História A cunhada - Capítulo 35


Escrita por: ~

Exibições 244
Palavras 6.545
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ok, primeiramente bom dia, boa tarde, boa noite e boa madrugada, seja lá a hora que você for ler essa belezinha. Então, me perdoem pelo mega e irreparável atraso, bloqueios de criatividade sempre acontecem comigo e sabe lá deus quando volta. Quero primeiro agradecer a todo mundo que esperou, essa fanfic não ia ser longa mesmo deixei bem claro assim que a comecei. Ela foi a minha primeira fanfic, quando eu me lancei pra escreve-la eu nem imaginava que ia chegar onde chegou. Nunca pensei que iam pedir pra eu continua-la, e isso porque eu nem divulgava a bichinha HAHAHA. Enfim, obrigado, obrigado e obrigado. Esse é o ultimo capitulo, mas eu vou fazer um epílogo mostrando o futuro delas também ok? Por mais que demorasse eu tinha feito uma promessa pra mim mesma e que se tratava em terminar A cunhada do jeito que quem lê merece. Então está aqui. Beijos, espero que gostem, eu amei demais escrever cada palavrinha. Eu quase não apareço mais no twitter, mas sempre to atenta adjaksdk Amo vocês <3 Com carinho, Erika.

Capítulo 35 - Capitulo 35


Dizem que quando o noivo vê o vestido da noiva antes do casamento, dá muito mais azar do que passar por de baixo de uma escada ou brincar com as sete vidas um gato, por exemplo. Bom, Lauren odiava superstições e odiava porque muitas vezes as pessoas deixavam de fazer coisas que queriam por causa de lendas bobas, então, por isso mesmo a morena resolveu que ela mesma ia confeccionar o vestido de Camila e, também presenteá-la de alguma forma, Lauren queria que ele caísse perfeitamente no corpo da sua noiva, á cada linha, cada detalhe de pérolas e costuras que eram feitas era como se a estilista estivesse ganhando um filho, ela queria que nada desse errado. Tornou-se prioridade fazer sua mulher feliz e era essa meta que Lauren queria chegar e dobrar á cada dia que passasse.

Já passava das duas da manhã quando Camila apareceu no escritório de Lauren usando apenas um sutiã e shortinhos curtos para dormir, seus cabelos estavam úmidos provavelmente porque tinha acabado de sair do banho e seu cheiro que era uma mistura do seu aroma natural e sabonete tomou conta do cômodo.

Vem dormir amor. – Ela disse encostada á pilastra que ficava perto do pequeno sofá – Está tão tarde.

Vem aqui primeiro. – Lauren a chamou e estendeu sua mão para ela pegar em seguida. – Veja como tá ficando lindo. – Apontou para o longo vestido branco no manequim.

Camila observava atentamente o vestido de noiva suspenso em um manequim, ela tinha um olhar de admiração e parecia não acreditar no que realmente ia acontecer, nem Lauren mesmo queria acreditar. Elas iam se casar, quando a estilista imaginou na vida que se casaria? Se as pessoas com quem a mesma conviveu vissem como isso a deixava feliz e realizada iam querer pagar pra ver.

Você tem mãos maravilhosas – Camila disse sorrindo, intercalando seu olhar para Lauren e para o pano macio do vestido.

Disso eu sempre soube e não é só costurando que minhas mãos são maravilhosas. – Sorriu maliciosa e recebeu um olhar quente da latina á sua frente.

Incrível como você leva tudo pro lado sexual. – A mulher seminua veio em direção á Lauren e a encostou na beirada da mesa de madeira se encaixando entre suas pernas com volúpia. – Vou me casar com a mulher mais safada que existe.

Lauren recebia beijinhos singelos em seu pescoço, que começaram a ficar quentes e precisos.

Como eu não vou ser safada com você fazendo isso? – Lauren levantou as mãos em sinal de rendição sentindo chupadas fortes em seu pescoço. – Oh, porra isso vai ficar muito marcado, haja cachecóis pra cobrir.

Isso é pra’s outras verem que só eu tenho acesso á esse pescoço – Camila disse arfando contra a pele da morena – Esse corpo, esses olhos, essa boca são todos meus, unicamente meus.

:- Hm, possessiva.

Defendo meu território tá bom? – A latina sorriu pelo tom da brincadeira. – Agora posso falar sério? Vem pra cama amor.

:- Agorinha baby, esquenta meu lado da cama?

Com certeza eu vou esquentar. – Camila saiu do meio das pernas da noiva e começou a andar de um jeito provocador pelo escritório, enquanto andava, suas mãos foram para a beirada do shortinho que foi retirado lentamente do seu corpo passando pelas suas pernas lisinhas e grossas, revelando uma enorme bunda coberta apenas pelo fio dental da calcinha preta que usava. 

Puta... Merda. – A estilista engoliu em seco percebendo que só aquilo a fizera ficar úmida e bastante tentada á ir pra cama logo e não demorou muito para isso acontecer.

