História A Arte Da Conquista - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Tags Camila G!p, Camren, Romance
Exibições 227
Palavras 6.955
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Alô!

Capítulo 6 - Bad Things (Part I)


Fanfic / Fanfiction A Arte Da Conquista - Capítulo 6 - Bad Things (Part I)

(Camila Point Of View):

 

Senti meu rosto arder. Raios de sol, batiam em meu rosto, principalmente em meus olhos. Abri meus olhos com muito contragosto. Olhei para teto fitando a lamparina que tinha ali. Franzi o cenho, com os raios ainda em meu rosto. Virei a cabeça para o lado vendo um anjo ressonar calmamente.

Lauren dormia calmamente do meu lado. A mão próxima a seu rosto no travesseiro. Mexa de cabelo caindo por seu rosto, aonde eu tratei de tirar para analisa-la melhor. A boca entreaberta em suspiros leves, peito subindo e descendo. E sua outra mão em minha cintura, de modo possessivo. Não contive o sorriso com aquela mulher. Lauren poderia ter sido o demônio na minha vida, depois de ter me expostos daquela maneira. Mas eu não deixei de ama-la. Depois que ela se declarou para mim ontem tudo mudou. Eu quero mudar tudo entre nós. Quero recomeçar de novo com ela, do zero.

Tirei seu braço do meu corpo com todo cuidado para não acorda-la. Levantei e pus o travesseiro no meu lugar. Catei minha calça, a vendo na cadeira da escrivaninha. Vesti a mesma, e depois calcei meu tênis. Coloquei meu boné e deixei o casaco na cadeira. Vi um bloco de anotações na mesa e tive uma ideia. Me aproximei do mesmo e peguei a caneta.

 

 

‘’Lolo, desculpe não poder ficar e te ver acordando, mas é que eu precisava ir. Meu show é hoje e os ensaios estão a todo vapor. Saiba que mandarei busca-las para irem ao meu show hoje, quero minhas duas princesas lá no camarote me assistindo. Pedirei seu número de celular pra sua mãe, irei lhe ligar assim que tiver tempo. Eu te amo.’’

 

 

Deixei a pequena folha no criado mudo, ao lado da cama de Lauren. Me inclinei até ela selando nossos lábios. Ela se remexeu, porém, não acordou. Sorri com aquilo e resolvi sair do quarto. Assim que saio vejo Jade saindo de seu quarto, toda arrumadinha com o uniforme da escola; saia short vermelha, blusa azul com um símbolo de uma abelha e um lacinho vermelho de pano.

— Bom dia, princesa. – Falei, vendo Jade se assustar e fechar a porta do quarto.

Eu ri, andando até ela. A peguei no colo e a enchi de beijos, ouvindo suas gargalhadas. Ela abraçou meu pescoço e eu beijei o topo de sua cabeça. Parecíamos pai e filha mesmo, quer dizer, eu faria ela ser minha filha, querendo ou não mas irei registra-la e participar de sua vida a partir de hoje.

— Bom dia, Mila. – Ela sussurrou e levantou a cabeça para me encarar. — Cadê a mamãe?

— Dormindo, ué. – Ela assentiu, e eu andei com ela até a escada. — Você sabe se arrumar sozinha?

— Não exatamente, Mila. – Descemos o degrau. — Vovó me dá banho cedo e eu só me visto, penteando meu cabelo.

— Hum, que menina esperta. – Apertei seu nariz. — Gosta de laços?

— Sim. – Chegamos na sala. — Mamãe disse que você usava quando pequena. E como eu gosto de tudo que você faz, resolvi usar e o pior que dizem que fica bonito em mim.

— Qualquer coisa fica linda em você, meu amor. – Entramos na cozinha e nem percebi que tinha gente ali.

— Vovô! – Jade pediu pra descer, e eu a pus no chão.

A pequena correu se jogando nos braços de Mike. O homem que lia o jornal, agarrou a pequena Jade em seus braços a abraçando.

— Oi, meu pedacinho do céu. – Fez cosquinhas nela e a pequena ria divertida. — Como minha bonequinha está?

— Bem, vovô. – Saiu do colo de Mike e correu até mim. — Olha, vovô, sabia que a Mila namora a mamãe? – Me puxou para sentar na mesa.

Olhei pra Clara e ela ria, lavando a louça. Mike me olhou sério, me fazendo estremecer com aquilo. O homem dobrou seu jornal sem quebrar o contato visual comigo. Clara entregou o leite de Jade com panquecas cortadas.

— Quais suas intenções com minha filha, Camila? – Falou em um tom sério e eu engoli em seco. — Chris se estivesse aqui estaria pior que eu, então... repito quais suas intenções com minha filha?

— Bo-boas, senhor. – Eu estava gaguejando? Merda.

Passei minhas mãos na calça e ele suavizou a expressão, dando lugar a uma risada alta, acompanhada de Clara. O quê? Por que a risada?

— Deixe disso, Camila. – Abriu o jornal. — Eu te conheço bem, sei que fará minha filha bem. – Piscou pra mim e voltou a ler o jornal.

— Pensei que ia bater na Mila, vovô. – Jade disse de boca cheia.

— Claro que não, filha, Camila não poderia ser a melhor namorada pra sua mãe. – Bebericou seu café.

— Quer comer algo, Camila? – Clara perguntou, e eu assenti ainda envergonhada.

