História A Dama e o Vagabundo - Capítulo 31


Escrita por: ~

Exibições 131
Palavras 1.914
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá leitores amados do meu coração, como vão? Ameei escrever esse capítulo e acho que vcs vão adorar lê-lo.
Muuita obrigada pelos favoritos e comentários, bjs e boa leitura.

Capítulo 31 - Summer madness


Fanfic / Fanfiction A Dama e o Vagabundo - Capítulo 31 - Summer madness

“Take me down into your paradise
Don't be scared 'cause I'm your body type
Just something that we wanna try
'Cause you and I
We're cool for the Summer”- Demi Lovato

 Alguns dias se passaram desdo do dia  em que conheci Audrey. Admito que tive uma pontada de alegria ao ver o medo nos olhos de Fred de eu contar a verdade e tive muita vontade de fazer isso, mas não o fiz.

  Escuto o telefone tocar. Jogo-me na cama esticando o braço em direção a escrivaninha para atendê-lo. Não escondo o espanto ao escutar um dos seguranças perguntar se Fred poderia entrar, digo que sim e desligo o telefone. Corro para o espelho para da uma conferida rápida no meu estado e como sempre, eu estava linda.

  Deito na cama e finjo ler uma revista, o que ele veio fazer aqui? Logo o escuto bater na porta e o deixo entrar.

– Fred, que bom vê-lo– digo sorrindo e sentando na cama– Achei que não iria querer me ver mais.

– Que merda foi aquela no shopping?– indaga furioso.

Ah, agora sei por que ele veio...

– O quê?– faço uma cara de inocente em seguida dou um sorriso sínico– Eu quase falar para sua namoradinha a verdade?

– Você não devia fazer aquilo...

– Fala sério Fred– começo levantando da cama pondo a revista na escrivaninha– Você vai querer me dar lição de moral?

– Por que fez aquilo? Ganhou o que com isso?

– Só quis ver sua reação.

– Você não mudou nada!– diz entre os dentes.

– Eu mudei, acredite! Se eu não tivesse mudado teria contato toda a verdade para a... Audrey, né? Teria o prazer de ver as lágrimas se formarem nos olhos dela enquanto você inventava uma desculpa qualquer para amenizar a dor dela, mas eu fiz isso?– pergunto e eu mesma respondo– Não! Então eu mudei sim!

– Não faça mais isso!– pede com um pouco de raiva.

  O moreno se prepara para ir embora, porém seguro sua mão o fazendo parar no meio do caminho.

– Não sei por que você reluta tanto, quando está tão óbvio que você quer!– digo o fazendo olhar para mim.

– Não sei do que você está falando!

– Ah, não sabe?– digo ficando de frente para ele apoiando minhas mãos em seus ombros e o trazendo para mais perto de mim– Você não é nenhum santinho Fred!

– Emily, não começa!– gagueja claramente nervoso tirando meus braços de seu ombro.

– Para de bancar o difícil Fred– digo com minha voz sedutora. Sei que ele não vai resistir!

  Não adianta mais negar, eu o desejo, mais do que gostaria e deveria desejar qualquer homem e algo em seus olhos me diz que ele sente o mesmo. Então dane-se que ele é pobre, eu realmente não ligo, não mais. Vejo um segundo de fraqueza nos olhos do moreno e aproveito o momento, agarro sua blusa branca e o trago para perto de mim juntando nossos lábios em um beijo profundo.  Fred não se meche, como se tivesse pensado se deveria retribuir o beijo ou não, por fim ele sede e põe suas mãos em minha cintura e sobe para minhas costas, levo minhas mãos até seus cabelos intensificando nosso beijo. Sua língua invade minha boca, minhas pernas estavam bambas e meu coração batia cada segundo mais descompassado.

  Nos separamos por falta de ar e aproveito o momento para tirar sua blusa e a jogo longe. Fred me puxa pela cintura e começa a dar beijos molhados por todo meu pescoço. O calor que sentia não parava de crescer, e me assustei ao notar o quão excitada eu já estava. Fred tira minha blusa e eu sua calça jeans, o deixando apenas com a cueca boxer branca.

