História 50 shades of blue - Capítulo 74


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, As Provações de Apolo (The Trials of Apollo), Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Jason Grace, Nico di Angelo, Percy Jackson, Piper Mclean, Reyna Avila Ramírez-Arellano, Thalia Grace, Will Solace
Tags 50 Tons, Hdo, Hentai, Heróis Do Olimpo, Percy Jackson, Pjo, Romance, Solangelo, Wico, Yaoi
Exibições 188
Palavras 5.513
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo-Ai, Universo Alternativo, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Ola amores!
e mais ma vez finalizo essa fic shauhsuahusa
(é a terceira vez que faço isso e sempre volto) kkkk
mas serio, desta vez é the end mesmo ;x

Bom, quero agradecer a todos que favoritaram, que leram e principalmente os que comentaram me incentivando a continuar, saibam que vocês são meu maior incentivo e eu estou enfim orgulhosa de mim por causa disso.
Obrigada.

Espero que gostem do desenrolar deste draminha e tenham uma boa Leitura ;*

PS: ficou grande o cap porque não sei escrever pouco ;/ sorry.

PS CAPA: EU ESTOU SURTANDO MUITO COM ISSO!!!
Hoje me deparo com essa carta LINDA que a @MaySol7 me mandou !! nossa fikei FRENÉTICA!!! amei demais e tinha que compartilhar com vocês minha felicidade!
Pra quem não entendeu aquilo ali são películas de unha solangelo, SIM SOLANGELO!!! tem como ser mais fofa? <3 *0*

GATA OBRIGADAAAA <33 nem sei como agradecer, só sei sentir e surtar shuahusahusa *----*
e sua letra não é feia u.u

Capítulo 74 - Capitulo especial (Future and consequences) 3-3


Fanfic / Fanfiction 50 shades of blue - Capítulo 74 - Capitulo especial (Future and consequences) 3-3

 

Corri até cansar e depois diminui o ritmo pelas ruas iluminadas da noite de verão em Nova York.

Meus pensamentos pareciam flutuar em minha mente com cenas e fatos que eu estava juntando como peças de quebra cabeça que antes estavam soltas e agora se encaixavam.

Por sorte eu ainda estava com minha carteira no bolso então entrei em um Starbucks de esquina e pedi um café me sentando afastado. Estava quase vazio apesar de ser fim de semana.

Peguei meu celular e comecei a pesquisar na internet sobre Tyler Stark.

Não sabia ao certo o porque estava fazendo aquilo, talvez fosse apenas meu lado masoquista ou o lado que queria achar falhas, achar algo que mostrasse que aquilo era mentira. Talvez não fosse realmente aquilo que aconteceu, quero dizer, como alguém que estava apaixonado pelo Nico conseguiu engravidar minha mãe? Como Nico o matou naquele casamento?

Sentido, sentido... por favor não faça sentido. – eu pedia em vão já que tudo se encaixava.

Todas as matérias sobre aquilo, tudo que tinha contavam a mesma historia, uma só versão, uma só verdade.

Nico matou meu pai.

Ele nunca foi seu pai Michael. – tentei me lembrar, mas eu sentia uma dor inexplicável e irracional no peito.

Me perguntei se era por Tyler ou pelo Nico. Não parecia, nem podia ser por mim. Porque eu me sentiria mal por isso? O cara era um imbecil e isso estava na cara. Se Nico não tivesse o impedido ele teria matado o Will ou até o próprio Nico, ou quem sabe minha mãe.

Aceite Michael, ele era louco. – me forcei a pensar. – Mas quem sabe o que teria sido? E se ele soubesse de mim, teria desistido? Teria ficado com minha mãe e me aceitado? Se ele tivesse matado o Will ou  Nico quem teria cuidado de mim? Quem teria me criado? Quem eles seriam hoje em dia? - estava tão confuso e dividido que senti uma enorme vontade de esmurrar algo.

De repente meu celular tocou em minha mão, dei um leve salto de susto com o toque alto e atendi rapidamente vendo alguns olhares em mim.

Nem tive tempo de dizer “Alo”.

- Michael sua mula imbecil aonde é que você está!? – reconheci a voz de Dave sem o menor esforço.

- não te interessa onde estou David. O que foi? – minha voz saiu mais severa do que eu gostaria.

Dave abaixou o tom no mesmo instante.

- você está bem?

- sim.

- Mike...

Suspirei.

- não. – cedi.

Ouvi ele respirar fundo.

- onde você está? – perguntou ansioso.

