História A Aposta Perfeita - Capítulo 11


Escrita por: ~

Exibições 5
Palavras 1.624
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


"A imaginação é mais importante que o conhecimento. O conhecimento é limitado. A imaginação envolve o mundo".
- Albert Einstein

Dica: Arlene Zelina (Cover) - Sorry

Capítulo 11 - Espero não me Arrepender disso


Fanfic / Fanfiction A Aposta Perfeita - Capítulo 11 - Espero não me Arrepender disso

Narrado por Michael Carter

 

— Estou falando sério, ela deu um chilique — Já estávamos dentro do carro, indo em direção a casa de Daniel — Ela simplesmente surtou, quando eu disse que pagaria pelas aulas, será que ela também discute com o pessoal do financeiro, sempre que o pagamento sai? — Perguntei retoricamente, o que fez Daniel rir ao meu lado.

— Acho que o problema dela não é com o dinheiro, mas sim com você. Como você pode estragar tudo, era o plano perfeito, seria tão mais fácil de você conquista-la, mas você tinha que estragar tudo — Ouvir Daniel falar daquele jeito estava me deixando ainda mais nervoso, dei alguns suspiros pesados, tentando me acalmar — Precisamos pensar em algo. Talvez você tenha sido muito arrogante, podia pedir desculpas — Sugeriu ele.

— Eu já falei, Daniel! — Estava quase gritando dentro do carro. Provavelmente meu rosto estava vermelho de irritação, o que fez Daniel arregalar os olhos e se encolher em seu banco — Eu estava certo, não falei nada de mais, fui um docinho com ela.

— Foi mal, só pensei que — Ele me olhou, incerto se deveria continuar — Michael, essa é sua melhor chance, então, assista as aulas delas, tente prestar atenção, ou pelo menos finja que está prestando e tire uma nota ruim em sua primeira avaliação, mesmo que de propósito, assim ela pode acabar cedendo, vendo que você, realmente, corre risco de ser reprovado. E como você está no time, isso pode te ajudar.

— Não vou precisar me esforçar muito para tirar uma nota ruim — Falei, dando uma risada forçada — Mas como eu estar no time, pode me ajudar? — Questionei.

— A Reitora fará todo o possível para que você não reprove, claro que ela não te dará uns pontos extras, mas pode conseguir que a Collins te de umas aulas extras — Esclareceu ele. Até que Daniel não é fraco não.

— Mas e se não der tempo? — Indaguei.

— Como assim? Você tem uns seis meses, praticamente.

— Não, eu sei. Mas eu tenho que conseguir antes da Michelle — Expliquei.

— Entendi. Acha que ela será mais rápida que você? — Perguntou ele. Já estávamos quase chegando a rua de Daniel.

— Não sei qual é de Brian, mas a minha irmã, sabe jogar muito bem. Essa é a diferença entre nós, eu sou impulsivo, já ela, é extremamente calculista, ela pode demorar a fazer sua primeira jogada, porém, quando o fizer, já pode se preparar para o xeque mate. — Daniel escutava tudo atentamente, mesmo depois de ter parado o carro em frente ao seu prédio.

— Cara, vocês levam essa parada de aposta muito a sério — Exclamou Brian.

— Sim, levamos e é muito divertido, menos quando você perde.

— E quem costuma ganhar?

— Nunca paramos para analisar, de fato. Depende da aposta, mas podemos dizer que está empatado.

— Tudo bem, mas acho melhor você agilizar isso aí.

— Eu não vou me desculpar — Grunhi.

— Você que sabe. Até amanhã. — Finalizou Daniel, logo em seguida arranquei com o carro e fui para minha residência.

 

   Fui para casa pensativo, não poderia me desculpar, sou orgulhoso demais para isso e de qualquer maneira, eu estava certo, não disse nada que pudesse ofende-la.

   Depois do almoço, fui para meu curso de piloto, um sonho que sempre tive e agora que estou fixo em uma cidade, posso faze-lo.

   Cheguei em casa e me deparei com Derek saindo do quarto de Danielle, pensei em perguntar o que ele estava fazendo lá, mas acabaria sendo cumplice de, sabe se lá o que ele estava aprontando, então preferi ignorar.

 

— Seu papo com a professora, foi produtivo? — Zombou minha irmã, ao entrar em meu quarto. Eu estava sentado no sofá branco, que havia lá, com a guitarra em mãos.

— Não é da sua conta — Respondi, ríspido. Comecei a afinar a guitarra, mas com Michelle em meu quarto, seria impossível, sua voz era uma melodia aguda, que deixava até o afinador confuso.

— Vou considerar isso com um não. — Rebateu.

— E você e o professor, já conseguiu fazer ele te notar, pelo menos? — Perguntei, de forma sarcástica, arqueando a sobrancelha esquerda e dando um sorriso debochado.

— É claro, é impossível alguém não me notar! — Falou, em seguida se virou e saiu do meu quanto, fechando a porta atrás de si. Convencida? Nem um pouco. 

 

   Não acho necessário descrever cada pedacinho do meu dia para vocês, então, passaremos direto para terça-feira. Mais precisamente por volta das 21:30PM, que foi o horário que se encerrou meu treino de basquete. O treino foi ótimo e o motivo maior foi Matt ter faltado, o clima ficava bem mais leve sem ele por perto, porém, algo me dizia que ele não era o principal problema do time. O primeiro jogo da temporada estava marcado para daqui a duas semanas, todos estávamos empolgados, até mesmo porque, seria o dia que o treinador escolheria o capitão do time.