Eu estava envergonhada, sim. Mesmo Mike ser o cara em que eu conhecia mais que tudo e tinha intimidade, não deixava de ser o pai de Lauren, a mulher que eu ainda irei pedir em namoro.

— Aqui, filha. – Clara me entregou um prato de wiffles.

Despejou suco de laranja em meu copo. Agradeci e me deliciei com o café. Conversei com eles me atualizando e os atualizando de tudo.

— Tenho que ir, gente. – Me levantei da mesa. — Jade, vem comigo te levo na escola.

— Tá. – Saiu da mesa também. Despediu-se dos avós e saiu de casa comigo.

Entramos no carro e eu dei ignição.

— Sabe aonde é sua escola? – Perguntei, ainda parada no lugar.

— Sei. – Ela botou a mão no queixo e olhou pra cima. — Sabe aonde fica o Gulliver?

— Sim. – Minha antiga escola com Lauren.

Liguei o som e tocava uma nova música minha.

— Sabe essa música, pequena? – Perguntei, começando a dirigi.

— Eu sei todas. – Bateu palminhas, e a batida da música soou.

— If you only knew the bad things I like. Don't think that I can explain it. What can I say, it's complicated. – Ela cantava e eu me surpreendi, porque ela sabia mesmo.

— Don't matter what you say. Don't matter what you do. I only wanna do bad things to you.

— I only wanna do bad things to you. So good, that you can't explain it. What can I say? It's complicated... – Eu ri da carinha que ela fez, querendo dá uma de rap.

— Tu sabes mesmo, hein baixinha. – Bati um high-five com ela, que riu.

— Claro, eu sou sua fã número um. – Passou a mão na franja. — Sabia que eu fiz meu aniversário desse ano, vestida de ti?

— Mentira? – Sorri, e ela assentiu. — Você é tão minha fã assim.

— Sim. – Ela é tão fofinha, meu Deus. — Gosto. Minha música preferida é I Know Did Last Summer. – Ela cantarolou a frase. — Camila?

 

— Oi, amor. – A olhei rapidamente.

— Você ama mesmo a mamãe, né?

— Mais que tudo.

— Promete que não vai machucá-la?

— Prometo, princesa. – Parei na porta de sua escola.

— De dedinho? – Estendeu o dedo mindinho.

— De dedinho. – Entrelacei nossos dedos, e ela sorriu igualzinho a mãe.

— Vem me buscar, Mila? – Eu neguei, fingindo choro. — Por quê?

— Porque eu estarei ocupada ensaiando pro show de hoje. – Ela tirou o cinto. — Mas tem um lado bom. – Entreguei sua mochila.

— Qual? – Abraçou sua mochila.

— Você e sua mãe irão. – Ela arregalou os olhos. — Como minhas convidadas de honra.

— Meu Deus, que legal. – Pulou no banco, animada. — Posso levar uma amiguinha minha?

— Pode, amor. – Ela se inclinou e beijou minha bochecha em cada lado. — Obrigada, por aparecer em nossas vidas. – Abriu a porta. — Nem acredito que minha cantora preferida, namora minha mãe. – Desceu do carro, comigo rindo. — Tchau, Mila. – Fechou a porta e acenou.

— Tchau, princesa. – E assim a pequena saiu correndo.

Esperei ela entrar na escola e depois partir rumo o hotel.

 

 

 

 

...

 

 

 

Coloquei o roupão branco de banho e sai do banheiro. Fui até a mala e peguei um top preto com uma cueca. Me espantei com as batidas fortes na porta.

— Já vai. – Gritei, levantando e amarrando alça do roupão.

Olhei no olho mágico e era Emma com Ally. A cara de Emma não era nada boa. Engoli seco quando ela bateu de novo. Abri a porta e um furacão passou por ela.

— Bom dia, Mila. – Ally disse, me abraçando.

— Bom dia, Allycat. – Eu ia abraça-la se a voz de Emma não me interrompesse.

— Camila, você é demente ou o quê? – Pegou o controle da TV. — Olha isso, porra!

Sentei na cama e olhei a vinheta do canal’ E! ’ . Aparecia minhas fotos com os fãs no parque em que fui ontem com Lauren e Jade, mas o que chamou atenção foram isso:

— Viram o que eu vi? – A apresentadora disse, e apareceu minha foto aos beijos com Lauren, só que eu estava tampando o rosto da minha mulher. — Camila Cabello aos beijos com uma mulher. – Ela riu e o foco foi para a loira do programa. — Estou completamente surpresa com isso, e o que parece, a cantora estava em um passeio em família. – Apareceu minha foto com Jade dormindo em meu colo e Lauren de mãos dadas comigo segurando o urso que eu havia ganhado para Jade. — Meninas percam os seus interesses pela jovem cantora, porque a mesma já tem dona. – Riu, e o foco foi novamente pra minha foto aos beijos com Lauren. — E esse foi nosso: ‘’Hollywood News’’ . – A TV foi desligada por Emma.

Eu me levantei, olhando Ally em pé perto da porta. Emma jogou o controle na cama e me fuzilou.

— É a Lauren, né? – Perguntou retoricamente. — Estas com essa vagabunda, Camila?

— Ei, não a chame assim. – Esbravejei, a fuzilando do mesmo modo.

— Quer que eu a chame de rainha? Se toca Camila, ela não te ama. Vai se esquecer o que ela fez?

— Já me esqueci, porque diferente de você não sou rancorosa. – Ela passou a mão no rosto.