  O conduzo até meu sofá, tínhamos tantos lugares do meu quarto para fazermos isso, o jogo no mesmo e tiro minha saia com um olhar sedutor nos olhos, quase ri com o brilho malicioso que se formou nos olhos do meu vagabundo. Deixei-o ficar babando uns segundos com o meu corpo e me aproximo de Fred, subo em seu colo e meus joelhos se apóiam ao lado de suas coxas.

– Para Emily, você não devia...

– Shhh– digo pondo o dedo indicador em seus lábios. Aproximo-me do seu pescoço dando uma chupada de leve– Você pensa de mais!

 Movo os quadris no colo dele o fazendo gemer. Sei que ele não vai resistir.

– Eu não posso fazer isso Emily...

– Não pode mais quer– respondo lambendo o lóbulo de sua orelha o fazendo arfar– Estou sentindo o quanto está duro em baixo de mim. 

   Antes dele disser qualquer coisa, ponho suas mãos em meu quadril e rebolo um pouco mais rápido, aproveitando para beijar e lamber seu pescoço.

– Porra, por que você tem que ser tão irresistível?– ele levanta do sofá comigo no colo e caminha em direção a cama me fazendo sorrir. Agora já é tarde para recuar! 

  Fred me deita na cama, começa a beijar meu pescoço e apertar minha coxa, ainda tinha uma parte minha, provavelmente a racional, mandando-me parar com isso enquanto a tempo, mas a outra, a emocional, que neste momento ocupava grande parte das reações do meu corpo, não queria que ele parasse de jeito nenhum. 

  Ele senta com a atenção em meus seios, um tanto sem jeito Fred tira meu sutiã de renda rosa e da um sorriso satisfeito. Meus peitos não são muito grandes, são medianos, um tamanho bom, eu acho. O moreno passa a língua nos lábios e no segundo seguinte está com a boca no meu seio direito, dou um gemido de satisfação ao senti-lo dar leves chupões no mesmo, junto com beijos e lambidas. Sinto uma de suas mãos descer pela minha barriga até tocar em minha intimidade, já totalmente molhada, por cima do fino tecido de renda. Fred começa a tirar a mesma e eu, num longo gemido abri minhas pernas deixando minha vagina exposta para ele. Dou um gemido ao sentir seus dedos me tocarem, fecho os olhos me contorcendo de tanto prazer que sentia, ele aumentou a velocidade nos mesmo e sinto meu corpo relaxar, tinha acabado de ter um orgasmo, admito que nunca tive um tão rápido assim. Quando volto a abrir os olhos Fred estava com os olhos fixos em meu rosto, mordendo o lábio inferior.

– Você fica extremamente sexy gemendo desse jeito, sabia?– rio de seu comentário sentando em seu colo.

– Suspeitava– digo lhe dando um selinho e passando a mão em seu peito e barriga, Fred não tinha o físico do Capitão America da vida, mas ele era forte e tinha os músculos quase definidos.

  Afasto-me do beijo e olho para sua boxer já com uma grande elevação, foi a minha vez de morder o meu lábio inferior. Ponho as mãos no tecido tirando o mesmo revelando seu grande amigo já bem ereto, nessa hora fiquei feliz em não ser mais virgem. 

  Jogo meus cabelos para trás das minhas costas e coloco minha mão em seu pênis. Tento não fazer nenhuma cara de espanto ao perceber que era mais grosso do que imaginei. Minha mão faz um movimento leve de cima para baixo e me deito, passando a língua na ponta de seu membro fazendo o moreno gemer. Levanto a cabeça para encará-lo e volto a envolvê-lo com a mão. Fred estava com os olhos fechados enquanto sussurrava meu nome, ele conseguia ficar bonito até desse jeito. Em seguida começo a chupá-lo, enquanto Fred gemia meu nome, um gemido sexy e extremamente excitante.
-- Porra Emily, você é boa pra cassete!- ri com seu comentário, ele não viu nada ainda. Aumento a velocidade de minha boca e o masturbo também com a mão o fazendo gemer mais alto.
  Quando resolvo parar sento na cama e quase dou um grito ao sentir a mão de Fred em minha cintura me deitando sobre a cama ficando em cima de mim. Seus dedos percorriam cada extensão do meu corpo enquanto a língua passeia pelo meu mamilo, mordiscando a pele.
  Agarro seus cabelos negros, e dou um gemido baixo quando ele leva a boca ao meu outro seio. Seus beijos começam a descer pelo meu corpo. Isso era tão bom, meu corpo parecia que iria entrar em combustão a qualquer momento e eu nunca me senti tão bem assim. 

