História A babá do meu filho - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Lily Collins
Personagens Lily Collins, Personagens Originais
Tags Drama
Exibições 6
Palavras 1.230
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oieee!! Mais um cap. Para vocês xuxus.

*Sam( capa )

*a musica que acompanha o momento da Lily e do Sam, e essa.
..("Only Hope" de Mandy Moore.)


* quem puder pesquisar a letra da musica, Eu recomendado. E muito linda.

Obs: em alguns momentos, vocês notarão erros "gritantes" nas falas do Sam. Devo esclarecer que o Sam tem apenas 4 anos, por isso, tento manter ah fala dele , o mais próximo a fala de uma criança da mesma idade na vida real.

Capítulo 4 - Eu só quero que você seja feliz.


Fanfic / Fanfiction A babá do meu filho - Capítulo 4 - Eu só quero que você seja feliz.

             

             Pov~lily

Tom dirigia o carro, em alta velocidade, eu não intendia para que toda a pressa. Tempo e o que não nos faltava agora. Foi quando notei que seus dedos estavam embranquecido, onde ele apertava o volante com força, aquilo não era presa. Era raiva?

_você esta indo rápido demais.

Ele nem me deu bola. Então continuei.

_ quer conversa?_digo. E ele olha na direção do Sam, no banco trazeiro.

_ ei pequeno. Toma isso aqui._ digo pegando meu celular ja com os fones de dento da bolça, e entregando a ele, que na mesma hora coloca-os no ouvido.

_ oque ouve?

_ cada dia que passa, fica mais difícil lidar com o Sam.

Eu olho para ele.

_ nos sabiamos que seria difícil. E além do mais, você esta lidando com   a  situação sozinho  por opção própria. Eu sempre estive disposta a vir correndo pra Boston para te ajudar.

_ eu sei Lily. Eu só queria que você não deixase de viver sua vida, para se dedicar a uma criança que nem sua é.

_ você esta falando serio? 

_ sim! Você deve ir viver sua vida..

_ha! Eu estou vivendo tom. E a forma com que eu a vivo, só diz respeito ah mim!_digo frustada.

_ ahh! Por favor Lily! Vai me dizer que cuidar de um menino com cancêr e a melhor coisa do mundo agora!?_ ele deu uma gargalhada o que me imrritou muito_ você tem o que? 24 anos? Você e jovem lily!! Sai Poraír curtindo tranzando.. O que for! Curta a sua vida!

_ vai ah merda! Seu idiota!_ digo saindo do carro( pois acabamos de chegar) e me dirigindo a porta traseira, onde destravo o cinto e pego o Sam no colo, antes de entrar na casa passo por um jardim que não pude repara muito no momento.

Estava irada com o Tom. Ele conseguia me tirar do serio com algumas simples palavras. Ele não podia interferir nas minhas escolhas!

Entro na casa, e sem querer esbarro numa mulher alta e loira.

_ foi mal_ digo colocando Samuel no chão, e o mesmo sai correndo escada acima. 

_cuidado Samuel!_ grito. As vezes nem parece que esse menino estar doente.

_ você quem e?_ me pergunta a loira na minha frente. 

_Lily_ digo estendendo a mão.

_Lily de que?_ diz ela me olhando com cara de nojo, recusando segura a minha mão.

Ela não gostou de mim! FODA_SE

_Collins. Lily Collins. 

Nesse momento o Tom entra, e nos emcara.

_ ah! Vejo que já se conheceram._ diz andando ate nos e se posicionando ao meu lado.

_ sim Tom! A senhorita Collins e um amor de pessoa!.

QUE! Mas que falsa da porra! Tentando banca a boa pessoa na frente do Tom.

_ assim..bem fico feliz. Bom ela vai ficar um tempo com a gente, nos auxiliando nos cuidados do Sam.

_ ah! Que otimo!

Falsa.

_ por tempo indeterminável, vou logo dizendo._Digo debochada, sentando-me numa poutrona próximo a mim._ estou tãoooo cançada!

_Lily, a Paloma ira te informar de tudo que presisa..

_então  seu nome e Paloma?

_você não disse seu nome, Paloma? Porque isso seria uma grande groceria_ diz Tom encarando ela.

_ e claro que eu  disse Tom. Não e senhorita?

_ sabe... na verdade você não. Você não disse.

_ senhorita..você deve não estar lembrando..__ diz a loira burra tentando se esforça ao maximo para ser amável

_que seja!_ digo dando pouca importância._ onde e meu quarto? Estou morta!!

_ficar por aqui. me acompanhe.._ sigo ela...

_Paloma! O quarto dela é ao lado do quarto do Samuel. Aqui em baixo fica o quarto do empregados..