— Você está cega novamente. – Apontou o dedo em minha direção. — Ela vai te machucar de novo, Camila, tu não percebes isso? Porra, ela não presta.

— Para com isso, Emma. – Me aproximei dela. — Ela mudou, não é mais a Lauren imatura de antes. – Falei, olhando em seus olhos. — Acredite em mim, vamos parar de brigar. – Ela negou, passando por mim. — Emma, eu...

— Você nada. – Estava de costas ainda. — Só me responde uma coisa. – Virou-se, pondo as mãos na cintura. — A criança é sua filha?

— Não. – Murmurei, Emma suspirou aliviada. — Mas irei registra-la em meu nome.

— O quê? Tá maluca? – Ally andou até Emma e tocou seu ombro.

— Calma, Em. – Disse, e Emma tirou a mão de Ally de seu ombro.

— Calma nada. – Andou de um lado pro outro, massageando as têmporas, enquanto eu me sentei. — Você tá louca? Essa menina nem é sua filha, e queres carregar esse peso? Camila eu não aprovo isso.

— Você não tem que aprovar nada. – Gritei com ela, do mesmo jeito que ela estava fazendo. — Não és minha mãe para decidir nada. Sei muito bem o que faço. Não tenho quatro anos, não.

— Mas age como se tivesse. – Gritou, e Ally passou a mão no rosto ao lado de Emma. — Pensa que a vida é filme, hã? Que é só voltar com Lauren e registrar a vida dela que tudo dará certo?

— É. – Gritei. — A vida não é um filme, porra, mas quando queremos algo que está a nosso alcance, devemos nos mover. – Apontei o dedo em sua cara. — Se não aceitas minha relação com Lauren... pode sair daqui e não fala mais comigo, ok? Só quando for algo em relação ao trabalho. – Ela me olhou e assentiu andando até a porta.

— Quando você se foder com essa zinha aí, não venha me dizer que eu não te avisei, Camila. – Saiu do quarto batendo a porta.

Me joguei na cama, passando as mãos no cabelo. Senti o colchão afundar e era apenas Ally.

— Vai me dizer que também não me aprova com Lauren? – Botei o braço em meu olho.

— Não, Mila. – Ouvi a voz calma de Ally, me fez aliviar a raiva. — Eu não mando na sua vida pessoal, muito menos amorosa. Você sabe o que faz, não tem vinte três dias, tem vinte e três anos... então você perfeitamente o que é certo e errado. Se acha que deve dá mais uma chance a Lauren, dê. Se quer registrar a filha dela, registre. Eu sei que Emma agiu errado, mas não terminem a amizade de vocês por isso. Deixe a raiva dela passar e converse melhor com ela.

— Como se ela fosse querer falar comigo. – Sussurrei. Ally tirou meu braço do olho e me fez fita-la.

— Você a conhece mais do que ninguém, e sabe que ela te ama como uma verdadeira irmã. Se falou o que falou, é porque que o seu bem. – Eu me sentei. — Sabes que ela vai entender isso, e nada melhor que uma conversa, né?

— Sim. – Assenti. — Quando ela se acalmar falo com aquela cabeça dura.

— Isso aí. – Me puxou para um abraço. — Sabes que eu sempre apoiarei suas decisões, mas quando for decisões erradas, deixo Emma te bater. – Rimos e eu a apertei mais em meus braços.

— O que seria de mim sem você, Allycat? – A olhei e ela sorriu.

— Uma zé ninguém. – Eu ri negando, voltando a abraça-la. — Agora se arrume, o ensaio começa em vinte e sete minutos. – Olhou em seu relógio, e eu corri pegando minha roupa na mala. — Estou indo, nos vemos lá.

— Certo. Ah, Ally! – Ela me olhou.

— Sim?

— Convidei Lauren e Jade pra virem no show, pode leva-las nos bastidores para verem meu show de lá. Pode recepciona-las?

— Primeiro quem é Jade?

— A filha de Lauren, que será minha. – Ally riu e assentiu.

— Mais alguma coisa, madame bunduda?

— Eu queria que Jade entrasse no palco comigo e sua amiguinha que virá. Mas tem que ser surpresa, ok?

— Ok. – Ally pegou o celular. — Emma vai te matar... e me matar.

— Deus está com nós.

— Amém. Hey! Eu que sou a pastora dessa irmandade.

— Desculpe, irmã Brooke. – Rimos e fui pro banheiro me vesti.

— Não demora.

 

 

(Lauren Point Of View):

 

Estava penteando o cabelo de Jade. Havíamos nos arrumado adequadamente pra ir ao show. Jade convidou Chloe, uma amiguinha da escola e que é nossa vizinha, que mora na casa aonde Camila morava.

— Mamãe, essa calça legue é bonita. – Eu sorri, pegando sua inseparável travessa rosa de pano.

— Sabia que você ia gostar. – Espirrei seu perfume nela.

Jade vestia uma calça legue rosa pink e um vestido florido preto com estampa das flores rosa.

— Você também tá bonita, a Mila vai babar em você. – Rimos, e eu me olhei no espelho.

Eu vestia um vestido soltinho vermelho e um salto plataforma preto. Ouvimos a campainha e logo descemos. Papai e mamãe estavam no sofá vendo o jornal.

— Koko. – Jade gritou, quando abriu a porta.

— Jaja. – Abraçaram-se e eu sorri.

— Não cheguem tarde, mocinhas. – Papai disse, em um tom brincalhão.