Não quero ver ninguém...

- lugar nenhum. – respondi rebelde e ele bufou irritado.

- está todo mundo te procurando Mike. O que houve?

- Nada. Estou indo pra casa daqui a pouco. – menti.

- você por acaso acha que consegue me enganar? Fala onde está que vou ai conversar com você. – insistiu.

- quem disse que quero te enganar ou conversar com você David?

Ele riu sem humor.

- eu disse. Estou esperando a mensagem com o local.

- não. – falei teimoso.

Ele grunhiu.

- não vou te forçar a voltar pra casa idiota. Até parece que não me conhece. Agora se você não mandar eu te caço até o inferno e você sabe que é pior. – e depois dessa ameaça ele desligou na minha cara.

Respiro fundo pra conter a onda maior de nervosismo que me percorre, mas logo ela vai embora quando me lembro de tudo.

Porque eu estava tão chateado?

Mandei a mensagem pro Dave e fiquei ali pelo que pareceu poucos minutos, mas logo Dave estava se sentando a minha frente com uma expressão extrema de preocupação.

- Mike...? – ele me chamou e eu o encarei ainda distante. – o que foi que aconteceu?

Abri a boca para responder, mas olhei ao redor e percebi que o lugar começava a lotar.

- vamos pra outro lugar. – falei já me levantando.

Dave apenas assentiu e me seguiu.

Andamos em silencio até uma praça que estava razoavelmente vazia, tinha apenas alguns casais pelos cantos. Fui até o banco mais isolado do lugar e me sentei nele com Dave ao meu lado, ele parecia não saber o que dizer e eu não o culpava por isso.

- eu conversei com eles. – falei por fim. Dave levantou uma sobrancelha e logo comecei a contar tudo a ele.

Quando terminei ele ficou encarando o nada por um momento e depois me olhou triste.

- porque você está tão bravo Mike? Eu sei que deve ser horrível, mas o coitado do Nico não tem culpa, na verdade nenhum deles tem. Eles criaram você, te amaram como se fosse do mesmo sangue e você é filho da pessoa que quase acabou com a vida deles. Dos três. – ele disse suavemente, mas senti como se ele tivesse me espancado.

Abaixei os olhos culpado.

- eu não sei. Eu já esperava que ele fosse um grande filho da puta, mas não um louco psicótico. Eu não quero culpar o Nico, não quero culpar ninguém. Eu só... – respirei fundo contendo as lagrimas de frustração. – não sei lidar com isso. – conclui em um suspiro.

Dave torceu o lábio e colocou uma mão em meu ombro me puxando para perto, aceitei o gesto de bom grado e encostei minha cabeça em seu ombro.

- acho que você só precisa de tempo. Porque não dorme na minha casa hoje? – ele disse depois de um momento de silencio.

Me afastei e o olhei receoso.

- mas seus pais...?

- tudo bem, eles só vão avisar que você está comigo e bem. – ele garantiu e eu abri a boca pra protestar mas ele me calou com o dedo indicador levantado. – sem desculpas. Vamos.

Sem ter como discutir com meu-melhor-amigo-mandão eu fui com ele até sua casa. Em todo o caminho Dave procurava me distrair comentando coisas fúteis e engraçadas.

Olhando para ele daquela forma, naquele momento eu agradeci a todos os deuses ou quem sabe um Deus maior por ter Dave como meu melhor amigo. Tudo parecia mais suportável com ele ali.

Chegamos em seu apartamento e eu entrei receoso, tudo estava apagado o que indicava que ou não tinha ninguem em casa ou estavam dormindo e eu apostava na segunda opção.

Dave me emprestou um roupa para dormir e arrumou a cama de baixo da sua pra mim.

Enquanto ele tomava banho eu me deitei e me peguei fitando a foto de Tyler Stark no meu celular. Na foto divulgada pela matéria que eu estava lendo anteriormente, ele estava sorrindo de leve, parecia ter sido tirada em uma festa ou algo assim.

Observei o rosto dele, parecia ter cerca de 17 a 20 anos na foto, seus olhos escuros tinham um ar de rebeldia o que deixava claro que ele era jovem e imprudente.

Procurei o que talvez eu tivesse de semelhança com ele, e encontrei além do cabelo mais liso e castanho claro também o nariz e o queixo. Dave sempre me dizia que eu tinha cara de vândalo por isso sempre eramos barrados, acho que agora sei de onde isso vem.

- agora sei pra quem você puxou com essa cara de encrenqueiro. – Dave disse jogado na cama de cima, mas inclinado para mim para ver a foto.

