História A Beautiful Mistake | Larry Stylinson - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Alternative Universe, Gravidez Masculina, Larry, Larrystylinson, Mpreg
Exibições 165
Palavras 2.294
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Slash, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI GENTE!

Eu recebi vários comentários sobre a aposta e, sério, eu estou tão feliz!!! Obrigada á todos😃

O (a) ganhador (a) da promoção "Acerte o bebê de Larry" é ~rufem os tambores~:

NINGUÉM HAHAHAHAHA

Infelizmente não houve um acerto completo (só no sexo), mas mesmo assim vão ganhar um gif maravilhoso (que não tem nada a ver com o cap mas foda-se)

Entretanto queria dedicar o presente para a leitora Andressa (curpura_1d10), mais pra frente vão entender o pq

Tá, chega de enrolação e vamos ao que interessa!

Boa leitura

xoxo

PS: prestem bastante atenção nesse cap...

Capítulo 6 - Poisons, Consultations and Music Lyrics


Fanfic / Fanfiction A Beautiful Mistake | Larry Stylinson - Capítulo 6 - Poisons, Consultations and Music Lyrics

Cap 6 – Poisons, Consultations and Music Lyrics


[POV Harry]

“Às vezes o veneno é o melhor antidoto”.

Não me lembro onde vi essa frase – acho que foi em algum livro – mas me peguei pensando nela enquanto estava no estúdio gravando o álbum. Estava acertando algumas coisas com o Julian (nosso produtor) e me perdi nos meus pensamentos, lembrando de tudo que vinha acontecendo entre Louis e eu.

No começo do ano nós resolvemos dar um tempo. Na verdade tínhamos nos desentendido um pouco depois do Ano Novo – quando a banda tirou uma folga nas festas de fim de ano antes de começar nossa nova turnê – por causa dos stunts. Claro, não era como se a gente nunca tivesse brigado; desde daquela baboseira de Elounor e Haylor, nossas brigas tinham se tornado mais frequentes. E mesmo que eu estivesse “solteiro”, Louis ainda saía com ela. Até que gostava de Eleanor, ela me parecia alguém agradável. Mesmo assim não é legal ver seu namorado acariciando e beijando outra em público. Por mais que fosse encenação, ele ainda era meu.

E então nos afastamos e nem preciso dizer o quanto fiquei mal naquela época. Afinal Lou não era só meu namorado, era também meu melhor amigo e eu tinha perdido os dois. Eu sei que era o certo a se fazer, mas como explicamos isso ao coração? Me doía olha-lo e querer não sentir mais nada por ele e, de certa forma, eu sentia isso dele também, porém, achei melhor darmos tempo ao tempo e seguirmos nossas vidas um sem o outro. O que mais me confortava era que prometemos um ao outro de que não iriamos nos relacionar com outras pessoas que não fosse para marketing e caso acontecesse, conversaríamos e a gente iria pôr um ponto final.

Entretanto, quando o Zayn saiu da banda, todos nós ficamos destruídos mas o mais afetado foi o mais velho, uma vez que eles brigaram feio (justo Lou que era o mais próximo do Zayn). Senti meu pequeno quebrado, arrasado, como se Malik tivesse morrido. E o pior, ele não conseguia desabafar com ninguém, ficava sempre no canto com um olhar de tristeza ou se afastava da gente. Eu o conhecia como a palma da minha mão: do jeito dele, estava pedindo socorro. E só eu podia ajudá-lo.

Pouco a pouco fomos nos reaproximando, mas como amigos. Ele desabafava comigo, passava horas o ouvindo chorar no meu colo dizendo por que do ex-amigo ser tão babaca e como sentia saudades. Mas não passava disso.

Mas como disse: como explicamos isso ao coração?

Eu sei que tinha que me afastar dele, mas meu amor era muito mais forte e vê-lo naquele estado não ajudava muito. Em uma dessas conversas eu me deixei levar e o beijei. Pensei que ele ia me bater ou algo do tipo, mas ele sorriu e me beijou de volta. E assim nós voltamos, mais fortes do que nunca. Quero dizer, quase isso.

