História A. - Interativa. - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Ever After High
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Drama, Ever After High, Interativa
Exibições 36
Palavras 2.497
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Cap. 08.


“ Primeiramente, ele se perdeu em meio a uma densa floresta, com isso logo achou o jardim da rosa vermelha. Ele foi delicado e carismático agradando a bela dama que sorriu gentilmente e lhe presenteou com uma bússola mágica.

-isto vai te mostrar o caminho da escuridão a luz. –com isso ela sumiu e ninguém jamais a encontrou novamente.

Em seguida, o camponês se encaminhou a um vilarejo próximo, porem ocorreu um imprevisto e ele teve de mudar seu curso, assim achando a alta torre da rosa preta. Para ela ágil com cordialidade e cavalheirismo, atendendo todos os seus caprichos, ao passar de três dias a jovem dama lhe disse para seguir adiante e ainda o presenteou com uma espada de prata forjada exclusivamente por ela.

-isto e para que defenda dos fracos e se defenda dos maus. –com isso ela se isolou no alto da torre, e o caminho que levava até ela, simplesmente desapareceu.

Após uma longa caminhada, o jovem rapaz chegou ao grande castelo da rosa branca. Ele foi recebido de forma bruta e fria, quando encontrou a princesa tentou agradá-la com palavras, pôr o tempo havia a feita gananciosa e mandona. O rapaz foi jogado nas masmorras e ali ficou durante três anos.

Um dia ele conseguiu fugir e se opôs contra ditadura da princesa, (...).

Eles duelarão, e quase no seu ultimo suspiro, a garota se virou para ele com deboche.

-sabe, há muito tempo existia um rei, este Rei, era bondoso com todos por isso tinha a lealdade de todos... Este rei... Era um mentiroso... Então... –um sorriso surgiu em seus lábios. ”

~ # ~

Eric estava sentado em um lugar mais afastado e escondido, ali ele terminava de ler o livro, mais antes que conseguisse virar para a ultima pagina o livro foi chutado para longe de sua mão, ele se assustou e então olhou para o dono do ato e viu Edmundo o encarando serio.

-perdeu o juízo, quer morrer?!-perguntou nervoso se abaixando ao seu lado e segurando seus ombros.

-o que... Me solta!!-Eric se remexeu mais Edmundo não deixou se afastar.

-ei, ei, para com isso, olha só pra você. –ele retirou o cachecol dele vendo já o pescoço tomado pelo desenho/Tatuagem de galhos negros cheios de espinhos. –nossa, ele se alastrou rápido... –Edmundo o encarou espantado, Eric o olhou surpreso. –Eric isso esta sugando a sua energia, esta te manipulando, não é? Deixa-me te ajudar. –pediu com a voz mais calma e com um olhar preocupado.

-você... Como pode estar preocupado comigo?-um olhar mais sádico surgiu em seu rosto e então um sorriso sarcástico. –você não liga para nada... –disse frio, Edmundo sentiu seu coração se apertar. –você, vai seguir seu destino... E então vai matar uma pessoa, não é?

~#~

“-... então Eu o Matei!! “

~#~

-não... –Edmundo o olhou de forma seria, parecia conter algo dentro de si.

-não minta, este e o seu destino, você mesmo não querendo, é um assassino.

-eu não sou como ela. –ele apertou mais forte os ombros de Eric e suas mãos congelaram.

-é sim!! Você é como ela!! Isso não vai mudar!-gritou.

“Somos iguais, é isso NÃO vai mudar!” A lembrança de sua mãe falando aquilo fez Edmundo agir por impulso e empurrar Eric com força com o chão.

As costas dele doíam muito, ele resmungou algo, mais antes que pudesse se levantar Edmundo se colocou em cima dele o impedido de se levar e então segurou seus pulsos com força, logo o encarou cara a cara, e então Eric pode observar aqueles olhos violetas raivosos e sedentos por sangue.

-EU NÃO SOU COMO ELA!! Eu... Não sou um assassino... Eu... –Edmundo começou a chorar.

Eric o olhava surpreso porem não pronunciou nem uma palavra, logo sentiu as lagrimas do rapaz tocar se rosto.