 

3 meses depois

Camila Cabello’s point of view

Eram precisamente três horas da tarde, o dia estava agradável, e meu quarto estava cheio de pessoas responsáveis em me ajudar á me arrumar para meu casamento. Um maquiador e um cabeleireiro mais precisamente, após toda a produção, ambos foram embora e eu me prontifiquei em me arrumar para a cerimonia, o vestido que Lauren havia me dado ficara perfeito em mim, ao me olhar no espelho percebi que um dos arranjos de cabelo tinha ficado para trás, então resolvi coloca-lo e para meu completo azar ele havia quebrado. Imagine véspera de casamento, alguma dá errado, o desespero bate e não vai embora nunca mais.

Oh droga Ally, um arranjo do meu cabelo quebrou! Merda, merda eu estou perdida vem aqui pra casa, por favor. – Liguei para a baixinha para encontrarmos uma solução. 

Eu estava tão agoniada, tão nervosa. Queria que tudo saísse perfeito, como eu sempre quis! Admito que meu lado neurótico aflorou deploravelmente, nota importante: Sempre me lembrar de não ficar maluca na véspera de algo importante. Não consegui esperar Ally, então fui até a cozinha e procurei uma cola instantânea, me sentei em uma cadeira á beira da bancada e comecei a espalhar cola por todo o arranjo com um pincel especial, minhas mãos tremiam e eu estava já á uma hora pro meu casamento, depositei a cola com o pincel em cima da bancada e juntei a parte descolada do arranjo. Percebi que meu trabalho tinha dado certo, até me permiti respirar aliviada, até que fiz a proeza de mover meu cotovelo na bancada e derrubar a cola por todo o meu vestido.

:- OH, PORRA! Não, não, não! Me cega Deus pra eu não ver isso!

Saí correndo e enquanto subia as escadas, vi a porta se abrir e uma Ally entrar correndo atrás de mim.

:- Não. Fala. Comigo. Allyson. Brooke. Hernandez.

O que tá acontecendo Cam... Camila! Abre a essa porta! – Ela gritou contra a porta que bati na sua cara. – Camila!

:- Não, não, não. Eu estraguei tudo Ally.

:- Estragou o que? Abre logo essa porta me deixa te ajudar.

Abri um vão da porta, e por conta das lagrimas já brotando em mim, pude ver apenas um pedacinho da baixinha na minha porta.

Eu.. Estraguei o vestido – Falei sussurrando, quase inaudível.

:- Você faz o que? Camila fala com a boca, eu não posso fazer leitura labial!

Respirei fundo e resolvi abri a porta de vez, Ally me observou curiosa até colocar os olhos na barra do vestido.

Oh. Meu. Deus! – Ally se aproximou e começou a rir? Gargalhar mais precisamente. – Como, como fez isso? Sua maluca, vai casar usando o que agora? Uma burca?

:- Isso não tem graça Ally, eu fui muito desastrada!

:- Vamos dar um jeito nisso, eu vou chamar a Lauren, ela pode consertar.

Tá maluca?! Ela deve estar se arrumando, não quero atrapalha-la. – Quase gritei.

:- Wow... Calma aí garota! Vamos dar um jeito nisso tudo bem? Vou buscar um copo d’agua com açúcar para você se acalmar. Se senta aí, eu vou resolver isso.

Comecei a andar de um lado para o outro no quarto, isso não podia estar acontecendo, bem em cima da hora de tudo. Allyson voltou com a água e tomei o bastante para me sentir um pouco mais calma, quando ouvi um carro chegando e olhei pela janela para saber quem era, mas não pude ver muito bem.

:- Chamou quem Ally?

:- Liguei pra Lauren, mas calma, para não incomoda-la ela disse que ia mandar Dinah aqui.

Respirei mais aliviada e fui até o banheiro, tratar de melhorar um pouco a maquiagem feita que já havia resquícios de borrado nos olhos, ouvi Dinah entrando no quarto e gritei dizendo que estava no banheiro.

:- Oi, nervosinha.

A porta se abriu e para minha supresa não era Dinah e sim Lauren.

:- O que está fazendo aqui? Não era para estar se arrumando?

:- Sim, era, mas tudo está quase pronto. Ally me contou da sua obra no meu vestido.

Eu não acredito que não vou me casar com o vestido que me fez. – Observei Lauren se aproximar de mim através do espelho. – Você tinha feito ele com tanto carinho, e eu estraguei tudo.

Amor? Para ta bom? Existem milhares de lojas de noivas por aí, você pode comprar o vestido mais caro de qualquer uma, eu não me importo em pagar. E daí que você estragou o seu? Sempre soube que era meio lerdinha, mas eu também sempre soube que você é uma mulher muito além de um vestido, olha pra mim. – A morena me virou para si, e todas as vezes que ela me olhava desse jeito, terno e carinhoso, meu coração parava de bater por nervosismo ou qualquer outro problema, ela me dava uma paz indescritível. – Eu amo você Camila Cabello, você pode se casar comigo vestida de mendiga que eu ainda vou te achar sexy, linda, a noiva mais perfeita da face da terra. Jesus! Eu estou muito apaixonada, eu sou maluca por você. Se nem o meu irmão foi capaz de destruir o que tínhamos, porque acha que um reles vestido vai fazer isso?