_ perdão senhor. Me acompanhe_ diz subindo as escadas.

_OK flor_ digo indo atrás dela. quando chegamos ao quarto, ela segura meu braço forte.

_ sera que dá! Pra me soltar?_ digo furiosa.

_ escuta aqui, sua putinha. Eu não vou tolerar suas provocações OK. Nao se meta no meu caminho, porque aqui, eu não sou uma simples empregada não.

_ah!.qual é!.. Eu estava disposta ah ser amigável. Você que veio toda ignorante pro meu lado._ digo puxando meu braço do seu aperto.

_ esta avisada_ diz e sai do quartor.

_vadia._ digo alisando o meu braço.

Depois de me acomodar, tomei um banho e deitei para descansar da viajem. Ate que sinto minha cama afunda. De relance vejo uma cabeleira loira se aconchegando por traz de mim.

_ oi meu amor.._ digo alizando sua perninha.

_ o papai falo que eu não deviriria te encomoda. Mais eu nau liguei._ diz escondendo o rostinho no meu pescoço.

_ e fez bem. Você jamais me encomodara._ digo me virando de frente para ele._ o papai e muito chato!

_ muito chato! Nem dexa eu comer chocoulate!_ dou uma risada diante dessa resposta.

_OK. Mas vamos ser legal com o papai, porque ele te ama muito, e sabe o que faz. Pelo menos eu tento acredita. Agora me fala de você? O que tem feito?

_ eu fui no cinema com a a tia moliana.. E o papai brigou com ela. E  ela nau vem mais me ver. E o papai e muito chato! Não deixa nada!

_ quem e a tia moriana?

_ eu já falei! E a minha prefessoura!!_ ele grita de raiva. Eu já estava informada sobre essa ocilação de humor do Sam.

_ por que você, estar gritando comigo? Não e correto maltratar as pessoas que amamos.

Ele me olha nos olhos.

_ puque?

_porque elas ficarão tristes.

_puque?

_ porque elas nos amam.

_puque?_ ele pergunta novamente.

_porque o amor faz isso. Faz nos querermos o bem do amado, acima de todas as coisas. Faz a gente sofrer por quem amamos ou alegrar-mos por ela. Faz a gente prometer coisas surreais ah pessoa, só para que ela sinta um conforto sob a morte.

Depois dessa, ele fechou os olhos e ficou quieto. Eu sabia que ele não estava dormindo. Samuel tinha uma sensibilidade encrivel!  Ela sabia o momento certo de que algo emportante estava sendo dito. Eu tirei seu óculos( azul) cuidadosamente, colocando-os sobe a mesinha. Com o dedo, comesei a acompanhar o contorno das sombrancelhas dele, passando de uma para a outra. Segui passando a em seguida pelo seu Narizinho desendo ate chegar aos contornos dos labíos, o que o fez sorri quando sentiu o toque dos meus dedos. Ele era perfeito. Eu não me permitia acreditar que a vida o estivesse testando dessa maneira. Ele era só um garotinho de 4 anos!. Não era justo! Ele tem o direito de corre..de pular no pula-pula, de corre na chuva.. De namorar.. Fazer planos para a faculdade. De um dia forma a própria família e ser feliz! Será pedir demais isso? 

( narração da autora) 

*São momentos que não damos valor. Ah pessoas com todo o tipo de limitação fisica ou mental, e ate mesmo espiritual, nesse mundo, que daria tudo por momentos simples e singelos como esses. As esperiências  ruins na vida. só são bem vindas, quando faz com que nos torne-mos pessoas melhores. Devemos pegar uma tristeza, uma dificuldade, transforma-la num triunfo pessoal**********************

                          (Narração off)

_ eu te amo muito meu pequeno.

_não  chola naná – diz ele com a voz chorosa, secando as minhas lágrimas.

_ eu só quero que você seja feliz, meu amor.

_ eu sou feliz naná.._ diz ele chorando. ( oh meu deus! Ele chorou simplesmente por eu estar chorando!)_ você e o papai me faz feliz._ diz apertando o meu pescoço num abraço.

Se fosse para mim morrece agora, estaria feliz.

Cantando uma musica muito emportante pra mim, Sam lentamente vai cedendo espaço ao sono, ate finalmente adormece em meus braços. E pouco tempo depois, e me juntei a ele no mundo do sonho. Um mundo onde brincar de ser feliz era valido.



 






Notas Finais


Owwm quase chorei com esse momento da Lily e do Sam. E lindo de se vê, o amor desses dois e a Fofura do Sam.

PS: comentem o que acharam.
PPS: desculpas por qualquer erro.

Bjs xuxus..


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...