História 50 Tons De Camren - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Camren
Exibições 114
Palavras 6.200
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOOOOOLTEIIIIIIIIIIIIIIIII !!!! EBAAA

Capítulo 12 - Capítulo 9


A luz inundava o quarto, arrancando-me de um sono profundo. Eu me espreguiço e abro os olhos. Era uma bonita manhã de maio, com Seattle aos meus pés. Uau, que vista. Camila Cabello está profundamente adormecida ao meu lado. Surpreende-me que esteja ainda na cama. Como está de cara para mim, tenho a oportunidade de examina-lá bem, pela primeira vez. Seu formoso rosto parece mais jovem, relaxado em seu sono. Seus lábios esculturais, carnudos estão ligeiramente abertos, e o seu cabelo, limpo e brilhante, em gloriosa confusão. Como alguém pode ser tão bonita e mesmo assim ser fria? Recordo seu quarto no andar de cima… talvez não seja tão fria. Sacudo minha cabeça, tenho muito em que pensar. Sinto a tentação de esticar a mão e toca-lá, mas está tão adorável dormindo, como uma garotinha. Eu não tenho que me preocupar com o que estou dizendo, pelo que diz ela, ela tem planos, especialmente planos para mim.

Eu poderia passar o dia todo a contemplando, mas tenho minhas necessidades… fisiológicas. Saio devagar da cama, vejo sua camisa branca no chão e me visto com ela. Dirijo-me para a uma porta pensando que podia ser o banheiro, mas acabo dentro de um closet tão grande quanto o meu quarto. Filas e filas de trajes caros, de camisas, sapatos e gravatas. Para que necessita de tanta roupa? Eu estalo a língua em desaprovação. Na verdade, o closet de Mani certamente não fica devendo nada a este. Mani! Oh, não. Não me lembrei dela uma única vez a noite toda. Eu tinha que lhe mandar uma mensagem. Merda. Ela vai se zangar comigo. Por um segundo, me pergunto como está com a Dinah.

Volto para o quarto, Camila continua dormido. Abro a outra porta. É o banheiro, maior que meu quarto de dormir. Para que necessita tanto espaço uma mulher sozinha? Duas pias, eu observo com ironia. Se nunca dorme com ninguém, uma das duas não é utilizada.

Olho-me no  enorme  espelho.  Pareço  diferente? Sinto-me  diferente. Para ser sincera, estou um pouco dolorida, e os músculos… é como se nunca tivesse feito exercício na vida. Você não faz exercícios em sua vida, diz-me meu subconsciente, que despertou.

Ela me olha franzindo os lábios e batendo com o pé no chão. Acaba de se deitar com ela, você entregou sua virgindade a uma mulher que não a ama, que tem planos muito estranhos para você, que quer convertê-la em uma espécie de pervertida escrava sexual.

VOCÊ ESTÁ LOUCA? – ela grita para mim.

Sigo me olhando no espelho e estremeço. Tenho que assimilar tudo isto. Honestamente, gostei de perder para uma mulher que está para além de bonita, mais rica que Creso, e que tem um Quarto Vermelho da Dor me esperando. Estremeço. Estou desconcertada e confusa. Meu cabelo está um desastre, como sempre. O cabelo revolto não fica nada bem. Tento pôr ordem nesse caos com os dedos, mas não o consigo e me rendo… Possivelmente tenha algum elástico na bolsa.

Morro de fome. Volto para o quarto. A bela adormecida continua dormindo, assim, a deixo e vou à cozinha.

OH, não… Mani. Deixei a bolsa no estúdio de Camila. Vou buscá-la e pego meu celular. Três mensagens.

*Tudo OK Laur*

*Onde estás Laur*

*Que droga Laur*

Ligo para Mani, mas não me responde e lhe deixo uma mensagem na secretária eletrônica, lhe  dizendo  que  estou  viva  e  que a  Barbazul não acabou comigo, bem, ao menos não no sentido que poderia lhe preocupar… ou  talvez  sim.  Estou  muito  confusa.  Tenho  que  tentar me  esclarecer e analisar meus sentimentos por Camila Cabello. É impossível. Movo a cabeça me dando por vencida. Preciso estar sozinha, longe daqui, para pensar.

Encontro na bolsa dois elásticos para o cabelo e rapidamente faço duas tranças. Sim! Possivelmente quanto mais menina pareça, mais a salvo estarei da Barbazul. Pego o meu iPod na bolsa e coloco os fones. Não há nada como música, para cozinhar. Coloco o iPod no bolso da camisa de Camila, subo o volume e começo a dançar.

Santo inferno, eu estou faminta.

A cozinha me intimida um pouco. É elegante e moderna, com armários sem puxadores. Demoro uns segundos em chegar à conclusão de que tenho que pressionar as portas para que se abram. Possivelmente deveria preparar o café da manhã para Camila. No outro dia comeu uma panqueca… Bem, ontem, no Heathman. Caramba, quantas coisas aconteceram desde ontem. Abro  a  geladeira,  vejo  que  há  muitos  ovos e pego o que quero para panquecas e bacon. Começo a fazer a massa dançando pela cozinha.

