História 4 Rules - Nyongtory - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias 2NE1, Big Bang, Jay Park, Tablo
Personagens Cl, D-Lite (Daesung), G-Dragon, Jay Park, Lee Seon-woong "Tablo", Sandara Park, Seungri, T.O.P, Taeyang
Tags 2ne1, Bigbang, Daesung, Gdragon, Gri, Nyongtory, Sandara, Seungri, Taeyang, Todae, Top
Exibições 269
Palavras 7.422
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Festa, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Primeira Regra.


Fanfic / Fanfiction 4 Rules - Nyongtory - Capítulo 8 - Primeira Regra.

Pov Seungri

Parecia que eu estava brigando com a cama de tanto que eu me remexia, me virava, resmungava, e socava o travesseiro.

Eu não sei quanto tempo se passou, mas sabia que foram longos minutos nos quais eu tentava dormir. Mas não obtive sucesso.

Me vi abrindo os olhos mais uma vez naquela noite e olhar as horas no meu celular.

Duas horas.

Duas horas haviam se passado e eu ainda não havia conseguido dormir. E tinha três motivos para isso. 

Primeiro:  Eu nunca havia assistido um filme porno. Mesmo que tenha sido algo "leve" continuava sendo um filme porno. 

Segundo: Eu nunca pensei em Jiyong daquela forma. Todas as vezes que eu o vi de boxer, meu corpo esquentava e eu tinha vontade de toca-lo, mas não de uma forma tão quente como a do vídeo, porque nunca se quer tinha visto como isso funcionava. Então quando eu via meu melhor amigo em roupas intimas meu corpo reagia, e eu só tinha vontade de toca-lo, mesmo mão sabendo como.

Terceiro: Eu nunca havia me tocado. É claro que muitas vezes meu corpo esquentou de uma forma que eu tivesse vontade, mas eu sempre me livrava dos pensamentos.

Mas eu não consegui me livrar deles dessa vez, porque tudo pareceu mais intenso. Ultimamente tudo está parecendo mais intenso ao lado de Jiyong. São meus pensamentos quentes com ele, que foi ao limite essa noite. São nossas brigas, que antes eram bobas e pela a primeira vez se tornou séria. É a forma que ele está me fazendo me sentir desde quando me beijou.

Antes do beijo, eu sempre me senti estranho ao lado dele, feliz demais, com o coração acelerado demais. Eu sentia corar sempre que ele me encarava ou quando me elogiava, eu me pegava olhando os lábios dele e os meus formigavam. Eu sentia coisas estranhas na minha barriga. E tudo isso só intensificou quando ele beijou.

Como eu disse, tudo parecia ter ficado mais intenso após o beijo.

Antes eu sentia coisas por ele que eu tentava classificar como normal. Hoje eu já não sei definir o que eu sinto.

Afastei os pensamentos novamente e apenas bufei irritado, me levantando da cama.

Não estava tão tarde assim e o lugar onde eu morava era tranquilo, então eu resolvi ir na conveniência tomar um café, coisa que eu fazia sempre quando eu perdia o sono nas madrugadas.

Antes de ir eu apenas troquei meu shorts por uma calça porque estava muito frio lá fora.

Peguei as chaves de casa e sai do meu quarto, quase tropeçando nas escadas pela casa estar praticamente toda escura e eu ser bastante desastrado. Tentei não fazer barulho pra não perturbar o sono dos meus pais, mas de madrugada até uma formiga passeando no chão parecia fazer barulho. Portanto, o barulho que meu pé fez ao tropeçar no ultimo degrau foi alto, mas felizmente meus pais não acordaram, e eu tive que segurar o grito e pagar por ser desastrado. Fui mancando até a porta da sala tentando fazer o minimo de barulho, quando eu sai agradeci aos céus, mas logo meu sorriso sumiu quando um vento congelante bateu em mim. Quase desisti de ir até a conveniência, porque o frio estava tão congelante que parecia que ia nevar, mas meu café era mais importante. Então eu praticamente corri até o meu portão, e quando sai, corri também para o outro lado da rua, me tremendo de frio. Nem a calça, as três blusas que eu usava, o casaco e minha toca estava ajudando. Corri só mais um pouco até a conveniência e consegui relaxar quando eu cheguei lá dentro, pois estava quentinha por causa do aquecedor. 

Tinha apenas algumas pessoas por causa do horário e tocava uma musiquinha que ficava na cabeça, tipo as musiquinhas de elevador. Eu logo fui pras maquinas de bebida e peguei meu precioso café. Mas resolvi pegar também alguns doces. Estranhei quando o chocolate da minha marca preferida parecia estar em falta, olhei em todas as prateleiras mas não se encontrava em nenhuma delas.

Sorri ao que vi uma ultima barra bem ao fundo de uma das prateleiras. Mas antes que eu conseguisse pega-la uma mão a pegou primeiro, a roubando de mim, me fazendo logo formar um bico involuntário nos lábios.

Eu fiquei encarando a prateleira vazia durante alguns segundos, não acreditando que pegaram a minha ultima barra.

Assim que eu levantei o olhar para o ladrão de barras  de chocolate, arregalei os olhos.

— Não consegue dormir? — Jiyong falou, com minha preciosa barra na mão e um copo de café na outra.

— N-Não. — E lá estava meu coração acelerado por finalmente Jiyong ter falado comigo. — E você?

— Também não.

Ele pegou no meu pulso e colocou a barra na minha mão.

Antes que eu pudesse falar pra que a gente parasse com aquela briga idiota, ele deu as costas. Não de uma forma rude, apenas lentamente, como se falasse pra eu o acompanhar. Então fomos ao caixa em silencio e pagamos pelo o que compramos. Assim que eu sai da conveniência, o vento frio, quase insuportavelmente, atingiu meu corpo, me fazendo tremer e andar um pouco mais rápido assim como Ji, que estava um pouco mais a minha frente.

Aish, era pra eu ter vindo com o meu edredom.

Antes que eu pudesse falar alguma coisa novamente,  ou simplesmente esperar chegarmos em nossos jardins como Jiyong provavelmente estava fazendo, um barulho de trovão atingiu o meu ouvido e eu dei um grito nada másculo.

