História 35 Drogas - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 5
Palavras 1.415
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Orange, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Camille


-Terceira Regra, Nada de Chutes , socos , nem Joelhadas nas regiões Baixas.

-Hmm…

Estávamos ali já a alguns Minutos, ou talvez, Horas. Desde que ele aceitou minha ajuda,  ele ficava Falando umas coisas chatas do Tipo, “Nada de Rosnar pra mim, nem Tentar me Matar, nem de ficar falando com as paredes e Blá Blá Blá”

-Tudo bem, acho que é só isso, já podemos começar.

Ele parecia ansioso agora,e só por isso decide Dar o Troco na Mesma moeda.

-Não, não meu Rapaz, tenha calma, você citou as suas Regras , agora eu vou citar as Minhas.

Ele pareceu surpreso, abriu a boca mas depois voltou a fechá-la , então deu um sorriso pra mim, e acenou com a cabeça me incentivando a continuar, o Único problema é que eu não sabia oque dizer agora, como iria fazer ‘Regras’? Eu geralmente inflingia as Regras, e agora iria criá-las?

-Oque foi ? Não tem criatividade suficiente pra criar uma Coisa tão boba como essa?

Cruzei os Braços e fiquei lá parada sem saber oque dizer, apenas observando ele me observar.

Depois de um tempo assim,ele cansou suspirou e disse.

-Tudo bem, Olha, é só você pensar em coisas que te irritam muito, que você sabe que vai se sentir incomodada se aquela determinada pessoa fizer aquilo, e pronto, cria as Regras, e impede aquela pessoa de fazer aquilo.

Bom então seria fácil, tirando a parte que o mundo todo me irrita. Mas me concentrei, em olhar pra frente para o Rapaz de Olhos Cor de mel , oque o Ethan fez nesse pouco tempo que mais me irritou ?

-Muito bem então, Primeiro nunca mais chame o hospital de ‘Zona’ em hipótese alguma.

Ele franziu a Testa mostrando uma Barroquinha entre as sobrancelha.

-Segunda, não fale comigo como se eu não fosse capaz de entender oque você diz, posso ser Louca , mas isso não quer dizer que eu precise ser Retardada também.

-Eu nunc…

-Cala boca, não me interrompe. Terceira, nunca diga que eu não posso fazer alguma coisa , só porque você acha que eu não tenho criatividade alguma. Quarta, Não me chama de louca, a menos que queira repetir a dose de agora pouco. E a quinta e última mas não menos importante, Nunca, sob Hipótese alguma , sob efeito de drogas ou não, Jamais encoste em mim de novo.

Ele me olhou confuso, confuso do tipo:

-Quando eu “Encostei em Você”?

-ah, eu digo encostei, mas quero dizer, Tocar, pegar, como você segurou no meu pulso um tempo atrás.

-ahh, Não se preocupe eu não pretendia “tocar’’ em você outra vez , Oque faz essa Regra ser inútil, mas ainda sim não entendi o motivo dela.

-Hora , apenas Faça, também não entendo o Motivo de algumas flores só se abrirem na primavera, e mesmo assim não estou fazendo questionamentos absurdos.

Balancei a Cabeça com as coisas sem sentido que ele falava.

-Muito bem, me fale sobre o seu avô, quero dizer, Nome, idade, motivo por estar aqui, essas coisas.

-Bom, ele se Chama Thomas Cooper, tem 74 anos.

Esperei ele continuar mas quando não continuou achei estranho.

-Ee…?

-E...eu não perguntei porque está aqui, nem a quanto tempo está aqui, por favor não me faça falar.

-Ok, já entendi que isso é uma zona proibida pra você tanto quanto é pra mim. E por isso vou respeitar, não tem nada a ver com você me pedir um ‘por favor’ com esses olhinhos pidões.

Ele meio que riu, meio que suspirou.

-Então oque fazemos agora?

-Bom, podia me falar a Fisionomia dele.

-Ahh, certo. Como ele é? Deixe me ver. Ah sim. Ele é meio Ranzinza , mas tem um coração maior que ele mesmo, tem uma cara de durão, é um pouco baixinho , bate nos meus ombros…

-Ou talvez você que seja alto demais, já pensou nisso?

-Agora é minha vez de mandar você calar a Boca. Hora. Não sou Tão Grande. Muito bem, Meu avô é meio Baixo, Cabelos Grisalhos, e a pele é morena. Acho que já é o suficiente.

-Legal. Caso eu esbarre com ele por ai já sei de quem se trata. Como já é um pouco tarde, e  tenho Remédio às 17. Ou seriam às 18? Bom de que importa não é? De qualquer jeito, é melhor eu ir.