Mal reparei que ele estava ali, afinal estava lendo mentes?

Respirei fundo.

- você aca que ele se parece comigo? Ou melhor, que eu pareço com ele? – perguntei sem olha-lo anda fitando a foto.

Dave demorou um pouco para responder.

- acho que você é a mistura exata dele e sua mãe. Seu cabelo é mais claro por causa dela, mas é como o dele e a mesma coisa pros olhos, mas você tem as feições da sua mãe tirando o queixo impinado e o nariz. Acho que em termo de personalidade talvez, mas aparência nem tanto. – respondeu comparando.

- não consigo saber se isso é bom ou ruim.

Ele bufou e se virou na cama fitando o teto.

- sei que isso é cruel de se dizer Mike, mas sua aparência ou semelhança com ele não muda nada. Nada disso muda. – ele disse distante, parecia com medo de me magoar. Depois respirou fundo e me encarou me fazendo retribuir o olhar. Só podia ver parte de seus cachos caindo no rosto e os olhos escuros me fitando na meia luz do celular. – o que te incomoda?

Abaixei o celular nos deixando no escuro, fitei o teto sem realmente vê-lo.

- acho que só estou frustrado por passar 16 anos sem saber quem ele era e o que fez.

- Mike você contaria se fosse eles? Principalmente Nico? Quero dizer, cara ele deve ter pensado nisso por anos...

- eu sei. Eu entendo. Mas isso não muda essa sensação...

- de que?

- de ser um fardo. – conclui falho e Dave bufou irritado.

- cale a boca Michael. Se for pra dizer essas asneiras não diga. – falou irritado e eu sabia que não era por mal. Fiquei quieto e o silencio predominou por um momento até ele falar de novo, agora mais calmo. – converse com eles amanhã, sei que vai ficar bem.

Não respondi. Ficamos em silencio por mais um momento.

 - Dave. – chamei e ele emitiu um “hum?” sonolento. – Obrigado.

Ouvi seu sorriso leve, mas soube que em poucos minutos ele já estava dormindo. Dave tinha o dom de dormir super rápido, algo que eu invejava.

 

- Vamos Mike acorde! – senti alguém me balançar e resmunguei. – daqui a pouco ele vão vir aqui buscar você.

Abri os olhos rápido demais e a claridade machucou.

- o que? – perguntei avistando Dave de pé a lado da cama.

- é isso mesmo, então melhor você ir la do que virem aqui não acha?

Suspirei me levantando.

- como você sabe disso?

Ele revirou os olhos enquanto me dava uma toalha.

- Ouvi meu pai conversando com o seu pelo telefone. Parece que o Will não está se aguentando. Ele é meio super-protetor não é?

Sorri de leve por imaginar aquilo, era tão a cara dele.

- você nem imagina. – respondi indo ao banheiro.

Tomei um banho rápido e me vesti com minha roupa da noite anterior. Assim que voltei para o quarto Dave já tinha arrumado tudo, mas não estava ali.

Sai do quarto passando pela sala que estava Calipso e me deu um sorriso simpático, mas logo fui para a cozinha onde ouvi a voz de Dave e seu pai. Assim que entrei encontrando os dois na mesa tomando café eles pararam e me olharam.

- Bom dia Mike. – Leo disse com seu bom humor de sempre.

Será que ele nunca ficava triste?

- bom dia. Desculpe chegar sem avisar. – falei sem jeito me sentando ao lado de Dave na pequena mesa da cozinha apertada (apertada para mim que estava acostumado com aquele apartamento gigante).

Leo balançou a mão com desdém.

- você pode vir quando quiser, não se preocupe. – falou casualmente.

Fitei a mesa com varias coisas, mas não senti fome. Dave e encarou.

- coma alguma coisa Di Angelo. Vai desmontar daqui a pouco. – ele disse mandão e eu ri sem evitar.

- não estou com fome e o que está acontecendo com você David? Pare de mandar o tempo todo. – falei como um resmungo que saiu um pouco divertido.

Ele revirou os olhos.

- não sei porque está reclamando nunca me ouve mesmo.

- isso é verdade. – concordei rindo.

O telefone de Leo tocou e ele encarou com uma careta sem atender.

- Olha só Mike, você sabe que nós gostamos muito de você, mas por todos os deuses vá conversar com eles ou eu vou enlouquecer. – ele disse sem me olhar, fitava o celular que vibrava na mesa com o nome de “Will” chamando.

