História A Bailarina e o Bad Boy (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Hoseok, Jimin, Jin, Jungkook, Namjoon, Park_nick, Taehyung, Você, Yoongi
Visualizações 1.021
Palavras 2.227
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Crossover, Esporte, Festa, Ficção, Hentai, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi gente, espero que gostem s2

Capítulo 9 - Sweet


Fanfic / Fanfiction A Bailarina e o Bad Boy (Imagine Jungkook - BTS) - Capítulo 9 - Sweet

Gih On

Mordi meu lábio involuntariamente, apertei a jaqueta de Taehyung e deixei que minha cabeça descansasse em seu peito. 

- Você está travada. - Riu e eu revirei meus olhos. 

- Eu vou chutar a sua bunda se você não calar a boca. - Taehyung riu baixo, me puxando para mais perto, espalmando sua mão em minha cintura. 

- É tão difícil. - Puxei sua jaqueta, fazendo ele me olhar surpreso. 

- Eu vou te chutar. - Ele sorriu de canto. 

Eu não queria sair de perto dele, essa era a grande verdade. Eu falo para _________ que ela acabou de conhecer Jungkook, mas eu não estou diferente, estou igual à ela, indecisa com qualquer coisa que seja relacionada à homens. 

Fechei meus olhos e circulei meus braços ao redor da cintura dele, Taehyung me olhou, eu senti, dentro do meu peito, eu senti essa sensação estranha. 

- Você vai ficar bem se eu te deixar em casa? - Engoli em seco e o encarei. 

- Pelo jeito todo mundo sabe da minha vida. - Ele impediu que eu me afastasse, usando sua força contra mim. 

- Eu sei que você fica boa parte do tempo na casa de _________, que não fica em casa, é o que dá à entender. - Deu de ombros. 

- Eu fico porque ela é minha, precisamos uma da outra. - Suspirei. 

- O que acontece para você ser assim? - Soltei um riso. 

- Assim como? 

- Interessante. - Revirei meus olhos enquanto mantinha um sorriso em meus lábios. 

- Não sou interessante, nem você, é um embuste. - Taehyung riu, colocou uma mão em meu rosto, deslizando os dedos para meu cabelo e embrenhando os dedos ali, me puxando para perto e selando nossos lábios. 

Permaneci com meus olhos abertos, um tanto quanto surpresa. Fechei meus olhos lentamente e apertei a jaqueta dele entre meus dedos, ficando parada em meio ao bar enquanto ouvia a música lenta tocar. Me separei lentamente, foi um beijo simples, mas o qual me deixou completamente envergonhada. 

Tentei dizer algo, mas quando eu tentava, eu sabia que ia gaguejar, então sequer tentava, apenas me mantinha imóvel, sentindo o dedão dele alisar minha bochecha. 

- Você é interessante, ao meu ponto de vista, sim, você é. - Raspou o lábio dele contra o meu, me fazendo fechar os olhos e ofegar. 

- Embuste. - Ele riu baixo e selou nossos lábios mais uma vez. 

- Você é um doce, sabia? - Soltei uma risada, mantendo minha testa colada com a dele. 

- Eu sei. - Sussurrei convencida o ouvindo rir baixo. 

(...)

O carro dele parou, então eu olhei para o prédio, engolindo em seco e apertando a manga de meu moletom. 

- Quer que eu te leve até o portão? - O olhei por breves segundos. 

- É... - Ele virou o rosto e me encarou. - Fica difícil quando você me encara dessa maneira. - Olhei para o vidro ao meu lado. 

- Que maneira? - Riu baixo, segurando minha mão. 

- Não sei, uma maneira estranha, você... Fica me olhando, me encarando, fica... Ui. - Cruzei meus braços, ouvindo ele rir. 

- Essa? - Virou meu rosto. 

- É. - Sussurrei. 

- Eu estou enrolando você, está funcionando? - Sussurrou próximo. 

- Não, eu tenho que ir. - Tentei afasta-lo, isso bastou para que ele me puxasse pela nuca e me beijasse mais uma vez naquele dia. 

Puxei seu cabelo, sentindo a mão dele na minha, sentindo ele apertar-me, num intuito de que eu ficasse, mas eu sabia que não deveria. 

- Eu... Tenho que ir. - Sussurrei quando nos separamos. 

- Eu quero ver você de novo. - Pisquei, ele travou as portas do carro e eu soltei um riso. 

- Desespero bateu na sua porta hoje de manhã. - Ele riu baixo e se aproximou. 

- Diga que eu não sou o único que quer. - Sussurrou, me fazendo ir pra trás e escorar na porta. 

- Eu também quero, mas é difícil. - Sussurrei, senti meus olhos marejarem então olhei para outro ponto que não fosse os olhos dele. 

A ponta dos dedos de Taehyung passaram por debaixo de meus olhos, enxugando as lágrimas que deslizaram silenciosamente. 

