História A Alfa que não podia amar - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Exo, Sehun, Você
Exibições 53
Palavras 2.093
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Bissexualidade, Canibalismo, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi pessoas voltei para vcs haushaus . <3

Capítulo 7 - Decisão.


Fanfic / Fanfiction A Alfa que não podia amar - Capítulo 7 - Decisão.

Entro no banheiro sem muita pressa e logo ouço Zico fechar a porta atrás de mim.

Me olho no espelho a minha frente e encaro o reflexo totalmente destruído de mim mesma. Meu rosto estava relativamente limpo, mas não escondia o quanto eu estava cansada e machucada.

Meus lábios estavam secos e tinha um grande corte no inferior e que ardeu quando passei a língua sobre ele, mesmo que levemente.

Olhei para meu amigo que me encarava pelo reflexo no espelho e dei um pequeno sorriso fraco.

-Vamos logo com isso, temos coisas a fazer. –Digo para ele enquanto levanto os braços com um pouco de dificuldade para que ele me ajudasse a retirar a camisa rosa com um pouco de sangue, que eu tenho certeza que era de Jin.

Zico se aproximou mais e levantou a camisa lentamente para não me machucar, me deixando apenas com uma peça de renda branca cobrindo meu seios, deixando expostas minhas cicatrizes nas costas  e parte do meu pescoço atrás.

Ouvi sua respiração ficar pesada ao encara-las e pelo espelho vi seus olhos frios encararem cada um delas, oque me fez respirar fundo e perguntar oque mais temia.

-Eles viram? –Perguntei baixinho.

Ele suspirou e me olhou.

-Não, eles se concentraram apenas em suas costelas e pernas, não tiraram completamente sua roupa. Fui eu quem fez isso, não se preocupe. –ele falou me olhando enquanto colocava uma de suas mãos em meu ombro. –Agora vamos terminar isso.

Entrei no box com ele atrás de mim que se encontrava apenas de calça, liguei o chuveiro e logo a agua morna escorreu por meu corpo, oque de certa forma me acalmou e me fez pensar, oque eu mais estava precisando no momento, pois minha cabeça estava  cheia.

Eu podia sentir Zico passando as mãos com sabonete pelas minhas costas, suas mãos passando cuidadosamente por minhas cicatrizes, e por mais que eu as odiasse tanto quanto ele, e até mais, eu não poderia tira-las de mim mesmo que eu queira muito.

Elas foram feitas quando eu estava em minha forma humana, sem minha essência alfa, sem metade de mim mesma, sem meu lobo.

Eu podia sentir seu ego ferido, sua raiva incontrolável ao lembrar-se disso, eu podia sentir o quão magoado ele estava, e eu não podia fazer nada, a não ser me remoer  por ter sido tão descuidada.

Não percebi que havia acertado a parede com um soco até sentir a dor em meus dedos e as mãos de Zico me segurando.  Seu toque era tão gentil que eu acabei por não aguentar e desabei em lagrimas.

Eu chorava por tudo. Por ter sido fraca, por não ter sido capaz de proteger Taemin, por saber que Sehun havia formado uma família enquanto eu ficava apenas para trás, esquecida. Chorava por tudo que havia acontecido nesses três anos vazios que vivi.

Se bem que eu não posso chamar aquilo de viver.

Eu sentia os braços de meu agora porto seguro, ao meu redor, e mesmo tendo um corpo frio como gelo, aquele era o lugar mais confortável do mundo pra mim agora.

-Sabe que nunca vou sair daqui não é? Do seu lado. –Falou baixinho no meu ouvido.

Apenas afirmei com um balançar de cabeça.

Ficamos uns bons 15 minutos ali, daquele mesmo jeito, até eu enfim me acalmar e sair de lá, esperando Zico ir até o quarto e pegar minhas roupas com Hana.

Quando ele voltou eu me vesti em silêncio sentindo os olhos dele sobre mim, fiz uma leve maquiagem em meu rosto depois, essa que Hana tinha pegado para mim também.

Me olhei no espelho e admirei minha imagem agora mostrando alguém saudável e que não aparentava em nada estar como eu estava. Sorri para mim mesma me incentivando a seguir em frente e fazer oque devia ser feito.

-Está linda. –Comentou em meu ouvido enquanto me abraçava calmamente por trás.

-Obrigada. –Falei virando minha cabeça levemente para ele o olhando nos olhos. –Por favor não saia do meu lado. –Pedi baixinho.

