História A babá da minha irmã - Calum Hood - Capítulo 35


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Calum Hood
Tags 5sos, Calum Hood
Visualizações 38
Palavras 2.309
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


oi minhas lindas amoras,tudo bem com vocês? espero que sim, bom o cap de hoje eu queria não honrar mais sim guardar de lembrança ,bom eu meio que adicionei um momento da minha vida que doeu muito e marcou também e eu gostaria de deixar isso na fic,é um cap triste e pequeno mais espero que gostem. bom é isso beijos boa leitura S2

Capítulo 35 - Luto


Alice Campbell

Estava na escola,já tinha dado o horário da escola,mas eu tinha ficado na biblioteca pra estudar mais pra provas finais, estou dando o máximo de mim mesma, quero fechar  ano com nota máxima para os reitores da faculdade verem mesmo que eu merecia essa bolsa de 75% e que eu poderia ter ganhado a de 100%, ainda estou brigada com Calum e isso é o que mais me atrapalha não consigo tirar esse idiota lindo e carinhoso da cabeça, ahh Deus como eu posso pensar nele fofo brigada com ele, ele consegue me irritar com aquele cabelo perfeito,os olhos castanhos tão escuros que até me perco no meio daquela escuridão tão linda e atraente,as tatuagens ah aquele corpo dos Deus todo tatuado... Ah não consigo ele e irritavelmente perfeito.

Talvez eu devesse ligar pra ele e pedir desculpas, eu me irritei ato também, e quando menos percebi la estava eu olhando  a tatuagem no meu antebraço com seu nome em baixo de seu instrumento preferido e o meu também, senti minha visão borrar e minhas bochechas molharem,ah coisa que eu mais odeia é chorar na escola,já perdi a conta de quantas vezes as pessoas vem me perguntar se estou bem,não é que eu não goste,só que eu sei que elas não se importam sei que só estão ali porque sou a namorada de Calum,e se a namoradinha de Calum está chorando as meninas caiem matando para saber o que aconteceu para que o tirem de mim, isso é tão frustante! Já foi tantas vezes que meu rosto com o olhos inchados pelo choro fora mostrado nos sites de fofocas de famosos em matérias que nós terminamos,mas ninguém sabe o que realmente acontece, antes mesmo da minha lagrima chegar a encontrar com a pagina do meu livro eu o fechei e me levantei pegando todas as minhas coisas e colocando na minha bolsa logo caminhando para fora da biblioteca e quando cheguei na saída da minha escola,achei Calum e meus pais conversando, Calum estava com um buque de rosas gigante e eu não consegui segurar o sorriso, mas quando finalmente reparei em meus pais meu sorriso desapareceu, minha mãe chorava no ombro do meu pai enquanto ele falava algo para Calum,o mesmo parecia triste, quando me aproximei já sentindo meu coração bater rápido de nervosismo, pude escutar o que eles falavam.

- meus pêsames senhor e senhora Campbell... - ele disse baixo e logo se virou pra mim quando me viu. - amor...

- oque houve? porque você ta chorando  mãe? - disse e meu desespero foi aumentando cada vez mais.

-filha se acalma.. - disse meu pai e respirou fundo- meu amor você se lembra que sua tia não estava muito bem - e na mesma hora eu tinha entendido o que aconteceu, meus olhos marejaram e meu coração apertou, minha tia Lucy, ela estava muito ruim e internada na UTI do hospital, eu era tão ligada a minha tia quando era pequena eu teve muita importância na minha vida,ela já de idade mais isso não poia acontecer, um turbilhão de emoções esta passando por mim agora e a unica coisa que eu consigo fazer é me culpar eu já tinha que ter ido vê-lá a muito tempo mas eu não fui todo final de semana eu tinha lições,Deus como eu me esqueci disso,as lagrimas já corriam em meu rosto eu soluçava ao mesmo tempo que   tentava puxar o ar dos pulmões. Minha mãe vei me abraçar mais meu corpo minha mente tudo estava paralisado,eu não raciocinava direito só sei que minha bolsa caiu por ter escutado o barulho de longe e por o pedo em um dos meus ombros ter diminuído, sentia meu corpo ser apertado mas eu não fiz anda tudo começou a ficar distante e escurecer e logo meu corpo relaxou e meus olhos se fecharam sozinhos.

Eu sentia o cheiro de algo doce pela casa minha mãe devia estar cozinhando,ela faz isso quando está nervosa, acho que eu desmaiei, abri os olhos e pisquei varias vezes me acostumando co a pouca claridade que vinha da televisão, quando me sentei no sofá macio percebi que não estava em casa e sim na casa onde Calum e os meninos moram, me levantei e fui pra cozinha vendo o Mick fazendo cooks.