-nem todos gostam do destino que tem... Eu não escolhi o destino que tenho... Nunca pedi para nascer.

Eles ficaram em silencio por um tempo, Eric encarava o rapaz com tristeza, talvez não houvesse nada a ser pronunciado mesmos... Mais ele queria tanto dizer algo bom, algo que fizesse Edmundo se sentir melhor, porem achava que se abrisse a boca poderia sair palavras ruins demais a ponto de realmente tirar o rapaz do serio.

Edmundo o soltou e se afastou dele colocando-se de pé e indo recolher o livro, Eric o observou toda a ação do rapaz, o mesmo não pronunciou nem uma palavra, mais o ajudou a se por de pé saio o puxando pela mão. Durante todo o caminho o silencio se fez presente, Edmundo deixou Eric sobe os cuidados de Carmen e foi embora.

-um... Arranque a camisa. –disse Carmen firme e direta.

-oi?-Eric a olhou surpreso.

. . .

A noite já havia chegado, todos já se recolhiam, menos Anne e Sky.

-okay, a onde foi que você viu a Luisinha?-Sky perguntou andando cautelosa, estava com medo de ser pega quebrando uma regra, mais estava tão curiosa quanto à amiga.

-por aqui... –ela seguiu pelo mesmo corredor da noite anterior, ambas pararam no mesmo lugar que ela viu a luz. –foi aqui.

-não tem nada aqui. –falou Sky olhando em volta.

-hm... será que não vamos achá-la mais?-perguntou Anne mais para si do que para a colega, logo uma pequena chama surgiu no chão se enrolando e se transformando em uma esfera.

As duas se mantiveram em silencio, a esfera voou um pouco em volta delas e então saio voando, as duas garotas a seguiram ate o lado de fora, desta vez olharam com cautela antes de sair. Elas seguiram a esfera que iluminava o caminho para elas, Anne estava entusiasmada para saber a onde ela iria parar, já Sky desconfiava um pouco tomando muito cuidado a onde pisava e alisando tudo de forma minuciosamente.

-para onde esta coisa ta levando a gente?-perguntou Sky desconfiada.

-eu não sei. –disse Anne sem tirar os olhos da criatura, logo elas chegaram a um monte de pedras, a esfera atravesso o paredão de pedras deixando as duas para trás.

-maravilha. –resmungou Sky chateada.

-hm... que estranho, será que a algo do outro lado?-se perguntou analisando as enorme s e pesadas pedras.

-ola...?-ouviram uma voz ao longe.

-que foi isso?-perguntou Sky assustada.

-veio dali. –disse Anne olhando as pedras.

-tem alguém ai do outro lado? Por favor me ajude... –pediu a voz, as duas se entre olharam e então voltaram a encarar as pedras.

-AHHH!!-Gritam juntas.

-okay, okay, não entra em pânico... Vamos chamar ajuda!-disse Anne e Sky em uni som saindo correndo para a escola.

-quem a gente chama?-perguntou Sky nervosa e preocupada.

-hm... –Anne pensou.

. . .

-CARALHO TOYA ABRE A PORRA DAA PORTA!!-gritava Anne enquanto espancava a porta da garota junto de Sky.

-hm... –a pequena abriu a porta, ainda estava com seu pijama e toda desarrumada, Nara as observava da cama mais logo depois de baterem na porta voltou a se deitar.

-vem!!-ela arrastaram a pequenas com elas.

. . .

-caramba, moço como você foi parar ai dentro?-perguntou a garota já retirando as pedras usando sua telecinese.

-nem eu mesmo sei. –ele disse, sua voz já podia ser ouvida melhor, assim que uma boa parte das pedras foi removida o restante caio sozinhas deixando que ele saísse. –ah, obrigado Toya. –ele disse agradecido.

-vocês se conhecem?-perguntou Anne o olhando surpresa.

-sim, o pai dele faz parte da historia da minha mãe... –disse a menina após um bocejo. –meninas este é Gael, migo esta são Anne e Sky, agradeça a elas, pois foi graças a elas que te tirei dali.

Nome: Gael Ducit, idade: ??, filho do Viajante.