— Vão com Deus, filha. – Inclinei-me no encosto do sofá e mamãe me deu um beijo no rosto.

— Amo vocês. – Abracei o papai.

— Também te amamos. – Jade abraçou os avós e saímos de casa com Chlóe, sua amiguinha.

Quase cai pra trás. Um Maybach 57S preto, estava parado em minha porta, com um motorista rechonchudo da pele morena e muito bem vestido de terno nos esperando.

— Senhoritas. – Ele disse abrindo a porta de trás.

Sorri simpática, ainda surpresa. Entramos no carro e o moço deu a volta. Ele entrou e olhou para nós.

— Sou Big Rob, segurança particular de Camila e ela me mandou vim buscar suas damas de hoje a noite. – A Camila não existe mesmo.

— Oi, Big Rob. Sou Jade e essa é a Chloe. – Apontou a loirinha a seu lado.

— Oi, Chloe. – Ele disse dando ignição.

— Olá. – Ela disse tímida.

— Não precisa ser tímida, Koko. – Minha filha a remexeu e a loirinha riu.

— E você deve ser a famosa Lauren, não? – Big Rob perguntou, dobrando na rua.

— Sim. Por que famosa? – Perguntei. As meninas conversavam distraída.

— Porque te vi na TV, e além do mais você é muito falada por Camila.

— Eu me vi na TV e fiquei até assustada. – Ri e ele me acompanhou. — Camila fala bem ou mal de mim.

— Bom, ela fala de você. – Rimos e Big Rob ligou o som. — Brincadeira. Ela fala bem demais de você e da pequena Jade.

— Meu Deus, espero que sejam coisas boas.

— São sim. – Olhei a paisagem ao meu lado pela janela. — Camila ama fala de vocês... dá até para ver o brilho no olhar dela.

Sorri e Big Rob sorriu também voltando a atenção a estrada. Não falamos mais nada, só ouvimos as vozes das crianças conversando.

 

 

...

 

 

— Chegamos, meninas. – Ele disse, e eu olhei uma porta com dois seguranças. — Essa é a parte dos bastidores, por isso não tem muitas fãs. – Saiu do carro e abriu para nós.

Estendeu a mão e eu peguei, saindo.

— Obrigada. – Eu disse, sorrindo simpática. Big Rob é uma pessoa bem divertida, Camila não poderia ter mandado pessoa melhor.

— Sem problemas. – Ajudou as crianças. — Venham. – Andou na frente e nós o seguimos. — Fala Henrie! Hey Josh!

— E aí, Big?! – Passamos pelos dois guarda-roupas e entramos no extenso corredor, com várias pessoas perambulando com microfone, roupa e prancheta.

— Aqui é aonde fica a nossa pop star. – Andamos pelo corredor analisando tudo.

— A Mila tá em que sala, Big Rob? – Jade perguntou, de mão dadas comigo.

— É, cadê ela? – Chlóe perguntou, de mão dadas comigo com a outra mão.

— Se aprontando no camarim. Ela mandou leva-las até lá. – Assentimos e as meninas caminharam junto de mim e Big Rob.

Passamos por várias salas e chegamos no camarim principal. Um C brilhoso estampado na porta.

— Aqui acaba a excursão, madames. – Botou a mão na maçaneta. — Bom show e divirtam-se. Ah! Quase me esqueci, as pulseiras. – Colocou no nosso pulso as pulseiras verdes fluorescentes, escrito ‘’Reflection tour Miami’’. — Até mais!

— Tchau, Big Rob. – Falamos juntas. As meninas o abraçaram e eu fiz o mesmo.

— Abre, filha, entrem vocês primeiro. – Mandei, as vendo assenti.

Jade abriu a porta e entrou junto de Chloe. Ouvi só os gritos das duas e ri entrando em seguida.

— Eu sou muito sua fã. – A loirinha disse, ainda abraçada a Camila que estava agachada no tamanho delas. — Eu amo suas músicas.

— É, linda. – Enrolou os cachinhos loiros de Chloe. — Você tem um cabelinho lindo, parece uma bonequinha.

— Obrigada. – Camila a abraçou, beijando o topo da cabeça dela e eu sorri.

Jade se aproximou e Camila também a abraçou.

— Eu já estava com saudades. – Murmurou ainda abraçada a Camila.

— Eu também, pink princess. – Beijou o cabelo dela. — Cadê sua mãe?

— Aqui. – Falei, me aproximando delas. — Nem fui notada. – Fiz bico e Camila levantou-se e puxou meu lábio inferior, enquanto agarrava cada lado de meu quadril.

— Foi sim, amor. – Disse, cheirando meu pescoço. — Tá linda com esse vestido, amor. – Eu sorri por duas coisas: Primeiro ela estava me chamando de amor. Segundo ela estava me elogiando, amo que me elogiem.

— Obrigada, Camz. – Corei. — Mas nem estou tanto assim.

— Imagine quando estiver... vai me matar de vez. – Eu ri e ouvi as crianças murmurarem: ‘’Eh!’’

— Camila, hora do show. – Uma loira alta, apareceu na porta com uma prancheta.

— Ok, Dj . – Camila disse a loira que assentiu.

Dinah saiu do camarim e ficamos somente nós quatro. Camila sorriu e me olhou.

— Tenho que ir, gatinha. – Selou nossos lábios. — Venham comigo, fiquem na coxia ao lado do palco. Tenho uma surpresa para as meninas.

