História A Coadjuvante - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Escolar, Historia Original, Romance, Tragedia
Exibições 22
Palavras 1.204
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Um capítulo especial pra quem shippa Brieça (?)
(Já tem Shipp, Prim??)
Demorei séculos, mas agora estou de volta!
PERDOEM A TIA LUCE!!!

Capítulo 32 - Capítulo XXIX


       “Posso saber o que você está fazendo na minha casa, deitado no meu sofá, usando o meu lençol e...” noto o volume sob sua cabeça “o meu travesseiro?”

       “Você quer mesmo saber os três últimos motivos?” Bombril ergue uma sobrancelha desdenhando.

       “Apenas responda!”

       Depois de quase sofrer um infarto pelo susto que levei ao descobrir um enfermeiro em meu sofá, voltei para meu objetivo inicial e percebi, enquanto tomava um como de água para me acalmar, que eram duas e quinze da madrugada. O que, raios, esse enfermeiro fazia aqui a esta hora?!

       Bem, é isso que eu estou tentando descobrir agora.

       “Então?” pressiono.

       “Olha, eu não sei por que motivo exato eu estou aqui. Só sei que sua mãe me ligou há umas duas horas e pediu para que eu passasse a noite aqui porque ela precisava ir atender um chamado urgente no trabalho e não queria te deixar sozinha em casa logo depois do que aconteceu.” Diz, bagunçando seu cabelo com a mão.

       Estranho. Minha mãe nunca me disse no que trabalhava e agora esse inesperado chamado noturno? E ela ainda me deixa com um “babá” lind-, digo, irritante desses?!

       “Agora me diga o porquê de você estar no sofá, usando meu lençol e o meu travesseiro.” peço, sentada no sofá menor, uma vez que ele ainda está deitado e enrolado com meu lenço no sofá maior.

       “Eu estou no sofá porquê... bem, porque é o lugar mais lógico de se dormir quando você é um homem e uma visita numa casa onde vivem duas mulheres. Estou com seu lençol porque você está com o meu edredom e estou com o seu travesseiro porque ele estava no chão do seu quarto e você já estava usando outro.” Ele discursa defensivamente.

       “Ora! Mas como é que seu edredom foi parar em cima de mim? Que eu saiba, edredons não voam, não rastejam e eu não sou uma sonâmbula ladra de edredons!” cruzo os braços à frente do corpo.

       “Quem garante?!” ele sorri de lado e senta no sofá, jogando meu lençol para o lado.

       Acho que meu cérebro sofre uma pane geral, porque fico estática diante da imagem à minha frente: o enfermeiro-deus-grego-Bombril está usando apenas uma calça jeans preta desabotoada que pende de seus quadris e seu tórax (ou devo dizer tanquinho?) muito bem definido, diga-se de passagem, está totalmente à mostra.

       Mas essa (que os deuses me ajudem!) não é a parte que mais me surpreende.

       Em seu peito, uma fênix alça voo. Estendendo-se desde o umbigo até a clavícula esquerda. O desenho simples – todo preto – é lindo. Tanto que fico olhando para ele sem piscar por um tempo relativamente impróprio, pois Bombril logo volta a me alfinetar.

       “Admirando a vista?” ele diz, fazendo-me desviar o olhar para a parede da sala.

       “Vista logo uma blusa!” devolvo, sentindo meu rosto esquentar. “Eu não sabia que coadjuvantes podiam ter tatuagens.”

       “Como você acha que os valentões coadjuvantes ficariam se não pudessem se tatuar? Ainda assim, eles só podem acrescentar cores para deixar as tatuagens mais terríveis se forem sorteados para...” ele para bruscamente e caminha para a cozinha – ainda sem se vestir direito. “Não importa.”

       “Certo, voltando ao edredom!” sigo-o e sento em um dos bancos do balcão enquanto o observo pegar seus biscoitos e apoiar-se na pia para comê-los.

       “Eh... Bem... Quando eu cheguei, você estava falando. Fiquei assustado e fui ver se você estava tendo visitas noturnas secretas, mas na verdade estava apensa sonhando.” ele sorri malignamente e põe um biscoito na boca. “Você também estava tremendo de frio e eu, como o cavalheiro que sou, decidi trocar de cobertor com você, já que sou naturalmente mais... quente.”

       “Ah, deixa de ser chato, Bombril!”

       “O que foi? Aceite a verdade!” ele ri em resposta e joga outro biscoito na boca.

