História 35 Drogas - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Exibições 5
Palavras 1.791
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Hentai, Orange, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um...😍

Capítulo 3 - Camille


Há uma mulher sentada em uma cadeira de balanço , Penteando meus cabelos enquanto eu estou sentada em um banco aos seus pés com um caderno cheio de questões de matemática para resolver.

-Vamos Camille, você consegue querida, qualquer criança da 5 série consegue.

-acontece que não estamos na Quinta série.

Resmungo impaciente por não conseguir concluir uma mísera divisão.

-Cami, preste atenção, você é uma menina muito esperta, é capaz de qualquer coisa, basta acreditar em si mesma,nunca duvide disso, Respire e continue. Apenas Respire e continue Camille.

-Aaahh!

Acordei sufocada com os soluços do meu choro ,é apenas um sonho,é apenas um sonho, é apenas um sonho.

Estou sentada na beira da minha cama com a respiração ofegante, e o coração batendo a 1000 por hora, não sei lidar com o vendaval de emoções que estão se abatendo sobre o meu peito é como se tivessem aberto as comportas da Tormenta que eu passei um tempo atrás, o céu não é nada justo comigo, depois que eu arrumei uma maneira para parar com a dor, eles me fazem passar por tudo isso de novo, ainda que não seja Real.

Eu deito na cama e me encolho até me sentir aquecida com meu próprio calor, o colchão mole cede ao meu peso, e eu fico ali chorando, sozinha, abraçando o meu próprio corpo na escuridão do meu quarto. Depois de um Tempo, sem conseguir pregar o olho, Levanto na ponta dos pés e saio do quarto tentando fazer o mínimo de barulho possível, ando pelos corredores tão silencioso e sem vida a essa hora e me surpreendo ao ver um senhor, não aparentando ser muito velho, porém com o semblante cansado sentado em um dos bancos sozinho da varanda perdido em pensamento.

Então, fui até lá já sabendo de quem se tratava, o avô de Ethan, então estava bem, e estava ali Realmente, me lembro de como me sentir um pouco sozinha no início , então por caridade e nada mais fui até lá fazer companhia.

-Noite Ruim?

Digo chegando perto do senhor Thomas, meio incerta de como ele reagiria.

-Sim, é a minha primeira noite aqui, e não consigo durmir.

-Ah, só está estranhando o Lugar, isso acontece com todo mundo, Logo você vai se acostumar.

Digo sentando ao seu lado.

-Creio que sim.

Voltamos nossa atenção para a vista que aquela varanda nos proporciona,a cidade toda brilhava sobre nós, mesmo o Costa e Luz Sendo Afastado da Cidade, ainda assim o terreno que ele ocupava era muito grande, e por trás do prédio A , dava pra ver os grandes prédios da metrópole, cantando sobre nós, nos desafiando e esfregando na nossa cara , o tanto que estávamos perdendo, presos nesse Lugar onde não há festas, nem sorrisos, nem datas especiais, apenas dias nublados e cinzas.

-E você?

Desviei minha atenção dos prédios e fitei, o senhor de idade e por um momento pensei ter visto traços que Ethan provavelmente herdou dele em seus olhos, como eles brilhavam , e a inocência que eles traziam, apesar de aparentarem ter visto muita coisa, a ternura era plena e quase palpável, através das íris cor de mel.

-Tive um Sonho.

-Sonho? Não seria um Pesadelo?

Eu meio que rir , meio que funguei.

-Não, foi um sonho.

Ele encrespou a Testa e eu assistir maravilhada as barroquinhas nascerem entre as sobrancelhas grossas do velho, que me lembrava tanto o Ethan

-Não entendo.

-Então deixe me explicar, Não tenho medo de pesadelos, porque nada mais pode me assustar, já os sonhos são diferentes, é uma coisa tão boa, uma sensação tão bela, eu me sinto tão… Tão… Inexplicavelmente bem, e isso me assusta, porque bom, quando eu acordo e o sonho acaba… Vem a dura Realidade , de que foi apenas um sonho , estou presa aqui neste lugar, e lembro também que não vou nunca me senti daquele jeito. E isso machuca bastante, e com o tempo, você aprende a temer os sonhos, não os pesadelos , da pra entender ?