— Ok, amor. – Ela sorriu grandemente. — Vai que te seguiremos.

Ela assentiu e saiu do camarim. Chamei as meninas que nos seguiram. Camz tirou o roupão de ceda e revelou uma calça de couro folgadas com os suspensórios soltos e regata que deixava partes de sua barriga amostra.

— Essa calça de compressão aperta minhas bolas, Normani. – Camila resmungou com a morena que caminhava a seu lado. E que morena? Cabelos enrolados caindo por suas costas, vestido colado branco e saltos pretos.

— Não reclama, tripé. – Bateu na cabeça da Camila. — Foi uma luta te botar pra vesti isso.

— Por isso mesmo, não posso tirar?

— Cala a boca e anda logo. – Eu ria e Normani me olhou. — Não concordas que é melhor ela por a calça de compressão?

— Sim. – Caminhei junto das meninas. — Para de resmungar, amor.

— Concordo com a branquela aí. – Normani bateu um high-five comigo.

— Está legal assim, Mila. – Jade disse, caminhando com Koko que assentiu.

— Verdade. – Koko disse, segurando minha mão.

Um cara a entregou o microfone dourado. Ela me seu um selinho surpresa e eu ri corada.

— Boa sorte. – Sussurrei e ela sorriu.

— Com você aqui, já sinto ela. – Sorri besta pelo o que ela disse.

Camila beijou a testa das meninas e acenou ao pessoal dos bastidores que gritaram ‘’boa sorte’’.

Ela subiu num espécime de elevador. O cara fez sinal ao carinha que ligou o ‘’elevador’’ e Camila subiu acenando para nós e mandando beijos. Escutamos gritos e deduzimos que Camila chegou ao palco.

— Lauren, né? – Uma loirinha baixinha perguntou e eu assenti. — Vem, você e as meninas. Só me sigam, sim?

— Ok. – Peguei nas mãos das meninas e seguimos a moça.

— Sou Ally. Assessora e ‘’mãe’’ daquela criança de vinte e três anos que tá no palco. – Rimos e chegamos numa parte escura ouvindo batidas de música.

— Pra onde estamos indo, tia? – Koko perguntou.

— Não sei, meu amor. – Sussurrei, ouvindo a música aumentar.

— Tá muito escuro, mãe. – Jade apertou minha mão.

— Fiquem bem aqui. – A tal Ally, nos deixou na coxia que Camila havia dito.

Dava para ver ela bem de perto. A minha latina estava falando com os fãs que começaram a gritar. Olhou pra nós e sorriu lindamente. As meninas pularam animadas.

— Peguem isso, crianças. – Entregou colar de pena rosa e azul para elas. Óculos graúdos coloridos e chapéus que Camila usa nos shows.

— Mamãe segura meu laço. – Tirou me entregando.

Segurei o laço, vendo Ally arrumar as meninas. Depois de ‘’arrumadas’’ a loira falou o que era para elas fazerem.

— Quando acabar essa música, vocês entram, ok?

— O quê? Vamos entrar no palco. – Jade pulou animada.

— Sim, querida. – Riu vendo a animação das meninas.

— É, isso tchau gente!

— Tchau, Ally! – Falamos a vendo acenar.

— Agora quero dedicar essa música para uma pessoa que está aqui. – Olhou discretamente para mim. — Querem ouvir? – Botou o microfone em direção a plateia e eles disseram: ‘’Sim’’.

A batida começou e ela balançou a cabeça:

 

Am I out of my head?

Am I out of my mind?

If you only knew the bad things I like

Don't think that I can explain it

What can I say, it's complicated

Don't matter what you say

Don't matter what you do

I only wanna do bad things to you

So good, that you can't explain it

What can I say, it's complicated.

Será que perdi a cabeça?

Será que estou ficando louca?

Se você soubesse das coisas más que eu gosto

Não acho que consigo explicar

O que posso dizer, é complicado

Não importa o que você diga

Não importa o que você faça

Eu só quero fazer coisas más com você

Tão bom, que não dá para explicar

O que posso dizer, é complicado.

 

Andou pelo palco gesticulando com mão no ritmo da música. Olhou pra mim, piscou e virou-se rebolando a bunda em minha direção. Mordi os lábios e sorri com aquilo. Ela estava cantando e dançando para mim de modo oculto.

 

Nothing's that bad, if it feels good

So you come back, like I knew you would

And we're both wild, and the night's young

And you're my drug, breathe you in 'til my face numb

Drop it down to that bass drum, I got what you dream about

Nails scratchin my back tatt

Eyes closed while you scream out

And you keep me in with those hips

While my teeth sink in those lips

While your body's giving me life

And you suffocate in my kiss

Then you say.

Nada é tão ruim, se o sentimento é bom

Então você volta, como eu sabia que você faria

E nós dois somos loucos, e a noite é uma criança

Sua mente bêbada, te aproximo até meu rosto adormecer

Vá até o chão como a batida, eu tenho o que você sonha

Suas unhas arranham as minhas costas em um ataque

Eu acho que quando você grita

E você me atinge com esses quadris

Enquanto meus dentes afundam em seus lábios

Enquanto seu corpo me curte

E você está sufocando o meu beijo

Então, você diz.

Foi pro meio do palco, próximo as fãs e passou a mão nas dela. Depois voltou e dançando no ritmo da batida e me olhou de novo, dessa vez dançando olhando de vez ou outra pra mim.