:- Eu fiquei mal, tantas coisas haviam dado errado conosco e ainda sim decidimos seguir em frente. Nunca me considerei uma mulher de azar, sempre tive sorte com empregos, amores, amigos, e sei lá. Eu já estava nervosa por tudo, me desculpa eu sei que fui exagerada demais.

É, talvez fazer seu vestido tenha nos dado um pouco de azar – Ela disse sorrindo. – Se quiser adiar o casamento faremos isso, até tudo estar em seus conformes.

Hey. – Puxei sua cabeça contra a minha, juntando nossas testas e narizes. – Não mesmo, a festa já está pronta, nossos amigos e família estão aqui, está entardecendo e quando o sol se pôr naquela praia eu já quero estar casada com você, com ou sem vestido.

:- Está falando sério? Porque eu levo muito á sério meus compromissos, e mais precisamente daqui duas horas eu preciso estar te esperando no altar, então...

Eu tenho muita sorte mesmo, puta que pariu! – Puxei Lauren pelo pescoço e a beijei desesperadamente, e senti o mesmo frio na barriga de quando estávamos em Londres e me vi apaixonada por essa mulher e encurralada por toda aquela situação. E suas mãos me puxaram pela cintura possessivamente assim como ela fazia todas as vezes que íamos fazer sexo ou amor. Percebi então que não era o fim, era só o comecinho, o começo de uma vida que eu queria compartilhar só com ela. – Eu te amo tanto, eu finalmente estou entendo o que é não sentir vazio nenhum, eu estou transbordando de amor e não consigo mais esconder isso.

:- Eu nunca vou esquecer de como me prendeu á você viu, Camila Cabello. Acho que hoje já pode ser considerado o melhor dia da vida pra mim, meu amor. Agora me deixa ir, preciso estar lá primeiro que você coisinha. Amo você. Obrigado por não ter desistido disso aqui, de mim, de nós.

Eu que agradeço, amor. – Nos despedimos com mais um beijo, enquanto Dinah, Ally e mamãe já nos esperavam na sala, Lauren tinha ido embora.

Nosso casamento seria em uma ilha, bem próxima á cidade. Quem organizou tudo, obviamente foi Veronica. Quando Lauren á convidou para ser nossa madrinha ela logo se prontificou á ajudar no que fossemos precisar e a ideia da ilha foi dela. Ao chegar no local, me deparei com uma decoração impecável, cadeiras brancas estavam dispostas de dois lados da areia e no meio delas um tapete de pétalas de rosas vermelhas que terminava bem no altar. O dia estava lindo, gaivotas passeavam pelo céu que tinha uma tonalidade de roxo com rosa, pois, já entardecia, e o sol já dava indícios de que ia embora.

Retirei meu vestido que tinha estragado e se Dinah não tivesse me ajudado eu nem sei com que roupa eu me casaria, ela me deu de presente um novo vestido, mas dessa vez ele tinha um caimento mais leve, sem muito pano, com transparência nos ombros e meus cabelos estavam soltos e encaracolados, apenas uma trança passava como se fosse uma diadema por eles, meu buquê era delicado feito com rosas brancas e amarelas e detalhes como brincos e tornozeleiras completaram o look.

:- Você é a noiva mais linda que Miami já viu.

Obrigado mamãe. – Arfei por causa da emoção do momento. – Queria de verdade que o papai estivesse aqui, queria que ele me levasse pro altar hoje.

Ele está comigo meu amor, e vamos te levar. – Ela disse e eu quase desabei. – Tenho certeza que ele está tão feliz quanto todos nós, e principalmente Lauren, ela estava tão nervosa e feliz quanto você.

Obrigado por estar comigo hoje mamãe, é muito importante não só pra mim quanto pra ela.  – Observei por entre as cortinas que tampavam a estrutura da festa que também seria ali mesmo Lauren no altar conversando com Taylor. – Clara não apareceu não é?

:- Não filha, ela não veio.

:- Mulher sem coração!

:- Ela é sua sogra, mais respeito.

:- Ela devia ter apoiado a filha em tudo. Lauren é um ser humano tão iluminado que todas as vezes que eu perguntava da Clara, ela disfarçava falando do casamento, do trabalho, de noticias do dia, como se estivesse empolgada, como se a mãe dela não estivesse fazendo falta e eu sempre soube que no fundo o coração dela tá quebrado demais para admitir isso.

:- Camila, eu acho que o que você está fazendo já é o suficiente. Existem relações que por mais que queremos nos intrometer, sabemos que a reconciliação deve partir das partes envolvidas diretamente e não de terceiros.

Pode até ser, mas que ela é uma mulher sem coração, ela é. – Falei em deboche.

:- Você não tem jeito!

Cinco minutos, noivinha! – Dinah surgiu estonteante como sempre e com Normani de mãos dadas. Ok, isso foi meio esquisito, mas tudo bem.

Cinco minutos pra mim não é nada, ta... Tudo bem por aqui? – Disse apontando para as mãos dadas, senti Normani um pouco tímida então, ela soltou a mão de Dinah.

