História A água que escorre e o fogo que queima - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Kuroko no Basuke
Personagens Akashi Seijuro, Aomine Daiki, Furihata Koki, Himuro Tatsuya, Hyuga Junpei, Kagami Taiga, Kise Ryouta, Kiyoshi Teppei, Kuroko Tetsuya, Midorima Shintarou, Momoi Satsuki, Murasakibara Atsushi, Personagens Originais, Riko Aida, Takao Kazunari
Tags Akafuri, Animais De Estimação, Aokaga, Deuses, Família, Gravidez Masculina (mpreg), Himuro Tatsuya, Hyukiyo, Kisekuro, Lemon, Midotaka, Momoriko, Mpreg, Murasakibara Atsushi, Yaoi, Yuki - Yukio - Yukine, Yuri
Visualizações 184
Palavras 1.283
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Lemon, Magia, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Álcool, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Demorou mais aqui está o capítulo 19. EEEEEEEEBAAAAAAAAA.
-Kiara sua enrolada, cê tem noção o quanto nos fez espera?
Desculpa ai gente vou dar mais atenção agora já que eu cheguei de viagem hoje AAEE.
-Lembrando que cê tem que postar um capítulo de "Chocolate com morando" e a one de SNK
Pois é, vou posar um cap de "Chocolate com morango" e um de "Algumas histórias dos casais do santuário" prometo de mindinho.

Capítulo 19 - Yuki, Yukio, Yukine trigêmeos a bordo


Fanfic / Fanfiction A água que escorre e o fogo que queima - Capítulo 19 - Yuki, Yukio, Yukine trigêmeos a bordo

Pov Aomine

   Eu estou sentado na sala de TV com a Satsuki e a Riko olhando algumas revistas, escolhendo algumas casas no mundo humano. Eu e o Taiga conversamos e resolvemos criar as crianças no mundo humano, pelo menos até elas conseguirem controlar os poderes, se só o Taiga faz um desastre quando suas emoções estão confusas imagina três pequenos deuses que controlam a água e o fogo! Pois é desastre a vista.

   O Taiga está fazendo almoço com a ajuda do Tetsu e do Ryouta, já que ele está de nove meses e três semanas. Pois é e para evitar qualquer imprevisto, dês de que o Taiga entrou no seu nono mês de gestação a parteira passou a morar com a gente, pelo menos até os trigêmeos nascerem.

   Eu já tinha escolhido a casa que iríamos morar, colocado a mesa do almoço para nós sete (ou devo dizer dez?). Nos sentamos á mesa e almoçamos silenciosamente, depois do almoço o Ryouta lavou as louças com a ajuda da Satsuki enquanto eu e o Taiga estávamos sentados no sofá conversando sobre a casa e a decoração.

   -Você já tem ideia de como decorar nossa nova casa? –Perguntei folheando uma revista qualquer.

   -Não. –falou ele pensativo acariciando a barriga que agora estava imensa.

   -Como você quer o quarto dos trigêmeos? –Passei por uma parte da revista que se tratava de quartos para crianças.

   -Três quartos decorados de acordo com cada um e de preferência perto do nosso. –Falou ele pesadamente e fazendo uma careta de dor.

   O Taiga se levantou e foi até a mesa de jantar para pegar um copo de água e algumas vitaminas que estavam em cima da mesa quando ouço o barulho de vidro se quebrando, corro em direção ao Taiga e o vejo agachado com uma mão em cima da mesa e a outra na barriga, algumas lagrimas saiam de seus olhos e ele estava bem corado.

   -Dai... Daiki chama a Mizu... –Falou ele ofegante.

   -Ok. –Saí correndo para chamar a parteira que estava em seu quarto e depois voltamos correndo para onde o Taiga estava e nos deparamos com ele agachado em cima de uma poça de água... ÁGUA? Ai meu eu.

   -Taiga-sama. –A Mizu correu até o Taiga.

   -Mizu... A bolsa... –Tentou falar o Taiga.

   -Eu sei, Daiki-sama, por favor, carregue seu esposo até seu quarto, ele entrou em trabalho de parto. –Falou Mizu e eu logo me aprontei. Retirei o Taiga do chão o carregando com cuidado, mas antes de chagarmos ao nosso quarto a outra bolsa estourou fazendo assim uma trilha de liquido amniótico pelo corredor.

   Coloquei o Taiga com delicadeza sobre a cama e chamei os outros quatro deuses. Eles entraram no quarto e a Mizu me expulsou. O porquê eu não sei, afinal sou o pai das crianças. Com pouco fui ouvindo os gritos do Taiga ficarem mais altos e isso me dava uma angustia.

   Eu andava de um lado para o outro no corredor do templo preocupado. Fui até o quarto das crianças, arrumei três roupinhas, os berços, cobertores, fraudas e outras coisas que daqui a pouco serão necessárias quando ouvi o Taiga me xingar de tudo que é nome e em varias línguas diferentes.