Estar ocupada é bom. Isso me concede um pouco de tempo para pensar, mas sem aprofundar muito. A música que ressona em meus ouvidos também me ajuda a afastar os pensamentos profundos. Eu vim para cá para passar  a  noite na  cama  de  Camila Cabello e consegui, embora ela não permita a ninguém dormir em sua cama. Sorrio. Missão cumprida. Bons momentos. Sorrio. Bons, muito bons momentos, e começo a divagar recordando a noite. Suas palavras, seu corpo, sua maneira de fazer amor… Fecho os olhos, meu corpo vibra ao recorda-lá e os músculos de meu ventre se contraem. Meu subconsciente me faz cara feia. Sua maneira de foder, não de fazer amor, grita-me como uma harpia. Não faço conta, mas no fundo sei que tem razão. Movo a cabeça para me concentrar no que estou fazendo.

A cozinha é muito sofisticada. Confio que saberei como funciona. Necessito de um lugar para deixar as panquecas, para que não esfriem. Começo com o bacon. Amy Studt está cantando em meu ouvido uma canção sobre gente inadaptada, uma canção que sempre significou muito para mim, porque  sou  uma  inadaptada.  Nunca  me  encaixei  em  nenhum  lugar,  e agora…  tenho que considerar uma proposta indecente da Rainha dos Desajustes. Por que Camila é assim? Por natureza ou por educação? Nunca conheci a ninguém igual.

Coloco o bacon no grill, enquanto frita, bato os ovos. Volto-me e vejo Camila sentada em um tamborete, com os cotovelos em cima do balcão de café da manhã e o rosto apoiado na mão. Veste a camiseta com que dormiu. O cabelo revolto lhe fica realmente bem. Parece divertida e surpresa ao mesmo tempo. Fico paralisada e ruborizada. Logo me acalmo e tiro os fones. Com os joelhos tremendo, só de vê-lá.

— Bom dia, senhorita Jauregui. Está muito ativa esta manhã, — diz-me em tom frio.

— Eu dormi bem, — digo-lhe gaguejando. Ela tenta dissimular seu sorriso.

— Não imagino por que. — ela faz uma pausa e franze o cenho. — Eu também, quando voltei para a cama.

— Está com fome?

— Muita, — responde-me com um olhar intenso, e acredito que não se refere à comida.

— Panquecas, bacon e ovos?

— Soa muito bem.

— Não sei onde estão os guardanapos de mesa. — Encolho os ombros e tento desesperadamente não parecer nervosa.

— Eu me ocupo disso. Você cozinha. Quer que ponha música, então você pode continuar… err… dançando?

Olho para os meus dedos, perfeitamente consciente de que estou ruborizando.

— Por favor, não pare por minha causa. Isso é muito interessante, —diz-me em tom zombador.

Enrugo os lábios. Interessante, verdade? Meu subconsciente se dobra de rir.

Viro e sigo batendo os ovos, certamente com mais força do que necessário. Num instante, ela está ao meu lado. Ela gentilmente puxa a minha trança.

— Eu adoro isso, — sussurra. — Mas não vão proteger você.

Mmm, Barbazul…

— Como quer os seus ovos? — pergunto-lhe bruscamente. Ela sorri.

— Completamente batidos e espancados, — ela sorri.

Sigo com o que estava fazendo tentando ocultar meu sorriso. É difícil não ficar louca por ela, especialmente quando está tão brincalhona, o qual não  é  nada  frequente.  Abre  uma  gaveta,  saca  duas  toalhas  individuais negras e as coloca no balcão. Jogo o ovo batido em uma frigideira, pego o bacon do grill, dou a volta e coloco mais no grill.

Quando me volto, há suco de laranja no balcão e Camila está preparando café.

— Quer um chá?

— Sim, por favor. Se tiver.

Pego um par de pratos e os coloca em cima de uma bandeja de aquecimento para mantê-los quentes. Camila abre um armário e saca uma caixa de chá Twinings English Breakfast. Franzo os lábios.

— Um bocado de conclusões precipitadas, não é?

— Você crê? Não tenho certeza que tenhamos concluído nada, ainda, senhorita Jauregui, — ela murmura.

O que ela quer dizer com isso? Nossa negociação? Nossa, err… relação… seja o que for? Ela ainda é tão enigmática. Sirvo o café da manhã nos pratos quentes, que estão em cima dos guardanapos de mesa. Abro a geladeira e pego xarope de arce.

Olho para Camila, ela está esperando que eu me sente.

— Senhorita Jauregui. — diz-me assinalando um tamborete.

— Senhora Cabello. — Concordo com a cabeça, em reconhecimento. Ao me sentar, faço uma ligeira careta de dor.

— Está muito dolorida? — pergunta-me, enquanto também toma assento.

Ruborizo-me. Por que me faz perguntas tão pessoais?

— Bem, para falar a verdade, não tenho com o que comparar isso, — respondo-lhe. — Queria me oferecer sua compaixão? — pergunto-lhe em tom muito doce. Acredito que tenta reprimir um sorriso, mas não estou segura.

— Não. Perguntava-me se devemos seguir com seu treinamento básico.

— Oh. — Olho para ela estupefata, contenho a respiração e estremeço.