       “Eu quero biscoito também!” reclamo.

       “Own! Bebezinho quer biscoito?” ele desdenha com uma vozinha estranha.

       “Argh!” bufo revirando os olhos. “Não quero mais, seu infantil.”

       Desço do banco e caminho para meu quarto. O estranho sonho e as surpresas de hoje são demais para mim e me deixam com calor. Decido tomar um banho para tirar o cheiro de hospital que, aparentemente, está impregnado em minhas roupas.

       “Aonde você vai?” o enfermeiro indaga.

       “Tomar banho.”

       Nesse momento, um gatinho branco com manchinhas pretas surge no corredor, miando de uma forma indignada.

       “Ai, meu Deus, Anjinho! Desculpa! Você deve estar morrendo de fome!” exclamo horrorizada e corro para a geladeira em busca de leite.

       Abro a porta e pego a caixa, sentindo um papel amassar-se contra minha palma. Coloco o leite na pia e percebo que há uma nota adesiva grudada no leite escrita na letra da minha mãe.

       “Ian,” li o texto mentalmente. “esquente um pouco de leite e ofereça em um pires para o gato que mora no quarto de Eça. Aparentemente, ela decidiu aumentar a família e não me contou.

       Ai, meus deuses! Ainda bem que ela não enxotou o coitado!

       “O que foi? Descobriu que só tem leite suficiente para um dos dois sobreviver?” Bombril alfineta novamente.

       “Cale a boca e esquente o leite para ele, obrigada.” empurrei a caixa não mão dele e corri para o banheiro amassando o pequeno papel entre minhas mãos.

_-*-_

       Depois de um bom banho quente, visto calças de moletom cinza, uma camiseta de algodão branca e saio do quarto de meias para estender a toalha na lavanderia. No caminho, encontro Anjinho deitado em um tapete ao lado do seu pires e faço carinhos atrás de suas pequenas orelhas alertas.

       “Meow!” ele mia preguiçosamente e estende uma patinha.

       “Eu sei, eu sei. Já está bem tarde mesmo.” respondo.

       “Agora você fala com gatos?”

       Ele não cansa não?! Certamente quer fazer com que eu olhe para ele novamente e não consiga parar de encarar aquela enorme tatuagem.

       “Vai dormir, vai!” passo por ele – que ainda não vestiu roupas decentes – tentando cobrir meu busto, pois estou sem sutiã e meus seios estão marcando a roupa.

       “Ora, ora! Está com raivinha de mim?” ele diz, fazendo com que eu – sem resistir – olhe para cima e veja um sorriso torto em seu rosto.

       Reviro os olhos e, sem dizer nada, sigo para meu quarto. Ou melhor, tento. Porque Bombril segura meu braço e – em um ato tão inesperado quanto surpreendente – me abraça.

       Fico estática (tanto pelo susto quanto pela falta de lingerie). O que, raios, está acontecendo?

       “Bom...bril?” indago cuidadosamente.

       Ele ri um pouco depois suspira.

       “Nunca mais faça algo tão idiota e arriscado.”

       “O quê?”

       “Sério, menina corajosa? Vai dizer que aquela tentativa de salvar seus amigos não foi idiota e arriscada?” ele afasta-se de mim, mas segura meus ombros, e ergue uma sobrancelha.

       “Ah. Isso.”

       “Como assim, “Ah. Isso”?!” ele parece horrorizado, “Aquilo foi quase suicídio!”

       “Quase” aceno displicentemente com uma mão e sinto uma onda de sono me dominar. Seguro um bocejo com a mão e aperto os olhos. “Boa noite. Pode usar seu lençol se quiser, eu pego outro.”

       Bombril não me solta e continua me encarando com horror.

       Eu entendo. Não sou uma bela visão usando pijamas.

       “Boa Noite.” Pego seus pulsos e os afasto de meus ombros, depois viro e continuo meu penoso e sonolento caminho até a cama.


Notas Finais


Link útil: http://2.bp.blogspot.com/--oJ0drDyui8/T16KdNbEigI/AAAAAAAAGiA/Upv3kLAKWM0/s320/DESENHO+DE+FENIX+PARA+TATUAGEM3.jpg (Tatuagem do Bombril <3)

Gente!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Postei "Com amor, Eu" aqui!!!!! Vão conferir! <3
Beijoooos! *3* *3* *3*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...