História 50 tons de punição - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza
Tags Continuação, Fifty Shades, Romance
Visualizações 113
Palavras 2.842
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


No último capítulo teve mais comentários que eu esperava, obrigado por lerem, por comentarem, por me ajudar!
Vamos para de drama e ler um pouquinho, bjs
Me perdoeeeeem, ficou enorme

Capítulo 13 - A luta pela segunda chance


O som do piano me trás lembranças de quando eu morava com Kate, o maior dos meus problemas era a conta de água. Mas por outro lado, eu não tinha vida, eu só pude viver a felicidade ao lado de Christian, mesmo com tantas dificuldades, não posso simplesmente esquecer tudo. Não faz nem um ano que nos conhecemos e me parece que já se foi uma vida.

Já são seis da manhã, acho melhor me levantar, pois eu quero ir repor meus dias de trabalho. Ando meio cambaleando até o banheiro, eu estou com muito sono, mas tenho que ir trabalhar do mesmo jeito. Visto um vestido cereja e calço sandálias preta. 

Encaro a mulher no espelho, eu pareço um fantasma, tão pálida e com enormes olheiras. 

Sra. Jones fez panquecas para o café da manhã, meu apetite se foi pela madrugada

-"Olá Gail, cadê o Alff" pergunto, dou um sorriso para ela. Eu gosto tanto da Gail, ela me passa confiança. 

-"Lough o levou para passear, você vai trabalhar hoje Ana?" Murmuro Gail 

-"sim, eu vou trabalhar" respondo.  Ela me olha por algum tempo, como se algo não estivesse bem, mas não esta mesmo.

-"está tudo bem?" Susurra me dando sua mão, eu pego e aperto como que tranquilizando ela.

-"sim" eu tento que minha voz pareça convincente, mas eu falho miseravelmente, e apenas um susurro sai da minha boca

Eu sorrio para reforçar meu argumento, não posso parecer triste ou devastada como estou.

Christian aparece de seu escritório assim que eu pego minha bolsa, puta merda, ele está lindo em seu um terno preto e gravata cinza, minha favorita.

-"oi" susurra ele, quebrando nosso silêncio desconfortável

-"oi" murmuro. Por que essa conversa parece ser mais entre dois desconhecidos do que de um casal 

Ele caminha até mim e sou pega de surpresa por um abraço, passando seus braços em volta de mim, segurando minha cabeça em seu peito. Posso sentir sua respiração calma. 

Ficamos assim por um bom tempo, até que eu levanto minha cabeça e o beijo, puxando seus lábios, Christian solta um gemido baixinho do fundo da sua garganta. Ponho minhas mãos em seu cabelo, prolongado nosso beijo, nossas línguas se encontram fazem uma dança sensual, somos quase um só.

Será que estamos bem? Mesmo depois de tudo, ele se arrepende?  Bem, se arrepender não muda o fato dele ter errado. Eu preciso de um tempo, mesmo depois do que o Christian disse ontem, eu não sou a errante da história, e não vou deixar ele fazer com que eu me sinta assim.

Me separo dele, o empurrando para longe de mim, ele me olha por alguns segundos, esperando uma resposta para o meu impulso

-"Ana" susurra olhando para mim

-"eu tenho que pensar, em tudo. Não é fácil para mim perdoar como é fácil para você pedir perdão.  Eu ainda não sei o que pensar sobre o que você fez e o que você disse" digo em tom firme,  a convivência com ele me fez confiante em mim mesma.

-"você tem todos os motivos para me deixar, mas eu peço que você tenha esperança em mim. Apenas me dê uma chance Ana, eu não quero te perder, mas se realmente você for mais feliz indo embora, é melhor você ir." Diz ele passando a mão pelos cabelos em exasperação

-"eu ainda estou aqui, e não quero ir embora. Mas nós temos que conversar, podemos fazer isso quando eu voltar do trabalho" murmuro e caminho em sua direção, lhe dou um beijo casto nos lábios, mas ele não faz nenhum movimento para retribuir o beijo.

-" Vamos, você vai chegar atrasada" murmura 

-"não vai tentar me impedir de trabalhar? " 

-"não, mas Lough e Martty estarão por perto a cada segundo"

Eu reviro meus olhos e giro nos meus calcanhares antes de ver sua reação.