Oh… eu adoraria. Sufoco um gemido.

— Coma, Lauren. — Meu apetite se tornou incerto, novamente… mais… mais sexo… sim, por favor.

— Isto está delicioso, a propósito. — Ela sorri para mim.

Eu   tento   uma   garfada   de   omelete,   mas   mal   posso   prová-lo. Treinamento básico! Quero foder a sua boca. O que faz parte do treinamento básico?

— Deixe de morder o lábio. É muito perturbador, e acontece que me dei conta de que não está vestindo nada debaixo de minha camisa, e isso me desconcentra ainda mais. — Ela rosna.

Inundo a bolsa de chá no bule que Camola me trouxe. Minha cabeça está dando voltas.

— Em que tipo de treinamento básico está pensando? — pergunto-lhe, minha voz está com um volume um pouco alto, o que trai meu desejo de parecer natural, como se não me importasse muito, e o mais tranquila possível, em que pese, os hormônios estão causando estragos por todo meu corpo.

— Bem, como está dolorida, pensei que poderíamos nos dedicar às técnicas orais.

Engasgo-me com o chá e o olho para ela, com os olhos arregalados. Ela me dá tapinhas nas costas e me aproxima o suco de laranja. Não tenho nem ideia de no que está pensando.

— Isto é, se você quiser ficar, — ela acrescenta. Olho para ela tentando recuperar o equilíbrio. Sua expressão é impenetrável. É muito frustrante.

—  Eu  gostaria  de  ficar  durante  o  dia,  se  não  houver  problema. Amanhã tenho que trabalhar.

— A que hora tem que estar no trabalho?

— Às nove.

— Levarei você ao trabalho amanhã, às nove. Franzo o cenho. Quer que eu fique outra noite?

— Tenho que voltar para casa esta noite. Preciso trocar de roupa.

— Podemos comprar algo.

Não tenho dinheiro para comprar roupa. Levanta a mão, agarra o meu queixo e faz meus dentes soltarem meu lábio inferior. Eu não estava consciente de que me estava mordendo o lábio.

— O que acontece? — pergunta-me.

— Tenho que voltar para casa esta noite. Ela aperta a boca em uma linha dura.

— Ok, esta noite, — ela aceita. — Agora acabe o café da manhã.

Minha cabeça e meu estômago dão voltas. Meu apetite sumiu. Contemplo a metade de meu café da manhã, que segue no prato. Já não tenho fome.

— Coma, Lauren. Ontem à noite não jantou.

— Não tenho fome, de verdade, — sussurro. Ela aperta os olhos.

— Eu gostaria muito que terminasse o seu café da manhã.

— Qual o seu problema com a comida? — Eu deixo escapar. Ela franze a testa.

— Já te disse que não suporto desperdiçar comida. Coma,  diz-me bruscamente, com expressão sombria, doída.

Droga. O que é tudo isto? Pego o garfo e como devagar, tentando mastigar.

Se for ser sempre tão estranha com a comida, terei que lembrar para não encher tanto o prato. Seu semblante se adoça a medida que vou comendo o café da manhã. Observo-a retirar seu prato. Espera que eu termine e retira o meu também.

— Você cozinhou, eu limpo.

— Muito democrática.

— Sim. — diz-me, franzindo o cenho. — Não é meu estilo habitual. Assim que acabar, tomaremos um banho.

— Oh, ok. Oh meu Deus… Eu preferiria uma ducha. O som de meu telefone me tira do devaneio. É Mani.

—  Olá. —  Afasto-me dela e  me dirijo para as portas de vidro da varanda, na minha frente.

— Laur, por que não me mandou uma mensagem ontem à noite? — Ela está zangada.

— Desculpe-me. Eu fui superada pelos acontecimentos.

— Você está bem?

— Sim, perfeitamente.

— Você fez? — Ela tenta conseguir a informação. Eu rolo meus olhos com a expectativa em sua voz.

— Mani, eu não quero comentar isso por telefone. — Camila eleva os olhos para mim.

— Você fez… eu posso dizer.

Como pode estar segura? Ela está blefando, e eu não posso falar sobre isso. Eu assinei um maldito acordo.

— Mani, por favor.

— Como foi? Você está bem?

— Já te disse que estou perfeitamente bem.

— Ela foi gentil?

— Mani, por favor! – Não posso reprimir meu aborrecimento.

— Laur, não me oculte isso. Estou a quase quatro anos esperando este momento.

— Nos veremos esta noite. — E desligo.

Vou ter dificuldade com esse assunto. É muito obstinada e quer que eu conte tudo com detalhes, mas não posso contar-lhe porque assinei um… como se chama? Um contrato de confidencialidade.

Ela vai ter um ataque e com razão. Tenho que pensar em algo. Volto à cabeça e observo Camila movendo-se com desenvoltura pela cozinha.

— O acordo de confidencialidade abrange tudo? — pergunto-lhe indecisa.

— Por quê? — Ela se vira e me olha, enquanto guarda a caixa de chá. Ruborizo-me.

— Bom, tenho algumas duvidas, já sabe… sobre sexo. — Falo com ela, olhando os dedos. — E eu gostaria de conversar com Mani.

— Você pode falar comigo.