Está tudo ótimo Camila, você está maravilhosa. Já conversei com Lauren e ela está nervosa, você nem parece tanto. – A morena disfarçou e começou a sorrir dando á entender que sairia. – Vou tomar um pouco de água, te vejo lá fora Dinah. – Normani que usava um vestido longo de cor rosa e bem leve saiu elegantemente como sempre foi.

:- Ok, Dinah o que tá acontecendo?

Somos apenas amigas tá bom Camila, chegamos de mãos dadas por puro instinto. – A maior não conseguia disfarçar a carinha de infantilidade, parecia que tinha acabado de ganhar um prêmio, cínica o nome dela do meio.

:- Puro instinto? Me explica então o risinho tímido, o “te vejo lá fora”, o seu interesse repentino nela no restaurante naquele dia e também o seu sumiço de tudo (?).

Hey, calma tá, você tá parecendo minhas vizinhas fofoqueiras. – A maior viu que eu não ia desistir tão cedo. – Tá, ela é uma bi curiosa, tipo você quando se envolveu com a Lauren.

:- Mas, eu nunca fui bi. E só sinto atração pela Lauren, não tenho desejos com outra mulher.

:- Só não tem desejo por outra porque ama Lauren, é louca por ela e só sente tesão com ela também. Quando terminarem o relacionamento de vocês, duvido você não querer outra boceta por aí.

Que tipo de madrinha é você? Que mal está casando as amigas e já quer destruir o casamento delas? – Levar Dinah na brincadeira era muito mais fácil do que vê-la falando sério, por isso me dou tão bem com ela.

Eu sou o tipo de madrinha que fala as verdades na cara. – Ela disse debochada. – E também sou do tipo de madrinha que vai estar aqui pra reconciliar o casal quando o mesmo brigar. E cuidar do filhinho delas quando forem para uma festa e beber toda a bebida da adega da casa de vocês também.

:- Aw, você é um amor. Mas e sobre Normani, eu não desisti ainda.

:- Tá bom, estamos nos conhecendo, ela é uma garota incrível Camila, quero continuar com ela, ela gosta de quase tudo o que eu gosto, ela compõe músicas, gosta de artes e mesmo assim estuda medicina, se ela não é uma maquina de perfeição eu não sei o que ela é.

Hmm. – Falei – Será que você não te gostando dela? Eu acho vocês lindas juntas, formariam um casal lindo.

Não viaja tanto Camila. É preciso ter calma. – Dinah disse observando a sua acompanhante conversando com alguns amigos de Taylor. – Mas você acha mesmo que fazemos um casal bonito? Quer dizer... Você entendeu.

Claro amiga! Investe nela, pela primeira vez na vida leva algum relacionamento seu á serio, por favor. – Falei, sincera.

:- Eu sei vou seguir seu conselho agora chega de falar sobre mim, vamos por partes. Vamos casar você e Lauren, estou muito feliz. Toda a felicidade do mundo pra vocês, estou contente de verdade, sabe que torci muito por isso.

:- Obrigado minha amiga.

Dinah e eu nos abraçamos e só desgrudamos quando bateram o sino, e era o sinal que eu precisava para saber que essa era a hora certa. Um grupo de violinistas que estavam lá fora começou uma melodia leve e suave, meus pés tocaram a areia fria daquela ilha pela primeira vez e eles me levariam para o amor da minha vida. Saí daquela estrutura coberta e só conseguia ver minha mãe ao meu lado segurando firme minha mão, os convidados já estavam todos de pé, Lauren á minha frente usando um vestido branco despojado, curtinho, uma coroinha delicada de flores na cabeça e um sorriso tão lindo que me deixou fraca, o vento batia leve sobre mim e uma imensidão de oceano atrás do mestre de cerimonias fazia suas ondas baterem umas nas outras dando complemento pra toda a natureza que cantava junto aos violinos e testemunhariam aquele momento mágico.

Caminhei com a minha mãe por cima das pétalas de cor vermelha e ao chegar no altar, ela estendeu minha mão para entrega-la á de Lauren que prontamente me tomou para si e apertou meus dedos aos seus de forma delicada, nossos olhos se conectaram instantaneamente me dando paz de espirito, me dando amor e cumplicidade, era mágica mesmo só podia ser.

Ouvimos atentamente a cerimonia, cada palavra do mestre e consegui sentir toda a vibração de felicidade que as pessoas ali estavam nos transmitindo, o mestre nos mandou levantar, pois, estávamos de joelhos, e então fizemos nossos votos.

Vero que trazia as alianças grossas nos estendeu as mesmas e Lauren pegou a sua primeiro.

:- Karla Camila Cabello Estrabão, você aceita se casar comigo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, prometendo me amar e me respeitar, até que a morte nos separe?

:- Sim, é tudo o que eu mais quero.

Lauren colocou a aliança em meu dedo e logo depois beijou minha mão, sorrindo logo em seguida. Seus olhos que eram tão verdes estavam meio azulados agora e brilhavam lindamente.

:- Lauren Michelle Jauregui Morgado, você aceita se casar comigo, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, prometendo me amar e me respeitar, até que a morte nos separe?

:- Sim, meu amor, pra sempre.

Encaixei a aliança em seu dedo e também lhe dei um beijo nas mãos.