 

I want you forever

Even when we're not together

Scars on my body so I can take you wherever

I want you forever

Even when we're not together

Scars on my body so I can look at you whenever.

Eu te quero para sempre

Mesmo quando não estamos juntos

Cicatrizes em meu corpo para te levar para qualquer lugar

Eu te quero para sempre

Mesmo quando não estamos juntos

Cicatrizes em meu corpo para te levar para qualquer lugar.

 

Am I out of my head?

Am I out of my mind?

If you only knew the bad things I like

Don't think that I can explain it

What can I say, it's complicated.

Será que perdi a cabeça?

Será que estou ficando louca?

Se você soubesse das coisas más que eu gosto

Não acho que consigo explicar

O que posso dizer, é complicado

Não importa o que você diga

Não importa o que você faça

Eu só quero fazer coisas más com você

Tão bom, que não dá para explicar

O que posso dizer? É complicado.

 

 

I can't explain it, I love the pain

And I love the way

That your breath numbs me like novocain and we are

Always high, keep it strange

Okay yeah I'm insane, but you the same

Let me paint the picture, couch by the kitchen

Nothing but your heels on, losing our religion

You're my pretty little vixen

And I'm the voice inside your head

That keeps telling you to listen

To all the bad things I say and you say.

Não dá para explicar, eu amo a dor

E eu adoro o jeito

Que seu hálito me lembra maconha e remédio

Sempre chapados, tudo é estranho

Sim eu sou doido, mas você também é

Deixa eu desenhar para você, contando com a cozinha

Você não veste nada além do salto, perdendo nossa religião

Você é a minha ficção bonitinha

E eu sou a voz em sua cabeça

Que fica te falando para escutar

Todas as coisas más que eu digo e você diz.

 

I want you forever

Even when we're not together

Scars on my body so I can take you wherever

I want you forever

Even when we're not together

Scars on my body so I can look at you whenever.

Eu te quero para sempre

Mesmo quando não estamos juntos

Cicatrizes em meu corpo para te levar para qualquer lugar

Eu te quero para sempre

Mesmo quando não estamos juntos

Cicatrizes em meu corpo para te levar para qualquer lugar.

 

 

Am I out of my head?

Am I out of my mind?

If you only knew the bad things I like

Don't think that I can explain it

What can I say, it's complicated

Don't matter what you say

Don't matter what you do

I only wanna do bad things to you

So good, that you can't explain it

What can I say? It's complicated.

Será que perdi a cabeça?

Será que estou ficando louca?

Se você soubesse das coisas más que eu gosto

Não acho que consigo explicar

O que posso dizer, é complicado

Não importa o que você diga

Não importa o que você faça

Eu só quero fazer coisas más com você

Tão bom, que não dá para explicar

O que posso dizer? É complicado.

 

The way we love is so unique

And when we touch, I'm shivering

And no one has to get it

Just you and me

Cause we're just living

Between the sheets.

O jeito como nos amamos, é tão único

E quando nos tocamos, estou arrepiada

Ninguém tem que entender isso

Apenas eu e você

Pois estamos apenas vivendo

Entre os lençóis.

Passou a mão no corpo e virou de novo pra mim. Eu me abanei e ela riu, ainda cantando. Foi para perto dos fãs de novo e tocou nas mãos deles. Pegou o celular de uma e bateu uma foto com ela, sem parar de cantar.

 

I want you forever

Even when we're not together

Scars on my body so I can take you wherever

I want you forever

Even when we're not together

Scars on my body so I can look at you whenever.

Eu te quero para sempre

Mesmo quando não estamos juntos

Cicatrizes em meu corpo para te levar para qualquer lugar

Eu te quero para sempre

Mesmo quando não estamos juntos

Cicatrizes em meu corpo para te levar para qualquer lugar.

 

Am I out of my head?

Am I out of my mind?

If you only knew the bad things I like

Don't think that I can explain it

What can I say, it's complicated

Don't matter what you say

Don't matter what you do

I only wanna do bad things to you

So good, that you can't explain it

What can I say? It's complicated.

Será que perdi a cabeça?

Será que estou ficando louca?

Se você soubesse das coisas más que eu gosto

Não acho que consigo explicar

O que posso dizer, é complicado

Não importa o que você diga

Não importa o que você faça

Eu só quero fazer coisas más com você

Tão bom, que não dá para explicar

O que posso dizer? É complicado.

Piscou pra mim e mordeu o lábio. Andou novamente pelo palco falando com os fãs que gritavam. Olhou pra mim e fez um coração e virou de novo pros fãs. Essa mulher é minha perdição, tudo que ela faz é com maestria. Depois que ela cantou essa música, percebi o quão safada as suas palavras soaram. Se ela quer uma noite de más intenções, ela terá.

 

— Mamãe, que horas entraremos, estou ansiosa. – Pulou com de mãos dadas com Koko, que também pulava.

— Acho que é agora, filha. – Apontei para Camila.

— Bom, meus lindos, neste exato momento trarei para vocês aqui no palco duas figurinhas super fofas. – Apontou para onde estávamos. — Com vocês minha filha Jade e Chloe minha nova amiguinha dos cabelos de ouro. – Gritou no microfone e os fãs gritaram indo a loucura.

A Camila é louca? Como ela pôde dizer que a Jade é filha dela? Meu Deus vão achar que ela ficou maluca. E ainda mais vão pedi informações sobre isso, e não quero minha filha exposta ao mundo de fama e entrevistas. Mas brigarei com minha namorada depois.

