História 50 tons de punição - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza
Tags Continuação, Fifty Shades, Romance
Visualizações 71
Palavras 1.847
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Estou postando um capítulo por dia (madrugada, na realidade)
Espero que estejam gostando. Como eu disse, esse capítulo nos reserva emoções!

Capítulo 15 - A vadia ataca novamente


A reunião ocorre bem, Christian acabou aprovando meu projeto, mas eu acho que ele realmente gostou. 

Entro no carro e volto para a SIP, para voltar a trabalhar, por sorte não tenho muito mais o que fazer hoje.

-"Hanna, que dia eu terei uma consulta com a dra. Greene?" Pergunto a Hanna enquanto entramos na SIP novamente. 

-"esta semana, eu acho."

Entro na minha sala e vejo alguns trabalhos de escritores novos, mas infelizmente não consigo me concentrar, penso em Christian o tempo todo, no que fizemos no escritório hoje, foi tão errado, mas tão bom ao mesmo tempo. Balanço minha cabeça para levar esses pensamentos para longe, voltando minha atenção ao que tenho de fazer.

No final do dia, eu escolho apenas quatro manuscritos, ainda tenho que mostrar para Christian, mas sei que ele vai aprovar. Meu BlackBerry vibra com uma mensagem, é do Christian!

"VOU TER QUE FICAR NO TRABALHO ATÉ MAIS TARDE. TAYLOR ESTÁ INDO BUSCAR VOCÊ"

"OK"

"ATÉ MAIS BABY"

"ADEUS CHRISTIAN"

Arrumo meus papéis em cima da mesa e ponho meu celular na bolsa.

-"Hanna" chamo da minha sala

Ela surge de sua mesa e abre a porta do meu escritório

-"oi Ana" responde

-"já pode ir, até amanhã" murmuro

-"obrigado"

Saio da minha sala e desço no elevador junto com Hanna, as portas se abrem e Martty está nos esperando como sempre. 

Entro no Escala, esse lugar parece vazio, Gail não está aqui, ela teve problemas familiares. Apenas Martty, Lough e Ryan estão no apartamento, mas a presença deles não me faz diferença. 

Vou até a cozinha pegar uma água para beber, não percebi que estava tão cansada! 

Pego minha água e vou direto para o quarto, quando entro vejo uma mulher sentada na poltrona onde Christian costuma me ver dormindo

.É a sra. Robinson, puta que pariu,sinto todo sangue drenar do meu rosto,  o que ela está fazendo aqui, e como conseguiu entrar?

-"Ana, eu tomei a liberdade de esperar por você aqui" murmura enquanto leva à boca um copo com whisky

-"Elena" susurro sem conseguir nem mover meus pés do lugar

-"eu só quero conversar, e nós duas sabemos que Christian não deixaria você sozinha comigo"

Seu cinismo me irrita, eu dou alguns passos a frente e me sento na cama, de modo que estamos frente à frente. Ponho meu copo com água no chão. 

-"o que você quer e como conseguiu entrar aqui?"

-"eu estive rastreando seu celular por algumas semanas e com isso, eu soube que estaria sozinha hoje"

-"como passou pela segurança sem ser vista, e todas as câmeras?"

-"eu sou mais esperta do que pensa"

-"se não for realmente importante o que você tem à dizer, vai embora" grito com ela, meu sangue ferve nas minhas veias

-"acalme-se, não sou a inimiga, e não se preocupe, eu não tenho recentimentos do drink que você jogou educadamente no meu rosto" diz ela em desdém, como eu quero dar um tapa na cara dela nesse momento

-"Elena, por favor. Saia da minha casa e saia das nossas vidas. Você não faz parte da vida do Christian, ele não tem mais nada à ver com você" grito novamente, desta vez mais brava

-"ele não tem mais nada à ver comigo? Isso foi uma piada? Eu e o Christian temos um passado juntos, uma história. Eu sempre soube da procedência de cada uma das suas submissas, inclusive você. Até muito pouco tempo nós éramos confidentes, como pode dizer que eu não tenho nada a ver com ele?" Pergunta e logo depois começa a sorrir como a vadia que é

Não posso mais aguentar, me levanto da cama e tento lhe dar um tapa no rosto, mas ela segura a minha mão, me impedindo de à atingir. 

