História A aposta $$$!!! - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Seventeen
Personagens Hansol "Vernon" Chwe, Hong Jisoo "Joshua", Junghan "Jeonghan", Lee Jihun "Woozi", Soonyoung "Hoshi", Wen Junhui "JUN"
Exibições 26
Palavras 2.398
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Simbora continuar.

Capítulo 25 - A grande suspresa!!!


Fanfic / Fanfiction A aposta $$$!!! - Capítulo 25 - A grande suspresa!!!

Continuando...

Jeonghan...

Aquela foi a melhor noite da minha vida, eu entreguei meu coração à mulher perfeita e que eu sei que me fará muito feliz. Depois daquela noite maravilhosa ao lado da minha anjinha Sana, ela me fez recomeçar minha vida do zero e não economizava quando se tratava em dar amor, carinho, atenção e valor pra mim e pro Yooshin que agora ela tinha como filho. 

Jeonghan off!

Vernon on...

Já fazia alguns dias que Laviny não me dava sucego, ela sempre foi muito fogosa mas de uns dois meses pra cá mas ou menos, ela tá pior, quer transar todo dia e toda hora. Um dia eu tava na faculdade quando meu celular tocou, era uma mensagem de Laviny, eu li disfarçadamente pro professor não perceber.

Mensagem da Laviny:

" Gatinho, eu fui trabalhar mas me senti mau, amor eu não tô bem, vem pra cá quando sair da facul por favor. Beijos! ".

Eu fiquei preocupado e não conseguir mas prestar atenção na aula, eu pedi pra sair mas cedo e fui direto pra casa de Laviny, chegando lá eu entrei, Laviny havia me dado uma copia da chave assim ficaria mas fácil pra mim entrar em um caso desses. Eu subi pro quarto de Laviny e a encontrei deitada toda coberta e encolhida e fui até ela na cama.

Vernon: Minha filha o que ce tem?  - falei pegando em sua testa e sentindo que ela tava quente.

Laviny: Eu não sei, eu fui trabalhar mas me senti mau, eu comecei a sentir muita dor de cabeça e comecei a vomitar, meu corpo ta dolorido e eu tô com febre.

Vernon: Amor você precisa ir no hospital ver o que tá acontecendo.

Laviny: Eu nao quero, eles vão querer me furar e eu tenho pavor se agulha. - ela falava se cobrindo.

Vernon: Hahahaha, não acredito que a minha Laviny durona e psicopata tá com medo de uma furadinha, logo você que pede pra ser furada todo dia com uma agulha grande e grossa hahahaha...

Laviny: Ah mas dessa aí eu gosto e quero agora. - ela se levantou e veio pra cima de mim já me beijando e rebolando encima do meu pênis.

Vernon: Nossa, pra quem tava muito mau, você até que tá ótima. - eu segurava sua cintura e a fazia rebolar com força encima de mim e ela começou a gemer meio estranho.

Laviny: Oh oh oh amor perae, eu... - ela virou pro lado, vomitou no chão e caiu desmaiada em meus braços, eu entrei em desespero.

Vernon: Amor, Laviny acorda,meu Deus,.minha filha não faz isso comigo. - eu já queria chorar por achar que ela tava morta. Laviny tava pálida demais e não acordava, eu peguei ela nos braços e desci a escada devagar, afinal, aquele mulherão pesava, eu sair de casa com ela, chamei um táxi e segui pro hospital, chegando lá, eu entrei gritando por ajuda e os enfermeiros vieram logo socorrer ela e a levaram pra ser atendida por um médico, eu não pude entrar, entao fiquei esperando numa sala de espera. Depois de um tempo fui informado que podia ir até um quarto olhar Laviny e eu fui, chegando la, eu a encontrei chorando com  a mão no braço.

Vernon: O que foi minha filha? Porque você tá chorando? - eu falei me sentando do lado dela na cama do hospital.

Laviny: Eu falei que eles iam me furar, tá doendo. - ela chorava igual criança.

Vernon: Won manhosinha, pára com isso bebezinha, eu tô aqui.