“Se tem alguém aqui que é contra esse casamento, que fale agora ou se cale para sempre.”

Se alguém ousar acabar com esse casamento eu afogo naquele oceano. – Falei sussurrado só para Lauren escutar, ela quis rir.

“Não? Então eu declaro Lauren e Camila, casadas. A noiva já pode beijar a outra.”

Lauren se aproximou e encostou sua testa á minha, entrelaçando nossas mãos, o sol estava se pondo dando um calorzinho gostoso e aconchegante em nós duas, nos permitimos fechar os olhos e sentir tudo o que emanava de uma para a outra.

:- Eu te amo.

Falamos em uníssono, quase nos espantando com a sincronia. Nos beijamos e fomos ovacionadas com aplausos e gritos, ao terminar o beijo saímos pelo mesmo corredor de pétalas vermelhas, observando cada convidado, cada sorriso das pessoas que nos queriam bem, do som dos violinos, nunca pensei que seria desse jeito, as surpresas só começavam, mas ás vezes algumas são até surpreendentes. Lauren parou de andar e eu quase puxei demais seu braço, a morena olhava atônita pro outro lado da praia onde uma mulher estava parada ao lado de um carro muito bonito, usando um vestindo cinza e parecia muito elegante para a ocasião.

Era Clara.

Lauren ficou mais branca do que já era, já faziam meses que elas não se falavam e então a morena soltou meu braço delicadamente e tomou uma lufada de ar bastante digna para quem está com falta dele nos pulmões.

:- Eu preciso falar com ela Camz.

:- Quer que eu vá com você?

Não, não precisa. – Lauren me deu um beijo casto nos lábios e saiu e direção á senhora que a esperava. – Daqui a pouco eu volto.

 

Lauren Jauregui Point of view

Andei o mais lento que pude para retardar esse encontro, já faziam meses que eu não trocava uma palavra com minha mãe e agora vê-la no meu casamento me deixou um pouco desnorteada.

O que está fazendo aqui mamãe? – Me aproximei um pouco mais do seu carro e sem nenhum medo, ou talvez estivesse fingindo coragem para mim mesma pensar que poderia estar pronta para essa conversa, resolvi encara-la.

Eu vim lhe entregar isso aqui. – A mulher entrou no carro e pegou um álbum bem velho de fotografias, ele estava em um embrulho delicado, então ela o desembrulhou e me entregou em mãos. – Ele estava no quartinho de velharias da nossa casa e nele tem muitas fotos suas quando ainda era um bebê e também tem fotos da sua fase pré-adolescente, bom ele é noventa por cento você.

Porque veio me entregar? Eu nem me lembrava mais que ele existia. – Tomei o álbum em mãos e o agarrei contra meu peito.

:- É o meu presente de casamento. Quero que quando tenha seus filhos, eles vejam como a mãe deles era linda e parecia um anjinho.

Obrigado. – Agradeci sincera e por dentro ainda supliquei para que ela me falasse algo mais, eu queria reivindicar isso, mas não quis engolir um orgulho que me magoava ainda.

E também... – Ela continuou. – Quero que saiba que quero que seja feliz, sei que falei coisas horríveis para você e sobre Camila, quando eu e seu pai nos apaixonamos passamos por quase todas essas fases, a mãe do seu pai me odiava, mas eu era apaixonada pelo Mike e eu não podia abrir mão disso. E ele me amava e me apoiou em quaisquer decisões que se relacionava á nós, então quando eu engravidei do seu irmão as coisas ficaram sérias demais, mas o amor nos unia e ainda une.

Clara começou a lacrimejar, eu queria muito abraça-la, mas senti que ainda não que era a hora.

Sinto falta do seu pai Lauren, sinto falta do seu irmão. Perder os dois em um ano só e em um espaço curto de tempo de deixou com um buraco no meio do peito que eu acho que nunca vai ser preenchido. – Ela não conseguiu segurar as lágrimas. – Chris poderia ter feito o que fez, Mike pode ter sido um péssimo pai pra você, mas ainda sim eram meu marido e meu filho.

Eu te entendo mamãe, de verdade. Não vou falar sobre o papai, pois, a senhora sabe a minha sincera opinião e eu não guardo mais mágoa disso, porque machuca, corrói e para eu viver minha vida com Camila e estar feliz, eu preciso estar livre desses fantasmas.  – Coloquei o álbum em cima do capo do carro e me aproximei dela – Sobre Chris, eu também não guardo mágoa, se ele morreu eu te garanto que não foi minha culpa e nem de Camila e eu sei que você quis transferir essa culpa pra nós. Ou vai mentir sobre isso?

Não, eu não vou fazer isso. Não quero terminar meus dias sozinha, preciso de você e da Taylor, só tenho vocês e você tem razão, guardar mágoa só machuca. – Mamãe abriu os braços e me chamou para abraça-la. – Me desculpa filha, por favor, me perdoa por tudo o que eu falei, por ser contra seu casamento, por transferir a culpa pra vocês. Camila sempre foi uma nora perfeita, foi a única que seu irmão levou para casa e eu gostei logo de cara, ainda bem que ela ainda está na família.

