História 50 Shades Of Jungkook - Imagine - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, Personagens Originais
Tags Bts, Jeon Jungkook, Jeongukk, Jungkook, Kook
Exibições 399
Palavras 1.169
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 7 - Light Blue


Fanfic / Fanfiction 50 Shades Of Jungkook - Imagine - Capítulo 7 - Light Blue

Terminei de anotar no último post-it rosa, a última anotação. O colei na ficha cuja dono era o famoso Jungkook.
Anotei algumas informações, e algumas especulações sobre ele. Costumam dizer que quando você anota você escreve no cérebro.

Assim que cheguei no hospital, a gerente me esperava na secretaria. Assim que me viu, levantou a mão como se dissesse que queria bater um papo e se aproximou. E eu, como uma pessoa de bom senso, me aproximei:

- FBI veio aqui, denovo - ela falou torcendo o lábio.

Suspirei, assentindo. Será que eles não conseguem respeitar o pedido de uma pisiquiatra?!
Abri a porta do quarto de Jungkook, e me surpreendi com o que vi.
Jungkook estava sentado em uma posição dura, e reta, como um soldado. A cabeça tão baixa, que praticamente parecia estar morto.
Em sua mesa, havia várias  fotos. Na parede, observei, haviam várias frases escritas em vermelho.

Me aproximei lentamente, confusa.
Assim que me sentei, notei que Jungkook tremia e estava suado. As mãos presas por algemas mais negras.

- o que... - minha voz saía fraca.

Estendi a mão pegando as fotos, e arregalei os olhos.
Eram fotos dele. Fotos de Jungkook, flagras de Jungkook.

A primeira era de Jungkook, em um beco; A segunda, era de uma mesa com cartas de baralho, com desenhos macabros, e em todas haviam a assinatura de Jungkook; a terceira era de uma casa, velha e suja, mas que se você visse, já foi bonita. Térrea, com canteiros de flores vazios, e fonte rachada; a quarta era de Jungkook, ele estava pendando a cabeça para trás, em uma casa acho, mas as paredes haviam varias palavras em vermelho; e então a quinta, era uma garota.
Ela tinha cabelos loiros quase brancos, pele clara, e olhos negros. Na foto, seu olhar de surpresa. Como se tivessem tirado essa foto bem quando ela estava virando a esquina da casa. Notei que ela tinha um colar, um diamante, de ferro.

Levantei o olhar, pasma. Jungkook não havia se movido um milímetro, e a tensão naquela sala também não.
Então, eu percebi. Kristal.
Podia ser ela! A foto! Era Kristal!

- Jungkook...? - o chamei hesitante, mas ele não se moveu.

Me levantei, colocando as fotos na mesa. Fui até ele, devagar. E toquei seu ombro.
Nenhuma reação, absolutamente nada.
Minha mão, hesitante, se moveu até o cabelo dele. Tirei sua franja do rosto, levantando seu olhar para mim.

Ele estava chorando, e seu olhar, mesmo que em mim, estava perdido em outro lugar. Arregalei de leve os olhos. E assim que soltei seu rosto,  ele voltou a posição anterior.

Respirei fundo, olhando em volta. Então, percebi.
As paredes, iguais as da foto.
Kristal, a garota foto, talvez.
Estavam tentando arrancar tudo de Jungkook.

Na pisicologia, existe um método, que se baseia em você levar a pessoa a uma situação do passado, imergir sua mente na situação, e conseguir as respostas através de suas reações.
Mas era como tortura! Era um absurdo!
Eu nunca usaria esse método, faria Jungkook sofrer! Levar uma pessoa a uma situação remota do seu passado, e que ainda por cima causou sequelas reais na mente da pessoa, era quase homicídio!

Não sei como Jungkook resistiu. Mas sei que agora estava com raiva, raiva  do FBI.

Suspirei, indo novamente até Jungkook. Puxei sua cadeira para trás, de modo que sua postura relaxou suavemente. O fiz levantar seu olhar para mim, e coloquei minhas mãos geladas -por causa do frio de fora- em seu rosto. Esse choque o fez sair de seus pensamentos, e finalmente sua mente foi para mim.