As meninas correram felizes até o palco e abraçaram Camila. Os fãs gritavam. As pequenas viraram a aba do boné e entregaram um a Camila que fez o mesmo. Não queria dizer, mas ela ficava sexy de boné, e estava mais ainda com esse maiô que apertava sua bunda.

— O que vamos cantar, Koko? – Botou o microfone na boca da loirinha.

— That’s My Girl. – Disse segurando o boné.

Camila assentiu e Jade pulou animada. Minha filha estava tão feliz, que seus sorrisos me faziam sorri. Cruzei meus braços abaixo do seio olhando meus dois amores no palco.

— Ok, vamos lá. Camygirls. – Levantou as mãos e as meninas pularam mais animadas ainda.

A batida soou e os dançarinos profissionais entraram. A tal Dinah estava no meio.

 

Who's been working so damn hard?

You got that head on overload?

Got yourself this flawless body

Aching now from head to toe.

Quem é que trabalhou duro?

Está com a cabeça sobrecarregada?

Conseguiu esse corpo perfeito

Doendo da cabeça aos pés.

 

Ain't nothing, ain't nothing

All my ladies 'round the world

Ain't nothing, ain't nothing

Good girls better get bad.

Isso não é nada, não é nada

Todas as minhas garotas ao redor do mundo

Isso não é nada, não é nada

Boas garotas, melhor ficarem más

 

You've been down before

You've been hurt before

You got up before

You'll be good to go, good to go

Destiny said it: You got to get up and get it

Get mad independent and don't you ever forget it

Got some dirt on your shoulder, then let me brush it off for ya

If you're feeling me, put your five high

That's my girl...

Você já ficou para baixo antes

Já se machucou antes

Já se levantou antes

Você estará pronta, pronta para ir

Como Destiny’s Child dizia, você tem que se levantar e conseguir

Fique completamente independente e não esqueça jamais disso

Tem uma sujeira no seu ombro, deixa eu limpar para você

Se você me entendeu, toca aqui

Essa é minha garota...

 

That's my girl

That's my girl

That's my girl

Get up, what you waiting for?

That's my girl

That's my girl

That's my girl.

Essa é minha garota

Essa é minha garota

Essa é minha garota

Levanta, está esperando o que?

Essa é minha garota

Essa é minha garota

Essa é a minha garota.

 

Nod if you been played by every boo

Just tryna show you off

Thought he was the best you ever had

Until he cut you off.

Acene se você já foi feita de boba pelos caras

Tentado exibir você

Pensou que ele era o melhor que já teve

Até ele te dar o fora.

 

Ain't nothing, ain't nothing

Bet, you bet, you know your worth

Ain't nothing, ain't nothing

Good girls better get bad.

Isso não é nada, não é nada

Aposto, aposto que você sabe seu valor

Isso não é nada, não é nada

Boas garotas melhor ficarem más.

 

You've been down before

You've been hurt before

You got up before

You'll be good to go, good to go

Destiny said it: You got to get up and get it

Get mad independent and don't you ever forget it

Got some dirt on your shoulder, then let me brush it off for ya

If you're feeling me, put your five high

That's my girl...

Você já ficou para baixo antes

Já se machucou antes

Já se levantou antes

Você estará pronta, pronta para ir

Como Destiny’s Child dizia, você tem que se levantar e conseguir

Fique completamente independente e não esqueça jamais disso

Tem uma sujeira no seu ombro, deixa eu limpar para você

Se você me entendeu, toca aqui

Essa é minha garota...

 

That's my girl

That's my girl

That's my girl

What you wait, what you wait

What you waiting for?

That's my girl

That's my girl

That's my girl.

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

O que está esperando, o que está esperando

O que você está esperando?

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota.

 

 

You've been down before

You've been hurt before

You got up before

You'll be good to go, good to go

Don't ever give up, no no

Destiny said it: You got to get up and get it

Get mad independent and don't you ever forget it

Got some dirt on your shoulder, then let me brush it off for ya

If you're feeling me, put your five high

(That's my girl).

Você já ficou para baixo antes

Já se machucou antes

Já se levantou antes

Você estará pronta, pronta para ir

Nunca desista, não, não

Como Destiny’s Child dizia, você tem que se levantar e conseguir

Fique completamente independente e não esqueça jamais disso

Tem uma sujeira no seu ombro, deixa eu limpar para você

Se você me entendeu, toca aqui.

(Essa é minha garota)

 

That's my girl

That's my girl

That's my girl

What you wait, what you wait

What you waiting for?

That's my girl

That's my girl

That's my girl.

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

O que está esperando, o que está esperando

O que você está esperando?

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

Essa é a minha garota

 

That's my girl, that's my girl

That's my girl, that's my girl...

Essa é a minha garota, essa é a minha garota

Essa é a minha garota, essa é a minha garota...

 

Ain't nothing, ain't nothing, ain't nothing

Put your heart and your soul in it

Ain't nothing, ain't nothing, ain't nothing

Now put your heart and your soul in it.

Isso não é nada, não é nada, não é nada

Coloque seu coração e sua alma nisso

Isso não é nada, não é nada, não é nada

Agora coloque seu coração e sua alma nisso.

 

That's my girl

That's my girl

That's my girl.

Essa é minha garota

Essa é minha garota

Essa é minha garota.