-Jamais sairia. –declarou apertando um pouco mais seus braços ao meu redor sem me machucar e beijando o topo de minha cabeça. Saímos do banheiro calmamente enquanto eu me agarrava em seu braço.

Na cozinha todos me esperavam e me encararam surpresos pela mudança repentina.

E mais uma vez os olhos de Sehun me acompanharam em cada passo que eu dava, mas eu apenas decidi agir como se ele não estivesse ali e meu coração não disparasse a cada vez que eu respirasse fundo e sentisse seu cheiro tão único e que me fazia tão bem. Eu podia sentir meu lobo relaxar apenas com isso.

-Coma, acabei de fazer, sei que adora. –Jin falou colocando um prato com comida que sequer me importei em reparar em qual era e apenas comecei a comer o mais rápido que eu conseguia, já que estava quente.

Todos apenas ficaram ali em silencio e nada disseram.

E Zico não saiu de meu lado em nenhum segundo sequer, assim como os olhos enigmáticos de Sehun.

Terminei e me levantei da mesa agradecendo a Jin a comida e ele apenas sorriu dizendo que mais tarde levaria meu jantar até A Casa.

-Vamos. –Foi a única coisa que eu disse antes de me virar e ir até a porta.

Respirei fundo antes de abrir a mesma, e quando o fiz os raios de sol daquele final de tarde banharam meu rosto, assim como a imagem de centenas de pessoas em frente a porta de Jin, todos estavam de cabeça baixa, e aqueles milhares de pensamentos e emoções acabaram por me deixar tonta, já que a muito tempo eu não sentia mais isso.

- Olá a todos. –Pronunciei-me os olhando, e então um por um foram levantando seus olhos até mim, e eu puder ver muitos marejados, outros chorando copiosamente, e alguns poucos apenas sorriam segurando-se para não derramar as lagrimas que sabia que estavam querendo sair. – Obrigada pela preocupação de todos, e obrigada por não terem desistido de mim. Sei que passaram por muitas coisas nesses três anos e mesmo assim sequer pensaram em me abandonar, e eu fico imensamente agradecido por isso. – Dei uma pausa os olhando nos olhos esbanjando um pequeno sorriso. – Sei que querem muito saber onde estive e oque aconteceu para que eu sumisse por esse tempo, mas peço a compreensão de todos em não me perguntar isso. Sei que confiam em mim e por isso peço que confiem de novo. Eu quero apenas esquecer o vazio desses três anos, assim como vocês também querem. Então vamos apenas levantar nossas cabeças e olhar para frente, fazendo juntos memorias felizes e partilhando de momentos inesquecíveis. Assim como meu dever manda, e assim como é de meu desejo, e como forma de compensar todos vocês por tudo que passaram durante esse tempo, eu prometo lutar, proteger e fazer da vida de todos vocês melhor. Como sua alfa, prometo cumprir meu dever e não deixa-los nunca mais, porque somos como um só, e como um, continuaremos. –Declarei firme e logo uma salva de palmas e uivos puderam ser ouvidos, todos pulavam e gritavam o quanto estavam felizes por eu estar de volta, falavam o quanto confiavam em mim e o quanto sentiram minha falta, e diziam que jamais me abandonariam. Eu apenas sorri os olhando e me virei para Namjoon logo indo em direção da Casa.

Ela ficava em um dos pontos mais altos do Refugio, em evidencia, impondo poder e respeito, e mesmo assim aconchegante, era o meu lugar favorito.

-Eu nunca achei que eu entraria na sede do Refugio dos lobos pela porta da frente, e inteiro. –Zico falou me arrancando um sorriso e uma risada de Tae. –Como vocês conseguem esconder isso aqui dos humanos? –Perguntou olhando para a estrutura de madeira muito bem cuidada e planejada, onde algumas crianças corriam brincando e passando por nós deixando uma pequena reverencia para mim.

-As fadas. – Falei normalmente.

-Elas existem mesmo? Nunca as vi de verdade, apenas ouvi historias. – Falou ainda olhando ao redor.

-Fadas existem mesmo? –Perguntou a voz doce e infantil.

-Sim, mas elas só se mostram pra quem se mostra digno de sua confiança, e isso não é fácil. – Falo o olhando com um pequeno sorriso.

-Você as vê? –Perguntou em expectativa.

Apenas acenei que sim com a cabeça, logo olhando para Alfred que saia da Casa e nos viu chegando.

-Alfa. –Falou com uma pequena reverencia. –Está tudo pronto como me pediu.

-Certo. Obrigada Alfred. –Agradeço já indo em direção a porta.