Laviny: Pára, não manga de mim, Vernon eu tô preocupada, ainda sinto meu corpo doer, tô com febre e minha cabeça tá zonza.

Vernon: Não te deram medicação?

Laviny: Já, e tiraram sangue pra fazer exame.

Vernon: Então vamos esperar o resultado.

Laviny: Será que é algo muito grave?

Vernon: Acho que não, deve ser só uma virose.

Laviny: Eu quero ir pra casa, não gosto de ficar em hospitais, mas trazem lembranças ruins. - ela falou encostando a cabeça em meu peito.

Vernon: Espera só o resultado do exame tá.

Laviny: Tá bom. - eu fiquei fazendo carinho em seus cabelos coloridos, até que o médico entrou no quarto com uns papeis onde havia o resultado dos exames.

Médico: Bom dia senhores.

Vernon: Bom dia.

Laviny: O dia não tá muito bom pra mim. - ela fazia carinha de manhosa.

Médico: Senhora Laviny...

Laviny: Sou eu.

Médico: De acordo com o resultado dos exames a senhora está com uma infecção.

Laviny: Infecção? Oh meu Deus eu vou morrer? - ela falou assustada e começou a chorar.

Vernon: Calma amor, você não vai morrer, continue doutor.

Médico: É uma infecção devido a um resfriado, deduzo que seja sua garganta que tá inflamada.

Laviny: Aaaataaaaa, pensei que era outra coisa.

Vernon: Viu doida, é só um resfriado.

Médico: Não é só isso não...

Laviny: Oh Jesus agora é a hora do diagnóstico de que vou morrer, Vernon eu te amo viu e vou continuar te amando lá do céu. - ela fazia o maior drama e eu e o médico começamos a sorrir.

Vernon: Xiiiiii garota pára de drama maluca hahahaha... Pode terminar de falar doutor.

Médico: Bem, antes que a senhora dê um ataque do coração, eu vou falar logo, parabéns senhora Laviny, a senhorita está grávida.

Laviny: Oh meu Deus, eu não disse que era grave?... Não, perae, eu o ouvi direito? É isso mesmo? eu tô grávida? - eu olhava pra ela boquiaberto e meu coração se preenchia de felicidade, Laviny começou a chorar e abraçou.

Vernon: Oh Meu Deus obrigado senhor, eu vou ser pai, amor nós vamos ter o nosso primeiro bebê.

Médico: Parabéns aos dois, agora senhora Laviny, voce precisa cuidar desse resfriado viu, e por favor descanse bastante, nada de estripulias.

Laviny: Tudo bem doutor, ai eu tô tão feliz. 

Vernon: Eu também, obrigado meu amor por esse lindo presente e ver se aquieta o facho à noite e procura descansar. - Depois dessa grande surpresa, Laviny foi liberada e nós fomos pra minha casa dar a notícia pra minha família, chegando lá, estavam todos em casa, eu entrei sorridente com Laviny e Yooshin veio correndo ao nosso encontro eu carreguei ele e fiquei imaginando quando fosse o meu daquele tamanho e lindo daquele jeito.

Vernon: Olá meu lindo sobrinho, eu tenho uma novidade pra você, na verdade quero contar pra todos. - eu falei alto e veio todo mundo pra sala, Laviny sentou no sofá meio jururu por causa do resfriado, ela ainda tava com um pouco de febre.

Mãe: O que foi meu filho? Porque tá tão eufórico assim?

Jeonghan: Qual é irmão? Fala aí.

Vernon: Gente, gente, gente eu vou ser papai. - eu falava e pulava com Yooshin nos meus braços.

Pai: Minha nossa, eu vou ganhar mas um neto? Obrigado meu filho e obrigado a voce também Laviny por nos presentear com mas um netinho ou netinha.

Laviny: De nada. - ela falava sentada no sofá toda encolhida.

Sana: Own prima Parabéns. Mas porque você tá tão tristinha? - ela falou sentando ao lado de Laviny.