 

That's my girl

That's my girl

That's my girl (that's my girl).

Essa é minha garota

Essa é minha garota

Essa é minha garota (essa é minha garota).

 

That's my girl...

Essa é a minha garota.

 

Camila se agachou e fez poses junto das meninas. Eu ri e peguei meu celular para fotografa. As câmeras batiam foto das três. Os fãs berravam batendo palma. Os dançarinos se posicionaram para a outra música, enquanto eu gravava tudo como uma perfeita idiota.

 

 

 

...

 

O show ocorreu melhor que o esperado. As visitas surpresas apareceram e Sofia também entrou no palco, junto de Regina irmã de Dinah. O show foi extremamente engraçado e satisfatório para todos, inclusive eu, que levei uma ‘’cantada’’ de Camila no começo.

Agora estamos todos no camarim. Dianne bebendo refrigerante, as crianças comendo pizza junto do pessoal da produção, Camila estava se trocando no banheiro. Eu estava acabando uma fatia de pizza, sentada no sofá conversando com Normani, Dinah e Ally; elas são incrivelmente engraçadas e divertidas. Emma, nem se deu o trabalho de comemorar o show, foi embora sem se despedi de ninguém, vi ela só na saída do show quando ela esbarrou em mim.

— Pessoa! – Camila saiu do banheiro, devidamente arrumada. — Quero a atenção de todos, por favor!

— Fala logo, bunduda. – Dinah disparou e todos rimos. — Descobriu que pode mestruar?

— Cala a boca, Dinah. – Rimos, e ela se aproximou de nós no sofá.

Me pegou pela mão e me botou em pé. Franzi o cenho, mas aí Camila se ajoelhou e tirou as mãos das costas revelando uma caixinha azul marinho de veludo.

— Camila você... – Ela negou e me cutucou para calar-me.

— Deixa eu falar, Lolo. – Todos se voltaram para nós.

Camila se ajeitou no chão e segurou minha mão, enquanto a outra segurava a caixinha ainda fechada.

— Então, pode parecer precipitado o que irei pedir ou dizer, mas... – Apertou minha mão, e eu a senti soar. — Eu sei o tanto de coisas que passamos durante os anos. O começo de nossa amizade naquela tarde. O nosso crescimento junto. O nosso primeiro beijo. Nossas descobertas. As promessas que prometemos cumprir, quando crescêssemos. Enfim tudo. Eu queria dizer que apesar do que você fez pra mim, não querendo me fazer de vítima nem nada até porque não ouvi seus argumentos, quando eu lhe ignorei pela aquela maldita aposta, sei que errei, já pedi desculpas, você já pediu desculpas. O melhor de tudo é que analisamos nossos erros, aprendemos e amadurecemos. Você disse que nunca deixou de me amar, e você acha que eu deixei, Lauren? – Abriu a caixinha com as mãos trêmulas e os olhos marejados. — Não é um pedido de casamento ainda. Mas eu quero que você seja minha oficialmente. Então, você aceita namorar com essa boboca de marca maior? Você aceita que eu entre na sua vida? Que eu cumpra minhas obrigações de te amar todos os dias e de que daqui a semana, meses ou em um ano, nos casemos e sejamos uma família?

Se eu estava chorando? Eu estava com um riacho nos olhos. Limpei minha bochecha e olhei as alianças pratas com uma pequena perola na ponta. Encarei Camila ainda agachada com os olhos marejados.

— Se eu dissesse que não estaria mentindo. – A levantei e selei nossos lábios em um selinho. — Claro que eu aceito. É tudo que eu mais quero, ser sua namorada, sua amiga, sua amante e a sua futura esposa. – Falei, com a voz embargada.

Camila sorriu radiante e botou a aliança no meu dedo a beijando. Eu fiz o mesmo com ela. Ouvimos o pessoal do camarim gritar dizendo: ‘’Beija de novo! Beija de novo!’’

— Eles mandam e eu cumpro. – Camila sussurrou e atacou meus lábios.

Sorrimos com a boca colada uma na outra. Camila me trouxe para mais perto de si, abraçando minha cintura. Eu por si só, agarrei sua nuca, enquanto que com a outra mão acariciava seu pescoço com o polegar, sem demora minha língua adentrou a boca de Camila e as enroscamos sentindo o gosto de nosso paladar. O pessoal gritou animado e senti mãozinhas abraçarem minha perna com a de Camila. Finalizei o beijo, com selinhos demorados. Olhei pra baixo e vi Jade sorrindo, olhando nós duas.

— Você agora é a namorada oficial da mamãe? – Camila a pegou no colo e assentiu.

Jade abraçou Camila e sorri. Minha filha, beijou a bochecha de Camila e se inclinou para beijar a minha.

— Você agora é minha papai? – Perguntou, acariciando o rosto de Camila.

— Sim, pink princess. – Eu estava de mais emocionada.

Jade saiu do colo de Camila e veio ao meu.

— Eu disse mamãe! Eu disse que sonhos se realizam. – Ela sussurrou em meu ouvido e me abraçou.

— Eu namoro a Lauren Jauregui pessoal. – Camila gritou e o pessoal gritou de volta.

— Viva o casal Camren! – Normani levantou o refrigerante e todos ‘’brindaram’’.

— Viva! – Levantamos as mãos e rimos.

 

 

Essa foi uma grande noite... E parece que está por começar.


Notas Finais


Deem a opinião de vocês


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...