Antes de eu dar um passo em direção ao Hospital, ele se pôs na minha frente.

-Oque? Vem cá qual o seu jogo Garota? Se faz de Louca de Propósito ? Só pra me irritar? Bom conseguiu.

Apenas olhei pra ele e empinei o queixo.

-Ai Meu Deus. Como pude acreditar numa Louca? Não é possível, como fui ser feito de bobo. Por. Por você? Ai meu Deus!

Ele passava a mão nos cabelos e olhava pro nada, olhava pro nada e passava a mão nos cabelos.

-Talvez porque menosprezou demais a Minha inteligência, quem se acha de mais uma hora se perde.

Ele me olhou zangado, apesar de ser um pouco insuportável e metido, ele tinha me dado uma tarde interessante talvez a melhor de todas que já tive por aqui. E olhe só, já tive algumas tarde boas. então Suspirei.

-Olhe. Tá vendo aquele prédio ali?

Ele olhou em direção ao meu dedo que estava apontando para o segundo prédio cinza por trás do que eu ficava.

-Oque que tem? Ai não. Espera. Agora é a hora que você faz piada de mim? Ai meu deus, como posso ser tão tolo?

Ele perguntava mais para o nada do que pra mim.

-Eu não vou responder a essa pergunta, porque você provavelmente vai se ofender. Mas preste atenção, aquele prédio, é onde seu avô está agora, não se preocupe ele está bem, só está fazendo alguns exames de praxe, provavelmente estão verificando o nível de insanidade dele.

Ele me olhou de lado , acho que absorvendo minhas palavras, e decidindo acreditar ou não.

-Como sabe disso?

-Porque também já estive lá. E bom, ouvi a Rebeka Gritar lá na recepção que ele estava fazendo alguns exames, então como seu avô entrou agora, tenho toda certeza que são esses exames. Não se preocupe, ele vai ficar bem, acho que essa noite mesmo, vai ser transferido para o Prédio A.

Ele me olhou com aquela expressão interrogativa.

-Ai. É o prédio oficial, onde ficam os pacientes menos agressivos e preocupantes, onde eu durmo.

A cara dele só pareceu mais perdida.

-Meu deus, você é lerdo mesmo assim ou fez doutorado? Onde você entrou pra esculhambar a Rebeka, não que eu me importe...

-Não, não eu entendi na primeira vez, oque não entendi foi a parte que você falou que , é o prédio para os pacientes menos agressivos e preocupantes, e perceba, perceba, ONDE EU DURMO.

Suspirei. E lá estava ele, sarcástico e me irritando, falando como se eu fosse uma aberração na terra, como se eu não tivesse uma gota de sensatez na minha corrente sanguínea, como se eu fosse tudo aquilo que a minha mãe dizia que eu era.

-E você sabia disso o Tempo todo?

-Sabia mais bom, isso não importa , importa? Posso passar agora?

Ele pareceu perceber que falou algo que me incomodou, porque parou de sorrir, e saiu da minha frente deixando o caminho livre.

Então comecei a caminhar para cada vez mais Longe do Ethan, E tenho que assumir que algo estava errado, tinha uma certa melancolia dentro de mim, por saber que essa era provavelmente a Primeira e Ultima vez que falaria com ele.

-Como você disse mesmo que se chamava ?

Ele gritou de Longe.

-Eu não disse.

Eu Gritei de Volta.


                               ***

A Água Caia forte lá fora, extravasando toda sua Fúria e eu estava deitada olhando para o teto vendo as gotículas da chuva escorregar e cair do lado da cabeceira da minha cama pela goteira que tinha no teto, sem conseguir durmir, cogitando a hipótese de ir ou não lá no balcão de medicamentos e pedir a Amparo algum sonífero para me ajudar a tirar um cochilo pelo menos.

Então foi Quando Ethan Dominou meus Pensamento sem mais nem menos por algum Motivo desconhecido. Apesar Daquele jeito , Mandão, e irritadiço que ele tinha, aparentava ser um bom rapaz, apesar do senso de Humor Bizarro e das Tentativas falhas de Piadas nada Legais. Foi bom conversar com ele, é muito raro conhecer alguém novo aqui no CL , digo, conhecer alguém que não seja nem Louco, nem Enfermeiro, nem Médico.

Bom Talvez ele seja médico. Mas de qualquer forma seria bom tê lo conhecido. Mesmo que ele fosse um paciente , acredito que teria sido bom. Acredito não. Teria sido. Com certeza Teria sido.

E com esse pensamento a escuridão me engoliu me levando para o mais profundo e terno dos sonos. Como a Muito tempo eu não havia tido.


Notas Finais


Desculpem qualquer erro 💙


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...