Em questão de um segundo uma chuva totalmente forte começou a cair, não demorando nem 5 segundos para meu corpo ficar encharcado.

— Droga! — Ouvi Jiyong dizer e senti sua mão segurar a minha. Mesmo estando muito frio a mão dele continuava quente.

Corremos até nossos jardins enquanto eu me tremia todo e jurava que poderia congelar ali mesmo. Jiyong não deixou eu entrar na minha casa, fomos direto para a dele. Ele abriu o portão com pressa e entramos, ele fez o mesmo com a porta da sala ate finalmente não estarmos sendo alvos da chuva.

Eu tentei respirar fundo por ter corrido mas eu só conseguia tremer. Então sem tentar fazer muito barulho eu e Ji subimos direto pro quarto dele. 

Eu dei uma sequencia de espirros e me senti um bichinho molhado. Jiyong não estava muito diferente de mim. Estavamos tão ensopados no meio de todo o frio que estava fazendo que começamos as nos livrar de todos aqueles panos sem pensar duas vezes.

Eu me senti um pouco mais aliviado quando parte do que eu vestia já não estava mais sobre o meu corpo.

Minha respiração engatou quando novamente naquela noite meus olhos batiam em Jiyong apenas de boxer. E no meio de todo aquele frio meu corpo estava quente novamente.

O quarto de Jiyong estava iluminado apenas pela a luz da lua, porém eu conseguia enxergar perfeitamente as goticulas da água da chuva em seu corpo, e o mesmo estava tremendo levemente pelo o frio. Sua pele estava levemente arrepiada.

Eu levantei meu olhar devagar até os olhos dele e percebi que seus olhos não encaravam os meus, e sim o meu corpo.

Naquele momento eu me dei conta que estava apenas de boxer na frente de Jiyong, seu olhar me queimava e sobre ele me senti totalmente nu. Eu escutava o barulho das nossas respirações pesadas.

Naquele momento eu congelei.

Subimos tão rápido para o quarto dele, e com o intuito de nos livrarmos das roupas encharcadas, que nem nos demos conta de termos nos despido até ficarmos apenas de boxer.

Era uma atitude comum vinda de Jiyong ficar apenas de boxer na minha frente, já no meu caso, não era uma atitude comum.

Eu nunca ficava de uma forma tão intima na frente de alguém.

Óbvio que Jiyong ja havia me visto apenas de boxer, mas isso acontecia quando eramos mais novos. Conforme fomos crescendo, e meu corpo mudando, eu nunca deixava alguem me ver se quer sem camisa, eu morria de vergonha e era totalmente inseguro.

Então, assim que me dei conta que estava daquela forma em frente ao olhar penetrante e surpreso de Jiyong por me ver daquela forma, eu simplesmente me dei conta de como estava.

Eu simplesmente me taquei nos braços de Ji, em uma maneira de me proteger dos seus olhos.

— N-Não... não olha, eu não sei o que m-me deu pra eu ficar desse jeito. Mas não olha assim pra mim. — Pedi, abraçando o corpo levemente molhado de Jiyong e choramingando por estar naquela situaçao vergonhosa pra mim.

— Ei, ei. Calma. — Senti os braços dele envolver minha cintura. — Eu sei que você não gosta de se despir na frente de alguém. Mas eu fiquei surpreso por você fazer isso hoje, então desculpa se eu encarei o seu corpo. Eu já te disse que você não precisa ser inseguro desse jeito, Seungri... mas você sabe que eu vou respeitar e não vou olhar, ok?

Eu assenti devagar, eu confiava nele.

Ele sempre me dizia que não havia motivos pra eu ser inseguro com o meu corpo. Mas era só que eu nunca tive uma experiencia de ficar de tal forma com alguém. E o pensamento de alguém não gostar do que ve me fazia ficar extremamente envergonhado e em panico.

— Não precisa me agarrar dessa forma. Você sabe que eu não vou olhar, panda. — Jiyong falou, soltando um risinho que me fez relaxar, mas por ver que ele não estava irritado comigo pela a nossa briga. — E quantas vezes eu vou ter que dizer que você é perfeito?

Ele disse aquilo com as mãos em meu rosto e encarando meus olhos.

Eu estremeci e me senti corar mais ainda. Mas sorri como um bobo.

— Voce adora me ver ficar sem graça. Eu odeio você. — Resmunguei, escondendo meu rosto em seu pescoço. Agora eu o abraçava, não porque tinha medo que ele me encarasse, e sim porque eu senti muito a falta dele. — Eu não acredito que fiquei sem falar com você por uma semana. Eu senti tanto a sua falta.

— Me desculpa por ter gritado com você. Ah, eu fui muito idiota!

— Você foi... — Falei baixinho contra o pescoço dele e eu senti seu corpo tremer com a risada que ele deu. — Mas eu tambem fui. Me desculpa, Ji. Você ta com raiva de mim?

Perguntei o olhando nos olhos novamente. Ele deu um dos seus sorrisos bonitos.

— Não. E você?

Eu sorri.

— Não.

— Então você vai dormir comigo hoje ou vai me deixar sozinho em mais uma noite fria?

Eu ri e neguei com a cabeça. Levando minhas mãos até suas bochechas, as apertando até ele fazer um biquinho. Ele sempre resmungava com essa minha mania, mas eu não conseguia evitar, eu fazia isso com ele desde quando eramos bebês. E eu não tenho culpa se ele tem bochechas muito fofas, sem falar que eu estava a uma semana sem fazer isso nele, tanto que dessa vez ele nem reclamou, apenas sorriu mais ainda.

— Vou dormir com você.

Ele assentiu e eu espirrei. Aquilo fez a  gente se tocar de que estavamos parados no quarto, ainda apenas de boxers, com o corpo molhado em um frio quase insurportavel.

Eu voltei a encarar Ji com medo dele olhar meu corpo, mas ele não o fez, ele apenas sorriu doce e eu senti minha respiração falhar, meus olhos arregalarem, pois ele aproximou seu rosto do meu, nossas respirações se misturaram e eu o vi fechar os olhos.

Naquele momento eu senti meu coração voltar a bater bem mais rapido.