- Eu vou até você. - Sussurrei. - Amanhã eu vou na academia, mas quero que prometa algo. - Ele me olhou, esperando que eu continuasse. - Não tente descobrir, não tente me desvendar, isso vai fazer com que eu me afaste e te odeie. - Ele riu de canto. 

- Mais do que ja odeia? - Revirei meus olhos com um sorriso. 

- Não te odeio, só te acho um embuste, pé no saco, idiota. - Ele arregalou os olhos levemente. - Tá, chega, eu tenho que ir. - Ele destravou as portas e me puxou pela nuca de novo, selando nossos lábios brevemente. 

Desci do carro e acenei, pude ver ele acenar, num sinal que era para eu entrar e depois ele iria, engoli em seco e abri o portão, logo fechando. 

Pude avistar Taehyung ligar o carro e dar a partida. Suspirei e caminhei para dentro do prédio. O local pouco iluminado me dava medo, eu segurava no corrimão e podia ouvir as batidas de meu coração. 

Parei no corredor e já pude ouvir a gritaria dentro do apartamento, sinceramente, não sei como não havíamos sido expulsos, tirei a chave do bolso e abri a porta. Minha mãe estava caída no sofá, com a mão no rosto, tentei passar despercebido, mas logo ouvi xingamentos vindo em minha direção. 

- Boa noite, Ryan. - Me curvei o vendo me fuzilar com os olhos. 

- Chega à esse horário, garanto que estava com algum vagabundo. - Engoli em seco. - Vadia do jeito que é. - Apontou para mim. 

- Pode ter certeza que o homem com quem eu estava não é vagabundo, não como você. - Rebati, aquilo me deixou visivelmente irritada. 

- Ora, sua vadia. - Dei passos para trás, minha mãe levantou e o impediu, então eu corri para meu quarto e fechei a porta. 

Peguei o celular que eu havia esquecido sobre a cômoda. Respirei fundo enquanto procurava o número de _________, assim que achei mandei uma mesma. 

"O Jungkook esta com você?"

"Sim, o que aconteceu?"

"Ele tem o número do Taehyung?"

... 

"Tem sim"

"Pede para ele passar para você e você me passar"

Não demorou muito e ela me passou, agradeci. Enxuguei minhas lágrimas, enquanto fungava baixinho. 

Eu queria conversar com ele, tenho certeza que ele conseguiria me distrair. 

"Embuste?"

... 

"Só conheço uma pessoa que me chama assim"

Soltei um sorriso. 

"Não consigo dormir"

"Vou ligar ai canto uma canção de ninar"

"ㄱㄱㄱㄱ"

"É sério, todo mundo diz que minha voz é bonita, fora que também sou"

"Você é um idiota"

"Você não é diferente"

"Mas ao menos eu não me acho por isso"

"Você vai mesmo me ver amanhã?"

"Sim, eu vou, eu não consigo dormir porque estou ansiosa"

Legal, ele ficou um bom tempo sem responder, deve estar rindo da minha cara, me assustei quando o nome dele apareceu na tela. 

- Hum? - Falei ao atender. 

Sério? Esta mesmo ansiosa? - Soltei um sorriso. 

- Sim. - Sussurrei. 

- Também estou. - Mordi meu lábio. - Vai querer que eu cante uma canção de ninar? - Revirei meus olhos. 

- Boa noite, idiota, embuste. - Ele riu alto. 

- Boa noite, doce. - Desliguei logo depois. 

Com certeza eu vou dormir bem melhor. Só em ter ouvido a voz dele eu fiquei feliz. Fechei meus olhos enquanto me lembrava da voz dele quase em um sussurro, me cobri e fiquei apertando a coberta contra meu corpo. Me entreguei ao sono, ainda podendo ouvir a voz rouca e grave dele. 

(...)

Eu estava completamente ansiosa, ainda era de manhã, mas não sabia se Tae estaria na academia. Aigoo, nem o conheço e já vou dando apelidinhos. 

- Giselly! - Engoli em seco quando minha mãe gritou meu nome do outro lado da porta. 

- Sim? - A abri e ela entrou, logo a trancou. - Pegue esse dinheiro, vá para a casa da _________. - Franzi o cenho ao ver a quantia. 

- Mas é muita coisa. - Falei baixo. 

- Separe uma mochila com roupas, por favor, fique lá, eu imploro isso. - Engoli em seco. 

- Mãe... 

- Por favor. - Implorou, enquanto eu tentava ao menos analisa-la. 

- O que... Que porra é essa? - Falei ao ver a bochecha dela quase em preto por conta do machucado. 

- Não é nada. - Neguei diversas vezes. 

Eu odiava meu padrasto por conta disso, agressão à mulher? Isso é demais! 

Peguei uma mochila qualquer e coloquei roupas o suficiente ali, enquanto derramam minhas lágrimas, sentia a mão de minha mãe subir e descer por minha coluna. 