— Camila, com todo o respeito… — Fico sem voz. Eu não posso falar com você. Vou pegar o seu viés, enrolado como o inferno, com sua distorcida visão de sexo. Quero uma opinião imparcial. — É apenas sobre a mecânica. Não vou mencionar o Quarto Vermelho da Dor.

Ela levanta as sobrancelhas.

— Quarto Vermelho da Dor? Trata-se, sobretudo, de prazer, Lauren. Acredite-me. — Ela diz.

— E além disso, — ela acrescenta em tom mais duro, — sua companheira de quarto está saindo com minha irmã. Preferia que você não falasse com ela.

— Sua família sabe algo sobre as suas… preferências?

— Não. Não é assunto deles. — ela aproxima-se de mim.

— O que quer saber? — pergunta-me, ele desliza os dedos gentilmente pela minha bochecha até o queixo, depois o levanta para me olhar diretamente nos olhos. Estremeço por dentro. Não posso mentir para esta mulher.

— No momento, nada de concreto, — sussurro.

— Bem, podemos começar perguntando como foi para você ontem à noite? — A curiosidade ardia nos seus olhos. Estava impaciente para saber.

Uau.

— Bom, – eu murmuro. Esboça um ligeiro sorriso.

— Para mim também, — ela murmura. — Eu nunca fiz sexo baunilha antes. Há muito a ser dito sobre ele. Mas, então, talvez seja porque é com você. — Desliza o polegar por meu lábio inferior.

Eu inalo fortemente. Sexo baunilha?

— Venha, vamos tomar um banho. — Ela se inclina e me beija. O meu coração dá um salto e o desejo percorre o meu corpo e se concentra… na minha parte mais profunda.

A  banheira é  branca, profunda  e  ovalada, muito designer. Camila se inclina e abre a torneira da parede ladrilhada. Bota na água um óleo de banho que parece muito caro. À medida que a banheira vai enchendo forma- se uma espuma, um doce e sedutor aroma de jasmim invade o banheiro. Camila me olha com olhos impenetráveis, tira a camiseta e a joga no chão.

— Senhorita Jauregui. — diz-me, estendendo a mão.

Estou ao lado da porta, com os olhos muito abertos, receosa e com as mãos ao redor do corpo. Aproximo-me admirando furtivamente seu corpo. Agarro-lhe a mão que me estende, enquanto entro na banheira, ainda com sua camisa posta. Faço o que me diz. Vou ter que me acostumar, se acabar aceitando sua escandalosa oferta… se! A água quente é tentadora.

— Vire-se e me olhe, — ordena-me em voz baixa. Faço  o  que  me pede. Observa-me com atenção.

— Sei que esse lábio é delicioso, posso atestar isso, mas pode deixar de mordê-lo? — diz-me apertando os dentes. — Quando faz isso, tenho vontade de foder você, e está dolorida, não é?

Deixo de me morder o lábio porque fico boquiaberta, impactada.

— Isso — ela desafia. — Você entendeu. — Ela me olha. Concordo com a cabeça, freneticamente. Não tinha nem ideia de que eu pudesse lhe afetar tanto.

— Bom. — Ela aproxima-se, pega o iPod do bolso da camisa e o deixa em cima da pia.

— Água e iPods… não é uma combinação muito inteligente — ela murmura. Inclina-se, agarra a camisa branca por baixo, puxa de meu corpo e a joga no chão.

Afasta-se para me contemplar. Meu Deus, eu estou completamente nua. Fico vermelha e olho para as minhas mãos, que estão à altura da minha  barriga.  Desejo  desesperadamente  desaparecer  dentro  da  água quente com espuma, mas sei que ela não vai querer que o faça.

— Ouça — chama-me. Eu olho para ela. Tem o rosto inclinado para um lado. —Lauren, é muito bonita, toda você. Não baixe a cabeça como se estivesse envergonhada. Não tem por que se envergonhar, eu asseguro a você que é um prazer poder lhe contemplar. Pega o meu queixo e me levanta a cabeça para que olhe para ela. Seus olhos são doces e quentes, até ardentes. Oh meu Deus. Está muito perto de mim. Poderia estender o braço e toca-lá.

— Você pode se sentar agora. — ela me diz, interrompendo meus pensamentos erráticos, agacho-me e me meto na agradável água quente. Oh… isso arde. Isso me pega de surpresa, mas tem um cheiro maravilhoso, porém, a ardência inicial não demora para diminuir. Deito-me de barriga para  cima,  fecho  os  olhos  um  instante  e  me  relaxo na  tranquilizadora calidez. Quando os abro, está me olhando fixamente.

— Por que não toma um banho comigo? — atrevo-me a lhe perguntar, embora com voz rouca.

— Eu acho que vou. Mova-se para frente, — ordena-me.

Ela tira as calças do pijama e se mete na banheira atrás de mim. A água sobe de nível quando se senta e me puxa para que me apoie em seu peito. Coloca suas longas pernas em cima das minhas, com os joelhos flexionados e os tornozelos à mesma altura dos meus, e me abre as pernas com os pés. Fico boquiaberta. Coloca o nariz entre meus cabelos e inala profundamente.