Então com aquela frase na cabeça eu refleti: ás vezes uma coisa ruim precisa acontecer pra que outra melhor aconteça. Se o Zayn não tivesse saído da banda talvez nós não nos aproximássemos de novo; nunca teria visto o quanto meu amor pelo Louis era grande demais para deixa-lo ir e ver os dois desmancharem uma amizade tão bonita me fez perceber que eu estava fazendo o mesmo com ele. Eu não podia deixar aquilo acontecer.

Voltei meu pensamento para nossa situação atual. Mesmo com toda essa historia de gravidez estávamos mais próximos, sempre que podia cuidava e mimava o Louis com carinhos, massagens ou realizando seus caprichos alimentícios; perguntava se ele estava se alimentando e tomando as vitaminas direitinho; o vigiava nos shows pra que ele não se esforçasse tanto.

Sim, eu ainda estava com medo. Sim, eu não sabia como ia contar pro Niall, pro Liam, pros meus pais e para os dele. Sim, eu passava noites em claro pensando como eu ia esconder da gestão e dos fãs. Tudo aquilo nos apavorava constantemente, mas não deixávamos nos vencer pelo pavor. Também pensávamos nas coisas boas. Poxa, eu ia ser pai e sem precisar de uma barriga de aluguel, seria uma criança genuinamente nossa! Sem dizer dos questionamentos que todo pai tem: seria menino ou menina? Nasceria com meus olhos ou puxaria o outro pai? De quem ele ou ela puxaria a altura? E o temperamento? Como a gente ia decorar o quarto? E ele ou ela, viveria em Londres ou em LA? Quem seria a vó e o vô mais babões? E quem seria na categoria tias? E na categoria tios – vulgo Liam, Niall e Ernest?  

Nem tudo ia ser flores, mas não iriamos deixar que os espinhos nos ferissem. Iriamos pegar todo o veneno e transformá-lo no nosso antidoto.

x-LS-x

- Será que alguém nos reconheceu? – Indaguei á Louis ao estacionar no consultório. Aproveitamos que estávamos com nossa turnê no Reino Unido e que era nossa folga para finalmente marcar o ultrassom.

- Acho que não, o Dr. Rivera disse que iria fechar o consultório pra ninguém perturbar a gente. Provavelmente vai ficar a recepcionista pra poder ajudar e aposto que ele já deve ter adiantado um grande “cala boca” na folha de pagamento dela, se é que me entende.

Ao rir da expressão do castanho, entramos no consultório e nem esperamos na recepção, tão logo fomos encaminhados por uma moça – Kelly era seu nome – pra sala do doutor. Acho que Louis estava certo.

- Ora se não é Casal 20 da atualidade na minha sala – Disse Riviera brincalhão e Louis franziu e cenho.

- Casal 20? Como assim?

- Lou, a série! Casal 20, nunca assistiu? – Ele negou com a cabeça ainda mais confuso.

- É que nós dois somos das antigas né Harry?

- Antigo não, clássico! – Brinquei.

- Eu me lembro que o que mais gostava na infância era do super-heróis; meu preferido era o Batman, achava aqueles apetrechos a ultima tecnologia!

- Sempre gostei do Superman, sempre fui viciado nos filmes, me lembro de um tinha aquela cena...    

- Olha, o papinho da velha guarda tá legal mas a gente precisa voltar pro hotel ainda hoje. – Louis e seu típico “Jealouis” sarcástico...

- Acho que a Jennifer* tá bravinha – Rivera cochichou no meu ouvido e eu ri baixinho.

- Hormônios do sarcasmo doutor, e estão piores do que nunca!

*[N/A] Jennifer pra quem não sabe é a personagem principal do Casal 20 e só agora que eu me toquei que tem o vídeo que o Louis fala “I’m Jennifer”!