Senti uma ponta de dor no estomago.

- eu vou. Desculpa incomodar. Will tem alguns problemas, ele simplesmente odeia não conseguir controlar as coisas. – falei tristemente.

Dave apertou o lábio para mim.

- se quiser eu vou com você...

- Dave, isso é coisa de família. – Leo interferiu o advertindo.

- tudo bem, eu quero que ele vá. – falei fitando meu melhor amigo que sorriu de leve. – além disso só o Dave consegue fazer Alice ficar quieta. Aquela menina deve ter algum transtorno de hiperatividade.

Dave riu e Leo deu nos ombros.

- bom, se é assim... – disse Leo voltando a comer.

Olhei para o Pai de Dave, cabelos castanhos sem nem um fio branco o que era uma coisa rara nos dias atuais, Leo era um pouco mais velho que meus pais então deveria ter quase 40 anos agora, mesmo assim ele parecia muito novo. Isso me fez pensar...

- você conheceu ele? – perguntei sem conseguir me controlar. Leo parou no meio de uma mordida em sua torrada e me olhou confuso. – Tyler.

Com isso ele suspirou abaixando a torrada e os olhos pensativos.

- não exatamente. Eu me lembro dele, lembro do que aconteceu, mas eu não o conheci. – ele me encarou desta vez com certa pena. – Acho que só Hazel o conheceu além de Nico e Annabeth. – assenti em um suspiro, decepcionado por não ter mais informações. – sinto muito Mike.

- tudo bem. – falei disfarçando.

Dave se levantou nos fazendo olha-lo.

- bom, já que não vai comer então vamos indo. – disse para mim que assenti.

Me despedi dos pais de Dave e fomos para minha casa.

 

Assim que girei a maçaneta e abri a porta já tive vontade voltar.

- Dave!!! – a voz fina e infantil invadiu o lugar nos anunciando.

Xinguei Alice mentalmente enquanto ela corria para os braços de Dave me empurrando no caminho.

- Ei baixinha! Credo, pare de crescer. – Dave disse para ela agora em seu colo.

- ôh pestinha cade a educação? Quer dizer que quando o Dave ta aqui você esquece de mim? – falei fingindo ofensa e ela me olhou feio.

- eu não sou pestinha Mike! Dave é legal e você não. – ela respondeu enquanto eu fechava a porta.

Dave riu presunçoso e eu revirei os olhos teatral.

- quero ver quando você crescer e ele roubar seus namorados se você ainda vai achar ele legal. – resmunguei e ela fez uma careta confusa.

- cale a boca Mike! - Dave me de um soco leve no ombro enquanto chegávamos a sala e eu congelei.

Meus pais estavam ali, nos olhando com expectativa. Annabeth me olhava de forma preocupada e cansada, Will tinha um expressão mais severa, como se estivesse com raiva por eu ter o preocupado e segurava a mão de Nico que tinha os olhos fundos deixando claro que não havia dormido. Ele me olhou triste o que fez meu coração doer.

Coloquei as mãos no bolso do casaco tentando disfarçar a tensão.

- Oi Dave. – Minha mãe disse e Dave sorriu simpático para ela.

- Oi. – disse e logo e entreteu com Alice.

- Mike, você está bem? – ela perguntou para mim e eu a encarei por um momento e depois me virei para Dave ao meu lado.

Ele percebeu no mesmo momento e tivemos uma conversa silenciosa por um breve momento antes dele se virar com Alice no colo em direção ao meu quarto.

Sabia que ele estava preocupado, mas também sabia que precisava fazer aquilo sozinho.

Me voltei ao meus pais que me observavam apreensivos.

- não façam essa cara pra mim. – resmunguei trocando o peso do pé.

- estamos preocupados. – Will disse enfim com sua voz firme e nervosa o que me fez congelar de leve. Não consegui olha-lo.

- eu sei.

- poderia ter ligado. – ele acrescentou.

- eu sei...

- não Mike, você não sabe. – falou claramente nervoso.

O encarei incrédulo e apertei os dentes.

- Will. – Nico o advertiu baixo demais.

- e porque será? – falei exaltado. – não tem como saber se ninguém me conta.

- Michael! – minha mãe me repreendeu já que eu estava quase gritando.

- eu tive que perguntar! Vocês nunca iriam me contar.

Com isso Annabeth afundou um pouco no sofá quase que machucada. Nico ficou me encarando serio e Will ainda nervoso.

- preferíamos que nunca tivesse perguntado. – Will soltou em um resmungo triste e eu o olhei fervente.