- Mick...- o chamei e minha voz saiu rouca.

- Lice..-ele disse vindo e me abraçando apertado e ai foi quando eu desabei no choro novamente minha mente estava ligada e eu tinha me lembrado da minha tia.- eu sinto muito

- ela não podia ter ido...

-calma meu amor...

- Cade meus pais, e Calum, Mick eu preciso que me levem no cemitério eu preciso vela.

-Calum foi buscar algumas roupas suas, e seus pais estão no cemitério, o Cal vai te levar amanha lá não é bom vocês ir anoite.

- anoite?

- Alice agora são sete  horas da noite...- Deus do céu eu fiquei 5 horas dormindo?

- nossa...

- vem comer, os biscoitos estão saindo do forno - ele disse e eu me sentei em um dos bancos perto da ilha que tem no centro da cozinha,enquanto ele retirava os biscoitos da assadeira e colocava no prato na minha frente, depois foi até a geladeira e pegou leite serviu em dois copos me entregando um enquanto bebia no outro e mordia um dos seus biscoitos.

- não estou com muita fome Mick mas obrigado - de fato não estou com apetite.

-  eu sou seu melhor amigo Alice, tenho certeza que você não almoçou, ficou 5 horas desmaiada quer mesmo passar mal novamente? - disse me encarando, eu sei que ele vai me forçar a comer se não ceder. 

- ta bom.. - falei revirando os olhos e pegando o menor dos biscoitos e comendo, no começo foi um depois uns dez.

- ta vendo sabia que tava com fome. - ele brincou e eu sorri fraco.

- ta bom,convencido.

- vou lavar a louça.- disse se levantando e tirando os copos e os pratos,logo me levantei e fui ajudando secando a louça e guardando.

- eu quero ir no cemitério me leva?

- Calu falou que não é bom,que é pra ir amanhã.

- Calum não manda em mim!

- ele só quer seu bem Lice, assim como eu, e eu também acho melhor não. - ele disse me olhando nos olhos e eu suspirei fundo rendida.

- okay Mickey 

- agora vem vamos ver um filme e esperar o Cal chegar. - eu somente concordei com a cabeça,e logo ele me levou pra sala, me deitei com a cabeça em seu colo e ele começou a me fazer cafuné e trancinhas no meu cabelo, aquilo me fez relaxar depois de um tempo Calum chegou eu estava vendo o realyt show entendiante na t.v.

-amor.. - ele me chamou e eu o olhei meu coração apertou, eu sei que eu precisava dele, me levantei e senti seus braços me puxarem e me envolverem,senti seu corpo se apertar contra o meu e deixei as lagrimas caírem em seu ombro -shh amor, ela está em um lugar melhor minha bebê.

- ela não merecia isso. - disse entre soluços.

- ela também não merecia ficar em uma cama de hospital.

- eu sei amor...

- fica calma okay? ela ta melhor agora meu amor.

- eu devia ter ido visita-lá - disse e a culpa caiu em meus ombros.

- ei..claro que não minha vida,você não pode ficar assim. -ele disse me olhando nos olhos pegando com as duas mãos e acariciando minhas bochechas.

- obrigado..mesmo brigado comigo  você ainda estava lá.

- eu sempre vou estar com você.

- eu te amo..  - falei baixinho.

- eu também te amo-  ele falou no mesmo tom e me selou. - eu trouxe algumas roupas suas, toma um banho limpa seus pensamentos. - ele disse me entregando a sacola.

- obrigada amor,obrigado também Mickey por ter ficado comigo.

 - sou seu melhor amigo pra isso. - sorri fraco e subi para o quarto do cal, entrei me despi colocando as roupas no sexto, logo fui ao banheiro, liguei o chuveiro e esperei encher a banheira.

- posso entrar junto?- disse cal me abraçado por trás, nem tinha percebido ele chegar.

- claro amor.. -ele se despiu e logo entramos ele se apoiou na parede da banheira e eu coloquei minhas costas em seu peitoral,ele me abraçou e começou a jogar a água quente em meus ombros, deitei a cabeça em seu ombro e relaxei fechando os olhos. - precisava disso hoje,precisava de você.

- eu sempre vou estar aqui meu amor..e me desculpa pela nossa briga.

- eu que tenho que te pedir desculpas você só quis ajudar e eu estrecei atoa.

- nos dois tivemos culpa, se um não quer dois não briga. - ele me deu um beijo na bochecha me fazendo soltar o primeiro sorriso verdadeiro sem forçamento ou sem que seja os sorrisos fracos,só ele pra me fazer sorrir hoje.

- eu te amo..