Gael tem longos cabelos loiros quase brancos, olhos verdes claros e a pele branca. Ele é alto e forte, suas orelhas são pontudas, o que já revela que ele e um elfo.

-oh, obrigado... –ele se curvou de leve para as meninas com um sorriso gentil.

-então este e o fim da luz estranha... –disse Sky desapontada, ela esperava algo mais emocionante.

-luz estranha?-ele a olhou confusa. –oh, estão falando disso. –ele mostrou a esfera de luz em sua mão.

-sim...

-bem, desculpe ter a desapontado tanto assim. -ele sorriu de leve fazendo a menina se sentir mal por ter o “ofendido”. –bem, vamos logo ira ficar mais escuro e não e bom ficar andando a noite.

-sim...

Assim que elas chegaram acabaram por se separar, cada um para seu canto.

. . .

Na manhã seguinte:

-Prontinho Eric, demorou a noite inteira, mais eu tirei a toxina de você. –disse Carmen animada, o rapaz a encarou com um sorriso tímido de agradecimento.

-Carmen... Posso fazer uma pergunta?-perguntou se sendo na marca que estava deitado. –não precisa responder...

-ei. –ela sorri. –pode fazer.

-como termina? ... Sabe, o livro. –ele a olhou cabisbaixo.

-wom, a onde você parou?-ela perguntou calma, não parecia incomodada com aquela historia ou coisa do tipo.

-na parte em que e a rosa branca revela... que matou o pai. –ele disse baixo e cruzando as pernas.

-bem...

Narração. (Ponto Carmen ~on).

 

Trovões cortaram os céus, o clima esfriou de maneira drástica, o camponês olhava a criatura de maneira surpresa. Vendo uma oportunidade A rosa Branca avançou no rapaz perfurando seu peito com sua espada, porem...

 

Ele milagrosamente se curou, graça a rosa vermelha em seu bolso estava.

 

Pronto, ele voltou ao duelo e sem que percebesse derrubou a rival no chão, quando estava pronto para cortar sua cabeça fora algo o fez parar, algo dentro dizia que aquilo era desnecessário, que se fizesse aquilo, não seria mais ele mesmo.

 

“-ANDE!! Mate me, acabe com tudo isso.”

 

A pequena e ferida rosa Branca pedia por sua morte, mais ele a recusou.

 

Com o tempo todos decretaram o Camponês a novo rei, a rosa branca foi selada no alto de uma montanha fria e sem vida a onde sofreu por toda a eternidade.

 

A rosa Preta continuou na torre solitária porem contente com as noticias que alguns pássaros lhe contavam.

 

A rosa Vermelha, bem... essa ao se sabe...

 

O reino ficou em paz, o mal teve a sua punição, e todos viveram felizes para sempre.

 

~Fim.

 

Narração. (Ponto Carmen ~off).

-nossa. –Eric a olhou surpreso. –não é um destino muito bom...

-é, mais não se preocupe nem um de nós ira seguir seu próprio destino. –disse ela sorrindo e bagunçando seus cabelos.

-pêra, o que?-ele a olhou surpreso.

-eu e meus primos queremos uma aventura, algo com muita aventura, suspense, diversão e riscos... você não gostaria de ir em uma aventura, Eric?-Ela o olhou animada.

-eu... –antes que ele pudesse responder a porta se abriu bruscamente sendo Sabrina.

-ok, ok, já cuidou o bastante dele, agora vamos. –ela diz nervosa arrastando a menina pelo cabelo.

-ei, tchau Eric... –ele apenas acenou para a menina.

. . .

-por favor, me diz que é o meu Eric e não o ser maligno?-pediu Anne brincalhona.

-não, sou apenas eu... –ele sorri logo recebendo um abraço de Sky.

-que maravilha!!-disse a menina entusiasmada.

-bem, Eric agora que esta melhor, deveria ir pedir desculpa a um certo alguém... –disse Anne o olhando seria de braços cruzados.

-fala de Edmundo?-ele a olhou surpreso.

-obvio, mais só avisando aquele lá ta extremamente mal humorado hoje então cuidado com o que vai dizer para ele. –ela diz quase sussurrando para o garoto

-ah, okay... –ele saio andando.