— Você cheira bem, Lauren.

Um tremor me percorre todo o corpo. Estou nua em uma banheira com Camila Cabello.

E ela também está nua. Se alguém me houvesse isso dito ontem, quando despertei na suíte do hotel, não teria acreditado.

Agarra um frasco de gel da prateleira junto à banheira e joga um pouco na mão. Esfrega as mãos para fazer uma ligeira quantidade de espuma, coloca-me isso ao redor do pescoço e começa a me estender o sabão pela nuca e os ombros, massageando-os com força com seus compridos e fortes dedos. Eu gemo. Eu adoro sentir suas mãos.

— Você gosta? — Quase posso ouvir seu sorriso.

— Mmm.

Desce  pelos  meus  braços,  logo  por  debaixo  até  as  axilas,  me esfregando brandamente. Fico muito contente por Mani ter insistido em que me depilasse. Desliza as mãos por meus seios, e inala drasticamente à medida que seus dedos os rodeiam e começam a massageá-los brandamente, sem  agarrá-los.  Arqueio  meu  corpo  instintivamente e  empurro  os  seios contra suas mãos. Tenho os mamilos sensíveis, muito sensíveis, sem dúvida pela pouca delicadeza com que foram tratados ontem à noite. Ela não se entretém muito tempo com eles. Desliza as mãos até meu ventre. Minha respiração acelera e o coração dispara. Sinto sua ereção contra meu traseiro. Excita-me saber que é o meu corpo que a faz se sentir dessa forma. Claro… não sua cabeça. Meu subconsciente zomba. Espanto o inoportuno pensamento.

Ela para e pega uma toalhinha enquanto eu encosto contra ela, querendo…   necessitando.   Apoio   às   mãos   em   suas   coxas   firmes   e musculosas. Joga mais gel na toalhinha, inclina-se e me esfrega entre as minhas  pernas.  Contenho  a  respiração.  Seus  dedos  habilmente  me estimulam através do tecido, é celestial, e meus quadris começam a mover- se no seu ritmo, pressionando contra sua mão. À medida que as sensações se apoderam de mim, inclino a cabeça para trás com os olhos semicerrados e a boca entreaberta. Gemo. Dentro de mim aumenta a pressão, lenta e inexoravelmente… oh meu Deus.

— Sente isso, querida — Camila sussurra em meu ouvido, e me roça suavemente o lóbulo com os dentes. — Sinta-o para mim.

Suas pernas imobilizam as minhas, contra as paredes da banheira, aprisionando-as, o que lhe dá livre acesso as minhas partes mais íntimas.

— Oh… por favor — sussurro. Meu corpo fica rígido e tento esticar as pernas. Sou uma escrava sexual desta mulher, que não deixa que me mova.

— Acredito que já está suficientemente limpa — ela murmura e se detém. O que? Não! Não! Não!

Minha respiração está irregular.

— Por que você parou? — pergunto-lhe, ofegante.

— Porque tenho outros planos para ti, Lauren.

O que… oh meu Deus… mas… eu estava… isso não é justo.

— Vire-se. Eu também tenho que me lavar — ela murmura.

Oh! Viro-me e fico pasma ao ver que ela agarra o membro ereto com força.

Estou de boca aberta.

— Quero que, para começar, conheça bem a parte mais valiosa de meu corpo, minha parte favorita. Estou muito ligada a isso.

É tão grande e está crescendo. O membro ereto fica por cima da água, que lhe chega aos quadris. Levanto os olhos um segundo e observo seu sorriso perverso. Diverte-se com minha expressão atônita. Dou-me conta de que estou olhando fixamente para o seu membro. Engulo a saliva. Tudo isso esteve dentro de mim! Parece impossível. Ela quer que eu o toque. Mmm… ok, traga-o.

Sorrio para ela, pego o gel e jogo um pouco na mão. Faço o mesmo que ela fez, esfrego o sabão nas mãos até que forme espuma. Não tiro os olhos dos seus. Entreabro os lábios para que fique mais fácil respirar… e deliberadamente mordo o lábio inferior e logo passo a língua por cima, pela zona que acabo de morder. Ela me olha com olhos sérios, impenetráveis, que se abrem enquanto deslizo a língua pelo lábio. Inclino-me e lhe rodeio o membro com uma mão, imitando a maneira como ele próprio o agarra. Fecho os olhos por um momento. Uau… é muito mais duro do que pensava. Percebo que ela colocou a sua mão sobre a minha. — Assim, — ela sussurra e move a mão para cima e para baixo, segurando meus dedos com força, que por sua vez, apertam com força o seu membro. Fecho de novo os olhos e prendo a respiração. Quando volto a abri-los, seu olhar é de um castanho abrasador. —Muito bem, querida.

Ela solta a minha mão, deixa que eu siga sozinha e fecha os olhos enquanto movo a mão para cima e para baixo. Ela flexiona ligeiramente os quadris na minha mão, e reflexivamente eu o agarro com mais força. Do mais profundo da garganta lhe escapa um rouco gemido. Foder a minha boca… Mmm. Recordo que ela colocou o polegar em minha boca e me pediu que o chupasse com força. Abre a boca à medida que sua respiração se acelera. Tem os olhos fechados. Inclino-me, coloco os lábios ao redor de seu membro e chupo de forma vacilante, deslizando a língua pela ponta.