Abri a boca para responder, mas fui surpreendido pela voz do meu pai que até agora estava quieto.

- Eu quero conversa com ele a sós. – Nico disse firme o que pareceu surpreender a todos.

- não. – a voz de Will surgiu quase que imediatamente mais cortante que antes. Aquilo me fazia querer encolher.

Nico o encarou serio, eles pareciam brigar com o olhar.

- minha versão é a que mais importa aqui Will. Foi eu que...

- Nico. – Will o cortou sustentando seu olhar.

- Por mim tudo bem. – Falei vendo todos os olhos se voltarem para mim. – por mais que minha opinião não vale muito aqui...

- Sua opinião é a que mais vale aqui Mike. – minha mãe disse e depois se levantou indo para o corredor, ela parou e olhou para meu pai loiro que continuava sentado encarando agora Nico. – Will?

Nico lhe deu um incentivo leve com a cabeça e Will soltou o ar irritado, mas agora parecia mais preocupado. Ele se levantou passando por mim sem me olhar e depois seguiu Annabeth para o corredor.

Respirei fundo depois que eles saíram e sentei no sofá com Nico que me olhava triste.

- não fique chateado com ele. Will acha que pode proteger todo mundo. – ele disse provavelmente percebendo meu olhar a meu outro pai.

Torci o lábio.

- eu só odeio quando ele fica assim, odeio quando fala assim... – estremeci ao lembrar de seu tom frio e cortante. – odeio decepcionar vocês. – admiti.

Nico me deu um sorriso leve, seus olhos marejaram e eu logo me arrependi de ter dito.

- decepcionar a gente? Mike... – ele pegou minha mão e senti a sua tremer gelada antes de apertar de leve a minha. – não estamos decepcionados com você. Estamos bravos com nós mesmos. Nós três sabemos que deveriamos ter contado...

- não estou culpando vocês. – falei o encarando, ele pareceu intrigado, mas não demonstrou tanto. – não estou. – afirmei. – principalmente você pai. – ele relaxou minimamente. – sinto muito, sei que fui infantil saindo daquele jeito é que eu... não sei como lidar com isso. – confessei.

Nico me olhava com carinho, parecia procurar formas melhores de me confortar e ao mesmo tempo contar a verdade. Seus olhos negros como ônix brilhavam pelas lagrimas contidas, isso só me fez perceber o quanto deveria ser difícil para ele.

- é claro que não sabe. – ele suspirou. – é normal que não saiba. Por muito tempo Mike eu me culpei, me torturei, me puni internamente pelo que aconteceu.

- foi por isso que aceitou cuidar de mim? – perguntei sem pensar.

Nico me olhou com dor e eu quis recuar, mas não consegui.

- não exatamente. Não vou mentir e dizer que isso não ajudou, mas foi só no começo. Eu já amava sua mãe como uma irmã e eu queria protege-la, compensa-la. Porem depois que ouvi seu coraçãozinho bater no primeiro ultrassom... – ele sorriu nostálgico. – eu vi que não queria proteger apenas ela e sim você também. Eu já te amava e não iria importar se você era filho dele, você não é ele, é inocente e puro... – ele parou balançando a cabeça de leve como se tivesse falado demais.

- então... eu não sou um fardo pra vocês? – perguntei falho e ele me olhou assustado.

- o que!? Não! Deuses Mike como pode pensar isso? – falou exaltado e eu apenas abaixei os olhos tristemente. Nico aperou mais minha mão. – você foi e ainda é a melhor coisa que nos aconteceu.

Com isso o encarei. Seus olhos brilhavam mais que antes agora, porem desta vez mais carinhoso do que triste. Senti meu coração amolecer ternamente com aquilo.

Sem evitar o abracei com vontade.

- Obrigado pai. – falei abafado em seu casado preto de veludo que cheirava a perfume amadeirado. Ele retribuiu o abraço com vontade. – sinto muito por tudo que você passou. Sinto que ele tenha sido tão filho da... – respirei controlando as lagrimas. -  sei que você estava com medo que eu te culpasse, mas eu jamais faria isso. Eu amo você e meu pai e estou feliz que tenham cuidado de mim, me criado como sou hoje.

Nico não disse nada por um instante, apenas me abraçou forte e mesmo sem som eu sabia que ele estava chorando ou se esforçando para não chorar.

Depois de um momento ele me soltou e limpou o rosto disfarçadamente.

- você é melhor do que poderíamos imaginar querer. – ele disse com um sorriso leve como geralmente fazia.