Ela se levanta e me joga em cima da cama

-"você não passa de uma interesseira, todos sabem que você só é diretora da SIP porque o Christian quer que seja, não por ser competente. E também sabem que logo você vai engravidar dele, apenas para garantir um futuro milionário. Se fosse amor você não iria aceitar todo esse luxo e prazer que o dinheiro dele te dá. Não se faça de inocente Anastácia, porque eu sei o seu jogo golpista, mas antes de você arrancar tudo o que ele tem, eu acabo com você!" Grita e então joga o copo no chão, que se despedaça em milhares de cacos.

Eu ouço o barulho do seu salto alto pisando no chão para fora do quarto, não posso conter minhas lágrimas, quando eu penso que acaba um problema, vem outro para  me atropelar!

Ligo o chuveiro e entro em baixo da água quente, meu choro volta, começo a soluçar e chorar. Várias coisas passam pela minha cabeça, menos deixar Christian, eu jamais poderia ir embora, eu o amo demais para isso.

Saio do banho e me deito nua na cama, entro em baixo dos lençóis brancos e me agarro no travesseiro de Christian, querendo que ele estivesse aqui comigo. Se ele estivesse, nada disso teria acontecido. 

Eu durmo enrolada em seu travesseiro, sentindo seu aroma requintado.

Não, Não, Não. Eu estou sozinha e grávida, num lugar escuro e vazio. Eu conheço este lugar, é o meu coração. NÃO, NÃO, NÃO, por que ele me deixou?  Vejo Charlotte e Christian andando de mãos dadas, os dois tem a mesma aliança no dedo, eles estão casados. Do outro lado eu vejo a Elena sorrindo e dando gargalhadas. Eu sinto sangue descer pelas minhas pernas, não, não, eu estou perdendo meu filho, o filho de Christian...

-"Ana, acorda Ana" ouço Christian chamando desesperado por mim, me balançando em seus braços

-"você me deixou" susurro ainda sonolenta e com o rosto banhado em lágrimas

-"não, eu não deixei e nunca vou deixar. Eu estou aqui baby, eu estou bem aqui" murmura ele e então beija meu rosto molhado pelas lágrimas

-"oh Christian" digo abraçando ele, realmente o apertando contra mim, sentindo um alívio me percorrer

Eu subo em seu colo e me enrolo em cima dele, sinto-me protegida em seu colo, nos seus braços. 

Ele me segura e passa os dedos pelo meu cabelo, dando suaves beijos no topo da minha cabeça.  Eu permaneço assim por muito tempo, chorando contra seu peito, molhando sua camisa. Ao mesmo tempo eu posso sentir seu cheiro de sabonete importado,  cheiro de corpo limpo e de Christian Grey.

-"me diga com o que você sonhou" susurra ainda me abraçando forte e passando a mão pelo meu cabelo

-"eu estava grávida e sozinha. Você estava com a Charlotte...casados, a Elena sorria da minha desgraça, de repente eu começava a chorar e sangrar perdendo nosso filho" susurro. Meu choro aumenta e o soluço também. 

-"oh baby, foi só um sonho ruim" Christian fala e então me coloca deitada na cama e se deita atrás de mim, me puxando para perto dele.

-"está com fome?" Pergunta enquanto me abraça e beija meu cabelo. 

-"não quero que você saia de perto de mim"

-"ok, mas amanhã você tem que comer"

Dormimos assim, enrolados um no outro, Christian dormiu de terno e eu nua, me impressiono por ele não ter saído de perto de mim nem para trocar de roupa. Acordo de madrugada, ainda são duas horas. Sinto meu corpo descansado, apesar de ainda ser tão cedo, não sinto sono algum.