Depois que o médico fez o check-up e um questionário sobre como andava a saúde do Louis (que tentou mentir mas não deixei), finalmente fomos para a maca de ultrassom.

- Ok, relaxe, você vai sentir um geladinho – O Dr. passou o gel condutor na barriga do Lou e foi tão fofo vê-lo fechando os olhos, fazendo uma careta ao sentir o contato – Ah, pode ser que a gente não consiga ver o sexo do bebê porque ele pode estar com a perna cruzada mas não se preocupe – Senti-o ficar com uma feição mais cabisbaixa.

- Ei – Segurei sua mão – Não fica assim, tenho certeza que, seja quem for, será uma criança linda e o mais importante, saudável  e pronta pra receber todo o amor da gente – Beijei sua testa rapidamente e voltei a olhar para o monitor, ainda com minha mão entrelaçada á dele.

- Doutor, não dá pra ver nada, só tem borrão – Reclamou o menor já impaciente.

- Calma Louis – Disse rindo do desespero – Olha aqui está a cabeça e aqui os braços... E aqui as perninhas, vejam – Apontou cada uma das partes, fazendo com que a gente enxergasse melhor – Bom, querem ouvir as batidas do coração?

- Claro! – Respondemos em uníssono.

Riviera foi passando o aparelho próximo ao coração e nós fomos apertando ainda mais a mão um do outro, com olhares esperançosos.

Sinceramente, em todos os meus 21 anos, nunca ouvi um som tão lindo e mágico como dos batimentos do meu bebê. Era forte e ritmado, como as batidas de um tambor que marchava com bravura e coragem, lutando para sobreviver. Fechei meus olhos e me permiti deixar levar por aqueles tum-tuns que ecoavam em minha mente. Quando os abri, notei que não só eu como Louis estava chorando e até o médico deixou escapar algumas lágrimas. Limpei meu rosto e lhe dei mais um beijo, de vez em seus lábios.

- É tão...

- ...lindo! E nosso! – Completei.

- Bom, eu... droga – O Dr. enxugou algumas lagrimas teimosas – Desculpa, eu sei que não deveria mas... Ah que seja! – Nós três rimos – Enfim, eu vi que o bebê está com as perninhas descruzadas.

- Quer dizer que vai dar pra ver o sexo!? – Perguntei esperançoso.

- Acho que sim, vamos rezar para que ele não resolva sentar ou cruzar as pernas.

Ele foi examinando e nada de falar qual era o bendito sexo, estávamos ficando angustiados.

- E ai? – Louis perguntou com expectativa no olhar.

- Bom, primeiramente vocês têm alguma preferência?

- Olha, para mim tanto faz, sendo saudável é o que importa – Respondi.

- Ah eu quero um menino, já tem muita mulher na minha família.

- Perdão Louis, mas não foi dessa vez. Parabéns, é uma menina!

Ficamos estáticos, animados, com vontade de gritar, chorar e sorrir, tudo ao mesmo tempo. Finalmente eu podia dizer, NÓS VAMOS TER UMA FILHA! Explodimos de alegria, parecia final de copa do mundo.

- CARALHO EU VOU TER, QUERO DIZER A GENTE VAI TER...

- MEU DEUS EU NÃO ACREDITO, EU VOU SER PAI, NÓS VAMOS SER PAIS! DE UMA MENINA! UMA MENINA LOUIS!

- Ei, acalmem-se! – Falou o doutor, divertido, ao ver nossa comemoração – Pelo que eu vi do exame, ela está saudável, os batimentos estão de acordo e não há nenhuma deformidade ou anomalia.

Eu mal podia acreditar, eu ia ter uma menina linda e saudável, éramos os homens mais sortudos do mundo!

- E tudo bem pra você Louis?

- Tudo bem? Tudo ótimo doutor! É minha filha! Tá, eu sei que vou ter que comprar aqueles vestidos com aqueles babados horrorosos e provavelmente a chata da Lottie vai querer fazer minha filha de boneca humana e passar um quilo de argamassa na cara dela...