— Uau… Laur. — Ela arregala os olhos e sigo chupando forte.

Mmm… É duro e suave ao mesmo tempo, como aço recoberto de veludo, surpreendentemente saboroso, salgado e suave.

— Cristo, — ela geme, e volta a fechar os olhos.

Movendo para baixo, eu o empurro dentro de minha boca. Ela volta a gemer. Ha! Minha deusa interior está encantada. Eu posso fazê-lo. Eu posso fodê-lá com minha boca. Volto a girar a língua ao redor da ponta, e ela se arqueia e levanta os quadris. Tem os olhos abertos, e eles despedem fogo. Volta a arquear-se apertando os dentes. Apoio-me em suas coxas e empurro a boca até o fundo. Sinto nas mãos que suas pernas se esticam. Agarra-me pelas tranças e começa realmente a mover-se.

— Oh… querida… é fantástico, — ela murmura. Eu chupo mais forte e passo a língua pela ponta de sua impressionante ereção. Pressiono com a boca, cobrindo os dentes com os lábios. Ela respira com a boca entreaberta e geme.

— Jesus. Até onde você pode chegar? — ela sussurra.

Mmm... Empurro com força e sinto seu membro no fundo da garganta, e logo nos lábios outra vez. Passado a língua pela ponta. É como ter meu próprio picolé com sabor Camila Cabello. Chupo cada vez mais depressa, empurrando cada vez mais fundo e girando a língua ao redor. Mmm… Não tinha nem ideia de que proporcionar prazer podia ser tão excitante, ao vê-lá retorcer-se sutilmente de desejo carnal. Minha deusa interior dança merengue com alguns passos de salsa.

— Lauren, eu vou gozar em sua boca, — ela adverte-me ofegante. — Se não quiser, pare agora. Ela flexiona os quadris outra vez, com os olhos muito abertos, cautelosos e cheios de desejo lascivo… e me deseja. Deseja a minha boca… oh meu Deus.

Caramba.  Agarra-me  pelo  cabelo  com  força.  Eu  posso  fazer  isso.

Empurro ainda com mais força e de repente, em um momento de insólita segurança em mim mesma, descubro os dentes. Isso o derruba pela borda. Ela grita, fica imóvel e sinto um líquido quente e salgado deslizando pela minha  garganta.  Engulo  isso rapidamente. Ugh… Eu  não  tenho  certeza sobre isso. Mas basta um olhar para ela para que não me importe, ela gozou na banheira por minha causa. Sento-me para trás e a observo com um sorriso triunfal, que me eleva as comissuras da boca. Ela respira entrecortadamente. Abre os olhos e me olha.

— Não tem ânsia de vômito? — pergunta-me atônita. — Cristo, Laur… isso foi.. realmente bom, de verdade, muito bom. Embora eu não esperasse. — Ela franze o cenho. —Sabe, você não deixa de me surpreender.

Sorrio e mordo o lábio conscientemente. Ela me olha especulativamente.

— Você já tinha feito isso antes?

— Não. — Não posso ocultar um ligeiro matiz de orgulho em minha negativa.

— Bom, — ela diz complacentemente e, conforme acredito, aliviado. —Outra novidade, senhorita Jauregui.

Avalia-me com o olhar. — Bom, tem um ‘A’ em técnicas orais. Venha, vamos para cama. Devo-lhe um orgasmo.

Orgasmo! Outro!

Sai rapidamente da banheira e me oferece a primeira imagem completa da Afrodite de divinas proporções que é Camila Cabello. Minha deusa interior deixou dançar e a observa também, boquiaberta e babando. Sua ereção se reduziu, mas segue sendo importante… Uau. Ela enrola uma pequena toalha na cintura para cobrir o essencial, e pega outra maior e suave, de cor branca, para mim. Saio da banheira e lhe agarro a mão que me estende. Envolve-me na toalha, abraça-me e me beija com força, me colocando a língua na boca.

Desejo estirar os braços e abraça-lá… toca-lá… mas os tenho presos dentro da toalha. Não demoro para me perder em seu beijo. Segura a minha cabeça com as mãos, percorre-me a boca com a língua e me dá a sensação de que está me expressando sua gratidão… talvez… pela minha primeira felação?

Uau?

Afasta-se um pouco, coloca as mãos em ambos os lados do meu rosto, e me olha nos olhos. Parece perdida.

— Diga que sim, — ela sussurra fervorosamente. Franzo o cenho, porque não a entendo.

— Para o quê?

— Sim, para o nosso acordo. Para ser minha. Por favor, Laur — sussurra suplicante, enfatizando o “por favor” e meu nome. Volta a me beijar com paixão, e logo se afasta e me olha piscando. Agarra-me pela mão e me conduz de volta ao quarto, cambaleando um pouco, eu a sigo mansamente. Aturdida. Ela realmente quer isso.

Já no quarto, observa-me junto à cama.

— Confia em mim? — pergunta-me, de repente. Eu concordo, sacudindo a cabeça, com os olhos muito abertos, de repente me dou conta de que, efetivamente, confio nela. O que vai fazer-me agora? Uma descarga elétrica me percorre o corpo.