Me espreguiço e Christian abre os olhos rapidamente com o meu gesto

-"o que foi Ana?" Pergunta preocupado

-"não estou com sono" respondo e passo minha mão pelo seu rosto. 

-"você é muito linda" susurra me puxando mais para perto, eu coro.

-"não fique corada Ana, é verdade. A prova disso são os vários babacas que também querem sua calcinha" diz ele e meu rosto fica ainda mais vermelho

-"também?" Pergunto sem entender, ou fingindo não entender

-"claro que eu também à quero" responde com um maldito sorriso lindo p'ra caralho

-"mas você à tem" susurro ainda com mais vergonha do que nunca

-"bom" murmura deitando sua cabeça no meu peito, eu passo minha mão no seu cabelo macio e sedoso, fazendo carícias e ao mesmo tempo me distraindo da visita de Elena

-"o que foi?" Questiona Christian

-"nada"

-"não é nada, me diga o que houve Anastácia" pede em um tom firme

Porra eu nunca posso esconder nada dele!

-"Elena esteve aqui hoje" minha voz sai como susurro

-"Elena?" Posso perceber seu espanto

Ele se inclina para me ouvir melhor, olhando nos meus olhos, buscando algo, mas o que?

-"sim, ela me entrou sem que ninguém percebesse e sabia que você não estava aqui"

-"o que ela disse?"

-"o que todos pensam"

-"sobre você estar apenas atrás do meu dinheiro, que é uma interesseira?" Murmura com naturalidade, mas também desdém e irritação

-"é o que você pensa?" Tenho que perguntar. Ele balança a cabeça e se irrita com a mimha pergunta

-"desde que você caiu no meu escritório, eu soube que não, eu soube que você seria diferente, em todos os aspectos. Esse nosso tempo juntos só me deu certeza que você me ama, e que eu amo você. Não pense sobre o que os outros pensam ou deixam de pensar" 

-"mas eu não posso te oferecer nada, apenas te dei dívidas da faculdade e prejuízo financeiro" 

-"primeiramente, tudo que é meu também é seu, então suas dívidas se tornaram minhas no sim. Depois, eu amo poder colocar o mundo aos seus pés, poder dividir isso com você. E você me deu mais do que o dinheiro pode comprar, você me ensinou a amar e a ser amado, sei que você me ama, e isso basta"

-"você não faz idéia do quanto eu te amo Christian"

Nos beijamos e ele sai da cama

-"onde você vai?" Pergunto confusa

-"eu preciso saber onde minha equipe de segurança errou e como Elena entrou aqui. Durma amor" susurra e então me beija novamente.

Ele retira sua gravata e à põe na poltrona, também retira seus sapatos e os joga no chão, eu amo ver os pés de Christian descalços.

O dia amanhece, as luzes inundando o quarto. Olho para o relógio, não vou chegar atrasada, que bom. Hum, Christian não está do meu lado, não sei se ele dormiu depois de ir brigar com seus seguranças. 

Me arrumo em meia hora, calço um salto alto preto e visto uma saia rodada preta e blusa justa azul.

Desço para tomar café, estou faminta! Pego meu blackberry, tem uma chamada perdida da Hanna.

-"oi Hanna, bom dia, você me ligou mais cedo, algum problema?" Pergunto levando um pedaço de omelete até a boca

-"Ana, sem problemas, apenas a Kate me ligou para dizer que a prova dos vestidos de madrinha serão hoje às três da tarde"

-"oh, sim, pode desmarcar meus compromissos para essa tarde?"

-"claro Ana, era só isso, adeus"

-"até mais tarde"

É hoje que vou experimentar o vestido de madrinha, me lembro do meu casamento, foi com certeza, o dia mais feliz da minha vida, a lua de mel foi perfeita, tudo até hoje foi ótimo, tivemos problemas, mas eu não trocaria ele por nada no mundo.

 

 


Notas Finais


Comentem, compartilhem e blá, blá, blá
O que acharam? Teve emoção o suficiente? Não teve sexo mais....
Bjs na bunda meus♥
!!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...