História 4 Anjos4 perdições! - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Charlie, Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gray Fullbuster, Happy, Juvia Lockser, Levy McGarden, Lucy Heartfilia, Mystogan, Natsu Dragneel, Wendy Marvell
Tags Fairy Tail, Romance, Sexo
Visualizações 104
Palavras 2.258
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Fantasia, Hentai, Luta, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Desculpa minaaa.... Acabei ficando sem tempo de escrever, mais prometo me esforçar mais. Aproveitem a leitura, e comentem pessoal. 😊😊❤

Capítulo 19 - Amanhecer de Sol


Fanfic / Fanfiction 4 Anjos4 perdições! - Capítulo 19 - Amanhecer de Sol

"LUCY ON"

O sol batia forte em meu rosto, aquelas cortinas rosa bebê não escurecia nada naquele quarto, hoje sei como é bom dormir e aquilo estava sendo um problema. Olhei o relógio e ainda era 8 da manhã.

Desce as escadas ainda me lembrando da noite passada, quase transei com Natsu e minha pele ainda se atiça só de lembrar de sua poca percorrendo meu corpo. Sorri sem nem mesmo perceber.

-Bom dia filha esta feliz?! Minha mãe sorri assim que adentrei a cozinha.

Me assustei, soltando um sorrisinho nervoso.

-A noite passada foi boa? Ela perguntou-me curiosa.

-Nem tanto. Revirei os olhos.

Obs:Boa? BOA? boa é apelido foi sensacional maravilhosa estupenda.

-Mãe quero mudar meu quarto. Falei mudando de assunto.

-Estava pensando nisso, quer minha ajuda? Ela perguntou-me já se oferecendo.

-Claro por que não. Consenti era divertido sair com ela.

Depois do café da manhã nos arrumamos, vesti uma saia rodada preta e uma blusinha branca por dentro fazendo um pouco de pano, uma sapatilha da mesma cor da saia soltando meus cabelos. Um pouco de maquiagem para da um brilho a minha cara pálida e estava pronto. Minha mãe já me esperava em seu carro.

No caminho para o shopping passamos por minha antiga escola, um dejavu passou por minha mente. Todos aqueles momentos foram incríveis. Estacionamos o carro e entramos. Passamos por diversas lojas de móveis e roupas de cama.

Comprei uma cama de casal com molas do jeito que eu queria... Um enorme guarda roupa branco e rosa escuro que me apaixonei assim que o vi, dois criados mudo de cor branca para colocar ao lado da cama e mais dois abajures preto para ficar em cima deles, cortinas pretas para da uma escurecida naquele quarto, um enorme PUF para colocar nos pés da minha cama, uma mesinha de estudos cinza e rosa, e uma prateleira de madeira que era de fundir a parede branca para colocar e organizar meus diversos livros, inclusive o que escrevia por robe, um tapete de pelugem cinza. E o principal tinta... Tinta branca e azul, onde só era azul a parede onde ficava minha cama.

Voltamos para casa e já passava da hora do almoço subi e retirei algumas coisas para que os pedreiros começassem com a reforma. Tomei um banho e me vesti com um vestido azul rodado e desce para a sala de jantar.

-Natsu..? Me assustei ao ver o mesmo conversar com minha mãe.

-Lucy... Ele sorri abertamente. -Que demora para um banho só. Ele coça a nuca me encarando maldosamente.

Ou era só eu que o via me olhar daquela forma?

-O convidei para almoçar conosco querida. Minha mãe sorri bagunçando os cabelos esvoaçantes de Natsu.

-C-Claro tudo bem... Consenti e fomos em direção a mesa.

Mãe passou em nossa frente e ele me alcançou.

-Achou que eu esqueceria... Ele sussurra em meu ouvido. -Quero terminar o que começamos gostosa. Ele sorri beijando meu pescoço e dando um tapa em minha bunda.

Minha pele se atiçou. Arrepios e um fogo incontrolável tomou conta de mim.

-Vamos meninos. Minha mãe gritou.

-Hi... Ele gritou correndo em sua direção.

Apressei meus passos e tentei controlar minha respiração ofegante.

Durante todo o almoço ele me olhava e sorria maliciosamente. O que me deixava nervosa e irritava em ver que ninguém percebia além de mim.

-Obrigado tia tio, tava um delícia o almoço. Ele agradeceu assim que acabamos. -Vamos Lucy... Ele mal me chamou e já foi me puxando para fora.

-Vão para onde? Minha mãe gritou. E o olhei com a mesma curiosidade.

-Tínhamos marcado de assistir um filme lá em casa, tchau. Ele me puxou ainda mais rápido.

-Tinhamos? O perguntei confusa.

Olhei para trás e pude ver a expressão de desço fiança de minha mãe. Como se dissessem use camisinha.

Ele apenas sorri sarcástico e sela seus lábios nos meus. Adentrando em sua casa. Escadas a cima ele me apalpava e me beijava sem nem me da tempo de pensar. Sabia exatamente o que ele queria, e devo admitir que queria o mesmo.

