História A aposta perfeita - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cristiano Ronaldo, Gareth Bale, James Rodríguez, Karim Benzema, Sergio Ramos
Personagens Karim Benzema
Exibições 197
Palavras 1.252
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 25 - Estou junto com você nessa


Ao acordar, esfreguei os olhos tentando me acostumar com a claridade que invadia o quarto. Me enrolei com o lençol e virei, mas Karim não estava lá. Não mais. Eram quase oito horas. 07:55. O que faria ele se levantar mais cedo em seu dia de folga? Olhei em direção ao banheiro, mas nem um sinal. Dei de ombros e sorri ao lembrar da noite passada, quando voltamos da casa do James e... bem, já deve-se imaginar o que aconteceu. 

 

(...)

 

Eu estava preocupada. Muito preocupada com Karim. Liguei umas dez vezes para o celular dele, e nas dez vezes, tive que ouvir a gravação dizendo que o número discado estava desligado. Foi ai que tive a ideia de ligar para Gressy. Liguei sete vezes, mas ele não atendeu. 

 

Estacionei o carro em frente a casa de Karim, saí apressadamente e ativei o alarme. Assim que entrei, passei rapidamente pelo jardim, pela piscina e subi os poucos degraus que ali tinha, abri a porta, entrando na sala. 

Gressy, que descia as escadas, ficou surpreso ao me ver.

 

— Cade o Karim? — fui logo perguntando. 

 

— O Karim... — Gressy se aproximou de mim. — Eerr, então, meu irmão precisou ir para Versalhes. 

 

Versalhes? Como assim? Karim não me disse nada sobre ir à Versalhes.

 

— E o que ele foi fazer lá? — quis saber. — Olha só, Gressy, espero que você não venha com mentiras para o meu lado. Estive com seu irmão ontem, ele não comentou que viajaria. 

 

— Maria, é complicado. — respirou fundo. 

 

— ANDA, ME FALA! O QUE ACONTECEU? — alterei o tom de voz. Estava começando a ficar nervosa.

 

Ele pareceu pensar. Logo depois, pegou em meu braço, me guiando até o sofá, onde sentamos.

 

— Karim não quer que você saiba, mas há essas horas, a imprensa já deve estar sabendo. É melhor que você saiba por mim, do que por outra pessoa ou pela TV. — eu o encarei. — O meu irmão, está sendo acusado de envolvimento à chantagem ao Valbuena. Como eu disse, é complicado, dizem que Karim tem ligações com os chantagistas que ameaçaram a vazar um vídeo íntimo do Mathieu, caso ele não pagasse uma certa quantia. Karim foi para a Sede de Polícia de Versalhes prestar depoimento, e antes que você me pergunte, não sei o que pode acontecer com ele, nem se realmente ele está ou não envolvido nisso. 

 

Eu estava incrédula. Isso não pode está acontecendo. Como assim, o Karim envolvido em chantagem à um companheiro de seleção? É inacreditável. Não pode ser. 

 

— Não pode ser. — balancei a cabeça em reprovação. — Me diz que isso não se passa de uma brincadeira. É tudo mentira, não é? 

 

No fundo, eu sabia que não. Mas não queria acreditar que o Karim, o meu Karim, pode ser preso.

 

— Eu queria muito te falar que estou brincando, que o seu namorado está lá em cima, mas infelizmente, é verdade. 

 

Nesse mesmo instante, eu desabei em lágrimas. Gressy me abraçou e apoiei a cabeça em seu ombro. 

 

— Por favor, me diz que vai ficar tudo bem. 

 

— Eu espero que fique. — fez uma pausa. — Olha, estou indo para Versalhes em duas horas. Vou me encontrar com o advogado, preciso de notícias sobre Karim. Eu te ligo assim que puder para te deixar atualizada. 

 

— Eu vou com você. — falei decidida. — Não adianta dizer nada, eu irei. Não vou ficar sossegada aqui. Lá, ao menos, vou está mais perto dele. 

 

                                                                                       (...)

 

— Maria, não é melhor você ficar aqui, em Madrid? Amanhá temos reunião com o pessoal da Versace. Você ir para França, não vai ajudar em nada. — Gabi disse.

 

— Não. Eu vou para Versalhes. 

 

— Eu sei que é difícil, mas... — a interrompi.

 

— Você não sabe, Gabriela. Você nunca passou por isso. Tenho certeza, se fosse o Sergio, você já estava lá. — fui rude. 

 

Joguei algumas coisas que faltavam na mala e a fechei. 

 

— Você é cabeça dura igual seu irmão. — riu. — O Alex vai ficar puto contigo.

 

Bufei.

 

— Pouco me importa. — dei de ombros. — Você pode muito bem me representar na reunião. 

 

— Sim, eu posso. — sorriu.

 

                                                          (...)

Três horas e Cinco minutos depois...

