História A beleza da monotonia - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Romance
Visualizações 14
Palavras 493
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Seinen
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 1 - As estrelas são lindas


''Você sabia que luas comem estrelas?'' — foi o que ela me disse um dia, quando éramos crianças.

''Por que elas fariam isso?'' — perguntei, curioso.

''Elas sentem inveja das estrelas.'' — ela me respondeu.

''Por que inveja?'' — perguntei de novo.

''Você é burro?!'' — ela me respondeu, muito nervosa.

 

-

 

Tudo começou com um casal de músicos; alguns beijos e transas depois, acabei por nascer. Ruivo, olhos heterocromáticos; esquerdo verde, direito azul. Uma criança insuportável, aquelas que fazem birra no meio de um local público por que a mãe recusou comprar um brinquedo que o pequeno demônio gostara. Não falava, gritava. Quantas multas meus pais tiveram que pagar por meus gritos? Gritava por tudo: felicidade, tristeza, dor, tédio e fadiga.

A passagem da infância pra adolescência foi um período um tanto quanto violento. Sempre arranjava brigas na escola e acabava por ganhar todas elas, sentia-me um grande homem. É claro que tudo isso mudou com um pouco de amadurecimento, arrependo-me de ser uma criança insuportável e de achar que podia resolver os problemas com meus punhos. A verdade é que acabei me tornando um homem calmo; quando levantam a voz para mim, ignoro; quando deparo-me com uma situação que exige calma e controle emocional, em vez de gritar, faço um ótimo trabalho e resolvo o problema. Uma pessoa paciente, racional e conselheira, essa foi a transformação de Gael.

A verdade é que eu me tornei uma pessoa estranha... Estranha? Não... não existem pessoas estranhas. O que quis dizer foi: tornei-me uma pessoa não vulgar. Não sou normal como os outros, pelo menos é isso o que eu acho. Veja bem, que pessoa faria amizade com um morador de rua? Estranho, certo? Que tipo de pessoa, perto de perder sua virgindade, nu assim como sua parceira na cama, começaria a rir como se estivesse em um stand-up? Acabei por não conseguir transar, broxei. A garota certamente ficou impaciente, vestiu-se e foi embora, coisa que me fez rir mais ainda.

Sim, sou estranho. Estranho como meu nome. O que significa Gael? Cheguei a procurar e descobri que é ''belo e generoso''. Belo, sim. Generoso, é claro. Que tipo de alma teria eu se não generosa para ser amigo de um mendigo? Todas as sextas-feiras de noite, vou até a rua em que ele dorme com uma garrafa de vinho e junto bebemos e filosofamos sobre a vida. Johnny não é um mendigo, chamo-o o assim por viver deitado nas ruas. A verdade é que John é filho de uma rica família que sempre cobrou que ele fosse tão bem sucedido quanto seus pais. Ele acabou por se tornar um grande vagabundo que vive andando por aí e viajando com o dinheiro que consegue quando trabalha por um curto período.

Até agora foram introduções e felicidades, porém, uma vida 100% feliz é uma utopia. Uma utopia que eu com certeza desejo viver. Algo vem me incomodando. Me perturbando todas as noites e quebrando todas as minhas crenças.

Aquele rosto.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...