Eu fechei meus olhos, senti meu corpo tremer e não era pelo o frio.

Porém, ele não beijou como achei que beijaria, ele apenas deu um beijinho na ponta do meu nariz. Naquele momento eu quase puxei ele pela a nuca para selarmos nossos lábios.

O que estava acontecendo comigo? Por que esses pensamentos estavam se tornando frequentes?

Afastei esses pensamentos e Jiyong se afastou de mim, e então se virou de costas para eu me afastar do corpo dele. Assim eu fiz, entrando em seu banheiro, só abrindo de novo quando Ji bateu na porta para me entregar um pijama dele. E quando eu o visto, saio, vendo Jiyong já deitado na cama, com roupas secas e com os braços abertos. Naauele momento eu sorri e voltei a ve-lo como o meu melhor amigo que eu senti tanta falta.

Eu deitei por cima dele e ele jogou o edredom quentinho sobre nós, nos esquentando assim como nossos corpos faziam.

Ele me envolveu em seus braços e eu fiquei com a cabeça encostada no seu peito, me sentindo confortável e feliz por ter aquilo. Ficar sem abraça-lo foi como ir ao inferno.

Depois de alguns segundos eu sai de cima dele e deitei ao seu lado, frente a frente com seu rosto. Uma mão dele estava encostada levemente na minha cintura e minhas mãos estava no peito dele, sobre a camiseta que ele usava. Minha respiração voltou a ficar mais pesada novamente quando os malditos pensamentos comigo me masturbando pensando no Ji a horas atrás voltou a minha mente.

Eu juro que tentava evitar pensar, eu me sentia tão envergonhado. Eu não sabia que seria capaz de fazer aquilo...

E o olhar de Jiyong sobre mim me fazia  sentir-me nu, era como se ele soubesse o que eu estava pensando, como se soubesse o que eu tinha feito, ele me olhava diferente, mais intenso. E aquilo me deixava mais nervoso, com medo que ele descobrisse o que eu fiz apenas com o meu olhar.

Eu não consegui continuar o encarando, mas minhas mãos permaneceram agarrando sua camisa, a puxando levemente, eu cheguei a me remexer na cama por ter fechado os olhos e ter lembrado da minha mão me tocando enquanto imaginava ser Ji.

E agora Ji estava ali...

Eu resmunguei e escondi meu rosto no pescoço dele. Eu não queria ter esses tipos de pensamentos. Eu achava tão errado.

— O que foi? — Jiyong perguntou e levou sua mão até meus cabelos.

— N-Nada. — Menti mais uma vez pra ele. Mas eu não podia contar. Uma coisa era eu ter ido a loucura e ter me masturbado pensando nele, outra coisa era eu ter que contar isso.

Eu não mentia para Ji, mas naquela situaçao era preciso.

E mentir me fez pensar sobre o beijo que dei em Jay Park e menti para Ji que tinha sido bom.

Eu realmente odiei a forma que Ji havia gritado comigo naquele dia, mas eu sei que falar que gostei de beijar seu inimigo o chateou também.

— Ji... sobre o Park... — Quando eu toquei no nome de Jay eu senti o corpo de Jiyong endurecer. — Eu menti.. eu não gostei do beijo.

— Não gostou?

Eu voltei a olhar para ele, e neguei com com cabeça.

—  Por que então você disse que gostou?

—  Porque se eu tivesse simplesmente falado que ele me ameaçou, e que eu não gostei do beijo, você iria atrás dele no colégio e tenho certeza que ambos sairiam machucados. 

— Se você sabe disso por que esta me contando a verdade? 

— Porque eu não gosto de mentir pra coce. — Choraminguei. — Mas me prometa que não vai fazer nada. 

— Não vou te garantir isso. — Ji fechou os olhos tranquilamente.

— Vai me garantir sim! — Ele não me respondeu. — Jiyong, me prometa que não vai fazer nada! — Ji não me respondeu, eu bufei balançando seu corpo, mas ele continuou com os olhos fechados, me ignorando. —  Kwon Jiyong!

Eu vi seus lábios tremerem para rir, mas ele se segurou. Resolvi jogar sujo.

— GD oppa... — Chamei da forma que as meninas que gostavam dele o chamavam. Manhoso. Ele não gostava muito quando elas vinham todas manhosas pra cima dele, com oppa pra lá e oppa pra cá. Mas quando eu brincava o chamando assim, ele sorria e gostava. Normalmente eu o chamava assim quando queria alguma coisa. —  Por favor, me prometa que não vai fazer nada. Você não quer ver a gente brigados de novo, não é? Vamos enterrar essa história, já passou.

Ji apenas assentiu com a cabeça e eu sorri por ter conseguido que ele não pensasse mais naquilo. Afinal, o unico beijo que eu gostei foi o dele. Mas eu não diria isso em voz alta.

Ele me puxou mais pra perto e ficamos com os nossos corpos colados. Inspirei o cheiro bom que ele tinha e me permiti a fechar os olhos também. Me sentindo tranquilo naquela noite. Porque tinha Jiyong novamente comigo.

✖✖✖✖✖

                                                                                                                ➖
                                                                                                                    NARRADOR
                                                                                                                             ➖

— Cadê o Seungri? — Daesung perguntou assim que enteou no quarto de Seungri, junto com Dara, e os dois se surpreenderam ao ver o amigo vestido com uma calça jeans preta totalmente apertada, uma blusa social com detalhes pretos e brancos, e com um suspensório que estava o deixando sexy. Diferente dos cabelos jogados em seu rosto como costumava usar, Seungri estava com os cabelos bem penteados. Normalmente não usava maquiagem, porém, dessa vez, usava uma base que deixou seu rosto mais bronzeado e bonito. Havia usado também lápis nos olhos e delineador. Nada que fosse tão extravagante. Seungri sempre foi um rapaz muito bonito, que não precisava fazer esforço pra exibir sua beleza, ele era bonito até mesmo sem maquiagem nenhuma, com os cabelos jogados de qualquer modo e os casacos enormes que usava. Mas, seus amigos o acharam extremamente bonito naquela noite. — Porque eu não acredito que é você...

Seungri se virou pra Dae e Dara que tambem estavam bastante arrumados.