"LUCY OFF"

"NATSU ON"

Desde que a vi me sentir diferente, estava inquieto e ansioso e a cada instante sentia vontade de tocá-la e tê-la em meus braços, seu cheiro me deixava louco e depois do nosso primeiro beijo acabei me viciando nele como abelha no mel.

Estava bêbado devo admitir, mais dei graças a Deus por isso, se não fosse isso não teria me aproximado dela de novo, a vi sem graça e fria. Talvez não quisesse mais me ver, mais senti que ela ainda gostava de mim.

Ela cuidou de mim até em momentos inoportunos, mais depois daquele banho gelado voltei ao meu estado normal de espirito pelo menos eu acho (risos) ver ela ali sentada em minha cama com ar de inocência, despertava a fera que existia em mim. Meus desejos mais pervertidos passou em minha mente.... Ah... Como queria fodê-la. Não queria tratá-la apenas como um objeto ou que ela pensasse isso. Eu a queria a queria comigo ali.

Eu a olhava e suas curvas me faziam me perder, e aqueles peitos... Puta que pariu! Como cresceram... Não pude me conter e avancei nela, ela demorou a reagir mais não me afastou, foi minha deixa para prosseguir e profanar aquele corpo. Entre várias carícias sabia exatamente como satisfazer uma mulher, alguns anos de prática e vídeos pornôs ajudaram bastante. Mal me dei conta e já estavamos nus. Ela estava tão molhada, não conseguir não rir. Aquele pele fina e macia, seu rosto rosado me dava calafrios, queria meter nela. E ela tão queria, pois não parava de roçar em mim.

Mas, como tudo que é bom dura pouco, meu velho... Aquele maldito decidiu aparecer, na melhor parte, aquele velho tarado sempre chega tarde maia justo nesse dia, ela decide aparecer cedo e o pior entrar no meu quarto sem bater. Ela se encolheu em meu corpo, ela estava muito envergonhada por causa daquele velho.

-Esse velho, nunca ta em casa justo hoje ele decide vir cedo. Murmurei indignado.

De certa forma foi culpa minha esqueci do evento que iria ter hoje, e eu como filho único do grande Sr. Igneel Dragneel teria que comparecer.

Assim que ela foi embora, terminei de me arrumar. Desce as escadas vendo um velho elegante de terno preto com a maior cara de desconfiança.

-Qual foi velho, desde quando você invade meu quarto daquele jeito. Protestei olhando o mesmo sorri.

-Como eu ia imaginar que você ia está fazendo aquilo. Ela sorri. -Meu garotinho tá crescendo. Ele me abraça gargalhando ainda mais.

-Pai pelo amor de Deus, já tenho 19 anos. Murmurei sem graça.

-Eu sei garoto tô só zuando. Ele afaga minha cabeça.

-Você ainda me paga, vai ter volta deixa só você trazer alguma mulher pra cá. O fitei malicioso.

-Ei pirralho, faça algo e eu quebro seus dentes. Ele sorri e entramos no carro.

Jamais deixaria isso passar. Esse velho tarado quase toda noite leva uma mulher diferente pra casa, nunca conheci minha mãe, mais meu tio Metalicana disse que foi depois de sua morte. Mais mesmo assim... Todos os dias já é demais, não sabia se sentia ciúmes dele ou inveja. (RISOS)

Chegamos e varias pessoas vestidas de forma elegante passeava pelo gramado, a casa mais parecia um castelo. Música clássica ao vivo era tocada lenta e calma, teve que me segurar muitas vezes para não dormir. Vários filhos de governadores e senadores passeavam de nariz em pé, meu pai conversava com tio Metalicana, percorre meus olhos por todo o local e não achei o maldido Gageel que me deixou sozinho aqui nesse lugar. Meus olhos percorriam o ambiente chique e elegante, varias garotas de vestido justos e decotes grandes flertava comigo, mais nenhuma delas me chamava a atenção, a única que roubava meus pensamentos era a minha Lucy, minha mente voava e seu corpo nu, sua boca e seus olhos não saiam da minha mente. Me sentia excitado e ninguém poderia me satisfazer se não fosse ela.

Fomos embora tarde, e mal conseguir dormir, seu cheiro doce ainda estava impreguinado nos meus lençóis.

Estava sentado na porta olhando para o céu, acabei acordando mais cedo do que deveria, vi tia Layla pela porta de vidro onde ela arrumava algumas coisa na cozinha.

-Bom dia tia! A cumprimentei sentado no muro baixo de nossas casas.

-Bom dia Natsu... Ela sorri. -Como está?

-To bem e vc?

-Tô ótima querido depois que minha filha voltou estou muito feliz.

-Fiquei sabendo tia.

-Que tal almoçar aqui em casa hoje? Ela me olha cúmplice.

-Adoraria tia. Sorri e a olhei da mesma forma.

Encontrei minha garota ainda mais linda, ela ficava perfeita de vestido. Eu queria ela, e assim que a vi meu garoto se animou de uma forma incontrolável. A olhava, eu sabia que ela estava se incomodando mais não conseguia olhá-la diferente eu desejava ela mais que tudo.

