História A Clínica - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Kibaneji, Leegaa, Narusasu, Saiino, Sakuhina
Exibições 329
Palavras 1.382
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Mutilação, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi!

Mais um capítulo.
Nesse começaremos a ver os pacientes começando a conviver com os nossos garotos em punição.

Capítulo 13 - Dividindo-se


Fanfic / Fanfiction A Clínica - Capítulo 13 - Dividindo-se

Naruto Uzumaki:

 

            Depois de aproximadamente cinco minutos para absorver a história e mais quarenta minutos de sermão da minha mãe, ela finalmente concordou e de uma forma meio bipolar, resolveu ir no supermercado e arrumar o meu quarto, pra receber a “visita”.

            No dia seguinte, chegamos à clínica, encontrando semblantes nada felizes e um clima meio estranho. Sasuke, Gaara, Hinata e Neji estavam com umas caras estranhas, emburrados e de braços cruzados, enquanto os outros se olhavam nervosos e Shizune apenas suspirava, acho que ela deve ter contado sobre a proposta pra eles e pelo jeito, eles não gostaram muito da ideia.

            Depois da reunião, em que basicamente apenas Shion e Ino falaram, Shizune falou mais alguma coisa com os quatro garotos emburrados e eles reviraram os olhos e olharam pra gente por um instante, antes de concordar com alguma coisa que ela falou e logo Shizune veio, com um sorriso nervoso.

 

- Bom, a partir daqui eu os deixo nas suas mãos. Mas ouçam bem, se eu souber que fizeram alguma coisa pra esses garotos eu mesma vou atrás de cada um de vocês. – ela falou, com um sorriso ameaçador e nós nos dirigimos pra saída e logo a garota que eu acho que é a irmã da Hinata, veio correndo e abraçou a garota e o primo.

 

- Nee-chan, nii-chan, vocês vão embora? Vão me deixar sozinha? – a menina falou, com lágrimas nos olhos.

- Claro que não Hanabi, a gente só vai ficar uns dias fora. E você não vai estar sozinha, a Kurenai vai estar lá com você. – Hinata falou e a menina fungou e logo uma mulher mais velha chegou e deu um abraço nos três e a menina se despediu dos dois e foi embora com a mulher.

 

            Nós andamos mais um pouco todos juntos, até o estacionamento, onde nossos pais nos esperavam e eles se entreolharam. Gaara foi o primeiro a acompanhar o Lee até o carro, onde o pai dele o esperava. Hinata deixou cair uma lágrima e abraçou o primo, dando um beijo no rosto dele, que correspondeu, abraçando-a também e logo a morena entrou no carro com a Sakura, ainda chorando. Neji suspirou e acompanhou Kiba até o carro da mãe dele, que aguardava. Por fim, eu olhei para o Sasuke e ele tinha a cabeça baixa e respirou fundo, antes de me olhar e eu sorri e ele revirou os olhos e eu estendi uma mão, pra ele me acompanhar, mas ele rejeitou e começou a andar em direção ao carro e eu suspirei e corri até ele, ficando ao seu lado, até chegarmos onde meus pais aguardavam, com sorrisos.

 

- Mãe, pai, esse é o Sasuke. Sasuke, esses são os meus pais, Kushina e Minato. – falei e ele não disse nada, apenas ficou olhando pra eles e a minha mãe se aproximou e o agarrou em um abraço e ele arregalou os olhos e ficou paralisado.

- Ele é tão lindo. – minha mãe falou, enquanto o abraçava e eu apenas ri da cara de surpreso dele, mas logo meu pai se aproximou e ele se encolheu, assustado e meu pai se afastou novamente.

- Bom, vamos pra casa então. – meu pai falou, meio sem jeito e todos nós entramos no carro.

 

            Sasuke foi o caminho todo quieto, olhando para a paisagem, pela janela, com o olhar baixo e quando chegamos em casa, ele suspirou e pareceu ficar ainda mais triste e eu me senti mal e sorri e o chamei pra mostrar o quarto. Subimos a escada e quando chegamos, ele arregalou os olhos novamente, vendo duas camas e me olhou desconfiado.

 

- Bom, esse é o meu quarto. Você vai dormir aqui comigo, porque nós não temos quarto de hóspedes. – falei e ele deu uma leve estremecida, mas logo se recompôs e concordou com a cabeça. A verdade é que nós temos um quarto de hóspedes, que nós achamos melhor deixar trancado pra que ele não percebesse. A verdade é que eu não queria deixar ele sozinho, tinha medo que ele tentasse algo contra si mesmo se ficasse sozinho.