— Não seja dramático, Daesung. Não acham que está exagerado demais? —  Seungri perguntou inseguro e voltou a se olhar no grande espelho que havia em seu quarto. Queria arrancar aquelas roupas de si e apenas se vestir com algo que o deixaria quentinho e confortável.

— Exagerado? Você ta sexy demais. — Dara comentou, surpresa. O que fez Seungri rir.

— Dara, nos da licença que eu acho que vou pegar o Seungri. — Dae comentou. — Na verdade fique, tenho certeza que você ta com vontade de pegar ele também.

Seungri revirou os olhos e riu pela a idiotice de Daesung.

Achava que acabou exagerando demais, uma vez que pensava que a festa da CL seria apenas alguns amigos próximos a ela, que estaria tocando uma musica tipica de festas e depois de uma hora cantariam parabéns pra ela. Bom, era isso que Seungri pensava. Não era o que realmente aconteceria.

...

Assim que chegaram a casa de CL, Seungri quase pediu pra mãe de Dara da meia volta com o carro e eles saírem dali. Só do lado de fora da casa havia vários carros estacionados, pessoas de seu colégio bebendo alguma coisa, e a musica dava-se para se ouvir perfeitamente. Uma musica que Seungri não conhecia. O garoto tinha os olhos arregalados e assustados, já Dae e Dara tinha um olhar animado, Daesung logo saiu do carro praticamente correndo para dentro do local. Seungri revirou o olhos, parecia que Dae estava indo de encontro a tudo que poderia por em pratica, já que tudo que sabia, ou achava sabe, era teórico.

Seungri se despediu da mãe da Dara e a agradeceu gentilmente por levarem eles atá a festa, desceu junto com a amiga do carro e respirou fundo, não sabendo o que aquela noite tinha pra lhe oferecer.

...

Assustado.

Era exatamente assim que Seungri estava. Definitivamente não tocava uma musica tradicional de festas, as bebidas não eram refrigerante ou sucos, e sim alcoólicas, e não havia se quer um bolo.

Seungri já havia visto esse tipo de festas nos filmes americanos que assistiu, mas não achava que seria igual pra uma festa de aniversario.

Ele ficou horrorizado com casais se beijando de uma forma esfomeada pelos cantos da casa, pessoas bebendo até tropeçarem em outras. Tinha pessoas fumando também e aquilo fazia Seungri ter uma crise de tosses sempre que passava por uma nuvem de fumaça.

Jiyong já deu festas iguais a essa, mas Seungri nem se quer prestava atenção quando rolava uma, ele apenas entrava na casa de Jiyong para pegar os aperitivos que tinham e voltava para o seu quarto. Então não notava muito o que estava acontecendo lá dentro, pois apenas ficava uns cinco minutos.

Mas estava sendo diferente naquela noite. Seus olhos notavam tudo que estava acontecendo e a parte pior foi quando Dara e Dae se afastaram de si e as pessoas do colégio começaram a dar em cima dele.

Havia garotas que eram acostumadas a olha-lo torto nas aulas, mas que quando o viu vestido de uma maneira sexy tentaram se aproximar e algumas comentaram "Seungri oppa esta tão bonito" o que deixava o garoto totalmente vermelho.

Mas o pior foi quando os garotos do colégio o notaram também. Chegando a chama-lo de gostoso e assustar mais ainda Seungri.

O que fez o garoto a estar agora sentado em um dos sofás da sala de CL, tentando assimilar tudo que estava acontecendo. Era muita gente, a musica muito alta, e ele nem se quer encontrou a dona da festa ainda. Nem Jiyong. Dae e Dara haviam sumido e todos que se aproximavam dele queriam algo.

O cumulo para Seungri foi quando um casal começou a se beijar do seu lado no sofá, e Seungri foi obrigado a assistir o garoto colocar as mãos por de baixo do vestido da menina e apertar a bunda dela, os dois gemeram nitidamente e Seungri achou que nunca tinha corado tanto em toda a sua vida.

Ele se levantou dali e esbarrou em algumas pessoas que dançavam, estava pronto pra sair dali quando uma mão o puxou.

— Cara, onde esta indo? — Dae ressurgiu em sua frente com a expressão feliz e animada.

— E-Eu acho que eu vou embora...

— O que? Ta louco? Não estamos aqui nem meia hora e isso aqui ta demais!

— Ta demais mesmo. Essas garotas que costumavam me odiar estão dando em cima de mim, os garotos que eu pensava que eram héteros estão me chamando de gostoso. Essa musica esta quase estourando os meus ouvidos. Tem gente fumando cigarro pra tudo quanto é lado, tem gente caindo de bêbadas. Pessoas quase fazendo coisinhas em publico. E eu mal to conseguindo respirar, Daesung! Então isso tudo ta demais mesmo.  Antes eu tivesse ficado em casa, com minhas roupas confortáveis, comendo minhas porcarias e assistindo filme.

Seungri disse tudo como se tivessem realmente o sufocando. E é como se tivessem. Ele se sentia estranho no meio daquilo tudo, sem saber o que fazer e querendo fugir.

— Ei, ei... calma, Seung. É porque você não esta acostumado, mas daqui a pouco vai estar feliz também. — Dae garantiu e Seungri continuou sem acreditar. — Você nem viu a CL ainda. Ela ficaria chateada se você fosse embora.

— E cade ela? Eu vou dar um abraço nela e vou embora. — Seungri disse chateado. Ele não queria ficar ali.

— Ela esta ali. — Dae apontou e Seungri seguiu seu dedo, se surpreendendo ao ver CL e Dara dançando e se divertindo juntas. Acabou sorrindo pela a cena, porque Sandara era um desastre dançando. — Se você for, a Dara vai querer ir também, então espere mais uns minutos. Deixa ela se divertir um pouco.

Seungri balançou a cabeça concordando, não queria estragar a felicidade da amiga.

— Vem cá. — Daesung o puxou pelo o pulso ate estarem em um balcão com bebidas. — Vamos nos divertir também. Tome isso daqui.

Dae estendeu um copo pra Seungri que não sabia o que era, mas a bebida parecia brilhar e era colorida, o que fez os olhinhos do garoto brilharem.