Ficamos assim por um tempo, meu olhar sendo sustentado pelo seu. Por fim, me separei, antes que as reações que Jungkook me traz começassem a me importunar.

- vamos começar a consulta.

Ele assentiu devagar, secando o rosto.

Peguei aquelas fotos, e estava indo rasga-las, quando pensei melhor, e as guardei em minha bolsa. Jungkook apenas seguia meus movimentos.
Me sentei, respirando fundo:

- teve algum sonho, essa noite? - comecei o assunto com algo simples.

Não houve resposta, então levantei meu olhar, antes na ficha, para ele. Ele negava brevemente com a cabeça, assenti em concordância.

- quer me falar sobre o que aconteceu, aqui e se foi hoje?

Em resposta, ele negou, um pouco mais rápido. Grunhi baixo, nervosa por tudo isso. Quando eu penso estar perto da verdade, a vida vem e me mostra que nem estou no caminho certo.

Me levantei, indo até ele. Minhas mãos faziam tudo que meu coração queria, mesmo que não fosse o certo.
Rocei meus dedos em seu braço devagar, indo até seu queixo. O levantei, e seu olhar parecia ler minha mente. Tirei a franja de seus olhos devagar. Sua respiração estava acelerada, mas ele não estava assustado, estava incrivelmente mais calmo.

Ele abriu minimamente a boca, soltando o ar. Por que ele era assim?
Por que parecia saber o certo, mas não gostava? Ele sabia como ganhar, mas preferia perder tudo, para no final jogar a última carta. Ele parecia saber tudo sobre mim, mas queria que eu admitisse tudo.

- Jungkook - o chamei, e ele permaneceu imóvel - vou reclamar com o FBI sobre ter feito isso.

Então, ele mecheu a cabeça -finalmente- sozinho. Me olhou, e vi um sorriso mínimo surgir:

- não foi o FBI... - sua voz estava rouca.

- o que?! - arregalei os olhos - quem foi, Jungkook?

Então ele riu. Riu como se não houvesse amanhã. Riu como se eu tivesse contado a piada mais engraçada do mundo.

- ele pensou demais - ele falou baixo assim que terminou sua risada.

- quem? - me irritei - Jeon Jungkook!

Ele riu rouco e me olhou denovo, as palavras saindo de sua boca, prontas para me atacar:

- nunca pense demais.

Bufei. Já chega por hoje. Peguei minhas coisas e assim que saí, pedi para que limpassem o quarto de Jungkook.

Todo o caminho para casa foi repleto de perguntas, infelizmente todas sem respostas.
Chegando em casa, joguei minha bolsa na cama e então, enfiei a mão nela, procurando pelas fotos.

Arregalei os olhos quando percebi que as fotos não estavam lá.

- ah, não, não!  - eu resmunguei, tirando tudo da bolsa.

Como eu as perdi!? É impossível!
Bufei, pegando meu celular, e discando o número de Ji-Hwan:

"alô?"

- Ji-Hwan, é _____. Podemos conversar? É sobre Jungkook.

Houve um longo silêncio, e a respiração dele parecia que ele estava correndo:

"estou um pouco ocupado, _____. Podemos nos falar amanhã?"

- okay - suspirei, e encerrei a ligação.

Grunhi, me jogando na cama.
Por que roubaram as fotos de Jungkook?
Eu estou alucinando?
Só há um modo de saber.

Disquei o número do hospital, e depois de uns segundos, a secretária atendeu:

- É a psiquiatra _____. Eu gostaria de saber se vocês limparam as palavras da parede de Jungkook.

"limpamos" ela falou e eu me aliviei "mas não eram palavras, eram apenas manchas, senhorita."

Eu estou oficialmente vendo coisas.


Notas Finais


GENTE OLHA ESSES FAVS
Essa fic tá crescenu muitu rapidu HUASHUASHUASHUAS'
Amodorei ♡
OBRIGADUUU


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...