 

— Vamos Mike — Chamou Brian. Todos já haviam se retirado, apenas eu, Daniel e Brian continuávamos ali, enquanto o treinador arrumas as coisas.

— Vão na frente, daqui a pouco estou indo também — Respondi.

— Tudo bem, mas daqui a pouco o zelador vem trancar tudo — Falou o treinador, ao se aproximar de nós — então vou deixar apenas as luzes desta área que você está usando acesa e você apaga quando sair, por favor. O zelador nunca encontra o interruptor dessa área — Finalizou o treinador.

— Ok, obrigado. — Disse e eles saíram.

 

   A quadra estava silenciosa e mal iluminada, a saída ficava do lado oposto onde eu estava, mas dava para ver as luzes dos postes acessas do lado de fora.

   As gotas de suor já voltavam a escorrer por meu rosto e o sentia ferver. Meu coração estava bastante acelerado por conta de todos os movimentos que fazia e meus músculos tensionados, já havia levado meu corpo a um desgaste enorme durante o treino e esse esforço a mais me renderia muitas dores pela manhã.

   A maneira como a bola percorria o ar e se encaixava perfeitamente na cesta, me deixava fascinado. A sensação dos meus pés saindo do chão e trabalhando em perfeita harmonia com minhas mãos, era algo inexplicável. Nunca soube explicar a maneira certa de fazer um arremesso, ou a quantidade de força que se deve colocar, para que a bola chegue ao seu destino, é algo natural para mim, eu apenas encaro a cesta, como se nada mais existisse em volta e a lanço, deixando sempre escapar um sorriso quando a vejo caindo por dentro da certa.

   E era exatamente esse sorriso que tinha em meus lábios agora, até ouvir alguém batendo palmas, provavelmente era zelador, não o havia escutado se aproximar, mas sabia que ele já estava para chegar. Fui em direção a bola e a peguei do chão, virei para cumprimentar o zelador, entretanto, para minha surpresa, não era ele.

 

— Ótimo arremesso — Parabenizou ela.

— Obrigada — Agradeci. Grudei a bola na lateral do meu corpo e caminhei até ela, mesmo na quadra mal iluminada, ainda dava para ver seus olhos azuis, que tanto me chamavam atenção. Talvez ganhar essa aposta, não seja um sacrifício tão grande assim. — Vejo jogar, professora Collins? — Perguntei, e dei o meu habitual sorriso para ela, que retribui com o sorriso mais lindo que já havia visto. Desta vez, não foi um sorriso hesitante, contido, como de costume, dessa vez ela não se importou de mostra-lo.

 

   Seu sorriso era quase sedutor, daqueles que te fazem perder o folego, algo que nunca havia acontecido comigo antes. Ela sorria sem se intimidar de mostras os dentes brancos e perfeitamente alinhados, era um sorriso meigo, daqueles que traz calma e te cativa. O sorriso da professora Collins era, de fato, encantador, e por que não dizer, apaixonante.

   Ainda bem que era só o sorriso, e amanhã ela voltaria a sua habitual carranca. Não era apenas seu sorriso que estava diferente, sua vestimenta também. Hoje ela trajava um vestido preto, com renda nas laterais no braço, com um cinto dourado e um solto bege, sim, eu a olhei dos pés à cabeça. Havia também um colar em seu pescoço, que se não me engano, tinha o formado de um abacaxi, pequeno e dourado.

 

— Na verdade, eu vim falar com você — Senti meu rosto franzir. Seu sorriso foi se desfazendo aos poucos. O que ela poderia querer me falar, depois de todo aquele showzinho que ela deu? — Eu não sei como dizer isso — Havia delicadeza em sua maneira de falar, mas pude sentir seus olhos tensos sobre mim, examinando meu rosto, parecia estar em uma lutar interna, sobre o que fazer. Eu me mantive calado, não queria dizer a coisa errada, a visão dela na minha frente, tranquila, estava boa demais para eu estragar tudo. Ela respirou fundo, tentando tomar coragem para falar — Eu espero não me arrepender disso — Ela deu um leve sorriso e deu um passo à frente, ficando bem próxima de mim, não o bastante para que nos tocássemos com um simples movimento, mas o suficiente para que eu sentisse seu perfume.

   Nesse exato momento, sumiram todas as minhas preocupações sobre o que ela queria me dizer ou fazer, afinal, ela havia me deixado confuso com sua última frase. Tudo o que eu pensava, era em como estava desajeitado, suado e provavelmente, fedendo, meu cabelo devia estar todo bagunçado, pois eu deslizava minha mão sobre ele a cada cinco minutos, tentando afastar o suor do rosto.

— Michael, eu queria — Quando tornou a falar, sua voz era melodiosa, segura, um tanto rouca, mas sensual, daquelas que transmite desejo. Como aquela mulher conseguia ser dois extremos? E por que eu estou adorando a presença dela aqui? Desde o incidente com meu celular, ouvir sua voz me dava fadiga, soava para mim de maneira desagradável e irritante, porém, hoje ela parecia estar se esforçando para mudar isso. O por que? Não faço a mínima ideia.


Notas Finais


Até o próximo Capitulo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...