Laviny: Nada não, eu não tô triste, só não tô muito legal por conta de um resfriado, tô com febre e dor no corpo.

Mãe: Você precisa descansar, Vernon, leva ela pro teu quarto e deixa ela dormir um pouco.

Vernon: Tá bom mãe, vamos amor, vem comigo. - eu botei o Yooshin no chao e ajudei ela a levantar e fui em direção à escada, nós subimos e quando chegamos no quarto ela se deitou e não demorou a dormir. Enquanto Laviny dormia, eu passava a mão em sua barriga e me sentia um homem feliz, completo e realizado, vou realizar meu sonho de ser pai como sempre quis. 

Vernon off!

Laviny on...

Depois de saber que eu seria mãe, passou uns dias, eu fiquei boa do resfriado e ia sendo mimada pelo meu noivo, meus sogros, minha prima e meu cunhado, até pelo Yooshin. Jeonghan quase todo dia comprava um presente pro bebê dizendo que ele não pôde fazer isso quando a Sun tava esperando o Yooshin, então queria fazer pelo sobrinho. Vernon já agia como um bom pai babão, ele beijava minha barriga de três meses de gestação, conversava com o bebê e chorava ao cair a ficha que realmente ia ser pai.

No meu quarto mês, minha barriga já era salientinha e eu vivia sentindo desejos estranhos, eu uma vez desejei comer um biscoito que a Sana tinha na boca, ela não quis me dar, mas ficava abrindo a boca e me mostrando o biscoito só pra me fazer raiva. Yooshin gostava de ficar passando a mão na minha barriga e falando com o bebê.

No quinto mês, eu já estava mas pesada, continuava com meus desejos estranhos e dormia horrores, eu não era daquelas grávidas de viver chorando ou extressada, eu so comia e dormia muito e ficava cada vez mas grudada com Vernon.

Sexto mês e eu já parecia um bola, andava com mas dificuldade, tive que mandar fazer uma farda nova pra mim trabalhar, Jeonghan levava o Yooshin na escola e ia me buscar, me deixava no serviço e ia trabalhar, Sana me mimava sempre quando tava em casa, ela queria sempre me proteger, mas só vivia se conectando com os moveis da casa essa louca. Um dia Vernon tava na minha casa e nós assistíamos tv, ele tava com a mão na minha barriga e derrepente deu um pulo.

Vernon: Meu Deus, amor o bebê mexeu. - ele me olhava com os olhos arregalados.

Laviny: Ownt nenem você mexeu meu amor, a mamãe e papai estão ansiosos pra você chegar logo viu, nós te amamos. - Vernon beijou minha barriga e deitou a cabeça nela enquanto suas lágrimas rolavam me molhando.

Sétimo mês e nós ainda não sabíamos o sexo do bebê, preferimos saber na hora que nascesse, assim dava mas emoção pra saber se era menino ou menina e qual seria a cor dos olhos devido os meus serem verdes e os de Vernon serem azuis, meus sogros fizeram uma festinha em comemoração à chegada do novo membro da família e o nenem ganhou muito presentes.

Oitavo mês, eu já não suportava mas ir trabalhar, então tirei a licença mas cedo, eu tava muito pesada, minha barriga era enorme, Vernon começou a trabalhar na empresa do pai dele pela tarde e à noite ficava comigo.

Nono mês e eu já não suportava mas aquele peso, um dia estavamos deitados brincando com o bebê, quando o pai de Vernon ligou dizendo que no outro dia queria conversar muito sério com ele, nós ficamos logo com medo e fomos dormir. No outro dia nós levantamos e eu sentia uma dor tipo uma cólica meio forte mas não quis dizer nada pra não assustar o vernon e deixar ele mas nervoso do que ele já tava, nós fizemos nossa higiene pessoal, nos arrumamos, tomamos café da manhã e partimos pra casa dos país de Vernon e levamos a Sana conosco, chegando lá, nós entramos e nos deparamos com os pais de Vernon e Jeonghan sentados na sala e o Yooshin brincando sentado no chão, ele correu até a Sana que o carregou e sentou com ele do lado de Jeonghan, eu me sentia nervosa, o pai de Vernon mandou ele sentar no sofá à frente dele, Vernon sentou tremendo mas do que vara verde e suando igual chaleira, o pai dele então começou a falar.