Aquele sorriso que fazia o Will ficar babando nele sem ele nem ao menos perceber, mas eu percebia. Era a mesma forma que eu olhava para Isa quando ela sorria.

- você se importa... – limpei a garganta já que minha voz saiu falha. – de me contar? Eu quero ouvir a versão de vocês na verdade.

Nico assentiu e se estendeu para tras.

 Will! – ele gritou e eu ri sabendo que meu outro pai estaria ali em segundos o que aconteceu. Nico se virou para mim quando meus outros dois pais entravam na sala. – contaremos o que você quiser Mike. É o mínimo que podemos fazer.

Com isso eu descobri a historia toda.

No começo foi difícil aceitar. Não, talvez “entender” seja a definição melhor. Mas conforme eles foram me contando, complementando a historia um do outro, eu pude perceber o quanto eu estava sendo injusto ao brigar com eles.

Minha mãe perdeu a família, perdeu tudo na verdade e ainda muito jovem. Ela tinha o direito de viver sua própria vida como queria, tinha o direito de ser feliz como foi, formada em Harvard e hoje uma das arquitetas mais famosas do mundo.

Meus pais que passaram por tanta coisa que eles não queriam me contar, mas eu sabia que tinha muito mais na historia deles. Mesmo assim, eles cuidaram de mim, me adotaram e me amaram sem nenhum receio do que eu poderia me tornar, sem desprezo e medo de que eu fosse igual ao meu pai biológico.

Eles sim eram melhores do que eu poderia imaginar.

Quando a historia acabou eu fiquei em silencio. Nico ainda ao meu lado, Will do outro porem no outro sofá ao lado de Annabeth. Eles me olhavam em expectativa.

- Mike? – Nico me chamou e eu percebi que estava avoado.

Minha cabeça girava e eu não sabia o que pensar, na verdade só o que eu pensava era em como aquilo era horrível.

- eu... não sei o que dizer. – falei em um suspiro encarando o rosto do meu pai moreno que parecia ser o mais abalado por tudo aquilo, mas ele tentava disfarçar. Ele sempre disfarçava.

Will pegou minha mão me fazendo olha-lo. Agora ele estava mais calmo, mais pacifico e eu percebi que sua raiva era só uma mascara para a preocupação. Ele sorriu de leve para mim tranquilizador.

- não precisa dizer nada Mike. Só queremos que entenda e que não se sinta mal por isso. O passado do... seu pai, nosso passado, não interfere em nada sua vida hoje. – ele disse com seus olhos azuis fixos em mim cheio de emoções contidas.

- eu entendo. É que... isso é horrível. – falei com uma careta no final.

- foi horrível Mike. – minha mãe disse. – mas foi necessário. Se nada disso tivesse acontecido nunca teríamos você e sei que eles como eu estão felizes por te ter em nossas vidas. – ela completou com um olhar brilhante como se as nuvens de chuva estivessem dando lugar ao sol.

Sorri sem evitar pra ela.

- Anne tem razão. É assim que as coisas são e não tem que mudar. Hoje estamos bem assim. – Nico disse acariciando meu cabelo e depois sorriu quando percebeu meu olhar fixo. – o que te incomoda?

Apertei o lábio por um momento.

- me incomoda que eu tenha vindo dele, que ele tenha feito tão mal as três pessoas que mais amo no mundo. – que o Dave não escute isso. Eles ficaram em silencio e eu suspirei encarando Nico novamente. – a culpa não foi sua, sabe disso, não sabe?

Ele torceu o lábio e murchou um pouco, seus olhos ficaram emotivos e então ele sorriu, um sorriso sincero, pequeno e dolorido.

- hoje eu sei disso. – respondeu por fim me fazendo apertar sua mão om carinho.

- licença. – Dave disse na entrada da sala, ele parecia desconfortável e seus olhos foram para minha mãe sem jeito. – Anne a Alice está te chamando. Na verdade exigindo sua presença.

Annabeth sorriu grata a ele.

- coisa de meninas Dave, não se sinta mal. – ela disse enquanto passava por ele que deu nos ombros e depois olhou pra mim.

- ela está dizendo que eu não posso fazer coisa de meninas?

Eu ri e ouvi meus pais fazerem o mesmo.

- tenho certeza que ela não disse isso Dave. – Will disse divertido.

- acho que ninguém duvidaria do que você é capaz. – completei e ele sorriu, mas ainda parecia sem jeito. Olhei para meus pais disfarçando a tensão. – almoço?