Seungri pegou o copo e virou a bebida toda na sua boca. Pra segundos depois sentir sua garganta queimar e ele fazer uma careta.

— O que era isso? Era álcool? — Seungri encarou Dae, ainda fazendo careta.

— Tu achou que era refrigerante?

— Aish! Isso arde.

Seungri reclamou, mas logo se viu pegando outro copo e virando a bebida toda novamente. Sentindo sua garganta arder mais daquela vez.

— Eu definitivamente não gosto disso. — Resmungou.

— E por que tu bebeu de novo? — Dae perguntou.

— Porque eu tava com sede e aqui parece que nem água tem. — Fez um biquinho.

Daesung voltou a rir porque Seungri era adoravelmente inocente e bobinho.

Os olhos de Seungri captaram Jiyong, mas ele se quer deu um sorriso, porque o garoto estava dançando animadamente com uma garota.

Daesung acompanhou o olhar de Seungri e viu que o amigo rapidamente desviou o olhar daquela cena, estranhamente ficando mais pra baixo que antes.

— Aish Seungri. Você tem que se divertir! — Daesung incentivou. — Já vi que não falou com o GD.

— Não falei o que? — Seungri perguntou curioso, mas não olhou pra Dae, voltou a olhar Jiyong que tinha na mão um copo de bebida e parecia um pouco alterado por causa desta, não no nível de estar bêbado.

— Sobre ele te ensinar o que você precisa saber. Não é a toa que você esta tão perdido hoje, caso ao contrario, já estaria mais solto e quem sabe estivesse se agarrando com ele em algum canto.

— Daesung! — Seungri gritou mais do que o necessário para se ser ouvido por conta da musica alta. — Eu já disse que Jiyong tem nada do que me ensinar. Aish. De onde você tira essas ideias?

— Como não tem? Você não pediu a ele pra te beijar? Por que ele não pode te ensinar outras coisas? Afinal, ele é seu melhor amigo e não te negaria isso. Ou você prefere ter experiencias com outra pessoa? Tenho certeza que não. Sei que tudo pra você tem que ser especial, então por que não o GD?

Seungri ja havia pensado nisso, mas algo dentro de si o avisava que não era tão simples assim. Não seria comum que seu melhor amigo lhe ensinasse outras coisas além de beijar, porque algo dentro de Seungri o avisava que seria muito mais do que especial com Jiyong. E por isso ele tinha medo de ir com aquilo adiante.

— Você mesmo me disse que esta cansado de ser o garoto de dezoito anos que é o único diferente de todos. Mas você também disse que não queria que suas experiencias fosse com qualquer pessoa.

Antes que Seungri pudesse responde,r outra pessoa se juntaram a eles dois.

— Olha quem apareceu. Meu Deus, Seungri. Voce ta sexy demais. — Era T.O.P que disse com uma voz divertida e passou seu braço em volta de Seungri, o deixando extremamente envergonhado. 

— O-Obrigado?

T.O.P riu, porque mesmo Seungri estando com uma aparência mais sexy, ele continuava fofo. Apertou a bochecha do garoto e em seguida olhou pra Daesung, que revirava os olhos.

— Daesung... o que falar sobre você? Gostoso como sempre. — Choi disse sem vergonha alguma, mas Dae já era acostumado com as provocações do garoto. Mesmo assim ficou vermelho e sentiu Choi lhe abraçar dessa vez.

— E você o mesmo idiota como sempre. — Dae retrucou, retirando o braço de Choi de seu ombro.

— Hey. — Outra voz se fez presente e dessa vez era de Jiyong.

— Oi, GD. — Dae disse sorrindo, diferente do olhar feio que deu a Choi. Jiyong sorriu pra ele acenando com a mão e T.O.P apenas sorriu, pois já tinha falado com o amigo. Dae viu quando Seungri e GD se encararam e uma tensão pairar sobre eles. Então mesmo não querendo se aproximar de Choi, o fez, pra deixar Seungri sozinho com o melhor amigo dele. — Por que a gente não dança?

— Cara, eu não sei o que tu bebeu, mas ainda bem que bebeu. — T.O.P disse não acreditando que o esquentadinho do Daesung o chamou para dançar.

Dae apenas revirou os olhos e puxou o que ele gostava de chamar de ''poste andante'' consigo.

— Você... ta lindo. — Jiyong disse assim que ficou sozinho com Seungri.

O garoto suspirou audivelmente e mordeu os lábios pra conter um sorriso, porque o único elogio que se importou naquela noite foi com o de Jiyong.

— Você também... — Respondeu encarando a forma que Ji estava vestido. Com uma calça preta apertada. Um coturno preto e uma regata que estava tão cortada nas laterais que dava pra ver suas costelas perfeitamente. Haviatambém um boné sobre seus cabelos. Seungri sempre o achava lindo demais.

— Não sabia que você viria. Você nunca vem nas festas que te convidam. — Jiyong disse surpreso.

— A Chaerin disse que ficaria chateada se eu não viesse..., e como é aniversario dela, não quis negar. Mas eu queria mesmo era fugir daqui.

Jiyong riu, sabendo que o amigo deveria estar assustado.

— Por que? 

— Muita gente... fazendo coisas estranhas.

Seungri disse inocentemente, Jiyong sorriu.

— Quer que eu te leve pra casa? — Jiyong ofereceu, se aproximando mais do corpo de Seungri e ajeitando os suspensórios que ele usava.

Seungri acabou sorrindo pelo o cuidado que Jiyong tinha consigo. Ele estava se divertindo com a garota, provavelmente iriam além de uma simples dança se Jiyong não tivesse o visto. Não queria estragar sua diversão só porque ele próprio não conseguia se divertir como um adolescente normal.

Seungri queria ser o tipo de amigo que T.O.P e Taeyang eram. Aqueles que comentavam sobre tudo com Ji, que chegavam em uma festa sem medo e que sabiam o que fazer nessas ocasiões. Que se alguém os chamassem de gostoso teria coragem o suficiente pra da-lhe um fora, ou se gostasse conseguir prosseguir com aquilo. E não ficar todo envergonhado e fugir.