- Amor...

- ... E a minha mãe vai querer fica mimando ela, sem contar a Fizzy...

- Amor...

- ...E ela, a Doris e o Ernest vão ser praticamente amiguinhos e estudar praticamente juntos, pensa que foda estudar com os próprios tios e eles vão pra balada juntos e...

- Amor! – Interrompi o tagarela – Calma, a gente ainda nem contou pra ninguém. Nem mesmo escolhemos o nome do bebê.

- Ok, tá bom, me deixa sonhar um pouco caramba, como você é estraga-prazer hein! –Resmungou, já voltando a ficar emburrado.

- Hormônios Harry...

- Hormônios doutor...

x-LS-x

Eu estava nas nuvens. Desde o dia da consulta não conseguia parar de pensar como seria nossa filhinha. Imaginava ela com os olhos verdes e cabelo ondulado como o meu ou olhos bem azuis e cabelo liso como Louis, a pele macia e cheirosa, a risada sem dentes e...

- Harry! Alô,tem alguém ai? – Niall estalava os dedos e gritava na minha frente.

- Para de gritar porra! O que é hein?

- Olha eu não sei se você sabe mas a gente tem um álbum pra entregar daqui mais ou menos 3 meses, então dá pra ajudar aqui?

-Tá, do que vocês precisam? 

- Olha eu tava falando com Niall sobre essa musica aqui – Peguei o papel que estava com Liam, sem o mínimo de interesse, onde estava escrito o titulo “Don’t let me go” – Preciso de ajuda com o refrão.

- “Please believe me, don't you see; The things you mean to me? Oh I love you, I love you...”  Ué, cadê o resto?

- Então é isso que a gente tá tentando resolver. Você tem alguma ideia?

- Liam e se a gente repetisse o “I love you”? – O irlandês sugeriu.

- Não sei, acho que ia ficar meio repetitivo e...

Hum será que Emily combina com a neném? Ou talvez um nome composto, tipo Mary-Ann? Não, muito caipira e cafona!

- Dai a gente passava a segunda estrofe...

É, nada de nome composto. Mary então? Muito simples. Diana! Não, já tem muita Diana por causa da princesa. Penélope... o Louis vai me matar se eu colocar o nome da nossa filha de Penelope Charmosa Tomlinson-Styles! Sem dizer que é gay demais, de gay já basta os pais!

- Tá, então fica assim, “Please believe me, don't you see; The things you mean to me?”...

Julie? Matilda? Sophie... Sophia...

- “Oh I love you, I love you...”

- Olivia! – Dei um berro na mesa que assustou os meninos, percebendo que ainda estava na sala e que tinha que ajudá-los com a canção. 

- Que? – Disseram.

Pensa rápido Harry, você consegue.

- É... tipo... – Peguei o papel rapidamente – “Please believe me, don't you see; The things you mean to me? Oh I love you, I love you, Olivia.”, tipo “I love ya”, um trava-línguas sabe?

Os dois me olharam com uma cara de interrogação e então tentei explicar melhor.

- Quero dizer, o que seria “I love ya”? É uma pessoa? Um lugar? Um sentimento? Não sabemos! É um jogo de palavras, simples assim.

- Harry querido, o Louis fuma maconha e você que fica chapado? Essa foi a coisa mais idiota que você já disse!

- Não Nialler ele tá certo! Isso é genial, Harry! – Disse Liam pegando o papel e fazendo as correções.

- Que? Perai, você não vai colocar na musica né?

- Como não? Isso vai ficar foda!

Ufa, essa foi por pouco... Espera, Olivia Tomlinson-Styles. É isso! Perfeito.


Notas Finais


Bom, espero que tenham gostado!

Aliás estou planejando att a fic todo sábado, já que ela está bem adiantada mas ainda vou me planejar

Então até semana que vem ou não haha

Twitter: @Krla_Barbosa


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...