 

            Eu mostrei o que seria a cama dele e um lugar pra colocar as roupas e desci as escadas, deixando ele se ajeitando no quarto e encontrei meus pais na cozinha, que me olharam sérios.

 

- Naruto, esse menino... – minha mãe começou e eu a interrompi.

- Ele é um dos pacientes da clínica mãe, eu avisei a senhora. – falei e ela sorriu nervosa.

- Filho, tem mais alguma coisa sobre ele que você não nos contou? – ela perguntou e eu suspirei.

- Vocês lembram que eu falei de um garoto que não saía da clínica? – perguntei e eles assentiram – Então... é ele. Pelo que a Shizune falou, ele ficou internado na clínica porque tentou suicídio mais de uma vez. – falei e eles arregalaram os olhos e eu suspirei e contei toda a história do Sasuke que eu tinha ouvido e eles ficaram chocados e minha mãe deixou cair algumas lágrimas e abraçou o meu pai, que parecia ainda chocado – E é isso. Eu quero ajudar ele mãe.

- Claro. Claro meu amor. Agora eu também quero ajudar. – ela falou, limpando as lágrimas com as mãos – Não consigo entender, como podem ter pessoas assim. Como esse sujeito maldito pôde fazer mal a uma criança indefesa? – minha mãe falou revoltada.

- Agora dá pra entender porque ele pareceu tão assustado quando eu me aproximei. – meu pai falou, com um olhar triste também e minha mãe assentiu e nós conversamos mais algum tempo, enquanto minha mãe preparava o jantar e logo ela mandou chamar o Sasuke e eu subi as escadas e entrei no meu quarto e quando cheguei, ele estava sentado na cama, segurando as próprias pernas, olhando pela janela, mas eu vi quando ele limpou o rosto. Ele estava chorando. Suspirei e o chamei e ele me olhou assustado e corado, talvez com vergonha por ter sido visto assim e eu estendi a mão para ele me acompanhar, mas novamente ele rejeitou e somente se levantou e saiu, descendo as escadas, encontrando meus pais, que o receberam com sorrisos e ele pareceu meio nervoso e envergonhado e logo sentou e nós começamos a comer.

 

            Minha mãe conversava animada com meu pai durante o jantar e eu tentava prestar a atenção na conversa, mas meus olhos não se afastavam do moreno, sentado à minha frente, que apenas comia quieto, de cabeça baixa, quer dizer, comia é um exagero, porque ele apenas mexia na comida, mal havia colocado na boca, o que logo foi percebido pela minha mãe, que o encarou com um sorriso.

 

- Não gostou da minha comida Sasuke? – ela perguntou, sorrindo e ele a olhou corado.

- N-não é isso. Eu só não estou com fome. Desculpe. – ele falou, de cabeça baixa e meus pais se entreolharam.

- O que você gosta de comer? Se quiser eu faço pra você. – ela falou, ainda sorrindo.

- N-não precisa se incomodar. Eu como qualquer coisa. – ele falou e minha mãe deu uma risadinha.

- Qualquer coisa? Vou te dar a comida do gato então e as comidas horríveis e estragadas que o Minato faz. – ela falou brincando, vendo a cara de ofendido do meu pai e riu mais, mas logo parou quando ouviu a resposta do garoto, sentado ao lado dela.

- Eu não me importo. Não seria a primeira vez. – ele falou sério e baixou mais a cabeça, limpando o rosto novamente. Ele estava chorando novamente e eu senti um nó na minha garganta. Minha mãe o olhou nervosa e logo olhou pra mim e logo Sasuke pediu pra se retirar e eles concordaram e ele subiu as escadas e minha mãe pediu para eu ir atrás dele e quando cheguei na porta do quarto, vi ele deitado na cama, de costas pra mim, chorando baixinho e eu me senti mal em vê-lo daquele jeito e acabei me aproximando e o abraçando e ele se assustou e me empurrou, me olhando apavorado.

- Desculpe, não queria te assustar. Eu só queria ajudar. – falei e ele virou o rosto.

- Não preciso da sua ajuda. Só quero que me deixem em paz. – ele falou, sem olhar pra mim e eu suspirei. Acho que vai ser mais difícil do que eu pensava. 


Notas Finais


É isso.
Será que o Naruto consegue?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...