Seungri pensou que não deveria ter medo de ter outras experiencias com Jiyong. Afinal, pelo menos Ji sempre tornaria tudo espacial. Mesmo que Seungri não soubesse quais mais experiencias ele precisava ter alem de beijos.

— Não... você provavelmente estava se divertindo, e quero me divertir também. — Seungri respondeu meio incerto, encarando os dedos de Jiyong ajeitando seus suspensórios.

— Ok. Como quer fazer isso? — Jiyong perguntou avoado.

— Quero que m-me ensine isso. — Soltou com toda a coragem que tinha.

— Hum? Como assim? — Jiyong perguntou sem entender e voltando a olhar pra Seungri.

— Me ensina a me divertir. A não ficar igual a um idiota em uma festa que qualquer pessoa normal gostaria de estar. Eu não quero ser mais um garotinho que todos apontam como um bobo.

— Seungri, você sabe que não tem nada de errado em ser o que você é. Sim? Você não tem que se sentir pressionado com que os idiotas dizem. 

— Eu sei. Não é pressão. É só que eu estou cansado.... cansado de não saber de coisas que eu deveria saber, de ter medo... mas eu já te disse que não quero fazer nada com alguém que eu não confio.

— Seungri-ah, o que você esta me pedindo exatamente? — Jiyong ainda segurava os suspensórios de Seungri, o tomando cada vez mais próximo de si. A ideia de ser o primeiro em tudo para o seu melhor amigo era intrigante, de uma forma boa.

— Eu não sei muito bem... eu só sei que preciso ter experiencias que você tem, mesmo não sabendo o que são elas... mas eu quero que seja com v-você.

Jiyong assentiu. Seu corpo todo estava quente. Ele via o rostinho inocente de Seungri e tudo que conseguia pensar é ser o primeiro em tudo com ele. Assim como foi com seu primeiro beijo.

Botou a culpa na bebida por estar tão próximo de Seungri e quase beija-lo ali mesmo, na frente de todos do seu colégio. Mas agradeceu mentalmente a CL que apareceu antes que ele fizesse qualquer loucura. Os convidando para jogar.

...

Seungri se encontrava nervoso mais uma vez naquela festa.

CL tinha os chamado pra jogar algo que seria uma adaptação de Verdade ou Desafio. Mas só com Desafios. E quando a garrafa girava apontando para duas pessoas, quem escolhia o desafio era CL e não uma das pessoas que a garrafa apontou.

E agora Seungri estava ali sentado na varanda da casa de Chaerin, com algumas pessoas da festa e presenciando CL mandar as pessoas entrarem na piscina de roupa, beberem o máximo de bebida que conseguirem, e desafiou também pessoas a lamberem bebidas do corpo de quem ela escolhesse. Mas também houve beijos. Muitos beijos. E um deles foi de Hanbin e Bobby, que protestaram muito, dizendo que não queriam porque se odiavam, mas CL disse que uma vez estando na roda tinha que fazer. Então eles se beijaram e acabaram surpreendendo a todos, porque o beijo não parecia ser algo que não queriam. Eles na verdade se beijaram como se quisessem aquilo a tempos. Foi engraçado quando os dois terminaram e sentaram dizendo que odiaram aquele momento. Quem beijou também foi T.O.P e Dae. Aquilo deixou o maior totalmente mais animado. Choi, debochado do jeito que era, adorou ter a oportunidade de beijar o esquentadinho, como gostava de chamar. Foi pra cima do garoto com toda a vontade que tinha, e a marra que Dae tinha se desfez nos braços de Choi, deixando ser dominado pelo o beijo.

Seungri vendo tudo que CL desafiava, ficou com medo que sua vez chegasse.

Rodaram a garrafa mais uma vez e Seungri sentiu seu coração parar quando a garrafa  apontou pra si e para a pessoa que estava sentado a sua frente. Jiyong.

Seungri estava com medo de CL mandar eles fazerem algo louco, ou então se beijarem na frente daquelas pessoas, por isso, Seungri lançou um olhar suplicante para a menina que dizia "por favor, pega leve"

Chaerin apenas sorriu, gostando que a garrafa tenha apontado para os dois garotos.

— Me sigam. — Foi tudo que a menina disse, se levantando e esperando Seungri e Jiyong levantarem, que mesmo sem entenderem o desafio a seguiu.

Os três subiram a escada que dava para o corredor dos quartos. Seungri não entendeu quando a menina abriu um deles e pediu pros dois entrarem.

— O desafio de vocês é ficarem trancados aqui durante dez minutos.

CL disse om um sorriso divertido nos lábios, e antes que os garotos falassem alguma coisa, ela saiu do quarto e o trancou pelo o lado de fora.

Eles encararam a porta sem entender o que a menina pretendia com aquilo.

— Pelo menos ela não mandou a gente fazer algo constrangedor na frente de todos. — Seungri disse, tirando os olhos da porta daquele quarto e olhando Jiyong que havia se sentado na beirada da cama e ficou com os cotovelos apoiados no colchão.

— Tipo o que?

— Tipo mandar a gente correr pelado. — Os dois garotos fizeram uma careta e riram. — Ou mandar a gente se beijar.

Achou que tinha pensado a ultima frase, mas se deu conta que falou em voz alta.

— E qual seria o problema nisso? — Jiyong perguntou, o encarando intensamente.

— N-Nenhum... mas não seria legal na frente daquele pessoal.

— Então você me beijaria sem ser na frente deles? — Jiyong o encurralou com a pergunta e Seungri não conseguiu responder. — Porque o objetivo da CL nos trancar aqui foi exatamente esse...

— E-Eu.... Jiyong—

Jiyong percebeu a tensão de Seungri e apenas o interrompeu.

— Vem cá. — chamou. O puxando pelo o suspensório e fazendo-o ficar em sua frente. Seungri prendeu sua respiração e mal teve tempo de raciocinar quando Jiyong o fez sentar-se em suas coxas, com cada perna ao redor do corpo dele. — Você disse que queria que eu te ensinasse tudo que você precisa saber... que fizesse você se diverti, mas você esta tao tenso...

— Jiyongie... isso é só tao estranho, eu me sinto tão estranho em falar de beijo e essas coisas. — Seungri já ia esconder seu rosto no pescoço do amigo, mas estes segurou em cada lado dele, o fazendo permanecer com o olhar.