   -AOMINE DAIKI SEU OTÁRIO, VAI SE FUDER, VOCÊ NÃO COLOCA ESSE SEU PAU EM MIM TÃO CEDO, VAI PRA PUTA QUE TE PARIU BABACA. IMBECIL, VAI TOMAR NO SEU CU CARALHO. VOCÊ ME PAGA AOMINE. CASSETE DO CARALHO, FILHO DA PUTA DE MERDA...

   Voltei para o corredor indo para perto da porta do meu quarto escutando o Taiga berrar de dor e logo depois ouvi um choro estridente fazendo o vulcão estremecer, Taiga diminuiu o volume dos gritos e assim Satsuki saiu do quarto carregando um pequeno embrulho vermelho.

   -Ela é linda. –Falou olhando para dentro daquele cobertor vermelho.

   -Minha princesinha. Bem vida ao mundo Yuki minha filha. –Peguei a pequenina no colo a balançando devagar.

   -Eu vou voltar para o quarto. –Falou Satsuki e eu concordei com a cabeça ainda olhando minha princesinha.

   E mais uma vez eu ouvia os urros de dor do meu esposo e mais uma vez eu ouvi um choro meio engasgado. Eu senti em meu peito o mar se agitar ao longe. Foi a vez do Tetsu vir em minha direção e me entregar um embrulho azul escuro, meu garotão.

   -Parabéns Daiki-kun. –O tetsu me direcionou um sorriso sincero.

   -Obrigado. –Agora eu segurava a Yuki em um braço e o Yukio em outro.

   -Bem, vou voltar para ajudar a Mizu-san. –E assim o Tetsu voltou para o quarto me deixando novamente sozinho com meus filhos e sem noticias do meu amado esposo que a cada segundo gritava mais auto.

   Novamente o Taiga gritava, urrava e escandalizava de dor (puta que pariu dar a luz dói tanto assim?). Logo depois os gritos do Taiga cessaram dando lugar a um choro auto e esganiçado que inundou meus ouvidos, fazendo o mar ter um grande maremoto e se chocar contra o vulcão que entrou em erupção.

   Foi a vez do Ryouta sair do quarto e ele carregava um pequeno embrulho roxo, meu pequenino e delicado Yukine. De um jeito muito engenhoso eu carreguei minhas três obras primas, meus filhos, as razões do meu viver e comecei a chorar com os três no colo.

   -O senhor já pode entrar Daiki-sama. –Falou Mizu da porta do quarto.

   Assim que eu entrei no quarto vi que estava tudo sujo, sangue, liquido amniótico, água, entre outros. O Taiga estava deitado no meio da cama com as pernas dobradas e abertas, respiração acelerada, a boca aberta com saliva escorrendo pelo canto, seu estado era deplorável.

   Me aproximei dele com cuidado e me sentei na beirada da cama ao seu lado, assim que ele me viu abriu os olhos e um sorriso, ele olhou nossos filhos fazendo com carinho em cada um com dificuldade.

   -Eles são lindos! –Exclamou o Taiga cansado.

   -São sim. –Olhei para nossos filhos e depois para ele. –Você foi bem meu amor. –Dei um beijo em sua testa. –Você foi incrível, obrigado.

   -Obrigado pelo que? –Ele arqueou uma das sobrancelhas.

   -Pelas crianças, se não fosse por você eles nem estariam aqui. –Falei olhando para o Taiga com ternura.

   -Eu que devo te agradecer Daiki. –Assim que o Taiga falou, eu o roubei um selinho. –Mas a partir de agora sexo só com camisinha. –Falou ele serio. A serio? Aquele troço pinica, me incomoda, alguém me dê uma boa noticia antes de eu concordar com essa nova lei.

   -Fica tranquilo Taiga, essa benção só da certo uma vez. –Falou Satsuki rindo.

   -Tem certeza? –Perguntou Taiga desconfiado.

   -Tenho. –Respondeu a rosada convicta.

   -Se livrou Daiki. –Falou Ryouta brincalhão.

   -Nem me diga. –Suspirei aliviado.

   O dia passou assim, Ryouta, Tetsu, Satsuki, Riko e eu arrumamos o quarto, dei banho no Taiga e tomei o meu assim que a Mizu foi embora. Depois os outros quatro deuses também se foram me deixando curtir meu esposo e filhos que agora estão comigo, em meus braços.

   Eu dei banho nas crianças enquanto o Taiga vestia as roupas nelas. Sem fazer muito esforço e com os trigêmeos deitados em um cobertor felpudo ele vestiu as fraudas depois as roupinhas e as embrulhou em cobertores separados.

   A Yuki e o Yukio dormiam tranquilamente no canto da parede (eu tive que arredar a cama e a encostar na parede para ninguém cair) enquanto o Yukine mamava com gula, o barulhinho que ele fazia enquanto mamava era a única coisa que soava no quaro em silêncio.

   Depois de amamentar o pequeno o Taiga passou os meninos para o meio da cama se deitando quase encostado na parede enquanto eu me deitei na beirada e assim dormimos.


Notas Finais


Gostaram? Esperaram muito? (não magina enrolada)

Boca sua essa do Taiga não? Pois é, então gente, até daqui a pouco com um cap de "Chocolate com morango" beijos.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...