- eu também te amo meu amor - ele me disse e ficamos lá sem palavras só nós,como sempre foi e é assim que eu amo,ficamos mais um tempo lá não sei ao certo o quanto,o resto da noite não foi muito longo nos basicamente nos vestimos e deitamos dormir, Cal como sempre me abraçou e eu deitei em seu peitoral,encarei a parede por um tempo enquanto senti o cafuné gostoso que ele me fazia, minha ultima lembrança antes de dormir em lagrimas foi minha tia,lembrei-me dela me consolado,me fazendo dar risada enquanto me ensinava a pintar quadros coisa que depois de hoje não sinto mais....

[...] 

Acordei com beijos em meu pescoço e meu corpo se arrepiando voluntariamente,quando abri meus olhos vi meu moreno sem camisa ajoelhado em ciam de mim.

- bom dia coisa gostosa- disse baixo nossa mesmo com tudo ele ainda me consegue me fazer sorrir,eu sei que ele também não deve estar bem mas vejo o quanto tenta me deixar feliz, e ele consegue. 

- bom dia minha vida - disse beijando meu pescoço novamente e cheirando o mesmo me fazendo cocegas. 

- a-amor para -falei e me sentei na cama,

- me desculpa,só queria te deixar um pouquinho feliz... 

- eu sei disso e você consegue,só... -suspirei, eu não tenho desculpa mas não quero rir hoje.

- fiz seu café, do jeito que gosta. -disse me entregando a bandeja e eu sorri agradecendo e lhe dando um selinho.

- obrigada meu amor - falei pegando a xícara de chá e tomando a mesma logo comendo minhas panquecas que estavam deliciosas confesso. Calum se levantou e se arrumou, o cabelo molhado já entregava que já tinha tomado banho, logo que terminou se sentou na cama e eu lhe entreguei a bandeja quando acabei.

- vai tomar banho e se arrumar okay? já já estamos saindo -ele falou e me deu um selinho antes de sair e descer, não enrolei muito levantei arrumei nossa cama e caminhei pro banheiro tirando a blusa de Calum que eu vestia, meu banho foi rápido, sai e me arrumei pondo um vestido preto, por mais que eu não ligue muito pra ir totalmente de preto aos enterros meus pais acreditam nisso, Cal também então acho que nisso eu tento que fazer. Quando desci eu só escutava os barulhos de meus saltos na escada e encontrei a pequena Emy ao terminar de descer.

- oi minha princesa. - falei a pegando no colo e dando um beijo demorado em se rosto a mesma sorriu pra mim e abraçou meu pescoço.

- eu sinto muito pelos sua tia - ele disse meiga, com certeza os meninos contaram pra ela.

- Está tudo bem agora ela está em um lugar melhor meu amor..

-  verdadi -  ela sorriu fofa e eu acabei deixando um sorrisinho de lado e beijei a testa dela.

- bom vamos? seus pais estão nos esperando - disse o  meu moreno entrando na sala colocando o casaco que imagino tenha ficado na cozinha.

- vamos sim tchau pequena - beijei novamente a esta dela que vez biquinho.

- ah não quero ir com voxes

- não meu amor, cemitério não é lugar e criança.- Cal disse e ela fez manha

- A Lice vai voltar rápido e a gente vai ver harry potter 

- ebaa.. ta bom - ela disse e saio do meu colo logo subindo as escadas correndo. Ai como queria ser ela agora, sem entender a seriedade da situação.

- vamos - disse o moreno me abraçando e me guiando pra fora, o caminho todo fiquei quieta,não por que não queria mais sim porque não conseguia meu coração apertava cada vez mais próximo do cemitério e eu não conseguia falar.

- quer mesmo entrar lá?

- eu preciso é minha obrigação... - falei já sentindo minhas bochechas molharem logo ele parou o carro em uma vaga perto da entrada, saiu e abriu a porta pra mim e entramos com ele abraçando minha cintura. E quando eu entrei na sala me faltou ar e eu só consegui por as mãos sobre a boca e chorar alto enquanto Calum me apertava em seus braços tentando me consolar, passamos a noite toda lá pois o corpo seria enterrado só no dia seguinte, Calum avisou os meninos, ele dormiu no meu colo mais eu não conseguia dormir assim como não conseguia ficar naquela sala pois eu começava a chorar e passar mal quase desmaiei com falta de ar,mas na hora do enterro eu não aguentei eu me aproximei e beijei  testa gelada dela deixando lagrimas caírem, Cal ajudou a levar o caixão junto com meus pais e meus primos recém orfãos enterrar minha tia foi doloroso e enquanto jogavam as rosas pra eu agarrei o cal chorando, tudo será deferente a partir de agora...


Notas Finais


minhas amoras espero que entendam o porque este cap foi pequeno,espero que eu consiga trazer mais caps,prometo que vou tentar okay? beijos meus amores


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...