— Eu sei, Seung. Mas você quer que eu te ajude, não? E você sabe que eu não faria nada que você não queira, certo? — Seungri assentiu para as duas coisas. — Então tente não ficar tao tenso comigo, se você sabe que eu sempre vou fazer tudo o que você quiser e tornar isso especial pra você.

Seungri não evitou sorrir. Jiyong era tão doce consigo. Ele tinha vontade de lhe encher de beijinhos. Mas apenas se inclinou e deu um beijo demorado no rosto dele. Sabendo que sua boca queria estar na dele.

— Eu vou te ensinar uma coisa hoje. É uma regra na verdade, que se você seguir você consegue ficar menos tenso pra tudo. — Jiyong passou seus dedos em uma das bochechas de Seungri, e fez um carinho delicado ali.— Baby, basicamente, se você quer fazer alguma coisa mas está inseguro disso, tente ficar calmo e se divertir com a situação.

— Me animar, me divertir e fazer? — Seungri perguntou na duvida e Jiyong assentiu. — E se eu ficar todo seguro e no final minha segurança for embora e talvez eu me arrepender?

— Se caso você tiver com a-alguém...— Jiyong acabou gaguejando, não entendo porque o pensamento de Seungri estar com outra pessoa fizesse ele se sentir estranho. Mas preferiu não pensar sobre aquilo no momento. — E você decidir seguir o que quer mas depois se arrepender, ou não gostar, ou então sei la, não querer falar sobre, sua insegurança atacar e você ficar sem saber como reagir, então você simplesmente foge.

Jiyong disse divertido e Seungri acabou rindo alto, fazendo o outro garoto sorrir pela a gargalhada gostosa que ele tinha.

— Isso sempre funciona com você? — Seungri perguntou sorrindo e Jiyong assentiu da mesma forma. — Então resumidamente?

Você tem que se divertir. Mas querido, quando terminar, seja o primeiro a cair fora.

Seungri assentiu, encarando os lábios vermelhos e convidativos do Jiyong, apertando com seus dedinhos a regata que ele usava.

— Você não está mais tenso, esta se divertindo agora? — Seungri sorriu, respondendo um "sim". — Então responda a pergunta que te fiz antes.

— Que pergunta?

— Se você quer me beijar agora, já que não tem ninguém olhando.

Seungri sentiu sua respiração falhar e ele achou que pelo menos naquela noite não tinha que ficar tão nervoso. Era Jiyong ali. Seu Jiyong. E poxa, ele estava morrendo de vontade de beija-lo.

Então não fez questão de responder. Apenas puxou mais o amigo pela a regata dele e aproximou os rostos, selando seus lábios de uma maneira doce.

Ambos suspiraram porque eles queriam aquilo tanto.

Seungri se sentiu nas nuvens só por ter feito aquele simples movimento. Mas Jiyong tinha um poder incrível sobre si.

Jiyong deixou Seungri estar no controle, porque novamente se concentrou em não assusta-lo com a verdadeira vontade que tinha de beija-lo.

Tudo tinha a sua hora. E por vez deixou Seungri primeiro descobrir o que queria experimentar.

O garoto foi abrindo seus lábios devagar, os escorregando sobre os de Jiyong, e suspirou novamente por estar fazendo aquilo.

Não demorou pra que eles começassem um beijo lento e pedirem passagem com suas línguas, as massageando uma na outra lentamente.

Seungri não parava de suspirar no colo de Jiyong, e aquilo fez o mesmo intensificar mais o beijo. Suas mãos voaram pra cintura de Seungri e o beijo lento continuou, porém mais intenso. Intenso da forma que Jiyong o beijou pela a segunda vez em seu quarto.

Seungri o puxava pela a regata, querendo que seus corpos ficassem mais colados do que já estavam. E vendo isso, Jiyong puxou o corpo de Seungri contra o seu, agora Seungri não estava mais sentado em suas coxas, e sim em seu quadril.

Seungri queria nunca mais parar de beijar Jiyong, ele beijava tão bem,era tão intenso, tão bom, tão...gostoso.

Seungri sabia que Jiyong se controlava o suficiente pra não intensificar mais, pois não queria assustar Seungri.

Mas Seungri queria mais.

Tentava demonstrar isso puxando Jiyong mais pela a regata e se remexendo em seu colo, não de uma maneira provocadora, era tao inocente que Jiyong teve que parar o beijo, porque  a inocência de Seungri com aquilo que fazia em seu colo era demais pra Jiyong.

Segurou mais firme na cintura de Seungri fazendo-o parar de remexer, antes que estivesse com um grande problema.

— Seungri—

— Jiyongie, m-me beija mais... — Seungri pediu, querendo mais daquilo e Jiyong não conseguiu resistir, não quando seu melhor amigo praticamente implorava por mais.

Jiyong voltou a beija-lo, mas se levantou da cama. Seungri sentiu suas costas encostar em alguma parede do quarto e seus pés tocarem novamente o chão. O maior lhe beijava de uma forma mais intensa, mais rápida, aquilo fez a mente de Seungri ser invadida novamente com os pensamentos daquele vídeo dos dois garotos que viu no dia anterior, pois Jiyong o beijava como eles estavam se beijando. Seungri não evitou lembrar de como foi bom se tocar imaginando ser as mãos de Jiyong, mãos essas que agora o apertavam de uma maneira gostosa, tão abaixo da sua cintura que estava quase na sua bunda.

— J-Jiyong.... — Gemeu entre o beijo e aquilo foi como o gatilho para Jiyong.

— Não faz isso, Seungri... — Jiyong sussurrou e puxou o lábio de Seungri lentamente entre os dentes, vendo seu melhor amigo todo ofegante.

— M-Mas isso é tão bom... você beija tão b-bem, me deixa querendo mais. E eu sei que você tem mais a me oferecer.... — Seungri sussurrou, seus lábios raspando com os de Jiyong no processo.

E naquele momento Seungri estava tao manhoso, tão ofegante por causa de um simples beijo, Jiyong não conseguiu evitar de pensar em como Seungri se comportaria em outras ocasiões.