Entramos apenas nós dois no elevador, eu sempre caio em tentação quando estou só com Christian em um elevador. Christian pega minha mão e passa o polegar pelos meus dedos, essa ação tem um efeito direto na minha virilha, eu mexo os quadris e aperto minhas coxas uma na outra. Ele percebe meu desconforto e tenta abafar o sorriso. Estou prestes a pular em cima dele e saciar toda a fome que eu sinto do seu toque, da sua boca. As portas se abrem novamente, John entra de cabeça baixa, mas sorri quando me vê

-"oi Ana" diz com intusiasmo, maldita hora em que eu pedi para ele me chamar assim

-"oi" susurro com a sombra de um sorriso no rosto, mas já que Christian está aqui eu não me sinto intimidada. 

-"sr. Grey" saúda ao Christian, e oferece sua mão em sinal de educação. Christian aperta sua mão de forma respeitosa.

O percurso todo foi silencioso, eu aperto a mão de Christian, eu amo sentir seu toque, por mais que só estejamos de mãos dadas.

Chego na SIP por volta de oito horas, não é tarde. Passo pela recepção e todos me olham com espanto, surpresos pela minha repentina volta ao trabalho. 

-"Oi Hanna, conseguiu se virar sem mim?" Digo calorosamente quando avisto ela, Hanna me abraça com fervor e me dá um beijo na bochecha, eu gosto muito dela

-"Ana, por que nos deixou na mão?" Pergunta olhando para o meu corpo

-"você está linda" murmura

-"obrigado, entre no meu escritório e vamos correr atrás desse prejuízo todo" murmuro, então entramos na minha sala, que está exatamente como eu deixei

-"me diga Ana, por que simplesmente parou de vir trabalhar?" Pergunta novamente

-"eu sei que parece que eu fiz isso por um capricho meu, mas não foi, eu tive sérios problemas pessoais. Bem, o erro foi meu por não comunicar, mas eu pretendia voltar logo."

-"entendo. Eu vou trazer a sua agenda" murmura

O dia passou lentamente, eu li três manuscritos, coloquei em ordem minha agenda e participei de duas reuniões. Ainda tenho muita coisa para fazer, mas já é hora do almoço. Verifico meus emails, tem vários. Atualizo todos, meu blackberry vibra com uma mensagem, é do Christian

"POR FAVOR, NÃO ESQUEÇA DE ALMOÇAR"

Tinha que ser esse controlador me dando ordens, eu ainda não pensei em nada para dizer, eu não sei se estou com raiva ou magoada. Ainda não tive tempo para pensar sobre isso. Ponho minhas mãos no meu rosto, tentando pensar na discussão que vamos ter hoje, e nas consequências. Alguém bate na porta e eu imediatamente me endireito na cadeira

-"entre" digo tomando uma respiração forte

-"Ana, tem um minuto?" É o Roach

-"claro, posso ajudar?"

-"eu vim falar sobre suas faltas no trabalho" 

-"oh, sim, sente por favor" digo e aponto com a mão para a cadeira, ele se senta e olha para mim esperando eu me explicar

-"bom, eu tive sérios problemas pessoais,perdão por não ter ligado, mas eu já estou colocando tudo em ordem" digo e dou um sorriso tranquilizador

-"Ana, não se trata de colocar tudo em ordem, e sim de falta de compromisso e responsabilidade. Eu não quero que pense que eu sou chato, mas se fosse outra pessoa, eu já teria demitido. Mas como você é....bem...mulher do meu chef, eu não posso dizer nada além de uma repreensão." Murmura ele 

Eu permaneço calada, ele iria me demitir, só não vai fazer isso pela porra da intromissão do Christian no meu trabalho. Respira fundo Ana, respira fundo

-"perdão sr. Roach, mas você tem pleno direito de me demitir, afinal, o meu casamento não interfere na minha vida profissional, eu sei que fui irresponsável, e  estou  disposta a sofrer as consequências" digo olhando em seus olhos, ele sorri

-"bom Ana, eu sei como você é competente, e não vou achar alguém como você tão cedo. Então vamos esquecer isso, e que não se repita, pois ai sim eu serei obrigado a tomar atitudes drásticas" fala e se levanta 

-"obrigado, eu prometo ser mais responsável" mal consigo falar sem sorrir, estou feliz por ainda ter um emprego, mas eu teria um emprego em qualquer lugar, afinal o meu sobrenome diz que eu sou mulher de um cara fodidamente influente

-"ok Ana, tudo bem" murmura e então sai, logo atrás dele entra Hanna com o meu almoço

Termino de fazer os relatórios da última semana e agora vou para uma reunião que graças aos céus Hanna conseguiu remarcar para hoje. Olho para o meu computador e blackberry, não há nada de Christian, isso me deixou meio decepcionada, mas é melhor assim.