Pai: Meu filho, eu esperei durante anos pra ter essa conversa com você, eu me sinto orgulhoso pelos filhos que tenho hoje, pelos meus netos e minhas noras, e também pela minha linda esposa, mas eu sinto orgulho principalmente de você meu Vernon, pelo homem que você se transformou, você prometeu mudar, nos pediu uma chance e valorizou a chance que te demos, você não traiu nossa confiança, e agora vai ser pai, você agora é um filho exemplar e por isso eu resolvi te recompensar por isso, toma a chave do seu carro, você fez por onde merecesse. - o pai de Vernon entregou a chave de um carro pra ele e o bichinho começou a chorar.

Vernon: Obrigado pai. - ele falou levantando e abraçando o velho enquanto chorava.

Pai: Vai lá ver seu presente na garagem. - Nós então seguimos todos pra garagem e quando chegamos lá "PA"  damos de cara com um " LANDE ROVER EVOQUE VERMELHO", Vernon ficou encantado e parecia uma criança ganhando um brinquedo.

Vernon: Caracas pai é muito lindo. - ele passava a mão no carro devagar admirando sua beleza.

Jeonghan: Eu quero uma volta nele viu?

Vernon: Nuuuuncaaaa...,meu carro cara, eu não acredito, obrigado pai, amor olha só o nosso carro.

Laviny: Tô vendo, ele é lindo. - eu comecei a sentir umas dores mais fortes mas não quis alarmar ninguém, fiquei na minha tentando suportar e sorria fingindo não sentir nada.

Sana: Prima ce ta sentindo alguma coisa? - ela perguntava abraçada com Jeonghan.

Laviny: Nao não, eu tô bem. - mentira eu tava era com dor pra caracas, fiquei quieta vendo Vernon quase babando encima do carro, até que senti uma pontada forte e um líquido descer pelas minhas pernas, minha bolsa estourou e eu gritei.

Laviny: Aaaaiiiii Vernon pára de babar encima do carro e liga ele que teu filho quer nascer. - pronto,nessa hora começou o desespero, era um corre corre, o povo me colocou no carro e seguimos pro hospital.

Laviny off!

Vernon on..

Enquanto eu admirava meu carro que ganhei de presente do meu pai, eu ouvi Laviny gritar dizendo que o bebê queria nascer, ela tava com a mão na barriga e toda molhada, eu entrei em desespero e corri pra pega-lá e colocar no carro, Jeonghan e Sana me ajudaram, minha mãe ficou com o Yooshin porque Jeonghan e Sana foram conosco, eu dei partida no carro e nós seguimos pro hospital, no caminho Laviny se retorcia de dor e eu ficava cada vez mas desesperado.

Vernon: Amor calma.

Laviny: Calma é o caralho, essa dor é insuportável aaaaaaiiiiiiii Aaaaaaiiiii.

Sana: Aaaaiiiii Laviny minha mão sua louca. - a bixinha gritava com sua mão quase sendo quebrada.

Laviny: Aaaiii Vernon me ajuda por favor. - ela falava em meio a um choro dolorido e sofrido.

Vernon: Calma minha filha já estamos chegando. - Jeonghan ia do meu lado sempre calmo, eu tenho inveja desse jeito dele. Assim que chegamos no hospital, Jeonghan e Sana tiraram Laviny do carro e eu fui estacionar, quando voltei e entrei no hospital, os enfermeiros já tinham levado Laviny pra sala de parto, mas não me deixaram entrar, eu entao fiquei ali sentado nervoso e ansioso pra saber se meu filho já tinha nascido, se deu tudo certo, se Laviny tava bem e a maior das dúvidas, se era menino ou menina.



Notas Finais


E agora gente? Será que é um menino ou uma menina?
Saberemos no próximo episódio.
Beijos!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...