- Sally disse deixou tudo pronto, ela disse que estaria aqui... – Will olhou no seu relógio de pulso. – em 10 minutos.

- então devemos ir arrumando tudo, certo? – falei me levantando e pegando Dave pelo braço. – Vamos senhor posso-ser-uma-menina, vamos arrumar a mesa.

Dave não protestou apenas revirou os olhos enquanto eu o arrastava para a cozinha.

- Não quebrem nada! – Will disse alto e eu já o conhecia o bastante para saber que ele fazia de propósito.

Quando chegamos na cozinha eu o soltei e comecei a pegar os talheres. Dave ficou parado me olhando com a sobrancelha levantada enquanto eu tinha minha crise de hiperatividade por causa da adrenalina mental. Eu estava ainda digerindo aquilo.

- você está me deixando nervoso. – ele resmungou e pegou os talheres da minha mão. Respirei fundo e peguei os pratos no armário. – apesar de não parar quieto você parece melhor.

- eu me sinto melhor. – respondi casualmente.

Dave sorriu e foi para a mesa onde eu o segui. Enquanto arrumávamos percebi que Nico e Will conversavam baixo na sala.

- agora que seu drama esta resolvido tenho que te contar sobre o meu. – Dave disse a minha frente do outro lado da mesa me trazendo de volta a ele. – estava conversando com o Matt agora pouco e... – ele fez drama e eu continuei encarando. – contei que era gay e ele aceitou sair comigo.

Meu sorriso se abriu involuntário, a alegria do meu melhor amigo foi contagiante.

- é disso que estou falando David Valdez! Aitude!! – comemorei em um high five com ele que riu.

- olha só quem fala de atitude Di Angelo. Demorou meses pra chamar a Isabelle para sair. Falando nisso, como foi? – ele perguntou entretido.

- Mike deu uns beijinhos. – Will respondeu provocativo entrando no lugar indo em direção a cozinha.

Dave fez uma careta como se ouvir aquilo fosse um absurdo.

- quem da “beijinhos” hoje em dia? – ele resmungou pra mim baixo.

- Will precisa se atualizar no vocabulário juvenil. – Nico disse chegando com Alice no colo e a colocando em sua cadeira que era um pouco maior que as outras.

A campainha tocou uma vez e depois a porta abriu, já sabendo que era Sally ninguém se incomodou. Sentei ao lado de Dave que estava ao lado de Alice. Nico se sentou a minha frente.

Sally entrou nos cumprimentando e depois foi para a cozinha, ela ajudou Will a trazer a comida e minha mãe apareceu logo depois se sentando ao lado de Alice e Nico. Will ao lado do marido como sempre me jogava olhares carinhosos que ele pensava disfarçar.

Logo todos estavam conversando animadamente enquanto comíamos.

A hora de comer poderia ser sagrada, mas na minha família significava sentar a mesa e conversar além de comer.

- então Mike quando vamos conhecer a namorada? – Sally perguntou pra mim que revirei os olhos e encarei meu pai loiro que sorriu culpado.

- ela não é minha namorada. – falei tentando disfarçar a tensão, não gostava de falar daquilo, era constrangedor.

- ainda. – Dave acrescentou sorrindo debochado.

- Vamos fazer uma aposta Dave? Eu apresento a Isabelle a todos quando você resolver apresentar o Matt. – joguei nele que recuou um pouco.

- eu nem fiquei com ele. – ele protestou.

- ainda. – complementei da mesma forma que ele o vendo sorrir malicioso e levntar seu copo de suco para mim.

- touchê Di Angelo. – disse divertido. Ele deu um gole na bebida e depois suspirou. – tudo bem então. Feito.

Apertamos as mãos rapidamente.

- jovens. – minha mãe resmungou.

- apenas não demore Dave, eu quero conhecer os dois. – Will disse ansioso nos fazendo rir.

Dave o olhou curioso.

- sabe tio eu fico me perguntando como é que você era na nossa idade, quando conheceu o Nico... – Dave disse inocente e Nico riu abafado.

- “Dificil” é uma palavra que resume o Will muito bem quando nos conhecemos. – ele disse divertido e Will o encarou serio, escondendo o quanto queria sorrir.

Apesar de tudo eu amava o quanto meu pai tentava parecer durão.

- olha só quem está falando. Inventou a maior desculpinha pra voltar aqui. – Will rebateu e depois olhou para Dave. – por causa de um pen drive acredita?

- Pen drive? Isso faz tempo. – Dave murmurou pensativo e eu lhe dei uma cotovelada de leve, ele riu.