A reunião foi boa, eu consegui um bom patrocínio para os novos escritores e também ótimas idéias para o nosso site online. Arrumo minhas coisas na bolsa e pego duas pastas com trabalhos que posso fazer em casa. 

Hanna entra no meu escritório  e me entrega um papel com as reuniões de amanhã, uma delas será na Grey House, puta que pariu

-"tudo bem Ana?" Pergunta ao ver minha surpresa 

-"o que? Sim, estou bem" respondo sorrindo

-"mais alguma coisa?"

-"não Hanna, você pode ir"

-"adeus Ana"

-" até amanhã"

Me sento na minha cadeira quando Hanna fecha a porta, estou cansada de ficar em pé nas reuniões, de escrever relatórios, de ler manuscritos e de responder toneladas de emails. Recebo outra mensagem de Christian

"ESTOU TE ESPERANDO AQUI EM BAIXO, QUE HORAS VOCÊ TERMINA?"

"EU JÁ ESTOU DESCENDO"

Coloco meu blackberry na bolsa e pego as pasta. Desço pelo elevador e lá em baixo estão Lough e Martty como sempre ficam. Caminho até o Audi suv, Martty abre a porta para mim e eu entro.

Lá está o meu deus grego vestindo seu terno, sem gravata e com os dois primeiros botões da camisa abertos. Ele parece divino, eu olho para seus olhos cinza, e coro. Por que diabos eu estou envergonhada dele?

-"oi" susurra

-"oi" digo ao mesmo tom

-"como foi seu dia?" Pergunta ele

-"eu quase fui demitida, mas isso só não aconteceu porque eu sou casada com o meu chef" murmuro em desaprovação

-"sorte a dele" diz ele e eu olho imediatamente para seus brilhantes olhos 

Encosto a minha cabeça no vidro da janela e adormeço, pois não dormi quase nada na noite anterior

-"hey, acorda,ou você quer que eu te leve?" Acordo com a voz suave de Christian, eu mal posso pensar em responder e ele me pega nos braços, me levando até o elevador. Eu não quero ser carregada como uma criança, mas hoje é como se eu precisasse.

Acabo dormindo novamente no colo de Christian e acordo na cama. Como vim parar aqui?, ah sim, ele me colocou para dormir, também retirou de mim a minha sandália e meu vestido, agora eu estou apenas com uma calcinha e uma de suas blusas.

Me levanto com dificuldade, sim, parece que minhas pernas estão pesadas. Vou até o banheiro e lavo meu rosto, hum, eu estou mal, muito pálida, pareço doente. 

Quando saio do banheiro eu vejo Christian de cueca boxer no quarto, eu tomo um susto com a cena maravilhosa que eu vejo. Apesar de já ter visto ele assim várias vezes, eu ainda me surpreendo. 

-"Ana" murmura espantado, uou ele também levou se assustou comigo

-"hum" murmuro e vou até o closet pegar uma roupa para poder trabalhar naqueles papéis que eu trouxe, e também para fugir da senhor sexy como o inferno

-"você disse de manhã que queria conversar" diz ele e isso me surpreende, pois ele sempre foge de conversas como essa

-"por que você não está fugindo do assunto?" Falo do closet enquanto separo um short jeans e uma blusa preta, casual

-"porque eu quero resolver meus problemas com você, eu odeio quando nós brigamos" murmura e eu saio do closet já vestida, pronta para a longa conversa. 

Me sento na cama e ele  se senta apenas de cueca boxer na poltrona que está próxima à mim

-"Eu quero que você me diga exatamente o que você sente, com relação à tudo. Eu preciso saber no que eu devo melhorar" fala Christian

-"primeiro, eu também preciso melhorar, todos precisamos, e vamos fazer isso na medida em que o tempo for passando" esclareço e ele sorri um sorriso tímido de sim-eu-só-tenho-28-anos.

-"e com relação aos meus sentimentos, eu estou confusa, não sei se estou brava ou magoada, mas sei que me sinto desrespeitada. Tenta se colocar no meu lugar, e se fosse eu quem já tivesse fodido com algum qualquer e depois de um tempo me reencontrar com ele. Pior, e se eu aceitasse ele transitando pela nossa casa? Você iria aceitar ele no mesmo ambiente que eu, em um ambiente em que já tranzamos várias vezes e do qual eu tenho memórias?" Grito e as lágrimas ameaçam cair

Isso estava entalado na minha garganta, e parece pior quando dito. 

-"não Ana, eu não suportaria essa situação. Eu sei que em parte foi um erro meu...." 