:- E se depender de mim, ela nunca vai sair da família mamãe. Eu sou a mulher mais feliz do mundo, muito mais por agora dividir essa alegria com você e meus amigos.

:- Eu fico tão feliz por isso, obrigado por me aceitar de volta.

:- Mas, eu nunca te exclui de nada. Você sempre vai ser minha mãe, não importa o que aconteça.

Peguei o álbum novamente, tomei a chave das suas mãos, tranquei o carro e a chamei para o luau do casório, ao chegarmos Camila logo veio ao nosso encontro, ela parecia muito receosa e envergonhada, mas logo se soltou e começamos a conversar como uma família de verdade, em nenhum momento elas pareciam zangadas uma com a outra, Taylor apareceu para nos parabenizar e saiu apresentando mamãe para alguns convidados, me deixando sozinha com Camila.

Olha o meu casal favorito aí – Vero se inclinou para pegar uma taça de champanhe e brindou conosco. – Eu sabia, eu sempre soube que isso ia dar casamento, quando a Lauren falou de você Camilinha, eu pensei “essa aí tá arriada os quatro pneus por essa mulher”.

Veronica para me fazer passar vergonha. – Falei vendo Camila gargalhar. – E você para de rir Camila.

Ela está mentindo meu amor? – A latina de aproximou de mim com os olhos rentes aos meus lábios. Provocadora.

:- Não, ela não está.

Viu? Eu sempre estou certa amores. Agora eu vou procurar uma boca pra beijar, porque eu não estou morta, boa festa!

Amor, vamos dar uma volta quero te mostrar uma coisa. – Falei puxando o braço de Camila e despistando os convidados, que já estavam altos por causa do álcool.

:- Pra onde vai me levar?

:- É uma surpresa.

Caminhei com Camila para fora do luau e andamos um pouco mais até chegarmos á um quiosque, ele estava reservado apenas para nós, sentamos em um banquinho aconchegante e ficamos encarando o mar á nossa frente, vendo as ondas batendo forte e a maré estava descendo. Se eu fosse descrever a serenidade no rosto da minha mulher eu não ia conseguir.

:- Queria saber se tem alguma ideia de onde vamos para nossa lua de mel.

Camila ainda encarava o mar, parecia estar em paz e em transe.

:- Eu não faço a mínima ideia, para ser sincera. Mas, eu imagino que poderia ser assim, como está agora, só a calmaria e você.

Vamos providenciar isso, olha só esse céu. – Demos atenção ao céu que já estava estrelado. – Eu fico pensando que há dois anos atrás eu era uma mulher tão inconsequente e saber que agora tenho a responsabilidade de te cuidar e te amar, me dá mais satisfação do que estar em festas e gastando dinheiro á toa.

:- Tínhamos propósitos diferentes, posso te contar um segredo?

Pode amor, claro. – Comecei a acariciar com carinho suas pernas desnudas.

Assim que eu te conheci, de alguma forma eu percebi que não poderia continuar com Christopher. Acho que agora eu estou entendendo o porquê de tudo ter acontecido dessa forma – Camila finalmente olhou para mim e eu senti meu peito arder, como se eu fosse explodir – Quando tivermos nossos filhos, quero que eles sejam bem assim como você, determinada, uma pessoa linda tanto por fora quanto por dentro, eu não to te assustando com isso de filhos, estou?

Um pouquinho. – Disse – Mas eu quero cinco, três meninas e dois meninos.

O que? – Camila arregalou os olhos, abrindo um enorme sorriso. – Você quer é um time de futebol mesmo.

:- Quem falou em filhos foi você e quando eu quero uma coisa, eu quero tudo em dobro.

:- Vamos ter esse time, algum dia.

Sim, agora vem aqui que eu quero seus beijos todos em dobro também.  – Puxei a latina que se levantou e veio até mim, nos beijamos apaixonadamente, quase faltando folego, mas agora nosso beijo se intensificou de forma erótica e sem pudor, era difícil não beijar Camila e não querer transar com ela em seguida, era um ciclo sem fim de prazer e desejo.

Laur... Não sabe a vontade que eu estou de arrancar sua roupa bem aqui mesmo. – Camila arfava lenta e dolorosamente. – Transar na areia não faz meu estilo, mas... Uma rapidinha não dá em nada não é? Será que vão perceber nossa ausência por algumas horas?

Acha que eu não pensei nisso? – Falei sorrindo maliciosa.

:- Co... Como assim amor?

Peguei Camila nos braços e a levei para dentro do quiosque fechado, ao entrarmos tranquei a mesma e a deitei em um pano grosso vermelho que estava espalhado pela areia, ao redor de dentro do quiosque espaços abertos que serviam para guardar roupas e pertences estavam preenchidos por pequenas velas aromáticas e acesas para dar um pouco de luminosidade ao local.

:- Aqui é só começo da nossa lua de mel.

Me trouxe aqui porque sabia que íamos transar! – Ela sorriu fingindo indignação. – Você é uma safada, pervertida, maníaca sexual.

:- E você gosta Karla.