Meus pais não pareceram perceber, estavam discutindo seu começo de relacionamento.

- “oh Nico quero te ver.” – Nico imitou a voz de Will nos fazendo rir, até o próprio Will riu.

- você é um imbecil. – meu pai loiro disse divertido. – “não consigo ficar longe de você Solace.” – ele rebateu fazendo todos caírem na gargalhada.

Fiz uma careta.

- meu ouvido está começando a doer, daqui a pouco começa a sangrar e vou morrer de hemorragia por ouvir melodrama dos meus pais. – falei. – os filhos deveriam ser proibidos de ouvir tais coisas dos pais.

Dave me deu um tapa leve no braço.

- cara os seus pais nem falam nada demais. Você não tem ideia do que os meus contam. – ele fez uma cara de nojo. – eca! – estremeceu como se lembrasse.

- se tratando do Leo eu tenho que admitir que tenho dó de você Dave. – minha mãe disse divertida.

- deveria Anne. Não sei como sobrevivo. Ainda tenho que agentar esse aqui falando de garotas. Garotas! – ele se referiu a mim e fez uma careta forçada de nojo.

Rimos dele e eu lhe dei um empurrão leve.

- e eu tenho que te ouvir falar de garotos e nem por isso reclamo na sua cabeça. – me defendi.

- eu acho que garotos são bem mais interessantes. – Nico disse pensativo.

- concordo. – Will bateu sua taça na dele e eles sorriram cúmplice como sempre.

- vocês não contam! – falei indignado.

- eu conto e também concordo. – minha mãe disse dando comida para Alice. – e aposto que Alice também vai concordar daqui alguns anos.

- serio mãe? Até você? – indignei e Dave riu.

- você está em desvantagem aqui meu amigo. – disse provocativo.

- eu ainda não sei se não sou gay por escolha ou trauma. – falei revirando os olhos.

Nico fez uma careta e Dave sorriu diabólico pra mim.

- nenhum dos dois Michael. O fato de você não ser gay é uma dádiva dos céus, uma benção dos deuses com a raça humana. Você já é insuportavel sendo hétero, imagine se fosse gay? – ele dramatizou e depois estremeceu.

Fiquei o encarando.

- quanto amor reprimido David. Vem cá me da um beijo. – falei brincando e fiz biquinho pra ele fingindo que ia o beijar, ele virou o rosto fugindo.

- argh! Sai Mike! – ele gritou fugindo de mim e eu ri me afastando.

- ok! Isso sim que deveria ser proibido aos pais. – minha mãe disse me olhando com cara de nojo.

- você beija o Josh na minha frente! – protestei e ela fechou a cara corando um pouco.

- isso não vem ao caso. – ela disfarçou e nós rimos.

 

No fim das contas Will estava certo, não importava quem havia me gerado, não importava quem ele era ou o que fez, porque nada disso mudaria o fato de que eu amava minha família. Essa família, a que me criou, me deu amor e carinho, me fez ser quem sou.

Não mudaria que era eles que estavam comigo nas madrugadas em que eu acordava chorando por causa de pesadelos, nos tombos em que eu caia quando brincava com Dave e todas as fúteis desilusões de criança que tive, era eles que estavam ali para mim.

Eu amava o fato de ter dois pais e uma mãe, amava que eles se dessem bem e que eu tivesse uma irmãzinha, amava que eles ainda fossem tão ligados aos seus amigos e isso me deu a oportunidade de conviver cada vez mais com Dave e ser dele tão amigo dele quanto meus pais são dos seus.

Eu amava cada parte da minha vida com eles, melhor, por causa deles e eu não mudaria isso, não mudaria nada disso.


Notas Finais


Mike e Dave é a melhor dupla nem tem mais o que dizer neh?
hsauhusahusa

Mike sendo compreensivo <3 não conseguiria fazer diferente *-*
Dave pode ser uma menina shuahusahuas
e vai sair com o Matt hahahaha isso ai Dave pega esse boy o/
Nico e Will se imitando sahuuhsauhsa épico!!
Dave nã se recusa um beijo do Mike u.u

acho que a familia ficou bem de novo <3
o que vc acharam?

Geeentee!!! estamos exatamente com 334 favoritos e eu estou surtando MUITO!!!
isso foi muito alem do que eu pensei então só tenho a dizer:
VOCÊS SÃO FODA!!!! <3

OBRIGADA!!! AMO DEMAIS TODOS VOCÊS *0*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...