Mal acabamos e a puxei para minha casa. Não conseguia não deseja lá, a arrastei para meu quarto entre beijos e amassos, aquele cheiro me deixava louco. Meu pai tinha ido para a empresa, pelo menos hoje ele não vai interferir.

-Natsu... Ela protestou corada assim que adentramos meu quarto.

-Eu sei Lu... Estou sendo muito rápido. Suspirei me desaprovando.

-Natsu... Eu... Não sei... Ela suspirou exitante. -Depois de todo esse tempo, você sempre me tratando mal, sempre me colocando pra baixo. Ela estava nervosa e melancólica. -Você só quer o meu corpo Natsu. Ela soltou de uma vez só.

Sorri... E ela me olhou incrédula.

-Não Lucy, nunca quis só o seu corpo. A olhei terno. -Sempre me sentir diferente perto de você, sempre gostei de conversar com você e de te ter por perto, achava que era só coisa de guri, acabei me afastando e senso um idiota com você, eu tinha minhas razões mais vc não merecia. E assim que você foi embora, foi como se tivesse levado algo de mim... Percebi que gostava de você muito mais do que imaginava. Coço a cabeça sem jeito.

-Natsu eu...

-Não precisa falar nada, se quiser ir embora não vou te impedir você ta no seu direito e... Fui interrompido.

Ela avançou em mim me beijando com luxuria, logo nossas línguas se inter laçavam em um ritmo acelerado, a puxei para mais perto e a vi soltar um gemido abafado assim que a mesma sentiu minha ereção. A escanchei em minha cintura, a levando até a porta para assim tranca la.

Obs: Precaução é tudo, e se eu ficasse mais um dia de pau duro iria morrer de gala presa.

A levei para a cama, e beijei delicadamente seu pescoço descendo para seus seios, retirei seu vestido vislumbrando sua calcinha de renda branca e seus grandes seios. Abocanhei um deles o chupando e passando a lingua, e me excitava ainda Mais quando ela gemia meu nome. Acariciei sua intimidade fazendo movimentos leves e circulares logo minha mão estava molhada por seu líquido, seus olhos quase que me suplicavam por mais. Retirei minha roupa ficando completamente nu, e a mesma corou ainda mais, o que me fez rir um pouco. Retirei sua calcinha e me ajoelhei abocanhando sua intimidade a fazer contorcer-se, e a medida que aprofundava minha lingua e intensificava os beijos elas gemia alto.

-Na... NATSU... Por favor... Ela me implorou puxando meus cabelos.

Subi beijando sua boca mais uma vez... Poderia morrer beijando aquela boca.

-Você esta pronta? Me posicionei entre suas pernas, e vi a mesma consenti com a cabeça.

Assim que entrei, sua unhas se encravaram em minhas costas, com movimentos lentos, fiquei um tempo para que ela se acostumasse, ela logo estava ofegante e gemendo pedindo por mais. Acelerei um pouco, e a mesma gemeu ainda mais. Me ajoelhei na cama a colocando de lado, levantando uma de suas pernas e me encaixando no meio delas.

-Vou acelerar um pouco minha princesa. Sorri e a mesma confirma ainda ofegante.

Rápido e com estocadas fortes a fiz gemer e se contorcer.

-N... NA... NATSU... Ela gemera meu nome em desesperada.

A coloquei de costas e me debrucei por cima dela, enfiei com ainda mais luxúria e vontade. E a mesma gemera me olhando de soslaio segurando forte meus cabelos.

-Natsuuu... Ela gemeu ainda mais alto.

-Lu... -chan. Murmurei ao seu ouvido vendo a mesma se arrepiar ainda mais.

Sai da mesma para não gozar dentro dela.

-Lu... Você esta bem. Sorri vendo a mesma completamente morta deitada em minha cama.

-Acho que sim... Ela sorri sem graça.

Vesti minha cueca e me deitei ao seu lado. Abraçando ela por trás coloquei um filme na TV para assistirmos. Mais ela logo adormeceu.

Já era noite.

-Nossa como tá tarde... Lucy corre para se vestir.

-Calma pequena. Sorri.

-Calma nada, meus pais vão me matar. Ela corre de um lado para o outro como um furacão.

Gargalho ainda mais.

-Tudo bem...

-Você viu minha calcinha? Ela sorriu sem corada.

-Espera. Peguei a calcinha e me ajoelhei lha ajudando a vesti, a medida que subia dava leves beijos em suas pernas, e após colocá-la em seu devido lugar beijei sua intimidade por cima do pano.

-Natsu... Ela protestou corada.

Apenas sorri e a acompanhei até sua casa.

-Tchau...

Assim que ela se virou segurei seu braço e a virei de novo dando-lhe um Celinho.

-Tchau... Falei já saindo.

Meu celular tocou.

"LIGAÇÃO ON"

-Seu idiota, vamos o jogo já vai começar. Gray se exalta.

-Tinha esquecido, já to indo. Corre para tomar uma banho e me vestir.

"LIGAÇÃO OFF"

"NATSU OFF"



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...