           Aeroporto de Paris - Orly.

 

Assim que o desembarque foi autorizado, saímos do avião, pegamos nossas malas e fomos ao encontro de um motorista que Gressy contratou para nos levar até Versalhes. Ele nos ajudou a colocar as malas no porta-malas, entramos no carro, e o mesmo deu partida. 

 

— Vamos poder falar com o Karim? — perguntei.

 

— Falei com o Sylvain, o advogado dele, e o mesmo irá fazer de tudo para que possamos vê-lo. 

 

Eu apenas assenti. 

 

UMA HORAS DEPOIS...

 

O motorista estacionou o carro próximo a Sede de Polícia, onde estavam concentrados alguns jornalistas e fotógrafos. Eles já sabia do Karim... 

 

— Você pode deixar nossas malas em Lyon, na casa dos meus pais. Te ligo quando for para nos buscar. — Gressy falou ao motorista. 

 

Descemos do carro e fomos caminhando até a Sede. Assim que alguns jornalistas me viram, me cercaram, fazendo perguntas à respeito do que aconteceu. Ignorei todos, continuando a andar em direção a entrada. 

 

 

                                               Karim Pov's.

 

Eu batia repetidamente o pé contra o chão, já sem paciência. MAS QUE MERDA!!!! Já havia prestado um depoimento, mas ainda tinham dois pela frente. Sylvain me informou que só serei liberado amanhã, e que de madrugada irei depor para uma juíza. 

Espero que passe logo, não vejo a hora de voltar para casa. Sinto que estou sendo injustiçado. É uma aberração tudo isso, que pode sujar a minha carreira. 

 

Encostei a cabeça na parede e respirei fundo. Desde que cheguei aqui não paro de pensar na Melia, e que Maria estava  certa quando disse que perdi os momentos mais importantes da vida da minha filha até agora... Ah, Maria... não tive coragem de dizer a ela, mas como não pensei na imprensa? Já estão fazendo plantão lá fora, agora, ela soube da pior maneira. Como será que ela está? Meus pais, meus irmãos, até os jogadores, tenho certeza que estou sendo assunto entre eles. 

 

— Karim. — Sylvain me chamou. — Falei com o juiz, ele permitiu que seu irmão viesse até aqui, mas o Gressy não veio sozinho. — meu advogado apontou para a entrada.

 

E lá estava Gressy e Maria. Não acredito que ela veio. Seus olhos estavam vermelhos e inchados, ela havia chorado. Quando me levantei, ela apressou os passos e veio até mim, me abraçando forte, retribuí, como se eu precisasse daquilo, como se eu precisasse... dela. 

 

— Ei. — olhei para Maria e seu olhar encontrou o meu. — Não era para você está aqui, quero dizer, isso não é lugar para uma mulher como você.

 

— Não importa. Eu só queria te ver, ver se você está bem e... — seus olhos se encheram de lágrimas. — E te dizer que estou junto com você nessa. 

 

Sorri e a abracei novamente. 

 

— E ai, Karim, vai demorar ainda aqui? — Gressy perguntou.

 

— Só estou liberado amanhã. Preciso depor ainda. — bufei. — Tranquiliza os nossos pais, ok? Até imagino como a D. Malika está. 

 

— Imagina? Agora multiplica por dez. — riu sem graça. — Vai ficar tudo bem, bro. 

 

Assenti.

 

— Você está bem mesmo? — Maria questionou.

 

— Bem melhor agora que estou com você, e sei que tenho o seu apoio. — sorri. 

 

Tentei me controlar, mas foi em vão. Encostei nossos lábios em um selinho um pouco demorado. 

 

— Desculpa atrapalhar, mas o outro juiz já está chegando para ouvir seu depoimento, Karim. 

 

Maria me abraçou forte mais uma vez.

 

— Te amo. — sussurrou.

 

— Eu também te amo. 

 

"Pode ter certeza, que a partir de hoje o nosso relacionamento é pra valer, da minha parte também." — acrescentei mentalmente.


Notas Finais


EU VOLTEEI AGORA É PRA FICAAAR!!! Meeeu amoreees, DESCULPAS DESCULPAS E MAIS DESCULPAS, sei que demorei pra caramba para postar esse capítulo, mas estava sem tempo e quando arrumava um tempinho, até escrevia mas não gostava, ai apagava tudo... Me perdoem tá?? Cade vcs, ainda estão aqui?? Não abandonei vcs amores, smp pensava e ficava "MDS PRECISO POSTAR"... AHHHHHHHHHH E NÃO POSSO ESQUECER DE AGRADECER PELOS 110 FAVORITOS. OBRIGADA AMORES, VCS SÃO DMMMMMS <3333 FIQUEI MUITO MUITO FELIZ QUANDO ENTREI AQQ E VI QUE JÁ PASSAMOS DE 100 <33 Beijoooooos!! Esperem q gostem!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...