História A Besta - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Fantasia, Romance, Romance Gay, Yaoi
Exibições 51
Palavras 1.311
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia, Ficção Científica, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Bom gente essa é minha primeira historia aqui no social espero que gostem.
A imagem e um dos personagens fundamentais nossa besta.

Capítulo 1 - Once upon a time


Fanfic / Fanfiction A Besta - Capítulo 1 - Once upon a time

1016 D.C 1000 anos atrás...

Tristeza

     Há muito tempo atrás em um reino no Central um grande príncipe governou pelas terras existentes seu nome era Julian o impiedoso conquistou terras e riquezas, seu nome foi lembrado por todos que o admiravam, temido pelos seus inimigos, durante 10 anos Julian viveu bem com conforto, escravos, servos, boas comidas e as melhores companhias que o dinheiro pode comprar mais Julian nunca amou ninguém e jurou que nunca amaria, pois seu coração era mais duro como pedra e para ele a única perfeição existente era ele, branco dos olhos azuis e cabelos castanhos o homem que faria qualquer mulher suspirar de amor, mas como amar um monstro? Julian com o passar dos anos tinha se tornado um homem cruel e egoísta tinha conquistado quase todas as terras existentes no seu país, mais mesmo assim queria mais, então ele foi à busca da ultima terra que faltava para a sua coleção o bosque do carvalho branco que ficava ao sul do seu palácio, mais as terras pertenciam a grande rainha do bosque e mesmo Julian insistindo em comprar ela não queria vender então Julian quis tomar as terras dela e foi em numa noite que ele reuniu os seus soldados e marchou para guerra travou-se a maior historia muitos homens mortos mais Julian se tornou o grande rei das terras do oriente central, mais antes de matar a rainha ela lhe alertou:

- Julian saiba que, se tomar essas terras um grande mal cairá sobre você.

          Mais Julian nem quis ouvir a rainha que foi morta com a espada de Julian cravada em seu coração, e quando a rainha adormeceu em um sono sem fim o céu escureceu e um trovão tremulou no céu iniciando o inicio de uma chuva, Julian voltou glorioso para seu palácio mais seu coração sentiu medo das palavras da rainha mais logo pensou consigo hã pra que temer ela esta morta eu sou o rei das terras do sul agora então por dez anos ele governou em paz e o povo prosperou então no seu vigésimo aniversario ele chamou os nobres e fez um grande baile para comemorar seu aniversario, estavam todos felizes e contentes dançando e bebendo na corte até que algo aconteceu uma velinha coberta com um manto de pele de algum bicho não sabia o que era mais quando ela levantou seu rosto Julian viu o que não desejava ver ela viu minha doce irmã à lamentação então Julian sem saber isso enfrentou a velinha dizendo:

- O que faz aqui senhora não sabe que aqui e o palácio rela e só nobres podem entrar, o povo deve estar nas praças vá se juntar a sua gente.

A velinha respondeu:

- Meu senhor, venho representando o seu povo que sofre e venho lhe trazer um presente.

-Um presente?- Perguntou o príncipe indignado - e o que você poderia me dar eu tenho tudo.

         Então a velinha mostrou o que trazia consigo uma bela rosa vermelha que brilhava como uma estrela, todos na corte ficaram estupefatos com aquela linda flor mais Julian ficou irritado com isso e disse:

- Uma flor é isso que veio me trazer uma flor eu tenho um jardim gigantesco o que essa rosa faria de diferente na minha vida nada assim como você que não é nada se retire do meu palácio agora. - Disse Julian irritado.

_ Pobre príncipe, pode ate ser um bom rei mais é amargurado, pois não há amor em seu coração você nunca saberá o que é amar, pois, é um monstro e creio que os monstros não são bonitos...

         Então ouvi algo que ninguém da corte esperava que acontecesse a velinha começou a brilhar e as pétalas da rosa começaram a se espelharem torno dela ate que um grande foco de luz se expandiu e quando sessou revelou no lugar da velha enrugada uma bela mulher de cabelos tão loiros quanto ouro ou pele tão branca quanto o papel ela estava usando um belo vestido de seda esvoaçante no tom verde escuro com detalhes em dourado e seu olhar severo parecia pronto para matar qualquer um que a olhasse diretamente o príncipe não entendia o porquê disso então a mulher severa se manifestou:

- Julian há 10 anos quando a minha filha a ninfa do bosque morreu por sua ganância ela lhe avisou que se tomassem as terras dela cairia um grande mal sobre você e ela estava certa. Eu sou a Lamentação uma das três grandes guardiãs dos sentimentos e estou aqui para lhe dar seu castigo e sentença ajoelhe-se- disse a lamentação, e assim Julian fez e se ajoelhou na frente dela então prosseguiu.  – Você não merece o que tem, pois e egoísta, rancoroso, avarento e muitas coisas mais então eu e minhas irmãs chegamos à conclusão de que você é um monstro.

         Todos na corte estavam paralisados tão surpresos e até mesmo em choque por tudo isso estar acontecendo tão rápido parecia que tudo ao redor do príncipe havia morrido e nada poderia salva - ló de sua punição o príncipe então que até agora estava quieto falou:

- Por favor, piedade eu...

- Você o que o que você faria você já matou minha filha meu bem mais precioso você não tem coração não é humano é uma besta. Sim um animal que não se contenta com o pedaço de carne que tem e rouba o do outro, mais agora quero que sofra as consequências venha comigo.

         O príncipe seguiu a mulher ate o centro do jardim do palácio aonde havia uma estatua construída mais o príncipe não sabia que estava ali mais sabia de quem era a ninfa que tinha matado a filha da lamentação nesse momento ele sentiu arrependimento mais do que isso adiantaria de agora que seria morto mais a mulher olhou para ele com um olhar de deboche e disse:

- Pensa que perderei meu tempo te matando este enganado eu quero vingança e farei o seguinte seu reino ira congelar e se perder do mapa ninguém saberá como ou porque mais eu te darei uma chance de perdão em algum dia em alguma data uma pessoa entrara em sua vida e você terá que faze – lá se apaixonar por você por que se não você e seu reino nunca poderão ser salvos e quanto a sua face bonita será destruída pelas lamentações dos que sofreram sem sua misericórdia e o monstro dentro de você irá se libertar e mostrar como você é verdadeiramente por dentro e assim será feito.

         Julian então não se reconheceu começou a se sentir paralisado e uma grande dor percorreu seu corpo então ele olhou suas mãos e elas estavam peludas e horrendas suas roupas começaram a não lhe caber, pois estava crescendo seus sapatos rasgaram mostrando patas de um animal que consegui manter-se de pé como um ser humano mais não se sentia um então Julian correu para o espelho e viu sua face e não soube o que fazer quando se viu ele olhou para si mesmo e sentiu nojo, pois era horrendo o homem mais lindo que um dia foi havia desaparecido e no seu lugar nasceu uma besta horrenda uma fera indomável que não sabia o que era o amor e sabia que seria tarde demais para aprender quando ele buscou a lamentação ela havia sumido do palácio então Julian percebeu que o reino estava congelando junto com sua vida vazia e sem amor então furioso ele destruiu o palácio, mais como mágica ele se arrumava sozinho mostrando o poder da lamentação, seus nobres petrificados e os servos viraram objetos domésticos de limpeza para limpar o palácio mais do que adianta limpar se sabia que o palácio seria vazio então ele fechou as portas do palácio e viu que havia caído em um abismo e não sairia dali tão cedo...


Notas Finais


Bom é isso comentem para eu saber o que acham e se eu tiver um bom resultado continuo em breve bjss de Limão U.U


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...