-"em parte? Jura?" Eu o interrompo e sorrio em deboche

-" eu sei que a culpa foi toda minha. Eu já cortei qualquer laço que nós poderíamos ter com a Charlotte, mas não posso mudar nada no meu passado, tudo o que aconteceu, já foi e é irremediável" murmura enquanto passa a mão pelo cabelo, buscando inspiração divina

-"eu sei Christian, eu não te culpo pelo seu passado ou pelas suas submissas, e nem posso te culpar  porque elas são lindas" digo isso para mim mesma, em voz alta, mas isso é como se fosse dito à mim.

-"então o seu problema é ciúmes?" Pergunta ele se inclinando para frente

-"também" susurro envergonhada e sinto meu rosto corando

-"Ana,  eu amo você, não tenho qualquer interesse em outra mulher."

-"eu sei, mas é que eu não posso te dar o que um dia elas puderam" murmuro e meu rosto fica mais vermelho. Droga, isso não era para ser sobre mim

-"você me dá o que nenhuma delas nunca me deu, você me dá e me faz sentir amor, isso é um sentimento exclusivo seu" murmura e então se ajoelha aos meus pés, olhando fixamente nos meu olhos, de cinza possessivo para o azul envergonhado. 

-"por que você trouxe ela aqui?" Pergunto antes que eu caia em tentação ao vê-lo apenas de cueca com seu corpo lindo escultural 

-"eu não trouxe, ela veio a pedido do marido, sem avisar. Eles me ofereceram uma ótima proposta à SIP e eu estava analisando" responde imediatamente

Eu permaneço calada, olho para os meus dedos entrelaçados uns nos outros.

-"eu estou perdoado?" Questiona com um sorriso contagiante no rosto. 

Eu mordo meu lábio propositalmente e ele me joga na cama subindo em cima de mim

-"responda Anastácia" ordena 

-"sim"

Christian beija meu pescoço e passa a mão pela minha bunda, eu abro minhas pernas e ele se encaixa entre as minhas coxas. Sinto sua ereção no meu quadril, sinto sua boca mordiscando minha orelha. Um delicioso arrepio percorre a minha espinha, eu estava com tanta saudade da nossa bolha privada, onde só tem espaço para nós dois e o Alff.

-"levante os braços" o Christian mandão está de volta e tomou o lugar do Christian sentimental, como ele é bipolar

Eu faço como ele disse e levanto os braços para ele retirar minha blusa. Suas mãos estão agora nos meus seios, com toques macios e apertando lentamente. Nossas bocas se encontram, minha língua clamando pela sua, nossas línguas se enrolam uma na outra, como é bom sentir o sabor da boca dele, tem um sabor de torta de maçã e vinho.

Em um rápido movimento ele me vira e dá um tapa forte na minha bunda, eu grito e sorrio ao mesmo tempo. Passando sua mão pelas minhas costas e retirando meu sutiã, ele beija meus ombros, minha nuca, minhas costas

-"você tem um cheiro celestial" murmura enquanto me vira de frente.

Sua língua tortura meu mamilo e com a mão direita ele puxa meu outro mamilo, me encontro gemendo alto, até que meus dois mamilos estão duros. Christian desabotoa meu short, que escorrega pelas minhas pernas. Eu me levanto e beijo ele enquanto desabotoou sua camisa e sua calça. Christian me joga novamente contra o colchão e desliza  sua mão dentro da minha calcinha, colocando dois dedos dentro de mim, ele faz movimentos circulares com deus dedos dentro de mim e eu mexo os quadris em resposta e gemo alto. Seu toque me faz goza, é libertador. Christian retira de mim seus dedos e os põe na boca, fechando seus olhos como se o sabor fosse bom, e deve ser.

-"por favor, Christian, por favor" imploro por ele

-"o que você quer?"

-"você, dentro de mim"

Vejo um enorme sorriso de satisfação dele, e eu um movimento rápido, ele se afunda em mim, colocando e retirando lentamente de mim, ele me leva ao céu cada vez que se afunda dentro do meu corpo. Sua reação é a mesma que a minha, ele fecha os olhos e põe sua boca no meu pescoço beijando, inalando meu cheiro. Ele goza dentro de mim, beijando meu pescoço e chamado meu nome

-"eu amo você" dizemos os dois em uníssono, definitivamente, nós somos um só. 

 


Notas Finais


Ficou grande pra caralho( desculpem a palavra, mas é verdade) me perdoem, eu estava inspirada!
Bjs na bunda


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...