-É bem complexo, uma maneira revolucionária de pensar eu diria, mas sim deu para entender.

-Não há Nada de Revolucionário nisso. Quando se está aqui a tanto tempo quanto eu, você percebe as coisas como elas Realmente são.

-Você talvez tenha uma ideia muito errada de como as coisas Realmente são.

-Ou o Senhor que tem uma venda no Lugar dos Olhos que o mundo lá de fora o colocou.

-Ou Talvez você que tenha uma venda nos olhos, que isso aqui colocou.

Ele abriu os braços apontando a varanda em volta de nós.

-Bom, eu vejo Suficientemente bem.

Eu me levantei enquanto ele me estudava, e por um Momento, eu achei que ele pudesse ver através da Minha armadura.

-O Ethan estava Procurando por você.

Os olhos do velho se acenderam.

-O meu neto estava aqui?

-Sim, o Ethan queria derrubar esse Hospital só pra te achar. Eu o Tranquilizei. Não se preocupe. É bem provável que venha o ver hoje.

Quase do mesmo jeito que o brilhou veio iluminando os olhos do senhor Thomas, também o deixou. E ele fez uma cara de desgosto, e por um momento me vi curiosa do porquê ele estava aqui, e oque a família do Ethan Tinha contra Hospitais Psiquiátricos.

-Algum Problema?

-Não. Apenas não queria que me vissem aqui. Nessas condições.

-Hora, Qual é o problema com o Lugar? A Soraia Deixa ele bem Limpo, menos o Banheiro do corredor sul, a situação por lá não é das melhores mais…

-O problema não é a Limpeza, é o Lugar.

Ele falou com a voz vacilante.

-Bom, eu não tenho certeza quanto a Isso, mas tenho certeza que não morava no palácio de jade também, porque se morava aí sim dá pra entender o desgosto, mas como sei que não morava , não devia ficar Triste quando eles vinherem, devia ficar Triste quando eles pararem de vir.

-Eles não vão parar.

Ele falou com a voz firme, mas meus olhos capturaram uma faísca de incerteza em seu semblante.

-Tomara que não.

Fui caminhando de volta para o meu quarto, um cansaço extremo se abateu sobre mim e o meu corpo só queria Deitar e descansar. Mas ante de alcançar as grandes portas de vidro que levavam para o interior do Hospital o senhor Thomas me Perguntou como eu me Chamava e eu respondi:

-Sou Camille, Não precisa se esforçar para guardar o meu nome, porque você ainda vai ouvir falar dele muitas vezes.

                   

                                ***


Tec, Tec, Tec. Eram os sons que faziam a minha máquina de escrever cor de Rosa.

Eu estava na Página 787 do meu Livro, estava escrevendo uma Cena de Ação , onde o Mocinho/Vilão Terrorista , ia Salvar a Mocinha/Filha do Seu Chefe. Quando alguém Bateu na Minha Porta.

-Quem quer que seja , é um ser humano Morto.

Disse caminhando em direção a porta.

-Já falei que não quero ser incomodada a essa Hora.

Abri a Porta e dei de cara com um Ethan Sorridente, com Tipo de Sorriso que poderia Bambear pernas de Mocinhas/Loucas internadas em Hospitais Psiquiátricos.

-Ah é Você. Qual era o seu nome mesmo ? Dilan? Stefan ? Nathaniel ?

Isso só fez com que o seu sorriso aumentasse.

-Olá Camille.

-Andou fazendo uma investigação sobre mim, Ethan?

Ele Levantou uma sobrancelha daquele jeito Sexy de Mocinho/Vagabundo barato conquistador de Livro de quinta categoria.

-Uê, achei que não soubesse o Meu nome.

Reviro meus olhos, e Respiro fundo para me manter calma.

-Nossa aquilo é uma Máquina de Escrever ?