Me ajoelhei por cima da mulher para ver melhor seu rosto que já explanava tesão, Camila ergueu o tronco para se sentar e avançou suas mãos para minhas pernas, as alisando, arranhando com suas pequenas unhas, nossas respirações já estavam ficando pesadas.

Tira pra mim. – Me virei de costas e Camila abriu o zíper do meu vestido até o fim, ainda de joelhos ela começou a beijar toda aquela extensão nua, abrindo o feixe do meu sutiã em seguida, ela não parou enquanto me encaixou entre as pernas dela e acariciou meus seios, apertando - os firmemente, beliscando meus mamilos com as pontas dos dedos, me arrepiando inteira. – Oh, deus...

Coloquei minhas mãos por cima das dela e conduzi seus movimentos fortes e precisos.

:- Você é tão boa nisso Karla...

Me deixa te foder hoje amor? – A latina surrou arrastadamente em meu ouvido, quase me fazendo gozar antes do tempo.

Suas mãos desceram até a barra do vestido e ela o desceu de vez, me deixando apenas de calcinha.

:- Deixo sim.

Virei-me e Camila atacou minha boca com um beijo selvagem, levei minhas mãos para a parte lateral do seu vestido e o abri também, Camila usava uma conjunto de lingerie branco que logo tratei de arrancar peça por peça, me inclinei um pouco mais para deita-la novamente e subi por cima dela, precisamente colocando minha boceta bem em sua boca, aquele contato quente e molhado me fez arfar, quase faltar o ar.

:- Me foda com a boca primeiro.

Camila tratou de apertar minha bunda dos dois lados com as mãos, e não demorou muito para que sua língua começasse a serpentear minha boceta, de forma lenta e dolorosamente gostosa.

:- Isso, oh... Porra Camila!

A sucção das chupadas estavam me deixando maluca, á ponto de começar a rebolar e sentar com mais força e velocidade em sua boca, Camila batia em minha bunda diversas vezes e aquilo só me fazia sentir mais tesão, mais vontade de sentar nela, puxei seu cabelo para que sua língua entrasse com mais sede em mim, que mulher era essa? Eu nem queria saber a resposta.

:- Só mais um pouco... Me faça gozar em sua boca, vamos!

Camila continuava a me chupar deliberadamente, dava pra perceber que ela tinha prazer em fazer isso, em momento nenhum ela diminuiu o ritmo das lambidas, sua língua era quente e macia como veludo, ela sabia fazer isso como ninguém, eu estava entregue nessa orbita de prazer que ela me proporcionava sem nem piscar. Quando percebi que ia gozar me levantei um pouquinho e a latina não perdeu tempo em acelerar meu ápice, dois de seus dedos me preencheram rapidamente, ela os enfiava e os tirava com desespero e vontade.

Você é tão apertada amor, tão gostosa, puta merda! – Camila gemia junto comigo, senti minhas pernas tremerem. – Goze pra mim, goze!

:- Oh deus...

Quase gritei quando o liquido quente deslizou por entre minhas pernas, me proporcionando choques internos e gostosos, eu havia gozado gloriosamente e minha mulher não tardou em lamber tudo o que eu tinha dado á ela.

Amo te ver assim, destruída!  - A latina limpou os cantos da boca com a ponta dos dedos, me devorando com os olhos.

:- O que é seu tá bem guardado Camila.

Mostre-me logo, sem joguinhos Sra. Jauregui Cabello. – Ver o meu sobrenome falado daquela forma pervertida quase me fez gozar novamente.

Puxei o cabelo da latina com força e a fiz se virar de bruços, mais precisamente de quatro.

Fala meu sobrenome de novo. – Exigi.

Senhora. Jauregui. Cabello. – Ela disse arrastada e logo desferi um tapa naquela enorme bunda.

Camila rebolou em sinal de que havia gostado, logo dei mais um tapa do outro lado, para ambas ficarem vermelhas, retirei a calcinha dela lentamente me deliciando com aquela mulher que me tirava do controle. Afastei suas pernas e tateei por dentro, deslizando minha mão por cada centímetro de pele até chegar a sua boceta encharcada, Camila estava molhada, quase transbordando, a vontade que eu tive de chupa-la até me cansar era surreal.

Amo quando está assim pra mim. – Deslizei lentamente meus dedos por dentro da carne macia e quente, levando - os até a boca da latina que tratou de chupar tudo. – Seu gosto é delicioso não acha?

:- Uhum, uhum.

:- Ótimo.

Acariciei aquela área mais alguns segundos, até penetra-la de vez com dois de meus dedos, ela já estava suada e aquele cheiro natural de mulher misturado com seu corpo molhado de suor deu um tom tão mais erótico á nossa foda, eu nunca ia me cansar de ser fode-la assim, com rudeza, tesão, sacanagem. Continuei enfiando meus dedos dentro dela, Camila gemia gostosamente, era como som pro’s meus ouvidos.

:- Isso! Rebole em meus dedos, quero que goze neles.

:- Puta merda! Coloca mais um... Laur...

Não demorei para obedece-la e introduzi mais um dedo a fazendo gritar, agora três de meus dedos estavam a fodendo, forte e rude. Puxei seus cabelos para trás e me deliciei com sua expressão safada, de quem estava adorando tudo aquilo, Karla Camila era puro fogo e nada podia apaga-lo.