-será que vai ficar tudo bem?-perguntou Sky preocupado.

-claro que vai, Edmundo e apenas um vilão muito mal humorado pronto para decapitar alguém, que mal pode acontecer ao o pobre e inofensivo Eric perto dele. –ela diz irônica fazendo a outra a olhar com desgosto. –que a verdade dói?-perguntou já se retirando.

-como você é má!-disse batendo o pé.

-sou mesmo. –logo se retirou.

~

Eric caminhava m busca de Edmundo, no entanto no meio desse percurso acabou se esbarrando em uma muvuca de pessoas. No meio do circulo que a cada momento se tornava maior acontecia uma briga.

-... –Eric suspirou pronto para se afastar quando.

-VAI EDMUNDO ACABA COM ISSO!!-ouviu Sabrina mais na frente, ele rapidamente se virou e adentrou a multidão.

A visão não era das mais agradáveis, Edmundo lutava contra um outro garoto, a luta era extremamente violenta, com golpes certamente para matar o oponente ou deixá-lo inconsciente. Edmundo não estava tão ferido conto o outro que sagrava pelo corte um pouco acima na testa no braço esquerdo e nos cortes que aviam em ambos os joelhos, Edmundo sagrava apenas pelo nariz.

O rapaz que lutava com ele era quase do seu tamanho, tinha a pele parda, os olhos verdes e os cabelos castanhos escuros bagunçados.

Nome: Lucas Pirre, Idade: 16 anos, filho da Úrsula.

Edmundo deu um soco muito forte no estomago do rapaz o fazendo cair, quando foi socá-lo novamente foi impedido.

-Para!!-berrou Eric bem alto, o outro ficou imóvel no mesmo instante e o encarou surpreso com sua presença. –o que acha que esta fazendo? vai matá-lo. –disse mais calmo porem ainda nervoso.

-... –Edmundo deu as costas saindo dali rapidamente, foi aberto caminho para que ele passasse, outros alunos foram socorrer Lucas.

-espera. –Eric seguiu Edmundo mesmo um pouco receoso e com medo.

-o que você quer?!-perguntou se virando nervoso assustado o garoto.

-eu... eu iria pedir desculpas. –disse baixo surpreendendo o outro.

-por quê? Não nada a se desculpar. –disse serio.

-não e verdade... eu disse coisas horríveis para você é...

-você apenas disse verdades.

-não! Eu falei coisas da boca para fora e diferente de dizer a verdade. –ele se encolheu um pouco abraçando o próprio corpo nervoso e amedrontado, Edmundo se afastou um pouco dele.

-esta com medo. –afirmou, Eric o encarou mais não pode identificar sua expressão, era uma mistura de tristeza, decepção e raiva, tudo junto em um combo só. –tem medo de mim?

-que... isso...

-não fale comigo se for mentir para mim. –disse Edmundo com um olhar baixo e aparentemente nervoso. –tem medo de mim, por isso veio pedir desculpas, achou que eu fosse te machucar caso não o fizesse, não é?

-não. –Eric o olhou surpreso e triste.

-quer saber... apenas não fale comigo e ficamos bem... –disse se retirando.

-... –mesmo havendo muito a ser dito, Eric resolver ficar em silencio e no mesmo lugar, mais algo estava diferente entro de si ele senti... Sentiu nessecidade de seguir Edmundo, de olhar em seu olhos e dizer tudo que tinha a ser dito realmente. -Espera!

Ele correu até o outro fechando seus olhos fortemente, Edmundo suspirou pedamente se virando para o outro que se chocou contra ele mandando ambos para o o chão.

-ai... qual o seu prob... lema... -Edmundo encarou bem de perto aqueles lindos e imponentos olhos violetas.

-eu ainda não terminei de falar. -disse serio e firme, seu tom era mais alto e confiente o que fez o coraçãode Edmundo disparar, mais não só por isso, mais tambem pela proximidade deles. -então por favor me escute!

-tá... -disse por fim ficando em silencio.

_Destinos cruzados... Iniciando nova historia..._


Notas Finais


:3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...