Ele disse olhando através de mim , para dentro do quarto. Fecho a porta , e fico ao lado de fora, com as costas coladas na madeira, Repelindo Olhos curiosos do meu mundinho particular.

-Qual é o seu problema?

-Nossa, olha só a senhorita “Vou sair daqui pela sua antipatia”, quem está sendo grosseiro agora?

-Nunca prometi ser simpática, diga Logo oque quer.

Ele pareceu pensar sobre oque , então finalmente disse.

-Não sei, bom, eu queria ver você de novo, quando não me disse o seu nome eu,eu não sei , só sei que passei a noite inteira te dando mil e um nomes na Minha cabeça…

-Você pensou em mim? Quer dizer, você sabe meu nome, como … Quem te contou?

As palavras saíram meio Enroladas da minha boca e eu me xinguei mentalmente por demonstrar estar sentindo mais do que desinteresse nessa conversa.

-Meu avô… Eu fui visitar , e ele bom… Você quer sair ?

Eu olhei pra ele meio sem entender, ele estava falando sério? Sair? A essa Hora? Tudo bem que ainda estava de tarde mas sei lá.

-Não sei, é que eu tenho muita coisa pra fazer e…

-Coisas que não dão pra fazer depois? Considerando que tem bastante tempo livre…

Isso me deixou irritada, ele achava que eu não fazia nada da vida? Bom. Talvez eu não fizesse mesmo, mas idai? Só eu tinha o direito de dizer isso, ele não, ele não sabe nada sobre mim.

-Quer dizer, suponho que tenha bastante tempo Livre?

-Não , não tenho Ethan, aliás não devia nem estar aqui de bate-papo , se me der Licença.

Abri a porta e com uma Rapidez de Leopardo estava dentro do quarto, mas antes que pudesse bater com a Porta na cara dele , ele pôs o pé no batente me impedindo de me trancar ali.

-Muito bem, amanhã eu passo aqui, tem um tempo livre amanhã não tem ?

Suspirei, ele não ia desistir.

-Não vai me deixar em paz né?

-Não mesmo.

Ele sorriu ao falar isso, e quase inconscientemente a minha barriga Gelou, e os meus lábios se esticaram para se juntar ao seu sorriso, mais minha parte mais Lúcida , se Recusou a sorrir , me fazendo fechar a cara.

-Vamos lá fora?

-Aonde você quiser Princesa.

-Não estamos num castelo, não me chama de princesa.

-Tudo bem, Princesa.

Unhf

Ele não ia parar.

Peguei o meu casaco cinza claro, e sai do Quarto , trancando a porta com a chave antes de sair por ai com um cara Insuportável, para evitar bisbilhoteiros como o Frank por exemplo.

-OK, Vamos.

-OK.

Mas ele ficou lá parado na minha frente Rindo.

-OK…

-OK…

Ele continuava lá me olhando , exibindo aqueles dentes brancos…

-OK, isso é alguma Piada ?

-Oque , não entendeu a Referência?

Olhei pra ele meio na dúvida do que dizer, não , não entendi nada.

-A Culpa é das estrelas , o Filme ? Sabe com aquele ator Ansel, que fez o Augustus Waters...Não? Nunca?

-Não , não faço a minima ideia.

Ele pareceu despertar do Transe e aquele garoto sorridente e todo “Eu passei a noite toda de dando nomes” desapareceu, dando lugar a  Ethan sombrio e pensativo.

-Não é claro que não faz.

Ele sussurrou.

-... Enfim, Vamos ?

-Claro.

Ele me deu o Braço , como em alguns Filmes antigos que eu vi uma vez, os Rapazes ofereciam o braço para as mocinhas segurarem, e elas se derretiam ao andar com ele por aí.

Olhei ele lá esperando eu agarrar o braço dele que nem uma menina desesperada por atenção, e fingi que não vi, botei um sorriso sínico no rosto e sai na frente em direção a ala Leste.


Notas Finais


Desculpem qualquer erro. 💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...