Ao adentrar a Casa vejo que nada estava diferente da ultima vez que estive aqui,  e a nostalgia me invadiu. A grande mesa de madeira com mais de doze lugares estava no mesmo lugar, o pequeno “bar” a direita também, o quadro de um grande lobo branco e um negro no centro da parede mostrando imponência estava no mesmo lugar, as escadas que levavam ao segundo andar ainda continham os mesmo arranhados e até mesmo alguns novos, a foto do nosso “time de elite” em sua forma de lobo estava ali também. Hana foi diretamente para o bar onde começou a preparar algumas bebidas sem álcool para tomarmos enquanto a reunião acontece, Vick, Nina e Elly se sentaram em frente a ela a observando em sua pequena tarefa.

Alguns membros do conselho já estavam ali e se curvaram quando entrei, fui em direção a minha cadeira que ficava na ponta da mesa e me sentei observando todos tomando seus lugares e Namjonn apontar para um lugar no canto da sala para Sehun e Jihoon se sentarem no sofá que ali tinha.

Esperei mais alguns minutos e outros foram entrando e se curvando logo tomando assento e então quando tive a confirmação de que todos estavam ali tomei  a palavra.

- Vamos começar pelo mais importante. –Falei me endireitando na cadeira e os olhando. –Houve baixas enquanto eu estava fora? –Perguntei seria.

Sim isso era importante, a alcateia era como uma família, e a diferença de um já seria grande o suficiente para causar um comoção e um estrago irreparável ainda mais sem a minha presença, que os dava confiança.

- Não, apenas alguns feridos em combate com os lobos solitários que tentaram invadir nosso território quando souberam dos rumores de que a alfa estava desaparecida. – Namjoon falou tomando a palavra.

- Alguém ferido gravemente? –Perguntei o olhando.

-Apenas Taeil que perdeu o braço, mas agora está melhor. – Falou serio soltando um suspiro.

Respirei fundo sentindo o cheiro de Sehun logo me acalmando.

- Agora, vou adiantar esse assunto para que ele seja resolvido o mais rápido possível e possamos nos concentrar em outras coisas importantes. –Falei ainda seria e olhei para Sehun que apenas observava tudo em silêncio. –Porque estavam lá naquele dia ? –perguntei o olhando nos olhos e o vi engolir em seco.

-Eu estava querendo encontrar o lob... você. –Falou olhando para o chão em seguida.

-Não pensou que eu poderia não estar lá? E que seria perigoso não só para você como também para seu filho? –Perguntei levemente exaltada me levantando da cadeira.

-Eu só queria encontrar você. –Falou se levantando e me olhando nos olhos. – Eu pensei sim em tudo isso, mas  eu preferi acreditar que você me protegeria de novo, que estaria lá se eu precisasse, e você apareceu. –Falou um pouco alto, mas abaixou a voz no final.

Ouvi um copo ser quebrado ao fundo e percebi ser Vick pois estava nervosa com as palavras dele.

-Sim eu apareci. Mas graças ao seu egoísmo um dos meus irmãos está machucado e quase morreu, além de ter colocado em risco a vida de seu filho e sua também. Você não pensou que e poderia ter me machucado, não pensou em como eu ficaria se não tivesse conseguido proteger você e tivesse te perdido. –Ditei nervosa logo percebendo oque eu havia feito.

-Me perder? –Perguntou confuso.

-Nada, esquece. – Respirei fundo fechando os olhos sentindo os velhos do conselho me olharem desconfiados, e isso era exatamente oque eu não queria. –Hana. –A chamei alto.

-Sim. – Respondeu ela se aproximando.

- Apague a memoria de ambos. De Sehun e Jihoon. Não quero que eles lembrem daqui, do que aconteceu, e nem de mim. – Ordenei seria enquanto ouvia a exclamação surpresa de todos.

-Mas (S/n) isso não é radical demais? –Falou Namjoon se aproximando.

-Eu quero a memoria de tudo que eles viram aqui apagadas entendeu? Não quero que eles lembrem nem mesmo de respirar fora do mundinho humano deles. – Ditei seria olhando para Sehun que me encarava em choque.  


Notas Finais


Oieeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee
Oque acharam? Querem me xingar né? Eu sei.
Fiquei empolgada com os comentarios do outro capítulo e vim aqui mais rapido haha. Amo vcs serio.
FALEM OQUE ACHARAM MEUS BRIGADEIROS.
Hoje brigadeiros porque é oque eu estou comendo agora hehe.
Bejos na bundaaaa <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...