Voltou a chocar seus lábios com os dele mas dessa vez não se censurava. Praticamente o tacou na parede de volta, e o atacou com sua boca, fazendo Seungri gemer só com ela em seus lábios.

Seungri estava praticamente imóvel aos beijos de Jiyong,  tentava acompanhar, mas não conseguia. Ele não sabia que poderia se sentir quente com um beijo daqueles e era um beijo tão sexy, tão pornográfico...

A forma como seus lábios se estalavam e se esfregavam um contra outro tão fácil, a forma como a linguá de Jiyong era empurrada contra sua boca e como ele chupava sua linguá.... tudo tão gostoso... tão intenso... diferente.

Seungri não conseguia evitar de ofegar, gemer, e querer mais e mais. Estava quase pulando no colo de Jiyong e implorando pra que ele continuasse.

Se surpreendeu quando Jiyong desgrudou os lábios dos seus e sentiu os lábios deles grudarem em seu pescoço. Os lábios de Jiyong era tão macios ali, tão bom.

Queria que ele continuasse com aquilo pra sempre. Sentiu sua calça ficar mais apertada conforme Jiyong passava a língua pelo o seu pescoço e o mordiscava.

Jiyong não aguentou ver Seungri todo entregue daquela forma, todo manhoso e gemendo baixinho, então suas mãos voaram para a bunda do menor que ficou surpreso, mas gemeu de um jeito mais gostoso e mais alto quando Jiyong apertou o local com vontade.

Seungri era tão gostoso. Tão fodidamente gostoso.

Jiyong não retirou suas mãos do local e fez questão de continuar apertando só pra escutar os gemidos mais altinhos e manhosos que o garoto dava, com as bochechas vermelhas, aquele olhar inocente que pedia por mais.

Seungri mordeu o ombro de Jiyong e gemeu abafado contra o mesmo quando o quadril dele se chocou com o seu, fazendo seus membros duros se esfregarem de uma maneira gostosa e lenta. 

Mas foi quando Seungri sentiu aquilo de novo que ele se tocou do que estava acontecendo.

No dia anterior quando se masturbou pensando em Jiyong o quis la porque sabia que com ele tudo seria melhor. E era verdade. Mas agora se via em panico por estar duro com seu melhor amigo e gemendo pra ele como se implorasse para que seus pensamentos sobre o dia anterior se tornassem realidade.

Seungri se afastou totalmente envergonhado do que eles estavam fazendo. Droga, era seu melhor amigo.

Quando Jiyong viu o olhar assutado de Seungri ele se arrependeu na hora.

Sabia que acabaria não se controlando com o amigo e que o assustaria.

— Seungri! — Jiyong chamou assim que Seungri correu até a porta e agradeceu por ela já esta destrancada.

Não queria ter assutado ele. Sabia que Seungri era inocente ao ponto de assustar com algo que para Jiyong era tão pouco.

Se sentiu péssimo e correu atrás do melhor amigo pra abraçar ele e dizer que nunca passaria daquilo, que nunca o faria fazer algo que ele não quisesse. E que pararia com aquele beijo quente assim que ele pedisse. Jamais pensaria ir alem daquilo, jamais desrespeitaria Seungri. E agora só queria acha-lo pra dizer que era normal tudo que ele sentiu e fez, que não havia nada de errado e que nunca faria algo que o magoasse. Naquele momento queria pegar Seungri no colo e encher sua bochechas de beijinhos, pedir desculpas e abraça-lo, falando coisas que o faria dar aquelas risadas bonitas que o menor tinha. 

Naquele dia G-Dragon ensinou sua primeira regra a Seungri. O garoto se divertiu, mas também foi o primeiro a ir embora. 


Notas Finais


OI MEUS CHUCUZINHOS

Me desculpem por não ter atualizado segunda. mas naquele dia eu estava passando mal. Eu ia atualizar ontem mas meu notebook ficou de graça e minha internet não estava pegando nele. Então tive que escrever pelo o celular, mas ontem eu acabei caindo no sono antes de att e.e E eu to atualizando hoje a essa hora porque fiquei o dia todo na rua. Então mil perdões. SE TIVER MAIS ERROS QUE O COMUM É PORQUE EU ATUALIZEI PELO O CELULAR, perdoe-me.

MAS EM COMPENSAÇÃO O CAP TEM MAIS DE 7 MIL PALAVRAS e.e

Seungri e Ji finalmente voltaram a se falar eeeeee <333

Pandinha tava gostozinho vestido daquele jeito, hem. Nem T.O.P resisti u.u kkkkk Ah, teve beijo Double B e ToDae eeee \o

Em falar em beijo, Jiyong finalmente beijou o Seungri da forma que queria, hem... tanto que eles ficaram excitados. Eita! Seungri é todo manhoso só com beijinhos, imaginem com outras coisas? kkkkkkkkkkk

Mas ele acabou correndo. Tadinho, não briguem com ele. Ele é um ser todo fofo e inocente. Uma coisa é ele se masturbar pensando no melhor amigo, outra coisa é ficar de pipiu duro junto com ele, poxa. Ele se assustou kkkkkkkk
E, ah. O Jiyong está tendo pensamentos culpados mas não briguem com ele também, não é culpa dele. As coisas esquentaram, mas o Seungri ficou assustado.

PERCEBERAM QUE A NARRAÇÃO MUDOU NO MEIO DO CAP? Pois é. Eu só vou usar terceira pessoa pra quando tiver coisas que os dois vão estar sentindo no mesmo momento. Por exemplo, esse mini hot. Então terceira pessoa só vai entrar pra coisas do tipo. E não, eu não citei os sentimentos do Jiyong, porque vocês só vão saber o que o Ji pensa quando ele próprio estiver narrando u.u Então aguente mais um pouco.


JIYONG JOGOU A PRIMEIRA REGRA. Lembram que são quatro como diz na sinopse? Então, finalmente apareceu a primeira. Agora que a fic começa a andar jshjshajshhas

( Já avisando que acho que vou viajar final de semana, então se eu viajar só vou att na terça, mas caso eu não viaje é na segunda mesmo que atualizo. )

Até a próxima. XOXO s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...