P.O.V- Fred

  Quando chego no fim de sua barriga resolvo beijar suas coxas só para provocá-la e o longo suspiro que ela deu indicou que eu consegui. Dou um pequeno sorriso e olho para sua intimidade sem pelo algum, até nisso a loira é diferente da Audrey!
  Ao pensar nesse nome meu sorriso vai embora e o sentimento de culpa surgiu em mim. Sento na cama me sentindo a pior pessoa do mundo! Escuto Emily protestar atrás de mim e não a culpa, boa parte do meu corpo estava querendo terminar o que eu tinha começando, mas a parte racional falava mais alto.

-- O que foi?-- Emily perguntou também se sentando na cama. Tive que me esforçar muita para continuar olhando pra parede rosa e tentava esquecer que Emily estava nua ao meu lado. 

-- Nós fomos longe de mais.

-- Você não gostou?

-- Esse é o problema, eu gostei-- disse mais pra mim mesmo do que pra ela-- Gostei demais.

-- Então não vejo problema algum!-- falou como se fosse obvio. 

-- Eu tenho...

-- Audrey-- completou revirando os olhos.

-- Não podia ter feito isso!

-- Mas fez, não adiante ficar se arrependendo de algo que já passou e me desculpe disser, porém não é a primeira vez que você a trai comigo– era verdade, a mais pura e dolorosa verdade– E não acho que você deve se martirizar tanto por isso- ela se aproximou de mim e foi dando vários beijos em minhas costas nuas me causando uma onda de arrepios e sensações boas– Vamos fazer assim, a gente continua fazendo isso, sexo sem compromisso, apenas uma loucura de verão e quando o mesmo acabar nós voltamos para as nossas vidas como se nada tivesse acontecido. O que acha? 

– Até o verão acabar– sussurro.

– Sim, temos um mês– ao perceber que eu fico pensativo Emily revira os olhos, se apoia em minhas costas e sussurra em meu ouvido – Deixa de bancar o difícil Fred, é apenas uma distração!

-- Você é uma ótima distração- disse quando ela lambeu meu pescoço– Mas é errado!– digo a fazendo bufar.

– Tem como você parar de bancar o garoto certinho pelo menos uma vez? Não sei por que você fica recusando tanto já que quer tanto quanto eu! Você não irá morrer por errar uma vez. 

– Eu sei...

– Então relaxa– ela diz se aproximando com seu sorriso sedutor– E aproveite, pois o verão acaba em um mês! Será apenas sexo sem compromisso, nada além.

– Apenas uma loucura de verão!– repito a frase que ela usou e a que meu melhor amigo ficava falando para mim diversas vezes.

– Exatamente– ela disse rindo– Mas se quiser ir embora vá-- ela disse se afastando de mim, me fazendo sentir um vazio-- Mas se decidir ficar-- ela colocou às mãos em minhas costas acariciando a mesma bem lentamente-- Eu não quero que você fale mais da sua namorada sem graça, nem que você “não deveria fazer isso”, pois já está ficando cansativo-- ela passou a mão pelos meus ombros e foi descendo até barriga de vagar, era impossível pensar assim, Emily mordeu de leve o lóbulo da minha orelha, caralho, essa garota sabe me provocar-- O que você escolhe?


Notas Finais


Finalmente a parte da sinopse e um pequeno hot rolou entre eles, não? Já tava na hora...
Desculpem se tiver algum erro, hot não é meu forte, mas eu tento.
Então o que vcs acham que o Fred vai responder???
Comentem e leitores fantasmas comentem tbm, pode ser um simples "continua" que vai fazer o meu dia!
:D


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...