:- Jesus!... Apenas continue hmm...

Senti meus dedos sendo esmagados pela boceta dela, e quanto mais eu os enfiava mais apertado ficava, essa sensação era tão gostosa quanto senti-la em minha língua, continuei os movimentos e quando comecei a chupa-la Camila fraquejou nos cotovelos e os deitou fazendo sua bunda se empinar mais para minha boca, filha da puta é pouco!

:- Ohhh isso Lauren, você me come tão gostoso, porra!

Minha língua serpenteava toda aquela extensão rapidamente e com desespero, Camila estava afoita e apertava a própria bunda em agonia deixando as marcas dos dedos naquela pele alva e suada, ela ia gozar bem ali e agora, a latina começou a tremer de leve e quando dei uma ultima estocada com força senti meus dedos ficarem mais molhados e apertados que nunca, ela gemia em contentamento e eu retirei devagar meus dedos de dentro dela.

:- Chupa!

Nem precisa pedir duas vezes. – Falei chupando meus dedos, sentindo o gosto deles.

Camila se recompôs e veio em minha direção chupando meus dedos junto comigo e terminamos com um beijo quente, quase nos devorando uma a outra.

:- Você está sedenta hoje Karla, nunca te vi assim.

:- Acho que as coisas melhoram quando nos casamos, não acha?

:- Se for assim todos os nossos dias de casadas, eu vou agradecer aos céus por isso.

Besta! Vem aqui. – Me deitei em seus seios ainda nus e aconcheguei minha cabeça em seu ombro. – Se depender de mim, seus dias de casada vão ser os melhores, antes de sexo, antes de trabalho, antes de tudo eu quero ser a mesma Camila com você a vida inteira, eu quero te fazer feliz meu amor de verdade, eu prometo que vou me esforçar pra isso.

:- Não sei quantas vezes eu já me declarei hoje pra você, mas tenha certeza que eu nunca vou me cansar de dizer o quanto você me faz feliz Camila, eu te amo tanto que dói, amo cada parte de você, sua teimosia, sua lerdeza, sua forma de pensar e sua perseverança nas coisas. Tenho certeza que você foi feita pra mim.

Não quero chorar, não agora meu amor. – Camila me acariciava nos vãos de minhas clavículas, senti que quase estava adormecendo. – Espero que esse seja apenas o inicio de uma vida maravilhosa ao seu lado.

Camz? – Falei a tirando do transe.

:- Fale.

Temos uma festa para aproveitar, temos convidados para conversar, temos champanhe para beber. Vamos voltar, eles já devem ter percebido nossa ausência.   – Falei me levantando e vestindo minhas roupas.

:- Você nua é a coisa mais linda do mundo sabia? Quando irmos pra nossa casa promete que só vai andar nua?

Camila você tem cada ideia absurdamente... – A levantei e ficamos em pé uma de frente para a outra. – Fantástica. Vou fazer isso, principalmente nos dias de calor o que acha?

:- Apoio totalmente.

Vestimos-nos e voltamos para o luau do nosso casamento, oficialmente eu era a Senhora Jauregui Cabello, um misto de medo e felicidade me assolavam enquanto via Camila correndo pela areia sendo banhada pela luz da lua e ao fundo as luzes da nossa festa nos chamando. Medo, pois, sabemos que nada é para sempre pelo menos nessa vida, medo de não conseguir ser suficiente para ela algum dia, medo de não saber lidar com uma vida á dois, e sinto felicidade porque o presente era a única coisa que havia, estávamos casadas, felizes e plenas, e essa realidade futuro e passado nenhum poderia interferir, eu ia me esforçar para que nada de ruim nos afetasse, eu tive muita sorte de ter encontrado o amor, muitas vezes essas coisas acontecem de forma errada assim como foi conosco, mas quem garante que pode terminar de forma errada também? Tive sorte, pois terminamos bem, tive sorte, pois, minha família estava comigo, tive sorte por que tive Camila em um momento de pura imaturidade, quem te ajuda a crescer e virar um ser humano pleno não pode ser descartado da sua vida nunca. Essa historia sempre foi sobre ela, sobre como ela me transformou, ela nunca foi só um corpo bonito, a alma dela era a coisa mais preciosa do mundo e merecia ser cuidada e amada incondicionalmente. O amor é isso, cuidar, partilhar, compreender, entender, transformar, se dar, é clichê e gostoso de sentir. Descobrir o amor não é ruim quando se está do lado da pessoa certa, eu descobri o amor da forma mais bonita que alguém poderia ter conhecido, poderia ter sido algumas vezes doloroso outras vezes gostoso e tentador, mas tenho certeza que cada individuo que vive nessa infindável terra tem alguém para descobrir o amor juntos, as coisas se encaixam um dia, acreditem nisso. Camila Cabello era, é e tenho plena convicção em dizer que sempre será o amor da minha vida e se eu tiver sorte, em outras vidas também vamos nos encontrar e descobrir o amor juntas.


Notas Finais


Twitter: @cabwrllo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...