— Boa garota, — ela me diz, passando o polegar pelo lábio inferior. Aproxima-se do armário e volta com uma gravata cinza de seda.

— Junte as mãos na frente, — ordena-me, tirando-me a toalha e jogando-a no chão.

Faço o que me pede. Rodeia-me os pulsos com a gravata e faz um nó apertado. Seus olhos brilham de excitação. Puxa a gravata para assegurar-se de que o nó não se mova. Tem que ter sido escoteira para saber fazer estes nós. E agora o quê? Meu pulso atravessou o telhado, meu coração pulsa em um ritmo frenético. Desliza os dedos pelas minhas tranças.

—   Você   parece   tão   jovem   com   estas   tranças,   —   ela   murmura

aproximando-se de mim. Instintivamente, me movo para trás até sentir a cama atrás dos meus joelhos. Ela tira a sua toalha, mas não posso tirar os olhos de seu rosto. Sua expressão é ardente, cheia de desejo.

— Oh, Lauren, o que vou fazer contigo? — sussurra-me. Estende- me sobre a cama, cai ao meu lado e me levanta as mãos por cima da cabeça.

— Deixa as mãos assim. Não as mova. Entendido? — Seus olhos queimam os meus e sua intensidade me deixa sem fôlego. Não é uma mulher que se deva zangar. Nunca.

— Responda-me, — ela me pede em voz baixa.

— Não moverei as mãos. — respondo-lhe sem fôlego.

— Boa garota, — ela murmura e deliberadamente se passa a língua pelos lábios muito devagar. Fascina-me sua língua percorrendo lentamente seu lábio superior. Olha-me nos olhos, observa-me, examina-me. Inclina-se e me dá um casto e rápido beijo nos lábios.

— Vou beijar seu corpo todo, senhorita Jauregui, — diz-me em voz baixa, e agarra-me pelo queixo e o levanta, isso lhe dá acesso ao meu pescoço. Seus lábios deslizam pela minha garganta, beijando, chupando e mordiscando. Todo meu corpo vibra com antecipação… em toda parte. O banho recente me deixou com a pele hipersensível. O sangue quente desce lentamente até meu ventre, entre as pernas, até meu sexo. Eu gemo.

Quero toca-lá. Movo as mãos, mas, como estou amarrada, toco-lhe o cabelo com bastante estupidez. Deixa de me beijar, levanta os olhos e move a cabeça de um lado a outro estalando a língua. Pega as minhas mãos e volta a me colocar acima da cabeça.

— Se mover as mãos, teremos que recomeçar — ela repreende-me suavemente.

Oh, ela gosta de me provocar.

— Quero tocar em você. — Digo-lhe ofegando, sem poder me controlar.

— Eu sei, — murmura. — Mas deixe as mãos quietas, — ela ordena, sua voz é firme.

Ela levanta o meu queixo de novo e começa a beijar a minha garganta como antes. OH… ela é tão frustrante.

Suas mãos descem pelo meu corpo, sobre meus seios, enquanto seus lábios deslizam pelo meu pescoço. Acaricia-me com a ponta do nariz, e logo, com a boca, dá início a uma lenta travessia para o sul e segue o rastro das suas mãos, pelo esterno, até meus seios. Beija-me e me mordisca um, logo o outro, e me chupa suavemente os mamilos. Caramba.

Meus quadris começam a balançar-se e a mover-se por conta própria, seguindo o ritmo de sua boca, e eu tento desesperadamente lembrar que tenho que manter as mãos acima da cabeça.

—  Não se  mova, —  adverte-me, sinto sua cálida respiração sobre minha pele. Chega ao meu umbigo, introduz a língua e me roça a barriga com os dentes. Meu corpo se arqueia. — Mmm. Que doce é você, senhorita Jauregui. — Desliza o nariz desde meu umbigo até meus pelos púbicos, me mordendo suavemente e me provocando com a língua. Sentando-se, de repente, ela se ajoelha aos meus pés, agarra-me pelos tornozelos e me separa as pernas.

Caramba. Ela agarra o meu pé esquerdo, dobra meu joelho e leva o pé à boca.

Sem deixar de observar minhas reações, beija ternamente cada um dos meus dedos e logo morde cada um suavemente. Quando chega ao mindinho, morde com mais força. Sinto uma convulsão e gemo. Ela desliza a língua pelo peito do meu pé… e já não posso mais vê-lá.

Isso é muito erótico. Vou entrar em combustão. Aperto os olhos e tento absorver  e  suportar  todas  as  sensações  que  me  provoca.  Beija-me  o tornozelo e segue seu percurso pela panturrilha até o joelho, onde se detém. Então começa com o pé direito, repetindo todo o sedutor e assombroso processo.

— Oh, por favor, — Eu gemo e ela morde meu dedo mindinho, e a dentada se projeta no mais profundo de meu ventre.

— Todas as coisas boas, senhorita Jauregui, — ela respira.