- Eu volto em uma semana, não sei. - Falei passando pelo corredor com ela. 

Ouvi um barulho na porta, olhei para a sala vendo meu padrasto com uma garrafa na mão, bebida, por que não estou impressionada? 

Minha mãe passou por mim, foi o momento em que ele a jogou no sofá, larguei minha mochila e tentei tirar ele de cima dela, no minuto seguinte ele me empurrou, me fazendo cair no chão e bater o rosto no assoalho. 

- Merda. - Sussurrei. 

Agora ele quem estava no sofá, sendo impedido por minha mãe, peguei minha mochila e parei próxima a porta, Minh mãe me olhou, tampei minha boca enquanto saía pelo corredor. 

(...)

- _________! - Falei ao tocar a campainha. 

- Nossa... - Ela abriu a porta, ela estava com seu pijama de estrelinha. - Que horas são? - Coçou os olhos, ela me olhou. - Que porra é essa no seu rosto? - Tirou o cabelo dali e arregalou mais os olhos. - Entra. - Me puxou e fechou a porta. 

- Jungkook? 

- Na casa dele. - Deu de ombros. - Não desvia o assunto. - Cruzou os braços e eu me sentei no sofá. 

- Ele... Só me empurrou, eu cai no chão e bati o rosto. - Me encolhi, sentindo minhas lágrimas caírem. 

Ela não falou mais nada, eu não precisava dizer mais nada, minha amiga me abraçou, afagando meu cabelo. Ela sempre teve mais paciência comigo, sempre entendeu meu lado. 

- Taehyung riu. - A olhei. - Por você ter pedido o número dele. - Soltei um riso. 

- Ele é um idiota... - Me separei dela. - Mas até que é legal. - Dei de ombros a vendo fazer uma cara de lua pra mim. 

- Vamos comer, agora eu perdi o sono, fiquei com fome. - Ela me estendeu a mão e eu a segurei, sentindo o braço dela passar por meu ombro. 

(...)

- Não, eu não quero entrar. - Neguei enquanto ________ tentava me puxar para dentro da academia. 

- Por favor. - Ela falou enquanto ria da minha cara. 

- Bom dia. - Arregalei meus olhos e tropecei para cima da minha amiga. 

- Oi Tae. - ________ acenou e depois saiu correndo. 

- Não. - Falei baixinho. 

Senti uma mão em meu ombro, olhei para trás, ele estava ali, com uma garrafinha de água na mão, uma regata grudada no corpo e o suor escorrendo, agora a pergunta que não me cala por dentro é: como que ele chegou ali? 

- Oi? - Pisquei algumas vezes, enquanto permanecia o encarando. 

- Não. - Falei quando ele se aproximou e me encurralou. 

- Você diz isso como se nunca tivéssemos feito antes, já toquei em bastante coisa, em um curto período de tempo. - Entre abri meus lábios e bati com força no peito dele, no caso não surtiu efeito, o que me deixou mais brava e com mais vontade de bater nele. 

- Não fale esse tipo de coisa. - Falei enquanto o estapeava. 

Subitamente, Taehyung agarrou meus pulsos e me puxou para perto, pisquei algumas vezes, decaindo meus olhos para a boca dele. 

- Você faz esse tipo de coisa porque sabe que é bonito. - Sussurrei o vendo rir baixo. 

- Você também é. - Colocou meu cabelo atrás da orelha e franziu o cenho. - O que é isso? - Virou meu rosto. Eu tinha esquecido daquela droga. 

- Não é... 

- Nada? Isso ta roxo. - Engoli em seco e abaixei a cabeça. 

- Não é nada. - Ele levantou meu rosto pelo queixo. 

- Mesmo? - Assenti com meus olhos marejados. - Por que está chorando? - Seu braço passou por minha cintura, me deixando na ponta dos pés. 

- Porque... Eu.. Não sei. - Encostei minha testa no peito dele. - Não faz isso, lembra o que eu pedi, por favor. - Sussurrei. 

- Olha pra mim. - Levantei meu olhar. 

Senti as costas atrás de meu corpo, o lábio de Taehyung veio contra o meu, fechei meus olhos, sentindo a textura da boca dele contra a minha. Entre abri meus lábios e subi minhas mãos para a nuca dele. Seu aperto aumentou quando sua língua invadiu minha boca. Soltei um ofego entre o beijo e colei meu corpo mais com o dele, sentindo os braços dele me apertarem com mais força. Nos separamos quando ele mordeu meu lábio e sorriu de canto contra minha boca. 

- Embuste. - Ele sorriu mais, seus olhos estavam meio fechados, o deixando mais bonito. 

- Você é um doce. - Sorri o beijando de novo. 


Notas Finais


*Vou responde os comentários mais tarde porque estou na escola e fiz o capítulo mais rapido que pude*

Até o próximo capitulo s2


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...