonde eu quiser, por quanto tempo eu quiser. Sem você saber onde estaremos. — seu timbre grosso me fez gemer. Então ele me soltou e me olhou, eu encarei seus lábios inchados e vermelhos querendo eles para mim. Mas Jacob deu meia volta e saiu como se nada tivesse acontecido. As batidas do meu coração não queriam normalizar, eu ainda estava ofegante e agora eu sinto minha calcinha molhada. Grunhi de raiva. Ele definitivamente me paga.


Notas Finais


hmmm, acho que estamos quites. jacob se declarou duas vezes e a nicole também, que coisa linda :)
o que acharam? será que agora eles sossegam o cu e param com a viadagem? huh?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...