Desta vez não se detém no joelho. Segue pela parte interior da coxa e de uma vez me separa mais as pernas. Sei o que vai fazer, e uma parte de mim quer empurra-lá, porque morro de vergonha. Ela vai me beijar lá!. Eu sei disso. Mas outra parte de mim desfruta com antecipação. Ela muda para o outro joelho e sobe até a coxa me beijando, me chupando, me lambendo e, de repente, está entre minhas pernas, deslizando o nariz por meu sexo, para cima e para baixo, muito suavemente, com muita delicadeza. Retorço-me… oh meu Deus.

Ela para e espera que me acalme. Levanto a cabeça e olho para ela com a boca aberta. Meu acelerado coração tenta tranquilizar-se.

— Sabe o embriagador que seu aroma é, senhorita Jauregui? — ela murmura, e sem afastar seus olhos dos meus, introduz o nariz em meus pelos púbicos e cheira.

Ruborizo-me, sinto que vou desmaiar e fecho os olhos imediatamente. Não posso vê-lá fazendo algo assim!

Percorre-me muito devagar o sexo. Oh, foda…

— Eu gosto disso. — Ela gentilmente puxa os meus pelos púbicos. —Talvez devamos manter isso.

— Oh… por favor, — suplico-lhe.

— Mmm, eu gosto que me suplique, Senhorita Jauregui . E gemo.

— Não estou acostumado a pagar com a mesma moeda, senhorita Jauregui,  —  ela  sussurra  deslizando-se  pelo  meu  sexo.  —  Mas  hoje  me agradou, assim tem que receber sua recompensa. — Ouço em sua voz o sorriso perverso, e enquanto meu corpo palpita com suas palavras, começa a rodear meu clitóris com a língua, muito devagar, me sujeitando as coxas com as mãos.

— Ahhh! — Eu gemo, meu corpo se arqueia e se convulsiona ao contato de sua língua.

Segue  me  torturando  com  a  língua  uma  e  outra  vez.  Perco  a consciência de mim mesma. Todas as partículas de meu ser se concentram no pequeno ponto nevrálgico por cima das coxas. As pernas ficam rígidas. Ouço seu gemido, enquanto me introduz um dedo.

— Oh, querida. Eu adoro que esteja tão molhada para mim.

Move o dedo riscando um amplo círculo, me expandindo, me empurrando, e sua língua segue o compasso do dedo ao redor de meu clitóris. Gemo. É muito… Meu corpo suplica por alivio, e não posso seguir me negando. Deixo-me ir. O orgasmo se apodera de mim e perco todo pensamento coerente, retorço-me por dentro, uma e outra vez. Caramba. Eu grito, e o mundo se desmorona e desaparece de minha vista, enquanto a força de meu clímax torna tudo nulo e sem efeito.

Estou ofegante e vagamente ouço quando ela rasga o envelope da camisinha. Muito lentamente ela penetra em mim e começa a mover-se. Oh… meu.. Deus. A sensação é dolorosa e doce, forte e suave ao mesmo tempo.

— Como está? — pergunta-me em voz baixa.

— Bem. Muito bem, — respondo-lhe. E começa a mover-se muito depressa, até o fundo, investe uma e outra vez, implacável, empurra e volta a empurrar até que volto a estar perto da borda. Eu choramingo.

— Goze para mim, querida. — Ela me fala no ouvido, com voz áspera, dura e selvagem, eu explodo enquanto bombeia rapidamente dentro de mim.

— Obrigada, porra — ela sussurra e empurra forte uma vez mais e geme ao chegar ao clímax apertando-se contra mim. Logo fica imóvel, com o corpo rígido.

Ela desaba sobre mim. Sinto o seu peso me esmagando contra o colchão. Passo minhas mãos atadas ao redor de seu pescoço e o abraço como posso. Eu sei, neste momento, que faria qualquer coisa por esta mulher. Sou dela. A maravilha que está me ensinando é muito mais do que jamais teria podido imaginar. E ela quer levá-la mais, muito mais, para um lugar que eu não posso, na minha inocência, nem sequer imaginar. Oh… o que devo fazer?

Apoia-se nos cotovelos, e seus intensos olhos castanhos me olham fixamente.

— Vê o bom que nós somos juntos? — ela murmura. — Se você se entregar para mim, será muito melhor. Confie em mim, Lauren. Posso transportar você a lugares que nem sequer sabe que existem.

Suas palavras ecoam em meus pensamentos. Encosta o seu nariz no meu. Ainda não me recuperei da minha insólita reação física e olho para ela com a mente em branco, procurando algum pensamento coerente.

De repente, ouvimos vozes no salão, do lado de fora da porta do quarto. Demoro um momento para processar o que estou ouvindo.

— Se ainda está na cama, tem que estar doente. Ele=a nunca está na cama a estas horas. Camila nunca se levanta tarde.

— Senhora Cabello, por favor.

— Taylor, não pode me impedir de ver minha filha.

— Senhora Cabello, ela não está sozinha.

— O que quer dizer com não está sozinha?

— Está com alguém.

— Oh… — Até eu posso ouvir a descrença em sua voz.

Camila pisca rapidamente, olhando para mim, com olhos arregalados, com horror humorado.

— Merda! É minha mama.


Notas Finais


Se tiver algum erro por favor deixem nos comentários até mais bye ;P


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...